Issuu on Google+

CUMPLICIDADE A CORES

Edição n.º 11 Julho 2012


Editorial A IMPORTÂNCIA DA DEFESA DO MEIO AMBIENTE NA VIDA QUOTIDIANA Podíamos começar por elencar um conjunto significativo de definições de meio ambiente, a partir das quais elaboraríamos uma análise crítica acerca da sua necessária preservação. Para além de diversos significados académicos, dos quais podemos destacar: “Conjunto de condições, leis, influencia e interações de ordem física, química, biológica, social, cultural e urbanística, que permite, abriga e rege a vida em todas as suas formas”, ou podemos simplesmente entendê-lo como: “A soma de condições externas e influências que afetam a vida, o desenvolvimento e, em última análise, a sobrevivência de um organismo”. (THE WORD BANK, 1978). Perante tais pressupostos, encontramos vários motivos que levam a que tenhamos que nos preocupar com o planeta onde vivemos, de forma a defendê-lo e valorizá-lo: - O fato de vivermos numa única morada, este imenso planeta azul é a nossa “Grande casa”, assim como a de todos os seres vivos que nele habitam. Constituímos uma família dentro desta gigantesca casa, que para que funcione em equilíbrio, o nosso contributo é de todo imprescindível, quer na utilização exagerada que fazemos dos recursos naturais, quer no errado encaminhamento que damos ao que consideramos que já não serve. Enfrentamos hoje, a extinção de 11 mil espécies, de microrganismos, animais ou vegetais e cerca de 1 bilhão de pessoas que vivem hoje diariamente com fome. Bastará refletir sobre essas duas grandes questões para percebermos a importância de lutar em prol da proteção do ambiente onde nos integramos. A responsabilidade de cuidar do planeta é de todos nós, são pequenas atitudes que devemos empreender dia a dia, no consumo da água, na separação dos resíduos, no gasto de energia, na utilização dos espaços verdes, para que contribuamos decisivamente na defesa do “nosso mundo”, salvaguardando a qualidade de vida daqueles que amanhã também cá viverão. Paula Teixeira Coordenadora do Centro de Interpretação Ambiental de Castelo Branco


Water&Paintbal Na passada quinta-feira, dia 5 de Julho de 2012, realizouse a atividade “Paintball”. As técnicas do projeto, pretendiam que as crianças se divertissem ao máximo. Para participarem na atividade, as crianças tiveram que trazer pistolas de água ou garrafas e roupa velha .Este jogo consistia em sujar os inimigos com tinta preta ou azul. Havia duas equipas, os azuis e as pretas, mas as equipas empataram. Mas como se costuma dizer: “Não interessa ganhar, o que interessa é participar!”. Clara Sofia Homem, 13 anos


ar e d r Atelie ras tu e pin

Durante o mês de julho, realizei varias atividades no atelier de artes e pintura, por exemplo pintura de canecas, criação de um mealheiro, criação de uma cobra de através de rolhas de cortiça, entre outras. Eu gostei mais de realizar a atividade do mealheiro e da personalização da caneca, pois tive de usar a minha imaginação e além disso diverti-me com os meus colegas nas atividades. Foi muito giro, poder ajudar os meus colegas e eles a mim. No final, de cada atividade, cada um levou a sua caneca e o mealheiro para casa, de modo a que os nossos pais vissem o trabalho realizado por nós, no projeto “ A Vida a Cores”. Ismael Chambino Pinheiro,12anos

tes


Mergulho a cores

Na sexta-feira, dia 20 de Julho de 20012, pelas 10 horas, fomos à piscina praia de Castelo Branco. Quando chegamos à Piscina Praia, tiramos a roupa, estendemos as nossas toalhas e colocamos protetor pelo corpo. Depois de pedir autorização, às técnicas do projeto “A Vida a Cores”, eu e os meus amigos fomos para a água. Foi muito giro, pois além de dar muitos mergulhos, fizemos lutas dentro de água e outras atividades. Diverti-me imenso na piscina, juntamente com os meus amigos e as técnicas. Alexandre Anaya Pereira, 17


PIPOCA TIME!!!!

O “Pipoca Time”, decorre todas as sextas feiras, pelas 15h. Depois de visualizarmos o filme, analisamo-lo em grupo. Um dos filmes que mais gostei de ver, foi o Panda kong Fu, uma vez que me ri muito com os meus colegas e também aprendi que nunca devemos desistir dos nossos sonhos. Devemos sempre acreditar em nós próprios e nunca gozar com os sonhos dos outros. Ismael José Folgado Esteves, 11 anos


No dia 26 de Julho de 2012, pelas 15 e 30 m, participei na atividade dadaísmo. O dinamizador, Jorge Infante, começou por nos explicar que o dadaísmo foi um movimento artístico, que se iniciou durante a Primeira Guerra Mundial. Em francês, a palavra dadaísmo significa cavalo de madeira, embora a sua utilização refere-se à falta de sentido que pode ter a linguagem. De modo a criarmos um texto dadaísta, começamos por pegar numa tesoura e num jornal. Escolhido um artigo do jornal, tivemos que recortar o artigo e em seguida recortamos as palavras que compõem o artigo. Depois, colocou-se as palavras num saco, agitou-se e retiraram-se as palavras (em recortes). À medida, que as palavras iam saindo, transcrevíamos para um papel. No fim, obtivemos frases sem sentido, mas que ficaram muito giras. Eu e as minhas amigas fartamo-nos de rir. Anabela Morão, 11


O meu nome é Joaquim Esteves, tenho 46 anos, e os meus filhos frequentam o projeto “A Vida a Cores”. No início, levava os meus filhos para o projeto e aguardava que terminassem as atividades. Uma vez que tinha as tardes sempre livres, questionei os técnicos do projeto, se era possível ajudar no que fosse necessário. Autorizado a cooperar com a equipa, comecei por ajudar no atelier de artes e pintura, a vigiar as crianças, a auxiliar na horta pedagógica e nas atividades desportivas. Posso afirmar, que esta experiência, está a ser bastante benéfica para mim e para os meus filhos. Sinto-me triste, por não ter mais tempo livre, de modo a contribuir para o projeto “A Vida a Cores”. Todos os pais deveriam cooperar com os técnicos do projeto. Joaquim Esteves, 46 anos.


Cumplicidade s com... Atualmente, a humanidade enfrenta grandes problemas ambientais. A vida do planeta encontra-se ameaçada, estando em vias de extinção.

Cabe às pessoas mudar o seu comportamento e as suas atitudes em relação à natureza, uma vez que cada um tem a sua responsabilidade moral e cívica. Devemos ter consciência que grande parte das nossas tarefas da vida diária, provoca impactos ambientais. As nossas opções poderão ser positivas ou negativas para o ambiente, consoante as nossas escolhas – é importante saber escolher entre um produto tóxico e outro inofensivo, ente utilizar e destruir, entre fazer lixo e reciclar. Se todas as pessoas tiverem essa consciência e adaptarem um comportamento ecológico, estão a ajudar muito a minorar os efeitos nocivos para o ambiente. É da responsabilidade de todos assumir esse compromisso, difundindo (e cumprindo) a educação ecológica. .Sónia Tavares, Técnica do projeto “A Vida a Cores”

PLANTAÇÃO

HORTA PEDAGÓGICA


Visitem-nos on-line Blogue: http://avidaacores-pe.blogspot.com/ Página Facebook: https://www.facebook.com/pages/A-Vida-ACores/261005033949842 Site “A Vida a Cores”: http://avidaacores.programaescolhas.pt/


Cumplicidade a Cores nº11