Page 1


4

Editorial Abertos para balanço

6

Reminiscências sobre Meishu-Sama Meishu-Sama era assim...

8

Cultura espiritualista A tempestade é uma calamidade humana

10

Culto Mensal de Agradecimento Vamos fazer um balanço da nossa fé

12

Experiência na prática da fé Através da Luz de Meishu-Sama, o Paraíso voltou a se manifestar em mim

14

Korin Agricultura Natural Wanessa Camargo vai às compras na Korin

16

Alimentação O Sonen de alegria e gratidão gera energia vital

18

Ciência Os bebês e o aleitamento materno

IZUNOME

FOTO: TONY TAJIMA

ÍNDICE

Foto da capa: monumento no local de nascimento de Meishu-Sama (Hashiba, Tóquio). A inscrição na pedra é “Toho no Hikari” (Luz do Oriente).

DEZEMBRO / 2008 –

3


EDITORIAL

IZUNOME

Abertos

para balanço stamos fechando 2008 com chave de ouro. Essa edição traz muito conteúdo que poderá se tornar base de grande aprendizado para todos nós. Começamos com a proposta do presidente da IMMB, reverendo Hidenari Hayashi, de que façamos, nessa transição para o novo ano que se aproxima, uma análise da nossa prática da fé. Crescemos ou encolhemos, espiritualmente falando? Nosso cotidiano, hoje, é o termômetro mais perfeito para medirmos se nos tornamos mais felizes ou se temos, agora, mais problemas do que tínhamos antes. Vamos nos abrir para esse balanço e corrigir o que precisa ser corrigido. Segundo o Rev. Hayashi, ainda dá tempo! Nesta edição, também trazemos depoimentos de pioneiros que dedicaram diretamente com MeishuSama. Uma matéria especial, nas páginas 8 e 9, nos leva a uma profunda reflexão. Através de um Ensinamento do Messias, de trechos de uma orientação de Kyoshu-Sma e até de uma frase extraída de um livro com compilação de textos de John Donne, um famoso poeta inglês do século 17, vamos relembrar que o que está acontecendo com nossos irmãos catarinenses não é uma purificação que se relaciona apenas com eles. Será que, de alguma forma, cada um de nós, com nosso Sonen, não é indiretamente responsável pela calamidade que se abateu sobre eles? Alimentação; saúde; a experiência de fé relatada por Rejane de Almeida, no Culto Mensal de Agradecimento do Solo Sagrado, no dia 7; a importância do aleitamento materno e uma pesquisa que aponta a cesariana como causa da incidência de asma em bebês e crianças são outros assuntos que compõem essa edição. E, se você está se esforçando para mudar para um hábito alimentar mais saudável, mas não se empenha muito na difusão do trabalho da Korin, espelhe-se em Wanessa Camargo. Ela também está nesta edição, falando sobre a responsabilidade que sente, como pessoa pública, em levar a seus fãs informações que os tornem mais felizes e saudáveis.

E

ASSEMBLÉIA GERAL ORDINÁRIA E EXTRAORDIONÁRIA Ficam convidados os senhores Delegados Representantes dos Membros e Ministros da Igreja Messiânica Mundial do Brasil, natos e eleitos, nos termos do Estatuto Social, a se reunirem no dia 30 de abril de 2009, às 10 horas, na Sede Central, à Rua CNPJ/MF Nº 62.647.383/0001-41 Morgado de Mateus, nº 77, Vila Mariana, nesta capital do Estado de São Paulo, CEP 04015-050, em Assembléia Geral Ordinária e Extraordinária, a fim de discutirem e votarem os assuntos constantes da seguinte Ordem do Dia: Ordinária: a) Tomar as contas do Presidente da Igreja e deliberar o Relatório de Atividades, Balanço Geral e Inventário de Bens referentes ao exercício social de janeiro a dezembro de 2008; b) Nomear, por eleição, os membros do Conselho Deliberativo para o mandato 2009 a 2012; c) Outros assuntos de interesse da Igreja. Extraordinária: Autorização para alienação de bens imóveis. São Paulo, Hidenari Hayashi - Presidente REVISTA IZUNOME Elaboração: Departamento Editorial da Igreja Messiânica Mundial do Brasil Responsável pelo Dept°: Rev. Carlos Roberto Sendas Ribeiro Produção: Fundação Mokiti Okada - M.O.A. Redação e Administração: Rua Morgado de Matheus, 77 – 1º andar – CEP 04015-050 –Vila Mariana - São Paulo - SP – Tel. (0xx11) 5087-5078 Jornalista responsável: Antonio Ramos de Queiroz Filho (MTb 21898) – E-mail: revistaizunome@messianica.org.br Edição de Arte: Kioshi Hashimoto Redação: Marcelo Falsarella Revisão: Ivna Fuchigami Fotografia: Ricardo Fuchigami – E-mail: fotografiaizunome@messianica.org.br Tiragem para o Brasil: 80 mil exemplares Impressão: Editora Abril Edição internacional especial para Japão, Europa e Estados Unidos e América Latina Coordenação de impressão e distribuição: Departamento Internacional da Sede Geral da IMM, Atami, Japão Tiragem: 3 mil exemplares Acesse nossos sites:

SEKAI KYUSEI KYO IZUNOME

www.messianica.org.br

4

www.fmo.org.br

– DEZEMBRO / 2008

www.solosagrado.org.br

www.johvem.com.br

www.korin.com.br

www.planetaazul.com.br

www.izunome.jp


SAÚDE - FMO

energia vital A cada dia nos defrontamos com uma avalanche de informações sobre qual é o hábito alimentar mais saudável. A partir desta edição, IZUNOME passa a divulgar trechos do livro “Alimentação com energia vital”, publicado pela FMO, que mostra a visão de Mokiti Okada sobre o assunto. Aproveite. ós nos alimentamos para nos mantermos vivos. Entretanto, nos deparamos com a irônica situação de que a alimentação, que deveria preservar a vida, está começando a ameaçá-la. Comparadas com o passado, as condições alimentares melhoraram significativamente. Contudo, a cada ano, apesar do grande progresso da medicina e da nutrição, o número de pessoas que contraem câncer, doenças degenerativas, neuroses etc. tem aumentado. Uma das causas são os aditivos alimentares, de efeito pernicioso. Mas não são só eles: podemos dizer que, fundamentalmente, o vilão é o hábito alimentar antinatural, criado pela civilização científica e tecnológica moderna, de supremacia materialista. Uma opinião que vem se alastrando é a de que o nosso hábito alimentar, contrário à Natureza, está ameaçando nossas vidas. Por conseguinte, a reformulação do hábito alimentar e da visão sobre alimentação é uma exigência da época e uma grande tarefa na qual, inevitavelmente, temos de nos empenhar para a sobrevivência da humanidade. Estamos numa época de fartura de alimentos, tanto em variedade quanto em sabor, o que propicia às pessoas a ingestão de nutrientes em excesso. Essa situação, ao contrário do que se pensa, está encurtando a vida. Mudar o hábito alimentar do homem contemporâneo se liga à reforma do mundo. Libertar-se da atitude passiva de apenas proteger a própria saúde e a dos familiares, e passar para a de recomendar às pessoas uma reforma fundamental na visão alimentar é uma atitude religiosa que objetiva a transformação do mundo em Paraíso. Podemos dizer que esse é um dos deveres dos messiânicos. O fato de a religião ensinar como deve ser a alimentação correta foge do entendimento das pessoas que encaram os alimentos como simples “ração” para matar a fome, e também daquelas que só raciocinam em termos de custo por quilo de cada alimento. Ao contrário desses conceitos materialistas, nós,

N

messiânicos, compreendemos, antes de mais nada, que os alimentos são dádivas de Deus e da Natureza. Juntamente com o sentimento de gratidão por sermos mantidos vivos por algo grandioso, que se sobrepõe ao ser humano, passamos a ter a verdadeira sensação de que o alimento é vida. Se percebermos a realidade segundo a qual a Vida é sustentada pela vida, e que viver é uma permissão que recebemos de Deus, teremos consciência da visão errônea da sociedade ocidental, que tenta incrementar a felicidade através do domínio e da conquista da Natureza. Enquanto estivermos baseados nesse tipo de visão, não haverá futuro para a humanidade. À Luz dos Ensinamentos de Mokiti Okada, chegase à verdade de que o ser humano também é um elemento da Grande Natureza e que ele não conseguiria manter-se vivo sem coexistir com ela. Isso nos torna conscientes de que nossa alimentação é muito importante pois, assegurando a saúde espiritual e física, ela sustenta a vida do globo terrestre. O ato sagrado de nos alimentarmos com base nos Ensinamentos de Mokiti Okada leva-nos a uma compreensão que ultrapassa a parte material, fazendonos apreender que a vida é mantida através da alimentação, e nos conduz à consciência da nossa espiritualidade e elevação. A tentativa de obter saúde de acordo com a maneira de se alimentar é refletida pelo ditado japonês “A medicina e a alimentação têm a mesma origem”. Até as pessoas que não possuem fé seriam capazes de compreender esse raciocínio. Assim sendo, gostaríamos de propor que nós, religiosos, abracemos o princípio de que a medicina e a alimentação têm a mesma origem, uma vez que, num encadeamento de pensamentos, temos o seguinte: “A fé correta elimina as distorções do hábito alimentar e o trabalho de corrigir essas distorções desenvolve a fé.” DEZEMBRO / 2008 –

5

IZUNOME

Alimentação com


REMINISCÊNCIAS

REMINISCÊNCIAS

IZUNOME

IZUNOME

ATRAVÉS DO JOHREI DE MEISHU-SAMA, O ESTADO DE ÊXTASE eishu-Sama ministrava Johrei a nós, servidores, nos intervalos do seu atarefado dia-a-dia. Uma das minhas atribuições era, quando havia entre os dedicantes alguém com mal-estar ou com alguma purificação, comunicar-lhe, depois do café da manhã, o nome, o sexo e o tipo de purificação desses dedicantes. Por outro lado, como eu sempre gozei de boa saúde, nunca havia tido a permissão nem a oportunidade de receber Johrei de Meishu-Sama, apesar de já ter começado a dedicar há vários meses. Certo dia, pela manhã, apesar de estar me sentindo bem, resolvi colocar meu nome na lista dos dedicantes que solicitavam Johrei, pois eu queria muito receber, ao menos uma vez, o Johrei de Meishu-Sama. Assim, pus meu nome e, na hora de comunicar a Meishu-Sama, li, por último: “Yukiko Kagami” (Kagami era meu sobrenome de solteira). No final da tarde desse dia, quando fui ao encontro de Meishu-Sama para receber Johrei, ele me recebeu dizendo: “Finalmente, a Yuki também baixou a cabeça e veio até mim?!” e, sem dizer mais nada, ministrou-me Johrei. Quando Meishu-Sama tocou de leve meu ombro, abri os olhos e, não sei se foi ilusão de ótica, mas vi algo como uma névoa bem branca que envolvia tudo ao nosso redor. Por um instante, senti uma profunda emoção, como se tivesse me tornado uma ser paradisíaco, um habitante do paraíso. A frase “E então?” me despertou desse estado de êxtase e só pude responder: “ Muito obrigada! Me senti muito bem!” Tive a sensação de que Meishu-Sama me havia mostrado o sublime Paraíso e a verdadeira paz de espírito. Mostrado a mim, uma pessoa que, até então, não havia passado por nenhuma grande doença, sofrimento ou angústia, uma jovem saudável e que saboreava sua felicidade. Mais que isso, naquele instante, pude vivenciar a essência do Johrei, que não se limita à cura de doenças, mas que atua em um nível mais elevado: o da salvação da alma.

M

Yukiko Ishihara - colaboradora no livro “Luz do Oriente” Publicado na revista IZUNOME (Japão) n° 77 Tradução de Anna Michele Sakaguchi

6

– DEZEMBRO / 2008

No mês em que comemoramos o natalício de Meishu-Sama, vamos conhecer um pouco mais Sua personalidade através de depoimentos de pioneiros que O serviram diretamente. Os textos abaixo foram extraídos do livro “Reminiscências sobre Meishu-Sama”. SE A PESSOA QUER RECEBER JOHREI, DEVE SOLICITÁ-LO Houve uma época (1942-1943) em que minha condição física estava tão precária que, se não recebesse Johrei de Meishu-Sama, por ocasião dos encontros, o sofrimento era insuportável. Contudo, como Ele estava sempre muito ocupado, eu fazia cerimônia. Em certa ocasião, meu sofrimento chegou a um ponto em que não conseguia mais suportar, e acabei pedindoLhe Johrei. Meishu-Sama me disse: “Era bastante penoso olhar para você. Eu pensava comigo mesmo: ‘Hoje ele vai pedir, hoje ele vai pedir Johrei’, mas você não pedia. Fazer cerimônia gera mácula, sabia? Eu não posso oferecer-lhe Johrei. O Johei deve ser ministrado quando a pessoa o solicita. Se você não pede, eu fico em apuros!” E continuou: “Se a questão se limitasse ao seu corpo, não haveria tanta importância. Contudo, você não se dá conta de que Deus está atuando através do seu corpo físico. Caso aconteça algo e você vá para o mundo espiritual, causará um grande transtorno a Deus. Na verdade, seu corpo é como se fosse um cartaz da Igreja. Não há a mínima necessidade de fazer cerimônia. Aliás, você precisa receber Johrei, caso contrário, me trará problemas.” O JOHREI AUMENTA A ATUAÇÃO DO ESPÍRITO PRIMORDIAL Certo dia, após ministrar-me Johrei, Meishu-Sama ensinou-me o seguinte: “Quando a pessoa recebe Johrei, a atuação do espírito primordial se revigora. Você deve saber que, no ser humano, atuam dois espíritos: o primordial, que é a partícula divina outorgada pelo Criador, e o secundário, que possui natureza animal, agregado após o nascimento. Nem é preciso ficar ouvindo sermões enfadonhos: basta receber Johrei e o espírito primordial começa a atuar naturalmente, a alma é purificada, desperta na pessoa a vontade de salvar o próximo e ela mesma torna-se feliz.”

“É COMO SE NÃO TIVESSEM CABEÇA!” Como eu estava bastante debilitado, em comparação com os outros servidores, freqüentemente solicitava Johrei a Meishu-Sama. Certo dia, Ele me disse, sorrindo: “Quando vocês acumulam impurezas, trazem-nas para mim e eu as removo. Por isso, sou uma espécie de ‘faxineiro espiritual’, e ministrou-me Johrei gentilmente, mesmo tendo uma rotina extremamente atarefada. Em uma outra ocasião, quando eu estava recebendo Johrei, surpreso com a minha própria falta de inteligência, disse a Meishu-Sama: “Minha cabeça é muito ruim! Estou sempre dando trabalho ao senhor...” Ele me consolou, dizendo: “Nada disso! Perceber que tem a cabeça ruim é extraordinário! Pior é ver os homens da atualidade, que parecem ter a mente atrofiada. É como se não tivessem cabeça!”. Isso me trouxe um profundo alívio. MEISHU-SAMA CAUSOU ADMIRAÇÃO AOS NICHOLS Em fevereiro de 1949, quando o sr. Nichols, que servia junto ao general Douglas MacArthur, e sua esposa, visitaram a sede provisória de Shimizu, Meishu-Sama falou sobre a nossa Igreja. Todavia, o sr. Nichols não se convencia que uma energia espiritual fosse emitida através da palma da mão. Diante disso, Meishu-Sama disse: “Qualquer pessoa consegue emiti-la. Nakajima, venha ministrar Johrei!” Então, o reverendo Nakajima, pedindo a algumas pessoas que permanecessem de pé do outro lado de um pequeno lago, ministrou-lhes Johrei. Algumas daquelas pessoas começaram a tossir e a arrotar. Não só elas, mas também outras que estavam perto das que recebiam Johrei. O sr. Nichols ficou bastante intrigado e disse, duvidando: “Elas estão fazendo isso intencionalmente, não é?” Então, Meishu-Sama fez com que as pessoas virassem de costas e pediu que o sr. Nichols desse um sinal para que o reverendo Nakajima iniciasse o Johrei. Quando este ergueu a mão, ocorreu a mesma coisa. Diante do fato, o sr. Nichols ficou bastante admirado. Meishu-Sama sorria, assistindo àquela cena.

DEZEMBRO / 2008 –

7


CULTURA ESPIRITUALISTA

CULTURA ESPIRITUALISTA

IZUNOME

Desde tempos imemoriais o homem tem buscado a que ou a quem atribuir a ocorrência das calamidades naturais que o atingem. “Castigo dos Céus”, afirmavam os religiosos. Para os céticos, meros fenômenos naturais. Ambos colocavam o homem como um mero expectador ou vítima desse tipo de tragédia. Hoje em dia, é crescente o grupo daqueles que atribuem ao homem a ocorrência de catástrofes naturais através de ações que agridem a harmonia natural. Mas, será que somente essas ações visíveis e praticadas, muitas vezes, longe das áreas atingidas, são suficientes para gerar acontecimentos tão trágicos como os vistos hoje em dia, e que afligem milhões de pessoas? Não haveria uma causa mais ampla e profunda que ainda não foi descoberta? Em Seu Ensinamento “A tempestade é uma calamidade humana”, Meishu-Sama elucida essa questão, mostrando que esses acontecimentos têm causas invisíveis das quais o ser humano ainda não se deu conta. Segundo Ele, cada um de nós, por mais longe que viva desses locais atingidos, MEISHU-SAMA Desde tempos remotos os tufões e as inundações são considerados calamidades naturais. Todo mundo os aceita como fenômenos inevitáveis. No meu ponto de vista, entretanto, são calamidades humanas. Vou explicar por quê. Atualmente, os cientistas objetivam a diminuição de tais ocorrências através da pesquisa e do progresso da meteorologia. No Japão, são aplicadas anualmente enormes quantias em instalações adequadas a esse fim. Vem se desenvolvendo um esforço constante, e de fato se têm obtido alguns resultados, mas parece que dificilmente se atingirá o objetivo final. Somente no Japão, os prejuízos anuais causados por tufões e inundações elevam-se a uma soma realmente alta. No recente tufão perderam-se 6.500.000 sacos de arroz, 4.229 casas ficaram danificadas ou foram carregadas pela água, 144 pessoas desapareceram ou morreram, e o número de feridos atingiu vários milhares. Além disso, os prejuízos com plantações e com estragos nas rodovias, construções e instalações, segundo declaração do órgão competente, atingiram mais de duzentos e cinqüenta milhões de dólares. Vemos, pois, a enormidade dos prejuízos. Somando-se, também, os danos materiais e morais causados por grandes e pequenos tufões, várias vezes ao ano, creio que o resultado será gigantesco, difícil de calcular. Em face de tal situação, mesmo que não haja possibilidade de exterminar essas calamidades, é necessário fazer todo esforço para que os danos sejam os menores possíveis. O governo e o povo estão empregando todos os métodos possíveis, mas há falta de verbas e a aparelhagem não chega nem de longe ao montante previsto. Se as deficiências persistirem, é claro que não se encontrará solução para o problema. Nas condições atuais, em que se depende apenas da pesquisa meteorológica, é impossível prestar auxílio em casos de urgência. Dizemos impossível porque as pesquisas científicas estão baseadas no materialismo, isto é, pesquisa-se somente a parte superficial das coisas, sem se procurar descobrir o seu interior. Para solucionar o proble-

8

– DEZEMBRO / 2008

ma, só há um recurso: apreender a essência desse interior e providenciar a prevenção das calamidades. Mas aí surge a pergunta: é possível conhecer as causas fundamentais do problema? Eu gostaria de provar que sim. Inicialmente direi que a tempestade é a ação purificadora do espaço acima da Terra, isto é, daquilo que chamamos de mundo espiritual, pois até nele há uma constante acumulação de impurezas. Materialmente falando, é como acumular poeira numa cidade ou numa casa. Só que, como o mundo espiritual é invisível, o homem não percebe o acúmulo de impurezas. Se até hoje essa percepção não foi possível, é porque a educação está voltada apenas para a matéria, negligenciando os estudos espirituais. Sempre falamos que essa é a maior falha da humanidade. Se ela não reconhecer a existência do mundo espiritual e não fizer pesquisas baseadas nesse conhecimento, não lhe será fácil compreender o princípio da tempestade. Sendo assim, a missão original da religião é fazer reconhecer a existência do mundo espiritual, ignorado e negado por quase todos. Entretanto, parece-me que as antigas religiões sempre se mostraram desinteressadas em relação ao assunto, o que eu acho muito estranho. Mas, deixemos isso de lado. Como já expliquei em outras oportunidades, quando se acumulam impurezas no mundo espiritual, surge naturalmente uma ação purificadora. O vento dispersa as impurezas e a água as lava: eis o que é a tempestade. Realmente, não há nenhuma diferença entre ela e a limpeza que se faz diariamente no mundo material. Portanto, identificar a causa dessas impurezas é a única

IZUNOME

A tempestade é uma calamidade humana é também responsável pela purificação que se abate sobre essas cidades e pessoas. Na orientação que proferiu no Culto de Ano Novo, em 2005, Kyoshu-Sama também chamou para si parte da responsabilidade espiritual pelo tsunami que devastou o sudeste asiático (veja o texto na página 9). John Donne, poeta famoso na Inglaterra do século 17, e que chegou a ser Deão da Catedral de São Paulo, em Londres, registrou, em um de seus poemas (*), um sentimento muito semelhante, quando escreveu: “Nenhum homem é uma ilha, inteiramente isolado; todo homem é parte de um todo. Se um torrão de terra for levado pelas águas até o mar, a Europa fica diminuída, como se fosse um promontório (...) A morte de qualquer homem me diminui, porque sou parte do gênero humano. E por isso não perguntai ´por quem os sinos dobram´. Eles dobram por vós”. (*) Livro “Meditações” (Editora Landmark, 2007) chave para solucionar o problema. A impureza é a mácula criada pelo pensamento, pela palavra e pela ação do homem. Isto é, os maus pensamentos, más palavras e más ações do ser humano influenciam o mundo espiritual, gerando máculas. Por essa razão, em face da freqüente ocorrência de grandes tufões, podemos compreender como os pensamentos se tornaram maus, quantas más palavras são pronunciadas e quantas más ações são praticadas. Direi, entretanto, que há uma maneira extremamente fácil de eliminar as máculas: basta que a situação se inverta, ou melhor, que os pensamentos, as palavras e as ações do homem se tornem bons. Em outros termos: através do bem, purificar o mundo espiritual maculado pelo mal. Nesse caso, o bem transformase em Luz para eliminar as máculas. Os hinos cristãos, os sutras budistas e as orações xintoístas são preces de amor e louvor e, por isso, contribuem para a limpeza do mundo espiritual. Se elas não existissem, os tufões seriam ainda mais violentos. Diante do exposto, podemos afirmar que quem gera o tufão é o homem, e ele próprio sofre com isso. Realmente, a Natureza é perfeita. A tempestade é um fenômeno semelhante ao processo de purificação conhecido como doença, o qual surge no corpo humano quando nele se acumulam impurezas. Portanto, como método para prevenir a tempestade, basta que compreendam esse princípio e deixem de praticar o mal, passando a praticar o Bem”. Trechos do Ensinamento de Meishu-Sama datado de 24 de setembro, 1949. Íntegra publicada no volume 2 da coleção “Alicerce do Paraíso”, página 120.

“Mesmo as piores catástrofes naturais são todas ocorrências provocadas pelos homens” No ano passado enfrentamos, por diversas vezes, tanto no Japão como no exterior, tufões, terremotos e outras catástrofes. Observando esses fatos posso sentir que, apesar de estar dentro de um plano divino estabelecido pelo Supremo Deus, desde o início dos tempos, a época atual faz antever a chegada da era da grande purificação, a que Meishu-Sama se referiu. Ao lembrar o poema em que Ele afirma: “Saibam que mesmo as piores catástrofes naturais são todas ocorrências provocadas pelos homens”, sinto que eu também sou um elemento que origina as causas das catástrofes naturais, sofra ou não diretamente suas conseqüências. Como tal, reflito sobre minha própria postura e, ao mesmo tempo em que suplico por perdão, creio que preciso ser um indivíduo que aceita, através da gratidão, o fato dessas purificações fazerem parte do Plano Divino e de eu estar sendo utilizado nele”. Trecho da saudação de Ano Novo proferida em 2005 por Kyoshu-Sama, no Solo Sagrado de Atami, Japão.

DEZEMBRO / 2008 –

9


CULTO MENSAL DE AGRADECIMENTO

da nossa fé om dia a todos! Os senhores estão passando bem? Apesar de, durante o Culto, ter elevado meu pensamento a Deus e a Meishu-Sama, lembrando as vítimas das chuvas que assolaram vários Estados, principalmente o de Santa Catarina, agora gostaria de, junto com os senhores, oferecer um minuto de silêncio para fazer a Prática do Sonen de Encaminhamento a Meishu-Sama dos antepassados de todos os que estão sofrendo com essa calamidade, para que sejam purificados e salvos. Muito obrigado! Solidária com o sofrimento dos desabrigados, a Fundação Mokiti Okada se uniu aos movimentos de ajuda humanitária às vítimas das enchentes, recebendo e encaminhando as doações às autoridades responsáveis. Sabemos que não é fácil suportar uma purificação severa como essa. Milhares de pessoas perderam tudo o que possuíam. Muitos perderam, além dos bens, familiares queridos. E mesmo aqueles moradores que não foram vítimas diretas dessa calamidade, estão sofrendo ou sofrerão por algum tempo, suas consequências, porque levará tempo até que os locais afetados sejam reconstruídos. É um momento doloroso que nos leva a fazer muitas reflexões. A primeira reflexão é sobre as palavras de KyoshuSama na ocasião do grande tsunami que arrasou principalmente o sudeste asiático: “Sinto que eu também sou um elemento que origina as causas das catástrofes naturais, sofra ou não diretamente suas conse-

B

10

– DEZEMBRO / 2008

qüências. E, como tal, reflito sobre minha própria postura e, ao mesmo tempo, suplico por perdão.” Ou seja, o que está acontecendo com aquelas pessoas, não está relacionado só a elas. A origem desses sofrimentos também está no Sonen de cada um de nós: que sonen estamos fazendo no nosso dia-a-dia? Será que ele não está influenciando indiretamente no clima daquela região? A segunda reflexão é sobre outra orientação de Kyoshu-Sama, que disse: “Mesmo em se tratando da purificação de um só indivíduo, ela se relaciona intimamente com a purificação da humanidade e do globo terrestre.” Isso quer dizer que a purificação dos catarinenses está relacionada com a purificação de toda humanidade, inclusive a nossa. Por isso, não podemos nos esquecer de agradecer por eles estarem redimindo nossas máculas e as de nossos antepassados também. A última reflexão é sobre a orientação que recebemos no culto do mês passado, do reverendíssimo Watanabe. Ele relatou a mudança que houve numa famíla quando os pais passaram a descobrir os pontos positivos trazidos pela purificação do filho. Aquela era uma purificação de doença em uma só família. Porém, como a Verdade é uma só, esse exemplo também é válido para outros tipos de sofrimento. Uma vez que Deus está no comando de tudo, até nas grandes calamidades existem presentes ou graças de Deus que devemos descobrir e agradecer. Eu me lembro de uma senhora que vi na televisão dizendo: “Mesmo perdendo tudo, graças a Deus, todos meus familiares foram salvos.” Essa senhora conseguiu descobrir um grande ponto positivo para agradecer e espero que descubra ainda muitos outros. Na história recente, muitos são os exemplos de como uma cidade ou um país cresceu e se desenvolveu depois de uma grande calamidade. Uns, levando menos tempo; outros, mais tempo. Esses exemplos já aconteceram nos quatro cantos do mundo. Por isso tenho certeza que, depois de enfrentar esse grande desafio, a população de Santa Catarina alcançará grande desenvolvimento material e espiritual. Agora há pouco tivemos a apresentação da maravilhosa experiência de fé da senhora Rejane de Almeida, que mostrou a força de salvação do Messi-

Rev. Hidenari Hayashi, presidente da IMMB.

as. Ela afirmou que, graças ao Johrei e à “Prática do Sonen de Encaminhamento”, conseguiu eliminar a depressão e a tristeza geradas pela sua doença no fígado, o que a fez redescobrir o Paraíso que existe dentro dela. Meus parabéns! Este é o último Culto de Agradecimento do ano de 2008. Este ano passou depressa, não é? Parece que, a cada ano, o relógio do tempo gira mais rápido... É como se Deus tivesse pressa em fazer a transição dentro de cada um de nós, para construir logo o Paraíso Terrestre... Muitas empresas e organizações utilizam o mês de dezembro para fazer o balanço de suas atividades, contabilizando tudo o que ganharam ou perderam, em que ponto cresceram ou encolheram, durante o ano que está terminando. Fazendo esse balanço, fica mais fácil saber o que se deve fazer em 2009, para crescer e se desenvolver ainda mais, a fim de beneficiar quem participa de suas atividades, bem como toda a sociedade da qual a organização faz parte. Penso que todos nós devemos fazer o mesmo. Não só individualmente, mas também reunindo toda a família, para fazer o balanço como se fosse uma empresa... Por exemplo, lembrar como estava a vida e a situação de cada um em janeiro deste ano e como está agora, depois de quase doze meses: quem será que cresceu? quem será que “encolheu”? Se pensarmos no tamanho físico fica fácil saber, não é? Sabemos que as crianças e os jovens crescem. Dizem os pesquisadores que, a partir de certa idade, nós começamos a encolher... Porém, se considerarmos a dimensão espiritual, todos podem crescer infinitamente, não é mesmo? Embora todos possam encolher espiritualmente também... Como os senhores passaram este ano de 2008 servindo à Obra de Deus e de Meishu-Sama na construção do Paraíso Terrestre, posso dizer com certeza que ninguém encolheu, todos cresceram! É lógico que uns mais, outros menos, mas todos cresceram, de acordo

com o empenho de cada um. E a grande força que vem nos ajudando a crescer são as valiosas explicações dos ensinamentos de Meishu-Sama, que temos recebido de Kyoshu-Sama e do presidente mundial, o reverendíssimo Watanabe. Essas orientações vêm nos ajudando a compreender e a reconhecer a extraordinária grandiosidade de Meishu-Sama, o Messias há séculos tão aguardado pela humanidade. Graças a Meishu-Sama, agora compreendemos que temos uma partícula do Deus Criador do Universo dentro de cada um de nós! E, como nossa partícula divina se liga com o Paraíso onde fomos criados, temos também o Paraíso dentro de nós! Por essa razão não somos simples pecadores, um dia comparados a ovelhas desgarradas, mas somos filhos de Deus, amados por Ele, e também Seus representantes na construção do Reino dos Céus nesta Terra! Agora também compreendemos que representamos todos os nossos antepassados nessa sagrada obra de construção. Além de nos ensinar o que é o ser humano e a sua missão, Meishu-Sama nos orientou sobre a maneira correta de viver para sermos verdadeiramente saudáveis, prósperos e pacíficos, a fim de podermos cumprir essa missão. Por essa razão, Ele nos ensinou a prática do Johrei, da Agricultura/Alimentação Natural e do Belo, que são as três colunas da Salvação capazes de criar um estilo de vida paradisíaco, como é o desejo do Criador para toda a humanidade. Além disso tudo, como toda prática depende do pensamento e do sentimento com que é feita, recebemos a orientação de como manter o Sonen correto, em nosso dia-adia, através da “Prática do Sonen” baseada nas orientações de Kyoshu-Sama. Portanto, posso afirmar, com certeza, que todos os que procuraram avançar ao longo desse ano nessas práticas, não só cresceram espiritualmente, como também cultivaram o estilo de vida que traz felicidade, conforme Meishu-Sama nos ensinou. Por outro lado, é possível também afirmar que aqueles que só pensaram em si ou mantiveram uma fé mesquinha, um Sonen pequeno que só pensa no bem de si próprio ou na satisfação de suas conveniências, não cresceram ou talvez até encolheram em 2008... Ainda bem que terão a chance de se esforçar dobrado no ano de 2009, para alcançar quem cresceu... Dentro de poucos dias realizaremos o Culto do Natalício de Meishu-Sama, aqui no Solo Sagrado e em todas as unidades de Johrei Center do país. Neste dia festivo, em que comemoramos o nascimento de Meishu-Sama, vamos ter a oportunidade de levar nosso agradecimento ao Messias por todas as graças e aprimoramentos que recebemos, não só nós, como nossa família, ao longo deste ano. Para ajudar a relembrar o que vamos agradecer a Meishu-Sama, a Igreja oferece um formulário em que podemos escrever o que de mais importante recebemos neste ano de 2008. Logicamente, só dá para registrar os pontos principais, porque se formos escrever tudo que queremos agradecer, não caberia numa simples folha de papel... Muito obrigado e boa missão a todos! DEZEMBRO / 2008 –

FOTO: PAULO SCHLICK

Vamos fazer um balanço

IZUNOME

IZUNOME

CULTO MENSAL DE AGRADECIMENTO

11


EXPERIÊNCIA NA PRÁTICA DA FÉ

Através da Luz de Meishu-Sama,

IZUNOME

o Paraíso voltou a se manifestar em mim om dia a todos! Meu nome é Rejane de Almeida, sou de Curitiba e freqüento o Johrei Center Portão. É uma grande alegria estar neste Solo Sagrado, relatando meu testemunho sobre o quanto eu estava sofrendo devido a uma doença que me consumia dia a dia. Minha situação antes de conhecer a Igreja Messiânica era de risco. No início de 2004, além da tristeza e da depressão que sentia na alma, tinha dores horríveis e dormia muito mal sem posição para repousar por causa da minha barriga, que inchava muito. Apesar de não me alimentar direito, meu peso aumentou 24 quilos, em alguns meses. Sentia-me desanimada, era revoltada e, às vezes, não conseguia realizar as tarefas domésticas. Passei por vários médicos e, depois de muitos exames específicos feitos em clínicas particulares por indicação de especialistas, em setembro de 2004, o médico me deu o diagnóstico: “Seu fígado está comprometido com um problema crônico. Esse tipo de doença antecede a cirrose hepática e, pelo seu histórico, pode ser hereditário.” Essa patologia é muito comum em dependentes químicos e para os médicos é considerada incurável. O médico perguntou se eu bebia e ficou espantado quando respondi que não gostava nem do cheiro de bebida alcoólica. Ele fez um histórico de minha vida. Fiquei desesperada. Ele tentou me acalmar, dizendo que eu não precisava me sentir culpada, já que se tratava de uma doença que provém de outra geração. Quis saber, com todos os detalhes, em que estágio da doença eu estava. O especialista disse que não havia remédio nem tratamento e que meu quadro clínico já estava muito avançado. Ele explicou: “Seu fígado está como se a senhora tivesse tomado bebida alcoólica diariamente durante mais de quinze anos. Está quatro vezes maior do que o normal”. Fiquei indignada ao receber essa notícia e quis saber quanto tempo de vida ainda me restava. Ele respondeu que, se eu tivesse o máximo de cuidado com a alimentação, ingerindo apenas legumes e verduras, na hipótese mais otimista eu viveria no máximo uns dez anos. Ainda segundo o médico, o único esforço que eu poderia fazer seria ir ao mercado. Ao tomar conhecimento do que se passava comigo, entrei em depressão, prostrei-me numa cama e resolvi esperar pela minha morte, sem ânimo nem vontade de me alimentar. Na época, pesava uns 80

B

12

– DEZEMBRO / 2008

quilos. Como vomitava bastante, e tudo o que comia não chegava a ser digerido, pois era eliminado poucos minutos depois, perdi 24 quilos. Porém, minha barriga continuou inchada e com a aparência de uma gestante de nove meses. Quem não me conhecia, perguntava para quando era o bebê. Minha maior preocupação era com meus filhos, que já apresentavam os mesmos sintomas que eu. Meu caçula, aos 16 anos, teve uma crise de fígado e foi internado. Cheguei a pensar que iria perdê-lo. Minha filha mais velha, de 29 anos, chegou a ser várias vezes internada de emergência, com fortes dores no fígado e vomitando muito. Meu filho do meio, com 28 anos, já se queixava de dores no fígado, também. Em maio de 2008, vendo minha situação, uma amiga, que é membro da Igreja Messiânica, me convidou para conhecer o Johrei Center. Estava tão desiludida e sem esperanças, com tantos sofrimentos, que já havia recusado vários convites para conhecer outras religiões. Entretanto, desta vez, aceitei de imediato e fiquei ansiosa para ver o que aconteceria, pois sempre tive muita fé. Porém, o que eu não podia imaginar, era o quanto o Messias Meishu-Sama mudaria minha vida, para melhor. Ao pisar no Johrei Center, senti uma profunda paz, que não sentia há vários anos. Quando recebi o primeiro Johrei, desabei em lágrimas. Continuando a recebê-lo, fui melhorando cada dia mais e mais. Com a orientação do ministro, aprendi a fazer a “Prática do Sonen”. Foi assim que fui relembrando que essa mesma “doença no fígado” primeiro levou meu pai, a quem tanto amava e ainda amo. Ele faleceu em março de 1999. Depois, em agosto de 2006, ocorreu a morte do meu único irmão, também de cirrose. Além deles, vários tios por parte de pai faleceram também por causa de doenças relacionadas ao fígado. Comecei a fazer a “Prática do Sonen” todas as noites antes de dormir, encaminhando a Meishu-Sama os meus antepassados que se manifestavam em mim e em meus filhos, através dessa doença. Com os estudos dos Ensinamentos, aprendi o significado da purificação, como o sofrimento de nossos antepassados se manifesta em nós também e como encaminhá-los para Meishu-Sama, para serem purificados e salvos. Para minha surpresa, e acima de todas as expectativas, com apenas uma semana, meu organismo passou a funcionar melhor, inclusive a digestão. Minha barriga desinchou, e as dores desapareceram, como

um grande milagre! Aquela depressão e tristeza que me deixavam num quarto escuro prostrada na cama, simplesmente acabaram e deram lugar à vontade de viver e de ser feliz finalmente. Através da Luz de Meishu-Sama, o Paraíso voltou a se manifestar em mim. Quando me dei conta, um mês depois já me sentia viva, com ânimo e prazer de viver, e tinha o desejo de fazer o próximo feliz, conhecendo a verdadeira Luz Divina. Meus filhos, também, não sentiram mais aqueles sintomas horríveis. Recebendo as aulas sobre os Princípios Messiânicos, entendi o que é o amor ao próximo e me senti muito mais calma e aliviada. Passei a conversar mais com as pessoas, pois meu desejo era de levar todas ao Johrei Center. Comecei a fazer o trabalho de casa com gosto, e a auto-estima voltou. Através das muitas mudanças que tive, experimentei a felicidade em todos os sentidos. Ao me tornar membro em 27 de setembro deste ano, decidi dedicar no Johrei Center e fazer parte desta Obra Divina de Salvação. Meus filhos e meu marido também começaram a receber Johrei em casa. Já ministro Johrei a nove pessoas de duas famílias e a alguns vizinhos que, vendo as mudanças na minha vida, estão se interessando em conhecer o Messias, Meishu-Sama. No Johrei Center, dedico nos plantões semanais e nos cultos matinais e vesperais. Em apenas sete meses, já me sinto totalmente recuperada, mais equilibrada, com mais energia e amor, e agora sei o verdadeiro sentido da vida. Descobri que Deus havia reservado vários presentes para mim, através deste processo. Sou melhor hoje. Melhor do que era antes desta purificação. Conheci o Johrei e agora posso ser útil às pessoas, levando a Luz Divina até elas. Agradeço aos ministros e membros do Johrei Center o apoio para estar aqui hoje, relatando esta experiência de fé. Renasci e redescobri o Paraíso que existe dentro de mim, e alcancei esta felicidade graças a Meishu-Sama que, para mim, é o Messias salvador da humanidade. Muito obrigada, Meishu-Sama!

FOTO: PAULO SCHLICK

IZUNOME

EXPERIÊNCIA NA PRÁTICA DA FÉ

DEZEMBRO / 2008 –

13


IZUNOME

KORIN AGRICULTURA NATURAL

Wanessa Camargo vai às compras

na Korin FOTO: ROGÉRIO PALATTA.

inegável que os artistas exercem expressiva influência no comportamento de seus fãs. É comum vermos jovens procurando adaptar seu guarda-roupa aos “modelitos” que determinada atriz está usando diariamente, na telinha. Corte dos cabelos, adereços, gestos, tudo de repente vira moda. Nenhum problema, até aí. O interessante é constatar que há pessoas que, conscientes de que seu estilo de vida pode influenciar positivamente o cotidiano de seus fãs, não se omitem em situações que, normalmente, poderiam ser consideradas um “merchandising gratuito”. Wanessa Camargo é uma pessoa assim. Recentemente, uma revista de ampla circulação nacional publicou matéria sobre o dia-a-dia da cantora. Foi quando questionaram sobre seus hábitos alimentares que ela provou ser uma pessoa muito especial. Leia a entrevista que ela gentilmente nos concedeu, por e-mail. IZUNOME: A preocupação com um hábito alimentar mais natural é só sua ou de toda a família, incluindo seus pais? Com meu aprendizado e conhecimento sobre os benefícios da alimentação natural e orgânica e os resultados evidentes, tornando-me mais saudável na maratona em que vivo, aos poucos meus pais estão se interessando por saber mais e experimentar as diferenças. Mas, é de uma forma mais devagar, principalmente por não estarmos mais na mesma casa e o nosso dia-a-dia divergir muito, pelo volume de compromissos que todos temos. Minha mãe é mais atenta, acaba sendo meu elo para que estas mudanças de hábito se tornem naturais. Por que visitou a loja da Korin, na Vila Mariana, e autorizou a publicação das fotos? Consome regularmente os produtos naturais da Korin? O que aconteceu foi o seguinte. Já adepta da alimentação totalmente orgânica, eu estava fazendo uma pesquisa sobre locais, em São Paulo, onde pudesse ter acesso a uma variedade maior de produtos, para atender às minhas necessidades. Na Internet, encontrei o site da Korin e fui conhecer a loja. Neste período, uma revista estava acompanhando o meu dia-a-dia, numa matéria sobre “looks”, tirando fotos minhas durante as compras que estava fazendo. Sou consumidora sim, digamos até voraz, destes produtos que garantem a minha saúde. Em entrevista a Emílio Zurita você citou espontaneamente a Korin como uma referência para quem quer consumir alimentos naturais e orgânicos. Artistas com projeção nacional e internacional, como vo-

É

14

– DEZEMBRO / 2008

A cantora Wanessa Camargo fazendo compras na loja da Korin na Vila Mariana, zona sul de São Paulo.

cê, raramente fazem merchandising gratuito de uma empresa. A minha preocupação é, primeiramente, com o ser humano. Hoje, como consumidora, podendo falar dos benefícios desse tipo de alimentação, nada mais natural do que falar, também, de locais onde esses produtos podem ser encontrados. Sei que muitas pessoas têm esse tipo de interesse e podem estar buscando onde encontrá-los, como eu busquei. Por que não falar do que já conheço? Facilita. Essa é Wanessa Camargo.


SAÚDE - FMO

exercício físico JOÃO BAPTISTA GIL JUNIOR (BÁ) PROFESSOR DE EDUCAÇÃO FÍSICA

reqüentemente, ouço pessoas justificarem a vida sedentária pelo fato de não aspirarem realizar feitos atléticos ou por não terem recebido, até o presente, críticas ou comentários depreciativos com relação à sua estética corporal. Existem ainda aquelas que defendem que a vida intelectual é incompatível com exercício e ginástica. Um estudo mostra que os mamíferos, ao perceberem que sua existência ou seu equilíbrio estão ameaçados, têm uma reação de alarme e de preparação para a luta. Em quaisquer dos dois casos, esses animais exercitarão a musculatura voluntária (estriada). Todavia, como somos animais civilizados, vivendo em sociedade, nossas reações de ataque e/ou fuga são mais simbólicas que reais e evidenciam-se de forma verbal, raramente se traduzindo em reações físicas. Uma vez que não ocorre descarga fisiológica, a carga energética acumulada no interior do organismo cria um estado de agitação e desassossego interior, que são extremamente nocivos ao bem-estar e à felicidade do indivíduo. Os sistemas que mantêm o organismo harmonizado poderão sofrer sérios danos, se nenhuma vazão ocorrer. Os órgãos que são regidos por músculos involuntários (musculatura lisa), como o estômago, intestino, as artérias e o coração, por exemplo, poderão sofrer toda a descarga da energia que não foi dissipada. A prática regular de exercícios físicos possibilita que a tensão do cotidiano se extravase por intermédio da utilização dos músculos voluntários (musculatura estriada). Neurotransmissores, como a endorfina, são produzidos em resposta à atividade física, gerando uma sensação de bem-estar, prazer e relaxamento. A saúde física e mental é considerada, atualmente, um dos pilares da empregabilidade, juntamente com a adequação vocacional, a competência profissional etc. Entende-se por empregabilidade a qualidade de quem reúne condições para solucionar problemas, gerar riquezas e progresso. Diante dessa realidade, não devemos negligenciar a importância de nos apresentarmos diante das pessoas – de maneira sincera, é claro – com espírito alegre e prestativo, contagiando o ambiente com as mais agradáveis vibrações. Praticando exercícios físicos regularmente e adotando um estilo de vida oposto ao sedentarismo, mesmo que não conste na relação de nossas metas levantar um troféu ou ganhar uma medalha, e que não nos imaginemos com uma estética corporal que faça inveja às “celebridades”, poderemos contribuir para o estabelecimento de uma sociedade mais saudável e alegre, e chegaremos um pouco mais perto da felicidade.

F

DEZEMBRO / 2008 –

15

IZUNOME

Benefícios emocionais do


ALIMENTAÇÃO - FMO

O Sonen de alegria e gratidão gera

energia vital LUIS FERNANDO BUCK E MARIA TEREZA CASULLI

stamos na estação do fogo, o verão, e a natureza está em festa. A época é propícia para reunir os familiares e amigos e curtir uma praia, uma piscina ou um rio, enfim, deliciarse com as águas. E, para nos harmonizarmos com este período, o sentimento a ser cultivado é o da alegria. Dando início à temporada de festas, vamos refletir se a alegria e o riso fazem parte do nosso dia-a-dia. Não se trata do riso fácil de quando se ouve uma piada, mas daquele que demonstra um estado de espírito equilibrado e saudável.

E

Reflita Para você a cozinha é um monstro que te engole, ou um local de prazer? Cozinhar é um trabalho, uma obrigação a mais, ou uma fonte de alegria? Se você extrai da cozinha e do cozinhar cotidiano, alegria e prazer, parabéns! Com certeza, você compreendeu que a energia da vida circula quando nos doamos altruisticamente. E podemos receber, na mesma intensidade, tudo aquilo que oferecemos. Agora, se para você o cozinhar é uma chatice só, o que dizer? Saiba que o maior presente que poderemos oferecer a alguém é a saúde. E se ela vier junto com o prazer de uma refeição saborosa, e num ambiente alegre, melhor ainda. Isso não tem preço! Nós sugerimos receitas saudáveis com alimentos naturais/orgânicos, mas o principal ingrediente para fortalecer a energia vital deles é o seu Sonen (pensamento, estado de espírito) de alegria e gratidão. Saiba que só poderemos colher aquilo que plantamos! Dicas Use e abuse das frutas com abundância de caldo, como melancia, melão, abacaxi, nectarina, pêssego e uvas. Beba muita água de coco. Prefira carnes brancas de ave e peixe. Lembre-se que os produtos da agricultura natural/ orgânica são as melhores opções.

16

– DEZEMBRO / 2008

Mais saúde na sua ceia

SUGESTÃO PARA A CEIA DE NATAL

IZUNOME

IZUNOME

ALIMENTAÇÃO - FMO

SALADA ÁRABE Vinho tinto Vinagre de vinho Água Berinjela Pimentão verde Pimentão vermelho Pimentão amarelo Cebola Azeitona preta picada Alho Nozes sem casca Azeite de oliva

1 garrafa ½ garrafa ½ garrafa 4 unidades 1 unidade 1 unidade 1 unidade 1 unidade grande a gosto a gosto a gosto a gosto

Retirar as sementes dos pimentões e fatiar em tiras. Cortar a cebola em rodelas. Cortar o alho em lâminas. Triturar as nozes. Picar as azeitonas. Reservar. Retirar as sementes da berinjela e picar em cubos de tamanho médio. Levar ao fogo, numa panela grande, o vinho, o vinagre e a água. Quando levantar fervura, colocar somente a berinjela para cozinhar. Retirar com uma escumadeira, deixando escorrer bem. Colocar numa travessa e acrescentar o alho laminado cru. Colocar o pimentão verde para cozinhar no mesmo caldo. Retirar e colocar na travessa, junto com a berinjela. Repetir o procedimento com o pimentão vermelho, depois com o pimentão amarelo e, por fim, com a cebola. Acrescentar as azeitonas e as nozes. Misturar bem. Regar generosamente com azeite.

Berinjela: rica em vitaminas A, B1, B2, B5 e C; minerais como potássio, fósforo, cálcio, magnésio, enxofre e ferro, e em alcalóides. Pimentão: conhecido como derivado das pimentas, com frutos graúdos e sem a capsaicina, que causa a sensação de ardência, esse fruto é encontrado nas cores amarela, verde e vermelha. Tem vitaminas C e A; pequena quantidade de cálcio, fósforo, ferro e sódio. Alho: é repleto de proteínas e vitaminas A, B1, B2 e C. Cebola: sua composição química é rica em vitaminas A, B1, B2, B5, C, sais minerais, glicoquina e flavonóides.

JANEIRO Produtos da safra Alho nacional, alho estrangeiro, almeirão, batata, berinjela, beterraba, brócolis, cebola, cenoura, chicória, coco, couve, escarola, espinafre, jiló, milho verde, mostarda, pepino, pimenta, pimentão, quiabo, rúcula, salsa, salsão, tomate, vagem, abacaxi, banana-maçã, figo, goiaba, jaca, laranja-pêra, limão, maçã, manga, maracujá azedo, melancia, melão amarelo, pêra, pêssego, uva itália, uva niágara.

DEZEMBRO / 2008 –

17


IZUNOME

CIÊNCIA

A alimentação e o

aleitamento materno MASAKO SUZUKI DOUTORA

EM MEDICINA, PROFESSORA DA

UNIVERSIDADE HEISEI

DE

FUKUYAMA- JAPÃO

TRADUÇÃO: ANDRÉ LUIZ MACHADO

ltimamente, aumentaram as queixas de que os bebês rejeitam o leite materno, e que as mães têm os seios inchados e doloridos. A causa principal desses problemas está na alimenta-

U

ção da mãe. O leite materno é produzido a partir do sangue, que se torna branco nas glândulas mamárias e sai pelo mamilo. Até algum tempo atrás, a alimentação do Japão, por exemplo, tinha como alimento principal o arroz, complementado por uma grande variedade de outros produtos de origem vegetal, como algas marinhas, hortaliças e leguminosas, a que se acrescentava um pouco de produtos de origem animal, peixes e moluscos. Entretanto, nos últimos sessenta anos, o consumo de carnes e derivados do leite, que são ricos em gordura animal, aumentou, e o consumo de alimentos de origem vegetal foi reduzido drasticamente. Esse tipo de alimentação faz aumentar a quantidade de ácidos graxos saturados, colesterol e triglicérides, dando origem ao que chamamos de “sangue grosso”. O leite materno produzido a partir desse sangue é amarelado, viscoso e possui odor e gosto desagradáveis. É por isso que o bebê, muitas vezes, morde o mamilo, chora e não mama. Por fim, o fato de não ser possível oferecer nutrientes ao bebê, acaba provocando uma instabilidade emocional. Quando o bebê não mama, o leite viscoso se acumula nas glândulas mamárias, ocasionando a mastite, inflamação dessas glândulas. O seio incha e fica rijo como pedra e desencadeia-se febre alta. Entre outras coisas, esse quadro pode tornar-se, também, a causa da septicemia, infecção generalizada em que os microrganismos patogênicos se multiplicam no sangue. O aleitamento materno, além de aumentar a capacidade imunológica, tem muitas outras vantagens. Para que as crianças cresçam cheias de saúde e vigor, cuidemos da alimentação, empenhando-nos para que se tenha uma culinária que utiliza ingredientes locais e da estação.

18

– DEZEMBRO / 2008

Cesariana aumenta risco de asma em bebês e crianças s bebês nascidos por operação cesariana têm uma propensão 80% maior de desenvolver asma do que os nascidos por parto normal. É o que sugere uma pesquisa realizada na Holanda e divulgada recentemente. Quase três mil crianças tiveram sua saúde monitorada, ao longo do estudo, desde o nascimento até os oito anos. A líder do estudo, Dra. Caroline Roduit, baseada no momento no Hospital Infantil de Zurique, na Suíça, afirmou que a incidência de asma aumentou muito em países industrializados, paralelamente aos nascimentos realizados através de cesariana. Em relação ao número total de nascimentos, o uso desse método cresceu de 5% na década de 70 para mais de 30% em 2000. Os autores do estudo, publicado na edição da primeira semana de dezembro da revista especializada “Thorax”, acreditam que a ligação entre o nascimento por cesariana e o aumento do risco de asma podem estar atrelados ao momento de ajustamento do sistema imunológico, já que o parto por cesariana atrasa a exposição do bebê a micróbios. Segundo os pesquisadores, a associação dessa doença com o método de nascimento é ainda maior entre bebês com pais alérgicos, o que sugere uma predisposição genética. As crianças cujos pais eram alérgicos tinham uma predisposição quase três vezes maior de serem asmáticas quando atingiam os oito anos, em comparação a crianças com pais nãoalérgicos. Para saber mais sobre a pesquisa que relaciona a cesariana com a incidência de asma nas crianças, acesse o seguinte endereço: http://thorax.bmj.com/ cgi/content/abstract/thx.2008.100875v1.

O


2008/12  

Aqui nasceu a Luz do Oriente

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you