Issuu on Google+

JORNAL MESSIÂNICO IGREJA MESSIÂNICA MUNDIAL DO BRASIL - MATERIAL DE ESTUDO PARA MISSIONÁRIOS - ANO 34 SET/OUT/NOV/DEZ 2005 Nº 353


GABINETE DA PRESIDÊNCIA

2 SET OUT NOV DEZ 2005

Um 2006 cheio de Luz para todos nós

O

ano de 2005 está chegando ao fim, mas ainda não terminaram os nossos motivos para comemorar. No dia 18 de dezembro, às 10 horas, estaremos mais uma vez homenageando nosso Mestre, desta vez pelo Seu 123° aniversário de nascimento. Vivemos um ano atípico, cheio de turbulências tanto no cenário político como no social mas, para o universo messiânico, 2005 foi um ano de grandes avanços, marcado por um crescimento expressivo na difusão da fé, em nosso país. Há exatos 10 anos, em novembro de 1995, nós concretizamos a primeira etapa de um sonho acalentado durante muitas décadas. A inauguração do Templo do Solo Sagrado de Guarapiranga foi um marco na vida de todos aqueles que, com amor e dedicação, impregnaram ali seu suor e sua gratidão ao Mestre pela nova vida

e pelo caminho de Luz que Ele nos legou. Ao longo desses 10 anos, aquele espaço se transformou. Em algumas mudanças nós interferimos diretamente - construímos, reformamos, ampliamos e, acima de tudo, cuidamos para que aquele ambiente, sagrado para nós, fosse repeitado, admirado e freqüentado por pessoas de todos os credos, fazendo do espírito ecumênico a imagem com que ele é visto hoje, por toda a sociedade brasileira. A Natureza, é claro, também fez sua parte. A fauna e a flora nativas de Guarapiranga encontraram ali ambiente que em nada destoa da criação divina, numa prova de que o homem com sentimento puro, ele próprio depositário de uma partícula divina, pode interagir com Deus pelo bem da humanidade. Dentre todas as graças que recebemos de Deus

e Meihsu-Sama, uma merece destaque - a permissão de dar início à segunda fase da construção do protótipo do Paraíso - o modelo da cidade da Nova Era. Para que nos capacitemos a participar plenamente da concretização de mais essa fase do Plano Divino, recebemos do nosso presidente, reverendo Tetsuo Watanabe, no Culto às Almas dos Antepassados, uma orientação profunda e preciosa. Ele nos ensinou como fazer para que a partícula divina que habita em nós manifeste cada vez mais brilho e irradie a verdadeira Luz, para todas as pessoas que têm ligação conosco. E isso, é claro, inclui nossos antepassados. Que, ao transpor essa orientação para a prática, você faça desse finalzinho de 2005 e de todo o ano de 2006 um tempo de paz, felicidade, saúde e harmonia é o nosso maior desejo. Feliz 2006!

“Sem Meishu-Sama eu nada seria” Ao saber que tinha uma doença grave, Maria Cristina Ferraz de Barros Baptista entregou a vida nas mãos de Meishu-Sama mas, ao invés de esperar pelo milagre, reformulou sua postura como missionária e adotou hábitos alimentares saudáveis. O resultado surpreendeu os médicos.

Min. Cristina Ferraz e seu marido, Aly. No detalhe, exposição e venda de produtos naturais no J.C. Volta Redonda (RJ).

S

ou ministro assistente, atualmente responsável pelo Johrei Center Volta Redonda. Em março de 2002, a pedido médico, fiz uma densitometria óssea, pois há dois meses apresentava dores na perna direita, na altura do quadril. A conclusão do exame foi osteopenia no colo femural, uma perda de 20% de massa óssea em relação a indivíduos da mesma faixa etária (tenho 46 anos). A osteopenia é um estágio da osteoporose, doença crônica caracterizada pela desmineralização óssea, que ocasiona fraturas e, dependendo do estágio, é irrecuperável. Entreguei o problema nas mãos de Deus, continuando com minhas dedicações. No entanto, no ano seguinte, em 2003, a doença havia evoluído para osteoporose, já apresentando uma perda mineral óssea de 23,6% em relação a indivíduos da mesma faixa etária. Procurei dois especialistas conceituados. Ambos foram unânimes em prescrever o tratamento através de remédios de última geração, à base de cálcio e vitamina D. Recomendaram exercícios físicos e exposição ao sol por uma hora, diariamente, e uma dieta à base de legumes, verduras, leite e derivados, além de carne, peixe e frango. Disseram-me que, apesar do tratamento, a doença não teria cura nem poderia regredir, pois a perda óssea não se recompõe, podendo, no entanto, estacionar. E que um dos principais fatores que causam a osteoporose é a herança genética. Pedi perdão a Deus e a Meishu-Sama pelas máculas acumuladas nesta e em outras vidas, e intensifiquei o auto-Johrei. De 2002 a 2003, foram 20 minutos diários; de 2003 a 2004, 30 minutos; e de 2004 a 2005, uma hora, diariamente. Modifiquei meu hábito alimentar, seguindo os Ensina-

mentos de Meishu-Sama expressos no livro “Alimentação com Energia Vital”, e também através da leitura de um artigo publicado no Jornal Messiânico pela Dra. Eny Ruggerini, no qual ela incentivava a utilização de alimentos funcionais, que, além de nutrir, contém componentes que afetam positivamente as funções orgânicas, atuando na prevenção e recuperação de doenças crônicas. Passei a basear minha alimentação no consumo diário de alimentos integrais, aumentando a ingestão de legumes, frutas e verduras orgânicas, substituindo a carne vermelha por peixe ou frango, e carne de soja e derivados. Reduzi o uso de produtos à base de gordura animal e carboidratos, passando a ingerir mais de dois litros de água por dia. Passei também a andar mais a pé. Com isso, consegui manter o peso dentro da faixa de normalidade. Em março de 2004 a porcentagem de perda óssea, que era de 23,6% (osteoporose), foi reduzida para 14%, correspondendo ao limite inferior ao da normalidade, para minha faixa etária (46 anos). Meu médico ficou surpreso e recomendou que eu repetisse a receita. Sem conter minha emoção, diante do Altar, orei e prometi à Meishu-Sama que materializaria minha gratidão, o que fiz em 30 de abril do mesmo ano. Aumentei minha dedicação de dois para quatro dias semanais, no Centro de Aprimoramento e Johrei Center Barra Mansa. Ministrava em média de 15 a 20 Johrei por dia, nos atendimentos que fazia quatro vezes por semana. Intensifiquei o atendimento individual a membros, freqüentadores e pessoas que visitavam a unidade pela primeira vez, com o objetivo de fazer despertar ou renascer a chama da fé através do milagre que,

em suas vidas, viria como conseqüência da gratidão e da prática do servir, expressando o desejo sincero de desafiar os próprios limites rumo ao altruísmo e à evolução espiritual. Refleti sobre as orientações do 4º Líder Espiritual, divulgadas em fevereiro de 2004. Comecei a fazer uma retrospectiva de minha vida missionária, que é a essência de minha própria vida. Sem Meishu-Sama, eu nada seria. Compreendi que precisava quebrar meus limites de tolerância e apego, principalmente em relação ao julgamento das pessoas que amo, e não fazer dos Ensinamentos Sagrados uma sentença, um critério para julgar o bem e o mal dos outros, mas sim, de mim mesma. Como verdadeira religiosa eu precisava ampliar meu amor, minha sinceridade, e agradecer pelas oportunidades de aprimoramento que Deus estava me permitindo viver, para que pudesse transformá-las em motivo de gratidão. Para isso, faço leitura diária dos Ensinamentos: “Não Julgueis” e “Conheça a Vontade Divina”. Também estou me esforçando no sentido de não impor minha convicção religiosa, não deixar que meu sentimento seja maculado com mágoas e ressentimentos, e aumentar a tolerância, além de materializar minha gratidão diariamente. Em março de 2005 a osteopenia caiu de 14% para 8% de perda de massa óssea, correspondendo a valores que estão dentro do limite da normalidade para a minha faixa etária. Conforme afirma Meishu-Sama, “seria desnecessário dizer que a fonte de todas as atividades e de todos os fenômenos do Universo é a força de Deus, a força absoluta capaz de gerar milagres, movendo, criando e transformando os seres para que retornem a sua verdadeira natureza”. Muito obrigada a todos.

JORNAL MESSIÂNICO Produzido pela Fundação Mokiti Okada - M.O.A. Redação e Administração: Rua Morgado de Matheus, 77 - 1º andar CEP 04015-050 - Vila Mariana - São Paulo - SP Tel. (0xx11) 5087-5078 Diretor responsável: Antonio Ramos de Queiroz Filho (MTb 21898) Editor de Arte: Kioshi Hashimoto Assistente de Arte: João Paulo Otsuka Fotografia: Ricardo Fuchigami Colaboração: Vivian Palmeira Tiragem: 80 mil exemplares E-mail: jm@fmo.org.br Impressão:


NATALÍCIO DE MEISHU-SAMA

Feliz aniversário, Meishu-Sama! Evolua para um segundo, um terceiro eu... Há muito tempo eu vinha trilhando o caminho religioso, conhecia a maioria dos Ensinamentos, porém o mais importante, que é a prática, estava quase a zero. Quando descobri que não passava de um simples conhecedor de Ensinamentos, senti vergonha e fiquei realmente desanimado. Num desses momentos de reflexão, recebi de Meishu-Sama as seguintes palavras: “O fato de se sentir desgostoso consigo mesmo significa o nascimento de um novo “eu”, ainda melhor, o que significa, também, que manifestou a capacidade de criticar seu velho “eu”, e isso é muito bom. Todo homem precisa evoluir para um segundo “eu”. Com essas palavras Ele me encorajou, reprovando o conservadorismo. Um servidor

Conviver com o Mestre, no dia-a-dia, foi um privilégio para poucos. Parte dessa história está contada aqui, pelos pioneiros. Você, como eles, certamente tem muito a agradecer por ter conhecido Meishu-Sama. Então, mãos à Obra. Temos muito a fazer, para dar alegria àquele que nos deu uma nova razão de viver.

Não fazia nada improdutivo Em 1941, devido às pressões das autoridades, Meishu-Sama interrompeu quase que totalmente as atividades de tratamento e, dedicando-se diariamente à pintura de imagens de Kannon, levava uma vida sossegada. Quando sobrava tempo, conversava sobre várias coisas comigo. Certo dia, Ele me disse: “O homem deve sempre fazer coisas úteis”, e prosseguiu: “Eu sou um corpo importante que trabalha para Deus. Por isso, mesmo nas horas de folga, jamais me divirto com coisas improdutivas.” Um servidor

A Luz que envolvia Meishu-Sama Em fevereiro de 1943, logo após haver sido curado de um sério problema de visão por intermédio do Johrei, fui designado, pela primeira vez, para prestar serviço na residência de MeishuSama, no Tozan-so. Ele entrou na sala onde estávamos todos reunidos. Como era a primeira vez que via MeishuSama, fitei bem Seu rosto. De repente, notei com assombro que uma luz branca, em forma de névoa, circundava Sua cabeça, e gradualmente começou a envolver todo o corpo. Limitada, a princípio, passou a expandir-se vagarosamente até que, finalmente, espalhou-se por todo o recinto. Já tinha ouvido meu ministro falar a respeito da brilhante aura de Meishu-Sama, e imaginei que devia ser o que estava presenciando. Fiquei emocionado por ter conhecido o homem que recebeu de Deus a Luz em tal grau. Pela primeira vez compreendi a razão por que meus olhos puderam ser curados, e fiquei convencido do poder de Deus, do qual Meishu-Sama se convertera em canal. Até aquele momento, tinha dúvidas sobre o que dizer a meu ministro quanto ao fato de Meishu-Sama ser o mensageiro da Luz, eleito por Deus. Eu sabia que a cura de meus olhos era algo maravilhoso, mas imaginava que tratava-se apenas de uma simples cura física. Até o dia em que fui a Atami, para mim Meishu-Sama era apenas um admirável homem capaz de curar doenças. Naquele dia, porém, meus olhos espirituais despertaram para o verdadeiro e mais profundo significado, no serviço da Obra Divina. Um ministro

O Johrei ativa o trabalho do espírito primário Certo dia, após ministrar-me Johrei, Meishu-Sama me transmitiu este Ensinamento: “Quando a pessoa recebe Johrei, o trabalho de seu espírito primário torna-se mais ativo. Você deve saber que, no ser humano, há a atuação de dois espíritos: o primário e o secundário. Recebendo Johrei o espírito primário começa a funcionar naturalmente, sem que a pessoa tenha necessidade de ouvir sermões cansativos. Purificada a alma, a pessoa desperta para um sentimento de amor altruísta e o desejo de salvar os outros, e torna-se feliz”. Um ministro Antes de falar dos outros, olhe para si mesmo Certas pessoas costumam ver as outras com olhos aguçados, e fazer críticas a seu respeito. Quando pessoas assim faziam comentários sobre os outros com Meishu-Sama, Ele logo dizia: “Isso não é da sua conta. Você deve preocupar-se consigo mesmo.” E perguntava: “E você, será que é perfeito?” Muitas vezes, vi pessoas ficarem totalmente desarmadas por essas reprimendas. Um dirigente de Templo

Interferência na Obra Divina através do pensamento

Se mexermos muito, a flor morre Era o próprio Meishu-Sama quem vivificava as flores. Ele era ágil no andar, como um pássaro, e também era rápido na vivificação floral. Não gostava de mexer muito nas flores ou nos galhos e, assim, vivificava rapidamente. Não sei se posso classificar como “estilo de Meishu-Sama”, mas Ele realçava as características naturais das plantas. Ele dizia: “Mesmo em se tratando de flores, se mexermos muito elas acabam morrendo. É melhor vivificar no estado em que elas se encontram naquele momento”. Dessa forma, Ele vivificava sem forçar muito os galhos. Quando Meishu-Sama conseguia fazer uma vivificação de seu agrado, alegrava-se bastante. Essa alegria espontânea parecia a de uma criança. Um servidor

Recebemos de Meishu-Sama o Ensinamento: “O pensamento do homem está ligado diretamente a Deus.” Tive algumas experiências que me levaram a crer que Meishu-Sama lia, totalmente, o nosso pensamento. Numa ocasião em que Ele escrevia, eu O auxiliava, pensando a respeito do donativo de gratidão e, de repente, Meishu-Sama falou algo sobre dinheiro. Isso me deixou espantadíssimo, e logo pedi desculpas a Ele, em pensamento. Do mesmo modo, quando errávamos e pedíamos desculpas humildemente, de todo o coração, Ele logo perdoava. Mas, caso procurássemos isentar-nos da culpa, transferindo-a para outros, por mínimos que fossem tais pensamentos, Meishu-Sama realmente descobria tudo, com perspicácia. No final, sem ter como evitar, pedíamos perdão por havermos transferido a responsabilidade e também pela negligência. Refletindo sobre o quanto os nossos atos, as nossas palavras, e também, naturalmente, os nossos pensamentos podem criar obstáculos à Obra Divina, não consegui encontrar, sequer, palavras para pedir-Lhe perdão. Um servidor

Solo Sagrado de Kyoto - Japão

3 SET OUT NOV DEZ 2005


MATERIAL DE ESTUDO PARA MISSIONÁRIOS

4 SET OUT NOV DEZ 2005

MATERIAL DE ESTUDO PARA MISSIONÁRIOS

“A prática mais importante é Pensamento em Ação” FOTO: TONY TAJIMA

Cerca de 50 mil pessoas participaram do Culto às Almas dos Antepassados, oficiado nos dias 1° e 2 de novembro no Solo Sagrado de Guarapiranga, pelo presidente da IMMB, reverendo Tetsuo Watanabe. Na orientação que dirigiu aos messiânicos, ele definiu a prática do “Pensamento em ação“ como a mais importante na Obra Divina, e deixou um exercício diário, através do qual poderemos avançar na convicção de que temos uma partícula divina e que somos a soma de milhares de antepassados, devendo, por isso, trabalhar em conjunto com eles, representando-os, como instrumentos que somos de Deus e Meishu-Sama.

Rev. Tetsuo Watanabe, presidente da Igreja Messiânica Mundial do Brasil, oficiou o Culto às Almas dos Antepassados, no Solo Sagrado de Guarapiranga. O evento, realizado nos dias 1° e 2 de novembro, contou com a participação de cerca de 45 mil pessoas.

Messiânicos de todo o Brasil, além de missionários de vários países, participaram do Culto.

B

om dia a todos! Os senhores estão passando bem? Em primeiro lugar, quero felicitar todos os senhores pela emocionante participação neste significativo Culto às almas de nossos antepassados. Ontem e hoje recebemos aqui mais de 50 mil pessoas, representantes de todas as regiões do Brasil. Também estão conosco 108 missionários, que vieram de 13 países: Angola, Moçambique, África do Sul, São Tomé, Inglaterra, Portugal, Alemanha, Espanha, Argentina, Coréia do Sul, Japão, Peru e Estados Unidos. Também estão presentes hoje o ministro Norimassa Takeiti, que é membro do Conselho Fiscal da Sede Geral, no Japão, e o doutor Peter Clark, professor titular de História e Antropologia das Religiões da Universidade de Oxford, na Inglaterra. Sejam todos bem-vindos! Durante minha estada no Japão, relatei a Kyoshu-Sama que muitos membros e freqüentadores ficaram emocionados com o início da segunda etapa da construção do Solo Sagrado de Guarapiranga, como protótipo do Paraíso. Ele ficou muito feliz e disse que espera muita dedicação e empenho de todos os brasileiros nessa grandiosa obra.

A nossa comissão de construção decidiu começar a construir o novo estacionamento e um alojamento, para receber as pessoas que virão dedicar nessa segunda etapa. O alojamento terá capacidade para receber 500 pessoas. O estacionamento poderá receber mil ônibus e 2.500 carros. O estacionamento não será um simples pátio, cheio de ônibus como hoje, mas sim uma área arborizada de 200 mil metros quadrados, com serviços de apoio. Certamente, o congestionamento que existe hoje na estrada do Solo Sagrado vai diminuir bastante. Esse projeto já está pronto e será apresentado à Prefeitura, para recebermos a licença para a construção. Desde o ano passado venho falando sobre os dois pontos básicos da doutrina messiânica, que Kyoshu-Sama vem orientando, que são: “Todos temos uma partícula divina dentro de nós”. “Cada um de nós é a soma de milhares de antepassados”. Kyoshu-Sama disse que se todos os membros praticarem esses dois pontos, a atmosfera espiritual

Banda Marcial Mokiti Okada: sucesso a cada apresentação em Guarapiranga.

do mundo inteiro poderá se transformar, da noite para o dia. Então, eu pergunto: os senhores estão praticando esses dois Ensinamentos? Muitas pessoas já falaram para mim que não é fácil praticar. Quando eu disse aqui: “Vamos ministrar 10 Johrei por dia!”, os senhores logo puseram em prática, não foi? Como esses dois pontos dos Ensinamentos são coisas abstratas, fica mais difícil. Para por em prática um Ensinamento, não basta conhecer seu conteúdo. É preciso compreender, e depois acreditar. Só assim conseguimos aplicá-lo no nosso diaa-dia. “O homem depende de seu pensamento”, não é? Por isso, a mais importante prática é o PENSAMENTO EM AÇÃO. Ela não depende de outras pessoas, depende de cada um de nós. Como hoje realizamos o Culto aos Antepassados e estamos com o pensamento voltado para eles, gostaria de explicar melhor o que significa “Nós somos a soma de milhares de antepassados.” A maioria das pessoas que acreditam na existência do mundo espiritual acham que os espíritos só se manifestam através de médiuns, de incorporação ou de encosto. Ou, ainda, quando algum antepassado aparece em sonho para dar algum aviso. Porém, Meishu-Sama ensinou que o verdadeiro espiritualista não é aquele que só acredita na existência dos espíritos vendo ou ouvindo suas manifestações, mas sim, aquele que consegue perceber sua manifestação através do próprio sentimento. O que muitas pessoas não sabem é que seus antepassados estão vivos dentro delas, se manifestando a todo momento. Os senhores sabiam que os nossos antepassados se comunicam conosco através do nosso sentimento? Normalmente nós achamos que tudo que sentimos, desejamos e pensamos são coisas nossas, não é? Mas, na verdade, não é tudo não! Sentimentos fortes, acentuados, muitas vezes são manifestações de nossos antepassados. É isso que não estamos percebendo! Como Kyoshu-Sama orientou, é importante ter a consciência de que somos a soma de milhares de antepassados porque, mesmo que eles não tenham mais corpo material, continuam vivendo dentro de nós, como consciência, pensamento e informação genética. Por exemplo: será que aqui não tem ninguém que, quando recebeu Johrei pela primeira vez, começou a chorar sem saber porquê? E que depois do choro sentiu um alívio, um bem-estar e uma paz de espírito que nunca tinha sentido antes? Então... aquele choro pode ter sido a manifestação do agradecimento de algum antepassado,

pela Luz que estava recebendo através do Johrei. Isso é um exemplo de uma manifestação de antepassados, não acham? Quando são iluminados e de nível elevado, eles se manifestam através da nossa alegria, nosso bomhumor, nossa gratidão, enfim, pelos nossos sentimentos positivos. Mas, se estão sofrendo, precisando da nossa ajuda, eles se manifestam na nossa tristeza, na nossa preocupação, na nossa raiva, nos pensamentos negativos que temos. Quando não percebemos que essas coisas são manifestações de nossos antepassados, reagimos como se fosse um sentimento pessoal. E, como achamos que é nosso sentimento, tentamos resolver do nosso jeito, deixando os antepassados desapontados e tristes, porque não entendemos sua mensagem. O que eu quero explicar hoje é como, então, podemos salvar nossos antepassados. Em primeiro lugar, cada um de nós precisa criar uma segunda pessoa para observar todos os nossos sentimentos, de fora para dentro. Assim, quando perceber algum sentimento negativo dentro do nosso coração, essa segunda pessoa vai nos avisar: “Olhe! Esse sentimento é manifestação dos antepassados que estão sofrendo, e que precisam de apoio”. Sabendo disso, vamos procurar falar para eles que vamos encaminhar esse sentimento para Meishu-Sama, pedindo: “Por favor, Meishu-Sama, recebei esse sentimento negativo de meu antepassado e purificai suas máculas, para que ele seja salvo”. Entrego ao Senhor”. Assim, Meishu-Sama vai acolher o nosso pedido, porque Ele é o nosso Salvador. Pensar assim é o caminho para se tornar verdadeiro espiritualista. Gostaria que todos os messiânicos fizessem essa prática do Pensamento em

Coral: nos dois dias de Culto, integrado por membros de Curitiba, Rio de Janeiro, Campo Grande, Belo Horizonte e Brasília.

Ação. Dessa forma, se conseguirmos encaminhar a Meishu-Sama, um a um, todos os nossos sentimentos negativos, tenho certeza de que vamos estar cumprindo a nossa missão como representantes dos antepassados, aqui na Terra, guiando cada um deles ao caminho do Paraíso. Para muitos antepassados, nós somos a única esperança para serem recebidos no Paraíso. Além disso, através dessa prática, eliminando muitas máculas espirituais, faremos nossa partícula divina brilhar e irradiar a verdadeira Luz a todos que estão ligados conosco. O Culto às Almas dos Antepassados terminou agora há pouco, mas isso não significa que só vamos nos encontrar com eles de novo no ano que vem. Como eu disse, eles estão junto de nós, todos os dias, se manifestando através dos nossos sentimentos. Nossos antepassados já receberam a permissão de Meishu-Sama para servir junto conosco, e serem úteis na Obra Divina. É por esse motivo que eles nos encaminharam. Como Kyoshu-Sama afirmou que, se todos os messiânicos praticarem os dois pontos básicos da nossa doutrina, o mundo espiritual vai mudar, eu gostaria de deixar para todos os senhores uma prática diária do pensamento. Gostariam de praticar? A prática é: todos os dias de manhã, antes de sair de casa, pensar: 1. Eu tenho uma partícula divina, sou representante de Deus neste mundo, e todas as pessoas com quem eu vou encontrar hoje, também.

2. Sou a soma de meus antepassados, por isso sou representante de todos eles e quero que eles se manifestem pelos meus pensamentos e sentimentos, para que eu os encaminhe a Meishu-Sama. 3. Junto com eles, quero servir à Obra Divina como instrumento de Meishu-Sama. E à noite, antes de dormir, vamos pensar: “Quero agradecer por ter servido à Obra Divina junto com meus antepassados, reafirmando sempre, todos os dias, esse pensamento. Agora eu quero perguntar a todos os antepassados que estão aqui presentes: os senhores entenderam bem o que eu falei? Quase ninguém respondeu... os senhores não são representantes deles? Então, pergunto de novo: senhores antepassados, ligados a todos os descendentes aqui presentes! Entenderam bem o que eu falei? Sim? Meus parabéns! Então, senhores antepassados, podem ficar tranqüilos, pois de hoje em diante seus descendentes, que são seus representantes, vão abrir a porta da salvação, para compreenderem ainda mais a manifestação de seus sentimentos. Agora, quero falar para os senhores, representantes dos seus antepassados. Eu sei que todos vão ter muito trabalho, encaminhando um por um os seus milhares de antepassados. Mas sei que, no final, vão sentir uma felicidade incomparável, porque ela será a soma da felicidade de milhares de antepassados, que foram salvos no mundo espiritual. Muito obrigado e boa missão a todos!

O Rev. Tetsuo Watanabe posou para fotos comemorativas com os missionários representantes da África (esq.), das Américas (centro) e da Europa. Ao todo, foram 108 participantes do exterior.

5 SET OUT NOV DEZ 2005


EXPERIÊNCIA NA PRÁTICA DA FÉ

6 SET OUT NOV DEZ 2005

Nova vida, nova missão De repente, Brigitte Kampf descobriu que estava acometida do Mal de Parkinson. Tudo apontava para uma vida cheia de limitações mas, graças ao Johrei, que conheceu através do ministro Marcos Thomé de Moura, presidente da IMM na Alemanha, a realidade dela hoje é diferente. Brigitte veio ao Brasil participar do Culto às Almas dos Antepassados e agradecer pela nova vida e pela nova missão que recebeu. Seu depoimento ao JM contou com a participação do Rev. Carlos Roberto Sendas Ribeiro. JM: Como era a sua vida antes do diagnóstico do Parkinson? Não foi muito boa. Era uma vida sem sentido, sem missão, sem objetivos. Mas, até os 55 anos, eu me considerava uma pessoa saudável. De repente, quando comecei a ter esse problema neurológico, passei a ter tremedeira, tensões muito fortes no corpo. Finalmente foi diagnosticado que eu tinha essa doença, o Mal de Parkinson. Como recebeu o diagnóstico? Em primeiro lugar veio o medo, porque os médicos afirmavam que, em curto espaço de tempo, eu estaria presa a uma cadeira de rodas. Então, nos primeiros momentos, eu não pensei em procurar uma solução, mas sim, tinha medo do futuro porque, segundo os médicos, em pouco tempo eu teria grandes limitações para poder caminhar. Como a senhora conheceu o Johrei? Através de uma amiga, que também foi acometida do Mal de Parkinson, e que havia recebido Johrei. Foi graças a ela que conheci o ministro Marcos Thomé de Moura, durante uma palestra que ele fez sobre o Johrei. Senti uma vontade muito forte de me aproximar mais daquela filosofia, conhecer o que seria aquela energia, o trabalho que eles faziam. Se a medicina dizia que meu problema não tinha cura, eu tinha esperança de que uma força espiritual pudesse trazer respostas e alívio para o meu sofrimento. Quando a professora Brigitte chegou à Igreja, ela lhe disse: “Senhor, me salve!”. O que transmitiu para ela, naquele momento? Min. Marcos Thomé: Na verdade, nada. Eu vinha passando por uma fase de muitas dúvidas, na minha vida. Já faziam 21 anos que eu estava dedicando a minha vida à Obra Divina na Alemanha, enfrentando dificuldades para conseguir expandir a difusão, e sempre me perguntava se a culpa não era minha, se não era eu que não estava sendo merecedor do amor de Meishu-Sama. A professora Brigitte chegou exatamente nesse momento. Então, quando ela me pediu para ajudála , para salvá-la, eu pensei: “Puxa vida, há tantas pessoas sofrendo, e eu não me sinto digno de poder ser instrumento para salvá-las”. Então, dirigi meu pensamento a Meishu-Sama pedindo que, mesmo que fosse pela última vez, me permitisse ser um missionário digno dessa Obra maravilhosa na qual eu sempre acreditei, apesar de ter deixado minha alma e meu sentimento ficarem tão cheios de dúvidas, materialismo e egoísmo. Pedi que ela sentasse, abaixei a cabeça, comecei a ministrar Johrei e as lágrimas começaram a rolar dos meus olhos, durante quase uma hora. Naquele momento aprendi que não era eu que ia salvar as pessoas, e sim, Meishu-Sama. Então, nem por um minuto eu consegui ver o que ela estava sentindo pelo Johrei, porque fiquei com os olhos fechados, chorando. Quando terminou o Johrei, ela olhou para mim e falou: “Olha, senhor, eu não estou mais tremendo”. A senhora poderia contar o que sentiu, naquele momento? Tive a certeza da existência de uma força superior, que dominou todo o meu corpo. Olhar para mim, para o meu corpo, e ver que não estava tremendo foi uma alegria que eu não tenho palavras para expressar. A partir daí a senhora começou a freqüentar a Igreja? Comecei inicialmente a visitar o Johrei Center, durante três vezes na semana, mas parecia que uma força me atraia e eu queria estar sempre lá. Mesmo nos fins de semana eu visitava, para receber Johrei. Lá eu me sentia bem como eu não me sentia em nenhum outro lugar. Como foi o processo da sua recuperação? Quando recebia Johrei, em alguns momentos eu sentia grande alívio nas dores e, em outros, elas aumentavam. Mas, uma coisa já estava muito clara para mim: mesmo sentindo dores eu queria sempre voltar, retornar para o Johrei Center. Rev. Sendas: Olhando para a senhora, é difícil ter uma idéia da gravidade do seu estado, antes

Brigitte Kampf e o ministro Marcos Thomé de Moura foram recebidos, na Sede Central, pelo Rev. Tetsuo Watanabe.

de receber o Johrei. Que tipo de dificuldade teve de enfrentar, no dia-a-dia? Como pela medicina essa é uma doença incurável, o meu maior problema foi o medo das limitações que ela iria trazer para a minha vida. Ela iria, pouco a pouco, restringir todas as minhas expectativas no meu viver. Então, o medo tomou conta de mim e isso, é claro, gerava momentos difíceis no meu dia-a-dia. Hoje, tudo isso se tornou simplesmente passado para mim. Rev. Sendas: Assim que começou a melhorar, a senhora passou por algum processo de eliminação? Urinava mais? Teve disenteria ou algum outro tipo de eliminação visível? O que eu percebi, com o recebimento constante do Johrei, foi que eu realmente ia com mais freqüência ao banheiro, para urinar. Também, até hoje sinto muito calor, transpiro demais. São essas as reações que pude perceber.

Brigitte Kampf e o ministro Marcos Thomé de Moura, durante depoimento no Culto às Almas dos Antepassados.

Rev. Sendas: Quando recebia Johrei e as dores aumentavam, o que a senhora pensava? No meu caso, a doença afetava mais o lado esquerdo do corpo. Realmente, muitas vezes durante o Johrei as dores aumentavam, mas o interessante é que elas desapareciam tão logo o Johrei terminava. Durante o processo de recuperação a senhora continuou com o acompanhamento médico? Sim, e isso foi muito importante porque eles ficavam cada vez mais surpresos e diziam: “É... interessante... Você está bem melhor, já pode reduzir a medicação ao mínimo necessário”. Então, esse acompanhamento médico foi fundamental para eu confirmar a atuação do Johrei. Que tipo de sentimento foi se fortalecendo no seu interior? Eu sentia cada dia mais a presença, o carinho, o amor das pessoas no Johrei Center, e isso me dava muita força, ao mesmo tempo que ia diminuindo

o meu medo da doença. Eu estava sentindo segurança, apoio e a certeza de um futuro melhor. Como está a sua vida agora? É uma vida de muita felicidade, porque agora sei que tenho uma missão a cumprir junto com o ministro Marcos Thomé de Moura, no Johrei Center. Isso só me dá muita felicidade e alegria. No início desta entrevista, a senhora afirmou que sua vida não tinha nenhum sentido. E agora? Que objetivos tem, como vê o futuro? Toda essa graça que eu estou recebendo eu jamais quero guardar para mim. Meu desejo profundo, agora, é transmitir isso ao maior número de pessoas, principalmente às pessoas que têm o Mal de Parkinson, cujo sofrimento eu conheço muito bem. Sou membro atuante da Associação dos Portadores de Parkinson da Alemanha e, recentemente, fui indicada para concorrer à presidência da entidade. O meu desejo de me tornar presidente dessa Associação se fortaleceu depois que eu conheci o Johrei, porque sinto que poderei ser útil na expansão da Obra de MeishuSama em meu país. Quero aproveitar e fazer um trabalho paralelo da medicina tradicional com o Johrei. Rev. Sendas: Sabemos que o processo que a senhora viveu foi para que pudesse, depois, acompanhando pessoas com Parkinson, orientá-las. A senhora já ministrou Johrei em pessoas que têm o mesmo problema. Já sentiu alguma emoção, vendo a mudança de outra pessoa que tem esse mal? É, realmente a minha experiência com o Johrei foi muito rápida. O ministro Marcos Thomé diz que isso aconteceu porque eu tenho uma missão a cumprir na Obra de Meishu-Sama. Eu venho ministrando Johrei para pessoas acometidas do Mal de Parkinson, mas não temos nenhum caso de recuperação tão rápida como a minha. As pessoas até dizem: “Mas você ficou curada tão rápido...e eu? Vou me recuperar também?”. Essa é a experiência que estou vivendo, e que me torna convicta de que realmente tenho uma missão a cumprir. Eu recebi um milagre. Rev. Sendas: Nesta sua vinda ao Brasil, que impressão teve do nosso país, da nossa Igreja e dos membros brasileiros? Realmente eu precisava falar sobre isso. Tenho muito a agradecer, mas o carinho, o amor que as pessoas daqui depositaram na minha pessoa, isso foi o que mais me impressionou. Isso confirmou essa missão que eu tenho na Alemanha e se transformou, agora, no principal objetivo da minha vida, na razão do meu viver. Se a minha mensagem chegar a pessoas que têm Parkinson no Brasil, gostaria que elas buscassem o Johrei, esse poder divino no qual eu hoje acredito com todo o meu ser.


CNM - CONSTRUTORA NOVO MUNDO

Em sintonia com um novo tempo O Solo Sagrado está se tornando referência em preservação do meio ambiente e na preocupação em usar, em suas edificações, tecnologias de ponta que utilizem a Natureza como fonte geradora de bem-estar para seus usuários. O engenheiro Levi Drigo, lotado na CNM Construtora Novo Mundo Ltda - conta quais são os recursos “top de linha” disponibilizados na reforma do primeiro alojamento construído em Guarapiranga.

Acima, à esquerda, o gerador eólico, que converte a energia do vento em energia elétrica. Ao lado, os módulos solares fotovoltáicos, que convertem diretamente a luz do Sol em eletricidade. No corte acima, à direita: as antigas telhas, que eram de fibrocimento, material que inclui o amianto em sua composição, foram substituídas por outras, de última geração, produzidas com material não prejudicial ao ser humano. Ao lado, à esquerda, a nova sala de estar do alojamento. Dela pode-se vislumbrar um bonito jardim, criado pelos profissionais da CNM-Paisagismo. À direita, a cozinha equipada com toda a infra-estrutura necessária para o atendimento aos usuários do alojamento.

Q

uando surgiu a necessidade de reformar o alojamento mais antigo do Solo Sagrado, construído há cerca de 20 anos, buscamos soluções que reduzissem drasticamente ou eliminassem por completo o impacto ambiental da obra e que propiciassem, além do conforto pleno a seus usuários, a utilização racional e eficiente dos recursos naturais, como a economia de energia elétrica e de água. O objetivo era transformar o alojamento num modelo de construção sustentável. Através de pesquisas e visitas a feiras de construção, conseguimos elaborar um projeto que se embasou em cinco pontos básicos: • Economia de energia elétrica • Economia e eficiência no uso da água • Utilização de materiais que não agredissem o meio ambiente, no seu processo de fabricação • Gerenciamento dos resíduos da obra • Melhoramento do meio ambiente, gerando bem-estar para os usuários. Trabalhamos cada ítem da seguinte forma:

Economia de energia elétrica Foram instalados três sistemas: • Módulos solares fotovoltáicos – convertem diretamente a luz do Sol em eletricidade; • Gerador eólico - converte a energia do vento em energia elétrica. Toda a iluminação do alojamento e suporte de energia para as TVs é agora provido por estes dois sistemas; • Placas solares (aquecedores de passagem) – geram calor retirado da incidência da luz solar para aquecer a água dos chuveiros, torneiras de lavatórios e pias.

Economia de água Foram implantados os seguintes sistemas: • Tratamento de esgoto – toda a água de esgoto gerada no alojamento é tratada, inicialmente, por dois sistemas - aeróbico e anaeróbico. Isso já elimina grande parte das impurezas. Em seguida é submetida a um sistema de filtros e exposta a raios ultra-violeta, que eliminam todas as bactérias e impurezas que ainda possa conter. A água é reutilizada nas descargas, formando um ciclo de reaproveitamento; • As bacias de descarga têm agora capacidade reduzida, com caixas acopladas de seis litros; • Torneiras com redução de vazão (baixo consumo de água); • Reaproveitamento da água das chuvas – toda água da chuva na área do alojamento é direcionada para ser usada na irrigação dos canteiros e gramados do Solo Sagrado. Materiais que não agridem o meio ambiente Na tubulação de esgoto, na captação e condução de águas pluviais foram usados tubos fabricados por reciclagem de tubo Pet. Onde foi necessária a troca das portas e janelas de madeira, usamos material fabricado por empresas que utilizam um processo de produção com índice mínimo de agressão ao meio ambiente. A maioria dos fabricantes de materiais de acabamento, tais como piso cerâmico, azulejos, bacias, lavatórios, torneiras, tintas etc., já possui licença ambiental ou já tem a qualificação ISO 14001, o que garante que seu processo de produção também registra índice mínimo de agressão ao meio ambiente.

As telhas e as caixas d´água antigas, que eram de fibrocimento, material que inclui o amianto em sua composição, foram substituídas por outras de material não prejudicial ao ser humano. Gerenciamento de resíduos Grande parte do entulho da obra foi separado e enviado para a área de reciclagem do Solo Sagrado. O restante, que foi gerado pela demolição de pisos e paredes, foi enviado para aterro autorizado pelos órgãos fiscalizadores. Bem-estar dos usuários Nesse tópico, destacamos os seguintes ítens: • Troca de telhas de fibrocimento por telhas termo-acústicas. Elas foram pintadas de verde, combinado com o ambiente do Solo Sagrado; • No forro dos quartos foi introduzido, acima deste e abaixo das telhas, material isolante térmico e acústico; • Para gerar conforto, aumentar a iluminação e ventilação para o ambiente nas salas destinadas ao lazer e ao descanso, foi projetado um jardim que é visualizado através de grandes janelas. Ele foi executado pela equipe de paisagismo da CNM; • Nas fachadas frontal e lateral a equipe de paisagismo criou floreiras, de tal forma que, quando o usuário abrir a janela, poderá contemplá-las; • A cor da pintura interna dos ambientes foi escolhida de modo a criar um ambiente mais claro e confortável, além de propiciar a redução do número de lâmpadas para a iluminação noturna; • A pintura da fachada foi pensada de modo a harmonizar o prédio com o meio ambiente do Solo Sagrado.

7 SET OUT NOV DEZ 2005


ASSISTÊNCIA SOCIAL

8 SET OUT NOV DEZ 2005

FMO abre mais uma edição da Campanha de Natal Instituída em 1973, a Campanha entra em sua nova edição movimentando voluntários de todo o país. Em 32 anos de realização, a iniciativa da Fundação Mokiti Okada já distribuiu, com o apoio das unidades da IMMB, mais de 18 milhões de reais em alimentos não pereciveis, roupas, brinquedos, cobertores e outros produtos, beneficiando 6.467 instituições em todo o Brasil.


2005/9,10,11 e 12