Page 1

Universidades do RS investem em televisão e montam emissoras

Videofone é destaque na cobertura direta da guerra no Iraque

Paraná produz longa com mão-de-obra formada no Estado

Acompanhe as notícias mais recentes do mercado www.telaviva.com.br

ano12nº126ABRIL2003


N達o disponivel


N達o disponivel


editorial Depois de idas e vindas, tudo indica que a Ancine acabará mesmo sob o guarda-chuva do Ministério da Cultura, ao contrário do que queria a maior parte dos cineastas, embora dentro deste grupo haja quem apóie a idéia. O movimento já se delineava desde o início do ano, quando o governo decidiu cancelar

rubensglasberg glasberg@telaviva.com.br

a migração da agência da Casa Civil para o Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio (MDIC), para onde o cinema organizado queria que ela fosse. Mas parece que o catalisador da definição foi a carta que o produtor Luis Carlos Barreto enviou ao MinC, com seu estilo “trator”, passando por cima de decisões anteriores do setor, pedindo que a Ancine ficasse com o ministério de Gilberto Gil. A polêmica carta tinha a assinatura de importantes nomes do cinema nacional, alguns dos quais nem sabiam que tinham assinado e pediram para ter seus nomes retirados. Mas até aí a bola já estava rolando. O barulho criado pela carta resultou em uma reunião do setor com o MinC em meados de março, na qual o secretário-executivo do ministério, Juca Ferreira, teria ressaltado a vontade de Gil de fazer um ministério “importante”, com a presença de todas as manifestações artísticas, e que o cinema não podia ficar de fora. Aliás, um dos argumentos dos que querem que a Ancine fique sob o MinC é justamente o fato de o MDIC nunca ter se manifestado publicamente reivindicando a agência para si. Ferreira teria dito ainda que a decisão não tinha sido tomada ainda (afinal, quem decide em última instância é o presidente Lula), porque o governo decidiu consultar a classe antes e queria uma definição de consenso. Resumo da ópera: restou pouco para o setor fazer a não ser criar um grupo de trabalho, apelidado de “novo GEDIC”, para estudar o assunto. Mas depois de tanto “carinho” do MinC para com o cinema, parece pouco provável que Gil não tenha a Ancine sob suas asas. O que o pessoal do cinema não quer é voltar a ser tratado “apenas” como atividade cultural, e apostavam nas habilidades do ministro Furlan, do Desenvolvimento, para deslanchar a atividade como indústria. O MinC promete um tratamento mais desenvolvimentista e com um viés mais “econômico” para a atividade. Agora é torcer para dar certo e partirmos para uma indústria que não dependa apenas da benevolência estatal.

Diretor e Editor Rubens Glasberg Diretor Adjunto André Mermelstein Diretor de Internet Samuel Possebon Diretor Comercial Manoel Fernandez Diretor Financeiro Otavio Jardanovski Gerente de Marketing Mariane Ewbank Administração Vilma Pereira (Gerente), Gilberto Taques (Assistente Financeiro)

Editora de Projetos Especiais Sandra Regina da Silva Redação Lizandra de Almeida, Monica Teixeira (Colaboradoras) Sucursal Brasília Carlos Eduardo Zanatta (Chefe da Sucursal), Raquel Ramos (Repórter)

Arte Clau­dia G.I.P. (Edi­ção de arte, Capa e Pro­je­to grá­fi­co), ­Cyntia Levy (Assis­ten­te), ­Rubens Jar­dim (Pro­du­ção grá­fi­ca), Geral­do José Noguei­ra (Edi­to­ra­ção ele­trô­ni­ca), Depar­ta­men­to Comer­cial Almir Lopes (Geren­te), Ale­xan­dre Ger­del­mann e Cris­tia­ne Peron­di (Con­ta­tos), Iva­ne­ti Longo (Assis­ten­te)

Editor Fernando Lauterjung Webmaster Marcelo Pressi Webdesign Claudia G.I.P.

Central de Assinaturas 0800 145022 das 8 às 19 horas de segunda a sexta-feira | Internet www.telaviva.com.br | E-mail subscribe@telaviva.com.br Redação (11) 3257-5022 E-mail telaviva@telaviva.com.br | Publicidade (11) 3214-3747 E-mail comercial@telaviva.com.br | Tela Viva é uma publicação mensal da Editora Glasberg - Rua Sergipe, 401, Conj. 605, CEP 01243-001. Telefone: (11) 3123-2600 e Fax: (11) 3257-5910. São Paulo, SP. | Sucursal SCN - Quadra 02, sala 424 - Bloco B - Centro Empresarial Encol CEP 70710-500. Fone/Fax: (61) 327-3755 Brasília, DF | Jornalista Responsável Rubens Glasberg (MT 8.965) | Impressão Ipsis Gráfica e Editora S.A. | Não é permitida a reprodução total ou parcial das matérias publicadas nesta revista, sem autorização da Glasberg A.C.R. S/A


N達o disponivel


22

CAPA

NAB, em meio às guerras ano12nº126 ABRIL2003

Evento de 2003 acontece durante as batalhas no Iraque e os conflitos com o cabo e as grandes redes norte-americanas.

26

TECNOLOGIA

Videofone, o destaque do conflito

Equipamento é o mais usado para enviar imagens diretamente do Oriente Médio.

30

EDUCATIVAS Universidades investem em TV

No Rio Grande do Sul, instituições se estruturam para criar emissoras educativas.

34

CASE Uma mescla de jornalismo e ficção

Agilidade e flexibilidade são os desafios na produção de “Dias de Glória”.

36

PRODUÇÃO Aposta regional

Ruy Guerra vai dirigir o longa “Terra Vermelha”, com pessoal formado em oficinas no Paraná.

SCANNER

8

upgrade

14

figuras

18

making of

28

agenda

38


N達o disponivel


Sem obs­tá­cu­los DVD eró­ti­co A Play­boy faz sua ­estréia em DVD com os ­ensaios de Schei­ la Car­va­lho em vídeo, pro­du­zi­do pela Pro­di­go. Dos três ­ensaios, dois são diri­gi­dos por Adria­no Civi­ta, e o ter­cei­ ro leva assi­na­tu­ra do fotó­gra­ fo Trí­po­li. A produtora tam­ bém é a res­pon­sá­vel pela auto­ra­ção e pro­du­ção do DVD. A Pro­di­go já rea­li­zou tra­ba­lhos para a Play­boy, mas em VHS. O de Joana Prado, a Fei­ti­cei­ra, ven­deu 70 mil ­cópias. A expec­ta­ti­va de venda para o DVD de Schei­ la Car­va­lho é de 50 mil uni­da­des.

­Estréia em Osas­co O Tea­tro Muni­ci­pal de Osas­co abri­gou, de 2 a 6 de abril, a 2ª Mos­tra de Cine­ma Bra­si­lei­ro de Osas­co, com a exi­bi­ção do longa iné­di­to “Ama­re­lo Manga” em sua ses­são de aber­tu­ra. O even­to home­na­geou o dire­tor João Ba­tis­ta de Andra­de e exi­biu fil­mes da safra recen­te da pro­du­ção nacio­nal.

Ima­gi­ná­rio infan­til Apro­vei­tan­to o ima­gi­ná­rio infan­til o filme cria­do pela Mil­len Comu­ni­ca­ção para a cam­pa­nha “Fan­tás­ti­ca Pás­coa do Gua­na­ba­ra”, dos Super­mer­ca­dos Gua­ na­ba­ra, mos­tra um show de rock com o ator-mirim Pedro Malta e coe­lhos da Pás­coa em dese­ nho ani­ma­do. A ani­ma­ção foi feita em São Paulo, pela Cine­ma Ani­ma­do­ res, e fina­li­za­da no Rio de Janei­ro pela Link Digi­tal, onde foi feita a com­po­si­ção do dese­ nho com a ima­gem fil­ma­da. A pro­du­ção é da Aqua­ re­la Fil­mes, e o filme tem dire­ção de Toth Bron­di e Mau­rí­cio Mar­quez.



tela viva abril de 2003

O depu­ta­do Rober­to Jef­fer­son (PTB/RJ) reti­rou o seu reque­ri­men­to para que o pro­je­to 256/01, de auto­ria da depu­ta­da Jan­di­ra Feg­ha­li (PC do B/RJ) vá ao ple­ná­rio da Câma­ra antes de ser enca­mi­nha­do para o Sena­do. Com isso, o pro­je­to, que esta­be­le­ce dire­tri­zes para a regio­na­li­ za­ção do con­teú­do das TVs e ­rádios bra­si­lei­ras, deve­ria tra­mi­tar mais rapi­da­men­te. Mas os radio­di­fu­so­res ainda ten­tam uma mano­bra. Exis­te ainda um reque­ri­men­to do depu­ta­do Bispo Rodri­gues (PL/RJ) para que os pro­je­tos apen­sa­dos ao 256/01 sejam apre­cia­dos pelo ple­ná­rio da Câma­ra. São os pro­je­tos 5416/01 e 5517/01. Se isso acon­ te­cer, o pro­je­to da depu­ta­da Jan­di­ra Feg­ha­li vai junto, por ser o pro­je­to prin­ci­pal. Já o Con­se­lho de Comu­ni­ca­ção ­Social do Con­gres­so deve­rá dis­cu­tir, em sua reu­nião de maio, o pro­je­to de regio­na­li­za­ção. Como a reu­nião de abril do CCS será ape­nas sobre TV digi­tal, a ques­tão da regio­na­li­za­ção fica para o mês seguin­te.

Dia de sofá O SBT vei­cu­lou o comer­cial “Sofá”, nos inter­va­los da trans­mi­s­são do Oscar 2003. O filme foi cria­do pela DM9DDB, pro­du­zi­do pela Sen­ti­men­tal Filme e póspro­du­zi­do pela Casa­blan­ca para a Block­bus­ter, um dos pa­tro­ci­na­do­ res da trans­­mis­são do even­to na emis­so­ ra. O jin­gle diz “Rela­ xe que a ses­são vai come­çar, hoje é Dia de Sofá”, com tri­lha da MCR.

Cinema do interior O inte­rior de São Paulo come­ça a dar o ar de sua graça no cine­ma pau­lis­ta. Na últi­ma Mos­tra do Audio­vi­sual Pau­lis­ta, que acon­te­ceu em março, o cine­ma inte­rio­ra­ no foi um dos des­ta­ques, com pro­du­ções de São Car­los, Pira­ci­ca­ba, São José do Rio Preto e Cam­pi­nas, onde fun­ cio­na tam­bém o ­ Núcleo de Cine­ma de Ani­ma­ção que teve cinco pro­du­ções exi­bi­das.O cine­ma tam­bém chega a Ribei­rão Preto, na I Mos­tra Inter­na­cio­nal de Cine­ma da cida­de. De 4 a 10 de abril as salas do Cine­mark local serão rechea­das de pro­du­ções bra­si­lei­ras e inter­na­cio­ nais iné­di­tas na cida­de e a pre­ços popu­la­res.

Fotos: Divul­ga­ção


Do pró­prio bolso

Coo­pe­ra­ção cine­ma­to­grá­fi­ca

Ronal­do Uzeda, da pro­du­to­ra cario­­ca Tec Cine, e o dire­tor Feli­pe Jof­fily (foto) es­tão pro­du­ zin­do o filme “Ódi­quê?”, com recur­sos pró­prios e o apoio de al­gu­mas em­pre­sas. O filme é o pri­mei­ro longa-metra­gem de Jof­fily e conta com o ro­tei­ro do ator glo­bal Gus­ta­vo Moret­zon, se­le­cio­na­do entre mais de 200 para o Labo­ra­tó­rio do Sun­­dan­ ce Film Fes­ti­val em 1999. A pro­ du­ção exe­cu­ti­va é de Tini­nho e a foto­gra­fia tem a assi­na­tu­ra de Mar­ce­lo Bra­sil. Por enquan­to, o filme já tem apoio da Nay­mar e da Link Digi­tal, que estão for­ne­cen­do a luz e a póspro­du­ção, res­pec­ti­va­men­te.

Gus­ta­vo Dahl, pre­si­den­te da Anci­ne, e Alber­to Flaks­man, supe­rin­ten­den­te de pro­mo­ção e comér­cio exte­rior da agên­cia, assi­na­ram em Mar del Plata, Argen­ti­na, no come­ço de março, um pro­to­co­lo para a cons­ti­tui­ção do Foro de Auto­ri­da­des Cine­ ma­to­grá­fi­cas dos Paí­ses do Mer­co­sul, Bolí­via e Chile. Esse grupo se reu­ni­rá a cada qua­tro meses para dis­cu­tir e deli­be­ rar sobre ques­tões que envol­vam a inte­gra­ção das ati­vi­da­des audio­vi­suais dos paí­ses envol­vi­dos. A idéia é criar o inter­câm­ bio de bens, ser­vi­ços e recur­sos téc­ni­cos e huma­nos; pla­ne­jar a cria­ção de pro­gra­mas ­ comuns de fomen­to à co-pro­du­ção, dis­tri­bui­ção e exi­bi­ção de fil­mes e pro­du­tos audio­vi­suais; e desen­vol­ver pla­nos de ação con­jun­ta para a for­ma­ção de públi­ co para as pro­du­ções cine­ma­to­grá­fi­cas da região. A agên­cia tam­bém assi­nou um pro­to­co­lo de inten­ções com a Argen­ti­na que prevê a cria­ção de meca­nis­mos de dis­tri­bui­ção recí­pro­ca de obras de longa-metra­gem dos dois paí­ses.

­Padrão bra­si­lei­ro A pes­qui­sa para a cria­ção de um

mode­lo bra­si­lei­ro de TV digi­tal

Curta aplau­di­do

Casa nova

O dire­tor ­ Andrés Buko­wins­ki, da ABA Fil­mes, e o vice-pre­si­den­te de cria­ção da Euge­nioWG, Marcos Pamplona, fize­ram uma par­ce­ria cine­ma­ to­grá­fi­ca. Como dire­tor e rotei­ris­ta, rea­li­za­ram o curta-metra­gem “Hele­na”, que foi apre­sen­ta­do no Fes­ti­val de Cine­ma Inde­pen­den­te de Was­ hing­ton. O filme é estre­la­do por Irene Rava­che e pelo escri­tor de nove­las Sil­vio de Abreu, há 25 anos afas­ta­do do tra­ba­lho de ator.

A Tac­net Ele­trô­ni­ca está em ende­re­ço novo. A dis­tri­bui­do­ra cario­ca de equi­pa­men­tos para broad­cast está agora na Av. Graça Ara­nha, 145 - Sala 602, no cen­ tro do Rio de Janei­ro.

deman­da­rá até R$ 100 ­ milhões em três anos, infor­mou o minis­tro das comu­ni­ca­ções, Miro Tei­xei­ra. A verba para o pro­je­to virá do Fundo para o Desen­vol­vi­men­to Tec­no­ló­gi­ co das Tele­co­mu­ni­ca­ções (Funt­tel). Um pool de uni­ver­si­da­des será fecha­do para coman­dar cole­ti­va­ men­te a pes­qui­sa. Algu­mas das enti­da­des que deve­rão fazer parte do pool são: UFRJ, PUC, Uni­camp e UFPE. A expec­ta­ti­va é de que ao fim dos pri­mei­ros 12 meses será pos­sí­vel apre­sen­ tar uma demons­tra­ção do mode­lo bra­si­lei­ro de DTV ao gover­ no. Segun­do Miro, o mode­lo a ser cria­do pelas uni­ver­si­da­des bra­si­lei­ras não será impos­to, mas com­pa­ra­do com os ­ demais dis­po­ní­veis no mer­ca­do.

Medi­ção publi­ci­tá­ria A agên­cia de publi­ci­da­de Lowe está inves­tin­do em uma nova fer­ra­men­ta de mar­ke­ting para reve­lar a rela­ção dos con­su­mi­do­res com suas mar­cas. Para via­ bi­li­zar o pro­je­to DIG-C - nome que veio das pala­vras em ­inglês dig (cavar) e con­su­mer (con­su­mi­dor) -, a agên­cia con­tra­tou a JX Plu­ral, que uti­li­za ­vídeos docu­ men­tais para mos­trar o com­por­ta­men­to do con­su­mi­ dor e de que forma ele expres­sa essa rela­ção com as mar­cas. Numa pri­mei­ra fase do pro­je­to serão inves­ti­ ga­dos con­su­mi­do­res de Chamy­to (Nes­tlé), ­ Renault Scè­nic, e um novo pro­du­to de Uni­le­ver.

Sonho punk A Fuzo Pro­du­ções foi a res­pon­sá­vel pelo novo video­cli­pe da banda Rai­mun­dos, o ter­cei­ro lan­ça­do do últi­mo CD, “Kavoo­ka­ va­la”. Com cenas bem-humo­ra­das, ao som da músi­ca “Joey”, os dire­to­res Ber­nar­do Pal­mei­ro, Gian Carlo Bel­lot­ti e Pedro Serra con­tam a his­tó­ria de um jovem punk que vive um dia de sonho ao lado do seu ídolo Joey Ramo­ne. O pro­ces­so de gra­va­ ção, em vídeo digi­tal, foi esco­lhi­do para via­bi­li­zar o pro­je­to que con­tou com um baixo orça­men­to. O ­making of do video­cli­pe “Joey” foi exi­bi­do na MTV.


Novo canal no ar ATSC móvel Segun­do ­ Robert Gra­ves, pre­si­ den­te do Forum ATSC, que pas­ sou pelo Bra­sil no mês pas­sa­do, o ­padrão de TV digi­tal desen­vol­ vi­do nos Esta­dos Uni­dos agora já pode ser uti­li­za­do em sis­te­mas ­móveis. A novi­da­de será apre­sen­ ta­da aos par­ti­ci­pan­tes da feira da NAB, em Las Vegas. O sis­te­ ma foi desen­vol­vi­do pela Linx, uma empre­sa ame­ri­ca­na que, segun­do Gra­ves, fez tes­tes de trans­mis­são para recep­to­res em movi­men­to na China em asso­cia­ ção com o gover­no daque­le país. A dife­ren­ça entre os tes­tes chi­ne­ ses e a apre­sen­ta­ção que será feita na NAB é a banda de trans­

mis­são. Na China, foram 8 MHz. Em Las Vegas, serão 6 MHz. O sis­te­ma móvel do ATSC, se­gun­ do Gra­ves, foi desen­vol­vi­do com vis­tas ao mer­ca­do bra­si­lei­ro. Na opi­nião do exe­cu­ti­vo, quan­do um clien­te soli­ci­ta um tipo de desen­vol­vi­men­to, como neste caso, “não per­gun­ta­mos se ele acre­di­ta que terá mer­ca­do para sua uti­li­za­ção”. Mesmo com o anún­cio, os bra­si­lei­ ros con­ti­nuam céti­cos quan­to ao ­padrão ame­ri­ca­no. Segun­do um enge­nhei­ro de tele­vi­são, o ATSC tem a mobi­li­da­de, mas não simul­ ta­nea­men­te à alta defi­ni­ção, como que­rem os radio­di­fu­so­res.

Movi­men­to no Rio A Fábri­ca Bra­si­lei­ra de Ima­gens Pro­ du­ções Cine­ma­to­grá­fi­cas, loca­do­ra de equi­pa­men­tos de movi­men­to de câme­ra cria­da em 1990, está bus­can­ do novos mer­ca­dos. Sedia­da em São Paulo, a empre­sa inau­gu­rou recen­te­ men­te sua ­filial na Cida­de Mara­vi­lho­ sa, loca­li­za­da nos es­tú­dios ­Tycoon. As­sim, a Fábri­ca pas­sa a ofe­re­cer mo­vi­men­tos de câme­ra para o mer­ca­ do de pro­du­ção cario­ca.

­ streou o Agro Canal, novo canal agro­pe­cuá­ E rio via saté­li­te na banda C. Resul­ta­do de uma par­ce­ria entre o Canal Agro­sat e o Canal do Boi, ele pode ser sin­to­ni­za­do na fre­qüên­cia de 960 MHz, pola­ri­za­ção ver­ti­cal, do saté­li­te Bra­sil­sat B1. Além de ter seu sinal ana­ló­gi­co aber­to às para­bó­li­cas de todo o Bra­sil, ele tam­bém entra­rá no line-up do DTH Tec­sat e das ope­ra­do­res de cabo que já dis­tri­buem o Agro­sat. O novo canal nasce com infra-estru­tu­ ra de cap­ta­ção e estú­ dios em ­ vários ­ locais, como Campo Gran­de, São Paulo, São José dos Cam­pos, Ube­ra­ba, Cam­pi­nas e Bra­sí­lia.

Programa para corretores de seguros Dia 23 de março a TV Ban­dei­ran­tes ­estreou o pro­gra­ma “TV Cor­re­ tor - O Anjo da Guar­ da do seu Bolso”, diri­ gi­do aos cor­re­to­res de se­gu­­ros. O pro­gra­ma, cria­do pela DM9DDB, será exibido quin­ze­ nal­men­te aos domin­ gos, com dura­ção de dez minu­tos. “TV Cor­re­tor” abor­da o dia-a-dia dos cor­re­to­res, mos­tran­do como ala­van­car as ven­das, dicas, infor­ma­ções e suges­tões sobre o mer­ca­do. Um anjo da guar­da, pro­ta­go­ni­za­do pelo ator Wandi Dora­tiot­ to, viaja pelo bolso do cor­re­tor. E, na tela do celu­lar, sur­gi­rão as ima­gens de exter­nas com repór­te­res, entre­vis­ta­dos e ­ outras ima­gens sem­pre que o anjo anun­ciá-las.

Mudan­ças no Mini­com O decre­to 4.635/2003, publi­ca­do no Diá­rio Ofi­cial da União no mês pas­ sa­di, alte­ra a estru­tu­ra regi­men­tal e o qua­dro de car­gos e fun­ções gra­ti­fi­ca­das do Minis­té­rio das Comu­ ni­ca­ções. De acor­do com as alte­ra­ ções, a anti­ga secre­ta­ria de ser­vi­ços de radio­di­fu­são foi trans­for­ma­da em Secre­ta­ria de Ser­vi­ços de Comu­ni­ca­ ção Ele­trô­ni­ca, com dois depar­ta­men­ tos: o Depar­ta­men­to de Outor­gas e Ser­vi­ços e o Depar­ta­men­to de Acom­

10 tela viva abril de 2003

pa­nha­men­to e Ava­lia­ção de Ser­­vi­ços. As fun­ções da Secre­ta­ria de Comu­ni­ ca­ção Ele­trô­ni­ca abran­gem ape­nas o ser­vi­ço de radio­di­fu­são. A única alte­ra­ção na fun­ção da secre­ta­ria é a inclu­são do inci­so que prevê a for­mu­la­ção e pro­po­si­ção de polí­ti­cas e dire­tri­zes, obje­ti­vos e metas rela­ti­ vos aos ser­vi­ços de comu­ni­ca­ção ele­trô­ni­ca. Não há nenhu­ma refe­ rên­cia a que ser­vi­ços ­seriam esses. Não houve nenhu­ma alte­ra­ção nas fun­ções dos depar­ta­men­tos subor­di­ na­dos à nova secre­ta­ria (outor­gas

de ser­vi­ços e acom­pa­nha­men­to e ava­lia­ção de ser­vi­ços). Foi cria­da tam­bém a Secre­ta­ria de Tele­co­mu­ni­ca­ções, que terá dois depar­ta­men­tos subor­di­na­dos a ela: Depar­ta­men­to de Ser­vi­ços e Uni­ver­ sa­li­za­ção de Tele­co­mu­ni­ca­ções e o Depar­ta­men­to de Indús­tria, Ciên­cia e Tec­no­lo­gia. A Secre­ta­ria de Ser­vi­ ços Pos­tais passa a ser uma sub­se­ cre­ta­ria liga­da à Secre­ta­ria Exe­cu­ti­ va do Mini­com. Per­ma­ne­cem como enti­da­des vin­cu­la­das ao Mini­com a Ana­tel, a ECT e a Tele­brás.


N達o disponivel


N達o disponivel


N達o disponivel


Camcorder

Film scanner

A Grass Valley/Thomson chega à NAB com novidades A Panasonic apresenta na NAB 2003 em todas as áreas: de câmeras e switchers a servidores a AG-DVC80, uma nova camcorder com de vídeo, roteadores, sistemas completos de captação três CCDs da linha DV PROLINE. Equipada e edição de notícias e até film scanners, como o novo com lentes grande-angular Leica Dicomar, o Spirit 4K (foto), que será lançado na feira. O equipaequipamento completará a linha de produtos mento trabalha nos modos 2K e 4K, com janelas para 8 de produção de jornalismo equipada com mm, 16 mm, 35 mm e 70 mm. O Spirit faz escaneamenconexão IEEE 1394, composta também pela to em alta velocidade e pode dar a saída tanto em 2K camcorder AG-DVC200 e pelo VTR AGOSpirit4Ktrabalhacomjanelas quanto em 4K, pois tem as duas formas de processaDV2500. para 8 mm, 16 mm, mento residentes, e já incorpora um corretor de cores A AG-DVC80 tem o mesmo corpo e muitas 35 mm e 70 mm. interno em tempo real. das inovações da já popular AG-DVX100 Na área de câmeras, a família LDK ganha uma versão (que grava em 24p/30p/60i), mas trabalha de custo reduzido, a LDK 200 ITW, para standard definition (SD). Na feira estará apenas no formato 480i/60 (NTSC). Com também a versão high-end, a LDK 6000 WorldCam, que funciona em múltiplos CCDs de 1/3” de área e 410 mil pixels, o formatos, padrões, resoluções e frame rates. A câmera pode ser adquirida individuequipamento trabalha com mais de 500 almente ou pode ser feito um upgrade a partir das atuais LDK 5000 SD. Outra novilinhas de resolução horizontal e exige pouca dade interessante é o módulo de transmissão de imagens sem fio (por rádio digital iluminação (3 lux a +18dB). bidirecional), que permite grande flexibilidade em tomadas externas. Graças à porta IEEE 1394, é fácil enviar e receber material de uma estação de vídeo. As lentes grande-angular (4,5 mm a 45 m) contam com controle manual de zoom e a Edição e composição câmera tem um sistema de estabilização de A Pinnacle Systems leva para Las Vegas a solução de edição e efeitos Liquid Purple 5. A imagens, o que a torna ideal para reportanova versão do software gera efeitos em 2D e 3D em tempo real, tem processamento em gens externas e gravar inclusive segundo plano, conta com autoração integrada em veículos em movimento. de DVDs e saída de vídeo analógica e trabalha Além de um viewfinder central, que pode com material DV em rede. A solução tem ser usado com o olho esquerdo ou direito, a suporte ao sistema da Pinnacle de armazecamcorder tem um painel LCD de 3,5” que namento para redes Palladium Store, além dos gira até 270º. O medidor de áudio sistemas Vortex. Além disso, pode ser usada está disponível no viewfinder e na tela. como uma ilha independente em laptops, A captação de imagens pode ser dando mobilidade ao software. em aspecto 4:3 ou 16:9 letterbox. O software complementa a família Liquid, O Liquid Purple 5 vem com os softwares TitleA AG-DVC80 deve ser comercializada também composta pelo Liquid Silver para Deko, Commotion e Liquid CX. a partir de junho. edição em MPEG-2, e compartilha várias funOutro produto que será apresentado pela ções e facilidades com o Pinnacle Edition 5. Panasonic é o laptop de edição de vídeo A diferença é que o Purple conta alguns extras voltados ao mercado broadcast, entre eles, AJ-DE10. Equipado com porta IEEE 1394, o a capacidade de trabalhar em rede, podendo inclusive compartilhar vídeo para execução equipamento consiste em uma configuração por outras estações na rede; suporte ao Vortex e XSend, para compartilhar arquivos nos especial do Panasonic Toughbook e vem servidores Pinnacle Thunder estações gráficas Dekocast. O Liquid Purple também sucom software desenvolvido pela newsBYTE. porta codecs DVCPRO 25 e pode ser usado em conjunto com equipamentos de controle Opcionalmente, o laptop pode trazer um jog RS-422, MIDI, Jog/Shuttle e Sony ClipLink. pad, conectado através da porta USB. Além disso, o pacote do Liquid Purple já vem com o gerador de caracteres TitleDeko, o software de edição e composição de imagens Commotion, o corretor de cores Liquid CX, além de outras ferramentas.

14

tela viva


Gravação óptica

vir equipadas com interface Ethernet ou LAN wireless, A Sony apresenta na NAB 2003 através de um PC-CARD uma família de produtos composta opcional. por duas camcorders e três decks, Além de um deck compacto, baseada na sua nova tecnologia de gravador e reprodutor para disco óptico. O sistema possibilita edições não-lineares, e do deck gravar em dois formatos simultâneos de estúdio, que oferece mais (alta e baixa resoluções), em DVCam A nova família de produtos Sony grava em discos ópticos de versões de gravação e rea 25 Mbps ou MPEG IMX a 30, 12 cm usando a tecnologia Blue Laser. produção com diferentes inter40 ou 50 Mbps. faces de entrada e saída, a nova Além disso, os decks ópticos aceitam o que permite atingir uma alta capacifamília da Sony conta com um os padrões de A/V analógico, digital e dade de gravação, diferentemente dos deck com capacidade IT, incluindo compatibilidade com i.Link convencionais Red Lasers. de operar com bateria e reproduz for(IEEE 1394) e interfaces para Ethernet. Os dois modelos de camcorders profismatos DVCam e MPEG IMX A mídia óptica consiste em um disco de sionais têm CCD EX HAD de 2/3 através do visor LCD acoplado. 12 cm de diâmetro regravável na forma de polegadas e conversor de 12-bit A/D, Os produtos estarão disponíveis no de um cartucho e utiliza a tecnologia monitores LCD de 2,5 polegadas e podem Brasil a partir de outubro. Blue Laser para gravação e regravação,

HD portátil Na NAB 2003 será lançada a primeira câmera profissional portátil que grava em alta definição. Trata-se da JY-HD10U, da JVC. O novo equipamento grava em fitas MiniDV e conta com um CCD que captura em 16:9 (nativo) e 1,18 milhão de pixels. A câmera pode gravar em três modos de resolução, um modo HD - com 720 linhas, 30 quadros por segundo e varredura progressiva -, e dois modos SD - um em progressivo e outro entrelaçado, sendo ambos com 480 linhas e 60 fps. Nos dois modos progressivos, a imagem é gravada em 16:9 com compressão MPEG-2 e, no modo entrelaçado, a imagem é gravada em 4:3 com compressão DV. É a compressão MPEG-2 que permite gravar em HD em uma fita MiniDV, já

que, com uma ótima resolução (1280 x 720 pixels), a gravação é feita com apenas 19 Mbps. Usando as saídas de vídeo componente analógico, é possível fazer a conversão (tanto upconvert quanto downconvert) para qualquer formato, incluindo 1080i, 720/30p, 480/60p e 480/60i. Assim, mesmo gravando em alta definição, podese reproduzir o vídeo em qualquer monitor

a dois conectores XLR, é possível usar microfones ou outros dispositivos de áudio profissionais. A JVC também anuncia em Las Vegas um VTR de alta definição de baixo custo. Usando mídias DVHS, o SR-VD400US usa um encoder interno para gravar vídeo HD com compressão MPEG-2. Custando cerca de US$ 1,4 mil (nos EUA), o equipamento conta com porta IEEE 1394 (Firewire).

UsandocompressãoMPEG-2,osnovos produtosJVCgravamconteúdoHDem fitas MiniDV.

com entradas de vídeo componente. A câmera conta ainda com estabilizador de imagens, faz fotos still em várias resoluções (1280x720, 1280x960, 848x480 e 640x480) e grava em cartões de memória opcionais. Além disso, graças

Fotos: Divul­ga­ção


Servidores e edição

Cores

A EVS leva para Las Vegas a sua família de servidores HD. Além disso, a empresa belga tem em seu estande a solução de edição nãolinear para produção de jornalismo e esportes CleanEdit, disponível com configurações para rede Gigabit ou 100baCleanEdit, disponível para redes seT. A solução conta Gigabit ou 100baseT. com a função arrastar e soltar e sobreposição de voz sobre o conteúdo mesmo em estações de baixo custo. Tanto o preview quanto o vídeo em qualidade broadcast ficam disponíveis instantaneamente. Outra tecnologia mostrada na NAB é a de contribuição e distribuição baseada em servidores MPEG-2. O EVS MPEG-2 Server trabalha tanto em ATSC quanto em DVB e inclui um pacote completo de DTV, incluindo multicanal com delay de fuso-horário. A distribuição com multicanal pode ser controlada por um sistema já existente ou usando o gerenciador de programação embutido no sistema.

A desenvolvedora de tecnologia de correção de cores Da Vinci mostra durante a feira norte-americana o já conhecido 2K Plus e o 2K Plus DATA, uma versão voltada para intermediação digital mais barata do que os outros produtos 2K. O segredo para baixar o custo do produto é que ele trabalha com dados e não vem com portas de entrada e saída de vídeo, o que deixaria o equipamento mais caro. Outro produto no estande da empresa é o Colorist Toolbox, um pacote de software desenhado para complementar o 2K e que conta com filtros de pintura e efeitos especiais que podem ser aplicados em tempo real, em qualquer resolução e em imagens de qualquer fonte. Para restauração de filmes, a Da Vinci conta com o revival for Discreet e com o revival, que rodam em plataforma SGI. A diferença entre os dois produtos é que o primeiro só funciona em estações para aplicações Discreet. Ambos contam com processamento automático e ferramentas interativas para remoção de sujeira e ruído da imagem.

16  tela viva

abril de 2003

A versão 2K Plus DATA trabalha com dados, sem entradas e saídas de vídeo.


N達o disponivel


Quem vê a fachada da casa térrea em uma rua tranqüila da zona Leste de São Paulo não imagina o tesouro escondido nos fundos. Aos 82 anos, Antonio Dourado tem a história do cinema guardada naquele galpão. Desde os 20 anos, sua vida tem estado diretamente ligada ao cinema. E os equipamentos com que trabalha contam um pouco dessa história.

Antonio Dourado Dou­ra­do com­pra, con­ser­ta e reven­de pro­je­to­res de cine­ma, pro­duz equi­pa­men­tos de som para salas, tem uma movio­la que aluga para mon­ta­do­res e as ins­ta­la­ções com­ple­tas de um cine­ ma — com som sur­round, tela gran­de e dois pro­je­to­res, um de 35 mm e outro de DVD — onde pro­je­ta fil­mes. Às vezes ele mesmo assis­te com a famí­lia ou os ami­gos uma das cen­te­nas de ­cópias que foi cole­cio­nan­do ao longo da vida, espe­cial­men­te em 16 mm. ­ Outras vezes, pre­pa­ra a pro­je­ção para pro­du­to­ras de comer­ciais, que que­rem fazer uma back pro­jec­tion ou fil­mar a tela de cine­ma para algum comer­cial.

Sua pai­xão pelo cine­ma come­çou logo ­depois que veio do inte­ rior para a capi­tal. Ado­ra­va ir ao cine­ma e con­se­guiu um empre­ go como pro­je­cio­nis­ta do Cine Metro, um dos mais ele­gan­tes de São Paulo. Seis anos ­depois, rece­beu um con­vi­te para tra­ba­lhar na pro­du­to­ra Cru­zei­ro Fil­mes, que pre­ci­sa­va de um came­ra­ man. Nessa pro­du­to­ra fiz mui­tas repor­ta­gens, docu­men­ tá­rios. Com meu pró­prio dinhei­ro, pro­du­zi “A Volta do Expe­di­cio­ná­rio Cam­pi­nei­ro”, sobre os pra­ci­nhas bra­si­lei­ ros na guer­ra. Até hoje guar­do o filme com cari­nho, mas desis­ti de fazer ­outros; sai muito caro.

Na déca­da de 1950, rece­beu um con­vi­te da Com­pa­nhia Vera Cruz para tra­ba­lhar como assis­ten­te de câme­ra. Mas quan­do che­guei lá, ­ tinham tra­zi­do um monte de ‘­americanos’ e não tinha mais vaga. Como já ­ tinham me con­tra­ta­do, o Rena­to Con­sor­te, que era pro­du­tor, falou que eu podia

4 5 Eduar­do Silva é o novo geren­te de des­ktops para a Amé­ri­ca Lati­na da Dis­creet. Há mais de dois anos na empre­sa como res­pon­sá­vel pelas ope­ra­ções no Sudoes­te dos Esta­dos Uni­dos, Silva passa tam­bém a geren­ciar as ações das ­linhas de soft­wa­res para ani­ma­ ção e ­stream media em todos os paí­ses lati­no-ame­ri­ca­ nos. As alte­ra­ções na empre­sa ­ incluem tam­bém a nomea­ção de Marie-Pier­re Mer­cier, que atua­va como rela­ções públi­cas da com­pa­nhia para as Amé­ri­ cas, como a nova geren­te de canal da Amé­ri­ca Lati­na, e a con­tra­ta­ção de Ranz Ran­zen­ber­ger para enge­ nhei­ro de apli­ca­ções na mesma ­região, só que basea­ do no Bra­sil, no Rio de Janei­ro.

18 tela viva abril de 2003

­A pro­du­to­ra Ver­ti­cal Fil­mes, de Car­los Manga ­ Júnior, o Man­gui­nha, e Moi­sés 3 6 Pân­cia, trans­fe­riu-se para 2 o bair­ro de Pinhei­ros, em São Paulo. Os moti­vos da mudan­ça são dois: além de 1 ter adqui­ri­do equi­pa­men­tos de pós-pro­du­ção (off-line e Flame), a pro­du­to­ra abriu espa­ço para rece­ber uma sele­ção de qua­tro dire­to­res de cena que, ao lado de Man­gui­nha (5) e Caíto Ortiz (2) for­ma­rão a nova equi­pe da casa. Os novos con­ tra­ta­dos são Paulo Gama (3), Mar­ce­lo de Souza (4), Lea van Steen (1) e Mani­tou Feli­pe (6).

Fotos: Ger­son Gar­ga­la­ka (Antonio Dourado) e Divul­ga­ção


A TV 7 - Vídeo Comu­ni­ca­ção, pro­du­to­ra inde­pen­den­te de tele­ vi­são do Grupo Traf­fic (do em­pre­ sá­rio J. Hawil­la) con­tra­tou re­cen­ te­men­te os publi­ci­tá­rios ­ Ra­fael 9 8 7 More­no (9), ex-Ban­dei­ran­tes e Rede TV, Nel­son Per­pé­tuo (8), ex-Noar Fil­mes, e Jô Mat­tos (7), ex-Cena 1, para refor­çar sua equi­pe de ven­das. Eles atua­rão como exe­cu­ti­vos de aten­di­men­to da pro­du­to­ra - lan­ça­da no mer­ca­do em setem­bro do ano pas­sa­do.

ficar e tra­ba­lhar como ator. Eles paga­vam a mesma coisa, então ­fiquei. Nesse perío­do, Dou­ra­do par­ti­ci­pou de

três pro­du­ções nacio­nais como figu­ran­te. Esta­va ao lado de Tonia Car­re­ro e Ansel­mo Duar­te em “Tico-Tico no Fubá” (Adol­fo Celi, 1952), de Maz­za­ro­pi em “Sai da Fren­te” (Tom Payne e Abí­lio Perei­ra de Almei­da, 1952) e em “Uma Pulga na Balan­ça”, de Lucia­no Salce. ­Depois que dei­xou a Vera Cruz, quan­do a empre­sa ­fechou suas por­tas, come­çou a tra­ba­lhar com equi­pa­men­tos de pro­je­ção. Às vezes fecha­va um cine­ma, daí eu ia lá e com­pra­va tudo. Arru­ma­va e ­ depois ven­dia para ­outros cine­mas. Só que hoje não tem mais isso, por­ que não tem mais cine­ma em todo lugar, como antes. Hoje só tem cine­ma no shop­ping. Ao mesmo tempo,

­O dire­tor de foto­gra­fia Wal­ter Car­va­lho exibe sua pro­du­ção foto­grá­ fi­ca de mais de 30 anos até 4 de maio no Ins­ti­tu­to Morei­ra Sal­les do Rio de Janei­ro. ­Depois, a mos­tra viaja por ­outros esta­dos bra­si­lei­ros. A expo­si­ção con­tem­pla ­ várias fases da pro­du­ção de Car­va­lho, que come­çou como fotó­gra­fo still e nunca aban­do­nou sua câme­ra. Sem­ pre em preto e bran­co, as fotos não têm, neces­sa­ria­men­te, a ver com os fil­mes que foto­gra­fou. São mais de 80 fotos, de ­várias cida­des no Bra­sil e no mundo.

tam­bém fazia tra­ba­lhos como cine­gra­fis­ta, par­ti­ci­pan­do da pro­du­ção de docu­men­tá­rios, prin­ci­pal­men­te. Conhe­ceu os prin­ci­pais pro­du­to­res de repor­ta­gens para o cine­ma: Jean Man­zon, Primo Car­bo­na­ri, Car­los Nie­me­yer. Aos pou­cos, tam­bém foi com­pran­do ­outros tipos de equi­ pa­men­to. Tem dois tele­ci­nes da déca­da de 60, adqui­ri­dos de emis­so­ras de tele­vi­são, que usa­vam o equi­pa­men­to para colo­car a pro­gra­ma­ção no ar. Esse equi­pa­men­to ser­via

­Mudan­ça no SBT: Car­los Mis­si­ro­li deixa a dire­to­ria

para pas­sar para vídeo o que esta­va em pelí­cu­la e então trans­mi­tir. Eram equi­pa­men­tos auto­má­ti­cos, que eram pro­gra­ma­dos e assim que aca­ba­va o pro­ gra­ma já entra­va na hora o comer­cial. A movio­la de

comer­cial e sua car­tei­ra de clien­tes deve ser acu­mu­la­da pelo tam­bém dire­tor comer­ cial ­Rubens Car­va­lho.

seis pra­tos e todos os pro­je­to­res — de 16 mm e 35 mm — fun­cio­nam per­fei­ta­men­te. Aten­to às novas tec­no­lo­gias, Dou­ra­do está impres­sio­na­do com a qua­li­da­de dos DVDs. Para o vídeo, nunca deu bola.

A Pro­di­go Films refor­çou sua equi­pe. A empre­sa con­tra­tou o dire­tor

Mar­ci­nho Mar­tins (12), ex-Espi­ral Fil­mes, que fará parte do time do qual já inte­gra a dire­to­ra Naná Saya­nes (11) e o dire­tor de cena Fabia­ no Lipo­ro­ni. Além disso, segun­do o dire­tor comer­cial Cao Quin­tas

O vídeo embo­lo­ra, mas o DVD é que vai der­ru­bar o cine­ma. Isso você pode escre­ver aí. Um DVD dura para sem­pre. Tam­bém fica intri­ga­do com o preço da cópia, que pode ser com­pra­da no super­mer­ca­do. Os ame­ri­ca­nos estão fazen­do bes­tei­ra, ven­den­ do uma fita legal­men­te, com nota e tudo, por R$ 40. Como pode? Eles mes­mos vão aca­bar com o cine­ma...

10 Adolpho Sor­ma­ni, ­ dire­tor co­mer­­cial da TV1 Digi­tal, passa a acu­­mu­lar o cargo de dire­tor exe­cu­ti­vo da divi­são de pro­du­ção de ­vídeos, docu­men­tá­ rios, pro­gra­mas de TV e TVs exe­cu­ti­vas para o mer­ca­do cor­po­ra­ti­vo do Grupo TV1, onde está há oito anos. Sor­ma­ni é eco­no­mis­ta e publi­ci­tá­rio, e já pas­sou pelas agên­cias MPM Lin­tas, ALMAP/BBDO e Sal­les DMB&B.

­ athe­ri­ne Duvig­nau assu­miu a C coor­de­na­ção do depar­ta­men­to de rela­ções inter­na­cio­nais da agên­cia Bates Bra­sil. Sua mis­são é pro­mo­ ver o inter­câm­bio entre a Bates Bra­ sil e ­outras agên­cias do grupo.

(10), a pro­du­to­ra inves­tiu recen­te­men­te R$ 1,5 ­milhão em melho­rias do estú­dio, cria­ção de uma cen­tral téc­ni­ca, beta digi­tais, e aqui­ si­ção de duas ilhas de edi­ção adi­cio­nais sem com­pres­são. 11 12

­ eloi­sa Geor­ge é a H nova con­tra­ta­da da Euge­ nioWG para a área de aten­ di­men­to, na divi­são que aten­de o mer­ca­do imo­bi­liá­ rio. Heloí­sa traz no cur­rí­cu­lo pas­sa­gens por agên­cias como DM9DDB, pela área de mar­ke­ting em empre­sas e tam­bém na pro­du­ção de comer­ciais, tendo tra­ba­lha­ do recen­te­men­te na Made to Crea­te, Seqüên­cia Cine­ ma­to­grá­fi­ca e Side Cine­ma.

­O dire­tor e pro­du­tor Ser­gio Mar­ti­nel­li pes­ qui­sou a his­tó­ria dos estú­dios Vera Cruz. O resul­ta­do está no livro “Ve­ra Cruz - Ima­gens e His­tó­ria do Cine­ma Bra­si­lei­ro”, lan­ça­do no últi­mo dia 2 de abril, na Cine­ma­te­ca Bra­si­lei­ ra. O livro uti­li­za ima­gens do acer­vo do estú­ dio, que con­tam parte impor­tan­te da his­tó­ria do cine­ma nacio­nal. ­A ­ Talent con­tra­tou Fábio Bran­ca­tel­li e ­ oacyr Gui­ma­rães para os car­gos de super­ M vi­sor de con­tas de aten­di­men­to e dire­tor de grupo de con­tas de mídia, res­pec­ti­va­men­te.


N達o disponivel


N達o disponivel


A aposta da NAB Além do desa­fio de fazer sua feira em meio à guer­ra, asso­cia­ção tenta mais uma vez mos­trar sua força nos con­fli­tos com o cabo e as gran­des redes.

A

A feira e con­gres­so da NAB (Natio­nal Asso­cia­tion of Broad­cas­ters) deste ano acon­te­cem em clima de bata­ lha. Mas não é só do Ira­que que esta­mos falan­do. Dois temas devem ocu­par a dis­cus­são polí­ti­ca entre os radio­di­fu­so­res norte-ame­ri­ca­nos: a len­ti­dão no avan­ ço da TV digi­tal e as ­ regras de limi­te de pro­prie­da­de de emis­so­ras. Em rela­ção à TV digi­tal, o con­fli­to entre a NAB e a NCTA, asso­cia­ção das ope­ra­do­ras de TV a cabo, ficou explí­ci­ta nas últi­mas sema­nas, quan­do ambas tro­ca­ram acu­sa­ções de que a outra esta­ria retar­ dan­do o desen­vol­vi­men­to da DTV nos EUA. A NAB diz que as ope­ra­do­ras de cabo (atra­vés das quais a maio­ria dos ame­ri­ca­nos rece­be seus ­sinais de TV) não retrans­mi­tem os (pou­cos) ­canais ­locais já digi­ta­li­za­dos, deses­ti­mu­lan­do assim a com­pra de recep­to­res digi­tais. Já a NCTA diz que as emis­so­ras ­locais que­rem ­cobrar pelos ­canais digi­tais, que segun­do eles tra­zem a mesma pro­gra­ma­ção dos ­ canais ana­ló­gi­cos ori­gi­nais (que eles já trans­por­tam). A briga só deve esquen­tar. Mas quen­te mesmo é o debate sobre as ­regras de pro­ prie­da­de de emis­so­ras de TV aber­ta, que já se alon­ga por ­alguns anos. Está nas mãos da FCC (a Ana­tel dos EUA)

Prê­mio A NAB ins­ti­tuiu este ano, pela pri­mei­ra vez, um prê­mio para os equi­pa­men­tos e sis­te­mas que se des­ta­ca­rem na feira da asso­cia­ção. A par­tir da NAB 2003 os visi­tan­ tes pode­rão votar nos pro­du­tos que ganha­rão o NAB Award for Inno­va­tion in Media (AIM), nas cate­go­rias Cria­ção de Con­teú­do, Geren­cia­men­to de Con­teú­do e Entre­ga de Con­teú­do. Serão elei­tos cinco ven­ce­do­res em cada cate­go­ria.

22 capa

abril de 2003

eli­mi­nar ou não o atual limi­te, impos­to desde 1996, que per­mi­te que uma rede de TV aber­ta alcan­ce no máxi­mo 35% do total da audiên­cia poten­cial dos EUA. Por ordem do Con­gres­so dos EUA, este limi­te deve ser revis­to a cada dois anos. Até hoje não foi eli­mi­na­do. A NAB, hoje for­ma­da prin­ci­pal­men­te por peque­nos e ­ médios broad­cas­ters, luta pela manu­ten­ção do cha­ma­do “cap”. Já as gran­des redes CBS, Fox e NBC defen­dem o seu fim, em uma dis­pu­ta que levou à saída das três gran­des da asso­cia­ção há dois anos. No “paco­te” de regu­la­men­ta­ção sobre o assun­to estão tam­bém na mesa da FCC os limi­tes de pro­prie­da­de cru­za­da de dife­ren­tes ­mídias em uma mesma loca­li­da­de e a pro­prie­da­de cru­za­da de emis­so­ras ­locais. Con­gres­so Como em todos os anos, o con­gres­so da NAB é uma exce­ len­te opor­tu­ni­da­de tanto para quem se inte­res­sa pelas novi­da­des tec­no­ló­gi­cas quan­to pela polí­ti­ca de radio­di­fu­ são e tele­co­mu­ni­ca­ções norte-ame­ri­ca­na. E, para mos­trar que a con­ver­gên­cia volta a ser um tema impor­tan­te, a pales­tra de aber­tu­ra da con­fe­rên­cia de enge­nha­ria será feita no dia 6 de abril por Leo­nar­do Chia­ri­glio­ne, VP do Tele­com Ita­lia Lab, de Tori­no, falan­do sobre mídia digi­tal. A pales­tra de aber­tu­ra do pre­si­den­te da asso­cia­ção Eddie ­Fritts, no dia 7 de abril, será um balan­ço da indús­ tria nos EUA, do ponto de vista de mer­ca­do e regu­la­tó­rio. E só para ficar no mundo dos figu­rões, quem coman­da o almo­ço de boas-vin­das é o chair­man e CEO da Walt Dis­ ney Com­pany, ­Michael Eis­ner. Já o dia 8 come­ça com a apre­sen­ta­ção do chair­man da FCC, ­ Michael ­ Powell, que tra­ta­rá de temas polê­mi­cos como os limi­tes de pro­prie­da­


andré­mermelstein | fer­nan­do­lau­ter­jung andre@tela­vi­va.com.br

fer­nan­do@tela­vi­va.com.br

­Outros núme­ros que impres­sio­nam: são mais de 1,2 mil expo­si­to­res, divi­di­dos em seis blo­cos temá­ti­cos: Saté­li­te e Tele­ co­mu­ni­ca­ções; TV, Vídeo e Filme; NAB Mul­ti­me­dia World e Inter­net; Rádio e Áudio; ­Mídias ­Móveis e um para a RTNDA, a asso­cia­ção norte-ame­ri­ca­na de dire­to­res de jor­na­lis­mo ele­ trô­ni­co. Com tudo isso, a feira ainda deve ser menor que a do ano pas­sa­do. Isto tudo acon­te­ce em meio a um ver­da­dei­ro show de novas tec­no­lo­gias em câme­ras, swit­chers, sis­te­mas de edi­ção, trans­por­te e geren­cia­men­to de con­teú­do, ani­ma­ção e efei­tos e tudo o mais que envol­ve o uni­ver­so da pro­du­ção. Entre os des­ta­ques da feira estão o Inte­rac­ti­ve ­Living Pavi­ lion, espa­ço cria­do pela Inte­rac­ti­ve Tele­vi­sion Allian­ce que agre­ga­rá os mais impor­tan­tes for­ne­ce­do­res de equi­pa­men­tos e sis­te­mas de TV inte­ra­ti­va, video-on-­demand (VOD), t-com­ mer­ce etc. Outra área dife­ren­cia­da é o Digi­tal Media Thea­ter, com as novi­da­des em trans­mis­sões ao vivo e VOD. Ainda, have­rá uma área dedi­ca­da aos sis­te­mas de arma­ze­na­men­to e segu­ran­ça de con­teú­do. de cru­za­da de meios de comu­ni­ca­ção e o tra­ta­men­to dado nos EUA à “bai­xa­ria” na tele­vi­são, assun­to muito pró­xi­mo aos bra­ si­lei­ros. Em segui­da, há uma ses­são com os “comis­sio­neers” da FCC (equi­va­len­tes no Bra­sil aos con­se­lhei­ros da Ana­tel), que tam­bém abor­da­rão as ques­tões regu­la­tó­rias mais impor­tan­tes do setor. Além des­tas ses­sões espe­ciais, deze­nas de ­ outros pai­néis dis­cu­ti­rão o pre­sen­te e o futu­ro de tec­no­lo­gias como os sis­te­mas de edi­ção de vídeo digi­tais, mídia para banda larga e dis­po­si­ti­vos ­móveis, TV inte­ra­ti­va, web­cas­ting entre ­outras. Espa­ço Pro­ble­mas à parte, a NAB 2003 come­ça com uma boa notí­cia para os visi­tan­tes. Acaba o vai-e-vem entre o Las Vegas Con­ ven­tion Cen­ter (LVCC) e o Sands. A par­tir deste ano, toda a feira e o con­gres­so, que acon­te­cem neste come­ço de abril, entre os dias 5 e 10, con­cen­tram-se no cen­tro de expo­si­ções, devi­da­men­te amplia­do para abri­gar ambos. A orga­ni­za­ção do even­to anun­ciou que já eram, até o fecha­men­to desta edi­ção, 33 as dele­ga­ções inter­na­cio­nais regis­tra­das para a NAB 2003. Mesmo acon­te­cen­do duran­te a inva­são da coalizão anglo-americana ao Ira­que, a asso­cia­ção espe­ra bater neste ano o recor­de do ano pas­sa­do, que teve 39 dele­ga­ções e mais de 20 mil par­ti­ci­pan­tes.

>>

Bra­si­lei­ros Segun­do o pre­si­den­te da SET (Socie­da­de Bra­si­lei­ra de Enge­ nha­ria de Tele­vi­são e Tele­co­mu­ni­ca­ções), Rober­to Fran­co, a asso­cia­ção cal­cu­la que leva­rá este ano cerca de 300 pes­soas em sua dele­ga­ção, menos que em anos ante­rio­res. Além dos

SET e trin­ta A SET terá no Las Vegas Con­ven­tion Cen­ter o Espa­ ço SET­Bra­sil. A pro­pos­ta da socie­da­de é criar um ponto de encon­tro para os bra­si­lei­ ros no even­to. Loca­li­za­do na sala N262, o espa­ço esta­rá aber­to das 9h00 às 18h00 nos dias 7, 8 e 9 de abril. O café da manhã de ade­ são e o Encon­tro SET e Trin­ ta acon­te­ce­rão no mesmo espa­ço, das 7h00 às 9h00, e terão apre­sen­ta­ções téc­ ni­cas de fabri­can­tes e dis­tri­ bui­do­res de equi­pa­men­tos

nos dias 7 e 9 e, no dia 8, um fórum de negó­cios e de tec­no­lo­gia com “A Visão dos Exe­cu­ti­vos Inter­na­cio­ nais sobre o Futu­ro da TV Aber­ta e a Con­ver­gên­cia das ­Mídias”. Já estão con­fir­ma­dos Joe Fla­herty (CBS) e Peter Smith (NBC) e devem com­pa­re­cer ainda repre­ sen­tan­tes da BBC, NHK, SMPTE e Sony. A ins­cri­ção custa R$ 70,00, para ­ sócios, e R$ 140,00 para os não asso­cia­dos.


A feira deste ano terá mais de 1,2 mil expositores. Ainda assim a área total e o número esperado de visitantes são menores que os de 2002.

fato­res eco­nô­mi­cos, Fran­co ava­lia que houve mui­tas desis­tên­cias por causa da guer­ra. Ainda assim, a SET man­tém seu tra­di­cio­nal encon­ tro SET e Trin­ta (leia box na página anterior), onde os bra­si­lei­ros da NAB podem ter uma visão mais foca­da das novi­da­des do even­to. Fran­co diz que além das novi­da­des em equi­pa­men­tos tra­di­cio­nais como câme­ras, vale a pena ficar de olho em apli­ca­ções de arqui­vo e de trans­por­te de con­teú­do via IP. Para o enge­nhei­ro Luiz Car­los Navar­ro, dire­tor de pla­ne­ja­men­to, pro­je­tos e expan­são da Rede Globo, é impor­tan­te o acom­pa­nha­men­to da evo­lu­ção dos sis­te­mas de trans­mis­são digi­tal, não só tec­ni­ca­men­te, mas ana­ li­san­do-se tam­bém o desen­vol­vi­men­ to do con­teú­do, da inte­ra­ti­vi­da­de e a rea­ção da popu­la­ção a esses avan­ços. Em seu “check list” para a NAB, Navar­ro colo­ca tam­bém os sis­te­mas de cap­ta­ção e edi­ção de ima­gens de peque­no porte, ou mul­tiu­so, que Tela Viva na NAB 2003 Como sem­pre, Tela Viva esta­rá pre­sen­ te com seu estan­de na NAB 2003. Anote a loca­li­za­ção: estan­de C397. Na edi­ção de maio da revista você acom­pa­nha a cober­tu­ra com­ple­ta do even­to.

24  tela viva

abril de 2003

podem ser ope­ra­dos até por uma pes­ soa sozi­nha, que capta as ima­gens digi­tais, edita-as em um lap­top e as envia para a emis­so­ra. Para Ricar­do Zime­le­wicz, dire­tor da fina­li­za­do­ra cario­ca Link, o mais inte­res­san­te neste ano são os sis­te­ mas de arma­ze­na­men­to e cap­tu­ra de ima­gens em alta defi­ni­ção. Além dos tele­ci­nes e das mesas de cor­re­ ção de cores que tra­ba­lham em alta defi­ni­ção, Zime­le­wicz quer conhe­cer as novas ­ opções de arma­ze­na­men­to de con­teú­do de cine­ma digi­tal e a inte­gra­ção entre edi­to­res e tele­ci­nes. “Além disso, sem­pre vou aos semi­ná­ rios dos fabri­can­tes para ver o que há de novo, saber sobre novas ver­ sões de soft­wa­re de novos plug-ins”, com­ple­ta. Mais uma vez os mais de 1,2 mil estan­des da feira abri­ga­rão um ver­ da­dei­ro “sor­ti­do” de tec­no­lo­gia, com equi­pa­men­tos, soft­wa­res e novos con­ cei­tos. Reple­ta de novas ­opções de gra­ va­ção de con­teú­do, câme­ras com­pac­ tas com qua­li­da­de pro­fis­sio­nal, câme­ ras HD tanto para broad­cast quan­to para cine­ma digi­tal, novas ver­sões de soft­wa­res etc, pare­ce que a feira este ano não se des­ta­ca­rá pela apre­sen­ta­ ção de uma única nova tec­no­lo­gia revo­lu­cio­ná­ria, mas pela apre­sen­ta­ção de solu­ções para dife­ren­tes negó­cios e, prin­ci­pal­men­te, dife­ren­tes bol­sos.

x

Foto: Divulgação


N達o disponivel


tecnologia

Video­fo­ne é a estre­la da guer­ra

O

26 tela viva abril de 2003

Os video­fo­nes são a vede­te da guer­ra dos EUA e Inglaterra con­tra o Ira­que. Mas esse equi­pa­men­to é muito mais do que um sim­ples tele­fo­ne que capta e trans­mi­te ima­gens de vídeo. São ­ vários apa­re­lhos inter­li­ga­dos que cabem, depen­den­do das apli­ca­ções, em uma ou duas male­tas do tipo usado para se car­re­gar lap­top. Enquan­to a maio­ria das gran­des emis­so­ras de tele­vi­são, como a CNN, uti­li­za um equi­pa­men­to da bri­tâ­ ni­ca 7E Com­mu­ni­ca­tions, a Globo deci­diu desen­vol­ver um sis­te­ma pró­prio na Cen­tral Globo de Enge­nha­ria (CGE). E o resul­ta­do sur­preen­deu: tem mais recur­sos e é mais bara­to do que os simi­la­res do mer­ca­do. Bati­za­do de “kit cor­res­pon­den­te”, o sis­te­ma é com­pos­to por um lap­top comum com soft­wa­res de edi­ção de vídeo e uma câme­ra pro­fis­sio­nal DVCam. Numa outra ma­le­ta, vai uma ante­na qua­dra­da, tam­bém do tama­nho de um lap­top. Basi­ca­men­te são duas as apli­ca­ções. Na pri­mei­ra situa­ ção, o repór­ter capta as ima­gens na câme­ra, car­re­ga-as para o lap­top, grava e edita o mate­rial. ­Depois, conec­ta o com­pu­ta­ dor à Inter­net e trans­mi­te o resul­ta­do final para a emis­so­ra, com taxa de 1,5 Mbps em MPEG-4. Como o modo de trans­ mis­são é “store and for­ward”, o mate­rial de um minu­to, por exem­plo, pode con­su­mir entre 15 e 20 minu­tos para ser envia­do. Mesmo assim, o envio de ima­gens pela Inter­net reduz em até dez vezes os cus­tos em com­pa­ra­ção aos ­outros sis­te­mas de trans­mis­são dis­po­ní­veis. Neste caso, a qua­li­da­de de ima­gem é bas­tan­te supe­rior à outra apli­ca­ção pos­sí­vel desse equipamento: a de entra­das ao vivo. Para trans­mis­são ao vivo, o kit da Globo per­mi­te que o repór­ter conec­te o lap­top pela ante­na atra­vés de cone­xão de dados via saté­li­te, pelo sis­te­ma Inmar­sat. As ima­gens da câme­ra pas­sam pelo lap­top, que joga o sinal para um dos saté­ li­tes da Inmar­sat, numa taxa de 64 kbps de trans­mis­são. O saté­li­te leva o sinal até o cen­tro de trans­mis­são da Inmar­sat, na Norue­ga, que de lá é trans­mi­ti­do para o Bra­sil via rede ISDN ou Inter­net. Na sede da Globo, o sinal é codi­fi­ca­do e trans­for­ma­do em vídeo com qua­li­da­de um pouco infe­rior, pois chega com uma com­pres­são que pode ser até de cinco mil para um, sem con­tar a ima­gem entre 7 fps e 10 fps (a ima­gem do broad­cast é de 30 fps). O equi­pa­men­to fun­cio­na

Enge­nhei­ros da Globo desen­vol­vem inter­na­men­te equi­pa­men­to de trans­mis­são à dis­tân­cia. emissoras se esforçam para cobrir a situação no oriente médio.

como um canal de trans­mis­são e recep­ção, ou seja, o cor­res­ pon­den­te pode acom­pa­nhar o que está no ar. O delay (ida e volta) fica na casa dos 3 a 4 segun­dos. A van­ta­gem, no entan­to, é incon­tes­tá­vel: o jor­na­lis­ta pode ­entrar ao vivo de qual­quer lugar do mundo. A Globo vem uti­li­zan­do o equi­pa­men­to desde 2001, duran­te a via­gem de ­Gerard Moss pelo mundo em um moto­pla­na­dor; ­depois na guer­ra do Afe­ga­nis­tão; e, mais recen­te­men­te, na via­gem de Gló­ria Maria à China e na de Clay­ton Con­ser­va­ni à Antár­ ti­da. De 2001 para cá, o kit teve algu­mas alte­ra­ções, pelos pró­prios enge­nhei­ros da CGE. A Globo tem cerca de nove kits cor­res­pon­den­tes, todos em ope­ra­ções da emis­so­ra, incluin­do São Paulo, Nova York, ­Tóquio e Roma. Agora, está rea­li­zan­do tes­tes do equi­pa­men­ to com algu­mas das suas afi­lia­das. A CNN infor­ma que todos os seus video­fo­nes uti­li­za­dos na guer­ra são Tal­king Heads, da 7E, ape­sar de ter tam­bém em seu par­que ­ outras mar­cas, e a trans­mis­são para a sede em Atlan­ta está sendo feita prin­ci­pal­men­te pelo sis­te­ma da Inmar­sat, com velo­ci­da­des de 64 kbps ou 128 kbps, depen­ den­do se o cor­res­pon­den­te usa uma ou duas ­linhas de tele­fo­ ne. No entan­to, a CNN chama a aten­ção para os tele­fo­nes via saté­li­te da Inmar­sat com sis­te­ma de nave­ga­ção. Uma ante­na geoes­ta­cio­ná­ria loca­li­za­da numa pla­ta­for­ma giros­có­pi­ca den­ tro de uma cúpu­la pro­te­to­ra per­mi­te o envio de ­ sinais do video­fo­ne em movi­men­to. O equi­pa­men­to está sendo usado em ­aviões e sobre ­vários tan­ques, que atra­ves­sam o deser­to a velo­ci­da­des entre 64 e 80 km/h. Ape­sar disso, a ante­na não perde a cone­xão com o saté­li­te. Na fronteira Com a invia­bi­li­da­de de se obter vis­tos de entra­da no Ira­que, os cor­res­pon­den­tes das emissoras brasileiras estão no máxi­ mo nos paí­ses vizi­nhos. Com equi­pes pró­prias só estão

Foto: Divul­ga­ção


sandrareginasilva sandra@telaviva.com.br

Globo e Rede TV!, pelo menos até o fecha­ men­to desta edi­ção. A Rede TV! ­ enviou dois jor­na­lis­tas para a Jor­dâ­nia. Eles leva­ram lap­tops com soft­wa­re de edi­ção e de gra­va­ção e iriam alu­gar um tele­fo­ne via saté­li­te no local para ­ entrar com áudio ao vivo na pro­ gra­ma­ção. “A expec­ta­ti­va é mos­trar a difi­cul­da­de de se ­ cobrir essa guer­ra. Eles vão regis­trar os pas­sos, os recur­ sos... será como um rotei­ro”, diz José Emí­lio Ambró­sio, dire­tor exe­cu­ti­vo de jor­na­lis­mo da emis­so­ra. Antes de dei­xar o Bra­sil, os dois jor­na­lis­tas rece­ be­ram da Reu­ters um guia de “como se vai à guer­ra”. A Globo tam­bém teve um cui­da­do extra com seu pes­soal. Todos os envol­vi­ dos na cober­tu­ra fize­ram o curso Hos­ti­le Envi­ron­ments and Emer­gency First-Aid, mi­nis­tra­do pela bri­tâ­ni­ca Cen­tu­rion Risk As­ses­s­ment Ser­vi­ces, e ainda estão equi­pa­ dos com más­ca­ras con­tra gases tóxi­cos. Pela Globo, Mar­cos Uchôa, Eric Hart e Ser­gio Golz estão no ­Kuwait. Luiz Car­los Aze­nha e Sher­man Costa esti­ve­ram em Bagdá, no Ira­ que, mas o visto expi­rou e, sem obter nova autorização, vol­­ta­ram para Nova York. Há ainda re­pór­­te­res em Lon­dres, Roma, Líba­no e ­Israel. As ­ demais emis­so­ras opta­ram por não ­enviar cor­res­pon­den­tes. A Gaze­ta, porém, conta com o tra­ba­lho de free­lan­cer da jor­ na­lis­ta por­tu­gue­sa Mafal­da Ave­lar, que está no ­ Kuwait. Tem cor­res­pon­den­tes, tam­bém free-lan­cers, na Itá­lia (Assi­mi­na Vla­hou) e Argen­ti­na (Rober­to Pêra), e colhe notí­cias

da agên­cia Reu­ters. Além disso, subs­ti­tuiu na tela a marca ­ d’água do seu logo pela pala­vra “PAZ”. A Ban­dei­ran­tes ­ enviou, em feve­rei­ ro, o jor­na­lis­ta Her­bert ­ Moraes para o

Equipamentos como os Talking Heads já permitem até transmissões feitas de aviões ou tanques.

Ira­que, que fez ­ várias maté­rias espe­ciais com uma câme­ra ­ MiniDV da Sony. Ele levou um video­fo­ne, adqui­ri­do pela Band, mas que foi con­fis­ca­do pelo Ira­que. Pode ser esca­la­do a qual­quer momen­to para vol­tar para a ­ região. A Band criou o “­núcleo de guer­ra”, em São Paulo. E, para a cober­tu­ra do con­fli­to, conta com cor­res­pon­den­tes em Was­hing­ton,

Lon­dres e Bue­nos Aires, além de comen­ ta­ris­tas espe­cia­li­za­dos em Paris e Rio de Janei­ro. Além disso, tem um tra­du­tor no estú­dio, ao lado de Rober­to Cabri­ni, para tra­du­zir o áudio do canal Al-Jazee­ra, cujas ima­gens estão sendo uti­li­za­das pela emis­so­ra. Usa ainda mate­rial da CNN, CNNi e Reu­ters. Na ­ Record, uma equi­pe de 30 pro­ fis­sio­nais do “Jor­nal da ­ Record” estão foca­dos na guer­ra, mas ­ nenhum foi envia­do ao local do con­fli­to e nem há pre­vi­são disso, assim como no SBT. A emis­so­ra de Sil­vio San­tos está usan­do ima­gens e infor­ma­ções da CNN e de agên­cias de notí­cias. O grupo RBS conta com Ozi­ris ­Marins, que está em Amã, na Jor­dâ­nia, para a cober­tu­ra, prin­ci­pal­men­te, para a Rádio Gaú­cha e jor­nal Zero Hora. ­Marins tam­bém vem en­tran­do ape­nas com áudio na RBS TV, re­trans­mis­so­ra da Globo no Sul do País. Mar­­ce­lo Rech, dire­ tor edi­to­rial dos jor­nais da RBS, vê a guer­ ra atual como a pri­mei­ra efe­ti­va­men­te em banda larga. “Há um dire­cio­na­men­ to da cober­tu­ra para di­fe­­ren­tes ­ níveis de tec­no­lo­gia”, diz Rech, re­lem­bran­do 1991 quan­do ­cobriu a Guer­ra do Golfo. E ele com­pa­ra: na pri­mei­ra, a trans­mis­ são era limi­ta­da ao tele­fo­ne em Amã, enquan­to hoje o repór­ter pode ­ en­viar infor­ma­ção de qual­quer lugar, mes­mo em movi­men­to, pelo celu­lar, video­fo­ne, Inter­net. Agora a situa­ção faci­li­ta a agi­li­ da­de e per­mi­te a mobi­li­da­de.

x


N達o disponivel


N達o disponivel


educativas

Universidades gaúchas mergulham na TV

U

30 tela viva abril de 2003

Uma das mais moder­nas e bem equi­pa­das emis­so­ras de TV do Rio Gran­de do Sul fica den­tro de uma uni­ver­si­da­de. A Uni­si­nos, Uni­ver­si­da­de do Rio do Sinos, é um enor­me com­ ple­xo de 90 hec­ta­res loca­li­za­do em São Leo­pol­do, na ­região metro­po­li­ta­na de Porto Ale­gre. No sub­so­lo do pré­dio da Facul­da­de de Comu­ni­ca­ção fun­cio­na, há dois anos, a TV Uni­ si­nos. A pro­gra­ma­ção vai ao ar pela Inter­net e em cir­cui­to inter­no de TV para toda a uni­ver­si­da­de, atra­vés de 300 moni­ to­res espa­lha­dos pelo cam­pus onde cir­cu­lam, por sema­na, 35 mil pes­soas. A equi­pe é for­ma­da por jor­na­lis­tas e pro­fes­so­res trei­ na­dos para se tor­nar apre­sen­ta­do­res. Eles pro­du­zem dez pro­gra­mas de for­ma­tos varia­dos, como deba­tes, entre­vis­tas e jor­na­lis­mo, o que repre­sen­ta, em média, uma hora de pro­gra­ma­ção iné­di­ta por dia. O obje­ti­vo da TV é divul­gar a pro­du­ção cien­tí­fi­ca da uni­ver­si­da­de e pro­vo­car a refle­xão, a crí­ti­ca e a dis­cus­são. O res­pon­sá­vel pela dire­ção da TV é Ale­ xan­dre Kie­ling, ex-repór­ter da RBSTV e da Rede Globo, com 20 anos de expe­riên­cia em jor­na­lis­mo. “A preo­cu­pa­ção que eu tinha não era fazer uma TV edu­ca­ti­va, mas não do ponto de vista do que os comu­ni­ca­do­res enten­dem como uma TV edu­ca­ti­va, mas uma TV que pro­vo­cas­se a cog­ni­ção do inter­lo­ cu­tor, e é por isso que a gente pre­ci­sa dos pro­fes­so­res da área de edu­ca­ção.” Um exem­plo da fór­mu­la que se busca com a expe­riên­cia tele­vi­si­va na Uni­si­nos é um pro­gra­ma de entre­vis­tas que fez gran­de suces­so com os teles­pec­ta­do­res, inclu­si­ve de ­ outros luga­res que tam­bém tive­ram a opor­tu­ni­da­de de assis­ti-lo gra­ças a um inter­câm­bio de pro­gra­ma­ção entre as uni­ver­si­ da­des do País. O tema era o deba­te entre as ­idéias dos filó­so­ fos Frie­de­rich Nietz­che e Theo­dor Ador­no, e para isso foi con­vi­da­do o maior espe­cia­lis­ta no País sobre cada um deles. “Os entre­vis­ta­dos fala­ram sobre Nietz­che e Ador­no como quem fala de Pelé e Ayr­ton Senna, esse é o exer­cí­cio que se faz neste tipo de entre­vis­ta.” Há dois anos se exer­ci­tan­do, o dire­tor acre­di­ta que a equi­pe já este­ja em forma para dis­pu­ tar o pró­xi­mo desa­fio: tor­nar-se uma emis­so­ra edu­ca­ti­va em sinal aber­to. Aliás, essa sem­pre foi a meta da TV Uni­si­nos e a única alter­na­ti­va para levar a pro­gra­ma­ção para fora dos muros da uni­ver­si­da­de. O canal 30 em UHF tem estréia prevista para julho. Vai ­ cobrir 14 muni­cí­pios da ­ região metro­po­li­ta­na de

Instituições de ensino no Rio Grande do Sul investem em equipamentos e infraestrutura para montar TVs educativas. Porto Ale­gre e do Vale do Sinos, o que repre­sen­ta 2,5 ­milhões de poten­ciais teles­pec­ta­do­res. Tam­bém de olho na trans­mis­são aber­ta, a TV Uni­si­nos ­fechou, em agos­to de 2002, uma par­ce­ria com o Canal Futu­ ra, pela qual a uni­ver­si­da­de tem licen­ça para trans­mi­tir a pro­gra­ma­ção do Futu­ra e, em con­tra­par­ti­da, pro­duz maté­rias jor­na­lís­ti­cas para o canal. Neste momen­to, está desen­vol­ven­ do o novo pro­je­to do “Tá Liga­do”, pro­gra­ma de audi­tó­rio, espé­cie de game show sobre conhe­ci­men­tos ­gerais que pas­sa­ rá a ser feito com esco­las do Sul. A pro­gra­ma­ção do Futu­ra con­ti­nua­rá a ser trans­mi­ti­da no canal aber­to. “Tele­vi­são é um hábi­to. Não dá pra ligar a tele­vi­são e não ter nada. Tu tens que estar ali na hora que o teles­pec­ta­dor vira o canal. É uma role­ta russa, ou tu ­ganhas ele, ou perde pra sem­pre”, diz Kie­ling sobre o papel fun­da­men­tal da par­ce­ria com o Futu­ra para com­ple­tar a grade de pro­gra­ma­ção e aju­dar a con­quis­tar a fide­li­da­de de audiên­cia. Van­guar­da tec­no­ló­gi­ca Estru­tu­ra téc­ni­ca para colo­car o canal no ar já exis­te. Os inves­ti­men­tos em equi­pa­men­tos nes­ses dois anos con­su­mi­ ram US$ 700 mil, “na época em que esta­vam um por um (o dólar e o real)”, res­sal­ta Kie­ling. “Temos tudo o que uma tele­ vi­são pro­fis­sio­nal tem, mas em menor quan­ti­da­de.” Não é ver­da­de. Os equi­pa­men­tos usa­dos pela TV Uni­si­ nos são mais moder­nos e de ­melhor qua­li­da­de que os de mui­ tas emis­so­ras bra­si­lei­ras. As repor­ta­gens são cap­ta­das com seis câme­ras DVCam, da Sony. As pro­du­ções e os pro­gra­mas em estú­dio são gra­va­dos em ­DVCPro da Phi­lips, sendo duas câme­ras de estú­dio e duas para exter­na. A edi­ção é feita em duas ilhas de corte seco ­DVCPro ou nas três ilhas não-linea­ res. Além disso, há um swit­cher, cen­tral téc­ni­ca e um estú­dio com dimen­sões de TV pro­fis­sio­nal. Sobre a esco­lha do tipo de equi­pa­men­to, Kie­ling enten­de que o ­DVCPro “é uma ten­dên­cia no jor­na­lis­mo ame­ri­ca­no e mun­dial. A reso­lu­ção é bem supe­rior às 700 ­linhas de defi­ni­ ção do NTSC ana­ló­gi­co e a defi­ni­ção de con­tor­no, con­tras­te, lumi­nân­cia e cro­mi­nân­cia é muito acima da média dos equi­

Fotos: Divul­ga­ção


mônicateixeira facul­da­des. Eles dis­põem de um peque­no estú­dio, uma ilha de corte seco, três ilhas de edi­ção não-­linear e 26 com­ pu­ta­do­res com capa­ci­da­de para edi­tar texto e ima­gem. As melhores repor­ta­gens tam­ bém são apro­vei­ta­das na pro­ gra­ma­ção da TV. Em Passo Fundo, ­ região TV Unisinos: investimento de US$ 700 mil em cen­tral do Rio Gran­de do equipamentos nos últimos dois anos. Sul, outra uni­ver­si­da­de pa­men­tos stan­dards digi­tais”. se pre­pa­ra para ­ estrear em Foi com uma câme­ra ­ DVCPro que a canal aber­to. A UPFTV, emis­so­ra da Uni­ TV Uni­si­nos gra­vou o docu­men­tá­rio “Hei­ ver­si­da­de de Passo Fundo, que trans­mi­te mat”, sobre a comu­ni­da­de alemã no Vale três horas e meia diá­rias de pro­gra­ma­ção do Sinos, diri­gi­do pelo pró­prio Kie­ling e atra­vés do cabo, aguar­da para este ano a ­depois trans­fe­ri­do para 35 mm. “Todo o libe­ra­ção da con­ces­são de um canal de TV mundo acha­va que tinha sido feito em 16 em VHF, que vai ­cobrir 20 muni­cí­pios da mm e ­depois pas­sa­do para 35 mm”, conta. ­região. O pedi­do já foi apro­va­do pela Câma­ Uma ver­são de cinco minu­tos do docu­men­ ra dos Depu­ta­dos e está sendo ana­li­sa­do tá­rio foi exi­bi­da nas salas de cine­ma de pelo Sena­do. No ar desde maio de 2001, a todo o País antes da ses­são de “A Pai­xão de UPFTV fun­cio­na no pré­dio da Facul­da­de Jaco­bi­na”, filme de Fábio Bar­re­to. de Artes e Comu­ni­ca­ção com uma equi­pe Os alu­nos do curso de comu­ni­ca­ção de 13 fun­cio­ná­rios entre repór­te­res, edi­to­ tam­bém podem usu­fruir de uma estru­tu­ra res, cine­gra­fis­tas e téc­ni­cos, além de oito de cau­sar inve­ja a estu­dan­tes de ­ outras esta­giá­rios sele­cio­na­dos na pró­pria facul­da­

de Porto Alegre

telaviva@telaviva.com.br

de. Estes pro­fis­sio­nais e alu­nos pro­du­zem pro­gra­mas de varie­da­des e jor­na­lís­ti­cos com o intui­to de divul­gar as ati­vi­da­des cien­tí­fi­cas da uni­ver­si­da­de e pro­je­tos de pes­qui­sa que con­tri­buem para melho­rar a vida da comu­ni­da­de. As ima­gens são cap­ ta­das em câme­ras Beta­cam ana­ló­gi­cas e ­DVCPro da Pana­so­nic. A edi­ção em corte seco tam­bém é feita com tec­no­lo­gia mista: há uma ilha Beta­cam e outra ­ DVCPro, além de uma esta­ção para edi­ção não-­linear ­Matrox. A UPFTV está com­pran­do mais uma câme­ra e uma ilha apos­tan­do na tec­no­ lo­gia digi­tal. “Nós opta­mos pela tec­no­lo­gia ­DVCPro da Pana­so­nic. Hoje a estru­tu­ra é híbri­da, mas a inten­ção é trans­for­mar tudo, desde a cap­ta­ção até a exi­bi­ção, em digi­tal”, expli­ca Hen­ri­que Fon­se­ca, coor­ de­na­dor da UPFTV. Além de equi­pa­men­tos, a pre­pa­ra­ção para se tor­nar um canal aber­to passa pela con­tra­ta­ção de pro­fis­sio­nais com expe­riên­cia no mer­ca­do. Hen­ri­que Fon­ se­ca assu­miu o pro­je­to ­depois de 15 anos

>>


como chefe de repor­ta­gem e edi­tor-chefe na RBSTV, afi­ lia­da da Globo no Rio Gran­ de do Sul. “A inten­ção é mes­ clar pro­fis­sio­nais expe­rien­ tes em tele­vi­são, sem dei­xar a con­tri­bui­ção da for­ma­ção aca­dê­mi­ca de lado.” Até o meio do ano, a TV dei­xa­rá a sede da Facul­da­de de Artes e Comu­ni­ca­ção e se muda­rá Programas atingem espectadores de outros lugares, para um pré­dio cons­truí­do para abri­gar, além da TV, graças a intercâmbio entre escolas. uma rádio FM que aguar­da apro­va­ção da con­ces­são pelo Con­gres­so. dia. Atual­men­te, há uma par­ce­ria com a A expec­ta­ti­va é de que o canal aber­to TV Edu­ca­ti­va do Rio Gran­de do Sul, que este­ja no ar até o fim do ano. “Nosso ajuda a preen­cher as 16 horas trans­mi­ti­ obje­ti­vo é ofe­re­cer uma alter­na­ti­va de das dia­ria­men­te pelo canal uni­ver­si­tá­ pro­gra­ma­ção local mais ampla que a da rio, das 8h à meia-noite. O sinal da TVE RBS, com 11 minu­tos diá­rios, e a do chega à uni­ver­si­da­de via saté­li­te e de lá SBT, que tem um pouco mais, mas obe­ viaja com a pro­gra­ma­ção pro­du­zi­da na de­ce a uma pro­gra­ma­ção enges­sa­da da uni­ver­si­da­de por fibra ópti­ca até a sede cabe­ça-de-rede”, argu­men­ta Fon­se­ca. da Net, a três qui­lô­me­tros do cam­pus. A Mesmo com o canal aber­to, a UPFTV UPFTV ainda não deci­diu se vai man­ter não terá estru­tu­ra nem fôle­go para man­ a par­ce­ria com a TVE para o canal aber­ ter pro­gra­ma­ção no ar duran­te todo o to e estu­da ­outras alter­na­ti­vas. “Mas nós não vamos nos afas­tar da nossa mis­são, muito pre­sen­te na for­ma­ção e con­so­li­da­ educativas

32 

abril de 2003

ção da Uni­ver­si­da­de de Passo Fundo como uma ins­ti­tui­ção comu­ni­tá­ria, que é a pres­ta­ção de ser­vi­ços, a cida­ da­nia, a cul­tu­ra, a difu­são do conhe­ci­ men­to. Vamos bus­car par­ce­rias com ­canais que ­ tenham esse per­fil muito claro.” A pro­li­fe­ra­ção dos cur­sos de comu­ni­ca­ção no País e a garan­tia de um canal de vei­cu­la­ção da pro­du­ção aca­dê­mi­ca atra­vés da Lei do Cabo são apon­ta­das por Fon­se­ca como as prin­ ci­pais res­pon­sá­veis pelo desen­vol­vi­ men­to das emis­so­ras uni­ver­si­tá­rias. “As uni­ver­si­da­des se deram conta de que, como meio de pro­du­ção de conhe­ci­ men­to, elas têm como pro­ver os ­ canais e mos­trar para a comu­ni­da­de o que a uni­ver­si­da­de faz.” Igre­ja A Ulbra, Uni­ver­si­da­de Lute­ra­na do Bra­ sil, é outra com pla­nos de inves­tir em tele­vi­são. A con­ces­são de um canal aber­ to ela já con­se­guiu. O decre­to legis­la­ti­vo foi publi­ca­do no Diá­rio Ofi­cial em 3 de dezem­bro do ano pas­sa­do e, mesmo tendo prazo até dezem­bro para come­ çar as trans­mis­sões, por enquan­to, não


­vídeos usan­do lap­tops sem fio e adian­ta quais são os pro­je­tos para câme­ras digi­tais atra­vés da Inter­ a futu­ra emis­so­ra. net. “É uma expe­riên­cia fan­tás­ti­ca Em Porto Ale­gre, a Pon­ti­fí­cia de trans­mis­são ao vivo, com tec­no­ Uni­ver­si­da­de Cató­li­ca par­ti­ci­pa do lo­gia rela­ti­va­men­te sim­ples”, diz con­sór­cio de uni­ver­si­da­des que admi­ Pel­lan­da. Isso é pos­sí­vel gra­ças a nis­tra o canal 15, de pro­gra­ma­ção uma tec­no­lo­gia obti­da em par­ce­ria uni­ver­si­tá­ria. Recen­te­men­te, a PUC com a Apple. São bases dis­pos­tas ­fechou a Video­PUC, o setor res­pon­sá­ ao redor do pré­dio da facul­da­de, vel pela pro­du­ção dos pro­gra­mas para for­man­do uma rede sem fio que per­ a TV, e trans­fe­riu a estru­tu­ra, assim Emissora do Vale dos Sinos estréia em julho canal em UHF mi­te conec­tar-se à Inter­net usan­do como a res­pon­sa­bi­li­da­de de for­ne­cer ondas de radio­fre­qüên­cia. pro­gra­ma­ção para o cabo, aos alu­nos com alcance em mais de 14 cidades. A PUC já tem hoje um labo­ra­ do curso de comu­ni­ca­ção. A mudan­ça tó­rio com 25 iMacs G3 com capa­ci­da­de faz parte da rees­tru­tu­ra­ção da Facul­da­de de de câme­ras Mini DV e de mais com­pu­ta­do­ de edi­tar vídeo, áudio e pági­nas para a Comu­ni­ca­ção ­ So­cial: “A estru­tu­ra que tínha­ res para edi­ção não-­linear. A anti­ga Video Inter­net e um ser­vi­dor Power Mac que mos era velha, não aten­dia mais à qua­li­da­de PUC se trans­for­ma­rá no Cen­tro de Pro­du­ trans­mi­te vídeo pela rede. E está pres­tes a do ensi­no”, expli­ca Gerô­ni­mo Braga, dire­tor ção Mul­ti­mí­dia com oito câme­ras Mini DV inau­gu­rar um cen­tro de trei­na­men­to com da facul­da­de. “O aluno não par­ti­ci­pa­va.” A Sony e oito ilhas Power Mac, onde alu­nos equi­pa­men­tos Apple, entre eles com­pu­ta­ par­tir de agora, o dire­tor pla­ne­ja aumen­tar a esta­giá­rios terão aulas sob a super­vi­são de pro­du­ção dos pró­prios alu­nos, res­tri­ta a dois pro­fes­so­res. “Cada vez mais, o jor­na­lis­ta do­res G4 e Power Macs com gra­va­do­res pro­gra­mas sema­nais. “Numa pri­mei­ra etapa, pode mexer com a tec­no­lo­gia ele mesmo. de DVD. Será o pri­mei­ro no Sul do País. vamos ter um noti­cio­so diá­rio e, ­depois, duas A idéia é mos­trar a essa guri­za­da que eles “É um pro­je­to de exten­são uni­ver­si­tá­ria, edi­ções por dia.” Mas as mudan­ças vão além podem fazer tudo e pre­pa­rá-los para o mer­ca­ onde vamos dar aulas e ofi­ci­nas de soft­ da pro­gra­ma­ção. A uni­ver­si­da­de quer ­ entrar do de daqui a dois ou qua­tro anos”, expli­ca wa­res de edi­ção de vídeo, áudio, mul­ti­mí­ na era digi­tal. Eduar­do Pel­lan­da, coor­de­na­dor do está­gio dia, Inter­net e auto­ria de DVDs”, expli­ca Pel­lan­da. “Os pro­fis­sio­nais que estão no Para isso, ela está gas­tan­do cerca de em jor­na­lis­mo online. R$ 200 mil. Os ­ atuais equi­pa­men­tos Super Um dos pro­je­tos mais ino­va­do­res rea­ mer­ca­do não vão pre­ci­sar mais ir até São VHS e Beta come­çam a ­ ganhar a com­pa­nhia li­za­dos com os alu­nos é a trans­mis­são de Paulo fazer esse tipo de trei­na­men­to.”

x


case

Um curta por semana

E

Estreou em março, na Rede Globo, uma nova fase do tra­ba­ lho do dire­tor Luiz Vil­la­ça e da atriz Deni­se Fraga. “Dias de Gló­ria” é uma evo­lu­ção das expe­riên­cias que vêm sendo desen­vol­vi­das nos últi­mos qua­tro anos, com o obje­ti­vo de colo­car uma pita­da de dra­ma­tur­gia no “show da vida”. Tudo come­çou com “Retra­to Fala­do”, qua­dro em que Deni­se inter­pre­ta­va uma per­so­na­gem real, que envia­va uma his­tó­ria de sua vida para a emis­so­ra. Em mea­dos do ano pas­sa­do, duran­te a Copa do Mundo, Deni­se pas­sou a encar­nar a tor­ce­do­ra faná­ti­ca do Bra­sil, cuja his­tó­ria de vida se con­fun­dia com as ven­tu­ras e des­ven­tu­ras do fute­bol cana­ri­nho, no qua­dro “Copas de Mel”. E, no final do ano, o espe­cial “O Ano de Gló­ria” foi o ­embrião do novo pro­je­to. Deni­se trans­for­mou-se na desem­pre­ga­da Gló­ria, que con­ ta­va as peri­pé­cias de sua vida ao mesmo tempo em que se fazia a retros­pec­ti­va dos prin­ci­pais fatos de 2002. “Quan­do aca­ba­mos de fazer ‘O Ano de ­Glória’, saca­mos que podia ser um cami­nho inte­res­san­te esse de inte­grar mais a dra­ma­tur­ gia com o jor­na­lis­mo”, expli­ca Vil­la­ça. Foi então que sur­giu a pro­pos­ta de “Dias de Gló­ria”. A cada sema­na, a per­so­na­gem relem­bra os fatos mais mar­can­tes da sema­na ao mesmo tempo em que conta suas peque­nas tra­gé­dias coti­dia­nas. “Desde o ‘Copas de Mel’, esta­mos tra­ba­lhan­do cada vez mais con­tra o tempo, com assun­tos mais jor­na­lís­ti­cos. Mas lá o tema era um só, fute­bol. Agora come­ça­mos a deci­dir na terça-feira o que vai ao ar no domin­go, mas tudo pode mudar até o final da sema­na”, diz o dire­tor. O gran­de desa­fio da equi­pe do pro­gra­ma é jus­ta­men­te a pro­du­ção. A agi­li­da­de tem de ser pra­ti­ca­men­te a mesma dos pro­gra­mas jor­na­lís­ti­cos. Na segun­da-feira, é esbo­ça­do

34 tela viva abril de 2003

Equipe conta com certa independência dos padrões globais, e desenvolveu um jeito próprio de produzir.

Com equipe independente, “Dias de Glória” requer esforço dobrado para levar à TV misto de jornalismo e ficção.

Luiz Villaça e Denise Fraga

o pri­mei­ro rotei­ro. A reu­nião acon­te­ce logo ­ depois do “Jor­nal Nacio­nal”. Na terça, a equi­pe se reúne nova­men­ te e pro­duz a pri­mei­ra esca­le­ta. Na quar­ta come­çam as gra­va­ções e o rotei­ro ainda sofre mudan­ças. “A base do pro­gra­ma é sem­pre a casa da Gló­ria. Ela sem­pre passa por ali, onde assis­te a tele­vi­são”, conta Vil­la­ça. Na quin­ta-feira são gra­va­das as cenas em loca­ção e na sexta come­ça a edi­ ção, com a inclu­são dos efei­tos espe­ciais. Sába­do o pro­gra­ ma é gera­do para o Pro­jac, onde é revi­sa­do e mas­te­ri­za­do para a exi­bi­ção no domin­go. Equi­pe inte­gra­da Como o pro­gra­ma vai ao ar den­tro do “Fan­tás­ti­co”, uma das gran­des preo­cu­pa­ções da equi­pe sem­pre foi criar uma ima­gem que sobres­saís­se e, ao mesmo tempo, ficas­se cla­ra­men­te dife­ren­cia­da. Para isso, toda a equi­ pe desen­vol­veu em con­jun­to o “look” do pro­gra­ma. Dire­to­ra de arte, dire­tor de foto­gra­fia, maquia­do­ra e figu­ri­nis­ta, além do dire­tor, cria­ram a per­so­na­gem e tam­bém sua casa. “Nossa luz é mais con­tras­ta­da do que cos­tu­ma ser na TV, usa­mos um tom de pele mais bran­co para a Deni­se e mais azu­ la­do em geral. Pro­cu­ra­mos criar uma foto­gra­fia atual, com uma certa moder­ni­da­de, e mui­tas refe­rên­cias de cine­ma. Na ver­da­de, ten­ta­mos nos apro­xi­mar do que foi feito no filme ‘Amo­res ­Brutos’”, diz o dire­tor. Para isso, a equi­pe pôde con­tar com um dos gran­des Fotos: Gerson Gargalaka


lizandradealmeida lizandra@telaviva.com.br

nos alte­ra­dos, para che­gar ao resul­ta­do de cor, con­tras­te, gama, satu­ra­ção e defi­ ni­ção dese­ja­dos.

Guarda-roupas requer flexibilidade para se adaptar às diferentes situações.

trun­fos do pro­gra­ma, que é jus­ta­men­te uma certa inde­pen­dên­cia dos ­ padrões glo­bais. Como tudo é feito em São Paulo, por pes­soas con­tra­ta­das, mas que não fazem parte do staff da emis­so­ra, foi pos­ sí­vel desen­vol­ver uma manei­ra pró­pria de gra­var e edi­tar. As ima­gens são cap­ta­das em uma câme­ra Beta digi­tal, mas toda a sua ele­trô­ni­ca foi alte­ra­da pelo espe­cia­lis­ta Gyula Kolozs­va­ri e pelo dire­tor de foto­ gra­fia Mar­ce­lo Cou­ti­nho, com a equi­pe de enge­nha­ria da emis­so­ra. A pós-pro­du­ ção é feita nos Estu­dios­Me­ga, onde são apli­ca­dos os efei­tos e a com­po­si­ção de ima­gens. “Con­se­gui­mos dar um efei­to de ‘film look’, usan­do o desen­tre­la­ça­ men­to das ­ linhas da ima­gem. Em vez de tra­ba­lhar­mos com os ­ fields pró­prios da câme­ra de vídeo, tra­ba­lha­mos em fra­mes, o que faz com que o movi­men­to tenha um outro ritmo”, expli­ca Cou­ti­ nho. A ima­gem cap­ta­da em vídeo passa por um trans­fer tape-to-tape na póspro­du­ção, no equi­pa­men­to Res­to­re dos Estu­dios­Me­ga. A edi­ção é feita no Avid, a mar­ca­ção de luz e os efei­tos espe­ciais são inse­ri­dos no Henry e a ima­gem é tra­ba­lha­da no Res­to­re, equi­pa­men­to com o qual tam­ bém se faz o res­tau­ro de fil­mes anti­gos. “Usa­mos os recur­sos mais moder­nos e tra­ba­lha­mos o vídeo como se faz no cine­ma atual­men­te, com todos os plugins. Com isso, colo­ca­mos um pouco de grão na ima­gem para se pare­cer ainda mais com cine­ma”, com­ple­ta o dire­tor de foto­gra­fia. Como a equi­pe vem se man­ten­do desde o iní­cio de “Retra­to Fala­do”, as pes­qui­sas téc­ni­cas vão se apro­fun­dan­do. As câme­ras tive­ram seus ajus­tes inter­

Todos os deta­lhes Toda a equi­pe tra­ba­lha em fun­ção desse resul­ta­do esté­ti­co e tam­bém das con­di­ções de pro­du­ção. A maquia­do­ra Simo­ne optou por uma maquia­gem bem leve para a atriz, real­çan­do sua pele bran­ca e tam­bém os olhos, para que ficas­sem bem vivos. “Como no ‘Retra­to ­Falado’ a Deni­se inter­pre­ta­va per­so­na­ gens bem dife­ren­tes, usa­mos mui­tas peru­cas. Então deci­di­mos man­ter isso e tes­ta­mos mais de 80 até che­gar a uma que desse a irre­ve­rên­cia da per­so­ na­gem que que­ría­mos. Usar peru­ca é muito mais prá­ti­co, fica sem­pre igual e eco­no­mi­za um tempo enor­me de pre­pa­ ra­ção”, expli­ca a maquia­do­ra. O mesmo con­cei­to foi uti­li­za­do no figu­ri­no. Em pri­mei­ro lugar, foram defi­ ni­das as cores, pre­do­mi­nan­do tons de azul e verde além dos ver­me­lhos, assim como no cená­rio. “A per­so­na­gem é uma ­mulher desem­pre­ga­da, mas que gosta de se arru­mar, por isso qui­se­mos dar a idéia de que ela mesma tran­sa suas rou­pas”, conta a figu­ri­nis­ta Caia Gui­ma­rães. Só que em ­alguns epi­só­dios, a atriz con­tra­ce­na com ­outros per­so­na­gens e, nesse caso, seu tra­ ba­lho se torna uma ver­da­dei­ra gin­ca­na. “O rotei­ro sai em um dia e no outro já esta­mos gra­van­do. Aí temos que cor­rer para pro­du­ zir os ­outros per­so­na­gens.” O cená­rio prin­ci­pal, que repre­sen­ ta a casa da per­so­na­gem, tam­bém foi cria­do para refor­çar a per­so­na­li­da­de de Gló­ria. Uma casa no bair­ro do Broo­klin, zona Sul de São Paulo, foi adap­ta­da para ser o apar­ta­men­to, que tam­bém é cheio de deta­lhes e enfei­tes. “Com a pos­si­bi­li­da­de de tra­ba­lhar­mos em São Paulo, abri­mos uma fren­te de tra­ ba­lho e con­se­gui­mos uma rela­ção com a equi­pe como se fôs­se­mos uma peque­na pro­du­to­ra. Mas ao mesmo tempo temos toda a estru­tu­ra da Globo. É como se esti­ vés­se­mos rodan­do um curta por sema­na, o que, na ver­da­de, é o sonho de muita gente”, come­mo­ra Vil­la­ça.

x


produção

Paraná faz cinema com pessoal local

A

A Arau­cá­ria Pro­du­ções Artís­ti­cas, orga­ ni­za­do­ra do Fes­ti­val de Cine­ma, Vídeo e Dcine de Curi­ti­ba, está pro­du­zin­do um longa-metra­gem usan­do mão-deobra local. O filme “Terra Ver­­me­lha”, basea­do no livro homô­ni­mo de Domin­ gos Pel­le­gri­ne, foi um dos pre­mia­dos pelo últi­mo edi­tal do Banco Nacio­nal de Desen­vol­vi­men­to Eco­nô­mi­co e ­ Social (BNDES), e ­ ganhou um patro­cí­nio de R$ 500 mil. O pro­je­to visa trans­for­mar o Para­ná em um pólo de pro­du­ção cine­ma­to­grá­fi­ca. “O Sul ainda não tem

“Todos serão remunerados e aprenderão muito com profissionais como Ruy Guerra”, diz Cloris Ferreira.

36 tela viva abril de 2003

muita repre­sen­ta­ti­vi­da­de na pro­du­ção audio­­vi­sual nacio­nal, prin­ci­pal­men­te os esta­dos do Para­ná e Santa Cata­ri­na”, diz Clo­ris Fer­rei­ra, da Arau­cá­ria. Orça­do em R$ 4 ­ milhões, o filme será roda­do em 35 mm no Oeste do Esta­do, prin­ci­pal­men­te em Lon­dri­na. A mão-de-obra virá quase toda, cerca de 70%, de pro­fis­sio­nais for­ma­dos nas ofi­ci­nas de cine­ma pro­mo­vi­das pela

Longa-METRAGEM diri­gi­do por Ruy Guer­ra usou mão-de-obra FORMADA NAS OFICINAS DO ESTADO. Arau­cá­ria, que pro­duz anual­men­te um curta-metra­gem de fic­ção em 35 mm e um docu­men­tá­rio em vídeo nas ofi­ci­nas do fes­ti­val de Curi­ti­ba. Para diri­gir o filme e coor­de­nar o tra­ba­lho dos recém-for­ma­dos, foram cha­ma­dos Ruy Guer­ra, dire­tor do filme, e Janaí­na Diniz, assis­ten­te de dire­ção. Para pre­pa­rar os ato­res, quem veio foi Sér­gio Penna. “Já fize­mos 50 das 160 ofi­ci­nas pre­vis­tas”, conta Clo­ris. As 50 ofi­ ci­nas acon­te­ce­ram em Lon­dri­na e foram divi­di­das em qua­tro módu­ los: rotei­ro, pro­du­ção, inter­pre­ta­ção (para ato­res) e assis­tên­cia de dire­ ção. No final de abril devem come­çar as ofi­ci­nas téc­ni­cas, divi­di­das em temas como dire­ção de foto­gra­fia, elé­tri­ca, mon­ta­gem, assis­tên­cia de câme­ra etc. Das ofi­ci­nas serão sele­ cio­na­dos aque­les que tra­ba­lha­rão no filme. “Todos serão remu­ne­ra­dos e ainda pode­rão apren­der muito, tra­ba­ lhan­do com pro­fis­sio­nais como Ruy Guer­ra”, diz Clo­ris. Como só foram cap­ta­dos R$ 500 mil dos R$ 4 ­ milhões (R$ 1 ­ milhão para as ofi­ci­nas e R$ 3 ­milhões para a pro­du­ção do longa-metra­gem), Clo­ ris tem se des­do­bra­do para rea­li­zar os cur­sos. “Cobra­mos entre R$ 50 e R$ 80 dos alu­nos, depen­den­do do tema da ofi­ci­na e ainda esta­mos colo­can­do dinhei­ro da Arau­cá­ria. Tam­bém rece­be­mos das empre­sas ­locais peque­nas doa­ções em dinhei­ro e ajuda na logís­ti­ca, como ali­men­ ta­ção e trans­por­te para os pro­fes­so­ res”, expli­ca Clo­ris. Além disso, as aulas são minis­tra­das em shop­ping

Cena do filme “Terra Vermelha”.

cen­ters, TVs, uni­ver­si­da­des e fun­da­ ções que ­apóiam a ação. Pelo cro­no­gra­ma esta­be­le­ci­do para a pro­du­ção do filme, as fil­ ma­gens devem come­çar no iní­cio do segun­do semes­tre. O lan­ça­men­to está pre­vis­to para o iní­cio de 2004. Ver­são bar­ri­ga verde Num pro­je­to mais modes­to, orça­do em R$ 1,2 ­ milhão, a Arau­cá­ria tam­bém está pro­du­zin­do, em par­ce­ria com a RBS, um filme em Santa Cata­ri­na. Nos mes­mos mol­des de “Terra Ver­me­ lha”, “Vale dos Afo­ga­dos”, basea­do em con­tos de Flá­vio Car­do­so, tam­ bém usa 70% de mão-de-obra local. O longa-metra­gem, que está ini­cian­do a fase de fil­ma­gem, tem dire­ção de Geral­do ­Moraes e Marco Ricca e Lucé­ lia San­tos no elen­co. As fil­ma­gens estão sendo fei­tas em Nave­gan­tes e as ofi­ci­nas, dez no total, foram fei­tas em ­várias cida­des do Vale de Ita­jaí. fernandolauterjung

x

Fotos: Divul­ga­ção


N達o disponivel


ABRIL

A revis­ta TELA VIVA pro­mo­ve entre os dias 06 e 08 de maio, o IV Fórum Bra­sil de Pro­ 14 a 02/05 — Curso: Edição Digital gra­ma­ção e Pro­du­ção, que reu­ni­rá os nomes em Avid. Escuela Internacional de Cine y mais impor­tan­tes da pro­du­ção nacio­nal, tele­ TV, Cuba. Informações no Projeto Proarte vi­são, TV paga, cine­ma, gover­no e ana­lis­tas Brasil. Fones: (22) 2629-1493 / 9217-1620. do setor. E-mail: alfrec@uol.com.br / patriciamartin@ Esta ano o Fórum con­ta­rá com a mos­tra Vitri­ne uol.com.br. Tela Viva da Pro­du­ção Nacio­nal, exi­bin­do pro­du­ ções dis­po­ní­veis para comer­cia­li­za­ção em TV, 14 a 02/05 — Curso: Story-board: da TV por assi­na­tu­ra e home­vi­deo, Palavra à Imagem. Escuela Internacional Fone: (11) 3120-2351. de Cine y TV, Cuba. Informações no Projeto E-mail: info@convergeeventos.com.br. Proarte Brasil. Fones: (22) 2629-1493 / Internet: www.convergeeventos.com.br. 9217-1620. E-mail: alfrec@uol.com.br / patriciamartin@ uol.com.br.

MAIO

07 a 13 — XII Cine Ceará - Festival Nacional de Cinema e Vídeo. E-mail: festivalcineceara@festivalcineceara.com.br. Internet: www.festivalcineceara.com.br.

JULHO

05 a 16 — Curso: Roteiro Cinematográfico. Escuela Internacional de Cine y TV, Cuba. Informações no Projeto Proarte Brasil. Fones: 27 a 31 — SIGGRAPH 2003. San Diego (22) 2629-1493 / 9217-1620. E-mail: alfrec@ Convention Center, San Diego, USA. Fone: (1- 719) 599-3734. uol.com.br / patriciamartin@uol.com.br. E-mail: cmg@siggraph.org. Vitri­ne Tela Viva

(

)

Internet: www.siggraph.org.

SETEMBRO 3 a 5 — SET 2003 - Rio de Janeiro. Pavilhão de Congressos do Riocentro, Rio de Janeiro. Fone: (21) 2512-8747. E-mail: set@set.com.br. 11 a 16 — IBC 2003 - International Broadcasting Convention. Amsterdam RAI, Amsterdã, Holanda. Fone: (44-20) 7611-7500. Fax: (44-20) 7611-7530. E-mail: show@ibc.org. Internet: www.ibc.org.

OUTUBRO 07 a 09 — ABTA 2003. Pavilhão Verde, Expo Center Norte, São Paulo, SP. Fone: (11) 3120-2351. E-mail: sales@abta2003.com.br. Internet: www.abta2002.com.br.


N達o disponivel


N達o disponivel

Revista Tela Viva 126 - Abril 2003  
Revista Tela Viva 126 - Abril 2003  

Revista Tela Viva 126 - Abril 2003

Advertisement