Page 1

Ano 15

155

jun2012

www.teletime.com.br

roaming internacional:

a nova fronteira Operadoras remodelam pacotes de voz e dados para uso no exterior e mercado cresce

Leilão do 4G

Começa negociação para indenização e venda das operações de MMDS

IPTV

Sem diferencial competitivo, teles podem se aventurar numa empreitada fracassada


Presidente Rubens Glasberg Diretores Editoriais André Mermelstein Claudiney Santos Samuel Possebon (Brasília) Diretor Comercial Manoel Fernandez Diretor Financeiro Otavio Jardanovski

Editor Samuel Possebon Editora Adjunta e Editora de Projetos Especiais Letícia Cordeiro Editor de Mobilidade Fernando Paiva Redação Daniel Machado, Wilian Miron, Helton Posseti (Brasília), Leandro Sanfelice (Vídeo repórter) Consultor Especial Cláudio Dascal Arte Edmur Cason (Direção de Arte); Rubens Jardim (Produção Gráfica); Geraldo José Nogueira (Edit. Eletrônica); Débora Harue Torigoe (Assistente); Alexandre Barros (Colaborador); Bárbara Cason (Colaboradora) Departamento Comercial Bruna Zuolo (Ger. de Negócios) Ivaneti Longo (Assistente) Inscrições e Assinaturas Gislaine Gaspar (Gerente) Circulação Patricia Brandão (Gerente) Marketing Harumi Ishihara (Diretora) Gisella Gimenez (Gerente) Administração Vilma Pereira (Gerente) TELETIME é uma publicação mensal da Converge Comunicações - Rua Sergipe, 401, Conj. 603 CEP: 01243-001 - Telefone: (11) 3138-4600 e Fax: (11) 3257-5910 - São Paulo, SP. Sucursal SCN Quadra 02 Bloco D, sala 424 – Torre B - Centro Empresarial Liberty Mall - CEP: 70712-903 - Fone/ Fax: (61) 3327-3755 - Brasília, DF. Jornalista Responsável Rubens Glasberg (MT 8.965) Impressão Ipsis Gráfica e Editora S.A. Não é permitida a reprodução total ou parcial das matérias publicadas nesta revista, sem autorização da Glasberg A.C.R. S/A

CENTRAL DE ASSINATURAS 0800 0145022 das 9 às 19 horas de segunda a sexta-feira Internet www.teletime.com.br E-mail assine@convergecom.com.br REDAÇÃO (11) 3138-4600

Samuel Possebon

FOTO: arquivo

.:Editorial

samuca@con­ver­ge­com.com.br

Mais ação

E

m recente manifestação em uma audiência pública realizada no Congresso, o ministro das Comunicações, Paulo Bernardo, cobrou das operadoras de telecomunicações mais investimentos. Disse que o investimento histórico das teles, de R$ 17 bilhões, tem sido inferior às necessidades do mercado, que estariam na casa dos R$ 25 bilhões. Pode haver algum questionamento aqui ou ali sobre a precisão desses valores, mas o ministro está certo, e é seu papel cobrar mais investimentos das operadoras, assim como é papel do governo cobrar das mesmas operadoras mais compromisso com o País, com as políticas públicas e com a manutenção de um serviço de qualidade. Estranho seria se o ministro não fizesse isso. Mas de outro lado, o governo precisa ser cobrado permanentemente para que agilize o que pode ser feito de sua parte. Nos últimos meses, diferentes ministérios, órgãos públicos e mesmo empresas estatais têm tomado medidas agressivas para corrigir distorções econômicas existentes. Os bancos estão sendo forçados a baixar suas taxas de juros ao consumidor por meio de uma redução sistemática na Selic e, sobretudo, pela ação proativa nesse sentido dos bancos estatais. As montadoras de automóveis estão tendo suas vendas estimuladas pela redução de impostos. Outros setores também recebem benefícios. Não se pode dizer que na área de telecomunicações não exista nada. Existe, como o programa de desoneração para a construção de novas redes. Mas parece que cada passo leva meses para ser dado, e os resultados ainda estão muito aquém daqueles que se poderia esperar. Nos últimos meses, o governo sinalizou não apenas com a

E-mail cartas.teletime@convergecom.com.br PUBLICIDADE (11) 3214-3747 E-mail comercial@convergecom.com.br Instituto Verificador de Circulação

4 Teletime jun_2012

redução de tributos para a construção de infraestrutura, mas também com um projeto para simplificar as regras de instalação de antenas, outro para incluir infraestrutura de telecomunicações nas obras públicas, outro ainda para reduzir Fistel, Fust e Funttel de serviços prestados a consumidores beneficiários de programas sociais. Todos esses programas são importantes, sem dúvida, mas a sua eficácia diminui na medida em que demoram a sair do papel. O programa de desoneração de redes, por exemplo, levou quase seis meses entre ficar pronto no Ministério das Comunicações e ser colocado em prática pelo governo, e agora aguarda regulamentação. As demais propostas ainda estão em estudo. Pode haver uma discussão ainda acadêmica sobre os impactos da banda larga no crescimento do PIB, mas é indiscutível que, quanto mais banda larga, melhor é para o desenvolvimento socioeconômico do País. Quando o governo anuncia medidas de combate às crises econômicas, o pensamento é sempre imediatista, nunca de longo prazo. Dotar o País de uma infraestrutura de banda larga que seja efetivamente massificada é uma ação estratégica, não imediatista. O Plano Nacional de Banda Larga, lançado em 2009, deve ter seus resultados aferidos a cada dia, e os eventuais rumos, corrigidos. Não basta que o Minicom tenha projetos. É preciso que o governo como um todo encampe e cobre esses projetos e os faça sair do papel, contribuindo com o que for necessário, seja na forma de projetos de lei, MPs, decretos ou reduções tributárias. E é preciso que as empresas façam a sua parte, mostrando a cada instante o compromisso com um projeto de longo prazo.


solution

Seja qual for o tamanho da sua empresa, a Localiza vai com você. Alugue um ou mais carros para o que precisar, pelo tempo que quiser. E conte com a força da maior rede de aluguel de carros da América Latina para crescer com economia e flexibilidade. A Localiza tem a solução de que sua empresa precisa. Ligue e comprove: 0800 707 1250 www.localiza.com/empresa

LocalizaEmpresa


155 Número

w w w . t e l e t i m e . c o m . b r

8

Ano 15 | Jun12

Capa

8 Roaming internacional

Tráfego de voz e dados de brasileiros no exterior cresce a uma velocidade seis vezes maior que a média internacional. Operadoras remodelam pacotes, mas preços ainda são altos.

Entrevista

12 Novos dilemas

Diretor-presidente do NIC.br, Demi Getschko, fala sobre os pontos de conflitos e convergência entre os interesses da Internet e o setor de telecom em um cenário de mudanças regulatórias em vista.

IPTV

16 Questão de modelo

Sem diferencial competitivo em relação à TV por assinatura tradicional, teles que optarem pela plataforma de IPTV podem se aventurar numa empreitada fracassada.

TV por assinatura

18 Resposta eficaz

Mercado de TV paga vence o medo dos provedores over-the-top e responde na mesma moeda. Mas as mudanças de modelo estão longe de terminar, como mostram os debates da Cable 2012.

Estratégia

12

16

24 Apenas o começo Leilão das faixas de 2,5 GHz dá início a dois processos de negociação entre empresas, com grande potencial de serem decididos por arbitragem da Anatel.

Serviços móveis

28 Mercado em expansão

Crescimento do mercado de banda larga wireless e as alternativas para rentabilizar os conteúdos móveis foram os destaques da 11ª edição do Tela Viva Móvel.

Competição

32 VoIP reinventado 24

32

Depois de encararem a frustração dos primeiros planos de negócio, empresas de telefonia por IP começam a apostar em novos serviços e construção de rede própria.

Sistemas

35 Integração complicada Considerada o último degrau para o fornecimento de serviços convergentes, a consolidação dos sistemas de TI alcança o topo das prioridades na agenda de praticamente todas as operadoras.

Editorial 4 | Ponto & Contraponto 38 ilustração de Capa: Seri

6 Teletime jun_2012


29 e 30 de Agosto de 2012 Espaço Unique, Brasília, DF

NÃO É SÓ NO DICIONÁRIO QUE CONVERGÊNCIA VEM ANTES DE DESENVOLVIMENTO. O tradicional encontro de lideranças do setor de telecomunicações ganha nova cara. Em sua 56ª edição, o Painel Telebrasil eleva a fórmula que o consagrou a um novo patamar: temas atuais que impactam o futuro e debate de propostas do mais alto nível para o desenvolvimento do Brasil. Junte-se às maiores lideranças do setor de telecomunicações para debater as perspectivas e os desafios para um Brasil conectado.

Realização

Inscreva-se!

Para mais informações:

0800 77 15 028

inscricoes@convergecom.com.br

Organização

Patrocínio

Apoio


.:capa

Fernando Paiva

fernando.paiva@convergecom.com.br

Novas fronteiras para o roaming ilustração: seri

Tráfego de voz e dados de brasileiros no exterior cresce a uma velocidade seis vezes maior que a média internacional. Operadoras remodelam pacotes, mas preços ainda são altos.

O

FOTOS: divulgação

tráfego de voz em roaming internacional está desacelerando no mundo: atualmente sua taxa de crescimento anual gira em torno de 5% e o viés é de queda, revelam dados da Syninverse, empresa especializada em plataformas de roaming para operadoras. Entre as explicações estão a crise econômica mundial, os altos preços cobrados pelas teles e a concorrência de aplicativos móveis de comunicação via VoIP, como Skype e Viber. Ao contrário da tendência mundial, no Brasil está havendo uma aceleração no crescimento do roaming internacional de voz que chega a ser até seis vezes maior que a média global em algumas operadoras. Quando analisado o roaming internacional de dados, o Brasil também está à frente. Contribuem para isso o bom

momento econômico do País, o aumento das viagens ao exterior e o fato de as teles nacionais terem finalmente experimentado uma remodelação de seus pacotes para ligações em outros países, o que inclui a simplificação e a redução dos preços. Todavia, as tarifas ainda são consideradas altas. Há espaço para melhorar e contratos internacionais podem ser renegociados tendo em vista os eventos de grande porte que serão sediados no Brasil nos próximos anos, como a Copa do Mundo e as Olimpíadas. O mercado de roaming internacional passou muito tempo estagnado no Brasil. Seu público era composto basicamente por assinantes

pós-pagos, muitos deles com linhas corporativas, para quem o preço final era pouco relevante. Não havia elasticidade: reduções de tarifa não geravam aumento de consumo e de receita, o que mantinha as operadoras em uma confortável inércia. “Havia uma concentração no topo da pirâmide, que era inelástica”, reconhece o diretor de produtos móveis da Oi, Roberto Guenzburger. Calcula-se que apenas 10% da base pós-paga do Brasil tenha o serviço de roaming internacional ativado em suas linhas. O cenário começou a mudar diante do bom desempenho da economia brasileira e da valorização cambial do real frente ao dólar registrada até 2011. Os brasileiros passaram a viajar mais para o exterior, inclusive aqueles com planos pré-pagos. O novo contexto desfez a inércia das operadoras nacionais. O primeiro passo consistiu na simplificação das tarifas, agora agrupadas em blocos de países. Na TIM, por exemplo, são três grupos: Américas, Europa/África e Ásia/ Oceania. Em alguns casos, o agrupamento leva em conta a presença internacional da holding por trás da operadora: na Claro, há uma tarifa única para o roaming em países cobertos pela América Móvil. Na Oi, EUA e Portugal compõem um grupo, enquanto os outros dois são Américas e “resto do mundo”. “Fizemos uma simplificação tarifária porque antes era muito complicado”, justifica Guenzburger. Pode parecer uma medida óbvia, mas essa simplificação tarifária requer muitos cálculos por parte das operadoras, pois os contratos com as operadoras internacionais não são firmados em grupo, mas individualmente. São centenas de acordos bilaterais. Muitas vezes eles são divididos entre voz, SMS e dados. Para ter uma ideia, a Claro tem 329 acordos de voz em 176 paí-

“Havia uma concentração no topo da pirâmide, que era inelástica.” Roberto Guenzburger, da Oi 8 Teletime jun_2012


ses; 271 de SMS em 147 países; e 119 de 3G em 75 países. A TIM tem cerca de 450 contratos de roaming internacional em mais de 200 países. É comum haver acordos com duas ou mesmo três operadoras em um mesmo país para garantir cobertura para o assinante. Os valores desses contratos levam em conta o volume de tráfego internacional trocado entre as operadoras. Quanto maior for a troca, maior é o poder barganha para negociar descontos. Alguns dos contratos já preveem redução de preços proporcionalmente ao aumento do volume de minutos. Em outros casos é preciso renegociar. “O Brasil tradicionalmente recebe mais turistas do que envia para o exterior. Mas isso está mudando em relação a determinados países, como a Argentina e alguns países europeus”, relata o gerente de parcerias estratégicas da TIM, Eduardo Resende. Promoções Após a simplificação tarifária do roaming internacional, as teles brasileiras começaram a testar promoções com redução de preços para determinados grupos de países e em determinados períodos, como as férias de verão. O ponto alto foi a criação dos planos Liberty Passport, da TIM, em março deste ano, com cobrança por uso diário ilimitado de roaming de voz ou dados, com ativação automática. Quando do seu lançamento, o Liberty Passport Voz, por exemplo, custava R$ 19,90 por dia

nas Américas, Europa e África e dava direito ao recebimento ilimitado de chamadas e mais 50 minutos em ligações para números da TIM e telefones locais do país visitado. A versão para dados oferece navegação ilimitada, mas a velocidade cai de 300 kbps para 50 kbps depois de atingida a franquia de 3 MB. Foi a primeira vez que uma operadora celular brasileira lançou um serviço de roaming internacional com uso ilimita-

pacote de 50 minutos por R$ 49 para chamadas em roaming internacional de qualquer país do mundo para qualquer operadora. No pré-pago, cortou o preço do minuto no exterior pela metade (de R$ 6 para R$ 2,99). A Oi, por sua vez, promete uma resposta no segundo semestre, com promoções mais agressivas durante as Olimpíadas. Enquanto isso, procura incentivar a ativação do roaming internacional cortando pela metade o preço das chamadas de dentro de aviões da TAM (serviço que requer a ativação do roaming, pois é feito por uma empresa de comunicação via satélite). Além da TIM, outras operadoras também registraram neste primeiro semestre uma melhora no desempenho do roaming internacional, o que pode ser atribuído ao aumento da renda do brasileiro, que está viajando mais, e às promoções das teles. Na Oi houve um incremento de 30% no tráfego de voz em roaming internacional quando comparado o período de abril de 2011 a março de 2012 contra abril de 2010 a março de 2011. Nesse mesmo intervalo de tempo, o tráfego de roaming internacional da Oi aumentou 167%, enquanto a média mundial foi de 120%, segundo a Syninverse. Na Claro, entre abril e maio de 2012 houve um aumento de 50% nas ativações de roaming internacional em comparação com o mesmo período do ano passado.

com os novos pacotes, em três meses, o tráfego de dados de clientes pós-pagos da TIM no exterior aumentou 150%. do. Para viabilizar essa remodelação da oferta, Resende conta que passou mais de um ano renegociando um terço (cerca de 150) dos contratos bilaterais de roaming internacional da TIM. Os resultados puderam ser sentidos imediatamente: em três meses, o tráfego de dados de clientes pós-pagos da TIM no exterior aumentou 150%. Para o operador, contudo, apesar dos preços convidativos, passou a ser mais comum ter problemas de dificuldade de autenticação em outras redes ou mesmo serviços incompletos (roaming de voz sem acesso a dados e vice-versa), justamente porque os acordos não foram feitos com todas as operadoras. A novidade trazida pela TIM, por outro lado, provocou a reação das demais operadoras. A Claro criou um

Quando o Rio de Janeiro vira Paris

I

magine viajar ao Rio de Janeiro e pagar por minuto de ligação pelo celular o mesmo que você pagaria se estivesse em Paris. O que parece um pesadelo para a maioria dos brasileiros é a realidade vivida pelos assinantes de operadoras regionais, como Sercomtel e Algar, quando viajam para fora de sua área de atuação. Isso mesmo: as tarifas de roaming nacional cobradas pelas teles de pequeno porte se assemelham àquelas de quem viaja para o exterior. Na Sercomtel, por exemplo, o preço do minuto fora de Londrina/PR, onde fica sua sede, alcança até R$ 0,95. Ou seja: praticamente o mesmo preço cobrado pela Claro (R$ 0,99) por minuto de ligação em Paris, Tóquio ou Honolulu. “Nosso assinante que viaja muito acaba usando dois celulares ou dois chips”, relatou o então presidente da Sercomtel, Roberto Coutinho Mendes, que deixou o cargo algumas semanas após conceder entrevista para esta matéria. Neste caso, não seria melhor para o londrinense adotar alguma operadora com abrangência nacional? A não ser que ele passe mais tempo fora de Londrina que dentro, a resposta é “não”, garantiu o executivo: “Ninguém ganha da gente em cobertura e preço em Londrina”. E se o assinante da Sercomtel viajar para fora do Brasil? Aí a saída será mesmo utilizar outro chip, pois a operadora não oferece roaming internacional. “A demanda é insignificante. O custo seria tão alto que ficaria inviável”, justificou Coutinho. A necessidade de firmar centenas de acordos bilaterais com empresas dos seis continentes dificulta a oferta de roaming internacional por operadoras de pequeno porte como a Sercomtel. Uma solução poderia ser a contratação de uma espécie de hub global, que intermediasse a conexão com as teles estrangeiras.

jun_2012 Teletime 9


.:capa “As pessoas ainda têm medo do roaming internacional.” Fiamma Zarife, da Claro

dados. São empresas como a Syninverse e a Mach, que cruzam as informações registradas pelas operadoras para verificar quanto cada uma deve a quem no fim do mês. Para completar, há o custo da remessa financeira internacional de uma operadora a outra, isso sem falar nas diferenças cambiais, que podem pesar a favor ou contra, dependendo da oscilação das moedas. A maioria dos contratos é em dólar, o que demanda uma gestão cambial. WiFi, Copa e Olimpíadas A perspectiva para os próximos anos é positiva, contudo. Uma novidade que está prestes a sair do forno é o roaming internacional WiFi. A Oi promete ser pioneira. A operadora brasileira fechou acordo com a iPass, empresa que administra uma rede com 700 mil hotspots WiFi ao redor do mundo. A ideia é oferecer aos assinantes da Oi pacotes para acesso a essa infraestrutura no exterior. A primeira ação

“O planejamento (para o roaming internacional durante a Copa) precisa começar desde já.” Pablo Mlikota, da Syninverse

De rádio para rádio, sem fronteiras

E

nquanto as operadoras celulares penam para criar pacotes atraentes de roaming internacional, a Nextel resolveu esse problema há muitos anos... pelo menos no que diz respeito à comunicação via rádio-despacho entre os seus assinantes nos países em que a empresa atua. Usuários da Nextel pagam uma taxa extra de R$ 29,00 por mês pelo serviço batizado de “conexão direta internacional”, que permite ligações ilimitadas via rádio entre assinantes da operadora nos seguintes países: Argentina, Brasil, Canadá, Chile, El Salvador, EUA, México e Peru. Há também a opção de uso ilimitado por dia, ao custo de R$ 2,50. Esse diferencial deixou de ser exclusivo da Nextel este ano. A Vivo lançou em maio um pacote similar para seus clientes do serviço Vivo Direto, equivalente ao rádiodespacho da Nextel, porém usando a rede celular. O preço é bem parecido ao da concorrente: R$ 29,90 por mês para uso ilimitado entre clientes Vivo Direto. Por enquanto está disponível apenas para quem visitar a Argentina ou o Uruguai, mas haverá expansão para outros países da América Latina onde a Telefônica também oferece o serviço de rádio-despacho sobre rede celular.

10 Teletime jun_2012

será feita durante as Olimpíadas de Londres. “O WiFi é mais barato e a velocidade é mais alta”, compara Guenzburger, da Oi. Com a popularização de smartphones no Brasil, essa tecnologia vem ganhando força. Paralelamente, fabricantes de equipamentos WiFi estão desenvolvendo pontos de acesso capazes de autenticar automaticamente os assinantes móveis, permitindo o acesso à rede sem a necessidade de digitação de um nome de usuário e senha. A novidade é chamada de “hotspot 2.0” e usa um novo padrão WiFi, o 802.11u, embora ainda seja pouco utilizado em aparelhos. Outro fator que vai colaborar para a queda dos preços do roaming internacional é a realização da Copa do Mundo e das Olimpíadas no Brasil. Calcula-se que, somente na Copa, entre 600 mil e um milhão de turistas estrangeiros visitarão o País. A estimativa da Syninverse é de que o tráfego de roaming internacional no Brasil durante o evento aumente na ordem de 300%. Trata-se de uma boa oportunidade para as teles brasileiras renegociarem alguns de seus contratos bilaterais com operadoras estrangeiras. Ao mesmo tempo, será necessário se preparar para receber tantos usuários visitantes em suas redes. “O planejamento precisa começar desde já. O primeiro passo é identificar de quais países virá a maioria dos turistas e verificar a situação dos contratos de roaming com suas operadoras locais”, aconselha Pablo Mlikota, vice-presidente da Syninverse para América Latina e Caribe. É esperado que boa parte dos turistas estrangeiros sejam de países vizinhos, onde a participação de pré-pagos é alta. Um dos deveres de casa será adequar suas plataformas de maneira a permitir o roaming de pré-pagos. No caso deles, há um trabalho intenso das redes de sinalização que precisam se comunicar com os sistemas das operadoras de origem para checagem de créditos, o que é feito utilizando um protocolo conhecido como Camel. Ao mesmo tempo, as teles nacionais terão que investir em backhaul e monitoramento de tráfego nos locais onde os jogos acontecerão. Afinal de contas, no roaming internacional é precisa fazer valer a máxima do anfitrião hospitaleiro: mi casa, su casa.  FOTOS: divulgação

Preços nas alturas Apesar dos resultados positivos, os preços do roaming internacional ainda são proibitivos para muita gente, especialmente clientes pré-pagos. “As pessoas ainda têm medo do roaming internacional”, admite a diretora de serviços de valor adicionado e roaming da Claro, Fiamma Zarife. Aliás, a própria TIM subiu os preços dos pacotes do Liberty Passport em junho, apenas três meses após seu lançamento. A empresa alega que os valores iniciais eram temporários. O aumento variou de 50% a 100%, dependendo do grupo de países e do serviço, e afetou quem viaja para Américas, Europa e África. Mas qual a explicação para os preços serem tão altos, até quando se trata de chamadas entre operadoras do mesmo grupo controlador? As fontes apontam a tributação como principal vilã. No roaming internacional, além dos impostos tradicionais cobrados para serviços de telecomunicações no Brasil, como o ICMS, há a incidência de imposto de renda. Isso sem falar na tributação que a operadora visitada também paga pela receita que recebe. A questão entrou na pauta do governo brasileiro: o ministro das Comunicações, Paulo Bernardo, disse em fevereiro que pretende negociar acordos bilaterais com outros países da América do Sul para tentar reduzir os impostos sobre chamadas em roaming no continente. O serviço requer ainda custos adicionais com a contratação de clearing houses financeiras e de


JUNTE-SE AOS LIDERES.

Traga sua empresa para fazer parte do maior encontro de mídias convergentes do país, ao lado das maiores empresas do setor. Entre em contato com nosso departamento comercial e garanta sua presença.

Reservas de estande: (11) 3138.4623 comercial@convergecom.com.br

ÚLTIMO ESPAÇO S S DISPON ÍVEIS!

Onde a convergência acontece. 31 DE JULHO A 02 DE AGOSTO, 2012 TRANSAMÉRICA EXPO CENTER - SÃO PAULO, SP Realização

Organização

Patrocinadores

Apoio

Publicações Oficiais

Parceiros de Mídia

J O R N A L P RO PA G A N D A & M A R K E T I N G - E D I TO R A R E F E R Ê N C I A

Parceiros Institucionais


.:entrevista

Samuel Possebon

samuca@convergecom.com.br

Os novos dilemas da Internet Neutralidade, regulação, privacidade e comercialização são alguns dos muitos desafios que a Internet enfrenta nos dias de hoje. E as soluções para os impasses ficam cada vez menos simples.

TELETIME -­ Com a discussão em torno do Marco Civil, entrou-se em uma fase em que a Internet será, definitivamente, um território regulado? DEMI GETSCHKO - Acho que esse processo demorou demais até. O que demorou demais, a proposição de um marco civil ou a tramitação do projeto? O Marco Civil deveria ter sido colocado em funcionamento. Passouse o período de discussão de dois

muita coisa. Neutralidade, por exemplo, é um conceito muito amplo e difícil de definir, que abarca todas as camadas da rede. Alguns falam em neutralidade e pensam em estrutura física, em como compartilhá-la de uma forma justa e impedir que alguém que a controle tenha um poder excessivo. Mas neutralidade é mais do que isso, ela vai para níveis de cima. Por exemplo, serviços que podem ser degradados de propósito por conta de questões concorrenciais, ou situações nas quais grupos privilegiem acesso aos seus próprios conteúdos em detrimento de outros. A neutralidade deve levar em conta sempre o princípio de que a origem e o destino não podem ser questionados. E o conteúdo não deve ser examinado por quem presta o serviço. Faz-se uma analogia com os Correios: eles não examinam as cartas antes de entregá-las. Claro, serviços diferentes podem ter tratamentos diferentes. As cartas têm de ser tratadas de forma isonômica, assim como as encomendas, mas é claro que entre as duas pode haver diferenças de tratamento. Não pode haver é quebra de neutralidade dentro de cada um dos serviços.

foto: divulgação

A

Internet é, a cada dia, mais central no ambiente das telecomunicações. Seu protocolo (IP) já domina o core das redes e progressivamente ganha mais importância no acesso. Os serviços começam a ser dominados por alternativas desenvolvidas pela Internet, como VoIP, IPTV e a própria oferta de conectividade em alta velocidade. E aos poucos as redes tradicionais de telecomunicações passam a se confundir com a rede de Internet, com as ofertas tradicionais tornando-se serviços de valor adicionado sobre a rede de banda larga. Demi Getschko é o diretor-presidente do NIC.br, o órgão implementador das políticas de Internet definidas pelo Comitê Gestor de Internet no Brasil, responsável pela “organização” da Internet brasileira desde seus primeiros passos comerciais, no começo da década de 90. Getschko, por sua vez, também acompanha e contribui para o desenvolvimento da Internet no País desde seus primeiros passos. Nessa entrevista, ele fala sobre os principais pontos de conflitos e convergência entre os interesses da “comunidade Internet” e o setor de telecomunicações, as mudanças regulatórias que estão em vista e o próprio futuro da rede e dos serviços que estão se desenvolvendo.

Demi Getschko

anos, nas audiências anteriores, e agora teve essa repescagem. Se não dava para colocá-lo em prática, que pelo menos se segure essas tentativas de regulamentação para que elas não atropelem o andamento das coisas, para haver uma certa ordem. Qual a sua expectativa? Que o Marco Civil pelo menos seja aprovado com o texto atual? Tenho visões pessoais em relação a isso. Acho que não adianta querer 12 Teletime jun_2012

Mas para fazer essa diferenciação não é preciso olhar o remetente e o destinatário? Não, porque nesse caso estamos falando de serviços. O serviço de VoIP, por exemplo, é de tempo real. Se atrasar um segundo, ele não funciona, se não está dando tempo real a esse serviço, ele morreu. Correio eletrônico pode atrasar dois minutos e ninguém vai se matar por isso. Os serviços têm necessidades diferentes, a vida é assim. Queda de neutralidade não é isso, é você não deixar o cara fazer VoIP porque você vende telefonia, ou não deixar ele assistir a um vídeo porque você também vende TV a cabo. Ou ainda não deixar o


usuário fazer VoIP porque ele não assinou o pacote “x”. E privilegiar conteúdos em função de acordos comerciais? Assegurar que a Netflix, por exemplo, vai funcionar melhor do que outros serviços de vídeo caso haja um acordo entre a prestadora de serviço e a Netflix? Isso poderia ser feito, na sua interpretação de neutralidade? É uma prática comercial que precisa estar clara para o cliente, ou seja, ao assinar uma determinada provedora ele saberá: há uma regra do jogo que ele pode gostar ou não. Mas o problema principal disso é que se o cliente não gostar, ele não tem alternativa. Aconteceu nos EUA, onde a banda larga se disseminou com as empresas de cabo, que vendiam o serviço de Internet para ter mais receita. Mas em um dado momento as pessoas começaram a baixar vídeos pela Internet, ameaçando as receitas de TV. Alguns pensaram em bloquear o acesso a vídeos, mas aí o problema é que o consumidor não tinha, em muitos casos, outro provedor de banda larga a quem recorrer. Isso foi considerado uma quebra de neutralidade séria, porque obriga o cliente a comer o seu prato feito. O provedor pode não necessariamente bloquear o acesso ao serviço, mas ele pode degradar a qualidade do vídeo pela Internet até que este não represente uma ameaça ao serviço convencional. O importante é haver clareza nas regras e nas condições. Se eu concordo em dar as minhas informações em troca de um conteúdo relevante para mim, tudo bem. Se o consumidor não quer que suas informações sejam partilhadas, isso tem de ser respeitado. Mas há casos de quebra de neutralidade bem-vinda pelos usuários. Por exemplo, quando o provedor filtra os emails indesejados. Desde que isso esteja muito claro, desde que o consumidor saiba que o seu e-mail está sendo filtrado e concorde, isso pode ser feito. Pode-se por exemplo pedir o bloqueio de conteúdos adultos. No momento em que a Internet ganha uma relevância indiscutível para empresas de rede de teleco-

municações e empresas de conteúdo, é de se esperar que essas relações comerciais entre os dois setores cresça. Isso cria a necessidade de regulamentar a Internet? No Brasil, tivemos poucos casos de quebra de neutralidade, pelo menos não claramente, mas isso vai acontecer mais cedo ou mais tarde. Por isso tem de haver ferramentas, algo que o texto do Marco Civil fala quando diz “conforme a regulamentação”. São muitas situações possíveis nas quais isso possa se colocar. Meu único medo é colocarmos tudo numa mesma panela. Por exemplo, de telecomunicações. Então a regulamentação não deve ser apenas de telecom, deve ser mais ampla, é isso? Até porque no setor de telecomunicações já existe essa regulamentação. Por exemplo, as prestadoras são obrigadas a trocar tráfego entre si, com outras operadoras. Tem as regras de qualidade. No caso da Internet, o tráfego não é determinístico, é estatístico, sujeito ao melhor

feito por um outro organismo de governança da Internet? Tem que ter o acompanhamento da agência e regulação onde houver uma concessão ou autorização pública. A Internet, por sua vez, é um serviço que cresce sem barreira de entrada. Há diversos órgãos que podem atuar: proteção ao consumidor, Cade e várias instâncias, por isso não acho que deva haver uma agência reguladora da Internet, até porque ela não deve ser regulada a ponto de alguém dizer que vai dar licença para um buscador, para um portal ou uma rede social. O trabalho de impedir forças econômicas de se aglutinarem, por exemplo, pode ser feito pelos órgãos de competição, não precisa de uma agência reguladora para isso. No mundo todo se discute se o Estado ou as empresas devem participar mais da governança da Internet. O modelo brasileiro é melhor do que esses outros modelos propostos? Estados interferindo na Internet vão gerar legislações específicas. A Internet é algo imaterial, se você obriga os provedores de hospedagem a pagarem uma taxa ou restringirem algum conteúdo, isso só vai gerar um êxodo para outros países. Havia um projeto de lei que dizia que os provedores de e-mail tinham que fazer a identificação positiva do usuário. Se você faz isso, todo mundo muda para o Gmail ou Hotmail. Esse tipo de deformação só afugenta e prejudica as empresas brasileiras que prestam esse serviço, e isso prejudica inclusive a possibilidade de uma cobertura legal. Nada impede de haver leis que protejam o cidadão, a privacidade, mas se você restringe isso na Internet, a única coisa que vai acontecer é que se vai levar o conteúdo para outros países. Vai se criar uma Internet específica para o Brasil, o que é uma deformação, como acontece na China ou em outros países.

A Internet é algo imaterial, se você obriga os provedores de hospedagem a pagarem uma taxa ou restringirem algum conteúdo, isso só vai gerar um êxodo para outros países.” esforço. É claro que também é possível manipular o melhor esforço, mas obviamente é um serviço estatístico. Se você compra um apartamento com vaga na garagem, isso é determinístico. Se não tiver a vaga você processa o prédio. Mas os elevadores são um serviço estatístico. Se você tem quatro elevadores para 200 apartamentos, certamente não existirá um elevador disponível o tempo todo para você. Você atende um número de pessoas e as outras esperam. Esses serviços estatísticos são assim, é assim com a água, com a luz... É um jogo complexo que tem muitos lados. É um serviço estatístico, mas não se pode usar essa porta para dizer que os acordos comerciais podem ser firmados livremente. Isso tem que ser feito por uma agência reguladora ou isso deve ser jun_2012 Teletime 13

Como você avalia ambientes como o Facebook ou outras redes que retomam o modelo de walled garden, em que você não precisa deixar aquela comunidade? Isso é mal, é o que era a America Online, a Compuserve... Eles tiveram


.:entrevista

E empresas, como o Google, que optam pelo modelo de dar o serviço de graça em troca de informações pessoais que serão usadas para fins comerciais? Até onde eu sei isso é feito com o conhecimento do usuário. O Google me parece uma empresa que de certa forma incorpora as ideias de Internet à nova economia mais profundamente. Não sei muito como um modelo econômico como o deles se sustenta. E também recebem muitas críticas pela nova política de privacidade deles. Mas me parece que não mudou muita coisa em relação ao que já era, exceto que as coisas estão unificadas. Os dados coletados sobre os usuários de fato são gigantescos, e se diz que se te dão um produto pelo qual você não paga, é porque provavelmente você é o produto. Mas existem competidores em buscadores, e a nossa decisão de usar um buscador, que eventualmente pode coletar as palavras que utilizamos, é uma decisão pessoal. Espero que não se use essas informações para questionar o meu comportamento, e o Google de fato tem se mostrado resistente a abrir essas informações para países que o exigem. Mas não se pode dizer que vão continuar assim no futuro. Hoje, na sua visão, o maior risco à concepção original, aos princípios originais da Internet, vem de empresas de rede ou de empresas de conteúdo? Ou não há risco? A Internet parece ter essa coisa chamada “comunidade Internet”, que rapidamente se mobiliza quando existe um risco. Existe, por exemplo, uma movimentação sobre essa reunião da UIT (União Internacional de Telecomunicações) de Dubai, no

máquina de escrever quando surgiu o computador. As telcos já passaram pela fase de “cair a ficha” e estão buscando outros modelos. O risco é que se tenha o provedor de infraestrutura e de serviço na mesma pessoa e isso pode afetar a neutralidade do serviço.

foto: divulgação

sucesso nesse modelo pela carência de uma rede social de amplitude, mas o conceito de deixar você lá dentro, sem poder sair com seus amigos para outras redes, isso é algo que me parece um defeito de origem que vai se manifestar mais para frente. As pessoas não vão querer ficar amarradas sempre, e isso provavelmente vai ser combatido com sucesso por alguém que proponha as mesmas vantagens, mas de forma aberta.

Hoje se vê empresas de telecomunicações em uma posição diferente da dos grupos de mídia na questão da neutralidade, por exemplo, inclusive com esses grupos muito mais próximos ao que se diz ser o princípio original da Internet. Talvez porque o negócio dos grupos de mídia não tenha mudado tanto quanto o das teles. Na Europa já se fala em cobrar taxas sobre os conteúdos, o que não faz sentido, pois o modelo de telecom é de cobrar pela infraestrutura. O Google deve pagar uma fortuna de telecomunicações nos EUA, e isso deveria remunerar a cadeia. Se não remunera é porque tem algo errado.

A tele pode vender pastel na feira, mas não quer dizer que o pastel seja um serviço de telecomunicações.” final do ano, na qual a comunidade está se posicionando. Modelos de negócio pré-Internet são rapidamente alterados nesse novo ambiente, e algumas pessoas se recusam a deixar uma região de conforto em que tudo funcionava bem para ir para uma área nova e ignorada. Operadores de telefonia, por exemplo, tinham uma vida tranquila, mas na Internet perdem essa tranquilidade. Da mesma forma acontece com a televisão, que tinha grandes barreiras de entrada e agora enfrenta competição feita com poucos equipamentos e pessoas. Questões como propriedade intelectual também mudam nesse novo ambiente. Não se trata de deixar de remunerar o autor, mas de mudar o modelo, como mudou para os fabricantes de 14 Teletime jun_2012

O modelo brasileiro de Internet traz desde os seus primórdios uma regra trazida pela Norma 4/95, que assegura a remuneração pela autenticação. Qual a sua visão? Há um risco nessa discussão que está exatamente na pergunta. Que há remuneração pela autenticação. Quanto se pensou na Norma 4, estava clara a visão de que serviços de valor adicionado não se confundem com os serviços de telecomunicações. Isso se reforçou na LGT. Operadoras de telecom entendiam de redes, sinais, megahertz, mas na época não sabiam o que era um número IP. E para navegar precisa de um número IP. O golpe que se tentou foi caracterizar isso como tendo sido englobado pelas telecomunicações, e isso não aconteceu. A operadora de telecomunicações passou a operar também como provedora de acesso, automaticamente. Isso não quer dizer que o provedor de acesso tenha sumido, ele só se confundiu, mas não quer dizer que seja desnecessário. Pode-se querer fazer o unbundling desse serviço de atribuir número IP. A tele pode vender pastel na feira, mas não quer dizer que o pastel seja um serviço de telecomunicações.


O problema é que quando a Norma 4 surgiu era preciso transformar uma ligação telefônica em uma conexão à Internet, e isso deixou de existir... Naquela época tinha um provedor que juntava dez linhas telefônicas da Telesp, por exemplo, colocava dez modems e compartilhava um link da Embratel ou outra empresa que tinha um link de Internet. Quando surgiu o ADSL, se eliminou essa etapa e a tele passou a ligar o usuário ao seu próprio link de Internet. E o provedor que agregava e estava no meio do caminho ficou sem ter o que fazer. Aí veio essa história da autenticação. Mas não sumiu a necessidade de dar IP para o usuário, só passou a ser feito pela mesma pessoa. É uma coisa natural. E num cenário em que você tem carros conectados, casas conectadas, celulares conectados, não é natural que isso seja feito por uma mesma empresa? É natural, e nem acho que se deva cobrar a mais para alguém dar o IP. Só é preciso deixar claro que existem camadas e que essas camadas não podem ser misturadas, do contrário, Internet se torna um serviço de telecomunicações. Hoje nem é preciso mais ter razões sociais diferentes para fazer Internet e banda larga. Hoje até a UIT diz sobre como deve ser tratada a questão do spam, e isso é algo que diz respeito ao conteúdo de uma mensagem. É como se os Correios fossem filtrar a caligrafia de quem manda a carta. Não quer dizer que a UIT não tenha que trabalhar para melhorar a Internet. Só não pode ser dominado por alguém. O que confunde um pouco é que hoje as redes das operadoras estão fundamentadas no protocolo IP, e ninguém esperava que ele fosse ser o padrão. O IP foi desenvolvido com outros objetivos, diferentes dos protocolos da UIT, que sempre tinham uma preocupação com qualidade de serviço, bilhetagem... A Internet foi feita para ligar todo mundo, sem bilhetagem, e isso foi muito bem sucedido.

O protocolo IP sofrerá alterações para atender mais a essas necessidades das telecomunicações? Existem algumas coisas revolucionárias acontecendo nesse campo. Não que o IP vá mudar radicalmente, mas a Internet do futuro vai ser diferente. No TCP/IP o pacote sempre tem origem e destino. Mas para algumas aplicações, é mais eficiente que não haja necessariamente uma origem e um destino. Por exemplo, buscar informações na nuvem, sem saber onde elas estão. Isso requer identificação de contexto, que é uma das coisas que estão acontecendo. Outra é você poder abrir canais nos

os pontos de medição precisam estar fora da rede da operadora, senão se estará medindo a qualidade de uma intranet.” quais os pacotes passam sem ser analisados um a um. Como um streaming de vídeo ponto a ponto ou grandes conexões científicas, com redes orientadas à conexão. É uma volta à ideia de criar circuitos, só que sobre uma rede dinâmica. Por exemplo, para criar um canal para um serviço de telemedicina. Sobre as regras de qualidade estabelecidas pela Anatel para o Serviço de Comunicação Multi­mí­ dia, a sua avaliação é de que elas eram necessárias? São muito importantes, porque se você não faz isso, você permite que se transforme a natureza estatística da rede em algo passível de abuso comercial. Ou seja, o prestador te entrega um serviço péssimo alegando ser o que dá para fazer. É preciso ter parâmetros razoáveis. Não é dizer que todo mundo tem de ter 100% do que contratou, mas também não pode ter uma fração ínfima. Os parâmetros colocados pela Anatel surgiram de uma discussão do NIC.br com as operadoras, houve um consenso. Ninguém está classificando ninguém, é só estabelecer parâmetros mínimos. jun_2012 Teletime 15

Mas ainda há a questão de como se verifica isso. Exato, são essas as definições mais complicadas. Pode-se medir da casa do usuário até a central da operadora, o que vai dar um resultado lindo, ou pode-se medir a realidade. Esse é um dos tópicos que insistimos: os pontos de medição precisam estar fora da rede da operadora, senão se estará medindo a qualidade de uma intranet. O que as operadoras dizem é que elas não podem assegurar a qualidade de algo que está fora da rede delas... Mas a saída faz parte do serviço, senão não seria Internet, seria uma BBS. É pressuposto para um bom serviço de Internet o intercâmbio com outras operadoras. Essa discussão passa pelos pontos de troca de tráfego (PTTs)? Porque parece que agora a responsabilidade de garantir esses pontos ficará mesmo com o NIC.br, e não com as operadoras. É nos PTTs onde essas trocas entre operadoras acontecem. O que achamos estranho na primeira discussão proposta pela Anatel é que esses pontos fossem criados pelas operadoras, e um PTT tem que ser neutro. Se crio um PTT em que eu opero, posso ficar pouco ativo para buscar parceiros para trocar esse tráfego. E também tem uma confusão sobre o número de PTTs. Não precisa ter um monte de pontos de troca de tráfego, basta um para cada área de numeração. Eles têm de ser implementados onde existem dois ou três sistemas autônomos, duas ou três redes. Se o PTT for bom, com vários participantes, várias operadoras, vários provedores de conteúdo, as operadoras e provedoras de conteúdo virão até ele. Temos 22 e teremos muito mais. Chegamos a um novo momento de necessidade de investimento em redes de saída de Internet, cabos submarinos etc., como houve no final dos anos 90? Depende. Se os provedores de conteúdo e as operadoras de rede aderirem mais aos pontos de troca de tráfego, menor será a necessidade de saída internacional.


.:IPTV

Letícia Cordeiro

leticia@convergecom.com.br

Uma questão de modelo

Sem uma estratégia de negócios que ofereça um diferencial competitivo em relação às tecnologias convencionais de TV por assinatura, em especial a TV a cabo, a tele que optar pela tecnologia de IPTV pode se aventurar numa empreitada fracassada. OTTs e colocam esse conteúdo em um portal para oferta on demand; e há ainda quem agregue à oferta clássica de IPTV conteúdos on demand de parcerias com OTTs”, enumera Cardoso. O executivo cita ainda a compra de direitos esportivos e aplicações de interatividade como diferencial competitivo. “A BelgaCom transmite o campeonato belga de futebol em seu serviço de vídeo com marca própria e muitas operadoras na Ásia oferecem conteúdos OTT combinados com serviços de mensagens instantâneas e redes sociais”, conta.

tion para IPTV, um único aplicativo mágico. O que vai diferenciar uma operadora é uma oferta ampla de vários serviços em cima da plataforma, a capacidade de rodar aplicativos e games, por exemplo”. Teles em todo o mundo têm apostado em diferentes abordagens para tentar se diferenciar na oferta de conteúdos a partir de suas redes. Na visão do diretor de Tecnologia da Nokia Siemens Networks para a América Latina, Wilson Cardoso, é possível identificar quatro principais modelos. “Há quem prefira focar completamente em rede, provendo conectividade pura; há quem aposte em uma operação de IPTV com conteúdo próprio apenas com sua marca; há aquelas que fazem parcerias com

“o provedor COM mais sucesso no mercado será aquele com mais aplicativos e maior oferta de interatividade.” Célio Rosa, da Oracle 16 Teletime jun_2012

Tentativas O primeiro serviço de IPTV do Brasil, o VideOn, da então Brasil Telecom, foi lançado em meados da década passada. A empreitada não obteve sucesso. À época, a legislação brasileira não permitia que operadoras de telecomunicações oferecessem uma grade de programação, o que seria caracterizado serviço de TV a cabo, e o VideOn oferecia apenas uma biblioteca de VOD. Em 2008, foi a vez da Telefônica lançar sua operação de IPTV sobre uma rede de fibra ótica na cidade de São Paulo, e esta sim incluía grade de programação de canais (utilizando a licença de TV a cabo da TVA) e serviços de vídeo on demand. A tentativa, entretanto, não conseguiu fazer com que os potenciais clientes da Telefônica percebessem valor no serviço e podemos dizer que seu desempenho foi bem aquém do esperado. “Tivemos menos sucesso do que a gente gostaria. Estamos no mundo IP, mas da década passada. Se oferecemos apenas IPTV, não temos diferencial e ainda temos a desvantagem da escala”, admite o diretor da rede de fibra da Telefônica/ Vivo, André Krigger. Segundo ele, apesar de a rede de fibra óptica da Telefônica/Vivo já cobrir 1,042 milhões de domicílios, o total de assinantes de FOTOS: divulgação

Peter Kirillovshutterstock.com

A

plataforma de IPTV começa a se consolidar como opção para a oferta de TV por assinatura das operadoras de telecomunicações mundo afora. De acordo com dados da consultoria Point Topic, divulgados recentemente pelo Broadband Forum, apenas no primeiro trimestre de 2012, 3,8 milhões de novos clientes de IPTV foram adicionados à base mundial, que totalizou ao final de março 65,6 milhões de usuários. Tal crescimento em grande parte se deve à China, que segundo o relatório acrescentou três vezes mais assinantes que qualquer outro país. Os chineses lideram o mercado de IPTV com cerca de 16,5 milhões de clientes; seguido pela França, com pouco mais de 12 milhões de usuários; e pelos EUA, em terceiro lugar com pouco mais de 9 milhões de clientes. A grande questão aqui, entretanto, é que IPTV é apenas uma plataforma tecnológica para a oferta de serviços de vídeo. Sem um modelo de negócios que ofereça um diferencial competitivo em relação às tecnologias convencionais de TV por assinatura, em especial a TV a cabo, a tele pode se aventurar numa empreitada fracassada. O grande diferencial competitivo da plataforma de IPTV sempre foi a promessa de interatividade, uma vez que a transmissão do vídeo se dá sobre o protocolo IP em uma plataforma convergente, característica que necessita ser bem explorada para obter resultados positivos. “É o grande diferencial. A operadora não pode ser apenas um pipe de acesso, precisa agregar valor para competir e o provedor que terá mais sucesso no mercado será aquele com mais aplicativos e maior oferta de interatividade”, avalia o SDP & Prepaid Business Development da Oracle, Célio Rosa. O diretor da área de Home da Motorola, Marcos Takanohashi, concorda: “Como a telefonia móvel, não existe um killer applica-


FOTO: marcelo kahn

TV via fibra é de apenas cerca de quatro mil. Já o total de clientes de banda larga na rede de fibra está na casa dos 85 mil assinantes. “Cada vez mais o cliente quer além da programação linear, quer vídeos, séries e filmes on demand, conteúdos OTT e interatividade”, diz. A solução encontrada pela Telefônica então foi trocar toda a sua plataforma de IPTV. “Paramos de vender TV na rede de fibra quando decidimos trocar a plataforma e há um ano estamos trabalhando para relançar o serviço de IPTV no terceiro trimestre com a solução Mediaroom, da Microsoft”, revela Krigger. A operadora está em testes finais da plataforma, finalizando o desenvolvimento de aplicativos. “Essa parte do desenvolvimento de aplicativos é algo novo, estamos aprendendo a fazer, mas traremos serviços e produtos inovadores, com acesso a sites e redes sociais, além da integração com Xbox e possibilidade de controlar a TV com o Kinect”, detalha. Ressalte-se que a Oi também planeja utilizar a mesma tecnologia. Há pouco mais de seis meses, a GVT optou pelo lançamento de um modelo híbrido entre TV via satélite (DTH), para distribuição dos canais lineares, e IPTV, para VOD e aplicações interativas. “Mesmo a GVT tendo uma rede mais nova, já preparada para grandes velocidades, a distribuição de programação linear em IPTV não compensa. Decidimos por fazer a distribuição por satélite e não pensamos em mudar esse modelo, ainda que tenhamos fibra na casa do usuário”, garante o diretor de TV por assinatura da GVT, Dante Compagno. Justamente por ter a distribuição linear em DTH, a GVT TV tem um headend único central e não tem uma CDN propriamente dita. “Temos servidores espalhados pela rede para armazenamento de conteúdo on demand, mas não chega a ser uma CDN”, diz. A escolha da plataforma híbrida, com DTH e IP, permitiu alguns diferenciais competitivos para a GVT, como a possibilidade de gravação em um dispositivo central, ao qual os demais decodificadores do usuário têm acesso aos programas gravados no DVR; e, em breve, o mesmo será possível para outros dispositivos conectados, como smartphones e

“A competição é sempre saudável e estamos bem posicionados e preparados para lançar uma ou duas novidades por mês até o fim do ano.” Dante Compagno, da GVT tablets. O empacotamento da GVT também foi um diferencial, na opinião de Compagno. “Todos os nossos set-top boxes são de alta definição e estão conectados à nossa rede banda larga; assim pudemos oferecer canais HD a partir do pacote básico de entrada e uma ampla biblioteca de VOD e o Power Music Club para todos os assinantes”. Esses foram os diferenciais que fizeram o serviço ser bem sucedido, na opinião do executivo. “Lançamos comercialmente em janeiro deste ano e até o final de março já tínhamos 113 mil assinantes”, conta. Em maio, a GVT TV chegou a 193 mil assinantes, segundo dados da Anatel, e a meta oficial da empresa é chegar ao fim do ano com 400 mil assinantes. E a GVT não deve ficar de braços cruzados enquanto Telefônica e a Oi se preparam para lançar serviços de IPTV com a plataforma da Microsoft. “A competição é sempre saudável e estamos bem posicionados e preparados. Já temos serviços inovadores como o Power Music Club, o Outra Chance (catch-up TV), aplicativos interativos como Twitter e tabelas de futebol e estamos trabalhando para lançar uma ou duas novidades por mês até o fim do ano”, conta Compagno. Segundo ele, o futuro do serviço da GVT caminha para uma maior oferta de conteúdos on demand, TV everywhere e experiência enriquecida de TV com serviços interativos. A Oi, por sua vez, prepara para o segundo semestre do ano o lançamento do seu serviço de IPTV em cima da rede de fiber-to-the-home (FTTH), que ainda está sendo construída e que chegará a 2,5 milhões de homes-passed até 2015, com foco em clientes de alta renda. As primeiras cidades a receber o serviço serão Rio de Janeiro e Belo Horizonte. “A Oi tem uma das

maiores malhas de fibra no core da rede e o que estamos fazendo agora é a construção da última milha para entregar um serviço de qualidade”, detalha o diretor de Fibra e IPTV da Oi, Marco Dyodi Takahashi. A operação terá um headend centralizado e redundante e headends regionais para a distribuição de conteúdos locais integrados a uma CDN para atender exigências da legislação de TV por assinatura. A exemplo da Telefônica, a plataforma da Oi será a Mediaroom da Microsoft e, de acordo com Dyodi, a ideia é oferecer uma série de diferenciais como catch-up TV para todos os canais lineares, aplicações interativas avançadas, integração com redes sociais, recomendação de programas e TV everywhere. “A plataforma em que estamos trabalhando já nasce com a oferta de TV por assinatura também para as três telas, tablets, smartphones e computadores e como a TV everywhere e o catch-up envolvem mudança no modelo de distribuição, já iniciamos há algum tempo conversas com os provedores de conteúdo. É uma evolução do modelo e as programadoras estão entendendo isso”, conta Dyodi. O IPTV da Oi prevê ainda serviços over-the-top com parceiros de conteúdo integrados ao set-top e integração com o serviço de música Rdio. “A gente aposta no IPTV e o que a gente acredita é que o produto precisa acompanhar as mudanças que ocorreram no uso da internet e que não foram acompanhadas pela TV por assinatura no Brasil”, conclui o executivo da Oi. Mas o IPTV será um produto voltado para o segmento de alta gama. O crescimento mais massivo em TV por assinatura da operadora deve ficar concentrado no DTH, pelo menos no princípio, em um movimento de expansão forte que já é registrado desde o começo do ano. 

“é preciso acompanhar as mudanças no uso da internet e que não foram acompanhadas pela TV paga no Brasil.” Marco Dyodi Takahashi, da Oi jun_2012 Teletime 17


cobertura

Oferecida por

.:TV por assinatura

Samuel Possebon, de Boston samuca@convergecom.com.br

Resposta eficiente

É

um lugar comum dizer que, no mundo das telecomunicações, tendências e estratégias mudam rapidamente. Mas a realidade insiste em reforçar o clichê. Se há um ano havia um pavor generalizado no mercado de TV por assinatura dos EUA sobre o impacto que os serviços de vídeo over-the-top (OTT) teriam sobre as plataformas tradicionais, este ano o medo parece ter ficado para trás. Não que os serviços over-the-top tenham fracassado. É que as plataformas tradicionais encontraram rapidamente formas de responder a essa mudança, e se os resultados ainda não apareceram efetivamente, existe forte esperança de que eles logo aparecerão. Este é o resumo que se pode fazer do clima da NCTA Cable 2012, o maior evento de TV por assinatura dos EUA, realizado em maio, em Boston. Em 2011, o mesmo evento tinha um vilão citado em nove de cada dez palestras: Netflix. Era o símbolo, pelo menos para as operadoras de cabo, de tudo aquilo que destruiria seus modelos de negócio. Este ano, o principal provedor OTT já não era mais um bicho-papão. Seja porque os resultados econômicos e operacionais da Netflix não têm se mostrado tão promissores quanto no passado, seja porque as operadoras conseguiram responder com outras estratégias. Pat Esser, CEO da Cox (terceira maior operadora de cabo dos EUA, com quase cinco milhões de clientes), optou por definir a Netflix como um “frienemy” (amigo e inimigo ao mesmo tempo). “Ao mesmo tempo em que ela disputa comigo no conteúdo, também impulsiona minha base de banda larga. Hoje 40% de meus usuários de banda larga têm Netflix e dão importância a isso”, contou.

FOTOS: the cable show/divulgação

Mercado de TV paga vence o medo dos provedores over-the-top e responde na mesma moeda. Mas as mudanças de modelo estão longe de terminar, como mostram os debates da NCTA Cable 2012.

Cable 2012: corte de assinaturas começa a ser levado a sério.

A própria Netflix reconhece seu papel dúbio para a indústria de TV por assinatura. “Não acho que sejamos necessariamente bons nem ruins para a indústria. Estamos apenas mudando os modelos”, disse Ted Sarandos, vice-presidente de conteúdo do provedor OTT. Além da mudança de negócios, parece haver alguns efeitos novos resultantes da migração dos conteúdos para uma plataforma over-the-top. A começar com uma óbvia redução da audiência dos mesmos conteúdos nos canais lineares. “É preciso agora contar essa audiência das novas plataformas para mostrar que existe oportunidade na publicidade também ali, caso contrário isso trará custos para as plataformas tradicionais”, diz o CEO da Cox. O primeiro canal que efetivamente sentiu esse impacto foi o infantil Nickelodeon, um dos mais ativos na distribuição over-the-top. Ele perdeu audiência em 2011 nas plataforMichael Powell, presidente da NCTA: há espaço para os serviços pela Internet competirem.

18 Teletime jun_2012

mas tradicionais, ao mesmo tempo em que canais cujos conteúdos não estão na Netflix, como o Cartoon, cresceram. Ao serem ameaçadas pelas plataformas OTT, as operadoras de cabo (e também as teles Verizon e AT&T, que operam TV paga nos EUA) responderam de duas maneiras: com opções que já estavam na mesa, como a ampliação significativa das bibliotecas e serviços de vídeo sob demanda (VOD); e com novas soluções, como as plataformas de TV everywhere. Nesse caso, o conceito por trás é muito próximo das plataformas over-the-top, ou seja, distribuir o conteúdo pela Internet. A diferença é que um serviço de TV everywhere é complementar ao serviço tradicional, e exige que o usuário seja autenticado a partir de uma base de clientes que assinam TV paga. “O conceito de TV everywhere nos animou muito desde que o lançamos. O sucesso do Netflix provou que as pessoas queriam os conteúdos on-demand. Fizemos essa inovação mais rapidamente do que qualquer outra inovação na história da indústria, e estamos vendo isso andar rápido no mundo


“existem muitas opções sobre como converter conteúdo e serviços para ip e ainda não está claro qual delas vai prevalecer.”

Cable cutters Estas respostas podem evitar uma migração massiva das plataformas tradicionais para as novas, mas não impedem que algumas pessoas decidam abdicar do vídeo entregue pelos meios convencionais para ficarem apenas com os conteúdos entregues pela Internet. É o que nos EUA se passou a chamar de “cable cutters”, um fenômeno negado pelas operadoras nos primeiros sinais (quase sempre atribuído mais à queda no número de residências do que a pessoas que optavam por ter apenas um serviço over-the-top), mas que agora começa a ser levado a sério naquele país. Estima-se que esse ano cerca de 200 mil a um milhão de domicílios, no total, deixem de ter TV por assinatura nos EUA até aqui. É pouco se comparado à massa de mais de 105 milhões de lares com TV paga nos EUA, o que significa uma penetração superior a 90% no total de domicílios, mas é um indicativo importante. Até 2016, as estimativas apontam para a perda líquida de mais de um milhão de domicílios com TV paga no modelo tradicional por ano. Michael Powell, presidente da NCTA (a associação das operadoras de cabo dos EUA) e ex-presidente da FCC, foi o encarregado de oficializar o fenômeno em seu discurso de abertura da Cable 2012. “Vivemos um período de inovação. As operadoras de TV a cabo lidam hoje com novos dispositivos, integrados com a Internet e com modelos de negócio diferentes. Há mais competição, cada vez mais intensa e saudável. As teles são agressivas, as operadoras de satélite seguem na briga tentando convencer as pessoas a se livrarem do cabo. E há espaço para

José Felix, da Net

serviços por Internet passarem a competir, complementando o mo­delo existente, e mesmo para que alguns assinantes desistam da TV a cabo tradicional”, disse ele. Para Peter Stern, principal executivo de estratégia da Time Warner Cable, existe ainda uma questão a ser explorada: por quê 8 milhões dos 25 milhões de usuários da Netflix não são assinantes de TV a cabo. “Existe alguma coisa ai, talvez uma oportunidade”. Para ele, a migração dos serviços para plataformas IP é uma realidade, e “a resposta das operadoras em uma nova política de empacotamento é crítica para evitar a perda de mercado com os cable cutters. Quando isso for uma ameaça concreta, já será tarde”. O impacto econômico dos “cable cutters” sobre a indústria de TV paga ainda é algo a ser medido, mas algumas coisas já são certas: isso não ameaça a indústria de programação, que continuará vendendo conteúdo, qualquer que seja a forma de entrega. Para Jeff Bewcas, da Time Warner, as futuras gerações podem não querer ter o conteúdo em uma grande tela de TV, porque “não importa onde assistam, continua sendo TV.” Ele lembra que o jogo das “big screen” ainda não está terminado e que muita coisa pode mudar com a inovação que deve ser

FOTO: arquivo

todo”, diz Jeff Bewkes, CEO da programadora Time Warner. “O desafio da TV everywhere não é simples. E para isso dar certo, é preciso trabalhar em conjunto, mesmo que seja com seu competidor, para ter uma plataforma comum e que seja entendida pelo usuário”, diz Chase Carey, CEO da News Corp, controladora de canais como Fox. Para ele, não importa mais se as pessoas assistem TV fora da casa. “O importante é a conveniência, e cada plataforma tem as suas vantagens”.

trazida por empresas como Apple e Samsung.

Conteúdo em alta De qualquer forma, o programador ganha. David Zaslav, CEO da Discovery, é um dos executivos da indústria de conteúdo que não tem vergonha de comemorar esse momento. “Somos agnósticos sobre a tecnologia. Só temos que decidir o formato que vamos entregar, se longos formatos ou formatos curtos; como vamos entregar; e o quantos vamos cobrar”, diz. “De fato, esse é o melhor momento da indústria de conteúdos”, afirma Zaslav. Mas ao mesmo tempo em que os modelos de negócio vão se alterando, também começa uma nova fase de adaptação tecnológica, e um dos pilares da indústria de TV paga, em qualquer tecnologia, é o set-top box. Tratase de um elemento fundamental da tecnologia de entrega de vídeo pelas plataformas tradicionais. É o ponto de relacionamento entre o consumidor e o produto, e também um dos principais custos operacionais das operadoras. Mas o que acontece no momento em que as interfaces de tornam cada vez mais over-the-top? “Acho que nossos parceiros Cisco e Motorola não vão ficar muito felizes com o que eu tenho a dizer. Nossa velha plataforma de vídeo funcionou bem por muito tempo, mas o futuro está em plataformas IP. Nosso objetivo é ter vídeo em qualquer dispositivo conectado, com smart TVs, consoles de jogos, boxes, e tudo isso está em IP. Temos que estar onde as pessoas que

Presença marcante

C

hamou a atenção de programadores e fornecedores durante a Cable 2012 a forte presença da Oi. A empresa estava presente com seu presidente Francisco Valim, o COO James Meaney, diretor de produtos e varejo da operadora, além de Ariel Dascal, responsável pelo DTH da empresa, e Marco Dyodi Takahashi, responsável pelo projeto de fibra e IPTV. A expectativa do mercado é de que a Oi esse ano tenha um forte crescimento na oferta de serviços de vídeo. O que mais espanta são os números citados: há quem diga que a Oi esteja se planejando para chegar a um milhão de clientes ao final do ano. Também chama a atenção a construção de um uplink center e um headend próprio no Rio (até hoje a Oi optava por utilizar a estrutura da Media Networks, da Telefônica). De outro lado, programadores e fornecedores presentes ao evento notaram a ausência de equipes da Vivo/Telefônica. A operadora não tem sinalizado a disposição de crescer em TV paga. Ao contrário, a empresa até estaria conformada com uma redução de base, aguardando para pegar a onda da distribuição de conteúdos over-the-top e a oferta de serviços por meio de sua rede de fibra que está sendo construída.

jun_2012 Teletime 19


FOTOS: the cable show/divulgação

.:TV por assinatura Fechamento da sessão geral do painel da indústria no Cable Show 2012. Da esquerda para a direita: Piers Morgan, da CNN; Jeffrey Bewkes, da Time Warner; Chase Carey, da News Corporation; Pat Esser, da Cox Communications e Ted Sarandos, da Netflix.

rem”, disse Glen Britt, CEO da Time Warner Cable, a segunda maior operadora dos EUA, ao responder a uma pergunta sobre o fim dos set-tops. Uma explicação um pouco mais detalhada veio de Peter Stern, principal executivo de estratégia da Time Warner Cable. “Há anos os operadores de cabo investem bilhões em infraestrutura e em set-tops para viabilizar seus negócios. As redes estão aí, e eu não vejo a hora de me livrar desse investimento em caixas para poder me focar no que realmente interessa, que é oferecer um bom serviço ao consumidor”, disse ele. Segundo Stern, a experiência com os set-tops é quase sempre frustrante para o usuário, pois complica a interação com a TV, adiciona mais um controle e tira a liberdade de conexão entre os aparelhos. Mas nem tudo é tão simples para os operadores de cabo. Tony Werner, CTO da Comcast, lembra que o set-top ainda é um elemento importante porque dá ao operador algum controle na interface. “Com o set-top, conseguimos garantir um guia de programação funcional, conseguimos agregar serviços que ainda não estão disponíveis nas TVs conectadas e assegurar que nossos serviços serão prioritários. Se dependêssemos apenas do menu das TVs conectadas, por exemplo, quem garante que não ficaríamos nos últimos ícones?”, provocou. Para ele, é natural a migração dos serviços de cabo para outras plataformas e a adoção de aplicativos como interface com o usuário em lugar de caixas específicas, mas o modelo tradicional ainda teria muito a oferecer.

Futuro incerto O presidente da Net Serviços, José Felix, presente ao evento, chamou a atenção para um momento importante vivido pela indústria de cabo nos EUA: o de decidir pela forma como os conteúdos e serviços serão convertidos para IP e poderão funcionar de maneira transparente em múltiplos dispositi-

Na onda do WiFi

A

s maiores operadoras de TV a cabo dos EUA anunciaram uma parceria de interoperabilidade das suas respectivas redes WiFi. Com isso, os usuários da Comcast (22,3 milhões de clientes), Time Warner Cable (11,9 milhões de clientes), Cox (4,8 milhões de assinantes), Cablevision (3,2 milhões de clientes) e Bright House (2,1 milhões) poderão partilhar os cerca de 50 mil hotspots controlados por essas MSOs em conjunto em suas cidades de atuação. As redes passarão a utilizar um nome único (CableWiFi). Nos EUA, as operadoras de cabo não disputam mercados entre si, já que o modelo de segmentação do mercado é por região. Não é a primeira vez que as operadoras se unem em uma estratégia única para o mercado wireless. Há cerca de seis anos elas se aliaram para entrar como investidoras da Clearwire, operadora de banda larga por WiMAX que utilizava as frequências das próprias operadoras e da Sprint. O resultado do projeto foi abaixo do esperado e as operadoras de cabo saíram da joint-venture, acertando um acordo de venda do seu espectro para a operadora de celular Verizon Wireless por US$ 3,6 bilhões.

22 Teletime jun_2012

vos. “O problema não é como fazer. É que existem muitas opções sobre como fazer e ainda não está claro qual delas vai prevalecer”. Ele compara esse momento àquele em que as operadoras de TV por assinatura precisavam digitalizar suas redes para conseguir ampliar a quantidade de canais e acomodarem os serviços de banda larga. Algumas inovações tecnológicas que há algum tempo já vêm sendo discutidas no ambiente das telecomunicações, como padronizar as plataformas de software dos set-tops com HTML5, começam a virar padrão entre os fabricantes de set-tops de TV paga. A ideia por trás disso é permitir uma diversificação na elaboração de aplicativos e a migração dos conteúdos entre plataformas como smartphones e tablets, que também utilizam HTML5, por exemplo. Plataformas como Google TV e o Mediaroom, da Microsoft (já utilizado nos serviços de IPTV da Oi e Telefônica), também começam a movimentar o mercado de TV a cabo, ainda que nem Google, nem Microsoft, manifestem planos de competir diretamente com as operadoras de TV paga. Segundo Mário Queiroz, vice-presidente do Google responsável pelo desenvolvimento da Google TV, a plataforma (que provavelmente chegará ao Brasil no segundo semestre) deve continuar focada em busca e agregação de conteúdos de diferentes provedores. Ou seja, ser um serviço de busca de vídeo e organização desses conteúdos, disponíveis em múltiplas plataformas, para o usuário. A Google TV aposta que a renovação anual de cerca de cem milhões de televisores todos os anos será importante para impulsionar a plataforma, que deve começar a vir embarcada em muitos desses aparelhos. Sem dar números, Queiroz não negou a estimativa dada pelo chairman da empresa, Eric Schmidt, de que a ideia do Google é estar em metade das TVs conectadas fabricadas no mundo. A previsão foi lembrada pelo moderador da sessão. “É uma plataforma de software, baseada em Android. É aberta e compatível entre diferentes dispositivos, e por isso acreditamos que ela rapidamente estará em muitos dos televisores fabricados pelos nossos parceiros”, diz ele. Entre os desafios, ele coloca, está a adaptação aos processa-


FOTOS: the cable show/divulgação

dores utilizados nos aparelhos de TV e algumas questões específicas referentes ao processamento de vídeo. “O Android foi desenvolvido originalmente para dispositivos móveis, e lidar com o processamento de vídeo por horas ininterruptamente, com alta definição, tem alguns desafios”, disse Queiroz, que participou do desenvolvimento do Android também. Já a Microsoft tem como principal produto o Mediaroom, que se utiliza do hardware do Xbox, originalmente pensado como um console de games, mas que a cada dia se torna mais relevante para o consumo de mídia. Segundo Gerard Kunkel, media strategy advisor da Microsoft e da plataforma Xbox, hoje o consumo de conteúdos de mídia já está “eclipsando” o uso para jogos no Xbox Live, rede online dos usuários do console. É por ela que os conteúdos são distribuídos. Segundo Kunkel, existem cerca de 60 milhões de consoles Xbox no mundo, dos quais cerca de 40 milhões estão conectados à rede Live. É importante notar que esse crescimento no consumo de mídia está acontecendo em paralelo com um

Glenn Britt, da Time Warner (esq.), com David Zaslav, da Discovery Communications: “o futuro está na plataforma IP”.

crescimento no consumo de games, diz Gerard Kunkel. “Nossos usuários consomem, pela Xbox Live, 84 horas de conteúdos de mídia por mês. Nos EUA, segundo a Nielsen, a audiência média de TV é de 150 horas por mês”, exemplificou o executivo. E se os conteúdos das redes de TV por assinatura tendem a migrar para outras plataformas, isso certamente terá um impacto sobre as redes de celular.

A Verizon Wireless tem registrado volumes impressionantes de tráfego de dados desde que lançou a sua plataforma LTE. Segundo Dan Mead, CEO da empresa, que participou da Cable 2012, em 18 meses o volume de tráfego de dados na rede 4G já é maior do que todo o tráfego na rede 3G da operadora, que já está em funcionamento há quase cinco anos. “É um volume espantosos de tráfego com o qual precisamos aprender a lidar”. Segundo Mead, uma das respostas da Verizon Wireless é criar modelos de empacotamento por volume de dados. A Verizon Wireless, segundo informações de mercado, teria perto de cinco milhões de usuários LTE para uma base total de cerca de 88 milhões de clientes pagantes. “Queremos que o usuário saiba que existe um limite de consumo de dados e que cada limite tem um preço diferente”, diz o CEO da operadora móvel. A Verizon Wireless aproveitou o evento para anunciar sua própria plataforma de integração de vídeo, como a Google TV, marcando um novo passo das operadoras de celular no mercado de TV paga.


.:Estratégia

Helton Posseti

helton@convergecom.com.br

Apenas o começo

O

FOTOS: divulgação

leilão das faixas de 4G realizado pela Anatel em junho teve o desfecho mais previsível: as principais faixas, de cobertura nacional, ficaram com as grandes operadoras de celular, não houve interessados na faixa rural de 450 MHz e o interesse pelas faixas regionais está limitado apenas às regiões de maior poder aquisitivo. Mas, mais importante que isso, o leilão marca o começo de um ciclo e o término de outro. O ciclo encerrado se iniciou com a edição da Resolução 544 de 2010, que abriu a faixa de 2,5 GHz para poder ser leiloada no futuro, deixando as empresas de MMDS com 70 MHz, de um total de 190 MHz. Além disso, a Resolução 544 também introduziu novos serviços que podem ser prestados na faixa: o de acesso a banda larga (SCM), o móvel (SMP) e até mesmo o serviço fixo (STFC) serão prestados em caráter primário em todo o bloco FDD (de 2.500 MHz a 2.570 MHz e de 2.620 MHz a 2.690 MHz) a partir de junho de 2013, quando também o MMDS ficará restrito ao bloco TDD (2.570 MHz a 2.620 MHz). Lembrando que os blocos TDD são para tecnologias não-pareadas, como o TD-LTE e o WiMAX, enquanto o FTD é para tecnologias pareadas, como o LTE. Já o ciclo que começa agora será marcado por dois tipos de negociação, com um potencial enorme para serem decididas pela arbitragem da Anatel. Em primeiro lugar, as empresas de MMDS têm direito a uma indenização a ser negociada com aquelas companhias que arremataram os 120 MHz destinados a outros serviços. Na outra negociação, Telefô­ nica/Vivo e Claro precisarão se desfazer das operações de MMDS das suas coligadas (TVA e Net Serviços, respectivamente), uma vez que optaram pela renúncia em 18 meses para poder participar da disputa pelas faixas nacionais de 4G. Caso elas não

theromb/shutterstock.com

O leilão das faixas de 2,5 GHz dá início a dois processos de negociação entre empresas, com grande potencial de serem decididos por arbitragem da Anatel.

vendam essas operações dentro desse período, a renúncia é efetivada. Pelas regras do edital, quem comprou as áreas adjacentes àquelas onde essas empresas têm outorgas de MMDS tem direito de preferência na aquisição da operação. Ou seja, a Sky terá preferência na compra da operação da Telefônica em São Paulo, Rio de Janeiro, Porto Alegre e Curitiba e da Net em Curitiba, Porto Alegre e Recife. Isso porque a empresa adquiriu no leilão a banda U de 35 MHz nas áreas de registro (código de DDD) nas quais essas capitais estão inseridas. A existência dessas faixas complementares se deve ao fato de que o MMDS tem um raio de apenas 35 km, enquanto a área de registro é muito maior. De acordo com o superintendente de serviços privados

da Anatel, Bruno Ramos, o direito de preferência significa, “em princípio”, uma negociação com a empresa que comprou a área complementar. Se essa negociação não prosperar, a interessada na operação (no caso concreto, a Sky) pode pedir arbitragem da agência. “Vai ser tudo tratado caso a caso”, disse ele. Existem ainda 119 lotes que não foram leiloados porque não houve renúncia das operadoras de MMDS que ocupam atualmente as faixas. Mas essas operações poderão ser objeto de negociação espontânea entre as empresas. Quem comprar essas operações de MMDS, seja as que devem ser vendidas em 18 meses ou não, tem direito ao uso da faixa pelo prazo remanescente da outorga. Até mesmo quem comprar os lotes de áreas complementares terá suas licenças válidas pelo prazo remanescen-

“As quatro empresas que ganharam sabiam que teriam que participar. Deverão arcar com os custos da indenização de acordo com a parte que cada uma tem da faixa.” Bruno Ramos, da Anatel 24 Teletime jun_2012


te da outorga da empresa de MMDS daquela determinada área de registro. Assim, a Anatel pretende igualar o vencimento dessas outorgas. Nas áreas onde não há MMDS a outorga é válida por 15 anos, prorrogáveis por mais 15.

“A Anatel não colocou o MMDS nessa licitação. Por que nos obrigar a sermos as únicas a fazer o MMDS?”

Dúvidas Nesse cenário já bastante complexo de acomodação do espectro que se abre, há pelo menos um ponto nebuloso sobre essa negociação entre as empresas de MMDS que precisam renunciar às faixas em 18 meses (Net Serviços/Claro e TVA/ Vivo) e as que compraram as áreas adjacentes. No leilão, a Anatel vendeu a banda U (35 MHz) e também a banda P (10 MHz + 10 MHz). De acordo com o superintendente Bruno Ramos, os vencedores da banda P nas áreas adjacentes terão preferência para ficar com a banda P das empresas de MMDS. Isso coloca no jogo a TIM e a Oi. A TIM venceu o lote de complemento da banda P nas áreas de registro 41 (Curitiba) e 21 (Rio de Janeiro) e a Oi venceu a P nos

Carlos André de Albuquerque, da Neotec complementos das áreas 51 (Porto Alegre), 81 (Recife) e 11 (São Paulo). Uma coisa é certa: a Sky não poderia ficar com a banda U e a banda P, porque uma mesma companhia não pode controlar espectro em FDD e TDD na mesma área de prestação, de acordo com a Resolução 546. Então, a banda P deve ser vendida para outra empresa, que venceu a banda U nas áreas complementares, com preferência para TIM e Oi. É difícil imaginar como seria operacionalizada uma negociação envolvendo duas empresas compradoras e uma vendedora: “Tem de fazer essa engenharia de espectro e societária. É difícil, mas dá para fazer”, afirma Ramos.

Indenização Outro ponto previsto nas regras e que precisa ser resolvido entre as empresas, mas que possivelmente será arbitrado pela agência, é a indenização para as empresas de MMDS desocuparem a faixa. A Resolução 544 prevê que a nova entrante na faixa deverá arcar com os custos de substituição ou remanejamento para a desocupação das subfaixas. O edital de licitação, por sua vez, adicionou os fatores a serem levados em conta pela Anatel, caso ela seja acionada: os custos incorridos em serviços técnicos de manutenção, de operação e de instalação, os investimentos realizados em equipamentos ainda não amortizados e não depreciados, bem como os custos de migração dos equipamentos e da base de usuários. O problema, neste caso, é que as faixas perdidas pelas em­presas de MMDS foram ocupadas por quatro empresas (Vivo, Claro, Oi e TIM), e elas deverão indenizar as empresas de MMDS, de acordo


Kirill__M /shutterstock.com

.:Estratégia

a grande batalha das empresas de MMDS é outra: como prestar o serviço de banda larga sem o peso da regulamentação de TV paga. com o tamanho da faixa que adquiriram no leilão. Bruno Ramos, contudo, acredita que as empresas chegarão a um bom termo sem a Anatel precisar intervir. “As quatro empresas ganhadoras sabiam que teriam de participar. Deverão arcar com os custos da indenização de acordo com a parte que cada uma tem da faixa”, afirma ele. Negociar a indenização com as grandes companhias é a principal preocupação das empresas de MMDS. Desde a fase de consulta pública, a Neotec (associação que representa as empresas desse setor) solicitou à Anatel definição no edital, uma vez que isso não foi feito pela Resolução 544, de um método de cálculo para a indenização. A agência, por outro lado, optou por apenas indicar os fatores levados em conta caso tenha de arbitrar algum caso. “O mercado de MMDS é muito díspar. Algumas empresas investiram e outras não. Chegando para a Anatel, eu vou analisar o caso concreto”, afirma o superintendente Bruno Ramos. Flexibilidade Mas a grande batalha das empresas de MMDS, sobretudo aquelas que levaram as faixas regionais (Sunrise e Sky), é outra: como prestar o serviço de banda larga sem o peso da regulamentação de TV paga aplicada a estas mesmas faixas e para qual elas são autorizadas. A Neotec formalizou um pedido para que as empresas autorizadas ao MMDS fiquem isentas de prestar o serviço de TV paga no bloco TDD. “É com-

pletamente inviável. Vamos transmitir pouquíssimos canais e não vamos ser competitivos em banda larga”, argumenta Carlos André de Albuquer­ que, presidente da associação e diretor de operações da Sunrise, empresa de MMDS que também levou algumas frequências para operar banda larga em cidades do interior paulista. O pleito, atualmente analisado pelo gabinete da conselheira Emília Ribeiro, já era mencionado informalmente pela associação quando da edição da Resolução 544. De lá para cá, contudo, a manutenção do serviço de MMDS na faixa ficou ainda mais complexo por causa da aprovação da Lei 12.485/2011, que criou o SeAC (Serviço de Acesso Condicionado) e introduziu uma série de canais de transmissão obrigatória. “A Anatel não colocou o MMDS nessa licitação. Por que nos obrigar a ser as únicas a fazer MMDS?”, completa o presidente da associação. Prazos incompatíveis Outro desafio negocial a ser vencido: pelas regras da Resolução 544, as empresas de MMDS têm direito a ocupar os 190 MHz da faixa até 30 de junho de 2013. Depois disso, o MMDS permanece apenas no bloco TDD (2.570 MHz a 2.620 MHz). O problema é que esse prazo é incompatível com o colocado pelo edital para que as empresas Oi, Claro, TIM e Vivo atendam às sedes da Copa das Confederações com o LTE até 30 de abril de 2013. Todas as cidades-sede são ocupadas por empre26 Teletime jun_2012

sas de MMDS: Belo Horizonte (Mais TV/Sky), Brasília (Mais TV/Sky), Forta­ leza (TV Show), Recife (Net Serviços), Rio de Janeiro (TVA/Telefônica) e Salvador (BahiaSat). A Anatel aceitou sugestão da Neotec na consulta pública para haver um prazo limite para essas negociações serem concluídas: quatro meses a partir da assinatura dos termos. Mesmo assim, Carlos André de Albuquerque teme não existir tempo hábil para que as empresas de MMDS façam a migração de todos os seus assinantes para um novo sistema e as teles, por sua vez, façam todos os testes necessários para ativar o LTE até abril de 2013. “Esse tratamento tem que ser feito com respeito e responsabilidade com os clientes. Não se trata apenas de uma negociação econômica”, afirma ele. Novos entrantes O edital de venda das faixas de 2,5 GHz proporcionará a entrada de dois novos competidores em banda larga nas principais cidades do Brasil. Um deles é a Sky, que já mantém uma oferta comercial em Brasília através da ITSA, adquirida em 2009. O outro é a Sunrise, cujo controle passou para as mãos de um fundo administrado pelo investidor norte-americano George Soros, que promete injetar na companhia algo em torno de R$ 500 milhões. As duas companhias fizeram lances pelos lotes da banda U, colocados em leilão. Na disputa entre as empresas, a Sky entrou com mais apetite e arrematou 12 dos 14 lotes aos quais apresentou proposta. Assim, a empresa somará algo em torno de 300 cidades às 101 onde já atua por meio da ITSA ou da TV Filme. Ao todo, a Sky desembolsou cerca de R$ 91 milhões nas novas licenças, que abrangem as áreas complementares de Curitiba, Porto Alegre e São Paulo. A Sunrise, por sua vez, foi bem mais modesta do que se esperava. Apresentou proposta para três lotes e acabou arrematando dois deles: a área 19, correspondente à região de Campinas, e a área 12, que engloba municípios da região de São José dos Campos, ambas no interior de São Paulo. A companhia não foi vencedora no lote da área 11. A Sunrise apresentou proposta de R$ 19 milhões, que foi superada pela da Sky, de R$ 19,950 milhões. Ao todo, a companhia gastou R$ 19,094 milhões.


Resultado esperado

A

s faixas nacionais de 4G foram arrematadas, sem grandes surpresas, por Vivo, Claro, TIM e Oi, sendo que as duas primeiras arremataram os blocos de 20 MHz + 20 MHz. A Vivo desembolsou R$ 1,05 bilhão pela faixa X no maior ágio do leilão, de 66,6%. A Claro, por sua vez, parece ter sido a companhia que fez o melhor negócio. A operadora do grupo América Móvil conseguiu a licença nacional de 20 MHz + 20 MHz do bloco W pagando R$ 844,519 milhões (ágio de 34,01%) e de quebra ainda arrematou outros 19 lotes regionais de 10 MHz + 10 MHz dos blocos P por R$ 144,285 milhões. Ou seja, a Claro pagou R$ 21,1 milhões por MHz adquirido na faixa W e R$ 7,2 milhões por MHz na faixa P, que é regional. E mesmo somando os dois valores, o montante ainda é menor que o total gasto pela Vivo apenas para a licença nacional de 20 MHz + 20 MHz no bloco X. Na comparação entre Oi e TIM, que levaram as licenças nacionais de 10 MHz + 10 MHz, a subsidiária italiana parece ter se saído melhor. Apesar de ter pago um ágio um pouco maior do que a Oi pela licença nacional (7,9% contra 5%) e ter adquirido menos lotes regionais de 10 MHz + 10 MHz da banda P, a TIM conseguiu ficar com 20 MHz em mais mercados-chave do que a Oi, e gastando menos. A TIM pagou R$ 340 milhões pela licença nacional de 10 + 10 MHz (R$ 17 milhões por MHz), e gastou outros R$ 42,238 milhões em apenas seis blocos adicionais de 10 MHz + 10 MHz (R$ 2,1 milhões por MHz), mas conseguiu esses blocos P em áreas estratégicas como as regiões metropolitanas do Rio de Janeiro, Brasília, Curitiba e Belo Horizonte. O total gasto pela TIM somou R$ 382,238 milhões. A Oi acabou forçando a subida dos preços das faixas nacionais de suas concorrentes e foi a que menos ágio pagou (5%) arrematando sua frequência nacional de 10 MHz + 10 MHz por R$ 330,851 milhões (R$ 16,5 milhões por MHz) e pagando outros R$ 68,93 milhões por mais

“O nome do jogo agora é retorno sobre o capital.” Francisco Valim, da Oi 11 lotes regionais de 10 MHz + 10 MHz do bloco P (R$ 3,4 milhões por MHz). O destaque da Oi ficou pela aquisição do bloco P da região metropolitana de São Paulo, além de ter conseguido ainda as áreas de Salvador, Recife e Porto Alegre. O montante a ser desembolsado pela Oi no leilão é de pouco mais de R$ 399,78 milhões. Satisfação geral Tanto Carlos Zenteno, presidente da Claro, quanto Antonio Carlos Valente, presidente da Telefônica/Vivo, disseram-se extremamente satisfeitos com as faixas adquiridas. “O êxito do leilão em um momento particularmente difícil da economia mostra a importância do mercado brasileiro para as operadoras internacionais”, afirmou Valente. Segundo o executivo, era o objetivo da operadora conseguir a banda que tinha como compromissos de cobertura rural em 450 MHz para as áreas do interior de Minas, São Paulo e no Nordeste. “São áreas complementares à nossa cobertura e o Nordeste é um dos mercados que mais crescem no País”, explica Valente. “Sabemos que há uma grande diferença entre ter 10 MHz e 20 MHz. Para uma empresa com um mercado de dados tão importante como temos, era importante ter a largura de espectro de 20 MHz como meio necessário para manter a liderança no mercado”, acrescentou Valente. Já Carlos Zenteno, da Claro, explicou que a ideia inicial da operadora era não apenas conseguir uma faixa de 20 MHz +

20 MHz, capaz de ofertar velocidades teóricas de 4G de até 100 Mbps, mas também de conseguir o bloco W, que prevê compromissos de cobertura de banda larga rural em 450 MHz na região Norte. “Fomos a única companhia a apoiar o processo de licitação do 4G desde o ano passado e nos esforçamos desde o primeiro lance para garantir o resultado com um bloco de 20 MHz + 20 MHz para oferecer maior velocidade para o usuário”, afirma Zenteno. Em resposta à provocação dos presidentes da Claro e da Vivo, que arremataram as faixa de 20 MHz + 20 MHz, o presidente da Oi, Francisco Valim, foi categórico: “O nome do jogo agora é retorno sobre o capital e a Oi acha que conseguiu o melhor possível”, disse ele em clara referência ao preço elevado pago pelos concorrentes. Frustração no 450 MHz Se houve alguma surpresa no leilão, foi a ausência de interessados pela faixa de 450 MHz. A sueca Net1, que inicialmente demonstrou interesse pela faixa, na hora “h” não apresentou proposta. Tudo indica que a garantia de execução dos compromissos de R$ 1,8 bilhão tenha sido decisiva para que a empresa ficasse fora da disputa - esse foi o motivo de um pedido de impugnação do edital apresentado pela companhia. Outra que cogitava participar da disputa era a Oi, que até realizou testes de cobertura em 450 MHz em áreas de diferentes perfis geográficos. Para o ministro das Comunicações, Paulo Bernardo, a faixa de 450 MHz não foi vendida isoladamente à de 2,5 GHz por dois motivos. Primeiro, por insatisfação em relação às garantias. Já as teles nacionais não entraram porque, na sua visão, prefeririam fatiar as obrigações da área rural entre elas. 

“O êxito do leilão em um momento particularmente difícil da economia mostra a importância do mercado brasileiro para as operadoras internacionais.” Antônio Carlos Valente, da Telefônica/Vivo jun_2012 Teletime 27


.:Serviços móveis

Mercado em expansão

T

udo indica que o mercado de conteúdos e aplicativos móveis continuará aquecido nos próximos anos, consequência (e ao mesmo tempo, causa) da acelerada expansão do uso das redes de banda larga móvel. Números apresentados pelo analista da Frost & Sullivan, Renato Pasquini, durante a 11ª edição do Tela Viva Móvel, evento organizado pela Converge em maio, mostram que a receita de dados das operadoras saltará dos atuais 17% para 35% em oito anos. Pelo levantamento feito pela consultoria, a cobertura 3G deve chegar a 100% dos municípios até 2019, ao mesmo tempo em que as expectativas para a adoção da tecnologia de 4G no Brasil apontam para 22 milhões de conexões no País até 2017, impulsionadas principalmente por seu uso em smartphones e tablets. Apenas em 2013, primeiro ano de implantação do serviço no mercado brasileiro, estima-se que haverá 500 mil acessos 4G, a maior parte deles por meio de modems. Pasquini, no entanto, adverte que a adoção pelo Brasil da frequência de 2,5 GHz, diferente da usada nos Estados Unidos, de 700 MHz, pode impactar numa dificuldade para se obter terminais 4G no País, num primeiro momento. Isto atrapalharia a adoção maciça da tecnologia. Na previsão do consultor, este problema tende a ser superado por fabricantes de aparelhos e operadoras no médio prazo, sobretudo com a eventual adoção da mesma faixa de espectro por outros países, como a China. “A tendência de adoção da tecnologia é forte, mas ela vai coexistir com o 3G ainda por um bom tempo”, ponderou. A consequência dessa expansão nas redes de banda larga móvel é evidente: mais usuários 3G e 4G significa mais usuários dos serviços móveis. E o Brasil é a bola da

FOTOS: marcelo kahn

Seminário Tela Viva Móvel debateu o crescimento do mercado de banda larga wireless e as alternativas para rentabilizar os conteúdos móveis.

Tela Viva Móvel 2012: mercado espera novas aplicações com a implantação do 4G.

vez. O Foursquare, rede social baseada em localização, já avalia a constituição de um escritório local no País. A base regional da empresa atenderá a toda a América Latina nos próximos 12 meses. Charles Birnbaum, executivo de desenvolvimento de negócios da companhia, afirmou no evento que a escolha não é aleatória. Afinal, o Brasil é o terceiro maior mercado do Foursquare no mundo, atrás apenas de EUA e Indonésia. “O País não é apenas o mercado mais importante da América Latina, é também o mercado nosso que mais cresce em número de usuários, 800% nos últimos 12 meses”.

para rentabilizar os centenas de milhares de apps disponíveis nas lojas de aplicativos, como Google Play e AppStore. Os dois caminhos mais promissores são a publicidade e a venda de conteúdos adicionais dentro do aplicativo, conhecida como “in-app purchase”. Mas quando o assunto é publicidade móvel, o que se viu é que o mercado ainda está cheio de práticas pouco saudáveis. Sobretudo o uso de mecanismos enganosos para gerar resultados falsos em cima do uso inadvertido das plataformas móveis por crianças, como banners clicáveis e vendas de conteúdos dentro dos aplicativos. Isso gera uma distorção: o número de clicks num Destaque determinado banner, por exemplo, não Outro tema discutido no coincide com o número de acessos efeevento foi o de estratégias tivos à página para a qual o banner aponta. “A criança clica sem querer no banner, e antes de gerar a visita para o site móvel, aperta o botão home do aparelho”, alerta Marcelo Castelo, diretor da F.biz, Renato Pasquini, da Frost&Sullivan agência de mobile

“A tendência de adoção da tecnologia 4G é forte, mas ela vai coexistir com o 3G ainda por um bom tempo.”

28 Teletime jun_2012


marketing que tem combatido esse tipo de prática por considerar o resultado nocivo para a indústria como um todo. Segundo ele, esta rejeição espontânea do usuário aumenta o custo da ação de marketing mobile, que inicialmente é, em média, de R$ 0,10 por usuário, e acaba subindo para R$ 0,50. “Há uma discrepância de 80% entre cliques e visitas efetivas ao site, porque de cada dez cliques contabilizados, apenas dois viram, de fato, acessos ao site móvel da empresa”. Castelo lembra, contudo, que essa discrepância leva à redução do preço da CPM (custo por mil) paga. É por este motivo que o diretor geral da AdLead no Brasil, Vlademir Bin, acredita que o uso de artifícios para forçar o usuário de conexões móveis a acessar um app é uma ação antiética. “Somos contra qualquer ação incentivada ou pouco clara ao cliente. Acho que o acesso ao conteúdo deve ser apenas por interesse do usuário”, ressalta. Michel Lent, sócio da Aorta, acredita que não há receita pronta para se fazer publicidade móvel. O segredo, por ora, é identificar a natureza do aplicativo no qual se espera pôr o anúncio. “Se for um jogo, o modelo ideal pode ser a remuneração por ação, ou seja, quando um usuário de fato usa o serviço”, afirma. Outra alternativa apontada por Lent é adotar o modelo de CPM, caso o objetivo do anúncio seja apenas divulgar a marca. Este formato de cobrança já é consolidado para publicidade em outras mídias. Ou, em outros casos, se for uma aplicação ou prestação de serviços, cabe usar a remuneração do custo fixo por download do programa. 

“Somos contra qualquer ação incentivada ou pouco clara ao cliente.”

Prêmio Oi Tela Viva Móvel Durante o evento, foram premiados os melhores cases de 2011 na área de aplicações para mobilidade. Veja quem foram os vencedores da quarta edição do Prêmio Oi Tela Viva Móvel, organizado pela Converge. Na edição deste ano, ao todo, foram registrados mais de 14 mil votos. Categoria: Carteira Eletrônica Aplicativo MercadoLivre Empresa responsável pela inscrição: Navita Parceiros: MercadoLivre Categoria: Comunidade/Rede Social Vivo Meu App – Seu aplicativo móvel em minutos e grátis Empresa responsável pela inscrição: Mowa Think Mobile Parceiros: Vivo Categoria: Foto, TV e Vídeo Ideias TV Empresa responsável pela inscrição: Claro Parceiros: Movile Categoria: Game Dono da Bola Empresa responsável pela inscrição: Esporte Interativo Parceiros: Claro, Hive, Hanzo, Oi, Tim e Vivo Categoria: Livro, Jornal e Revista Nuvem de Livros Empresa responsável pela inscrição: Vivo Parceiros: Gol Mobile e Editora GOL Categoria: Localização e Navegação Segurança online Empresa responsável pela inscrição: FSVAS Parceiros: Vivo Categoria: Mobile Marketing Sprite Sons Urbanos Empresa responsável pela inscrição:  Spring Wireless Parceiros: Coca-cola Brasil, Agência Casa, Ci&T e Mobint

Vlademir Bin, da AdLead jun_2012 Teletime 29

Categoria: Música Sprite Sons Urbanos Empresa responsável pela inscrição: Spring Wireless Parceiros: Coca-cola Brasil, Agência Casa, Ci&T e Mobint Categoria: Site Móvel M-commerce Netshoes Empresa responsável pela inscrição: F.biz Parceiros: Netshoes e Usablenet Categoria: SMS e MMS Torpedo Minas Legal Empresa responsável pela inscrição: MJV Inovação e Tecnologia Parceiros: Claro, CTCB, Nextel, Oi, TIM, Vivo e Governo do Estado de Minas Gerais Categoria: Tablets Aplicativo 24 horas Veja.com Empresa responsável pela inscrição: Abril Mídia Parceiros: Veja e Das Dad Categoria: Utilidade Pública/ Serviço Social SOS Região Serrana Empresa responsável pela inscrição: Oi Parceiros: Gemalto Grand Prix do Juri (escolha dos jurados) SOS Região serrana Empresa responsável pela inscrição: Oi Parceiros: Gemalto Grand Prix Popular (case mais votado) Torpedo Minas Legal Empresa responsável pela inscrição: MJV Inovação e Tecnologia Parceiros: Claro, CTCB, Nextel, Oi, TIM, Vivo e Governo do Estado de Minas Gerais


FACA PARTE DESTA HISTORIA Em 2012, o maior encontro de mídias convergentes do país completa 20 anos. O único evento que reúne todos os profissionais do mercado de TV por assinatura, banda larga e serviços digitais avançados em um ambiente propício para seu networking. PRESENÇAS CONFIRMADAS DE:

Paulo Bernardo, ministro de Comunicações

Manoel Rangel, presidente da Ancine

João Rezende, presidente da Anatel

José Félix, Net Serviços

Francisco Valim, Oi

Confira a programação completa no site: www.abta2012.com.br

Inscreva-se! 0800 77 15 028 inscricoes@convergecom.com.br

GRANDE EXPOSIÇÃO DE TECNOLOGIAS E SERVIÇOS OPERADORAS:

PROGRAMADORAS E CANAIS:

FORNECEDORES: Soluções


Onde a convergência acontece. 31 DE JULHO A 02 DE AGOSTO, 2012 TRANSAMÉRICA EXPO CENTER - SÃO PAULO, SP

Realização

Organização

Patrocinadores

Apoio

Parceiros de Mídia

Publicações Oficiais

Parceiros Institucionais

J O R N A L P RO PA G A N D A & M A R K E T I N G - E D I TO R A R E F E R Ê N C I A

• ABTA • ADVANSAT • AFP • ALPHION • ANCINE • ANHUI • ANTENAS CASTELO • ANTNET • ARION • AURORA • ASKEY • BICHARA • BROADPEAK • CHENGDU KT • COMMSCOPE • COMPUNICATE

• • • • • • • • • • • • • • • •

DELIGHT TECNOLOGY DEXIN DIGITAL DPR TELECOM ECHOSTAR EKOTECH ENVIVIO FAMAVAL FORTIS FUJIAN GLOBALSAT GOSPEL DIGITAL GT-SAT GW HEBEI LINUO HANGZHOU HARMONIC

• • • • • • • • • • • • • • • •

HEBEI HITRON HISILICON HITACHI HOMECAST IDEAL TECHNOLOGY INTELCOM ITCCOM JDSU KAON KATHREIN MEDIA NETWORKS NAGASIMA NAGRA NDS NINGBO HUAYE BROADBAND

• • • • • • • • • • • • • • • •

NOVEL SUPER TV PACE PBI PERFECT VISION POWER & TEL PREVAIL PRIME PROELETRONIC PT SUPPLY RIPLEY / MULTILINK RSV SAGEMCOM SCIP SETA SHENZHEN SHENZHEN KONKA

• SHENZHEN SKYWORTH • SHENZHEN ADVANCED VIDEO • SHENZHEN COSHIP • SICHUAN JIUZHOU • SINUTA • SMIT • ST • SUMAVISION TECHNOLOGIES • TECSYS • TELEBRAS • THAGOS • TRIBUNE • WADT • WDC • YANGZHOU


Wilian Miron

.:Competição

miron@convergecom.com.br

VoIP reinventado

Empresas de telefonia por IP, depois de encararem a frustração dos primeiros planos de negócio, começam a apostar em novos serviços e construção de rede própria.

resultados que esperavam quando começaram a atuar no Brasil, na primeira metade dos anos 2000. A prova disto é um levantamento realizado pelo Centro de Estudos sobre as Tecnologias da Informação e da Comunicação (CETIC.br), que revela: esta modalidade de telefonia é adotada por menos de um quarto das corporações entrevistadas. Em situação semelhante estão os serviços de videoconferência feitos por meio da conexão em banda larga do cliente, assinalada como em uso por apenas 24% dos respondentes do estudo. De acordo com José Luiz Pelosini, diretor de telecomu-

“clientes ficam insatisfeitos com a qualidade das ligações e preferem adotar planos de operadoras que têm rede própria, uma vez que o custo por minuto já está muito próximo.” José Luiz Pelosini, da America Net 32 Teletime jun_2012

nicações da America Net, uma das empresas que tem investido em rede própria, o principal entrave aos serviços de voz sobre IP é a percepção do cliente com relação ao custo-benefício que ele terá com o serviço. Ou seja, num cenário onde operadoras de telefonia fixa criam planos de minutos cada vez mais atraentes para os clientes, o discurso de telefonia a baixo custo deixa de ser um chamariz a novos adeptos das chamadas via rede IP. “Em muitos casos, os clientes ficam insatisfeitos com a qualidade das ligações e preferem adotar planos de operadoras que têm rede própria, uma vez que o custo por minuto de ambas as modalidades de acesso já está muito próximo”. De acordo com ele, sem um novo modelo de negócios, a tendência é que o mercado do VoIP pago seja “reduzido ao máximo” nos próximos cinco anos. Segundo ele, é preciso um novo modelo, “encontrando novos produtos e serviços para oferta agregada”. A opinião de Pelosini é compartilhada por Cristiano Salimen, gerente de marketing de produtos da GVT. Segundo ele, o fenômeno do desinteresse dos clientes corporativos pelo VoIP não é um hiato no mercado de telefonia fixa local apenas. Os minutos de uso por cliente (MOU) estão caindo tanto nas ligações locais quando em longa distância. A causa, segundo ele, é a substituição fixo-móvel e o uso de outros dispositivos para comunicação. Alguns chegam a ter custo zero para a empresa. “Cada vez mais o cliente que tem acesso à banda larga busca fazer contatos por outras plataformas de mensagens instantâneas, por exemplo. E, por isto, estão consumindo menos telefone”. FOTOS: divulgação

Tatiana Popova /shutterstock.com

A

competição acirrada no mercado de telefonia fixa, somada ao crescimento a­ce­ lerado dos serviços móveis e à qualidade ainda instável da banda larga brasileira, tem levado a estratégia das empresas de telefonia fixa via IP (VoIP) praticamente a nocaute. Na análise de especialistas consultados por TELETIME, o VoIP não decolou no Brasil porque o modelo de negócios pensado inicialmente para a oferta do serviço era baseado na oferta de telefonia a baixo custo, especialmente para ligações de longa distância nacional e internacional. Entretanto, contrariando as previsões do mercado, o serviço foi pouco atrativo ao cliente residencial que, diante de um serviço com baixa qualidade, optou por se manter fiel à telefonia fixa convencional, ou preferiu utilizar plataformas de grupos internacionais como Skype, que proporciona chamadas gratuitas entre usuários do software. Restou às empresas de VoIP apelar ao mercado corporativo, com companhias em busca de redução de custos com a telefonia. Agora, com mais alternativas de comunicação, essas empresas estão mudando seu modelo de negócios e apostando em novas formas de tornar o produto VoIP algo mais atraente aos olhos dos clientes. Programadas para atender a custos baixos o mercado corporativo, especialmente as pequenas e médias empresas, as operadoras de VoIP parecem não ter alcançado os


“ao optar pelo VoIP, o cliente espera pagar menos usando a telefonia e ter a mesma qualidade da ligação convencional.”

Entretanto, ele afirma que, apoiado na força da marca GVT, o Vono (serviço de ligações por meio da rede IP oferecido pela operadora paranaense) tem contrariado as estatísticas, assim como a telefonia convencional da companhia. De acordo com Fernanda Barchese, da Transit Salimen, nos últimos três anos o número de usuários do produto de VoIP da GVT cresceu 26%, próprias para garantir a quaenquanto a quantidade de linhas fixas lidade dos serviços e otimizar o investida empresa aumentou 40%, na esteimento com a oferta de Serviços de ra da oferta de pacotes combinados Valor Adicionado (SVAs). com banda larga. O executivo asseguA Transit Telecom é um exemplo de ra que a estratégia da operadora para mudança de estratégia. Ela tem apostaeste serviço é se aproveitar do nome do alto na oferta de serviços dentro de da empresa, em diversas regiões um modelo de rede própria, construída associado à qualidade, para driblar as com fibra ótica e tecnologia NGN. A restrições geográficas para a prestaempresa investiu R$ 200 milhões na ção de serviços e, desta maneira, construção de uma rede de seis mil quigarantir algum serviço onde a emprelômetros e, até o final deste ano, a perssa ainda não atua. pectiva é dobrar a extensão desta rede. Com a nova rede, a operadora atenderá Caminho das pedras ao menos dez cidades como São Paulo e As companhias que entraram no Florianópolis, onde a empresa já atua mercado de telefonia nos anos 2000 com fibra. Na capital catarinense, os focadas no mercado de VoIP têm aposcabos instalados conectam a ilha ao contado, agora, na construção de redes

tinente. Outras oito cidades estão com o projeto em fase de implantação: Piracicaba, Santos, Cam­pinas e Sorocaba (SP), Porto Alegre, Belo Hori­ zonte, Curitiba e Salvador. O motivo deste esforço é que nos últimos anos as transformações competitivas do mercado pegaram parte das empresas de surpresa. A Transit precisou mudar sua rede e agregar novos serviços e aplicações, como produtos de videoconferência e outros serviços a preços considerados mais acessíveis. Fernanda Barchese, superintendente de produtos da operadora, explica que, ao optar pelo VoIP, o cliente espera pagar menos usando a telefonia e ter a mesma qualidade da ligação convencional. E ainda não há como fazer ofertas desta maneira se a operadora usar apenas a rede pública ou o acesso à Internet que o usuário já possui. “O comportamento do consumidor deste mercado é não pagar qualquer quantia se o serviço for ofertado com menos qualidade”, relata.

PROCURANDO VISIBILIDADE PARA SUA MARCA? O melhor conteúdo de telecomunicações do Brasil. Notícias diárias, análise do mercado, tendências e opiniões. Além de acesso às revistas, suplementos especiais e aos eventos do setor.

www.teletime.com.br jun_2012 Teletime 33

IMAGENS MERAM ENTE

ILUSTRATIVAS

Para anunciar: (11) 3138.4623


.:Competição Em outras palavras, não compensa insistir na ideia de convencer o cliente a usar o serviço tomando como base apenas o preço por minuto da ligação. A Transit tem mais de 80% de suas receitas vindas da prestação de serviços de voz local e longa distância. E dos 23 mil contratos (empresas atendidas) pela operadora, ao menos 4 mil são de usuários do serviço VoIP, um número significativo. “O importante é que com esta rede, o cliente pode escolher se quer fazer e receber chamadas via Internet, com o VoIP, ou acesso Transit baseado no STFC convencional”. Com uma rede própria, diz a executiva da Transit, torna-se possível oferecer banda larga e pacotes de serviços combinados, tendência irreversível do mercado de telecomunicações e principal impulsionador do crescimento em número de linhas fixas nas operadoras competitivas. “Rede própria se tornou uma premissa para crescer na cadeia de valor para o cliente, oferecendo banda larga e aplicações”. Hoje a empresa tem serviços de voz e dados, Internet convencional e ponto a ponto. Com a consolidação dos investimentos, tudo indica que o portfólio da Transit vai evoluir, num curto prazo, para disponibilização de outras aplicações. Cristiano Salimen, da GVT, avança um pouco nesta questão e aponta a falta de estrutura de boa parte daqueles que se propuseram a fazer VoIP como um dos problemas para o desenvolvimento do mercado. “Era fácil de se fazer e por isso surgiu o problema da falta de qualidade, porque havia empresas muito pequenas e

“Cada vez mais o cliente que tem acesso à banda larga busca fazer contatos por outras plataformas de mensagens instantâneas, e está consumindo menos telefone.” Cristiano Salimen, da GVT sem rede própria, ou com outros problemas de gestão”. Em partes, esta visão ajuda esclarecer as razões de o serviço estar hoje restrito a poucas empresas, a maior parte delas operadoras já estabelecidas com outros serviços de telecomunicações. Salimen acredita que hoje, com a popularização dos smartphones e uma conexão de banda larga móvel cada vez melhor, a tendência é que o serviço ganhe fôlego com uma escapada para a mobilidade, com o acesso através de

Disputa Para o executivo da GVT, nos últimos anos as concessionárias encontraram dificuldade para oferecer ao cliente múltiplos serviços e boa qualidade da rede: “GVT e Net, por exemplo, ofertam combos e se dão bem porque as concessionárias estão apenas começando neste tipo de atuação”. Outro problema para elas é o fato de manterem uma rede antiga, que é incapaz de entregar velocidades maiores. “Com uma rede mais ‘moderna’, GVT e Net têm mais facilidade para fazer isto. Afinal, os clientes querem cada vez mais banda larga”, afirma. A situação atual mostra que houve um ligeiro avanço na quantidade de linhas fixas instaladas entre 2010 e 2011. Este número, no entanto, é impulsionado pela performance das operadoras competitivas. Fernanda Barchese, da Transit, afirma que este movimento tem ocorrido devido à expansão dos serviços de banda larga. Neste cenário, o grande desafio das concessionárias é enfrentar as operadoras competitivas que chegam com redes novas, baseadas em fibra ótica e tecnologia IP. “As concessionárias têm redes TDM, de par metálico, e é difícil mudar tudo de uma hora para outra”.

com a popularização dos smartphones e uma conexão de banda larga móvel cada vez melhor, a tendência é que o serviço ganhe fôlego com uma escapada para a mobilidade, com o acesso através de aplicativos. aplicativos. “É uma alternativa, porque o cliente pode ter a linha da empresa dele em qualquer lugar. Pode ser interessante para muita gente que fica o dia fora do escritório”. Confiante nesta possibilidade, ele menciona que a GVT está prestes a lançar um aplicativo do Vono. “Pode vingar sob o apelo de o cliente ter um telefone fixo na palma da mão”.

Skype terá anúncios durante chamadas

P

ensando em rentabilizar mesmo durante as ligações gratuitas, o Skype anunciou recentemente que vai introduzir anúncios publicitários durante as chamadas de seus usuários. As propagandas aparecerão em forma de banners com imagens, sem animações, durante as ligações entre usuários que não possuem créditos no serviço ou a assinatura de algum plano de minutos. O novo modelo de negócios chama-se Conversation Ads e sua proposta é se tornar uma oportunidade para as marcas atingirem centenas de milhões de usuários conectados. Se forem levados em conta os números oficiais do Skype, a nova janela publicitária será um negócio e tanto para exposição de marcas. De acordo com a própria empresa, no mundo há 41 milhões de usuários únicos ativos no serviço de VoIP e eles usam em média 13 minutos diários de conversas pelo software.

34 Teletime jun_2012


.:Sistemas

Daniel Machado

daniel@convergecom.com.br

Integração complicada

H

á algum tempo que a visão da tecnologia da informação (TI) apenas como uma área de suporte e de manutenção dos recursos computacionais e sistemas de comunicação de uma empresa foi superada. Especialmente para operadoras de telecom, que historicamente dispensaram grande parte de seus recursos e esforços nas redes de telecomunicações mas que, de alguns anos para cá, passaram a dar à TI um status de área estratégica. A plena integração e gestão inteligente dos sistemas de TI ainda é a última fronteira para o fornecimento de um pacote de serviços realmente convergente que signifique não apenas a venda em si, mas o gerenciamento e atendimento a clientes de forma integrada (o que raramente acontece), até os processos de requisição e ativação do back office, suporte, manutenção e billing. Tudo necessita ser integrado e gerenciado corretamente, e é aí que está a grande dificuldade, ainda hoje, para as operadoras. Num segundo momento, uma operação integrada permitiria, por exemplo, operações mais complexas. Como o contact center entender que o assinante também é usuário de telefonia móvel ou banda larga fixa e tem um determinado perfil de uso premium que o credencia a receber uma oferta específica. Ou para que esse mesmo usuário seja capaz de utilizar seus créditos de celular para assistir filmes pay-per-view no serviço de TV paga. Segundo a consultoria Analysys Mason, um estudo sobre o gerenciamento da experiência do assinante mostrou que as operadoras só conquistarão a lealdade do cliente quando aprimorarem a experiência dele a partir do gerenciamento inteligente de todas as interações. Em 2008, segundo a consultoria, essa melhoria da experiência do cliente absorveu investimentos de US$ 1,7 bilhão por parte das operadoras no mundo todo. A

violetkaipa/shutterstock.com

Considerada o último degrau para o fornecimento de serviços convergentes, a consolidação dos sistemas de TI alcança o topo das prioridades na agenda de praticamente todas as operadoras.

previsão para 2013 é de algo em torno dos US$ 4,4 bilhões. Somente as plataformas de entrega de serviços receberão aporte de US$ 924 milhões em 2013, valor quase quatro vezes maior que o de 2008. Os sistemas de billing (tarifação) absorverão investimentos de US$ 914 milhões, um crescimento de 88% em cinco anos.

dados consumidos pelos clientes. A falta de efetividade no trato dessas demandas, para esses executivos, representa o principal impedimento para que suas empresas lancem produtos, serviços e modelos de negócios mais coerentes com a realidade convergente. Para esses 66%, esse é um fator crítico para seus negócios. Para outros 28%, é importante.

Prioridade zero Os sistemas de tarifação, aliás, aparecem no topo da lista de preocupação e prioridade de praticamente todas as operadoras quando o assunto é consolidação de sistemas. Um estudo divulgado pela Accenture em abril deste ano revelou que a carência de sistemas de billing que atendam as demandas desse cenário conectado e multidispositivo é o principal obstáculo para as empresas nesse momento. A consultoria ouviu 50 executivos de grandes companhias de mídia e comunicação da América Latina, Europa, Oriente Médio e África. Para 66% deles, as plataformas dos sistemas de bilhetagem e cobrança das teles têm dificuldade em gerenciar a variedade crescente de novos serviços e dispositivos. É uma preocupação que rivaliza com a explosão de

Torre de Babel Mas como integrar o billing e os demais softwares de gestão do alto de uma verdadeira Torre de Babel de sistemas de comunicação? Com a consolidação das operadoras brasileiras do grupo América Móvil em 2005 (Embratel, Net e Claro), a Claro acumulou 900 sistemas diferentes somente no Brasil. A Vivo/ Telefônica, que também passou por processo semelhante de integração, iniciado em meados de 2010, totalizou mil sistemas. E essa é a média das incumbents, empresas que nasceram no mundo da telefonia fixa décadas atrás e trazem de herança um amontoado de sistemas de TI para administrar, em sua maioria, sistemas obsoletos ou simplesmente desnecessários. O diretor de desenvolvimento de

jun_2012 Teletime 35


.:Sistemas negócios da Amdocs, Maurício Falck, explica de forma resumida como isso aconteceu. “Durante muito tempo, para atenderem demandas pontuais, as operadoras compravam soluções específicas para cada serviço que iriam lançar no mercado”, diz. “Na hora de oferecer banda larga, instalavam um sistema de tarifação específico para o serviço, ligado ao sistema de tarifação de voz. Outros compravam um sistema só para (atender) o mercado corporativo. Resolvia o problema em curto e médio prazo, mas depois não conseguiam evoluir“, resume. O vice-presidente da Amdocs no Brasil, Nelson Wang, ratifica a opinião do colega, mas acredita que esse foi um processo necessário e até certo ponto inevitável pelo qual as operadoras tinham de passar. “A integração poderia ter sido pensada antes? Acho que não. Não era o momento naquela época em pensar em integração, pois (telecom) era um mercado ainda crescente e era preciso primeiro conquistar maior fatia de mercado. Em determinados momentos, o time-to-market é mais importante”, explica. Ele lembra que o processo de consolidação dos sistemas foi iniciado pelas operadoras entre 2007 e 2008, mas teve de ser interrompido em 2009, com a crise financeira mundial. “Esse é um processo complexo e demorado, que leva de três a quatro anos”, diz Falck. “Não é uma atualização como a do Windows, envolve muita gente, é como trocar a roda em movimento ou a asa do avião em pleno vôo. É preciso fazer a migração dos sistemas legados e, ao mesmo tempo, tocar o processo de integração maior. Geralmente a operadora tem de fazer dois investimentos em paralelo”, acrescenta. O diretor de Soluções para Telecomunicações na América Latina da Oracle, Alceu Bravo, complementa: “Não basta adquirir equipamentos e software para integrar os sistemas e processos de gestão de uma operadora. É preciso também investir em inteligência, gente, áreas de negócio, logística. Um software de gestão é utilizado por usuários em um processo que atravessa toda a empresa, começa lá na loja, passa pelo contact center e vai atraves-

sando várias áreas, fica tudo bem amalgamado na organização, muitas vezes até absorvido na cultura da empresa”. Inexorável O processo de consolidação de sistemas pode ser demorado, complexo e oneroso, porém é algo inexorável. Para Christiane Edington, diretora executiva de tecnologia da informação da Vivo/ Telefônica, não há escapatória. “Sem convergência de sistemas não há convergência de serviços e nem integração da

FOTO: divulgação

O processo de consolidação de sistemas pode ser demorado, complexo e oneroso, porém é algo inexorável. organização como um todo”, adverte. Bravo concorda e lembra que o próprio presidente da Vivo, Antônio Carlos Valente, chegou a dizer recentemente que a integração dos sistemas é o maior desafio da operadora no Brasil. É bom lembrar que somente no processo de integração das operações móveis sob o guarda-chuva da Vivo, iniciado em 2003 a partir das aquisições de diversas operadoras regionais espalhadas pelo País, havia seis estruturas diferentes de bilhetagem pré e pós-paga, além de 15 soluções de front-office, seis sistemas de provisionamento e de softwares antifraude, três ERPs, duas soluções de interconexão, seis modelos de mediação e oito datacenters. Em 2006, foi a vez da Vivo migrar seu sistema CDMA para GSM e novamente os softwares de gestão foram decisivos para a empresa. TI em obras Desde o início deste ano, a Vivo trabalha em um plano estratégico para reduzir, ao longo dos próximos três anos, os cerca de mil sistemas que rodam em seus computadores. “Há muita coisa duplicada em função das duas operações. Mas à medida que consolida, essa quantidade cai, no mínimo, para a metade. Nossa ideia é ter o mais simplificado e menor número de

sistemas possível para o atendimento do negócio”, revela Christiane. A redução de sistemas da Vivo/ Telefônica envolve as áreas de atendimento ao cliente (CRM, CRM massivo, CRM individual, canais eletrônicos); ofertas e billing (pré-pago, medição, BSS); back office (ERP e folha de pagamento); e sistema de suporte operacional (OSS). Na Claro, um projeto semelhante foi lançado bem antes, em 2009, porém em princípio somente para o segmento corporativo. Batizado de Claro Plataforma Corporativa (CPC), esse projeto tem o objetivo de simplificar a operação e reduzir a quantidade de sistemas legados e proprietários de vendas, gerenciamento e atendimento de clientes, requisições e ativações do back office. Cerca de dois anos e meio após o lançamento do CPC, a quantidade de sistemas da Claro no segmento corporativo despencou de 900 para 250, resultado que parece ainda não ser suficiente. “Nossa meta é reduzir para cem sistemas nos próximos dois anos”, diz o diretor de Projetos e Arquitetura da Claro, Wilson Teles Marcolin, que destaca o fato de o CPC ter se tornado um case de sucesso internacional e estar sendo replicado em todas as outras operadoras do grupo América Móvil. Previsto para 48 meses, o CPC foi dividido em quatro etapas de consolidação: CRM, CRM Sales (vendas), Ordering (requisição e ativação) e EPC (catálogo). A próxima empresa do grupo a ter seus sistemas consolidados é a operação de varejo da Claro. “O roll-out na área de consumo deve começar em janeiro ou fevereiro do ano que vem”, prevê. “Será excelente, pois teremos um único sistema para todas as operações. Na análise de crédito, por exemplo, cada operação utiliza um sistema diferente. A unificação de toda essa base irá gerar economia, pois essas instituições de análise de crédito nos cobram por volume. Tendo um sistema só, compraremos com mais escala e ganharemos poder de negociação”. Outro exemplo é a área de requisição e ativação da Claro, composta por dez sistemas diferentes que, no futuro, devem

“Sem convergência de sistemas não há convergência de serviços e nem integração da organização como um todo.” Christiane Edington, da Telefônica/Vivo 36 Teletime jun_2012


Alceu Bravo, da Oracle ser consolidados em um só. A mesma sorte terá a plataforma de CRM, que dispõe de 30 sistemas. “Futuramente isso será excelente para ver melhor o cliente, como ele se relaciona, se é pré-pago, pós, se tem TV por assinatura ou não”. Recorde-se que a Claro, juntamente com Embratel e Net Serviços, lançou recentemente uma oferta integrada de serviços, mas isso funciona apenas na oferta em si. Na prática, os sistemas das três empresas ainda são completamente separados e a administração dos clientes “convergentes” é feita de forma praticamente manual, segundo fontes próximas ao processo. Corrida dos sistemas Nessa corrida da consolidação dos sistemas, Falck, da Amdocs, faz uma análise que dá a proporção exata da importância do assunto, atribuindo a ele uma dimensão de sobrevivência. “O primeiro que consolidar e integrar seus sistemas (entre as quatro grandes operadoras) ganhará muito dinheiro. O segundo vai ganhar muito também. O terceiro, somente algum dinheiro. E o último vai ficar bem para trás”, resume. Obviamente, na visão de Christiane Edington, a Vivo está na dianteira dessa corrida. “Acredito firmemente que a nossa operadora sairá na frente dos concorrentes nesse desafio. Estamos trabalhando e investindo muito para isso. Quem sai na frente sempre leva vantagem e já estamos lá”. Marcolin, da Claro, pensa diferente e rebate: “Estamos bem na frente das outras operadoras pois somos ousados, trabalhando as quatro etapas simultaneamente, treinando mais de 30 mil funcionários em uma verdadeira operação de guerra”, diz. Sistemas vs. redes Bravo considera a convergência “o grande tema da agenda das operadoras”. Porém, segundo o diretor da Oracle, para consolidar é preciso antes transformar. “Transformação é o nome que os especialistas dão ao projeto de integração dos sistemas. Mas pode ser chamado também de evolução, porque

é um caminho evolutivo, não de ruptura”, acrescenta. Para Christiane, o driver dessa evolução na Vivo/ Telefônica tem nome e sobrenome: plano de negócios. “Não olhamos para dentro da TI para ver o que precisa ser melhorado, mas sim do ponto de vista de negócios, quais os drivers de crescimento, analisamos e agimos menos em função de deficiências e mais em função de alavancar o negócio”, diz. Para a executiva da Vivo, a rede, apesar de fundamental, já virou commodity para as operadoras. E a bola da vez é TI. “Saímos de um mundo onde imperava o monopólio estatal, no qual o cliente comprava aquilo que era oferecido. O mais importante para as operadoras era a engenharia, a rede. Com a privatização, a área de serviços de TI passou a ser mais valorizada e a parte

relação com a área operacional”. A TIM, ressalte-se, acabou incorporando ao longo dos últimos anos as operações da Intelig e, posteriormente, da Atimus, e cada uma delas veio com uma quantidade considerável de sistemas operacionais. O diretor de marketing da TIM/Intelig, Rafael Marques, converge no raciocínio. “Em vez de fundir, mantivemos os sistemas separados. A gente acredita que é importante dividir para somar. Quando divido, dou o devido foco, acabo especializando. A maturidade do ciclo de venda da operação fixa é muito diferente da móvel”, diz. “Não vamos convergir porque o mercado todo está convergindo e nos tornar reféns de um sistema que engessa, não traz a flexibilidade que o cliente precisa e ainda enfia tudo empacotado goela abaixo desse cliente.” Talvez essa estratégia oposta à do mercado se justifique pelo fato de a TIM ser a única entre as quatro grandes operadoras que nasceu no mundo móvel e, justamente por esse motivo, não tem um legado tão extenso quanto o das demais para administrar. Mesmo assim, a operadora estabeleceu parceria com a Sky e adquiriu grandes operações, como a Intelig e a Atimus, mas optou por mantê-las funcionando de maneira bem separada. “Se integrássemos a Intelig com a operação móvel, perderíamos o foco no segmento corporativo, que merece uma abordagem distinta”, justifica Olivieri. “Por causa dessa estratégia, e por não termos sistemas rodando há 20 ou 30 anos, como é o caso das incumbents, conseguiremos iniciar ainda neste ano uma operação de banda larga dentro de um período de quatro a seis meses, entre lançamento da fibra, projeto e lançamento”, antecipa o diretor da TIM Fiber. Marques destaca que a convergência dos sistemas de TI só será colocada em prática na TIM onde fizer sentido. “A gente não dividiu tudo. Há áreas que valem a pena integrar e estão integradas, como os sistemas de TI e suprimentos. Uma plataforma de CRM também é pensada para atender todas as empresas do grupo. Já o billing único está no nosso roadmap, mas não é uma  demanda prioritária”.

a TIM não demonstra pressa alguma em integrar todos os seus sistemas e ainda classifica essa ação como um engessamento das operações. da rede se tornou commodity. Rede, todas (as operadoras) têm. Onde vão se diferenciar? Na qualidade de serviços, no atendimento ao cliente.” Dividir para somar Mas nem mesmo o assunto mais estratégico do momento é consenso no mundo das telecomunicações. Com uma abordagem diferente, a TIM não demonstra pressa alguma em integrar todos os seus sistemas e ainda classifica essa ação como um engessamento das operações. “Muitas vezes essa convergência acaba jogando contra o foco e a eficiência das empresas”, adverte Cícero Olivieri, CCO (diretor de comunicação) da TIM Fiber. “O mercado fixo e o móvel têm focos muito diferentes, desde a maneira como o cliente está conectado, a forma de se relacionar, a percepção de qualidade de serviço e a jun_2012 Teletime 37

FOTO: divulgação

“Transformação é o nome que os especialistas dão ao projeto de integração dos sistemas. Mas pode ser chamado também de evolução, porque é um caminho evolutivo, não de ruptura.”


Cláudio Dascal

cartas.teletime@convergecom.com.br

FOTO: ARQUIVO

.:ponto&contraponto

Luz verde para a 4G. E agora?

C

om a concretização do leilão do espectro de 4G, está dada a largada para a entrada do Brasil no ainda seleto grupo de países que estão implementando a tecnologia de quarta geração móvel. Definidas a alocação de espectro e as empresas que utilizarão as frequências nos próximos anos, agora vem a tarefa mais difícil: transformar esta perspectiva em serviços válidos para os usuários, satisfazer a expectativa do governo quanto à banda larga móvel e também monetizar estes serviços para viabilizar o retorno destes investimentos para os acionistas que estão se lançando, por diferentes razões, nesta nova tecnologia. Era esperado que as operadoras móveis brigassem por este espectro, simplesmente porque não poderiam correr nenhum risco de debilitar sua posição dominante no mercado. Tratase, sem dúvida, de uma evolução tecnológica que obriga as empresas a investirem. Se não o fizessem, arriscavam ser penalizadas pelo futuro dos negócios. A grande vantagem da tecnologia 4G é a possibilidade de altas velocidades efetivas de transmissão de dados. Isso é muito atrativo para empresas que hoje têm dificuldades de obter garantias de serviço com qualidade. Em termos de aplicações, é uma grande oportunidade para vídeo, que demanda essas grandes velocidades. Duas questões que se colocam são a da mobilidade e a da bidirecionalidade em aplicações de grande fluxo de dados. Video streaming é tipicamente download na distribuição massiva, pode ser bidirecional nas redes sociais e incluir criação coletiva de conteúdos, o que exige também um bom upload. Para distribuição assimétrica, o download uma rede 3G tem qualidade suficiente. Mesmo para necessidades simétricas de até 14 Mbps as redes 3G com HSPA+ são suficientes, desde que devidamente calibradas. Mas quando se acrescenta a variável mobilidade, o problema fica mais complexo, pois um grande fluxo de dados requer disposi-

tivos maiores, como tablets ou notebooks, e mais atenção do usuário. Por isso, o vídeo tem mais as características nomádicas, e não as de mobilidade plena. Claro que em viagens de trem e de ônibus pode haver uma utilidade, mas por si só isso não sustentaria os investimentos necessários. Outra questão a ser considerada é que não podemos fazer um paralelo entre a situação do LTE nos Estados Unidos e o que ocorrerá aqui, pois o fato de a frequência nos Estados Unidos ser na faixa de 700 MHz cria uma maior economia dos investimentos. Aqui, como em boa parte da Europa, a banda de 2,5 GHz cria questões de cobertura e penetração que exigirão muito mais em termos de sites e de investimento, tornando mais difícil a

Aqui, como em boa parte da Europa, a banda de 2,5 GHz cria questões de cobertura e penetração que exigirão muito mais em termos de sites e de investimento. obtenção de retorno, ou então ficando a sua aplicação restrita a zonas mais densas ou comercialmente viáveis. Esta questão contraria a expectativa política do governo, que vê no LTE uma solução para a banda larga no País. Parte desta expectativa poderá ser atendida pelos lotes menores arrematados pelas empresas de televisão por assinatura, que vão com esta tecnologia expandir sua oferta para voz e dados, mas neste caso há muito espaço ainda a ser coberto. Outro aspecto ainda a ser analisado e abordado diz respeito à voz sobre LTE, ou VoLTE, que carece ainda de terminais disponíveis. O 4G, na prática, está mais focado nas aplicações de dados e nomádicas. Mas a voz é novamente uma situação a ser analisada, já que o grosso da receita das operadoras móveis é de minutos falados e logicamente, enquanto assim for, elas 38 Teletime jun_2012

farão de tudo para proteger e defender a sua receita. Assim, tudo indica que o 4G será aplicado em situações específicas, como a Copa do Mundo, onde se queira dar um ar de modernidade ao Brasil. Não teremos aeroportos, mas teremos 4G! Outra questão é a disponibilidade de terminais, lembrando que a diversidade das frequências adotadas no mundo cria a situação de que um terminal que funciona nos Estados Unidos não funcionará aqui. Assim, a maior probabilidade é que as empresas que façam seus investimentos em 4G tenham de resolver a questão de proliferação de sites e antenas e se concentrar em aplicações de nicho até que os terminais multibanda estejam disponíveis, que o VoLTE seja uma realidade e que a interoperabilidade com as redes 2G e 3G esteja resolvida satisfatoriamente. Neste meio-tempo, temos muito trabalho pela frente para completar a cobertura 3G e melhorar a qualidade das redes existentes. Com a liberação do espectro da TV analógica em 2016, talvez possa voltar à discussão a migração do LTE para a faixa de 700 MHz, viabilizando assim sua massificação. Fica para ser entendida a estratégia da Nextel, que está ainda em fase de construção de sua rede 3G e é simplesmente atropelada pela entrada de uma nova tecnologia em todos os mercados em que ainda está implantando ou iniciando esses serviços. Uma situação típica da evolução das tecnologias, num cenário onde a Nextel decidiu investir pesado para salvar sua base, que estava com uma tecnologia moribunda, o iDEN, e é atropelada por uma tecnologia mais eficiente justamente para clientes que demandam mais banda e velocidade, tipicamente seu mercado. Nunca é demais lembrar que é questão imprescindível para a implantação do 4G a simplificação das posturas municipais para a implantação de sites, de preferência com uma legislação nacional em vez de regras locais. 


TODOS ESTÃO DE OLHO NA MOBILIDADE. CHEGOU A HORA DE APARECER. ANUNCIE NA ÚNICA PUBLICAÇÃO DO SETOR QUE É CONSULTADA O ANO INTEIRO. DESENVOLVEDORES | AGÊNCIAS DE PUBLICIDADE | INTEGRADORES AGREGADORES DE CONTEÚDO | PROVEDORES | PUBLISHERS | PRODUTORAS

11 3138-4623 | comercial@convergecom.com.br


CHEGOU CLARO TV. É CLARO QUE VOCÊ VAI QUERER TER EM CASA, NÉ?

QUALIDADE DE SOM E IMAGEM ÚNICA QUE GRAVA PROGRAMAS EM PEN DRIVE

GUIA ELETRÔNICO DE PROGRAMAÇÃO NA TELA

LIGUE E ASSINE

3003-4333 www.claro.com.br/clarotv

Compartilhe cada momento

Gravação de Programas disponível através do serviço PenVR. Consulte se o modelo do seu receptor Claro TV está disponível para habilitação do recurso PenVR. Recurso disponível apenas nos modelos de receptores Claro TV com entrada USB e com a funcionalidade disponível para utilização: modelo Coship N5266S e Huawei DS220. O aparelho de pen drive deve ter a capacidade mínima de armazenamento de 4 GB e não é fornecido pela Claro TV. A capacidade de armazenamento para gravação dos programas está relacionada à capacidade de armazenamento do pen drive em GB. Após a formatação do pen drive para ser utilizado como PenVR, todo o conteúdo anterior será excluído. Consulte condições de contratação dos serviços anunciados, valor da taxa de adesão e instalação, disponibilidade dos serviços em sua região e a viabilidade técnica do local. Sujeito a análise de crédito. Acesse: www.claro.com.br/clarotv

Revista Teletime - 155 - Junho 2012  

Revista Teletime - 155 - Junho 2012

Advertisement