Issuu on Google+


18 e 19 de agosto de 2009 PALESTRAS E MESAS-REDONDAS ❑ Sustentabilidade planetária: propostas no campo das religiões ❑ Sustentabilidade e a sobrevivência da humanidade ❑ Religiões e a criação de uma ética global para salvar o meio ambiente ❑ O papel vital das antigas e novas religiões na conservação do meio ambiente Local: R. Morgado de Mateus, 77 - V. Mariana - São Paulo - SP Informações: (11) 5081-5888 ou 5087-5134 cursos@faculdademessianica.edu.br Inscrições pelo site: www.faculdademessianica.edu.br/simposio CICLO DE ESTUDOS - RELIGIÃO E MEIO AMBIENTE 20 a 25 de agosto - a programação está disponível no site: www.faculdademessianica.edu.br/simposio REALIZAÇÃO

APOIO

29 de agosto de 2009 Assuntos em pauta (entre outros): - A evolução das leis ambientais nos últimos anos e sua contribuição para a formação da cidadania. - Horta na escola - educando para a sustentabilidade na Bacia do Guarapiranga. - A importância da educação na formação das gerações futuras: questões humanas e ambientais.

Local: Rua Morgado de Mateus, 77 - Vila Mariana - São Paulo - SP Informações: tel.: 11 5087-5004 com Patrícia ou cpesq@fmo.org.br


ÍNDICE

Direito Ambiental FMO sedia Congresso de Direito Ambiental

6

Culto do Paraíso Terrestre O dia em que nasceu o Paraíso Terrestre

10

Alimentação saudável Horta caseira - a Agricultura Natural dos amadores

14

Fundação Mokiti Okada É bom conviver com a arte em qualquer idade

16

Divulgação científica Bactérias do Bem

Arte da capa (Sérgio Carnier): Monumento no topo do monte Nokoguiri (Japão). A inscrição “Ten Kei Seiseki” significa “Monumento Sagrado da Revelação Divina”

FOTO: BIANCA HASSIB

5

IZUNOME

4

Editorial Modelos de um ser humano paradisíaco

JUNHO / 2009 –

3


EDITORIAL

IZUNOME

Modelos de um ser humano

paradisíaco o dia 14 de junho, no Solo Sagrado de Guarapiranga, comemoramos solenemente uma das datas magnas do calendário messiânico - o Culto do Paraíso Terrestre. Na saudação que dirigiu aos cerca de 25 mil participantes da cerimônia, o Rev. Hidenari Hayashi nos levou a uma reflexão sobre o significado da “Oração Messiânica”, que entoamos diariamente. Entre outros, ele destacou o trecho final da oração - “Fazei-nos puros e poderosos veículos da Vossa Luz, abençoando aqueles com quem estivermos”, relacionando-o com a orientação que recebemos em maio do presidente mundial da IMM, Revmo. Tetsuo Watanabe, quando ele afirmou que, para recebermos Kyoshu-Sama no Brasil, em novembro, o melhor presente que poderíamos preparar seria cada messiânico tornar-se um modelo do ser humano paradisíaco, que pensa permanentemente em como fazer seu semelhante feliz. Nidai-Sama, nossa segunda Líder Espiritual, também está presente nessa edição como pioneira do incentivo à prática da horta caseira, uma prática que, agora, Michelle Obama, a primeiradama dos Estados Unidos, está implantando na Casa Branca, com a ajuda de estudantes de uma escola de Washington. Através do Centro de Pesquisa da Fundação Mokiti Okada, esse trabalho já vem sendo desenvolvido na Escola Estadual Paulino Nunes Esposo, em Parelheiros, na capital paulista. O trabalho, inicialmente voltado apenas para os alunos, agora foi ampliado e envolve os professores e os pais dos adolescentes. Confira. Bactérias e toxinas animais são tema da matéria sobre alimentação, preparada pelo setor de Saúde da Fundação Mokiti Okada. E, para desmistificar a imagem de que bactérias são sempre nocivas, preparamos um texto sobre uma pesquisa divulgada recentemente que mostra que há bactérias do bem e que, sem elas, nós teríamos sérios problemas de saúde. O texto vem ilustrado com um Ensinamento de Meishu-Sama intitulado “De inorgânico a orgânico”, publicado pela primeira vez em português. Nesta edição, você vai conhecer também como as atividades desenvolvidas pela Fundação Mokiti Okada estão conseguindo fazer interagir “jovens” de todas as idades, e os benefícios que essa interação está trazendo para eles. Também vai conhecer alguns trabalhos que estão sendo desenvolvidos pela Faculdade Messiânica com um grupo de jovens missonários, mas que estão abertos à participação de pessoas interessadas em mergulhar no estudo sistemático dos Ensinamentos de Meishu-Sama, de modo a colaborar para a estruturação da Teologia Messiânica. Boa leitura.

N

REVISTA IZUNOME Elaboração: Divisão Editorial da Igreja Messiânica Mundial do Brasil Diretor da Divisão: Rev. Carlos Roberto Sendas Ribeiro Produção: Fundação Mokiti Okada - M.O.A. Redação e Administração: Rua Morgado de Matheus, 77 – 1º andar – CEP 04015-050 – Vila Mariana – São Paulo – SP – Tel. (0xx11) 5087-5145 Jornalista responsável: Antonio Ramos de Queiroz Filho (MTb 21898) – E-mail: toni.ramos@messianica.org.br Edição de Arte: Kioshi Hashimoto Redação: Marcelo Falsarella Revisão: Ivna Fuchigami Fotografia: Ricardo Fuchigami Ilustrações: Juhi Lee Arte da capa: Sérgio Carnier Tiragem para o Brasil: 80 mil exemplares Impressão: Editora Abril Edição internacional especial para Japão, Europa, Estados Unidos e América Latina Coordenação de impressão e distribuição: Departamento Internacional da Sede Geral da IMM, Atami, Japão Tiragem: 3 mil exemplares Acesse nossos sites:

SEKAI KYUSEI KYO IZUNOME

www.messianica.org.br

4

www.fmo.org.br

– JUNHO / 2009

www.solosagrado.org.br

www.johvem.com.br

www.korin.com.br

www.planetaazul.com.br

www.izunome.jp


MEIO AMBIENTE

IZUNOME

FMO sedia Congresso de

Direito Ambiental A senadora e ex-ministra do Meio Ambiente, Marina Silva, homenageada no evento.

Prof. Eckard Rehbinder, outro homenageado no Congresso Internacional.

Abertura do Congresso Internacional. À direita, o presidente da FMO, Rogério Hetmanek.

erca de 500 pessoas, entre promotores de justiça, procuradores, advogados, professores e estudantes de direito de várias partes do Brasil e de outros países, reuniram-se, no período de 31 de maio a 4 de junho, na sede da Fundação Mokiti Okada (FMO), em São Paulo, para participarem do mais tradicional evento de Direito Ambiental da América Latina: o 13º Congresso Internacional de Direito Ambiental, o 14º Congresso Brasileiro de Direito Ambiental, o 4º Congresso de Direito Ambiental dos Países de Língua Portuguesa e Espanhola e o 4º Congresso Nacional de Estudantes de Direito Ambiental, promovidos pelo Instituto O Direito Por Um Planeta Verde. O encontro, que há oito anos conta com o apoio da FMO e da Igreja Messiânica Mundial do Brasil, neste ano teve como tema “Direito Ambiental, Mudanças Climáticas e Desastres: Impactos nas Cidades e no Patrimônio Cultural”. Anualmente, o evento homenageia uma ou mais personalidades, e os escolhidos deste ano, foram a senadora e ex-ministra do Meio Ambiente, Marina Silva, e o professor de Direito Econômico, Direito Ambiental e Direito Comparado da Universidade Wolfgang Goethe de Frankfurt, Alemanha, Eckard Rehbinder. Os dois foram escolhidos pelos relevantes serviços prestados à proteção ambiental. Ela, por ser um paradigma da ética e da sustentabilidade ambiental e ele, por ser pioneiro do Direito Ambiental alemão e europeu.

C

Durante a abertura do Congresso Internacional, a ex-ministra declarou que “o século 21 é o momento de promover a justiça ambiental e de nos conscientizarmos que a capacidade de regeneração do planeta já está perdida em 30%. Portanto, é o momento de desenvolvermos o bom senso em nossa relação com a natureza, sabendo que temos que viver em harmonia e com respeito ao meio ambiente.” O presidente da Fundação, Rogério Hetmanek, saudou os participantes e reforçou a importância de uma sociedade virtuosa, que nasce da alma humana, a origem da autêntica virtude. “Os homenageados de hoje trazem uma esperança para o direito ambiental”, finalizou. Ao longo do Congresso, diversos assuntos foram abordados, tais como o alerta para a situação de diversas áreas do planeta que já sofrem com os efeitos do agravamento do aquecimento global; ética na cidade; o direito à cidade sustentável; resíduos sólidos urbanos e saneamento ambiental; estatuto da cidade, planos diretores e regularização fundiária. Como a proteção ambiental é uma preocupação constante da Fundação Mokiti Okada, no mês de agosto serão realizados mais dois eventos referentes ao Meio Ambiente: o Simpósio “Sustentabilidade Planetária”, nos dias 18 e 19, e o XI Resguardando Nosso Futuro, com o tema: “Pedagogia da Sustentabilidade na formação do cidadão do futuro”, no dia 29. Informações já disponíveis no site da FMO: www.fmo.org.br. JUNHO / 2009 –

5


CULTO DO PARAÍSO TERRESTRE

15 de junho de 1953 - o dia do nascimento

IZUNOME

IZUNOME

CULTO DO PARAÍSO TERRESTRE

do Par aíso Terrestre FOTO: CELINA WATANABE

om-dia a todos! Estão passando bem? Em primeiro lugar, quero parabenizar a todos os senhores pela sincera dedicação à expansão da Obra Divina no Brasil e congratular-me pela participação no maravilhoso culto do dia de hoje. Hoje à noite, mais de 80 caravanistas brasileiros vão participar do Culto do Paraíso Terrestre no Solo Sagrado de Atami, Japão, representando todos os messiânicos do Brasil. No início deste mês de junho, mais uma vez, foi realizado o Congresso Internacional do Direito Ambiental na Sede Central da nossa Igreja, marcando a semana do meio ambiente, com a presença de magistrados e advogados, que discutiram novas leis ambientais para o Brasil. Bem, acabamos de celebrar o Culto do Paraíso Terrestre, que será também realizado amanhã, em todas as áreas do Brasil, comemorando o dia 15 de junho. Nesta data do ano de 1931, Meishu-Sama recebeu a revelação divina sobre o início da Transição da Era da Noite para a Era do Dia. A Luz, que começou a brilhar no mundo espiritual, iria se refletir, pouco a pouco, no Mundo Material, dando início à construção do Paraíso Terrestre. Porém, somente 22 anos depois, em 15 de junho de 1953, Meishu-Sama comemorou o “Nascimento do Paraíso Terrestre”, por ocasião da inauguração do Solo Sagrado de Hakone, quando disse: “Como a conclusão do Paraíso Terrestre do Solo Sagrado de Hakone simboliza o próprio nascimento do paraíso na Terra, creio que, por se tratar de um dos eventos mais auspiciosos ocorridos desde o início dos tempos, este dia será comemorado mundialmente por toda a eternidade. Por isso, é provável que, futuramente, o dia 15 de junho venha a se tornar o dia do Culto do Nascimento do Paraíso Terrestre...” Em parte, isso vem acontecendo, não é? Ainda não é mundialmente, mas em todos os países onde existe a Igreja Messiânica, esse dia já é comemorado! Trazendo este acontecimento para o nível do sentimento humano, a transição significa a transformação da era do egoísmo e do materialismo para a era do altruísmo e do espiritualismo. Nós acabamos de entoar a Oração Messiânica, cujo conteúdo se refere exatamente ao nascimento do Paraíso Terrestre. Apesar de nós a entoarmos diariamente, gostaria de fazer hoje, aqui junto com os senhores, uma reflexão sobre esse conteúdo. Vou falar pausadamente para refletirmos em cada uma de suas palavras. Ela começa assim:

B

6 – JUNHO / 2009

Reverendo Hidenari Hayashi, presidente da Igreja Messiânica Mundial do Brasil.

Ó Supremo Deus, Criador e Doador de toda vida! Pela vossa divina vontade, a longa Era da Noite aproxima-se do seu fim. Estais liberando a vossa Luz, para a chegada da gloriosa nova era, a que a humanidade há muito vem aspirando. Essa parte fala claramente sobre o significado do dia de hoje, relacionado à chegada da Era do Dia. Depois, continua... Agradecemos por nos guiar ao Vosso Plano. Agradecemos o privilégio de receber e ministrar a Vossa Luz. Aqui significa que, como membros, recebemos a grande permissão de poder dedicar na Obra Divina e ministrar o Johrei, a poderosa Luz de Deus, a qualquer pessoa, a qualquer hora e em qualquer lugar. É uma grande permissão, não é mesmo? Sejam o nosso espírito e corpo iluminados e purificados, e que possamos viver a Verdade que nos concedestes por intermédio de Meishu-Sama. Fazeinos puros e poderosos veículos da Vossa Luz, abençoando aqueles com quem estivermos. E finaliza: Possa o Vosso Plano ser concretizado e que a paz, a saúde e a prosperidade se tornem realidade. Eu gostaria de me fixar nesta frase: Fazei-nos puros e poderosos veículos da Vossa Luz, abençoando aqueles com quem estivermos. Creio que esta frase sintetiza a orientação que recebemos, no mês passado, do reverendíssimo Watanabe, quando ele anunciou a auspiciosa e tão esperada vinda de Kyoshu-Sama ao Brasil, no próximo mês de novembro. Realmente, será um momento histórico para todos

nós messiânicos. E como preparação para recebê-lo, ele perguntou: Qual presente faria Kyoshu-Sama mais feliz? E ele mesmo respondeu: O melhor presente é cada um de nós nos tornarmos modelos do ser humano paradisíaco, que pensa na felicidade dos outros. Por isso, é preciso treinar a prática do altruísmo, porque a era em que vive o homem paradisíaco é a Era do altruísmo e do espiritualismo. E essa foi a tarefa deixada pelo nosso presidente, que é a prática do Sonen de Altruísmo. Ele até contou uma pequena história para facilitar a nossa compreensão, não foi? Os senhores estão lembrados da história da recepcionista do restaurante da Disneylândia que percebeu a tristeza do casal que perdeu sua única filha? O casal já estava prestes a se separar após a triste perda. Graças ao bom coração da funcionária do restaurante, eles encontraram uma nova motivação para recomeçar a vida a dois. Quem não ouviu ou ainda não leu essa história,

por favor, consulte o último número da revista IZUNOME, dentro da palestra do revmo. Watanabe, ou acesse o website da Igreja. O ponto vital dessa história é que a situação só se reverteu porque a recepcionista demonstrou seu amor altruísta e sua compaixão, ao perceber a tristeza dos dois. E, fazendo o casal feliz, ela causou não só sua própria felicidade, como a de toda a equipe de funcionários e até do resto do restaurante, que festejaram o aniversário alegremente. A “Prática do Sonen de Altruísmo”, que o reverendíssimo Watanabe nos deixou, é ter sempre este sonen de querer fazer a felicidade do próximo, a qualquer hora e em qualquer lugar. E ele lembrou aquele poema em que Meishu-Sama diz que a felicidade que sentimos ao fazermos o outro feliz, é uma felicidade inigualável. Isto é, quem conseguir sentir esse maravilhoso sabor que só é sentido ao fazer o outro feliz, vai se tornar tão fã dessa prática, que vai querer fazer para sempre.

FOTO: TONY TAJIMA

O Culto do Paraíso Terrestre contou com a participação de cerca de 25 mil pessoas.

JUNHO / 2009 –

7


Vai aproveitar todas as oportunidades para fazer os outros felizes, como se fosse um “viciado” em altruísmo! Esse seria um vício do bem, que todos deveriam ter... Entretanto, pensar sempre na felicidade do próximo pode parecer fácil, mas ter esse Sonen constante dentro de si exige muito empenho no treinamento. Quando falamos em prática do sonen, estamos falando de um treinamento da nossa postura de pensar e agir. E treinamento, como todo mundo sabe, é repetição. Repetindo, repetindo até ficar automático e fazer parte do nosso viver. Na Obra Divina é a mesma coisa. Temos que ministrar muito Johrei, dedicar bastante, treinar para agradecer SEMPRE, em qualquer circunstância, cultivar o sonen de SEMPRE procurar fazer a felicidade do próximo. É um treino constante, seja no nosso lar, seja no ambiente de trabalho, seja na escola. Quando nos empenhamos com amor em prol do nosso semelhante, Deus certamente atuará dentro do nosso amor e, então, Ele deixa o milagre acontecer, cura as dores do coração de quem cuidamos e leva essa pessoa ao caminho da felicidade. Foi isso que aconteceu com aquela recepcionista. Meishu-Sama nos ensinou: “Se você quer concretizar a vontade de Deus, torne-se uma pessoa que deseje a felicidade do seu próximo.” Essa é a preparação que devemos fazer durante os próximos meses para recebermos Kyoshu-Sama. Para encerrar, gostaria de apresentar uma novidade que me deixou muito feliz. É que ficou pronto o novo álbum com muitas fotos maravilhosas do nosso Solo Sagrado. Ele estará disponível a partir da semana que vem. Portanto, quem estiver interessado, poderá procurar o representante da Fundação Mokiti Okada da sua área, para reservar o seu. Tenho certeza de que todos vão gostar! Muito obrigado e uma boa missão a todos!!! FOTO: BIANCA HASSIB

Exposição sobre meio ambiente, no Centro Cultural do Solo Sagrado.

8 – JUNHO / 2009

TRONO DE KYOSHU

ENSINAMENTO DO MÊS

IZUNOME

IZUNOME

CULTO DO PARAÍSO TERRESTRE

Sou um cientista em religião [...] O acontecimento extraordinário a que me refiro é a grande mudança que está para ter início no mundo. Um acontecimento surpreendente, jamais imaginado pela humanidade, isto é, um fenômeno histórico: a Transição da Noite para o Dia. Para entendê-lo, torna-se necessário um estudo do ponto de vista Tempo. No Mundo Espiritual há transição da noite para o dia em períodos de dez, cem, mil ou milhões de anos. [...] É claro que, dependendo do caráter das coisas e da sua grandeza – maior, média ou menor – elas se refletem do espírito para a matéria com maior ou menor rapidez, mas o essencial move-se com precisão. Agora está justamente ocorrendo a transição de um período de três mil anos; estamos no alvorecer de um novo período. Já me referi a isso antes, e até a data acha-se bem definida. Foi a 15 de junho de 1931 que o Mundo Espiritual começou a se transformar em dia. A mudança se processará até certo tempo e gradualmente se refletirá no Mundo Material. Gostaria de dar uma explicação mais profunda, mas vou abreviá-la, porque teria de entrar no campo da Religião. Entretanto, é preciso acreditar no que estou dizendo, pois se trata da verdade absoluta. O fato de o Mundo Espiritual estar se tornando dia significa que há uma intensificação do elemento fogo. Apesar de ser uma mudança gradativa,já está se projetando no Mundo Material. Assim, o mundo em que a água predominava sobre o fogo, tornar-se-á o mundo em que o fogo predominará sobre a água. Através da ciência da matéria não se pode perceber tal fenômeno, mas as pessoas dotadas de alta espiritualidade conseguem percebê-lo plenamente. Com essa mudança, todos os problemas para os quais não se encontrava solução, serão resolvidos de maneira clara e precisa. Com base no que acabo de expor, vou criar a Verdadeira Civilização elevando o nível da Ciência atual. 7 de abril de 1954

JUNHO / 2009 –

9


TEOLOGIA MESSIÂNICA

IZUNOME

Núcleo de Estudos da

Faculdade Messiânica estimula a pesquisa fim de estimular a excelência da formação acadêmica dos alunos do curso de graduação em Teologia, a Faculdade Messiânica organiza, desde março de 2009, o Núcleo de Estudos de Iniciação Científica com a finalidade de pesquisar e sistematizar os estudos sobre a Teologia Messiânica. Para formular as linhas de pesquisa, foi realizado um levantamento dos trabalhos desenvolvidos pelos setores da Fundação Mokiti Okada, mantenedora da Faculdade, no qual ficou caracterizada a importância de estudar e transcrever alguns temas de forma acadêmica. “A partir disso, quatro grupos foram criados, sendo que dois já iniciaram suas atividades: ´Teologia e Filosofia”, orientado pela coordenadora pedagógica do curso de Teologia, Andréa Gomes Santiago Tomita, e “Espiritualidade e Saúde”, sob a supervisão da professora Maria Inês Aubert. No segundo semestre, vão começar os trabalhos dos núcleos: “O Belo e a Espiritualidade”, coordenado pela professora Eunice Vaz Yoshiura, e “Religião e Educação”, pela professora Rita Laura Cavalcante. As linhas de pesquisa têm por finalidade o desenvolvimento de projetos; assim, o grupo de estudos “Teologia e Filosofia” tem como projeto a “Sistematização Teológica dos Textos de Meishu-Sama”, e é coordenado pelo professor Elton Nunes. A iniciativa pretende mapear e selecionar os textos do fundador da Igreja Messiânica Mundial do Brasil, com vistas à estruturação do conceito de Deus na religião messiânica. Neste grupo, cinco alunos estão participando das pesquisas juntamente com alguns professores. Há ainda um subprojeto de estudos em liturgia messiânica orientado pelo professor Emilson dos Anjos. Para o aluno Jefferson Augusto Gimenes da Hora as atividades são uma ótima oportunidade para fundamentar os Ensinamentos de Meishu-Sama. “Vamos nos tornar pesquisadores, estamos aprendendo como fazer isso e, com a sistematização da Teologia Messiânica, conseguiremos difundi-la no meio acadêmico. É gratificante poder cooperar com estes estudos”, conta ele. A linha de pesquisa “Espiritualidade e Saúde” tem a participação do antropólogo Marcelo Mercante, da coordenadora do setor de saúde da FMO, Eny Marcia Ruggerini, e mais dois alunos da graduação. Eles estão analisando “O papel da espiritualidade nos processos

A

Ao fundo, à esquerda, Alexandre Koji Kobata. A seu lado, à direita, Jefferson Augusto Gimenes da Hora.

de cura”, no qual vão investigar como as práticas messiânicas como o Johrei e a Prática do Sonen, aliadas à alimentação natural e à atividade física podem atuar na qualidade de vida das pessoas portadoras de doenças crônicas não transmissíveis como: obesidade, hipertensão, diabetes, entre outras. O aluno e integrante do grupo, Alexandre Koji Kobata, quer levar o resultado dos trabalhos para a sociedade e apresentá-lo como alternativa no campo da saúde. “É ótimo participar desta iniciativa porque a saúde é a condição fundamental para o ser humano construir o Paraíso Terrestre, e os métodos messiânicos como Agricultura Natural, o conceito sobre o processo de purificação e o Johrei são as ferramentas para tal. Precisamos sistematizar a teologia para que todos tenham acesso a estas práticas”. A Faculdade também está desenvolvendo outro projeto, de caráter interinstitucional e referente aos estudos da língua e cultura japonesa. Ele é orientado pela professora Neide Nagae, em parceria com o setor de Tradução da IMMB, por intermédio da professora Geórgia Raffo. Segundo Maria Inês Aubert “os trabalhos são densos, a conclusão das análises deve definir claramente os objetivos gerais e específicos, bem como ampliar os conceitos por meio das leituras e pesquisas para se ter um trabalho bem fundamentado”. Os estudos ocorrem semanalmente com duração de duas horas. A participação no Núcleo de Estudo corresponde à parte das atividades complementares previstas na grade do curso de Teologia. Alunos e pesquisadores interessados em conhecer os trabalhos devem entrar em contato pelo e-mail: pesquisa@faculdademessianica.edu.br JUNHO / 2009 –

9


ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL

Horta caseira: a No primeiro número da revista “Tijo Tengoku“, publiquei um minucioso artigo sobre a Agricultura Natural, dirigido aos agricultores profissionais. Desta vez, enfocarei as hortas caseiras. Como tenho publicado, na referida revista e no nosso jornal, os excelentes resultados obtidos através desse novo método agrícola, acredito que os leitores tenham entendido, em parte, as suas vantagens. Posso afirmar que, no caso das hortas caseiras, feitas por amadores, a boa-nova da Agricultura Natural é como a luz que surge nas trevas. Nelas, utilizava-se principalmente o estrume, cujo manuseio é insuportável sob vários aspectos, inclusive olfativo. Adotando-se o cultivo sem adubos, esse sofrimento desaparece, e o trabalho, por ser higiênico, torna-se agradável. Além disso, os resultados são bem melhores e o trabalho é menor, matando-se dois coelhos numa só cajadada. Vou enumerar as vantagens do método:

1 – Sendo utilizados apenas compostos naturais, não há o mal-estar causado pelo uso do estrume, e o trabalho é menor. 2 – As verduras obtidas são da melhor qualidade, e o seu sabor nem se compara ao das verduras tratadas com adubos. 3 – O volume e a quantidade dos produtos são maiores. 4 – O aparecimento de pragas reduz-se a uma pequena fração do que acontece no caso do emprego de adubos; portanto, não há necessidade de defensivos. 5 – Não existe problema de transmissão de larvas e pragas. Muitas outras vantagens poderiam ser citadas: relacionei apenas as principais”. Meishu-Sama A higiênica e agradável Agricultura Natural nas hortas caseiras Alicerce do Paraíso, vol 4

A prática da horta caseira (...) “Os Ensinamentos sobre a Agricultura Natural não foram deixados apenas para os produtores. Portanto, gostaria que os consumidores também se interessassem e ingerissem o máximo de alimentos produzidos por esse método agrícola. Se tiverem algum espaço vazio no quintal ou jardim de casa, não importando o tamanho, gostaria que o utilizassem na prática do nosso método agrícola pois, assim, teriam a todo instante produtos frescos e puros. Por ocasião do Culto Mensal, ofereceriam produtos impregnados de amor, mesmo que em pequena quantidade. Quem mora em apartamento e não tem nenhum espaço vazio poderá, mesmo assim, cultivar cheiro-verde ou pequenas plantas em vasos. No verão, poderá colher até mesmo berinjela ou pimentão. Só depende da nossa vontade, e poderemos oferecer esses produtos a Deus e receber as bênçãos Divinas através da sua ingestão. Acredito que muitas pessoas já estejam fazendo isso. Gostaria que aquelas que ainda não estiverem, começassem a fazê-lo. Deus ficará muito feliz, pois esta prática é um modelo que podemos chamar de produção auto-suficiente. Em suma, meu desejo é que, tão cedo quanto possível, possa haver uma horta caseira na casa de todos os membros da nossa Igreja, sejam eles produtores ou consumidores”. Ensinamento de Nidai-Sama Coletânea “A Fonte da Sabedoria” - Prática da Fé 1º de Março de 1961.

10

– JUNHO / 2009

Agricultura Natural dos amadores ecentemente Michelle Obama, a primeira-dama dos Estados Unidos, atraiu a atenção da mídia internacional com a revelação de que irá criar, na Casa Branca, uma horta orgânica. Segundo o que foi divulgado pela mídia, vinte e três alunos que cursam a quinta série de uma escola de Washington irão ajudá-la na tarefa de plantar, colher e fazer o cozimento de mais de 55 tipos de vegetais, frutas e ervas. “Berries” – pequenas frutas como amoras, framboesa e morango – também vão ser cultivadas. Um item, porém – a beterraba – não vai ter espaço na horta, por um motivo muito simples – o presidente Barak Obama não gosta. As crianças que vão participar desse trabalho já têm alguma experiência no assunto uma vez que, desde 2001, um projeto similar vem sendo desenvolvido na escola que elas frequentam. Michelle Obama parece empenhada em contribuir para que o hábito de plantar o que vai ser consumido pela família possa se espalhar não apenas pelos Estados Unidos mas pelo mundo, uma vez que ele pode gerar alimentos frescos, saudáveis e típicos de cada região. Os Estados Unidos enfrentam um grave problema de crescimento quase epidêmico da população obesa e diabética, por causa dos hábitos alimentares desregrados. É uma ótima iniciativa, mas Michelle não é a pioneira. Eleonor Roosevelt, esposa do presidente americano Franklin Delano Roosevelt, iniciou sua horta caseira ainda durante a Segunda Guerra Mundial. No Brasil, na cidade de São Paulo, o Centro de Pesquisa Mokiti Okada vem desenvolvendo, desde 2006, um projeto em parceria com a Subprefeitura de Parelheiros, na zona sul da capital paulista. O trabalho tem levado conhecimento e valores importantes ao cotidiano

R

dos alunos da Escola Estadual Paulino Nunes Esposo. Em 2008, o projeto “Horta na Escola” recebeu o prêmio máximo de um concurso que envolveu projetos aplicados em instituições de ensino de todo o país, em cerimônia intitulada “As empresas mais admiradas do Brasil”. Este ano, o trabalho foi ampliado. Antes, envolvia apenas os alunos da 5ª e 7ª série. Agora, estudantes da 8ª série bem como pais e professores estão envolvidos no desenvolvimento do que eles chamam “horta vertical”. Essa atividade faz parte do projeto “Horta na Escola – Educando para a Sustentabilidade na Bacia da Guarapiranga”, apoiado pelo Centro de Pesquisa da Fundação Mokiti Okada há três anos.

Horta dos alunos da Escola Estadual Paulino Nunes Esposo, em Parelheiros, SP. Projeto da FMO que envolve pais e professores.

JUNHO / 2009 –

11

IZUNOME

IZUNOME

ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL


IZUNOME

FUNDAÇÃO MOKITI OKADA - ALIMENTAÇÃO

Carne vermelha: Sobre bactérias e toxinas do próprio animal LUIS FERNANDO BUCK E MARIA TEREZA CASULLI

uando nos sentamos à mesa para saborear um belo almoço, estamos exercendo o papel do consumidor e, como tal, seria bom se tivéssemos alguns dados do que acontece antes e depois da refeição. É lógico que o prazer de comer tem que ser a prioridade, mas junto com este deleite há um comprometimento de nosso futuro, porque a máxima “você é o que come” é verdadeira. Vamos lançar um olhar sobre um dos aspectos da produção da carne vermelha que, esperamos, que seja útil nas suas próximas decisões. No momento do abate, as toxinas que estavam em processo de eliminação do organismo do animal permanecem na carne, bem como as bactérias e os vermes que ele tem dentro de si. O armazenamento, a manipulação, o transporte e a comercialização são fatores responsáveis que podem agravar ainda mais a proliferação de microrganismos. A putrescina e a cadeverina são duas, entre as diversas toxinas presentes na carne que podem penetrar na circulação sanguínea e comprometer o equilíbrio orgânico do indivíduo. Portanto, na hora da compra, é necessário verificar se a carne possui o selo de certificação de produção orgânica. Além disso, relembramos a orientação de restringir a carne vermelha a duas porções na semana. Outras fontes de proteína animal ou vegetal poderão substituí-la e ser consumidas diariamente. Torne-se um consumidor consciente!

SUGESTÕES SAUDÁVEIS

Q

Fonte: Nutrição Vital: uma abordagem holística da alimentação e saúde / Soraya Terra Coury – Brasília: LGE Editora, 2004.)

SOPA DE OVO Rendimento: 1 porção de 500ml Ovo batido 1 unidade 50g Caldo de frango ½ litro 500ml Cogumelos shitake frescos 6 unidades 35g Alga nori 1 folha Sal marinho 1 colher de chá 3g Óleo de gergelim 1 colher de café 2 ml Preparar um caldo de frango utilizando: uma carcaça de frango da Korin, uma cebola cortada em quatro, 2 dentes de alho descascado, 2 folhas de louro, 1 colher de chá de sal e uma pitada de pimenta. Cobrir com água e deixar reduzir o volume. Coar e reservar. Com auxílio de uma tesoura, cortar a folha de alga nori em tiras finas. Reservar. Fatiar os cogumelos shitake. Reservar. Em uma panela, levar o caldo de frango ao fogo. Colocar os cogumelos shitake no caldo de frango quente e temperar com sal e óleo de gergelim. Acrescentar a alga ao caldo e abaixar o fogo. Bater o ovo e adicionar rapidamente à sopa. Retirar do fogo e servir em seguida.

Produtos com maior oferta em julho FRUTAS: Atemoia, carambola, toranja, kiwi nacional, laranja-lima, mexerica, quincan, tangerina, poncan. LEGUMES: Abóbora, abóbora japonesa, abóbora seca, bata-doce amarela, batata-doce rosada, cará, cogumelo, ervilha comum, ervilha torta, inhame, mandioca, mandioquinha, melão-de-são caetano, pepino caipira. VERDURAS: Agrião, alho-porró, cenoura com

12

– JUNHO / 2009

folhas, chicória, coentro, couve, erva-doce, espinafre, milho verde, mostarda, nabo, palmito, rabanete, salsão. DIVERSOS: Coco seco. PEIXES: Abroeta, anchovas, betarra, cará, cascote, cherne, conglio, espada, mandi, mangona, pampo, pargo, sardinha-lages, savelha, sororoca, trilha, xaréu. FONTE: Ministério da Agricultua, Pecuária e Abastecimento. www.ceagesp.gov.br


MEISHU-SAMA E A NUTRIÇÃO DO HOMEM

rejuvenescimento é a alimentação frugal

s órgãos do corpo humano produzem os nutrientes necessários à manutenção da vida. Intensificar sua atividade deve ser a condição principal na questão da saúde. A infância e a juventude são as épocas em que a produção de nutrientes é mais intensa e, por isso, nós nos desenvolvemos. Assim, para adquirirmos vida longa, precisamos rejuvenescer nossos órgãos. E qual é o método a ser empregado? É ter uma alimentação bem simples. Através desta, os órgãos precisarão desenvolver uma intensa atividade, caso contrário, não conseguirão produzir os nutrientes necessários. Portanto, a primeira coisa a ser feita por quem deseja vida longa, é rejuvenescer os órgãos, pois, se eles rejuvenescerem, é lógico que todo o corpo rejuvenescerá. [...] O organismo do homem foi criado de modo a se adaptar ao meio ambiente. Se fazemos uma alimentação frugal continuamente, nosso paladar se modifica e começamos a achá-los saborosos. Entretanto, parece que pouca gente tem conhecimento disso. Caso a pessoa se acostume com belos pratos, passará a não mais se satisfazer, exigindo iguarias cada vez melhores. Isso se observa em pessoas extravagantes.

O

5/2/1947

A alimentação frugal ativa o aparelho digestivo Ingerindo-se comidas simples, os órgãos que suprem o organismo de nutrientes, trabalham mais, e a pessoa rejuvenesce. Por isso, à medida que se envelhece, é melhor não comer os chamados ‘nutrientes’. Diz-se que a pessoa se enfraquece por falta de nutrientes, mas isso é um tremendo erro. Todos são fracos por excesso de nutrientes. 13/5/1949

JUNHO / 2009 –

13

IZUNOME

O segredo do


FUNDAÇÃO MOKITI OKADA

É bom conviver com a arte

IZUNOME

em qualquer idade FOTO: CELINA WATANABE

IZUNOME

FUNDAÇÃO MOKITI OKADA

Coral Mokiti Okada: o prazer de deleitar as pessoas com música de elevado nível une “jovens” de todas as idades. Benedita Rocha de Souza (no destaque), 90 anos, é uma das coralistas mais entusiasmadas. Ao lado, produzindo uma peça, e abaixo, durante aula no IACE, o ceramista Kenzo Ushizawa, 74 anos. “Acredito que venho fazendo boas peças, tanto que já participei de algumas exposições”.

Carlos Augusto Mello, 78 anos. “A atmosfera harmoniosa em que todas as pessoas se confraternizam e mantêm um ótimo relacionamento vem me ajudando muito. Sinto-me mais entusiasmado”. Kenzo Ushizawa.

stima-se que 14,5 milhões de brasileiros são idosos, ou seja, 8,6% da população. Mesmo com o aumento da expectativa de vida e a redução da taxa de natalidade, a população idosa tem encontrado várias dificuldades levando-a à margem da sociedade. Para amenizar este quadro, a Fundação Mokiti Okada, através das suas áreas de atuação, tem proporcionado ao público da terceira idade a oportunidade de aprender, por meio da arte e de atividades estatutárias, ações que resgatam a autoestima e melhoram a saúde mental, física e espiritual. No Núcleo Musical, por exemplo, o público da terceira idade é bem participativo: cerca de 20% da orquestra de violões e 30% do coral Mokiti Okada são formados por eles. Além de aprenderem a cantar e a tocar, os participantes interagem com pessoas de diferentes idades, o que também tem auxiliado a resgatar o contato familiar. Foi o que aconteceu com Carlos Augusto Mello, 78 anos, que participa da orquestra de violões. “Quando comecei a tocar violão, minha filha

E

14

– JUNHO / 2009

veio comigo. Fazíamos o caminho juntos, participávamos das aulas, conversávamos bastante e trocávamos informações sobre violão. Isso tornou nosso contato ainda maior e mais sólido”. A importância das aulas do Núcleo Musical para Carlos não param por aí. “Sofro há 18 anos de depressão e gosto muito de música. Quando cheguei aqui, vi uma atmosfera harmoniosa em que todas as pessoas se confraternizam e mantêm um ótimo relacionamento. Isso vem me ajudando muito, tanto que meu médico me orientou a continuar praticando violão. Depois que entrei para a orquestra, sinto-me mais entusiasmado e, quando chego aqui, esse entusiasmo fica mais acentuado”, declarou ele. A arte da flor, da Academia Sanguetsu, é outro exemplo que tem revelado aos idosos que praticam o estilo, o quanto eles são capazes de criar e inovar. Para a aposentada e aluna do Sanguetsu, Regina Maria de Carvalho, 66 anos, a confecção de arranjos florais se tornou objeto de estudo e fonte de renda. Aluna da Academia desde 1986, há 22 anos ela estuda a elaboração da Ikebana e seus efeitos na vida

das pessoas. “A idéia de vivificação é concretizada quando entregamos o arranjo pronto e notamos a alegria no rosto da pessoa que a recebeu”. Regina monta arranjos florais para alguns clientes que utilizam a Ikebana para harmonizarem suas empresas. Trabalhando a percepção, a reflexão e o senso criativo dos seus alunos, o Instituto Arte Cerâmica – IACE, da Fundação Mokiti Okada, possui em sua maioria um público idoso que, por meio da confecção de peças em argila, mostra sua capacidade de ultrapassar barreiras, como é o caso de Brigida Amália Rosália Brodella de Stefano, que sofreu um Acidente Vascular Cerebral (AVC) que deixou imobilizado um lado de seu corpo. “Na vida podemos fazer escolhas e, antes de sentir pena de mim mesma, optei por afrontar meus problemas e seguir minha vida”, contou Brigida. Mesmo limitada, a aluna mostra uma alegria fora do comum e falou sobre o que vem aprendendo no IACE. “Aqui, existe a fraternidade e amizade entre todos. A solidariedade é a maior virtude deste local, onde aprendemos a respeitar as pessoas. Apesar da maioria do público ser da terceira idade, costumo dizer

que aqui somos a ‘terceira juventude’, pois as aulas do professor de cerâmica Marco Aurélio Mesquita renovam nossas energias pelos ensinamentos que ele nos repassa”. Para o aluno Kenzo Ushizawa, 74 anos, elaborar peças e praticar atividades artísticas são formas de mostrar o quanto os idosos são capazes de criar ótimas coisas independentemente da idade ou do vigor físico. “Eu mesmo optei por fazer cerâmica depois que me aposentei para ter uma ocupação. Infelizmente, não sou bom para vender mas acredito que venho produzindo boas peças, tanto que já participei de algumas exposições”. Ao possibilitar a pessoas de diferentes faixas etárias a prática de atividades que promovam o desenvolvimento social, cultura, mental e físico, a Fundação Mokiti Okada mostra ser possível realizar ações inclusivas em prol dos idosos, não os deixando à margem como a sociedade atual ainda continua fazendo. JUNHO / 2009 –

15


DIVULGAÇÃO CIENTÍFICA

Bactérias do bem ma pesquisa divulgada na edição on-line de 29 de maio da revista “Science” demonstrou que, em nossa pele, o número de espécies de bactérias é bem maior do que se pensava. Uma equipe de cientistas norteamericanos estudou a pele de dez voluntários saudáveis, em vinte regiões do corpo. Em todas elas, havia bactérias. Principal autora da pesquisa, a Dra. Elizabeth A. Grice, do Instituto Nacional de Pesquisas do Genoma Humano, dos Estados Unidos, afirmou que “parece que as pessoas estão preocupadas em travar uma guerra contra as bactérias, usando, de forma banal, produtos antibacterianos e antibióticos. Esta provavelmente não é a abordagem mais saudável. Deveríamos aprender a viver em harmonia com os micróbios de nossos corpos”. A saúde da pele humana depende de um equilíbrio delicado entre os microrganismos existentes nela e as células de nosso corpo. Como o uso de antibióticos mata todos os tipos de bactérias, o espaço ocupado outrora pelas bactérias inofensivas pode ser preenchido pelas maléficas. O objetivo dos cientistas é compreender como manter, permanentemente, nos seres humanos, bactérias normais e saudáveis. Antes, porém, eles necessitam identificá-las com exatidão. De acordo com a pesquisa, na parte de trás das orelhas, foi achado o menor número de tipos de bactérias. Em ambiente oleoso, foram cerca de quinze. O umbigo apresentou quarenta espécies variadas, em ambiente úmido. Constatou-se também que partes iguais do corpo de pessoas diferentes possuíam mais bactérias em comum do que partes diferentes do mesmo indivíduo. Isso ocorreu em regiões como o joelho. As diversas espécies de bac-

U

16

– JUNHO / 2009

térias preferem ficar em vários “climas” do corpo. “As axilas, por exemplo, são uma área úmida, com pelos. Elas estão bem perto de

nossos braços, mas eles são lisos e secos. São ambientes tão parecidos quanto florestas e desertos”, redigiram os cientistas. Veja nas

ilustrações e na tabela o número de bactérias residentes em várias partes do corpo humano, segundo a pesquisa. Benefícios e reprodução de bactérias Muitas pessoas associam as bactérias a criaturas perigosas. Mas não é bem assim. Na realidade, em grande parte das situações, as bactérias são inofensivas ou mesmo benéficas aos demais seres vivos. Entre outros pontos favorá-

veis, nos intestinos dos humanos e de outros animais, os micróbios exercem um importante papel na digestão e síntese de vitaminas. Somente um grupo reduzido de bactérias causa doenças como cólera, hanseníase (antes chamada de lepra), peste bubônica, pneumonia, tifo e alguns tipos de diarreia e de tuberculose. As bactérias são os seres mais antigos da Terra, os mais numerosos e estão presentes na água, no ar, na poeira, no solo e em todos os

demais lugares. A reprodução desses microrganismos acontece de modo impressionante. Em alguns casos, a partir de uma simples bactéria, em apenas 12 horas, podem surgir outras 5 bilhões. No corpo de uma única pessoa, habitam aproximadamente 90 trilhões de bactérias. Tentar eliminá-las, portanto, a qualquer custo, pode não ser, às vezes, uma medida saudável e fácil. Ainda assim, não se pode deixar de lado itens importantes como a higiene.

De inorgânico a orgânico omo disse anteriormente, a caus a principal da doença está nas máculas espirituais, nas quais surgem os micróbios. Vou explicar minuciosamente esse processo, seguindo a ordem em que isso acontece. Consideremos que, inicialmente, acumulam-se máculas no corpo transparente do homem, que é o seu espírito, ou que elas surgem pelo reflexo do sangue sujo conforme descrevi. Pergunta-se: por que, então, surgem micróbios patogênicos nessas máculas? Quando estas vão se adensando e ultrapassam um certo limite, aparece, de forma natural, uma partícula ultramicroscópica. Esta é uma teoria que constitui uma ciência suprema. Contudo, para entender melhor, vamos pensar de forma oposta, isto é, quando olhamos para a amplidão do céu, notamos que ele é macroinfinito. Ao contrário, quando pensamos nas formas reduzidas, todas as coisas da superfície da Terra são microinfinitas. Nesse sentido, ambos, o macroinfinito e o microinfinito, são ilimitados. Essa lógica pode ser aplicada também ao corpo humano: mesmo as máculas formadas no espírito são constituídas por partículas ultramicroscópicas. Em outras palavras, surgem corpúsculos ultramicroscópicos de natureza vegetal no espírito, que se tornou denso por meio da constante ação de purificação e, depois, se solidificou. Isto acontece porque, originariamente, a mácula é uma concentração do elemento Água, o que torna favorável o surgimento de vegetais. Pelo seu desenvolvimento gradativo, eles acabam tornando-se matérias orgânicas, ou seja, óvulos de micróbios. Com o desenvolvimento desses óvulos, surgem os primeiros micróbios. Nesse estágio, obviamente, eles ainda não podem ser observados através do microscópio. To-

C

Mais informações em: http://www1.folha.uol.com.br/folha/ciencia/ult306u573579.shtml http://www.invivo.fiocruz.br/cgi/cgilua.exe/sys/start.htm?tpl=home

davia, já que se tornaram seres vivos, pela necessidade de se alimentar, eles passam a se comer mutuamente, o que não é senão a lei do mais forte. Não resta dúvida de que se trata da luta pela sobrevivência. Evidentemente, surgem, entre os micróbios, os mais fortes, e os mais fracos são eliminados. Os fortes vão crescendo cada vez mais e passam a ser vistos pelo microscópio. Vale salientar que esse mecanismo tem uma semelhança muito grande com o que ocorre na sociedade humana. Como vimos, se a causa das doenças está realmente nas máculas espirituais, que surgiram inicialmente, não existe outro meio para curar radicalmente a doença senão pela extinção dessas máculas. Para finalizar, gostaria de referir-me à forma de extinguir as máculas, anteriormente citada. Obviamente, se isso não fosse possível, por mais que se compreenda o princípio fundamental da doença, não haverá nenhum sentido. Porém, posso afirmar que consegui descobrir esse método: trata-se do método do Johrei, que tem manifestado surpreendentes resultados. Então, por que é que através do Johrei as máculas são extintas? Na realidade, esse princípio é a ciência suprema, ou melhor, um princípio religioso supremo. Portanto, se buscarmos profundamente, poderemos chegar até mesmo à Entidade Divina. O objetivo deste livro é que ele seja lido e apreciado por terceiros, por isso fiz o possível para esclarecer de forma científica, evitando explanações de cunho religioso. Pelo motivo exposto, para as pessoas que não se sentiram satisfeitas por não terem conseguido entender por completo, o melhor meio é ingressar na nossa Igreja e viver essa realidade concretamente. 15 de agosto de 1951 Ensinamento de Meishu-Sama não publicado em português

JUNHO / 2009 –

17

IZUNOME

IZUNOME

DIVULGAÇÃO CIENTÍFICA


IZUNOME

DIVULGAÇÃO CIENTÍFICA

Gelatina não é recomendada para

crianças aborosa, colorida, de baixo custo, a gelatina em pó é achada com facilidade em diversos supermercados. Essa sobremesa é uma mistura de corantes artificiais, açúcar e/ou edulcorantes, aromatizantes e conservantes. Por contar, porém, com corantes como o amarelo crepúsculo, ela não deveria fazer parte do cardápio infantil. Os adultos podem consumi-la, mas com moderação. Os esclarecimentos são da Associação Brasileira de Defesa do Consumidor (PRO TESTE), que avaliou onze pós para gelatina de sabor morango (quatro na versão tradicional, quatro na diet e três na zero). As marcas pesquisadas foram Bretzke, Doce Menor, Dr. Oetker, Royal e Sol. O excesso de açúcar, de acordo com a Associação, pode favorecer a obesidade infantil. Sugere-se, portanto, às crianças com idade entre um e três anos, em um lanche, ingerir até 3,9 gramas de açúcar. De quatro a seis anos, no mesmo tipo de refeição, no máximo, 5,4 gramas. E, para os adultos, até 7,5. Na versão tradicional das marcas Bretzke e Sol, a pesquisa demonstrou que há quantidade excessiva de açúcar para crianças e para adultos, além da ausência de edulcorantes. A Bretzke, com a mais alta taxa entre as marcas examinadas, apresenta 10,9 gramas de açúcar por porção (equivalente a 120 gramas ou um copo de gelatina pronta). A Sol contém 8,8 gramas. A média das versões tradicionais é de 7,9. A Dr. Oetker e a Royal, também nas formas tradicionais, além de açúcar, possuem edulcorantes. Não são recomendadas, portanto, para crianças nem para gestantes. Em todas as marcas, os corantes bordeaux S e amarelo crepúsculo estão presentes, com doses bem acima do limite máximo estabelecido. Somente a Dr. Oetker Diet está dentro do limite correto para o bordeaux S. O amarelo crepúsculo está atrelado à hiperatividade infantil e a outros distúrbios de comportamento em crianças suscetíveis. No Reino Unido, o emprego desse aditivo é proibido. Em uma porção de 120 gramas de gelatina pronta, na Bretzke tradicional, foi encontrado 0,76 grama de colágeno (proteína gelatinosa). Na Doce Menor Diet e na Dr. Oetker Diet, dois gramas. Alguns estudos afir-

S

mam que consumir dez gramas diárias de colágeno traz benefícios à saúde, embora não haja consenso entre os especialistas. Para alcançar essa quantidade, entretanto, a ingestão diária deveria ser de cinco copos de gelatina das marcas com maior quantidade de colágeno. Uma dieta equilibrada, com o consumo adequado de proteínas, é suficiente para uma pessoa saudável alcançar o nível ideal dessa substância. Alimentos mais saudáveis e reivindicações da PRO TESTE A professora da Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (UNIRIO), nutricionista Edira Gonçalves, advertiu que as crianças são as mais vulneráveis aos corantes em geral, cuja ingestão excessiva pode debilitar o sistema imunológico. Em uma pesquisa divulgada na revista “Ciência e Tecnologia de Alimentos” em 2008, segundo a nutricionista, estudou-se o consumo, por 150 crianças, de gelatina, de refresco em pó e de refrigerante. Entre elas, foi constatado o uso habitual desses alimentos. Em relação à gelatina, em 95% dos casos, a ingestão começa a ocorrer com crianças com até um ano de idade. Pesquisadora de alimentos vinculada à PRO TESTE, a nutricionista Manuela Dias disse que os pais devem orientar os filhos a consumir alimentos mais saudáveis, como frutas e iogurtes. “Como a gelatina é docinha e colorida, as crianças gostam. Mas é um alimento totalmente artificial, não tem nada de morango, por exemplo, só o aditivo”, completou. Entre outros problemas achados nos rótulos das gelatinas, na pesquisa da PRO TESTE, observou-se que, em todas as versões da Bretzke, está registrada a data de fabricação, mas não de modo muito claro para o consumidor. Na versão tradicional da Sol, a situação é a mesma. As outras marcas de gelatina não informam a data de fabricação no rótulo. A Associação criticou ainda a falta de legislação específica, no Brasil, para gelatinas em pó, defendendo a criação de normas reguladoras para esse alimento. O objetivo é proporcionar a definição de alguns parâmetros, como limite de açúcar e quantidade de colágeno e de proteína.

Mais informações em: http://www.proteste.org.br/map/src/475771.htm http://www.folha.uol.com.br/folha/equilibrio/noticias/ult263u528644.shtml

18

– JUNHO / 2009



2009/06