Page 1

TIME TIME TIME EXPL EXPL EXPL OITA OITA OITA FOR


INOPS


Time for exploitation, é uma metáfora da teoria neo-analítica de Carl Jung, consistindo numa experiência audiovisual que explora as polaridades da existência, viajando pelo mundo onírico de uma persona (feminina), que após a expulsão da sua comunidade (mundo interno/ protegido) é confrontada com o mundo externo (os outros), onde é sujeita a situações violentas e humilhantes. Progressivamente assistimos à transcendência do seu percurso vivencial (equilíbrio anima e animus), acompanhando a sua busca pela adaptação social, e o seu processo de individualização.* DURAÇÃO:4’01m

* Tendo como base referencial o cinema pink japonês das décadas ’40 a ’70, pretendemos realizar uma narrativa audiovisual que nos permitisse a utilização de vários frames/sequências fílmicas destas obras cinematográficas, aliadas a filmagens de raiz, possibilitando-nos, desta feita, a construção de uma narrativa, onde o espaço e o tempo se confundissem e influenciassem, numa clara tensão entre imagem, ritmo, e movimento. De modo a adjuvar esta pretensão, apoiámo-nos na música experimental (de salientar a obra de John Cage), considerando-a adequada, (cor)respondendo ao imaginário visual, e sonoro, que ambicionávamos transmitir.


O homem é dotado de memória, a qual lhe inculca um sentimento de insatisfação, tornando-o vulnerável e sujeito ao sofrimento. TARKOVSKI, 2002


O tempo constitui uma condição da existência do nosso “Eu”. Assemelha-se a uma espécie de meio de cultura que é destruído quando dele não mais se precisa, quando se rompem os elos entre personalidade individual e as condições da existência. O tempo é necessário para que o homem, criatura mortal seja capaz de se realizar como personalidade. TARKOVSKI, 2002


01

02

06

03

07

04

08

05

09


10

14

18

11

15

19

12

16

20

13

17

21


Quando n達o se disser tudo sobre um determinado tema, fica-se com a possibilidade de imaginar o que n達o foi dito. TARKOVSKI, 2002


TIME FOR EXPLOITATION

EDIÇÃO, PRODUÇÃO E ARGUMENTO ana borges ana nunes ricardo franco

EDIÇÃO E PÓS-PRODUÇÃO DE SOM ana borges ana Nunes ricardo franco

CINEMATOGRAFIA dan oniroku - NAWA TO HADA (1979) koji wakamatsu - GO, GO SECOND TIME VIRGIN (1969) koji wakamatsu - ECSTASY OF ANGELS (1972) shônei imamura - THE PORNOGRAPHERS (1966) toshio matsumoto - Funeral Parade of Roses (1969) Yasujirô Ozu//There Was a Father (1942) Yoshishige Yoshida//Eros plus Massacre (1969)


BANDA SONORA eric rosenblith - ABOIO E DANÇA NEGRA franklin gama - TRAVESSIA iannis xenakis - METASTASIS SPECTRAL VIEW John Cage - BACCHANAL

LITERATURA COMPLEMENTAR DELEUZE,gilles – LA IMAGEN-TIEMPO: ESTÚDIOS SOBRE CINE. barcelona: editorial paidós, 1986. JUNG, carl – ANALYTIC PSYCHOLOGY: ITS THEORY AND PRACTICE. nova iorque: pantheon, 1968. TARKOVSKI, andrei – ESCULPIR O TEMPO. são paulo: livraria martins fontes, 2002. TUDOR, andrew – ARTE & COMUNICAÇÃO: TEORIAS DO CINEMA. lisboa: edições 70.

disponível em

- WWW.VIMEO.COM/18992305


ANA BORGES | ANA NUNES | RICARDO FRANCO 2011

AUDIOVISUAL & MULTIMÉDIA

faculdade de belas artes | ul

TIME FOR EXPLOITATION  

Academic work. Performed in group. Japanese pink film as inspiration. An approach to over-exploitation of the female image. see the movi...

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you