Issuu on Google+

DESTAQUE

BARÓMETRO PÁG. 4

EVENTOS PÁG. 50

COMUNICAÇÃO E IMAGEM PÁG. 72

MUNICÍPIOS EM DESTAQUE PÁG. 8

NOTÍCIAS PÁG. 60

AGENDA PÁG. 78

DESTAQUE PÁG. 48

LOJA DE SANTIAGO DE COMPOSTELA PÁG. 68

APOIO AO INVESTIDOR PÁG. 82


MENSAGEM DO PRESIDENTE

« assente no princípio ético que as alegrias de hoje não valem as tristezas de amanhã »

2

A presente edição da Newsletter insere-se em plena época das colheitas e das vindimas como uma importante fase do ciclo agrícola no âmbito do qual a Natureza assume uma especial cor e sabor, convidando à fruição das suas mais nobre dádivas em toda a sua Biodiversidade.

Foi este o mote das recentes Comemorações do Dia Mundial do Turismo que decorreram com aplaudido êxito no Porto e Norte de Portugal, graças ao empenho dos Municípios que corresponderam, entusiasticamente, ao nosso apelo e que num elogio à “Arte de BemReceber”, reflectem um renovado enlace Natureza e Turismo, direccionado para a sustentabilidade dos Destinos Turísticos.

3

Hoje queremos partilhar os magníficos encantos e recantos do Parque Nacional da Peneda Gerês, ex-líbris do Turismo da Natureza da região, recentemente distinguido com o galardão das 7 Maravilhas Naturais. Estamos perante um espaço privilegiado para o estudo, preservação e divulgação da biodiversidade e, simultaneamente, um espaço de animação cultural e turística: “O turista moderno redescobre aquilo que o artista sempre soube: as cores da natureza foram sempre para o homem aquelas que melhor se harmonizam com as profundidades da sua vida mental” (Baridon).

Um apelo especial (neste início de ano lectivo) para a importância da Educação Ambiental assente no princípio ético que as alegrias de hoje não valem as tristezas de amanhã. Só assim é possível fruir das nobres dádivas do Turismo de Natureza em toda a sua plenitude.

Presidente do Turismo do Porto e Norte de Portugal

Melchior Moreira


Principais Indicadores Estatísticos do Desempenho do Porto e Norte de Portugal

4

1

BARÓMETRO

Taxa de Ocupação NUTS II

Aeroporto Francisco Sá Carneiro - Porto Segundo dados oficias da ANA Aeroportos, em Agosto, o Aeroporto do Porto atingiu o melhor resultado de sempre, ultrapassando, pela primeira vez, os 600 mil passageiros. O melhor desempenho mensal anterior tinha ocorrido no passado mês de Julho, período em que foram processados 547.558 passageiros. Com efeito, os resultados do mês de Agosto traduziram-se num crescimento de 24,1% em número de passageiros (10,6% em movimentos) totalizando 622.189 passageiros (5.690 movimentos). Em relação ao resultado acumulado (Janeiro a Agosto), registou-se um crescimento de 16,8%, com um total de 3.488.822 passageiros processados, mais 500.829 passageiros, que em igual período do ano anterior. Nos primeiros oito meses deste ano, o Aeroporto do Porto já superou o total de tráfego de 2006 (3.404.536) A nível de Destinos os Top 5 os lugares são ocupados por Paris, Lisboa, Londres, Frankfurt e Genebra, respectivamente. Destaca-se ainda o facto de a Ryanair ter anunciado a abertura de uma nova rota com 5 voos semanais, a partir de 31 de Outubro, do Porto para Londres Gatwick. No momento em que a base da Ryanair no Porto celebrou o seu primeiro aniversário no passado dia 3 de Setembro, a operação da companhia conta já com 33 destinos directos, 9 dos quais a inaugurar em Novembro próximo, altura em que a base de operações do Porto aumentará a sua capacidade de 3 para 4 aviões. Ainda digno de registo no mês de Agosto, o aumento registado pelas companhias easyjet (+74,2%), Ryanair (+61,7%) e Luxair (+45,8%).

INE | Dados Julho De acordo com os dados oficiais do INE – Instituto Nacional de Estatística, no mês de Julho de 2010, os estabelecimentos hoteleiros registaram 4,6 milhões de dormidas (variação homóloga + 8,1%). Para este resultado contribuíram tanto os residentes (+7,8%) como os não residentes (+8,3%), estes últimos contrariando a tendência negativa dos últimos três meses. Ao nível dos proveitos totais, atingiram-se 225,6 milhões de euros e 158,7 milhões nos proveitos de aposento (var. homóloga de 10 e 9,5% respectivamente). A região do Porto e Norte de Portugal registou uma variação homóloga de 6% nas dormidas, num total de 474 000. A média nacional registou de igual modo um aumento de 8%. O Porto e Norte continua com resultados positivos também ao nível da Taxa de Ocupação-cama que em Julho de 2009 era de 37,1% em Julho de 2010 se cifrou nos 39,4%.

Estada Média

% Jul-09

Nº noites Jul-10

Jul-09

Jul-10

PORTUGAL

50.6

53

3.2

3.2

Norte

37.1

39.4

1.9

1.9

Centro

32.9

33.9

2

1.9

Lisboa

48.8

53.9

2.3

2.3

Alentejo

34.7

33.7

1.8

1.8

Algarve

68.6

66.5

5.3

5.1

AÇORES

49.9

55.1

3.1

3.1

MADEIRA

58.2

55.6

5.5

5.5

Na Estada média manteve o valor já registado no ano anterior de 1,9 noites. De igual modo, nos Proveito totais homólogos o Porto e Norte também registou um aumento de +5,9%, num total de 22,2 milhões de euros. Nos proveitos de aposento, o aumento foi de 5,9%, num total de 15,5 milhões de euros.

NUTS II

Proveitos Totais

Taxa variação

Proveitos aposentos

Taxa variação

Jul-10

%

Jul-10

%

PORTUGAL

225.6

10

158.7

9.5

Norte

22.2

5.9

15.5

5.9

Centro

19.8

7.3

12.4

5.1

Lisboa

49.6

14.3

36.6

12.7

Alentejo

6

6.5

4.1

5.4

Algarve

98.3

14.1

71.2

13.8

AÇORES

7.1

1.5

5.5

4.1

MADEIRA

22.6

-3.4

13.4

-6.4

A nível nacional registe-se que o rendimento médio por quarto foi de 40,7€, superior ao do período homólogo que se tinha ficado pelos 38,7€. No Porto e Norte esse rendimento fica-se pelos 27€, tendo registado um aumento homólogo de 1€ (26,0€ em Julho 2009)

5


GASTO MÉDIO POR TERMALISTA

TERMALISMO: PERFORMANCE REGIONAL

6

De acordo com dados da Associação das Termas de Portugal (ATP), em 2009 procuraram as termas 97 mil clientes, mais 1,1% do que no ano anterior. Embora a maioria dos clientes ainda procure as termas no sentido clássico, o número das pessoas que procuram as novas valências de bem-estar está a crescer exponencialmente nos últimos anos, tendo representado já 31% do total em 2009. Segundo a ATP, 61% dos clientes que procuram as termas no sentido tradicional são mulheres, 81% do total de clientes têm mais de 44 anos e 14% menos de 35 anos. A maioria destes clientes mais tradicionais fica nas termas, em média, por 14 dias e volta por várias vezes, já que, segundo a ATP, verifica-se uma taxa de fidelização de 70%. A análise regional dos dados disponibilizados pela ATP, permite realçar o comportamento das termas do Norte no contexto nacional por demonstrar uma maior eficiência destes estabelecimentos face à concorrência:

• A quota de mercado, expressa em número de clientes, corresponde a 30% no segmento clássico e a 29% no segmento bem-estar; • A quota de mercado, expressa em volume de vendas, corresponde a 29% no segmento

TERMALISMO CLÁSSICO

70%

clássico e a 34% no segmento bem-estar; • O gasto médio por termalista no Norte de Portugal é de 215,18€ (bastante superior à média nacional que se situa nos 188,24€).

7

termalismo clássico

bem-estar termal

total NORTE

RESTO DO PAÍS

De acordo com a mesma fonte, a quota de mercado de termalistas estrangeiros das termas do Norte ascendeu, no primeiro semestre de 2010, a 52% do total nacional sendo que no Top10 das termas nacionais com maior número de clientes residentes no estrangeiro encontram-se 6 balneários termais localizados na região Norte.

BEM-ESTAR TERMAL

71%

71%

66% 48%

30%

29%

29%

34%

nº de clientes

facturação

nº de clientes

facturação

52%

NORTE

NORTE

RESTO DO PAÍS

RESTO DO PAÍS


8

2.1 Municípios em Destaque CHAVES

Entrevista ao Dr. João Chaves, Presidente da Câmara Municipal de Chaves

1. Considera que a reforma institucional do Turismo foi importante para a afirmação do seu Município no contexto regional e nacional? A publicação do Decreto-Lei n.º 67/2008 teve enquadramento na estratégia de reorganização/reforma da administração pública e surge como “consequência” da aplicação do PRACE ao sector turístico. Neste contexto, visou essencialmente a obtenção de ganhos em economias de escala, em notoriedade e em identidade. No entanto, o reconhecimento da importância do Município para a actividade turística regional e nacional é efectivado pela Turismo do Porto e Norte de Portugal, em sede estatutária, com a criação da Delegação de Dinamização do Produto Estratégico Saúde e Bem-Estar em Chaves. Com esta determinação, reconhece-se Chaves como um dos concelhos que, na última década mais contribuíram para o crescimento turístico da região Norte - permito-me referenciar que Chaves é sempre, desde 2000, um dos 12 municípios da região com registo de maior número anual de dormidas.

Reconhece-se, ainda, a importância do Termalismo enquanto produto turístico ao reconhecer-se a importância turística de Chaves ao nível do Turismo de Saúde e Bem-Estar sendo que as Termas de Chaves são, há longos anos, a maior estância termal do Norte (em número de clientes e em facturação) e que a requalificação do Parque Termal de Vidago é um dos maiores (senão o maior) investimento em requalificação de uma estância termal feito em Portugal. 2. Como avalia o desempenho da Entidade Regional do Turismo do Porto e Norte de Portugal? Os indicadores turísticos oficiais, que apontam para um crescimento consolidado no último ano em contra-ciclo com as restantes regiões do país, são uma referência positiva. Particularmente, ao nível do Turismo de Saúde e Bem-Estar, tem havido um forte empenhamento na promoção do termalismo e dos valores termais, com resultados visíveis quer ao nível do mercado interno quer ao nível do mercado galego. A Delegação de Saúde e Bem-Estar tem-se assumido como um parceiro sempre disponível para apoiar e colaborar com as actividades que o Município, em particular, e os agentes do sector, em geral, têm desenvolvido. Infelizmente, a situação que o país atravessa actualmente não tem permitido que esse apoio seja, também, financeiro. Sublinho, ainda, o envolvimento dos agentes do sector nas actividades da Turismo do Porto e Norte de Portugal, criando redes colaborativas entre todos, como acontece, por exemplo, com a

organização da participação das termas do Norte em eventos como a BTL ou, até, a participação activa da oferta regional na elaboração do Guia de Saúde e Bem-Estar. 3. Quais os Produtos Estratégicos que considera prioritários para o seu Município? Como já ficou patente nas respostas anteriores, o nosso produto estratégico prioritário é o Turismo de Saúde e Bem-Estar, pois as nossas termas (Chaves e Vidago) constituem o principal motivo de visita dos nossos turistas. A Gastronomia é, também, um produto turístico relevante para o nosso concelho, conhecido pelos pasteis de chaves, pelo folar, pelo presunto, pelo fumeiro e o arroz de fumeiro e pelos milhos. O Turismo de Natureza e o Touring Cultural e Paisagístico são, ainda, produtos turísticos relevantes para Chaves. O Turismo de Natureza, em especial, pela prática de actividades como o BTT, o pedestrianismo ou, até o birdwatching. O Touring Cultural e Paisagístico pela riqueza patrimonial – os fortes e baluartes; as igrejas e pelourinhos; as ruas e varandas medievais e os achados arqueológicos, recentemente valorizados com a descoberta de um balneário termal romano com características de espaço lúdico que se considera poder ter funcionado durante os primeiros 4 séculos da nossa Era. Fica o convite: descubra e experimente estes atractivos. Estamos convictos que repetirá a visita.

9


CHAVES | cidade com História | TOURING CULTURAL

10

A História do concelho, da região e do país é sussurrada em cada recanto do concelho. De civilizações proto-históricas existem vestígios de vários castros, situados no alto dos montes que envolvem a região. Das legiões romanas - que há dois milénios se instalaram no vale fértil do Tâmega – ficaram-nos importantes legados como a ponte romana com os seus 12 arcos (visíveis) de volta perfeita ou as termas romanas com o seu lajeado de granito de aparelho muito perfeito. Com a idade média o reencontro deve ser feito no burgo medieval, nas suas estreitas ruas e ruelas, onde destacam as varandas dos andares superiores, por serem de madeira e avançadas sobre a rua. E há, ainda, a História bélica, ligada à defesa da nação com destaque para a Torre de Menagem, o Baluarte do Cavaleiro, o Forte de São Francisco e o Forte de São Neutel. Uma História para ser vivida pelos caminhos do concelho ou para ser descoberta na rede municipal de museus composta pelo Museu da Região Flaviense, o Museu Militar, o Museu de Arte Sacra e o Museu do Caminho de Ferro ou da visita aos locais de culto (com visita obrigatória à Igreja Românica de Outeiro Seco, à Igreja Matriz, à Igreja da Misericórdia e à Igreja da Madalena).

11


TERMAS DE CHAVES TURISMO DE SAÚDE E BEM-ESTAR

12

O Poder da Água cuidar do corpo e da mente

Equilíbrio Vital Entre a Terapia e o Bem-Estar

Junto à margem direita do Rio Tâmega, nasce uma água de composição única na península Ibérica (são águas hipertermais, bicarbonatadas, sódicas, mesomineralizadas e gasocarbónicas). Reza a História que, na época do domínio romano, as legiões, após as suas digressões bélicas, se deleitavam nas águas ferventes da cidade de Aquae Flaviae, recuperando forças e tratando as maleitas que os atingiam (no corpo e na alma). Hoje, são uma resposta eficaz aos impactos que exigências familiares, sociais e profissionais causam sobre a qualidade de vida de cada um que pode ser desfrutada num ambiente simultaneamente urbano e tranquilo, usufruindo do parque urbano que ladeia o Rio ou da experiência de saborear as águas quentes na buvete ou na “Fonte do Povo”.

As águas das Caldas de Chaves brotam a 73ºC e a sua riqueza mineral é explicada pela profundidade do seu reservatório subterrâneo – 3 Km abaixo da superfície terrestre – que as submete a uma grande pressão, forçando-as, sob a forma de vapor, a atravessar várias camadas da crosta terrestre, adquirindo, no percurso, toda a riqueza mineral. Conciliando o melhor dos dois mundos nas Termas de Chaves – O Spa do Imperador alia a experiência e reconhecimento milenar das águas quentes em programas de tratamento termal e em programas de bem-estar termal elaborados a pensar no visitante.

Contactos Termas de Chaves O Spa do Imperador Largo das Caldas 5400-534 Chaves Tel. + 351 276 332 445 | Fax: + 351 276 332 447 geral@termasdechaves.com www.termasdechaves.com

13


14

TURISMO DE NATUREZA

FESTA DOS SANTOS

Chaves – Abençoada pela Mãe Natureza

Chaves – Tradição e Modernidade

As experiências e vivências não se esgotam no seu património histórico e construído. Antes se alarga ao património natural que, em complemento com o Turismo de Saúde e Bem-Estar é “usado” para alcançar o re-equílibrio corpo-mente. Aqui, os turistas poderão praticar diversas actividades em contacto directo com a natureza: O BTT, o pedestrianismo ou até o birdwatching. Existem diversas rotas que permitem aos visitantes conhecer a fauna e flora da região bem como os seus usos e costumes, como por exemplo, as Rotas do Contrabando, o Circuito da Castanha ou a Rota das Vistas Mágicas. Em alternativa, a Quinta Pedagógica do Rebentão e a Quinta da Freixeda constituem equipamentos municipais onde a história do concelho é contada através das plantas e animais autóctones.

A “Feira dos Santos” constitui-se ex-libris festivo da cidade de Chaves e desta Região Transmontana. Decorre entre 30 de Outubro e 1 de Novembro. A época em que se realiza, coincide com o termo de importantes trabalhos agrícolas – a colheita da batata, da castanha, do vinho e outros produtos locais o que dava origem à deslocação à cidade para venda de produtos excedentários. Aproveitavase, ainda, este Feira para a venda anual de gado bovino e caprino. A receita era aplicada nos bens essenciais para todo o ano (sementes, alimentos, roupa, calçado, utensílios domésticos, alfaias agrícolas, etc.).

Paralelamente, não faltava a componente de Festa que faz da Feira dos Santos um evento de carácter lúdico associado aos divertimentos tradicionais e animação musical. A modernidade transformou a Feira dos Santos num certame multisectorial onde se fazem representar uma vasta gama de actividades económicas: o vestuário, o calçado, o artesanato nacional e internacional, as antiguidades, os produtos agrícolas, a gastronomia e um vasto leque de diversões que atraem mais de 100.000 visitantes por ano, muitos deles oriundos da vizinha Galiza. A organização do certame é da responsabilidade da ACISAT – Associação Empresarial do Alto Tâmega e do Município de Chaves.

15


16

2.2 Municípios em Destaque ESPINHO

Entrevista ao Dr. Pinto Moreira, Presidente da Câmara Municipal de Espinho

1. Considera que a reforma institucional do Turismo foi importante para a afirmação do seu Município no contexto regional e nacional? Considerando que a reforma institucional do Turismo teve na sua base a eleição do turismo como sector estratégico prioritário, é sem dúvida uma linha de pensamento que vai de encontro às directrizes do nosso município que propõe uma aposta clara e forte neste sector. Esta reforma permite uma gestão integrada do Porto e Norte com um elevado nível de autonomia na gestão da região. Esta reforma permitiu que as anteriores 19 regiões de Turismo, fossem concentradas em cinco entidades regionais de Turismo e seis pólos de desenvolvimento turístico com o objectivo supremo de uma promoção e divulgação cada vez melhor dos destinos turísticos portugueses ao qual o município de Espinho não é excepção. A criação da entidade PNP permitiu que o nosso município, que não estava integrado em nenhuma região de turismo, fosse4 integrado numa estrutura assumidamente vocacionada para o turismo e promoção de toda a região. Esta nova organização turística do país permitirá que as diversas acções e campanhas sejam melhor direccionadas ao nível dos produtos turísticos que cada município tem para oferecer, mobilizando as sinergias em prol de um destino de eleição. 2. Como avalia o desempenho da Entidade Regional do Turismo do Porto e Norte de Portugal? A Entidade Regional do Porto e Norte de Portugal deverá concentrar todas as sinergias no cumprimento do seu principal objectivo que é o de transformar o Porto e Norte num dos principais destinos turísticos nacionais. No entanto, são de louvar algumas das acções de promoção e

divulgação dos produtos turísticos e eventos do levadas a cabo pela Entidade, nomeadamente na área da gastronomia e da forte aposta na criação de Lojas de turismo e Welcome Centers, cujo funcionamento em rede será pioneiro e concertado entre toda a região. É expectável que a Entidade Regional do Porto e Norte de Portugal afirme a logomarca Porto e Norte de Portugal no mercado interno e externo com uma identidade coerente e integrada assente na promoção e dinamização dos produtos estratégicos e dos produtos turísticos prioritários da região que melhor definem a vocação turística da região norte. 3. Quais os Produtos Estratégicos que considera prioritários para o seu Município? Espinho dispõe das condições climatéricas, recursos naturais, culturais e desportivos que permitiram a sua consolidação como destino turístico já a meados do século XIX com o “Vir a banhos” , surgindo os primeiros veraneantes que iniciam o culto pela água e ar salinos. No entanto é em 1870 que ostenta, com toda a dignidade, o título de praia, complementado

com o bulício de casas, ruas e praças, hospedarias, hotéis, cafés com diversões várias e as salas de jogo de roletas e baralhos. A nossa história e oferta turística integram-nos por si só em vários dos produtos turísticos estratégicos definidos no PENT para a região, no entanto urge destacar os mais fortes e emblemáticos como sejam: Touring Cultural e Paisagístico, City Break, Turismo de Negócios e Saúde e Bem-estar. No Touring Cultural e Paisagístico destacam-se eventos de projecção internacional como o CINANIMA, o FIME – Festival Internacional de Música de Espinho e a recriação histórica “Vir a Banhos”, que promove a praia e os efeitos terapêuticos da mesma. De destacar ainda as obras de arquitectura contemporânea como Centro Multimeios e o FACE - Forúm de Arte e Cultura de Espinho, além do Folclore e Artesanato com os internacionalmente famosos Violinos Capela. A feira semanal é já um ícone no panorama nacional que desperta os sentidos pela sua cor, aroma e burburinho. No Turismo de Saúde e Bem-es-

tar Espinho possuí um Balneário Marinho de Talassoterapia que responde às exigências do diaa-dia cada vez mais stressante, podendo desfrutar de momentos de relaxamento prevenindo a sua saúde e bem-estar. Espinho é uma cidade cosmopolita, com uma conhecida e afamada costa, e um património interessante, com uma indústria turística em expansão. Zona turística sobretudo de veraneio, Espinho oferece um importante Casino, o mais antigo Campo de Golfe da Península Ibérica, datado de finais do século XIX, bem como uma forte oferta hoteleira e de restauração, com afamados produtos do mar. Não podemos esquecer que Espinho tem igualmente para oferecer um importante património histórico, cultural e natural, como a igreja Matriz e a Capela de Nossa Senhora da Ajuda, padroeira dos pescadores, a lota de pesca, e a tradicional Feira de Espinho, que tem lugar todas as segundas-feiras, não esquecendo o agradável passeio que o Passeio Central da Beira - Mar.

17


ESPINHO Desporto e bem-estar 18

Praias Espinho possui 8Km de praias, que desde 1830 são procuradas pelo clima ameno, areais extensos em conjunto com rochas marinhas repletas de algas em certas zonas que proporcionam a cada veraneante a possibilidade de escolher a praia da sua preferência. O imenso mar azul que envolve a areia fina é recortado por es-

porões que o tornam manso em zonas propícias a banhos com o prazer e segurança de uma praia cuidadosamente vigiada, mas também exibe uma ondulação adequada à prática de desportos aquáticos, como o surf ou bodyboard. Assim, o sossego de uma praia isolada contrapõe-se à acção de outra, onde, inclusive, poderá assistir a um disputado

jogo de voleibol de praia ou conviver num animado bar. Espinho possui várias praias distinguidas com Bandeira azul da Europa onde, durante toda a época balnear se realizam as mais variadas actividades que visam sensibilizar veraneantes e toda a população para a necessidade de preservar o ambiente.

Oporto Golf Club Fundado em 1890 por iniciativa de cidadãos ingleses ligados a exportação do vinho do Porto e residentes na cidade do Porto, o Oporto Golf Club tem uma superfície de 4700m e 18 buracos.Com excelentes instalações de apoio aos praticantes, serviços de Clubhouse e restaurante, e situado a sul da cidade, o campo é apresentado nos roteiros de golfe como um par 71, com um total de 5668 metros. A famosa semana de Golfe de Espinho durante a qual são jogadas as Taças Skeffington, Kendall e Dockery é considerada um verdadeiro ex-libris do golfe nacional

Balneário Marinho O Balneário Marinho, Complexo de Talassoterapia de Espinho tem o tratamento adequado para cada caso, desde terapias de emagrecimento ao simples exercício de manutenção, passando pela aplicação de algas e banhos de imersão nas diversas formas de reumatismo, sequelas de traumatismos ósteo-articulares e outras situações clínicas.

19


Cultural

20

Centro Multimeios O Concelho de Espinho possui um espaço destinado a acolher e proporcionar o que de melhor existe a nível nacional e internacional nas mais diversas plataformas de interesse cultural. Pelas suas características, o Centro Multimeios, apresenta condições ideais para realizar eventos em campos como o da Música, Artes Plásticas, Literatura e Cinema.

FACE- Fórum de Arte e Cultura de Espinho / Museu Municipal A renovação funcional da antiga Fábrica Brandão Gomes integra uma vertente de desenvolvimento cultural e preservação da memória colectiva da comunidade local. Nesta perspectiva, o Museu Municipal de Espinho surge como uma instituição

de pesquisa e comunicação que tem como âmbito a comunidade piscatória e a indústria conserveira de Espinho. O Museu procura caracterizar o Bairro da Marinha, a Arte da Xávega e tornar compreensível o lugar da Fábrica Brandão Gomes no fenómeno conserveiro nacional e mundial.

Cinanima Festival Internacional de Cinema de Animação, transforma Espinho, no mês de Novembro, num centro cultural de destaque no campo de cinema de animação e actividades plásticas paralelas. Convergem para Espinho as atenções de muitos nacionais e estrangeiros que nesta altura do ano têm oportunidade de assistir ou participar neste certame da 7ª arte.

Actividade | Cinanima (Festival Internacional de Cinema de Animação) Organização | Cooperativa Nascente e pela Câmara Municipal de Espinho Periodicidade | Anual Data da realização | Novembro Local | Centro Multimeios Actividades | Cinema de animação, exposições e diversas acções de formação Histórico | Actividade com 34 anos

21


22

O CINANIMA é um festival de cinema de animação organizado pela NASCENTE – Cooperativa de Acção Cultural, juntamente com a Câmara Municipal de Espinho, que desde a sua primeira edição em 1976 tem desenvolvido uma actividade regular na divulgação desta forma cinematográfica e dos seus autores, naquele que é considerado um projecto precursor da descentralização cultural portuguesa, tendo-se conseguido afirmar como um evento de relevo internacional fora dos grandes centros de Lisboa e Porto. A oportunidade de apresentar um filme no CINANIMA significa para muitos profissionais uma das poucas possibilidades de poder mostrar ao público o fruto do seu trabalho e esforço, para além dos privilégios a que os premiados têm direito. Todos os vencedores de prémios no CINANIMA ficam automaticamente apurados para o concurso europeu de melhor filme de animação o “Cartoon D’Or”, organizado pela CARTOON – European Association of Animated Film. Por outro lado, o vencedor do Grande Prémio

do CINANIMA fica apurado para o pré-concurso às nomeações para os Óscares da Academia de Hollywood. Ao longo destes de 34 anos de actividade, o CINANIMA contribuiu para a criação de novos públicos para este género, permitindo que o cinema animado pudesse ser reconhecido pelo grande público como um género nobre, afastando o habitual pré-conceito redutor de que os desenhos animados são para crianças, e consagrando a animação como uma plataforma de comunicação artística multidisciplinar por excelência. No ano de 2009, dos cerca de 800 filmes propostos à competição oficial, provenientes de 47 países, o certame escolheu 81 curtas-metragens e cinco longas, provenientes de 17 nações, dos mais variados estilos e tendências. Este é o espaço nobre do festival, aquele onde se vê o que de melhor se vai fazendo por todo o mundo. Um festival como o CINANIMA não é feito apenas de filmes, sendo inúmeras as exposições, acções de formação,

performances e outras iniciativas que ocorrem durante a semana. Para quem não tem tempo ou disponibilidade de acompanhar um festival a tempo inteiro, e prefere condensar a sua visita e ser servido com uma boa selecção, o último dia do festival é dedicado aos premiados, e apresenta quatro sessões que são muito apreciadas pelo público em geral. Quem conhece já sabe que vai ser bem recebido. Se nunca veio, aproveite e descubra! Se acha que não gosta de desenhos animados, então não tenha dúvidas e venha surpreender-se

DIVERSão

Alameda 8 A zona foi recentemente sujeita a uma grande remodelação, reaproveitando um espaço de excelência para momentos de lazer e turismo, este é um espaço dotado com ecrã gigante e bares com serviços de alimentação. Esta área é também utilizada para o visionamento das transmissões televisivas dos jogos do mundial com milhares de pessoas a assistir. Durante todo o verão decorreram grandes concertos com nomes como: Luís represas, Pedro Abrunhosa, Blind Zero, Anjos, Taxi , Perfume …. Entre outros… Espinho entrou na onda….contaram com milhares de assistentes que se foram espalhando pela alameda. Casino O Casino Espinho beneficia de uma privilegiada localização, junto à praia e ostenta o prestígio da tradição. De forma contínua, o Casino Espinho tem contribuído para a “renovação da tradição” e tem procurado corresponder de forma plena às expectativas dos seus visitantes. As emoções do jogo e as cores das apostas, alternam com o brilho da animação. O objectivo do Casino Solverde é transformar os momentos de cada um nos melhores momentos. Diariamente a música ao vivo, o glamour dos espectáculos e o brilho de coreografias surpreendentes, animam os requintados espaços que fazem deslumbrar as entusiastas plateias. O Casino Espinho dispõe de uma diversa gama de Jogos Bancados, uma Sala de Slot-Machines disposta em 2 pisos interligados por escadas rolantes, equipada com 1000 Slot-Machines, de última geração com uma diversidade de cerca de 170 Jogos distintos e de uma Sala Mista, enquadrada na área da sala de SlotMachines. Dispõe, ainda, de várias salas que o tornam um dos locais mais adequados, para a realização de congressos e eventos de várias ordem, desde, banquetes, exposições, desfiles de moda e festivais. Os melhores momentos…

23


24

2.4 Municípios em Destaque VILA NOVA DE FOZ CÔA

Entrevista ao Dr. Gustavo Duarte, Presidente da Câmara Municipal de Vila nova de Foz Côa

1. Considera que a reforma institucional do Turismo foi importante para a afirmação do seu Município no contexto regional e nacional? A reforma institucional do Turismo tem proporcionado uma maior e melhor unificação da oferta turística do Norte de Portugal, preservando simultaneamente as especificidades de cada um dos municípios que representa. Entendo que a visão de conjunto constituise como uma mais-valia na projecção nacional e internacional de cada região, possibilitando a criação de uma estratégia mais concertada na promoção do turismo nacional. Recordo que anteriormente as seis entidades de turismo da zona norte do país desenvolviam um trabalho mais individualizado e, a partir do momento em que passam a existir no continente cinco áreas regionais de turismo, a Porto e Norte de Portugal surge como uma plataforma de excelência para alavancar o desenvolvimento turístico dos municípios da região Norte. Penso que com o trabalho desenvolvido pela Porto e Norte de Portugal, Vila Nova de Foz Côa poderá consolidar a sua inserção nas rotas turísticas internacionais, impulsionar a divulgação dos produtos endógenos de que é possuidor e contribuir para coesão do Norte como destino turístico de excelência.

2.Como avalia o desempenho da Entidade Regional do Turismo do Porto e Norte de Portugal? Tendo em conta a conjuntura actual, penso que toda a equipa da Porto e Norte tem desenvolvido um trabalho digno de mérito pelo esforço e investimento no profissionalismo e seriedade com que pauta as suas acções. Louvo a visão da entidade na criação das delegações que permitem uma maior proximidade com os municípios e na aposta na promoção dos produtos estratégicos e não apenas dos destinos turísticos. Esta nova gestão e modo de repensar o turismo no Norte de Portugal faz-me crer que a TPNP apresenta características de excelência no incremento da modernidade, transversalidade, competitividade, singularidade e dinâmica da região Norte.

3.Quais os Produtos Estratégicos que considera prioritários para o seu Município? Penso que Vila Nova de Foz Côa apresenta uma multiplicidade de produtos que se afiguram estratégicos para continuar a projecção que alcançou desde que foram descobertas as gravuras rupestres. De facto, quando se ouve falar em Foz Côa, esta é imediatamente associada à Arte Rupestre, ao Parque Arqueológico do Vale do Côa e ao recentemente inaugurado Museu do Côa. Além disso, Foz Côa é talvez o único concelho que possui dois patrimónios mundiais: o Alto Douro Vinhateiro e as Gravuras Rupestres do Vale do Côa. O Turismo Gastronomia e Vinhos pela riqueza gastronómica e qualidade e reconhecimento mundial dos vinhos produzidos no concelho. O Turismo de Natureza, Cultural, Paisagístico e Patrimonial pelas características excepcionais na possibilidade de percorrer a Rota dos Miradouros de Foz Côa que conduzem o visitante a lugares com cenários avassaladores de onde se avistam o Douro e o Vale do Côa, realização de percursos pedestres que dão acesso a locais de outro modo inacessíveis, proporcionando aos caminhantes um universo inesquecível de beleza e quietude, passeios em veículos de todo-o-terreno, montanhismo, passeios em barco rabelo no Douro, prática de canoagem, remo e outras modalidades náuticas e observação de espécies de aves raras, tais como a imponente águia-real, a águia de Bonelli, o abutre do Egipto, o grifo, a cegonha negra ou um esquivo bufo real. Existe também a possibilidade de visitar casas senhoriais, monumentos de diferentes estilos, ruínas romanas, etc. Gostaria que a curto prazo também fosse possível apostar no Turismo Religioso tendo em conta a forte herança e presença de inúmeras manifestações edificadas, nomeadamente a Igreja Matriz de Vila Nova de Foz Côa, de traça manuelina. Considero também fundamental valorizar o Património Imaterial do concelho. Vila Nova de Foz Côa é de facto um livro com muitas páginas e capítulos de natureza, história e arte que é necessário preservar e, naturalmente, conto com o estímulo da Porto e Norte de Portugal.

25


Museu do Côa | perspectiva nascente |

Museu do Côa | entrada principal |

VALE DO CÔA

26

Vale do Côa: é seguramente a mais extraordinária aventura da arqueologia nacional e o certificado de cidadania que marcou as políticas do património nos anos da transição do milénio. Confirmada que foi, primeiro pela arqueologia e logo depois pela UNESCO, a importância patrimonial dos sítios arqueológicos e de arte rupestre paleolítica (mas também pós-glaciar) do Vale do Côa, o Museu do Côa era a etapa que faltava. Depois de um primeiro projecto arrojado mas falhado junto à ensecadeira do Côa, o museu, da mesma forma que a arte Magdalenense do ciclo paleolítico, deslocouse para a foz do mítico Côa. E eis aí o Museu do Côa, preparado inaugurado oficialmente a 30 de Julho passado. O local escolhido é comummente elogiado pela amplidão e deslumbramento de horizontes que oferece ao visitante, a cavalo na junção do Côa com o Douro. O edifício é uma obra emblemática de “arquitectura da terra”, alongado e muito bem encaixado no topo de uma colina, uma entrada nobre qual falha ziguezagueante por onde a luz se vai escoando e forçando o visitante a sentir-se penetrar as entranhas da terra e do tempo mítico. Intencionalmente e ao contrário do que se poderia pensar, não é esta a mais evidente introdução à descoberta de uma arte da luz (como é a do Côa) como a que adiante se mostra nas salas de exposição permanente, mas o percurso simbólico de um caminho sinuoso que

foi o do desbravar de um novo paradigma artístico perdido na escuridão dos milénios. A exposição permanente, centrada evidentemente na arte paleolítica de ar livre, é uma síntese do trabalho quer da pequena equipa do antigo Centro Nacional de Arte Rupestre (inexplicavelmente extinto em 2007) a quem se deve todo o material rupestre ali exposto, quer da equipa de escavação do Parque Arqueológico do Vale do Côa, que se foi encarregando de contextualizar nos quotidianos paleolíticos a imaterialidade da arte. Nenhuma rocha decorada foi cortada para ser exposta no museu. Porque, como muito se tem dito, “o verdadeiro museu é o vale” com a sua arte em conexão espacial com a geomorfologia envolvente, os ruídos naturais e os silêncios paleolíticos. Mas o visitante poderá observar cinco réplicas (possíveis...) criteriosamente escolhidas como fundamentais ao discurso arqueológico ali exposto. Quatro são réplicas da arte paleolítica (±25.000 - ±10.000 anos antes do presente) e uma da Idade do Ferro, esta do mais admirável painel de idade sidérica conhecido na região, infelizmente submerso pela barragem do Pocinho há 27 anos no terraço duriense do Vale da Casa. Um molde em látex desta rocha, que fiz em 1982 pouco antes da submersão, permitiu agora esta reprodução, num excelente trabalho do Museu D. Diogo de Sousa, de Braga. Como afirmava Picasso, “toda a arte antiga deve

27

Museu do Côa e o seu enquadramento paisagístico


Cabra com duas cabeças da rocha 3 da Quinta da Barca. É a mais icónica gravura paleolítica do Vale do Côa e talvez um futuro símbolo do Museu.

28

viver sempre no presente, senão nem sequer deve prestar-se-lhe atenção”. Ora e porque a Arte do Côa é espantosamente actual na “modernidade” dos seus vinte e cinco milénios de criatividade, simbolismo e invenção, quisemos que o Museu do Côa tivesse uma forte ligação à arte contemporânea nas suas várias vertentes. E lá está, em diálogo que se pretende crítico e criativo, uma primeira peça do escultor Alberto Carneiro criada expressamente para o Museu, a que outras seguramente se seguirão... Como que envergonhadamente, o Museu do Côa passa ao de leve pela impressionante polémica que assinalou a salvação da Arte do Côa e o abandono da barragem do Baixo Côa. O que seria útil fosse melhor explicado às gerações mais jovens, porque afinal este museu é uma consequência disso mesmo. Mas porque também queremos que este museu seja uma obra em permanente transformação, estes e outros aspectos não deixarão de ser corrigidos nas futuras adaptações que o museu não deixará de sofrer. Pouco mais de 15 anos após a revelação da arte paleolítica do Côa, 28 anos após as primeiras descobertas de arte holocénica e da Idade do Ferro no Vale da Casa, uma obra que honra a região e o país e de que justamente nos orgulhamos... pois aí está o MUSEU do CÔA.

António Martinho Baptista (Coordenação científica da exposição permanente do Museu do Côa) FOTOGRAFIAS | © António Martinho Baptista

PARQUE ARQUEOLÓGICO O Parque Arqueológico do Vale do Côa foi criado em Agosto de 1996 com o objectivo de gerir, proteger, musealizar e organizar a visita pública da arte rupestre que veio a ser classificada em 1998 pela UNESCO como Património da Humanidade com base nos seguintes critérios: “a arte rupestre do paleolítico superior do Vale do Côa é uma ilustração excepcional do desenvolvimento repentino do génio criador, na alvorada do desenvolvimento cultural humano”; “a arte rupestre do Vale do Côa demonstra, de forma excepcional, a vida social, económica e espiritual do primeiro antepassado da humanidade”. No sentido de criar um contexto simultaneamente de inteligibilidade e protecção à arte rupestre, foi delimitado um território com 20 000 hectares marginando os últimos 17 quilómetros do curso do rio Côa e a sua confluência com o Douro. Esse território, à luz da legislação de enquadramento, deverá ser dotado de um plano de ordenamento de parque arqueológico. Face às características e condições de jazida da arte rupestre, o Parque Arqueológico organizou um sistema de visitas às gravuras do Vale do Côa tendo como preocupação a sua boa fruição por parte dos visitantes, em equilíbrio com a conservação da arte e da paisagem. O visitante tem à escolha três dos mais importantes núcleos de arte rupestre do Vale do Côa: Canada do Inferno, Penascosa e Ribeira de

29


30

Piscos. As visitas a estes núcleos fazem-se em viaturas todo-o-terreno e acompanhadas por um guia, a partir da sede do Parque e Museu do Côa, e de dois centros de recepção, nas aldeias de Castelo Melhor e Muxagata. Também na aldeia de Cidadelhe, concelho de Pinhel, um centro de interpretação acolhe os visitantes em época alta. É possível, em dias determinados, visitar outros dois núcleos de arte rupestre, de mais difícil acesso, a Faia e o Fariseu, assim como realizar visitas a sítios arqueológicos escavados ou participar em oficinas e outras actividades educativas, sempre por marcação antecipada (visitas. pavc@igespar.pt; http://www.igespar.pt/pt/ monuments/53/). Para complementar a visita e criar uma oferta de maior qualidade, quer na informação disponibilizada, quer em serviços, o Museu do Côa desempenha hoje um importante papel no contexto do Parque Arqueológico. Implantado na proximidade da cidade de Foz Côa, sobranceiro à confluência dos dois cursos de água, Côa e Douro, assinala afinal a centralidade deste vale no contexto do território ibérico da arte rupestre de ar livre — que se alonga do Sabor, o ponto mais setentrional, até ao Zêzere, para o meio-dia, caminhado para o interior da Meseta — , território onde vestígios maiores do Paleolítico Superior nos chegaram em quantidade e qualidade preservados. Alexandra Cerveira Lima Directora PAVC

31


32

2.4 Municípios em Destaque VILA VERDE

Entrevista ao Dr. António Vilela, Presidente da Câmara Municipal de Vila Verde

33 1. Considera que a reforma institucional do Turismo foi importante para a afirmação do seu Município no contexto regional e nacional? Não tenho dúvidas de que a criação de uma entidade regional de turismo que englobe o Porto e todo o Norte de Portugal permite uma visão mais global das riquezas turísticas da nossa região. Face ao quadro institucional anteriormente vigentes, os ganhos consideráveis de escala potenciam novas dinâmicas na divulgação nacional e internacional do Norte de Portugal como produto turístico. Tratando-se de uma região que tem para oferecer património e cultura, tradição e modernidade, natureza e civilização, o Norte de Portugal pode, na sua diversidade e complementaridade, constituir um destino turístico por excelência. Estou convicto de que, todos juntos, podemos ser mais fortes a firmar-nos no panorama turístico nacional e internacional. Em relação ao concelho de Vila Verde é notório o diálogo fácil com essa entidade vertida em colaborações institucionais que têm potenciado a afirmação e divulgação dos nossos eventos de referência e possibilitado a congregação de esforços tendentes a definir uma estratégia de afirmação da nossa oferta turística.

2.Como avalia o desempenho da Entidade Regional do Turismo do Porto e Norte de Portugal? A Entidade Regional do Turismo do Porto e Norte de Portugal tem pautado a sua actuação por uma extrema atenção às riquezas turísticas de toda a região e tem conseguido desenvolver um trabalho de promoção das suas potencialidades. Louvo, antes de mais, o esforço realizado para estar próximo das autarquias e ser sensível aos respectivos valores culturais, ao seu património, às suas tradições e às suas riquezas naturais. Realço, também, toda a disponibilidade e empenho para colaborar na promoção e valorização de grandes eventos, como é o caso, em Vila Verde, do “Namorar Portugal” e da “Festa das Colheitas”.

3.Quais os Produtos Estratégicos que considera prioritários para o seu Município? Vila Verde é hoje um concelho de projecção nacional e internacional. Grandes eventos como o “Namorar Portugal”, as Festas Concelhias em Honra de Santo António, a “Bienal de Arte Jovem” e a “Festa das Colheitas” promovem o que de melhor temos para oferecer: cultura, tradição, património construído e paisagístico, mas também, uma excelente gastronomia, e, acima de tudo, a alegria de um povo amante de bem receber. As festas, romarias, feiras e outros eventos no concelho de Vila Verde são um cartaz vivo e de animação ao longo de todo o ano, demonstrando o carácter alegre deste povo. Produtos artesanais como os “Lenços de Namorados” constituem uma importante marca do nosso património e evidenciam a beleza das nossas tradições. O legado gastronómico é manifestamente um factor cultural fundamental e, como tal, no concelho de Vila Verde, marcado pelas raízes do Minho, a diversidade e a riqueza culturais reflectem-se na criatividade gastronómica do município, que tem na marca registada “Vila Verde Capital do Pica no Chão” e no Pudim Abade de Priscos dois dos seus mais emblemáticos produtos gastronómicos. Montes, rios e vales oferecem-se ao visitante como paisagens de sonho, quase irreais, onde ao valor paisagístico, se junta o esforço secular do trabalho dos homens para criar lugares únicos onde vale a pena ir e apetece ficar.


VILA VERDE

34

O concelho de Vila Verde está localizado no distrito de Braga, em pleno coração do Minho. É limitado a norte pelo concelho de Ponte da Barca, a Oeste pelos de Barcelos e Ponte de Lima, a Este por Terras de Bouro e a Sudeste pelos de Amares e Braga, de que fica separado pelos rios Homem e Cávado, respectivamente. Com uma área de 228,7 km2, apresenta uma população com cerca de 46 mil habitantes distribuídos por 58 freguesias. Situa-se a poucas dezenas de quilómetros das praias que se estendem pela orla costeira marítima entre os centros urbanos de Porto e Galiza e fica contíguo ao Parque Nacional da Peneda-Gerês. Beneficia de um clima temperado agradável, com temperaturas médias anuais de 15º C, sendo o Inverno chuvoso e o Verão quente e seco.

O concelho de Vila Verde, pela sua antiguidade e riqueza cultural, é detentor de um vasto património, traduzido nos vestígios arqueológicos, na arquitectura civil e religiosa, nos conjuntos rurais típicos, nos aspectos etnográficos da cultura popular, no artesanato, na gastronomia tradicional, na paisagem verdejante e nos rios que o atravessam. Visitar o concelho de Vila Verde é deixar-se surpreender com o fervor e a devoção das suas gentes nas festas e romarias, onde se associam os elementos etnográficos e o riquíssimo património religioso patente nos santuários e igrejas disseminadas pelo município. Cerca de centena e meia desses eventos festivos e religiosos ocorrem ao longo de todo o ano nas Capelas e Igrejas do concelho e revelam, por si só, a dinâmica e a religiosidade de um povo empenhado em preservar a sua herança cultural e transmitir às novas gerações formas de viver e sentir. São exemplos a peregrinação à N.ª Sr.ª do Alívio, em Soutelo, as festas da N.ª Sr.ª do Bom Despacho, em Cervães, as festas concelhias de Santo António, em Vila Verde e a bênção dos animais de Santo António de Mixões da Serra, em Valdreu. Em Vila Verde a história e a arte encontram-se bem representadas no Pelourinho e na Ponte de Prado, na Vila de Prado, na Torre de Penegate, em Carreiras S. Miguel, na Casa da Torre, em Soutelo, nos frescos da Igreja Velha, em Vila Verde, no Fojo do Lobo, em Gondomar; na igreja de Coucieiro, na via Romana XIX, nos Caminhos de Santiago; nos aglomerados rurais da Pequenina e Nogueira, em Aboim da Nóbrega e Gondomar respectivamente.

35


36

37 Visite-nos e deixe-se surpreender com a manifestação de amor contida nos “Lenços de Namorados”, testemunho da arte tradicional e da cultura de Vila Verde de outros tempos, bordados, em tempos, por raparigas enamoradas, e que representam modos de fazer com simplicidade, onde as cores, os erros ortográficos, as mensagens simples, mas de profunda pureza, marcam a criatividade e saber das mulheres. Os Lenços de Namorados são hoje o motivo para a realização de um grande evento de referência ao nível nacional e internacional, que atrai a Vila Verde milhares de visitantes – o “Namorar Portugal”. Um evento em que a moda, o espectáculo e o glamour servem para enaltecer estes verdadeiros ex-líbris do artesanato desta terra.

Um artesanato rico e multifacetado que se revela nos artigos de linho, na tecelagem de trapos, nas miniaturas e brinquedos de madeira, nas cangas e jugos de bois, nos instrumentos musicais, na olaria, na cerâmica pintada à mão e nas peças em granito.


38

Em Vila Verde a natureza mostra todo o seu esplendor. Por montes e vales, cenários de encantar proporcionam condições ideais para inúmeras actividades de lazer, das quais se destacam os passeios a pé, de jipe, de bicicleta e a caça. Os rios Cávado, Homem e Neiva, dotados nas suas margens de magníficas praias fluviais, apresentam excelentes condições para a prática de canoagem e pesca desportiva. Ao visitar Vila Verde, conviva com as suas gentes, alojando-se no ambiente familiar das casas de Turismo no Espaço Rural, e aprecie os saberes e sabores da nossa gastronomia tradicional. “Vila Verde, Capital do Pica no Chão” constitui o mote para todo o conjunto de iniciativas de promoção da gastronomia local e dos produtos regionais que têm no famoso arroz de frango e no pudim Abade de Priscos duas das iguarias que fazem parte da nossa rica herança gastronómica e que deve apreciar. As feiras, de periodicidade semanal, quinzenal, mensal e anual, os eventos culturais e as várias exposições temáticas revelam o forte empenho no desenvolvimento cultural, social e económico da região.

39


40

3

41

DESTAQUE

Parque Nacional da Peneda Gerês

é uma das “7 Maravilhas® Naturais de Portugal”

No dia 11 de Setembro nos Açores, durante a cerimónia de Declaração Oficial, o Parque Nacional da Peneda Gerês foi declarado uma das “7 Maravilhas® Naturais de Portugal”, na categoria Zonas Protegidas. Partindo de um universo inicial de 77 pré-finalistas espalhados pelo território continental e insular, conseguiu passar todas as fases de apuramento até à cerimónia de declaração oficial, que contava com um total de 21 finalistas. Cada candidato teve o apoio incansável da sua madrinha ou padrinho, que no caso do Parque Nacional da Peneda Gerês se tratava da atleta maratonista Rosa Mota, medalha de ouro olímpica.


42

Desde o início que a Turismo do Porto e Norte de Portugal se empenhou no bom desenrolar do concurso, tendo sido o Administrador Delegado do Produto Natureza, Carlos Ferreira, membro do painel de especialistas que elegeram os 77 pré-finalistas. Foram ainda desenvolvidos todos os esforços de colaboração com a Câmara Municipal de Terras de Bouro, entidade proponente da Maravilha Natural. O Parque Nacional da Peneda Gerês pertence à rede de Áreas Protegidas do Norte de Portugal, foi criado em 1971, é a mais antiga área protegida do nosso país e a única com estatuto de Parque Nacional. Integra-se na rede europeia “Parques com Vida” e “Panparks” e ainda recentemente a UNESCO aprovou a sua candidatura a reserva mundial da biosfera do Parque Internacional Luso-Galaico Gerês/Xurés. Trata-se de um recurso turístico de base, fundamental para o Porto e Norte, no produto turístico estratégico Saúde-e-Bem-Estar, pontificando sobretudo no produto turístico

estratégico Natureza, assumindo-se aqui como verdadeira “Jóia da Coroa” a nível Nacional. O seu grande interesse reside sobretudo no facto de possuir uma grande diversidade de ecossistemas muito bem preservados que gozam da presença de espécies faunísticas e florísticas de singular interesse para a conservação da natureza e da biodiversidade. A multiplicidade, excelência e beleza do seu vasto painel de paisagens naturais e humanizadas, assumem grande valor cultural e afirmam este território como um espaço fundamental para a fruição turística em meio natural preservado, com muito alto valor de biodiversidade. Com este Galardão, o Parque Nacional da Peneda Gerês afirma-se ainda mais como um território único, que merece ser visitado e preservado, sempre numa dialéctica de verdadeira sustentabilidade, onde o turismo, a protecção ambiental e o desenvolvimento sustentável se articulam harmoniosamente, para criar mais bem estar e riqueza para as populações locais.

43


44

4

EVENTOS

terminou uma violenta e expressiva reacção de muçulmanos no mundo inteiro. Sujeito a uma tentativa de assassinato, na sua casa em Aarhus, em 2010, Westergaard vive sob fortes medidas de segurança. O evento, moderado por Carlos Magno,  contou ainda com a presença do jornalista Paulo Moura. Nobel da Paz Shirin Ebadi e cartoonista dinamarquês Kurt Westergaard no X Simpósio em Santa Maria da Feira Shirin Ebadi, Prémio Nobel da Paz em 2003, iraniana, advogada e activista dos Direitos Humanos e Kurt Westergaard, cartoonista dinamarquês que criou o controverso cartoon do profeta muçulmano Maomé, marcaram presença no X Simpósio, organizado pela Câmara Municipal de Santa Maria da Feira, sobre o tema “Identidade, Liberdade e Violência”, realizado no passado dia 2 de Outubro, no auditório da Biblioteca Municipal.  O X Simpósio reuniu à semelhança das edições anteriores, personalidades com experiências de vida diversas, tornando este encontro mais um momento único de reflexão e discussão sobre um tema candente.

Shirin Ebadi, primeira mulher iraniana nomeada juíza e presidente de um tribunal legislativo, foi, por imperativo dos clérigos conservadores, impedida de exercer estes cargos, o que a motivou para a militância da defesa dos Direitos Humanos, reconhecida pela atribuição do Nobel da Paz. A primeira cidadã iraniana e a primeira mulher muçulmana a receber um Nobel é, actualmente, professora da Universidade de Teerão e está envolvida numa campanha a favor do estatuto legal das mulheres e crianças, no Irão. Kurt Westergaard, caricaturista profissional durante mais de 20 anos, alcançou a notoriedade ao criar um desenho do profeta muçulmano Maomé, com uma bomba no turbante, o que de-

Dez edições do Simpósio Desde 2000, a Câmara Municipal de Santa Maria da Feira organiza este Simpósio, coordenado por Renzo Barsotti. No ano passado, Roberto Saviano, jornalista, condenado à morte pela máfia napolitana, autor do livro Gomorra, foi um dos conferencistas do IX Simpósio, dedicado às “Máfias e mercado global”. Depois de Salman Rushdie, que esteve em Santa Maria da Feira em 2006, Saviano foi o segundo escritor perseguido a marcar presença neste encontro. Refira-se que já participaram no Simpósio inúmeras personalidades de relevo, como Eduardo Lourenço, Francesco Alberoni, António Di Pietro, Vasco Graça Moura, José Saramago, Oliviero Toscani, Gianni Vattimo, Giuliana Sgrena, Bernard Henri-Lévy, Paul Rusesabagina e Fernando Savater, entre outros.

ESTRATÉGIA PARA O TURISMO DE SAÚDE E BEM-ESTAR FAZ DO PORTO E NORTE UMA BOA PRÁTICA NACIONAL E INTERNACIONAL Em 17 de Setembro passado, a Turismo do Porto e Norte de Portugal, apresentou a sua estratégia para o Turismo de Saúde e Bem-Estar, no IX Encuentro  de Entidades Locales con Aguas Minerales y Termales (em Orense – Espanha) e no 4º Fim-deSemana Técnico e Termal (em Almeida – Serra da Estrela). No encontro de entidades locais com águas termais, representou a Turismo do Porto e Norte de Portugal, o Eng. António Mota, apresentando uma comunicação com o tema “Plan estratégico de turismo de salud en el norte de Portugal”. No 4º Fim-de-Semana Técnico e Termal, organizado pela Associação Portuguesa dos Recursos Hidrícos, a representação da Turismo do Porto e Norte de Portugal competiu à Administradora-Delegada de Saúde e Bem-Estar, Dr.ª Ana Ladeiras, que apresentou uma comunicação denominada de “Estância Termal – Destino de Saúde e Bem-Estar”.

45


46

5

NOTÍCIAS

“Caldo de Nabos para todos” A Entidade Regional de Turismo do Porto e Norte de Portugal participou na inauguração do Festival Gastronómico “Hoje há Caldo de Nabos”, que se realizou nos dias 25 e 26 de Setembro. Organizado pela Divisão de Turismo da Câmara Municipal de Gondomar, o evento teve como principal objectivo dar a conhecer (aos Gondomarenses e a todos quantos nos visitam por ocasião das Festas do Concelho) a iguaria que faz parte da história de Gondomar, conservando-lhe, assim, um merecido lugar na história local. 

47


48

ART&TUR 2010 – A CONSOLIDAÇÃO DO ÚNICO FESTIVAL DE CINEMA E TURISMO DO PAÍS O filme “Africa’s Lost Éden”, da National Geographic, sobre o Parque Nacional da Gorongosa, em Moçambique, foi o vencedor do Grande Prémio Art&Tur 2010. A película ilustra o esforço que está a ser desenvolvido para restaurar um dos ex-libris naturais daquele país africano, tendo merecido o principal prémio do Festival Internacional de Filmes de Turismo, em Barcelos. A edição de 2010 do Art&Tur apostou na sensibilização do público no Ano Internacional da Biodiversidade, dando especial ênfase à protecção de áreas sensíveis do planeta, como o Parque Nacional da Gorongosa e a Amazónia. O filantropo norte-americano Greg Carr, que tomou a seu cargo a recuperação da Gorongoza, um parque criado pelos portugueses em 1960 mas que foi devastado pela guerra civil, esteve em Barcelos a acompanhar o Festival, acompanhado por Vasco Galante, director de Comunicação do Parque da Gorongosa, pelo Embaixador de Moçambique em Portugal e pelo director da National Geographic, entidade que produziu o filme e arrecadou o principal prémio.

A película “Africa’s Lost Éden”, que também arrecadou os prémios para Melhor Filme nas Categorias de Biodiversidade e Planeta Saudável, tem a duração de 50 minutos e foi projectado no terceiro dia de Festival, com uma plateia absolutamente cheia e entusiasmada. O Festival Internacional de Filmes de Turismo Art&Tur foi uma organização da APTUR – Associação Portuguesa de Turismologia e da Câmara Municipal de Barcelos, decorreu de 23 a 26 de Setembro. Este é já considerado como um dos mais importantes eventos para a promoção turística do concelho de Barcelos no país e no mundo. Durante quatro dias foram exibidos os 80 melhores filmes dos mais de 285 a concurso, provenientes de 35 países,o que faz do Art&Tur um dos mais importantes Festivais de Filmes de Turismo da Europa, só superado em número de filmes a concurso pelo Tourfilm Karlovy Vary, da República Checa, que se realiza há 43 anos. O Festival Art&Tur terminou com um balanço muito positivo, tornando Barcelos cada vez mais a Hollywood dos Filmes de Turismo.

Exposição Património Mundial

Sistemas de Incentivo ao Sector do Turismo

A Câmara Municipal de Guimarães, em colaboração com a Sociedade de Reabilitação Urbana, realiza uma exposição intitulada “Valorização e Gestão do Centro Histórico do Porto, Património Mundial”, de 21 a 29 de Setembro de 2010, no Paço dos Duques de Bragança, enquadrada nas Comemorações das Jornadas Europeias do Património.

No dia 20 de Outubro de 2010, pelas 9,30h, em Guimarães, no Auditório da Biblioteca Municipal Raúl Brandão, decorre uma Sessão Informativa sobre os Sistemas de Incentivos ao Turismo, dirigida aos empresários do sector. A acção é organizada pela Câmara Municipal de Guimarães, Gabinete de Informação ao Empresário (GIE) e conta com a colaboração da TPNP / Delegação de Touring Cultural & Paisagístico e dos Patrimónios. As inscrições poderão ser efectuadas através dos seguintes contactos: www.guimaraesturismo.com ou www.cmguimaraes.pt

IPDT PREMEIA MELHORES ALUNOS DOS PROGRAMAS DE MBA Realizou-se, no passado dia 2 de Outubro, no hotel Axis Golfe de Ponte de Lima, a cerimónia de entrega de prémios aos 3 melhores alunos de cada edição dos seus programas de MBA. Neste evento, o Presidente do Instituto de Planeamento e Desenvolvimento do Turismo sublinhou a importância que tem, para estes programas, a parceria com as entidades gestoras dos destinos turísticos, muito especialmente a estabelecida com a Turismo do Porto e Norte de Portugal. O Presidente da Turismo do Porto e Norte de Portugal, Melchior Moreira, foi a personalidade convidada para entregar os prémios aos agraciados.

49


MELIÁ BRAGA HOTEL & SPA INAUGURADO

50

O Mélia Braga Hotel & Spa foi oficialmente inaugurado no passado dia 3 de Setembro. Em regime de soft opening desde o passado mês de Julho, a unidade apresenta-se como um resort urbano, aliando os sectores de bem-estar e negócios. Está igualmente preparado para o segmento de city-breaks e, ainda, para o turismo religioso. A par do seu conference center (com 1100 metros quadrados), destaca-se o fitness center e o moderno SPA (com 800 metros quadrados). O “El SPA”, destinado a hóspedes e a clientes externos, oferece diferentes tipos de tratamentos estéticos, integrando ainda uma piscina interna climatizada com circuito de hidroterapia, duas piscinas exteriores – uma para adultos e outra para crianças –, saunas, banho turco e jacuzzi.

FOOD & FRIENDS: CONVITE À GASTRONOMIA E AO LAZER O Hotel Meliá Gaia Porto apresentou o seu renovado espaço «Food & Friends». Trata-se de uma área, com cerca de mil metros quadrados, que engloba com a característica de open space o lobby, o restaurante, bem como o bar desta unidade hoteleira. De acordo com Mónica Gonçalves, directora-geral do Hotel Meliá Gaia Porto, o conceito dado a este renovado espaço, cuja obra esteve a cargo do designer Carlos Santos e da empresa Stylelab, traduz-se numa maior funcionalidade, aproveitamento de espaço, confluência entre as pessoas, bem como dinamismo quer visual, quer físico.

Taça do Mundo de Karting Com o apoio da TPNP, ER, realizou-se entre os dias 09 e 12 Setembro, a Taça do Mundo de Karting, no Circuito Vasco Sameiro em Braga.

51


52

6

53

LOJA DE SANTIAGO DE COMPOSTELA PALCO POR EXCELÊNCIA DE PROMOÇÃO DOS EVENTOS DO PORTO E NORTE DE PORTUGAL

Matosinhos Apresentação dos Hospitalários nos Caminhos de Santiago 2 de Setembro


Arouca Apresentação da Feira das Colheitas 16 de Setembro 54

55

Associação de Produtores de Alvarinho de Monção e Melgaço Acção de Promoção do Vinho Alvarinho 22 de Setembro

Grupo Axis Apresentação do Grupo Axis aos Operadores Turísticos e Imprensa Galega 24 e 25 de Setembro

Vila Verde Lenços dos Namorados Está patente na Loja de Santiago uma exposição alusiva aos Lenços dos Namorados promovida pelo Município de Vila Verde no âmbito da acção de promoção da Festa das Colheitas realizada a 30 de Setembro.

Barcelos Acção de Promoção do Galo de Barcelos e Festival Art & Tur com actuação da Banda Plástica de Barcelos 18 de Setembro


256

7

24-09-2010 | Público Porto

COMUNICAÇÃO E IMAGEM | Clipping

PÚBLICO

Dia do Turismo em 40 concelhos do Norte

a O Dia Mundial do Turismo, que se assinala na próxima segunda-feira, vai ser comemorado por 40 dos 80 municípios que integram a Entidade Regional de Turismo do Porto e Norte de Portugal (ERTPNP). Os municípios vão promover várias iniciativas que incluem raids fotográficos, feiras, passeios de bicicleta e de comboio, exposições, visitas guiadas a museus e termas, estadas gratuitas e actividades radicais, entre outras, dando corpo ao tema definido pela Organização Mundial do Turismo para as comemorações deste ano: “Turismo e Biodiversidade”. Ontem, na conferência de imprensa de apresentação das acções, o vice-presidente da ERTPNP, Júlio Meirinhos, salientou o facto de 50 por cento dos concelhos que integram a

50%

Este ano, metade dos municípios integrados na ERTPNP participam na comemoração do Dia Mundial do Turismo

estrutura terem decidido participar, ao contrário do que aconteceu no ano passado. Para o responsável esta é a “prova evidente” de que os municípios começam a entender que “só

50%

Este ano, metade dos municípios integrados na ERTPNP participam na comemoração do Dia Mundial do Turismo

estrutura terem decidido participar, ao contrário do que aconteceu no ano passado. Para o responsável esta é a “prova evidente” de que os municípios começam a entender que “só com uma promoção de escala existem hipóteses de chegar aos mercados emissores”. Os resultados positivos desta nova postura estão, segundo Meirinhos, reflectidos no crescimento registado há 14 meses consecutivos pela estrutura de turismo regional, a única do país a crescer na preferência dos turistas. “Isoladamente os municípios serão devastados pelas novas técnicas de promoção”, sustentou. A criação de lojas interactivas em todos os municípios continuará a ser uma prioridade da ERTPNP. Depois de Santiago de Compostela, na Galiza, abrirá brevemente uma loja no Aeroporto Sá Carneiro do Porto. Para o próximo ano, a meta é abrir uma em todos os 80 municípios representados pela entidade. Ainda em 2011, o Porto e o Norte serão a região convidada da BTL – Bolsa de Turismo de Lisboa.

Diário de Aveiro DIÁRIO DE AVEIRO ID: 31995444

23-09-2010

Tiragem: 7014

Pág: 16

País: Portugal

Cores: Cor

Period.: Diária

Área: 13,69 x 19,63 cm²

Âmbito: Regional

Corte: 1 de 1

Arouca apresenta raízes na Galiza

57

Por Santiago de Compostela passaram lavradores, freiras, cantadores e cantadeiras e mostraram o melhor de Arouca, despertando a curiosidade de todos  No passado dia 16, a loja de turismo do Porto e Norte de Portugal ER, em Santiago de Compostela, recebeu uma acção promocional da Feira das Colheitas, que decorre em Arouca, até ao próximo domingo. Esta acção contou com a presença de Melchior Moreira, presidente da Turismo Porto e Norte de Portugal, José Artur Neves, presidente da Câmara Municipal de Arouca, e Margarida Belém, vereadora responsável pelo pelouro do turismo. Durante a acção promocional, quem passou pelas ruas de Santiago de Compostela pôde apreciar os cantares tradicionais arouquenses e ficou a saber mais sobre a Feira das Colheitas, sobre Arouca e as suas tradições. Lavradores, freiras, cantadores e cantadeiras deram corpo ao que de melhor Arouca tem de genuinamente seu, numa animação de rua que despertou a curiosidade e o interesse de muitos turistas e residentes. Esta acção promocional foi

D.R.

56

CLIPPING

vai ser comemorado por 40 dos 80 municípios que integram a Entidade Regional de Turismo do Porto e Norte de Portugal (ERTPNP). Os municípios vão promover várias iniciativas que incluem raids fotográficos, feiras, passeios de bicicleta e de comboio, exposições, visitas guiadas a museus e termas, estadas gratuitas e actividades radicais, entre outras, dando corpo ao tema definido pela Organização Mundial do Turismo para as Tiragem: 55364 Pág: 34 comemorações deste ano: “Turismo e Biodiversidade”. País: Portugal Cores: Cor Ontem, na conferência de imprensa de apresentação das acções, Period.: Diária Área: 6,34 x 26,16 cm² o vice-presidente da ERTPNP, Júlio Meirinhos, salientou o facto de 50 por Âmbito: Informação Geral Corte: 1 de 1 cento dos concelhos que integram a

AS TRADIÇÕES de Arouca “passearam” em Compostela uma iniciativa conjunta da AGA Associação Geoparque Arouca, Câmara Municipal de Arouca e Turismo Porto e Norte de Portugal ER, que teve o apoio do grupo EVS de voluntariado europeu,

Centro Cultural de Santa Maria do Monte, Hotel São Pedro, Hotel Rural Quinta de Novais, Casa do Pão-de-Ló A. Teixeira Pinto e Manuel Bastos: Doçaria Conventual.l


GRANDE PORTO 19-09-2010

58

Tiragem: 112738

Pág: 31

País: Portugal

Cores: Preto e Branco

GALICIAE

Period.: Diária

Área: 6,77 x 26,87 cm²

Âmbito: Informação Geral

Corte: 1 de 1

Axis Hoteis & Golfe presenta a Galicia sus cinco hoteles en el Norte de Portugal Santiago de Compostela acogió la presentación de la cadena Axis Hoteis & Golfe, ID: 31895910 una de las más prestigiosas que operan en Porto y el Norte de Portugal, que con sus cinco hoteles de elevadas prestaciones ofrece unos servicios de calidad para clientes que buscan desde el ocio hasta la celebración de congresos de negocios. Porto, Póvoa de Varzim, Ponte de Lima, Ofir, Viana do Castelo y, a partir del mes de enero de 2011, Braga son las ciudades norteñas del país vecino que acogen los hoteles de esta cadena. Todos son de cuatro estrellas, a excepción del de Ponte de Lima que cuenta con tres. Cada uno de ellos, explicaron los directivos de la cadena desplazados hasta Santiago con el próposito de estrechar los lazos entre Galicia y el Norte de Portugal, tiene unas características propias que permiten diversificar la oferta según el cliente. Seis hoteles, seis ofertas Así, el de Porto tiene sus plantas divididas en áreas temáticas relacionadas con la ciudad y sus vinos. En Póvoa do Varzim, Axis Hoteis & Golfe dispone de un complejo que aúna ocio y negocio, al estar situado en una ciudad eminentemente turística y disponer también de un business center. El golf es el elemento central del hotel de Ponte de Lima, con un campo de 18 hoyos -entre ellos el más largo de Portugal y uno de los mayores de Europa- situado en un enclave de montaña. Por su parte, el de Viana do Castelo destaca por su diseño, plasmado en sus dos habitaciones completamente colgadas del aire. En Ofir, el hotel de la cadena está situado en primera línea de playa, a 50 metros concretamente, mientras que el que próximamente se abrirá en Braga tiene una concepción low cost, o lo que es lo mismo, lujo accesible para todos, según anunciaron los representantes de la cadena hotelera. 24/09/2010

parque nacional da peneda-gerês ALTO MINHO maravilha os portugueses Alto Minho 16-09-2010

maravilha os portugueses

Tiragem: 5200

Pág: 7

País: Portugal

Cores: Cor

Period.: 2 por Semana

Área: 13,01 x 34,15 cm²

Âmbito: Regional

Corte: 1 de 2

parque nacional da peneda-gerês maravilha os portugueses O Parque Nacional da Peneda-Gerês foi o vencedor na categoria de zonas Protegidas das "Sete Maravilhas de Portugal", derrotando o Parque Natural do Sudoeste Alentejano e Costa Vicentina e a Reserva Natural da lagoa do Fogo. As ‘Sete Maravilhas Naturais de Portugal’ foram divulgadas num espetáculo em Ponta Delgada, Açores, na sequência do resultado de uma votação que registou 656 356 votos. Na abertura da cerimónia, António Vitorino, comissário da iniciativa, destacou a “votação maciça”, considerando que “os portugueses mostraram o apreço que têm pelas paisagens naturais” do país. Numa pequena intervenção, António Vitorino apelou ainda aos portugueses para que assumam “o compromisso de cuidar e preservar estas maravilhas naturais”. O arquipélago dos Açores foi o grande vencedor das ‘Sete Maravilhas Naturais de Portugal’, tendo sido a única região do país que conseguiu duas vitórias na declaração que hoje decorreu em Ponta Delgada. Na região dos Açores, os portugueses escolheram a lagoa das Sete Cidades, que venceu a categoria zonas Aquáticas não Marinhas, derrotando as Portas de Ródão e o Vale do Douro, e a Paisagem Vulcânica do Pico, que ganhou a categoria Grandes Relevos, que disputava com o Parque Natural da Arrábida e o Vale Glaciar do zêzere, na Serra da Estrela. Na categoria Praias e Falésias, a ‘maravilha’ natural escolhida pelos portugueses foi o Portinho da Arrábida, na região de lisboa, que venceu o Pontal da Carrapateira e a Praia de Porto Santo. A

59

Floresta laurissilva da Madeira venceu a categoria Florestas e Matas, que disputava a vitória com a Mata Nacional do Buçaco e a Paisagem Cultural de Sintra. Na categoria Grutas e Cavernas, a vitória foi para as Grutas de Mira de Aire, derrotando o Algar do Carvão e a Furna do Enxofre, ambas nos Açores. A Ria Formosa, no Algarve, conquistou a categoria zonas Marinhas, obtendo mais votos que o Arquipélago das Berlengas e a Ponta de Sagres.

EMBAixADOR DO tURiSMO DE NAtUREzA O turismo do Porto e Norte felicitou já a distinção do Parque Nacional da Peneda Gerês como uma das sete maravilhas naturais de Portugal, nomeadamente os municípios de terras de Bouro, Melgaço, Ponte da Barca, Arcos de Valdevez e Montalegre. Sendo a única zona protegida classificada no concurso em questão, a entidade considera que esta distinção vem afirmar-se como uma "alavanca fundamental do produto estratégico turismo de Natureza". "tendo em conta que o desempenho ambiental de um destino turístico é um factor de atracção para os turistas que se encontram, crescentemente, orientados para as práticas ambientalmente responsáveis, o Parque Nacional da Peneda Gerês afirma-se como embaixador, por excelência, do turismo de Natureza do Porto e Norte de Portugal", salienta.

O Parque Nacional da Peneda-Gerês foi o vencedor na categoria de zonas Protegidas das "Sete Maravilhas de Portugal", derrotando o Parque Natural do Sudoeste Alentejano e Costa Vicentina e

Floresta laurissilva da Mad Florestas e Matas, que disp Mata Nacional do Buçaco e Sintra.


05 Outubro

04 Setembro a 10 Outubro

60

8

AGENDA

Festa Romaria Sr.ª Rosário

1 a 10 de Outubro

Inauguração da Exposição

Gondomar

FESTIVAL INTERNACIONAL

“martírio e Cultura: o

www.cm-gondomar.pt

DE TEATRO CÓMICO DA

testemunho de fé, S. Sebastião

EXPOSIÇÃO CHAVES E A REPÚBLICA

MAIA

e Santo Agostinho

Arquivo Municipal de Chaves

17 de Setembro a 16 Outubro

Fórum da Maia

Museu Diocesano de Lamego

/www.chaves.pt

Douro Jazz

http://cultura.maiadigital.pt

www.diocese-lamego.pt

5 a 29 de Outubro

61

Vila Real (Lamego, S. João da Pesqueira, Bragança e Chaves) 5 a 29 de Outubro

9 de Outubro

OU’TONALIDADES 2010

WORKSHOP DE DANÇAS

CAMANÉ APRESENTAÇÃO DO

Auditório do Centro

01 a 31 Outubro

TRADICIONAIS EUROPEIAS

DISCO DO AMOR E DOS DIAS

Cultural de Chaves

“Braga à Mesa”

Teatro Municipal de Vila

Teatro Municipal de Vila

14 de OutubroL´Herbe Folle

Braga

do Conde

do Conde

21 de Outubro Bela Nafa

www.cm-braga.pt

www.cm-viladoconde.pt

www.cm-viladoconde.pt

28 de Outubro Pe de Boi

www.dourojazz.com

www.chaves.pt 1 a 31 de Outubro EXPOSIÇÃO “I REPÚBLICA” Sala de Exposições de Vila Nova de Foz Côa http://cm-fozcoa.pt

4 a 10 de Outubro Get Set Art Festival Porto Entidade Organizadora: Made in Downtown 1 a 3 de Outubro I FEIRA DO AVESSO Mosteiro de Santo André, Baião http://cm-baiao.pt

info@getsetfestival.com


05 Outubro

62

8

04 Setembro a 10

01 a 31 Outubro

Outubro

“Braga à Mesa”

1 a 10 de Outubro

“martírio e Cultura: o

5 a 29 de Outubro

Festa Romaria Sr.ª

Braga

FESTIVAL INTERNACIONAL

testemunho de fé, S. Sebastião

EXPOSIÇÃO CHAVES E A

Rosário

www.cm-braga.pt

DE TEATRO CÓMICO DA

e Santo Agostinho

REPÚBLICA

Gondomar

MAIA

Museu Diocesano de Lamego

Arquivo Municipal de Chaves

www.cm-gondomar.pt

Fórum da Maia

www.diocese-lamego.pt

/www.chaves.pt

Inauguração da Exposição

http://cultura.maiadigital.pt

AGENDA 1 a 31 de Outubro EXPOSIÇÃO “I REPÚBLICA” Sala de Exposições de Vila Nova de Foz Côa http://cm-fozcoa.pt 1 a 3 de Outubro I FEIRA DO AVESSO 17 de Setembro a 16 Outubro

Mosteiro de Santo André, Baião

Douro Jazz

http://cm-baiao.pt

Vila Real

4 a 10 de Outubro

(Lamego, S. João da Pesqueira,

Get Set Art Festival

Bragança e Chaves)

Porto

www.dourojazz.com

Entidade Organizadora: Made in Downtown info@getsetfestival.com

5 a 29 de Outubro

9 de Outubro

WORKSHOP DE DANÇAS

CAMANÉ APRESENTAÇÃO DO

TRADICIONAIS EUROPEIAS

DISCO DO AMOR E DOS DIAS

Teatro Municipal de

Teatro Municipal de Vila

Vila do Conde

do Conde

www.cm-viladoconde.pt

www.cm-viladoconde.pt

63


64

22 a 24 de Outubro

23 de Outubro

OU’TONALIDADES 2010

14 a 17 de Outubro

15 e 16 de Outubro

RURAL CASTANEA FESTA DA

PENAFIEL E A MULHER

29 a 31 de Outubro

Auditório do Centro

TRAMA – FESTIVAL DE ARTES

PAULO PRAÇA

CASTANHA

NA I REPÚBLICA

FESTA DA CASTANHA

Cultural de Chaves

PERFORMATIVAS 5º EDIÇÃO

APRESENTAÇÃO DO

Vinhais

Auditório do Pavilhão de

Exposalão Multiusos de

14 de OutubroL´Herbe Folle

Porto (vários espaços)

NOVO DISCO

www.cm-vinhais.pt

Exposições de Penafiel

Sernancelhe

cultura.penafiel@cm-penafiel.pt

www.cm-sernancelhe.pt

21 de Outubro Bela Nafa

Teatro Municipal de

28 de Outubro Pe de Boi

Vila do Conde

www.chaves.pt

www.cm-viladoconde.pt

65

www.serralves.pt 15 a 17 de Outubro

23 de Outubro

BIENAL DA PEDRA

VII PARTIDELA

2ª EDIÇÃO

TRADICIONAL DA AMÊNCOA

29 a 31 de Outubro

Estádio Municipal de

Museu do Ferro & da

FESTA DAS SOPAS & MERENDAS

Alpendorada e Matos,

Região de Moncorvo,

Espaço Multiusos de Freixo de

Marco de Canaveses

Torre de Moncorvo

Espada à Cinta

www.cm-marco-canaveses.pt

www.torredemoncorvo.pt

www.sopasemerendas.com

21 de Outubro ENCONTRO DE CONFRARIAS GASTRONÓMICAS Mogadouro www.mogadouro.pt/


31 de Outubro

29 e 30 de Outubro

66

IV Jornadas Luso-Galaicas de

30 de Outubro

Feira de Artesanato

Turismo Cultural e Religioso”

ESPECTÁCULO

Esposende

Chaves e Boticas

“SUPER SILVA”

Entidade Organizadora: Câmara

www.turismoreligioso.org

Centro Cultural de

Municipal de Esposende

Macedo de Cavaleiros

Contacto: 253.960100

30 de Outubro a 1 de Novembro

www.cm-

turismo@cm-esposende.pt

FEIRA DOS SANTOS

macedodecavaleiros.pt/

Chaves www.chaves.pt | http://www. acisat.pt/

67


68

9

APOIO AO INVESTIDOR

PME Investe VI Linha de Crédito “Micro e Pequenas Empresas” Objectivos Esta Linha de Crédito visa facilitar o acesso ao crédito por parte das micro e pequenas empresas de todos os sectores de actividade, através da bonificação de taxas de juro e do recurso aos mecanismos de garantia do sistema nacional de garantia mútua, e destina-se a financiar investimentos e necessidades de capitais permanentes. Montante da Linha de Crédito 350 Milhões de euros, sendo o montante a tomar pelo Banco definido em função da ordem de entrada das operações por si propostas no âmbito da Linha de Crédito, desde que validadas pela Entidade Gestora da Linha. Tipo de Operações - Empréstimos de médio prazo - Locação financeira imobiliária e de equipamentos Beneficiários Poderão beneficiar desta linha as empresas que: - Comprovem ser Micro e Pequena Empresa, através da certificação on-line, atribuída através do site do IAPMEI em www.iapmei.pt; - Se encontrem localizadas em território nacional (Continente, Açores e Madeira); - Apresentem um volume de negócios inferior a dez milhões de euros, uma situação líquida positiva no último exercício e resultados líquidos positivos em dois dos últimos quatro exercícios, ou dois anos de resultados líquidos positivos se apenas tiver menos de quatro exercícios aprovados (não carecem de ser completos); - Assumam o compromisso de manter o volume de emprego

observado à data da contratação do empréstimo durante a vigência do contrato de financiamento; - Desenvolvam a sua actividade na lista de CAE’s elegíveis em anexo; - Não tenham incidentes não justificados ou incumprimentos junto da Banca e das Sociedades de Garantia Mútua; - Não estejam em classe de rejeição de risco de crédito; - Não tenham dívidas à Administração Fiscal e à Segurança Social, à data da contratação. Nota: As instituições de crédito, incluindo as SGM, podem aprovar operações de financiamento a empresas que apresentem, à data de formalização da candidatura, dívidas perante a Administração Fiscal e a Segurança Social, e a Entidade Gestora da Linha poderá enquadrar tais operações, ficando a contratação das mesmas condicionada à comprovação das dívidas referidas. Para esse efeito, as empresas beneficiárias poderão contratar junto do banco proponente da operação, financiamentos intercalares destinados única e exclusivamente à regularização das dívidas perante a Administração Fiscal e a Segurança Social, podendo até 30% do crédito a conceder no âmbito da presente linha ser utilizado para a amortização integral desses financiamentos intercalares. Tipologias de financiamento elegíveis - Investimentos novos em activos fixos corpóreos ou incorpóreos (realizados no prazo máximo de 6 meses após a data da contratação); - Reforço do fundo de maneio ou dos capitais permanentes; - Até 30% do empréstimo para liquidar dívidas contraídas junto do sistema financeiro nos 3 meses anteriores à contratação da operação e destinadas, exclusivamente, à regularização de dívidas à Administração Fiscal e Segurança Social. Tipologias de financiamento não elegíveis Não são consideradas elegíveis, no âmbito da linha de crédito: - Investimentos com a aquisição de terrenos, imóveis, viaturas e bens em estado de uso; - Investimentos em activos financeiros; - Operações que se destinem a reestruturação financeira e/ou impliquem a consolidação de crédito vivo; - Operações destinadas a substituir de forma directa ou indirecta, ainda que em condições diversas, financiamentos anteriormente acordados com o Banco, excepto os destinados à liquidação de operações de crédito contraídas junto do sistema financeiro nos 3 meses anteriores à contratação da operação elegível no âmbito da presente linha e destinadas, exclusivamente, à regularização de dívidas ao Fisco e à Segurança Social.

69


Condições do Financiamento

70

| Montante Máximo por Empresa 25 mil € para as micro empresas e 50 mil € para as pequenas empresas | Prazo de Reembolso Até 4 anos, após a contratação da operação | Utilização Um desembolso único | Período de Carência Até 6 meses (carência de capital) | Amortização de Capital Prestações constantes, iguais, trimestrais e postecipadas | Taxa de Juro da Empresa Euribor a 3 meses + 2% | Liquidação de Juros a cargo da empresa Trimestral e postecipadamente, para conta indicada no contrato de financiamento. | Garantia - Garantia prestada pelas SGM’s até 50% do capital em dívida em cada momento, totalmente bonificada; (1) - Outras garantias decorrentes da decisão de crédito, a serem constituídas, pari-passu, a favor da SGM e do FINOVA. | Comissões, Encargos e Custos Isenção de comissões e taxas por parte do Banco e das SGM, excepto custos e encargos associados à contratação do financiamento, à avaliação de imóveis, registos e escrituras, impostos ou taxas e despesas similares. | Alteração das Condições do Financiamento Não é possível proceder à alteração das condições do financiamento durante a vigência do contrato, designadamente o prazo e as condições de reembolso. | Reembolso Antecipado A empresa poderá proceder ao reembolso antecipado (total ou parcial) do capital, sem cobrança de qualquer comissão de amortização antecipada. (1) As empresas beneficiárias terão que adquirir acções da SGM, no montante de 2% sobre o valor da garantia a prestar, até à data de emissão da garantia. As acções poderão ser revendidas à SGM, ao valor nominal, uma vez terminada a garantia.

Formalização da garantia As garantias são formalizadas pelo Banco na mesma data da contratação do crédito. Juntamente com a contratação da operação por parte do Banco, este emitirá o contrato entre a empresa e a SGM, cuja carta contrato contem a garantia emitida pela SGM, o contrato de compra e venda de acções da SGM e demais documentos necessários à contratação. Cumulação de operações 1. As empresas não podem solicitar o enquadramento de mais do que uma operação ao abrigo desta Linha, não o devendo fazer simultaneamente junto de mais do que um Banco. No entanto, uma vez recusado o pedido pelo Banco, ou anulado formalmente pela empresa o pedido ao Banco anteriormente contactado, poderá esta solicitar o enquadramento da operação a outra instituição de crédito. 2. As empresas poderão candidatar-se às duas linhas específicas da PME Investe VI, desde que não seja ultrapassado o limite máximo do crédito total previsto em cada uma delas. 3. As empresas beneficiárias das Linhas de Crédito PME Investe I, II, III, IV e V poderão usufruir da presente Linha de Crédito. No entanto, o montante máximo acumulado de operações, incluindo a operação proposta no âmbito da presente Linha e as operações contratadas em linhas específicas das Micro e Pequenas empresas das anteriores Linhas PME Investe III, IV e V, não poderá exceder os 100 mil euros de

financiamentos acumulados contratados. 4. A presente linha de crédito é cumulável com incentivos no âmbito do QREN, bem como com a linha de “Crédito ao Investimento no Turismo – Protocolos Bancários” do Turismo de Portugal. Processo de candidatura e decisão 1. A empresa contacta um dos Bancos protocolados com vista a apresentar a sua candidatura à Linha de Crédito. 2. Os pedidos de financiamento são objecto de decisão inicial por parte do Banco, tendo em consideração a sua política de risco de crédito em vigor. Em caso de recusa da operação, bastará ao Banco dar conhecimento da sua decisão ao cliente. 3. Após a aprovação da operação, o Banco apresentará a candidatura à Entidade Gestora da Linha (PME Investimentos – Sociedade de Investimentos, SA.), por via electrónica, em formato fornecido por esta, com os elementos necessários à análise do enquadramento das operações na Linha. A garantia mútua considera-se automaticamente aprovada desde que as empresas apresentem uma situação líquida positiva, resultados positivos em pelo menos dois dos últimos quatro exercícios e não tenham incidentes de mora junto do Banco de Portugal. 4. Num prazo até 5 dias úteis, a Entidade Gestora da Linha confirmará ao Banco o enquadramento da operação, incluindo: a | a elegibilidade da operação na Linha Específica a que se candidatou;

71


72

b | a existência de plafond para enquadramento do financiamento solicitado na Linha de Crédito, tendo em consideração as dotações disponibilizadas pelas entidades financiadoras; c | o enquadramento no plafond decorrente da aplicação do regime comunitário de auxílios de minimis ao abrigo do qual a bonificação é atribuída. 5. O Banco apenas poderá confirmar formalmente a aprovação da operação junto do cliente, nas condições previstas na Linha, após recepção da confirmação da PME Investimentos, sobre a possibilidade de enquadramento da operação. 6. Após confirmação do enquadramento da operação na Linha de Crédito pela Entidade Gestora da Linha, a operação aprovada deverá ser contratada pelo Banco junto da empresa até 60 dias úteis após a referida confirmação. Este prazo poderá ser prorrogado por 20 dias úteis mediante pedido fundamentado. 7. Nos casos em que a bonificação seja reduzida em resultado da aplicação do regime comunitário de auxílios de minimis, o Banco tem a opção de efectuar a operação com a bonificação aprovada ou de ajustar o seu valor global à bonificação corrigida.

Informações prestadas pelas empresas As empresas deverão fornecer aos Bancos toda a informação necessária à correcta avaliação da operação, bem como fornecer-lhe de forma completa e atempada a informação necessária ao seu bom acompanhamento. Devem ainda respeitar todas as obrigações legais de prestação de informação, designadamente prestação de contas e demais obrigações declarativas. A prestação de falsas declarações implicará a perda da bonificação e demais benefícios atribuídos ao abrigo da presente Linha, com efeitos retroactivos à data da contratação. Incentivos públicos - Bonificação de juros (diferencial entre a taxa de juro aplicável à operação pelo Banco e a taxa de juro suportada pela empresa) e pagamento integral da comissão de garantia mútua; - Garantia Mútua até 50% do montante da operação; - Os apoios são concedidos ao abrigo do regime comunitário de auxílios de minimis.

PME INVESTE VI Linha Específica Micro e Pequenas Empresas Lista de CAE’s do Turismo enquadráveis – CAE revista pelo Decreto-Lei n.º 381/2007, de 14 de Novembro: Divisão/Grupo/Classe/Subclasse Designação da CAE 55 Alojamento 56 Restaurantes e similares 771 Aluguer de veículos automóveis 79 Agências de viagem, operadores turísticos, outros serviços de reservas e actividades relacionadas 93192 Outras actividades desportivas, n. e. 93210 Actividades de parques de diversão e temáticos 93292 Actividades dos portos de receio (marinas) 93293 Organização de actividades de animação 93294 Outras actividades de diversão e recreativas, n. e

73


Ficha Técnica: Propriedade: Entidade Regional de Turismo do Porto e Norte de Portugal | Conselho Editorial : Melchior Moreira, Júlio Meirinhos | Coordenação: Cristina Mendes | Equipa Técnica: Ana Ladeiras, Carlos Ferreira, Marco Sousa, Sofia Ferreira Coordenação Tecnológica : João Sabino. Contactos: www.portoenorte. pt / turismo@portoenorte.pt Design: comni-agência de comunicação | www.comni.eu


Newsletter_TPEN_5_outubro2010