Issuu on Google+


1

C OMO N ASCE UM M ENTOREADO ? 1 Chegou a Derbe e depois a Listra, onde vivia um discípulo chamado Timóteo. Sua mãe

era uma judia convertida e seu pai era grego. 2 Os irmãos de Listra e Icônio davam bom testemunho dele.

3

Paulo, querendo levá-lo na viagem, circuncidou-o por causa dos

judeus que viviam naquela região, pois todos sabiam que seu pai era grego. Atos 16.1-3

O capítulo 16 do livro de Atos registra Paulo e Silas partindo para o que é chamado de segunda viagem missionária. Os primeiros três versículos deste capítulo descrevem uma passagem rápida por

1


Série Mentoria Espirital

algumas cidades visitadas por Paulo e Barnabé na primeira viagem missionária. Uma destas cidades foi Listra, a cidade natal de Timóteo; uma aldeia cujo povo era muito supersticioso (Atos 14.6-20). Havia em Listra uma lenda de que Júpiter e Mercúrio tinham vindo àquela região como mortais. Então, quando Paulo e Barnabé (por ocasião da primeira viagem) curaram ali um coxo, os habitantes acharam que os missionários eram os deuses. Quiseram até oferecer-lhes sacrifícios. Possivelmente, foi nesta ocasião, que Timóteo havia se convertido ao cristianismo, e a igreja nesta cidade havia sido fundada. Ao chegar a Listra, Paulo e Silas encontraram Timóteo, um jovem com seus 17 ou 18 anos. Nesta altura, Paulo e Barnabé já estavam separados (Atos 15.36-41). Com esta separação, Silas assumiu o papel de assistente de Paulo, atribuição que anteriormente era de Barnabé. Então, Paulo oferece ao dinâmico e promissor jovem Timóteo, uma oportunidade única: ter um bom começo no ministério. É apenas o começo, mas é um bom começo. Quando você tem um bom começo, as chances de você correr bem são maiores. Se você começa bem e corre bem, terá grandes possibilidades de terminar bem! No convite a Timóteo, o apóstolo Paulo, desencadeou um projeto que ele antecipadamente visualizava acerca deste jovem, antes mesmo dele demonstrar o que poderia ser e fazer. Observe que Timóteo não era uma figura de destaque na igreja local de Listra, era apenas um simples jovem de uma boa família. Timóteo não trazia na cabeça uma áurea de confiança e autoridade, não tinha um cargo de ponta na igreja, não era um presbítero ou ancião. O que isso significa para você?

2


Paternidade Espiritual

Os autores Howard e William Hendricks1 traçaram o perfil de um mentoreado em quem vale à pena investir a vida. Pergunte-se: ­ O mentoreado é movido por objetivos? ­ Está ativamente procurando tarefas desafiadoras e responsa-

bilidades maiores? ­ Ele toma iniciativa? ­ Ele é ávido para aprender? ­ Ele está querendo assumir a responsabilidade por seu próprio

crescimento e desenvolvimento?

CARACTERÍTICAS DE ALGUÉM QUE VALE A PENA INVESTIR A VIDA Quando Paulo retorna a Listra, encontra Timóteo, um discípulo que estava fazendo um excelente progresso na fé. Atos 16.1-3 deixa claro que foi Paulo quem tomou a iniciativa na escolha de Timóteo para compor sua equipe ministerial. Mas fica subtendido que Timóteo também tinha um senso de chamado. “Essa é uma ocasião na história missionária apostólica em que a mente do Espírito é manifesta não somente ao candidato, mas também ao líder espiritual no campo e aos anciãos das igrejas locais (1 Timóteo 1.18; 4.14; 2 Timóteo 1.6; 2.2)”.2 Vejamos algumas razões que levaram Paulo a convidar Timóteo para acompanhá-lo e investir em seu ministério. Atos 16.1-3 indica quatro características de alguém que vale a pena investir a vida:

1 2

Como o Ferro Afia o Ferro. São Paulo: Shedd, 2006, p. 48-55 Como o Ferro Afia o Ferro. São Paulo: Shedd, 2006, p. 48-55 3


Série Mentoria Espirital

1ª) UMA FORMAÇÃO ESPIRITUAL BÁSICA Isto implica em conteúdo bíblico acompanhado de experiência prática. “... Sua mãe era uma judia convertida” (v. 1b) Certamente, Timóteo já havia adquirido um conhecimento das Escrituras por intermédio de sua mãe, uma judia convertida, e sua avó. No judaísmo do primeiro século existiam várias maneiras de formação e de educação, mas todas estavam fundamentadas nos mesmos ideais: que o temor do Senhor é o princípio da sabedoria e que se alcança essa sabedoria por meio de um disciplinado estudo da Tora (a lei de Moisés). O judeu piedoso não entendia isso como uma teologia teórica, mas como forma de educação de vida piedosa.3 Esse aprendizado fazia parte da vida cotidiana, especialmente no contexto familiar, mas também acontecia dentro das sinagogas. Listra,a cidade de Timóteo, era uma comunidade campestre, sem sinagoga. Todavia, para os judeus, o mais importante centro de educação não era a sinagoga, mas sim o lar. Talvez, em Listra, Timóteo nunca tenha visto um rolo das Escrituras, mas sua mãe Eunice e sua avó Lóide, eram um “rolo” vivo da Palavra de Deus (2 Timóteo 3.14-15). O autor Barclay diz que, na cultura hebraica, com três anos de idade as crianças eram levadas às sinagogas e com seis ou sete eram enviadas às escolas fundamentais, onde eram aplicados principalmente os métodos da memorização e da repetição. Em 2 Timóteo 1.5, Paulo elogia a formação espiritual de seu filho na fé, não se referindo a piedade judaica, mas cristã! Para os cristãos judeus, a fé em Cristo é uma verdadeira continuidade da religião do Antigo Testamento.

3

DAVIS, Willins Hersey, citado por John Maxwell, em Como Tornar-se uma Pessoa de Influência. Rio de Janeiro: CPAD, 2002 4


Paternidade Espiritual

2ª) UM BOM CARÁTER Isto implica em ter uma vida justa e procedimento íntegro. “Os irmãos de Listra e Icônio davam bom testemunho dele” (v. 2). Timóteo era bem visto na igreja. Ele havia crescido em estatura espiritual. Sua excelente reputação também contribuiu para Paulo convidar este jovem para ser seu assistente. Todavia, caráter cristão não deve ser confundido com a reputa. Note o quadro:

ção4

4

Reputação

Caráter

As circunstâncias em meio às quais você vive determinam a sua reputação.

A verdade na qual você crê determina o seu caráter...

A reputação é o que se supõe que você seja.

O caráter é o que você é.

A reputação é a fotografia.

O caráter é a face.

A reputação é algo externo que alguém recebe.

O caráter se desenvolve no interior do ser.

A reputação é o que você tem quando se junta a uma nova comunidade.

O caráter é o que você tem quando a deixa.

Sua reputação é construída em um momento.

Seu caráter é construído ao longo de toda vida.

Sua reputação pode ser aprendida em uma hora.

Seu caráter não vem à luz em um ano.

A reputação cresce como um cogumelo.

O caráter permanece como a eternidade.

“Os judeus consideravam a linhagem judaica através da mãe, e não do pai; assim, Timóteo se circuncidou para não parecer um judeu que tivesse rejeitado a aliança de Deus”. (Comentário bíblico Vida Nova, p. 1.638). 5


Série Mentoria Espirital

A reputação faz alguém rico ou pobre.

O caráter o faz feliz ou miserável.

A reputação é o que os homens declaram a seu respeito em sua lápide.

Caráter é o que os anjos dizem a seu respeito diante do trono de Deus.

A boa reputação é importante, mas o caráter é imprescindível. Pois a boa reputação é reflexo do caráter santo. Moody disse: “Se eu tomar conta de meu caráter, minha reputação tomará conta de si mesmo”. Um exemplo coerente de caráter é a forma mais eficaz para revelar a força interior de um homem e de uma mulher. O pastor Bill Hybels compartilhou em seu livro Liderança Corajosa (Vida, 2002) que o processo de seleção de um membro de sua equipe é baseado em “três cês”: Caráter, Competência, Combinação. Hybels assegura que o caráter deve vir primeiro, pois um ocasional lapso de competência pode ser aceito. Mas um lapso de caráter causa problema com extensas consequências. Portanto, quando a Bíblia exige que o líder cristão seja “irrepreensível” (1 Timóteo 3.2, grego anenkletos), que significa “sem mancha”, “sem culpa”, que na prática quer dizer não ser apanhado em falta, em vício ou escândalo. Isto não quer dizer que a pessoa não tenha pecados... Ela não tem é prática pecaminosa, mensurável e deliberada. Em outras palavras: ela não tem pecado que não esteja confessado diante de Deus e do Corpo de Cristo, sendo purificado pela obra do Espírito e da graça de Deus. 3ª) INTEGRADO NA VIDA DA IGREJA LOCAL Isto implica em ter raízes comunitárias e compromisso com a igreja. “Chegou a Derbe e depois a Listra, onde vivia um discípulo chamado Timóteo...” (v. 1a).

6


Paternidade Espiritual

A conversão de Timóteo se deu por ocasião da primeira viagem missionária de Paulo. Portanto, levou aproximadamente dois anos até que Paulo retornasse a Listra. Durante este tempo o jovem Timóteo congregou naquela pequena comunidade e se tornou uma referência de discípulo para todos que o conheciam. Os irmãos das comunidades tanto de Listra como de Icônio “davam bom testemunho” de Timóteo. O processo de integrar alguém na igreja local implica em suprir as quatro necessidades básicas do ser humano: ser conhecido, integrado, compreendido e amado. 4ª) DISPOSIÇÃO PARA ABRIR MÃO DE SEUS “DIREITOS” Isto implica em submissão consciente e atitude de servo. “Paulo, querendo levá-lo na viagem, circuncidou-o por causa dos judeus que viviam naquela região, pois todos sabiam que seu pai era grego” (v. 3). Pelo fato de ter nascido meio judeu Timóteo não havia sido circuncidado - prática comum entre os judeus, desde a época de Abraão (Gênesis 17.10-14). Através da circuncisão, o indivíduo habilitava-se a fazer parte do povo de Deus. Timóteo desejava servir a Cristo no ministério, mas a incircuncisão5 poderia ser um problema, devido sua origem misturada – grega e judia – pois nas regiões por onde ele acompanharia Paulo, havia muitos judeus, que sabiam que seu pai era grego. Timóteo não era obrigado a circuncidar-se, pois o próprio Paulo ensinou que a verdadeira circuncisão não é externa, mas a que é praticada no coração (Colossenses 2.22). Em outra ocasião, Paulo deixou de circuncidar um de seus assistentes, Tito. Pois neste caso específico, 5

Como o Ferro Afia o Ferro. São Paulo: 2006, p. 63 7


Série Mentoria Espirital

havia uma implicação doutrinária: a circuncisão aparece como método para receber a salvação (Gálatas 2.1-5). No caso de Timóteo era moralmente indiferente e sem relevância doutrinária. Paulo queria circuncidá-lo para facilitar a pregação do evangelho aos judeus. Todavia, Timóteo poderia recusar, mas não o fez. Ele abriu mão de seus “direitos”. A submissão de Timóteo ao rito da circuncisão é um sinal evidente do seu comprometimento; ele ajudou evitar um problema potencial com os judeus. Paulo viu em Timóteo, um potencial para ser um líder na igreja emergente, antes mesmo que ele fosse um sucesso. Agora ele seria apenas um assistente-aprendiz. Naquele momento, a visão do apóstolo em relação ao jovem transcendeu às circunstâncias a que ele se encontrava. Paulo enxergou Timóteo lá na frente e investiu nele, no seu “aqui” e “agora”. Paulo acreditou em Timóteo.

8


Paternidade Espiritual

APLICAÇÃO PESSOAL 1. Quais as características de um líder que vale a pena investir a vida? _______________________________________________________ _______________________________________________________ _______________________________________________________ _______________________________________________________ _______________________________________________________ _______________________________________________________ 2. Timóteo era alguém motivado a aprender, disposto a trabalhar e ansioso para começar. Qual é o percentual dos líderes em potencial de sua igreja com esta disposição?_____. _______________________________________________________ _______________________________________________________ _______________________________________________________ _______________________________________________________ _______________________________________________________ _______________________________________________________ 3. Em sua opinião, por que muitos desses líderes não estão engajados ainda no trabalho da sua igreja local? _______________________________________________________ _______________________________________________________ _______________________________________________________ _______________________________________________________ _______________________________________________________ _______________________________________________________

9


Paternidade Espiritual