Issuu on Google+

JORNAL MESSIÂNICO IGREJA MESSIÂNICA MUNDIAL DO BRASIL - MATERIAL DE ESTUDO PARA MISSIONÁRIOS - ANO 35

SETEMBRO-OUTUBRO 2006

Nº 358


GABINETE DA PRESIDÊNCIA

2 SET OUT 2006

E

Um novo sonho a concretizar

stamos na penúltima edição de 2006, que está se revelando um ano muito especial em muitos sentidos. Na verdade tudo começou em novembro do ano passado, quando o reverendo Watanabe nos orientou, pela primeira vez, sobre a Prática do Sonen. Com espírito de busca e a postura de seguir, fielmente, as orientações recebidas, muitas pessoas adotaram essa prática, no seu dia-a-dia. O resultado foi - e continua sendo - o surgimento de maravilhosas graças e milagres. Mas muita coisa ainda estava por vir. Em agosto, no Culto de Gratidão, em Guarapiranga, o reverendo Watanabe nos trouxe novas e auspiciosas notícias, relacionadas com a nossa Igreja na África, Inglaterra, Portugal e Rússia. A íntegra da orientação que ele dirigiu aos participantes da cerimônia está nas páginas 6 e 7 desta edição.

As páginas 4 e 5 são espaço para o Trono de Kyoshu. Nelas você vai encontrar a íntegra da orientação que o nosso Líder Espiritual, KyoshuSama, proferiu em julho, no Culto às Almas dos Antepassados, no Templo Messiânico de Atami. Trata-se de um material de estudo inestimável para todos nós, porque ele indica as características que a Obra Divina está assumindo, e orienta sobre como sintonizarmos a nossa prática da fé, no diaa-dia, com um novo ritmo, uma nova visão, em que o Supremo Deus espera que impregnemos, em cada pensamento, em cada palavra, em cada atitude que tivermos, um espírito novo, conscientes da eternidade da vida - a nossa e a de nossos antepassados. Esta edição traz mais uma boa notícia. Um dia, um jovem japonês chegou ao Brasil para difundir a fé messiânica em nosso país. Já no início de sua carreira missionária, ele não conseguia ter sonhos

pequenos. Sempre sonhava grande, muito além do que as pessoas acreditavam ser possível concretizar. Mas, ao longo de 30 anos dirigindo os destinos da nossa Igreja no Brasil, nós, messiânicos, passamos a reconhecer nos planos do Rev. Watanabe os sonhos de Meishu-Sama, e fizemos deles os nossos próprios sonhos. O Solo Sagrado de Guarapiranga já é realidade, mas ele ainda não está satisfeito. Está, agora, nos chamando para concretizar um novo sonho. A Faculdade Messiânica está nascendo. Um modelo pequeno, é certo. Mas, com a orientação do Rev. Watanabe, nós podemos fazer com que esse modelo se expanda e se transforme numa ferramenta importante para a difusão do pensamento e da filosofia de nosso Mestre, em escala mundial. Adote esse ideal. Participe. Colabore. Encare esse novo desafio como um sonho de MeishuSama. E faça dele, mais uma vez, o seu sonho.

Grandes obras começam com pequenos modelos O prédio, com certeza, ainda é pequeno para o tamanho do sonho. Mas a Faculdade Messiânica vai crescer e, com o seu apoio, se tornar um modelo que se expandirá pelo mundo todo.

O

prédio onde será instalada a futura Faculdade Messiânica tem 512,28 m2 de área construída. O complexo é composto por três módulos – o prédio principal, um intermediário e uma edícula. No prédio principal vão ser instaladas a secretaria acadêmica e cinco salas de aula (quatro no andar superior e uma no térreo). Todo o espaço está adaptado para a livre circulação de deficientes físicos. No módulo intermediário vão funcionar a cantina, duas salas de aula no pavimento superior e outra no térreo, além dos banheiros masculino e feminino. A edícula abrigará o setor administrativo, onde vão funcionar uma sala de reunião, a sala dos professores, da diretoria e a sala da coordenação da instituição. A Biblioteca da Faculdade ficará alojada no mezanino do prédio-sede da Fundação, para onde também está sendo transferida toda a estrutura do Programa de Formação Sacerdotal da IMMB, que hoje conta, como seminaristas “residentes” (jovens que estão se preparando para a segunda fase de aprimoramento, que acontece na Sede Geral, no Japão), com 4 integrantes da 29ª turma e 6 da 30ª turma de Formação Sacerdotal. O prédio da Faculdade Messiânica fica na rua Humberto I n° 612, na Vila Mariana, bem próximo à Sede Central da IMMB.

Acima, fachada do prédio da futura Faculdade Messiânica, na rua Humberto I, n° 612, na Vila Mariana (SP). O espaço do imóvel foi redesenhado e recebeu tratamento paisagístico, permitindo que professores e alunos circulem em um ambiente harmonioso e tranqüilo. Segundo a coordenadoria da Faculdade o primeiro vestibular, com vagas abertas para 240 alunos, deverá ser realizado ainda este ano.

Acesse nossos sites

www.messianica.org.br

www.fmo.org.br

Sala de aula. Ao fundo, área aberta que leva ao prédio intermediário e à edícula (setor administrativo).

www.korin.com.br

Toda a área do prédio possibilita o contato com a Natureza, um dos postulados básicos da filosofia de Mokiti Okada.

JORNAL MESSIÂNICO Produzido pela Fundação Mokiti Okada - M.O.A.

ILUSTRAÇÃO: JUHI LEE

Faça sua doação A Biblioteca da Faculdade Messiânica está em fase de catalogação de livros, e está aceitando doações. É importante que os volumes estejam em bom estado de conservação, e que sejam afins às áreas de Religião, Filosofia, Arte, História, Sociologia, Psicologia, Agricultura, Meio Ambiente e Saúde. Também serão aceitas doações monetárias, para fins de aquisição de livros específicos. Para mais informações sobre a Biblioteca, entre em contato pelo telefone (0XX11)5087-5142 ou pelo e-mail faculdade@fmo.org.br.

Redação e Administração: Rua Morgado de Matheus, 77 - 1º andar CEP 04015-050 - Vila Mariana - São Paulo - SP Tel. (0xx11) 5087-5078 Diretor responsável: Antonio Ramos de Queiroz Filho (MTb 21898) Editor de Arte: Kioshi Hashimoto Assistente de Arte: João Paulo Otsuka Fotografia: Ricardo Fuchigami Secretaria: Vivian Palmeira Tiragem: 100 mil exemplares E-mail: jm@fmo.org.br Impressão:


FUNDAÇÃO MOKITI OKADA

Pequeno modelo, grande sonho Em entrevista ao JM, o reverendo Tetsuo Watanabe fala sobre a missão da Faculdade Messiânica e manifesta sua expectativa de que esse modelo, a princípio restrito à Igreja do Brasil, com suporte da Fundação Mokiti Okada, possa se tornar um modelo a ser expandido em âmbito mundial.

A

implantação da Faculdade Messiânica é um passo importante no trabalho de expansão do pensamento de Mokiti Okada para toda a sociedade brasileira. Como o senhor vê esse trabalho? Fico muito feliz. Quando comecei a sonhar com essa Faculdade, eu nem era presidente da Igreja. Tinha 33 anos e era chefe da Igreja Rio de Janeiro. Mas, sempre que tinha chance eu falava desse sonho para os meus assessores, e um deles era o atual presidente da Fundação, Rogério Hetmanek. É ele que está desenvolvendo esse trabalho, com a colaboração dos supervisores e de muitas pessoas. Qual a missão da Faculdade Messiânica? Como ela é ligada à Igreja do Brasil, o primeiro passo será propiciar estudo, aprimoramento e aperfeiçoamento para os ministros e membros, e para pessoas que tenham interesse em aprofundar seus conhecimentos religiosos e filosóficos. Mas isso é só o primeiro passo. E quais serão os próximos? Eu sempre sonhei em criar uma Universidade para divulgar, em âmbito mundial, a filosofia de Mokiti Okada. O Brasil veio, de um tempo para cá, começando a se estruturar para concretizar esse sonho. Precisa começar pequeno, com uma Faculdade e, depois, ampliar até se tornar Universidade. Esse trabalho está sendo desenvolvido por pessoas competentes, pessoas em quem eu confio. Acredito que esse modelo poderá ser expandido, no futuro, para todo o mundo.

No coquetel de inauguração, o Rev. Tetsuo Watanabe agradeceu a colaboração de todas as pessoas envolvidas com o projeto da Faculdade e reafirmou sua expectativa de que ela se torne um modelo que possa ser aplicado em âmbito mundial.

Qual é a sua expectativa? Quero que, através dessa Faculdade, possamos começar uma fase inédita do funcionamento da Obra Divina, com novo espírito, uma

De que forma isso aconteceria? Para que uma atividade seja implantada em escala mundial é necessário que ela seja aprovada por Kyoshu-Sama, pela diretoria da Igreja-Mãe e pela direção da Igreja Izunome, à qual está ligado todo o trabalho de difusão internacional. Eu já relatei ao Quarto Líder Espiritual e a todos os diretores das duas instituições sobre o esforço que o Brasil está fazendo. Todos ficaram entusiasmados com o projeto. Mas, nessa fase inicial, o trabalho ficará restrito ao Brasil.

espírito inédito, que dará uma nova amplitude ao nosso trabalho. É assim que Kyoshu-Sama está nos orientando. Por isso que, como vem surgindo essa nova maneira de pensar, achei que era a hora certa para começar. Porque, se nada tivesse mudado, talvez eu ainda poderia achar que não havia chegado o tempo certo para dar esse passo.

Pode detalhar um pouco mais esse novo enfoque? Estou falando de uma nova visão, que Meishu-Sama já tinha e já havia nos orientado, mas que foi aprofundada, esclarecida através de KyoshuSama. Foi aí que eu mesmo despertei para esse novo enfoque. Assim, entendi que as atividades, as práticas, os pensamentos e os sentimentos preciAtendendo a um pedido seu, o Consam mudar, evoluir ainda mais. Por selho Deliberativo da IMMB acaba de isso, acho que precisamos estruturar empossar os novos presidente e vice-preuma doutrina baseada no princípio da sidente da Igreja. Isso significa que o seprecedência do espírito sobre a manhor não vai participar do projeto da Fatéria, para apontar o caminho que forRogério Hetmanek, presidente da FMO: “Começamos a concretizar um sonho”. culdade? ma verdadeiros espiritualistas. ConComo fui nomeado Presidente de forme Kyoshu-Sama vem nos orienHonra da Igreja do Brasil, a nova diretoria me pe- nova caminhada. Isso não significa que o que veio tando, a visão sobre Deus, sobre o Salvador, sobre diu que continuasse acompanhando, orientando sendo feito até agora não foi válido, mas que de- os antepassados, sobre a missão do homem, tudo e apoiando também esse trabalho. vemos impregnar, nas nossas atividades, um isso é muito importante e precisa ser objeto de estudo dos líderes da humanidade.

Um coquetel para os convidados marcou a inauguração do prédio da futura Faculdade Messiânica.

Com certeza esse trabalho não vai ficar restrito à comunidade messiânica... Eu acredito ele vai abrir um novo universo para todas as outras doutrinas, como está abrindo para nós, no que se refere ao relacionamento com o mundo invisível. Einstein afirmava que começou a se aprofundar na ciência para compreender os mistérios da Natureza. Depois de muitos anos de estudo, morreu falando mais ou menos assim: “Minha vontade sempre foi compreender o que Deus pensa, como Ele criou o mundo. Se alguém conseguir entender a vontade dele, o que Ele quer, o que espera de nós, o resto é irrelevante”. Ele foi um dos cientistas mais influentes do século passado. E essa era a preocupação dele. Nós estamos aprendendo, através dos Ensinamentos de Meishu-Sama, qual é a vontade de Deus, para poder ensinar a todas as pessoas qual é a missão do homem e para torná-las verdadeiros espiritualistas. Acredito que essa é a nossa missão e, também, a missão da Faculdade Messiânica. Ela é o primeiro passo para criarmos uma Universidade, um instrumento capaz de ensinar à humanidade o caminho que reconhece e respeita as leis da Natureza e a existência e precedência do espírito sobre a matéria, formando seres verdadeiramente espiritualistas e felizes.

3 SET OUT 2006


TRONO DE KYOSHU

4

TRONO DE KYOSHU

“O Supremo Deus é a própria vida”

SET OUT 2006

No Culto às Almas dos Antepassados, realizado no Templo Messiânico de Atami, Kyoshu-Sama (Quarto Líder Espiritual da IMM) orientou sobre a Prática do Sonen, falou sobre por que ocorrem as graças e milagres e enfatizou a importância de vermos nossos antepassados como existências vivas, dentro de cada um de nós. Segundo ele, essa postura é indispensável para que se abra, para eles, o caminho da salvação.

M

inhas sinceras felicitações pelo Culto aos Antepassados. É com profundo respeito que lhes digo que o único e Supremo Deus está vivo. Este Deus Supremo outorgou a Meishu-Sama o Seu próprio espírito e, através dele, nos revelou a Sua Vontade. MeishuSama, obedecendo a esta vontade, renasceu como nosso salvador, ao qual foi atribuída a personalidade divina, e vem, em união com Deus, até hoje, desenvolvendo vigorosamente, sem a mínima interrupção, a Obra Divina, transpondo as dimensões do presente, do passado e do futuro. Como um de nós que, originariamente, estava unido a Meishu-Sama por um profundo elo, e que está sendo formado para se unir novamente a Ele, agradeci, juntamente com todos os senhores, a permissão de estar participando deste Culto aos Antepassados e orei, louvando e venerando a Obra de Deus. Estou profundamente agradecido a todos os senhores que, com um grande sonho, oferecem sua sincera dedicação na construção do Solo Sagrado de Heiankyo (Kyoto), cuja conformação está ficando cada vez mais bonita e reconfortante. Ao mesmo tempo, não consigo deixar de desejar que nos tornemos pessoas capazes de corresponder à bênção de termos um local que nos faça recordar o sagrado lugar de paz e tranqüilidade que existe dentro de cada um de nós. Hoje, também estou feliz pois temos a presença de muitos membros vindos do exterior, o que mostra que, em vários lugares do mundo, as pessoas estão desenvolvendo suas atividades com grande fervor. Acredito que todos estão se esforçando no servir, nessa nova etapa da Obra Divina, cheios de esperança. Estou certo de que principalmente os senhores, ministros e membros, unidos sob a liderança do presidente Watanabe, estão se empenhando em cultivar uma fé que não menospreza a existência de Deus, através da Prática do Sonen, atividade perfeitamente consubstanciada na Lei da Precedência do Espírito sobre a Matéria. Os senhores estão reconhecendo o poder da consciência humana, e quão grande é o poder de influência do Sonen. E, ao invés de ficarem discutindo isso como um mero conhecimento, estão se esforçando em procurar conduzir o sonen de acordo com a Vontade Divina, e de gerar o sonen concretamente como forma de praticar os Ensinamentos. Este fervor me deixa realmente emocionado. A forma com que cada um dos senhores lida com seus sentimentos está se tornando um grande aprendizado e motivação, para mim. Através dessa prática muitas pessoas estão tendo inúmeras comprovações, ou seja, recebendo muitas graças, e a emoção delas chega até mim, quando leio seus relatos. Ao mesmo tempo, sou forçado a pensar sobre qual é o significado da ocorrência de tantas graças. Eu sinto que nós, seres humanos, temos a tendência de agradecer principalmente por aquilo que nos é conveniente, ou que é melhor para nós, interpretando essas coisas como graças ou milagres. No entanto, originalmente, essas comprovações acontecem para a conveniência de Deus, e não para a conveniência do homem. Eu acredito que os milagres acontecem para que Deus possa revelar a si próprio, neste plano terrestre. Eu penso que Deus está nos guiando através dos milagres para que nós possamos acreditar mais nele e consigamos nos aproximar mais um pouco que seja da Sua Vontade. Sem nos esquecermos disso, devemos nos perguntar se conseguiríamos acreditar em Deus mesmo sem receber graças. Se, ainda assim, conseguirmos agradecer humildemente à Vontade de Deus, creio que teremos os nossos próprios sentimentos revigorados. Gostaria muito que ficassem atentos diante de uma graça recebida, para não serem tomados de vaidade pela sua fé, e isso, mais tarde, trazer arrependimentos. Eu sinto que a Prática do Sonen, na qual os senhores estão se empenhando atualmente, está sendo possível graças ao grande amor e atuação de Meishu-Sama. Na condição de ser humano, não é nada fácil conseguir pensar que nos foi entregue uma

partícula do espírito de Deus, e que filhos de Deus Supremo, que existimos para sermos repreconquistaram a vida eterna? sentantes d’Ele. Mesmo assim, a Como está expresso no salmo vontade de Deus é que estejamos “Enquanto estivermos neste sempre refletindo, com toda a mundo, precisamos saber quem nossa sinceridade, sobre o que é ser é o pai da nossa vida eterna”, Seu representante. Ao mesmo gostaria que todos sentissem o tempo, quando analisamos o fato espírito de Meishu-Sama impregde nos ter sido atribuído um corpo nado neste salmo, e aprendessem material, veremos que estamos com ele. unidos a todos os elementos da Realizamos hoje o Culto aos Natureza, e que somos a somatória Antepassados. Aproveitando o dos nossos antepassados. Por isso, ensejo, gostaria de analisar como mesmo achando que somos nós estamos compreendendo sobre que estamos pensando, temos, nossos pais e demais antepasdentro do nosso pensamento, a sados, que já faleceram. Será que influência de todas as coisas da possuímos o firme pensamento de Natureza, bem como a influência que nossos antepassados contido pensamento de inúmeras pesnuam vivos? Como eles já não soas, a começar pelo dos nossos estão mais nesta dimensão, onde antepassados. Porém, é muito possuíam um corpo físico, será difícil para nós reconhecer que que não estaríamos considerando tudo isto são mensagens imporque eles estão mortos? No entantantes, confiadas por Meishuto, a consciência deles não estaria Sama, e que somente nós podemos evoluindo continuamente, como assumí-las. elemento altamente concentrado, Principalmente em relação às sem se extinguir, e bem junto a falhas a que fomos impostos, é nós? muito difícil descobrí-las por nós A consciência e o código genémesmos. Isto não seria porque a tico dos antepassados estão nossa auto-consciência está “prounidos dentro de nós e, embora gramada” para nos diferenciarmos estejam permitindo a nossa das outras pessoas e nos justifiexistência, por não conseguirmos carmos e, com isso, querer desver a sua figura em forma de cartar qualquer pensamento incôcorpo físico, não pensamos neles modo ou desfavorável, como se ele como vivos, e o nosso coração No Solo Sagrado da Terra da Tranqüilidade (Heyankyo, Kyoto), Kyoshu-Sama (Quarto Líder Espiritual da IMM) faz plantio simbólico de árvore na inauguração, em 2005. não tivesse relação nenhuma cotende a tê-los como mortos. Será nosco? que, diante de uma pessoa prestes a encerrar sua missão neste Eu, particularmente, ficava Acredito que, de uma forma ou de outra, Meishu- mundo material, não estaríamos vendo esse fato utilizando a reflexão como uma forma de dissimular não estamos nos esquecendo de que estamos na e, mesmo sentindo remorso, deixava de lado, posição de fazer essa entrega a Meishu-Sama tendo Sama está permitindo que, através das inúmeras como o fim de sua vida? esperando que o tempo resolvesse tudo e me fizesse no nosso coração o Paraíso, como o mundo da experiências que acontecem, possamos treinar o No pensamento das pessoas em geral, o funeral, nosso coração. A nossa visão sobre as coisas e o nosso a celebração de finados, cultos de aniversário de esquecer. Assim, eu deixava uma mensagem salvação e do renascimento. Em sua generosidade, nosso Mestre perdoa este campo de raciocínio são estreitos e limitados. Melhor falecimento, além de outras formas de sufrágio, são importante se perder. Quando estamos presunçosos na fé, fica mais difícil admitir que estávamos Sonen falho e egoísta que possuímos, apoiando-nos do que entregar para Meishu-Sama, na qualidade realizados para os mortos.Será que deveríamos menosprezando a existência de Deus, ou que mais do que o suficiente, permitindo que nos de indivíduo, o nosso coração repleto de desejos e deixar o nosso Sonen sofrer a influência desta estávamos dando mais valor ao reconhecimento das lapidemos através da Prática do Sonen. Portanto, sofrimentos, para que Ele faça algo por nós, devemos maneira de raciocinar? Meishu-Sama nos ensinou pessoas à nossa volta, em vez de estarmos procuran- devemos cultivar um sentimento que consiga reconhecer que os vários sentimentos que ocorrem que a vida do ser humano é eterna. Ele escreveu os do ser do agrado de Deus. Ainda mais quando se agradecer pelo Seu grandioso amor e atuação. Por dentro do nosso coração devem ser direcionados às seguintes poemas: “O homem que tem consciência da eternidade trata de entregar esse sentimento a Deus, creio que isso, precisamos nos policiar muito para que, quando atividades de salvação de toda a humanidade, nos não é uma tarefa fácil. Mas, na verdade, o que nós virmos a melhora da situação à nossa volta, ou a voltarmos para Meishu-Sama, e, na posição de quem da vida é um verdadeiro homem” e “Salvar todos somos agora não seria o resultado dessa vida de melhora de nosso estado físico, não achemos que tem a qualidade de pessoas unidas a Ele, nós o os seres vivos é ensinar o caminho da vida eterna”. Através destes poemas, não estaria Ele querendo alternância entre o bem e o mal, que nossos antepas- isso se deu graças ao nosso pensamento, ou porque deixaríamos contente se, com toda a coragem, sados levaram? Assim, se não conseguirmos aceitar compreendemos algo. Além disso, acreditar que disséssemos: “Gostaria de ser utilizado juntamente nos mostrar como é importante saber que a vida do dentro do nosso sentimento todo este bem e mal, e Meishu-Sama esteja aprovando você, que acha que com meu pai, minha mãe e meus antepassados, e as ser humano é eterna, e que somos salvos quando não conseguirmos entregar isso a Deus, como iremos conseguiu ter esse pensamento por si mesmo, é fazer muitas outras pessoas que existem dentro de mim, temos a consciência de que a vida evolui eternaem prol da concretização do vosso sentimento”. Eu mente? Mesmo assim, vim persistindo na minha encaminhar nossos antepassados ao caminho da pouco caso de Deus. Precisa estar claro para nós que, se Meishu-Sama, mesmo sinto que preciso, no meu cotidiano, culti- costumeira maneira de pensar, mantendo fixamente salvação? Quando dizemos que entregamos algo nas mãos objetivando nos formar e unir a Ele, não se manifes- var um sentimento capaz de me fazer pensar desta a imagem sobre a morte que possuía até hoje. Vivi de Meishu-Sama, precisamos interrogar a nós tar em nós, querendo nos ensinar, jamais consegui- forma, com naturalidade. Não podemos esquecer até o presente sem ter noção de que deixei os meus mesmos se não estamos fazendo isso esperando um remos ter esses pensamentos. Quanto mais nos em- que esta posição “formalmente reconhecida” de antepassados presos no estado de morte, uma vez resultado conveniente para nós. Será que, agindo penhamos, mais corremos o risco de servir com as pessoas unidas a Meishu-Sama, a que me referi que eu também fui levado pelo redemoinho do assim, não estamos tentando ocultar as nossas nossas próprias forças e, também, de ficarmos agora, é a nossa verdadeira essência, ou seja, o nosso mundo do sonen de toda a humanidade, cujos antepassados morreram sem ter tido conhecimento falhas? Precisamos perguntar a nós mesmos se presunçosos, achando que tivemos um determinado verdadeiro eu. A Prática do Sonen, ou seja, a forma como deve- da vida eterna. estamos acreditando que Meishu-Sama continua pensamento por canta própria. Gostaria de alertar mos utilizar a força do Sonen que cada um recebeu O Supremo Deus é a própria vida. E, se Ele pervivo, e se Lhe estamos entregando algo com a certeza para não cairmos nessa armadilha. Assim, quando somos tomados de alegria por é o grande tema da tarefa atribuída a toda humani- mite que todas as criaturas a que deu vida, em todas de estarmos na posição de pessoas unidas com Ele. Também devemos questionar, mais do que tudo, se termos recebido uma graça, achando que a dade. O caminho que devemos tomar, através desta as dimensões, mantenham a vida, se eu fui contra conseguimos por termos compreendido o senti- prática, não é o de nos tornarmos pessoas bem vistas mento de Meishu-Sama, devemos nos esforçar, não pelos outros, muito menos para aumentarmos nosso esquecendo a humildade de reconhecer que quem valor pessoal ou, ainda, para nos vangloriarmos da nos leva a sentir é Meishu-Sama, pois, assim, esta- correção da forma como agimos com Deus. O remos fortalecendo cada vez mais o nosso elo com caminho que temos de percorrer é praticamente o Ele. Como nosso Mestre está objetivando nos unir oposto a este. Ele não é outro senão o de buscar saber em um só corpo com Ele, assim como na respiração, o quanto somos imperfeitos, perante Deus e, embora devemos desejar verdadeiramente recebê-lo dentro seja difícil, devemos procurar saber o que Ele deseja, de nós e, a cada instante, a cada momento, nos tor- e como nos tornarmos filhos que Lhe dêem alegria. narmos uma folha de papel em branco. Se conse- Não seria para isso que nós estamos sendo unidos guirmos acreditar, de todo coração, que Meishu- novamente a Meishu-Sama, e nos esforçando, Sama está querendo nos mostrar alguma coisa, ao buscando nos tornarmos representantes de Deus, no se manifestar dentro de nós, e ao buscarmos o que verdadeiro sentido? Não estaríamos, ao mesmo Ele quer nos transmitir, iremos despertar para o sen- tempo em que nascemos como “filhos do homem”, timento de Meishu-Sama e para a essência de seus através de nossos pais, que fazem parte da Obra de Ensinamentos, tornando-se possível compreendê-los criação do Supremo Deus, independentemente do corpo material, buscando morar no Paraíso como gradualmente. Jardim no Solo Sagrado de Kyoto. Lago com ipê. O Heyankyo tem uma natureza exuberante.

este principio da criação, e considerei os falecidos como existências que não estão mais vivas, é certo que cometi uma grande insolência contra o Supremo Deus. Mesmo com relação aos meus antepassados, pelo fato de eu ter conduzido o meu sentimento desta maneira, acabei por fechar o caminho da salvação deles, o que é algo do que não tenho como me desculpar. Encarando meus antepassados como mortos, não terei o que argumentar quando o Supremo Deus olhar para mim, que sou a soma de milhares deles, e me disser: “Você parece um morto vivo”. O que precisamos fazer, então? Para que nós e nossos antepassados nos tornemos existências vivas, precisamos acreditar no Deus Supremo, que vive eternamente, e criar um Sonen para nos relacionarmos com esses assuntos. Com a geração desse tipo de Sonen, a nossa autoconsciência, que herdamos de nossos antepassados, se interligará com a consciência original do Supremo Deus, e, fundindo-se com esta última, provocará uma mudança estrutural molecular até mesmo na dimensão denominada “mundo espiritual”, nos tornando capazes de crescer dentro do eterno plano de evolução. Para corresponder a esta bênção, precisamos dedicar para que o maior número de antepassados possa ser envolvido pelo sentimento de Meishu-Sama, que vive intensamente até hoje, aprofundando nosso relacionamento com Ele. Precisamos corrigir constantemente o nosso sentimento, e ter o firme Sonen de que “os meus antepassados não estão mortos, eles estão vivos dentro de mim com toda intensidade”, ou, ainda, que, “muitos dos meus antepassados se encontram em estado de consciência adormecida, neste momento. Por isso, quero que eles sejam despertados pela Grande Luz do Deus Supremo, para poderem crescer e se tornarem uma existência ativa, junto comigo”. É necessário descobrir Meishu-Sama dentro de nós, e, criar o hábito de entregar as manifestações de nossos antepassados para Ele, pedindo que una nossos antepassados a nós como existências vivas. Ou seja, nós, que vivemos juntos com nossos antepassados, precisamos evoluir ao ponto de preencher o nosso interior com o alimento da vida. Então, por que é possível, para nós, sermos utilizados nesta Obra? Não seria porque, antes de nós nascermos e os nossos antepassados terem nascido com um corpo físico neste mundo, já não teríamos sido preparados no mundo divino, onde Meishu-Sama se encontra, para fazermos parte desta Obra de salvação e ressurreição? Não seria, também, porque nós teríamos recebido, juntamente com Meishu-Sama, o sopro da vida do Supremo Deus? Enquanto estamos neste mundo, nós acabamos nos esquecendo da preciosa respiração da vida, que nos mantêm vivos. Meishu-Sama ainda permanece vivo. Vamos, nós também, nos tornar pessoas com vida ativa. Vamos relembrar, agora, que um dia já vivemos junto com Meishu-Sama, vamos voltar a esse mundo, ou seja, ao ponto inicial da Criação, e praticar uma respiração viva que seja capaz de nos ressuscitar. Chegou uma nova manhã. Vamos despertar, através do brilho da grande Luz Divina, deste longo período em que estivemos adormecidos. Há 75 anos, em 15 de junho de 1931, Meishu-Sama recebeu, no monte Nokoguiri, a revelação da Transição da Era da Noite para a Era do Dia. Vamos, neste momento, com o forte desejo de relembrar essa revelação divina, respirar o ar renovado desta nova manhã. Vamos nos aperfeiçoar para que, em colaboração mútua, antepassados e nós, possamos manifestar a Obra que permite a ressurreição e a revitalização do mundo. Por fim, estarei orando para que todos possam desenvolver suas dedicações nesta nova fase, com alegria e ajuda mútua, a partir do Culto aos Antepassados de hoje, e para que, através dos senhores, as bênçãos e a ilimitada Luz da salvação do Supremo Deus possam chegar a toda a humanidade e a todas as criaturas. Encerro minhas palavras louvando a Deus, em nome de Meishu-Sama, e expressando a Eles a minha gratidão.

5 SET OUT 2006


SOLO SAGRADO DE GUARAPIRANGA

SOLO SAGRADO DE GUARAPIRANGA

Bem vindos ao Salão Nobre da Casa da Fé

6 SET OUT 2006

FOTO: TONY T AJIMA

No Culto Mensal de Gratidão de agosto, no Solo Sagrado de Guarapiranga, o presidente da IMMB, reverendo Tetsuo Watanabe, transmitiu boas notícias vindas do exterior, e que abrem grandes perspectivas de desenvolvimento da Obra Divina em Angola, Inglaterra, Portugal e Rússia. Na orientação que transmitiu, Rev. Watanabe citou a experiência vivida por uma messiânica japonesa para ilustrar a importância da persistência na Prática do Sonen, até que surjam os resultados. Ele orientou também sobre como devemos agir para avançar do portão de entrada até o salão nobre da Casa da fé.

B

om dia a todos! Em primeiro lugar, quero parabenizar todos os senhores pelo empenho constante na expansão da Obra Divina no Brasil. Hoje quero transmitir grandes notícias sobre o desenvolvimento da Igreja em outros países. A primeira é da África. A Igreja de Angola recebeu, do governo, a doação de um terreno com 2 milhões e 700 mil metros quadrados. No final deste mês (agosto) vou visitar a África, para realizar um aprimoramento para membros e ministros de todo o continente africano. Também quero ver esse terreno, para definir a melhor maneira de utilizálo como pólo agrícola. Queremos construir lá a primeira escola de Agricultura Natural da África. Muitas pessoas acham que os africanos estão fazendo agricultura primitiva, sem tecnologia, sem nada... mas não é assim. Eles usam mais agrotóxico do que a gente imagina. E o pior é que usam produtos que já foram proibidos em outros países. Isso está poluindo a água e o solo, causando sofrimento para toda a população. Para salvar os africanos da doença, da pobreza e do conflito o que precisamos fazer, em primeiro lugar, é ensinar a Agricultura Natural para todos eles. Por isso queremos construir uma escola, para formar líderes que vão difundir a verdadeira agricultura para toda a África. Também nesse terreno, quem sabe, futuramente poderá ser construído o primeiro Solo Sagrado do continente africano. As outras notícias são da Europa. Na Inglaterra, no dia 6 de junho, a nossa entidade foi oficializada como Igreja, pelo governo inglês. Isso significa que agora vai ser possível realizar atividades religiosas, Agricultura Natural e Arte em todo o Reino Unido. Em Portugal, onde a Igreja funcionava há muitos anos como uma associação, no dia 28 de julho finalmente foi autorizado o registro como entidade religiosa. E na Rússia, no dia 15 de junho, o governo autorizou a produção do EM, que, como os senhores sabem, são microorganismos eficazes utilizados na Agricultura Natural. Aqui no Brasil, já começou a segunda etapa da construção do Solo Sagrado, com o plantio de milhares de árvores, através das mãos de muitos membros e freqüentadores que estão vindo semanalmente a Guarapiranga, para dedicar. Os senhores estão fazendo a Prática do Sonen? Sempre recebo relatórios do Brasil, e fico muito feliz por saber que já chegaram milhares de experiências de fé na Sede Central. Até o momento, a soma dos relatos de graças ocorridas em todos os países, onde os membros estão fazendo a Prática do Sonen, já chegou a mais de 30 mil! É um número

Exposição de produtos da Agricultura Natural.

Cerca de 14 mil pessoas participaram da cerimônia, no Solo Sagrado de Guarapiranga, em agosto.

Rev. Tetsuo Watanabe, presidente da Igreja Messiânica Mundial do Brasil. FOTO: TONY T AJIMA

FOTO: TONY T AJIMA

Membros chegam ao Solo Sagrado para o Culto.

“Sítio” Mokiti Okada: grata surpresa no Culto da ANM.

realmente muito expressivo, considerando que essa prática teve início em novembro do ano passado. Eu gostaria de apresentar uma experiência que recebi, no Japão, e que achei muito interessante. Uma senhora vivia com seu marido e filhos. Mas esse marido era egoísta, e só fazia o que queria. Nem conversava com a família. Se alguma coisa não desse certo, ele bebia e batia nela e nos filhos. A esposa veio acumulando esse sentimento de ódio e raiva, e até chegou a pensar em matar o esposo. Só não fez isso porque era membro da Igreja Messi-

ânica. Ela veio ministrando Johrei, dedicando na Igreja, encaminhando as pessoas, por isso não chegou a matar. A raiva e o ódio que ela sentia por ele eram tão grandes, que achava tudo nele horrível: o cabelo,o jeito de andar, de falar, tudo! Ela não agüentava mais. Até os filhos fugiam do pai. Então, quando ouviu sobre a Prática do Sonen, agarrouse a ela como sua última chance de salvação. Cada vez que sentia aquele ódio, ela orava: “Vou entregar esse sentimento que está aparecendo, essa mensagem de alguns dos meus antepassados nas mãos de Meishu-Sama, o meu

Aula de culinária: só ingredientes sem agrotóxicos.

Degustação: descobrindo o sabor original dos alimentos.

Rev. Watanabe prestigiou a mostra no Sítio Mokiti Okada.

Cerimônia do Chá: encantamento para os participantes.

Salvador. Por favor, Meishu-Sama, receba esses sentimentos e sofrimentos, purifique e salve esses antepassados”. Assim ela foi fazendo, diariamente. Cada vez que sentia alguma coisa ela entregava para Meishu-Sama e anotava, todo dia, no seu diário, quantos encaminhamentos havia feito. Continuava ministrando Johrei, encaminhando pessoas, servindo na Obra, mas com esse novo sonen. Ministrava Johrei no marido, enquanto ele dormia, pensando que ele também tinha uma partícula divina dentro de si. Assim ela seguiu praticando, mas era difícil se livrar daquele ódio. Um dia, depois de muitos encaminhamentos, ela olhou para o rosto do marido, que estava dormindo, e pensou: “Ué... até que hoje ele está bonitinho...” Muito surpresa, percebeu que aquele ódio, o rancor, aquela vontade de matar haviam desaparecido completamente! Ela pensou: “Poxa vida, como é que pode? Até estou achando ele charmoso!” Essa senhora não conseguia acreditar no que estava acontecendo. Pegou o diário e contou quantos encaminhamentos a Meishu-Sama havia feito. Descobriu que, até aquele dia, havia feito a Prática do Sonen 540 vezes! Depois disso, aquele ambiente infernal em que vivia se tornou paradisíaco! No dia seguinte o marido acordou com bom humor, conversou com os filhos e até disse para ela “Bom dia, querida!”, coisa que nunca havia feito, em toda a vida! O que os senhores acham? 540 vezes é muita coisa, não é? Tem gente que diz: “É muito fácil entregar” mas, na verdade não é tão simples não. É preciso um grande esforço, ter muita persistência. Para quebrar a seqüência de forte rancor e ódio, há casos em que é preciso fazer o encaminhamento dos antepassados para Meishu-Sama

muitas e muitas vezes. Por isso, mesmo que não ocorra nenhuma mudança depois de uma, duas, três, dez vezes de Prática do Sonen, não se pode desistir. O importante é a persistência, a continuidade. Sei que os senhores também já vêm fazendo a Prática do Sonen, igualzinho a essa senhora, encaminhando seus antepassados para MeishuSama salvar. Mas hoje, gostaria de falar sobre como devemos fazer a Prática do Sonen em relação ao Ensinamento de que temos a partícula divina e que somos representantes de Deus. Kyoshu-Sama falou que a força do sonen é um tema de grande importância para a humanidade estudar. Eu já falei sobre o assunto. O senhores se lembram? Hoje, gostaria de acrescentar um ponto muito importante: a força do sonen varia de acordo com o tamanho da convicção de que Deus está no comando de tudo. Para quem não acredita que tem a partícula divina e que é representante de Deus, a força de seu sonen será apenas a força do pensamento de um ser humano. Mas, para quem acredita que tem a partícula divina dentro de si, a força de Deus atuará mais intensamente no seu sonen. Assim sendo, quanto maior for a intensidade da convicção da pessoa de que Deus está no comando de sua vida e no comando de tudo, maior será a força de seu sonen. A força do homem é limitada, mas a força de Deus não tem limite. Ela só aparece quando o homem se unifica com Ele. Quem conseguir compreender bem isso conseguirá fazer a verdadeira Prática do Sonen. E, ser representante de Deus não quer dizer que somos Deus, mas sim, que somos instrumentos d’Ele. Por isso, é importante pensar sempre:

Profissionais do Setor de Saúde da Fundação Mokiti Okada realizaram, em parceria com a Associação de Diabéticos Juvenis (ADJ), 211 exames de dosagem de glicemia e avaliação da pressão arterial em participantes do Culto.

Não sou eu que faço, sou guiado a fazer; Não sou eu que penso, sou levado a pensar; Não sou eu que percebo, sou inspirado a perceber. E, também, eu não estou vivendo por mim, estou tendo a permissão de viver, estou sendo vivificado por Deus. A falta de compreensão sobre esses pontos significa que a pessoa ainda está no portão de entrada da Casa da Fé. Durante muitos anos vim servindo à Obra Divina, ministrando Johrei, encaminhando muitas pessoas e formando missionários, que depois viraram ministros e até reverendos. Eu achava que já tinha chegado ao Salão Nobre da Casa da Fé. Mas, recebendo essa orientação de Kyoshu-Sama, descobri que estava enganado. Apesar de ter feito tantas coisas, eu só havia passado pelo portão da Casa... ainda estava no jardim... nem tinha aberto a porta da Casa da Fé. Mas, Kyoshu-Sama me deu a chave para abrir a porta principal, que são os dois Ensinamentos básicos da fé messiânica, que renovaram a minha fé. “Nós temos a partícula divina e somos a soma de milhares de antepassados”. Por isso agora, antes de qualquer dedicação, eu faço o seguinte sonen: “Que a vontade de Meishu-Sama se concretize aqui, neste momento!” Assim, inspiro fundo, como se recebesse a Vontade d’Ele, e depois cumpro minha tarefa como Seu instrumento. Agora, eu já abri a porta principal da Casa da Fé. Quem quiser entrar junto comigo, pode vir! Assim, Kyoshu-Sama vai nos mostrar como ela funciona, e nos conduzir até o Salão Nobre da Fé. Os senhores sabem o que é Salão Nobre da Fé? É o sublime estado de paz e segurança, com a plena consciência de que a nossa vida é eterna. Então, vamos caminhar juntos? Fazendo a Prática do Sonen? Muito obrigado e boa missão a todos.

IMMB tem novo presidente

Rev. Tetsuo Watanabe apresentou o Rev. Hidenari Hayashi, novo presidente da IMMB, e o Rev. Rubens Manzalli, novo vice-presidente da instituição.

Logo após a orientação que proferiu no Culto de Gratidão de agosto, o reverendo Tetsuo Watanabe transmitiu uma notícia que, a princípio, deixou perplexos os cerca de 14 mil participantes da cerimônia. Ele comunicou que, a partir do dia 23 de setembro, a Igreja no Brasil teria um novo presidente - o Rev. Hidenari Hayashi, que veio, até então, exercendo a presidência interina da instituição. O novo vicepresidente é o Rev. Rubens Manzalli, chefe do Departamento de Expansão da IMMB. Ao tomar a palavra, o Rev. Hayashi se encarregou de tranqüilizar os messiânicos brasileiros. “Nós só acatamos esse pedido do Rev. Watanabe com a condição de ele aceitar se tornar Presidente de Honra da nossa Igreja. Assim, poderemos continuar contando com seus retornos regulares ao Brasil, para orientar a nossa caminhada na fé, como fez nos últimos 30 anos, e também coordenar os trabalhos ligados à segunda fase de construção deste Solo Sagrado”. Diante dos cerca de 14 mil participantes do Culto o Rev. Watanabe agradeceu a indicação e se comprometeu a retornar ao Brasil no final de outubro para, dentre outras atividades, oficiar o Culto às Almas dos Antepassados, que será realizado nos dias 1 e 2 de novembro, às 10 horas, no Solo Sagrado de Guarapiranga.

7 SET OUT 2006


IKEBANA SANGUETSU

8

Irradiando Luz através da Flor

SET OUT 2006

Seminário Nacional reúne professores de Ikebana Sanguetsu de vários países e estados brasileiros. O reverendo Tetsuo Watanabe orientou sobre “O Sonen e a Flor”.

A

s batidas do Taiko (tambor grande, em japonês) deram início ao Seminário Nacional de Ikebana Sanguetsu, que ocorreu no dia 12 de agosto no Centro de Convenções do Hotel Gran Meliá WTC, em São Paulo. Foi uma tarde em que a arte esteve presente em várias de suas manifestações. Cerimônia do Chá, Coral e Banda Marcial Mokiti Okada, além da apresentação de Koto (instrumento tradicional japonês) figuraram entre as atividades artísticas. Logo na entrada do auditório os cerca de 600 participantes, entre professores e voluntários da Academia Sanguetsu, precisaram da ajuda de pequenas lanternas para se acomodarem em seus assentos. Mas a intenção era exatamente essa. Com o palco e o restante do salão apagados, a movimentação das pessoas com suas lanterninhas acesas criava um ambiente que lembrava o vôo de vagalumes. O motivo da inusitada atividade foi compreendido quando o texto de abertura foi lido. “Você vai ser um farol na vida das pessoas ou vai virar uma lanterninha?”, questionava a mensagem. Na platéia estavam presentes professores de Ikebana Sanguetsu residentes e atuantes no Líbano, Peru, Espanha, Panamá, Argentina, África e Costa Rica. Também participaram professores de Minas Gerais, Rio Grande do Sul, Rio de Janeiro, Brasília, Espírito Santo, Bahia, Pernambuco, Paraná, Amazonas, Pará, Sergipe, Ceará, Santa Catarina e São Paulo. Na tribuna de honra estavam os membros da Comitiva do Japão, reverendos Mikio Sakamoto e Fumio Shimada, e professoras Mieko Takagui, Rumiko Nishimura, Keiko Shiguemura e Sakae Yamakawa, responsáveis pela aplicação de exames de qualificação aos candidatos a professores titulares, adjuntos e assistentes da Academia Sanguetsu. As provas foram realizadas em agosto, na sede da Fundação Mokiti Okada, nos dias 5 (assistentes), 10 (titulares) e 11 (adjuntos). Nas palavras que dirigiu aos participantes do evento, o reverendo Sakamoto

Rev. Tetsuo Watanabe: orientação sobre a Prática do Sonen aliada à atividade da Ikebana Sanguetsu.

agradeceu aos professores pelo empenho na divulgação do estilo Sanguetsu de Ikebana. “Estou orando para que possam salvar o maior número de pessoas”, afirmou. Ele ainda enfatizou que um dos maiores desejos de Meishu-Sama era desenvolver a Arte. “A flores são a manifestação da arte suprema da Natureza e, por isso, têm uma importância relevante na Obra Divina. Por isso, devemos embasar nossa atividade nas orientações proferidas pelo reverendo Tetsuo Watanabe”. O foco do seminário era justamente esse – abordar, como tema, “O Sonen e a Flor”. Em palestra, o reverendo Tetsuo Watanabe falou sobre a importância de nos conscientizarmos de que Deus está no comando de tudo. “Quanto maior for essa convicção, maior será a força do nosso Sonen, porque a força de Deus não tem limites”, disse. Ainda em seu discurso ele ensinou como

Lucinia de Oliveira, professora de Ikebana no Rio de Janeiro, ficou muito emocionada com o Seminário. Ela sentiu que sua missão irá mudar. “Na certeza de que Deus está no comando de tudo, sinto que Ele vai utilizar a Flor para levar Sua Luz a todos os cantos”, diz ela. As professoras Lídia Shimada Kohatsu e Deise Moreira Victor, ambas ligadas ao J.C. Tatuapé )SPA), deram depoimento sobre como estão conseguindo aplicar a Prática do Sonen nas suas atividades com a Ikebana Sanguetsu, levando muita emoção aos participantes. Na página do JM no site da Igreja (www.messianica.org.br), clique no botão para conhecer a íntegra dos depoimentos de Lídia Shimada e Deise Moreira.

Cerimônia do Chá: prof. Sokei Hayashi, do Centro Chado Urasenke do Brasil. Abaixo, apresentação de Taiko, pelo grupo Wadaiko-Sho.

Apresentação de Koto, Shamisen e Shakuhachi (flauta): grupo Seiha Brasil de Koto.

treinar essa conscientização. “Quando vou fazer qualquer coisa, eu sempre penso: ‘Que a vontade de Meishu-Sama se concretize nesse momento’. O resultado, seja o que for, é a vontade de MeishuSama que se manifestou”. O reverendo Watanabe afirmou ainda, para os profissionais e voluntários da Flor do Sanguetsu presentes no evento, que “quando forem fazer arranjos, se tiverem o Sonen de que são instrumentos de Meishu-Sama, a Ikebana vai irradiar muita Luz e amor, e a flor vai dar mais vida àqueles que a apreciarem”. Para muitos dos participantes o Seminário permitiu uma renovação do sentimento, em relação à missão que abraçam como professores de Ikebana, e ainda fortaleceu a convicção do poder da Flor na divulgação da filosofia de Meishu-Sama. Para a ministra Vicencia de Araújo Sadder, a flor foi a forma que encontrou para levar Meishu-Sama ao Líbano, onde faz difusão atualmente. “Encontrei restrições divulgando o Johrei, mas lá todos gostam de flores”. Através dessa dedicação ela já começa a colecionar valiosas experiências. “Fiz Ikebana para o escritório do meu sobrinho, que é muçulmano. Naquela época, a empresa dele não ia bem. Em poucos dias ele fechou três negócios, inclusive um que estava em negociação havia três anos. Comecei fazendo duas Ikebana e, atualmente, já são 16”.

No Ensinamento “Campanha de formação do Paraíso através das flores”, Meishu-Sama preconizou : “Se chegarmos ao ponto de existirem flores onde quer que haja pessoas, a força para tornar ameno este mundo infernal será bem grande” (Alicerce do Paraíso, vol. 5, pág. 82). Com esse objetivo, Moema Delmondez Miyaguti faz Ikebana, semanalmente, no Gabinete da Presidência, em Brasília. “Ikebana é um exercício de lapidar os sentimentos. Você tem de estar vivendo dentro daquela essência do Ikebana para que, através do seu exemplo, possa despertar outras pessoas”, conclui. Para a professora Mieko, da comitiva japonesa, é uma alegria ver tantas pessoas, de raças e culturas diferentes, vivendo em harmonia e praticando Ikebana. “Senti imensa alegria ao saber que existem pessoas que praticam Ikebana há mais de 15 anos. Realmente os professores daqui são muito habilidosos”. O presidente da Fundação Mokiti Okada, Rogério Hetmanek, também saudou os participantes e falou sobre o projeto da Faculdade Messiânica (matérias nas páginas 4 e 5). “Precisamos de algo que forme as pessoas em nível superior, para que elas possam aprofundar sua consciência a respeito da missão que lhes foi atribuída por Deus. O curso de Ikebana faz parte desse projeto”.


2006/09