Page 1

Município de Viana do Alentejo

ďŽůĞƟŵŵƵŶŝĐŝƉĂů

82 | julho | 2014

ZŽŵĂƌŝĂĂĂǀĂůŽ Cultura

Abana Viana

Cultura

&ĞŝƌĂĚŽŚŽĐĂůŚŽ

Cultura

Pedreira dos Sons


82

ďŽůĞƟŵŵƵŶŝĐŝƉĂůͮsŝĂŶĂĚŽůĞŶƚĞũŽ julho | 2014

ÍNDICE

04 | 'ĞƐƚĆŽƵƚĄƌƋƵŝĐĂ

07 | hƌďĂŶŝƐŵŽĞKďƌĂƐDƵŶŝĐŝƉĂŝƐ 09 | ĕĆŽ^ŽĐŝĂů 13 | ĚƵĐĂĕĆŽ 18 | Saúde 20 | ĞƐƉŽƌƚŽͮ:ƵǀĞŶƚƵĚĞ 21 | ƵůƚƵƌĂͮĐŽŶƚĞĐĞƵ 28 | História 30 | dƵƌŝƐŵŽͮĐŽŶƚĞĐĞƵ 32 | ŵďŝĞŶƚĞ 34 | KůŚĂƌŽŽŶĐĞůŚŽ 35 | ĞƐĞŶǀŽůǀŝŵĞŶƚŽĐŽŶſŵŝĐŽ 37 | &ŽƌŵĂĕĆŽĞŵƉƌĞŐŽ 38 | ƐƐŽĐŝĂƟǀŝƐŵŽ 40 | &ƌĞŐƵĞƐŝĂƐ 42 | ƐƉĂĕŽăWĂůĂǀƌĂͮƐƉĂĕŽă/ŵĂŐĞŵ 43 | ŐĞŶĚĂ 45 | /ŶĨŽƌŵĂĕƁĞƐjƚĞŝƐ

FICHA TÉCNICA Diretor Presidente da Câmara Municipal de Viana do Alentejo Edição Câmara Municipal de Viana do Alentejo Coordenação de Edição Florbela Fernandes ŽŶĐĞĕĆŽŐƌĄĮĐĂĞƉĂŐŝŶĂĕĆŽ João Morais Textos Florbela Cabeças &ŽƚŽŐƌĂĮĂƐ D.D.S.H. - CMVA (Joaquim Filipe Bacalas) &ĂnjƉĂƌƚĞŝŶƚĞŐƌĂŶƚĞĚĞƐƚĞďŽůĞƟŵŵƵŶŝĐŝƉĂůŽĞŶĐĂƌƚĞϵͬϮϬϭϰͲWƵďůŝĐŝƚĂĕƁĞƐKďƌŝŐĂƚſƌŝĂƐ

dŝƌĂŐĞŵ 2800 exemplares WĞƌŝŽĚŝĐŝĚĂĚĞ Trimestral /ŵƉƌĞƐƐĆŽ 'ƌĄĮĐĂďŽƌĞŶƐĞͲǀŽƌĂ ŝƐƚƌŝďƵŝĕĆŽŐƌĂƚƵŝƚĂ


/dKZ/> Caros munícipes Decorrem no nosso Concelho, ao longo do corrente ano, as comemorações do 40º aniversário do 25 de Abril, programa que integra as mais diversas manifestações culturais, desportivas e sociais. Pode mesmo considerar-se que as referidas comemorações tiveram início em 9 de setembro de 2013, com a receção aos Capitães de Abril, na Vila de Alcáçovas e no Monte do Sobral, numa cerimónia comemorativa dos 40 anos da primeira reunião do célebre Movimento dos Capitães. Quero, por isso, agradecer a todas as instituições e a todos os munícipes, a forma empenhada como se envolveram nas iniciativas já realizadas, mostrando que no Concelho de Viana do Alentejo os valores de abril se encontram bem vivos, não enjeitando a obrigação de os defender e transmitir às gerações mais novas.

ǀŝĐĞƉƌĞƐŝĚĞŶƚĞΛĐŵͲǀŝĂŶĂĚŽĂůĞŶƚĞũŽ͘Ɖƚ

A defesa desses valores passa naturalmente por dar a conhecer aos vindouros, a forma como os seus pais e avós lutaram pela liberdade e por melhores condições de vida, projeto materializado nos acontecimentos do dia 25 de Abril de 1974, quando o povo português rompeu com o regime totalitário vigente, que condenou Portugal ao subdesenvolvimento e à miséria da grande maioria do seu povo, durante um longo período de 48 anos. Os que tiveram o privilégio de viver esses acontecimentos e defender os ideais de Abril, embora com algumas divergências, compartilharam o sonho de construir uma sociedade mais justa e solidária, alicerçada em pilares tão basilares como a liberdade de expressão, a realização de eleições livres, o direito à saúde e educação para todos, o poder autárquico ou o direito ao trabalho. Hoje, ao acompanhar a evolução da nossa sociedade, particularmente a atuação das novas gerações de políticos, não posso deixar de lamentar a forma como muitos destes novos personagens ignoram ostensivamente os valores de abril, preenchendo os seus discursos apenas com números e teorias económicas, ignorando as pessoas, a fome, as famílias sem recursos, o desemprego, os idosos, a falta de acesso à saúde, ou as crianças sem uma educação condigna. Este tipo de políticas, quase sempre assentes exclusivamente em pressupostos economicistas, subservientes de princípios capitalistas desordenados, devem merecer da parte de todos nós uma inequívoca resposta de desagrado e reprovação, celebrando diariamente abril e não esperar apenas pelo dia 25 de cada ano. O Vice-Presidente da Câmara Municipal, João Pereira


'ÄžĆ?ƚĆŽĆľĆšÄ„ĆŒĆ‹ĆľĹ?Ä?Ä‚ $VVHPEOHLD0XQLFLSDODSURYDPR¨ŒRVREUHDUHTXDOLoFD¨ŒRGD(VFROD %¢VLFDH6HFXQG¢ULD'U,VLGRURGH6RXVD A Assembleia Municipal de Viana do Alentejo aprovou por unanimidade, no passado dia 28 de fevereiro, uma PR¨ŒR TXH H[LJH D UHTXDOLoFD¨ŒR GD (VFROD %¢VLFD H 6HFXQG¢ULD 'U ,VLGRUR GH 6RXVD (%6,6  em Viana do Alentejo. Segundo o documento, a EBSIS começou a funcionar em 1987 e, desde essa altura, “nĂŁo foram realizadas as convenientes obras de manutençãoâ€? no edifĂ­cio. JĂĄ em 2010, o MunicĂ­pio de Viana do Alentejo desenvolveu diversos contactos e diligĂŞncias, no sentido de resolver a situação junto da Governadora Civil e Direção Regional de Educação do Alentejo, os quais nĂŁo obtiveram os resultados esperados, embora tenha sido reconhecido por ambas as entidades a necessidade de intervenção. Em 2012 relatĂłrios do Agrupamento de Escolas de Viana do Alentejo e do MunicĂ­pio apontam como prioridades de intervenção a “remoção das coberturas decorrentes da existĂŞncia de amiantoâ€?, bem como, a “criação de espaços de trabalho adequadosâ€? e a kUHTXDOLoFD¨ŒR GH HVSD¨RV comunsâ€?. TambĂŠm o Conselho Municipal de Educação de Viana do Alentejo tem vindo a chamar a atenção para aquilo que considera ser kDVJUDYHVLQVXoFLÂŤQFLDVGRHGLI­FLRGD (%6,6 SDUWLFXODUPHQWH DV FREHUWXUDV HP oEURFLPHQWR com amiantoâ€?. JĂĄ este ano, a Associação de Pais e Encarregados de Educação de Viana do Alentejo e Aguiar manifestou junto da Delegada Regional de Educação do Alentejo a sua “preo-

cupação em relação Ă degradação dos espaços e materiais do edifĂ­cioâ€?, considerando “urgente e prioritĂĄria uma intervençãoâ€?. Recentemente, em fevereiro de 2014, o Presidente da Câmara voltou a reunir com a atual Delegada Regional de Educação, tendo reiterado a sua preocupação e disponibilidade para colaborar na resolução do problema, posição que tambĂŠm transmitiu ao Ministro da Educação do qual aguarda, desde entĂŁo, o agendamento de uma audiĂŞncia para anĂĄlise da situação. 3DVVDGRV  DQRV GHVGH TXH D 'LUH¨ŒR 5HJLRQDO GH (GXcação reconheceu a degradação do edifĂ­cio, e apesar dos esforços da Câmara Municipal e dos alertas de outros ĂłrgĂŁos locais e associaçþes, D(%6,6FRQWLQXDQXPDVLWXação perigosa e degradante, pelo que o MunicĂ­pio continuarĂĄ a exigir da parte dos responsĂĄveis pela educação a resolução deste problema.

&RQFHOKRFRQWUDRHQFHUUDPHQWRGHVHUYL¨RGHoQDQ¨DVORFDO Serviço de Finanças do concelho contribui para acentuar “o processo de abandono e consequente despovoamento dos concelhos do interiorâ€?, entre os quais o de Viana do Alentejo. A concretizar-se o encerramento do Serviço de Finanças, “obrigarĂĄ a população a percorrer grandes distâncias para resolver os problemas atĂŠ aqui resolvidos localmenteâ€?, o que provocarĂĄ um aumento nos custos da deslocação, a uma população cada vez mais envelhecida e com baixos rendimentos.

A Assembleia Municipal de Viana do Alentejo aprovou por unanimidade, no passado dia 28 de fevereiro, uma moção contra a possibilidade de encerramento da Repartição de Finanças local, por considerar que acarreta “prejuĂ­zos irreparĂĄveis para as populaçþes, para as empresas e para a economia localâ€?. Segundo o mesmo documento, o encerramento do

04

Atendendo ao facto do edifĂ­cio da Repartição de Finanças de Viana do Alentejo ser propriedade do Estado, refere a moção que, “nĂŁo existem custos acrescidos para a manutenção deste serviço no Concelhoâ€?, nĂŁo sendo compreensĂ­vel esta decisĂŁo. A moção foi remetida Ă Ministra de Estado e das Finanças, Ă  Associação Nacional de MunicĂ­pios Portugueses, aos grupos parlamentares, Ă  direção-geral da Autoridade TributĂĄria e Aduaneira, Ă  direção de Finanças de Évora e ao Serviço de Finanças de Viana do Alentejo.


Ç€Ĺ?ĂŜĂĚŽĂůĞŜƚĞŊŽÍŽÄ?ŽůĞĆ&#x;ĹľžƾŜĹ?Ä?Ĺ?ƉĂů

30º aniversårio da Associação Nacional de Municípios No âmbito das comemoraçþes do 30º Aniversårio da Associação Nacional de Municípios Portugueses (ANMP) que teve lugar no passado dia 20 de maio, a Autarquia de Viana do Alentejo associou-se às celebraçþes com o hastear da bandeira da ANMP no edifício dos Paços do Concelho HQD'HOHJD¨ŒRGD&¤PDUDHP$OF¢¨RYDVHRDo[DUGHXP pendão alusivo à data, na fachada do Município.

Atuação do Grupo Coral Feminino de Viana do Alentejo

De salientar que 5 grupos corais do concelho – Grupo Coral Velha Guarda de Viana do Alentejo, Grupo Coral e EtQRJU¢oFRGH9LDQDGR$OHQWHMR*UXSR&RUDO)HPLQLQRGH Viana do Alentejo, Grupo Coral Feminino Paz e Unidade de Alcåçovas e o Grupo Coral Feminino Cantares de AlF¢¨RYDVqPDUFDUDPSUHVHQ¨DQRGHVoOHHWQRJU¢oFRTXH decorreu nas ruas de Coimbra com o objetivo de divulgar as diversas manifestaçþes culturais de cada município.

MunicĂ­pio de Viana do Alentejo vĂŞ aprovadas candidaturas na ĂĄrea do patrimĂłnio igualmente, para a promoção turĂ­stica do territĂłrio. A segunda candidatura aprovada, que diz respeito Ă â€œValorização das Artes Tradicionais no Concelho de Viana do Alentejoâ€?, no valor aproximado de 10.000,00â‚Ź, terĂĄ, igualmente, uma taxa de comparticipação de 60%. Esta candidatura tem como objetivo a valorização da arte chocalheira e da olaria, atravĂŠs da publicação de duas obras – “Os Chocalhos e a sua relevância na Vila de Alcåçovasâ€? Hk9HUGH%DUUR2ODULDGH9LDQDGR$OHQWHMRy– e a conceção e edição de folhetos sobre os ofĂ­cios tradicionais, pretendendo consciencializar as populaçþes para a importância destas artes na histĂłria. Obras editadas pelo MunicĂ­pio

O Município de Viana do Alentejo viu aprovadas 2 candidaturas no âmbito do sub-programa 3 do PRODER (Programa de Desenvolvimento Rural), na Ação de Conservação e Valorização do Património Rural que permitirão ao concelho ter uma Carta Patrimonial e a Valorização da Arte Chocalheira de Alcåçovas e da Olaria de Viana do Alentejo.

Com a publicação das duas obras, o Município quer LGHQWLoFDUDKLVW²ULDRVSURFHVVRVRVWHVWHPXQKRVHDV coleçþes mantendo viva a memória destas atividades e permitindo a sua preservação e promoção.

A primeira candidatura, orçada em perto de 60.000,00â‚Ź, comparticipada em 60%, diz respeito Ă â€œValorização do PatrimĂłnio no Concelho de Viana do Alentejoâ€? e visa a elaboração da Carta Patrimonial e a sua respetiva edição e publicação, bem como, a organização de uma exposição sobre a histĂłria do concelho. 20XQLF­SLRSUHWHQGHFRPHVWDVD¨œHVLGHQWLoFDUFRPSUHcisĂŁo o patrimĂłnio existente e criar registos que servirĂŁo FRPRIRQWHGHLQIRUPD¨ŒRFRQWULEXLQGRSDUDDGHoQL¨ŒR de futuras estratĂŠgias de ordenamento e ocupação do territĂłrio. Esta ação possibilita ainda o conhecimento de todos os vestĂ­gios existentes e o seu estado de conservação, permitindo a priorização das necessidades de intervenção com vista Ă  sua preservação e recuperação, contribuindo,

05


'ÄžĆ?ƚĆŽĆľĆšÄ„ĆŒĆ‹ĆľĹ?Ä?Ä‚

Ç€Ĺ?ĂŜĂĚŽĂůĞŜƚĞŊŽÍŽÄ?ŽůĞĆ&#x;ĹľžƾŜĹ?Ä?Ĺ?ƉĂů

Ă guas PĂşblicas do Alentejo investem 2 milhĂľes no Concelho de Viana Foi assinado no inĂ­cio de fevereiro, no edifĂ­cio dos Paços do Concelho, em Viana do Alentejo, o contrato da empreitada de execução da conduta Alvito – Monteza, entre a Ă guas PĂşblicas do Alentejo (Agda, S.A.) e a empresa Consdep, Engenharia e Construção S.A. A obra estĂĄ orçada em cerca de 800.000,00â‚Ź e o projeWRŠoQDQFLDGRDSHOR45(1$HPSUHLWDGDLQFOXLD execução de uma nova conduta com aproximadamente 6.500 m de extensĂŁo que servirĂĄ o concelho de Viana do Alentejo. A obra arrancou no passado mĂŞs de março e visa assegurar o abastecimento a Viana do Alentejo, diretamente a partir da ETA (Estação de Tratamento de Ă gua) de Alvito.

Segundo a empresa Ă guas PĂşblicas do Alentejo, esta parceria visa garantir a qualidade, a continuidade e a HoFLÂŤQFLD GRV VHUYL¨RV GH DEDVWHFLPHQWR GH ¢JXD H GH saneamento de ĂĄguas residuais, em “altaâ€?, numa regiĂŁo com necessidades especiais. O responsĂĄvel pela Ă guas PĂşblicas do Alentejo salientou ainda que o MunicĂ­pio de Viana do Alentejo “tem sido exemplar a honrar os seus compromissos no quadro da parceriaâ€?.

Como explica Marques Ferreira, presidente do conselho de administração da empresa Ă guas PĂşblicas do Alentejo, no âmbito da parceria, “a opção de construir uma nova FRQGXWDYDLPHOKRUDUDoDELOLGDGHGRVHUYL¨Ry. Marques Ferreira reconhece, no entanto, que a grande aspiração do MunicĂ­pio ĂŠ a construção da conduta de abastecimento Viana do Alentejo – Alcåçovas, que estĂĄ jĂĄ programada e tem um investimento previsto de 1 milhĂŁo e 200 mil euros.

Igreja Matriz de Alcåçovas alvo de intervenção A Igreja Matriz de Alcåçovas Ê um dos 16 projetos na årea do património que foram aprovados no âmbito do ReguODPHQWR (VSHF­oFR GR 3DWULP²QLR &XOWXUDO GR 3URJUDPD Operacional Regional INALENTEJO, candidatura promovida pela Fåbrica da Igreja Paroquial da Freguesia de Alcåçovas. $DVVLQDWXUDGRFRQWUDWRGHoQDQFLDPHQWRWHYHOXJDUQR passado dia 3 de julho, na Galeria de Exposiçþes da CCDRA – Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Alentejo. Os 16 novos projetos envolvem um investimento total de  PLOKœHV GH HXURV FRP XP oQDQFLDPHQWR FRPXQLtårio que ronda os 10,2 milhþes.

06


Ç€Ĺ?ĂŜĂĚŽĂůĞŜƚĞŊŽÍŽÄ?ŽůĞĆ&#x;ĹľžƾŜĹ?Ä?Ĺ?ƉĂů

hĆŒÄ?Ä‚ĹśĹ?Ć?žŽÄžKÄ?ĆŒÄ‚Ć?DƾŜĹ?Ä?Ĺ?ƉĂĹ?Ć?

Pavimentação junto ao CemitÊrio de Aguiar

Arquivo da Junta de Freguesia de Aguiar

No seguimento de trabalhos de asfaltamento no concelho, o Município de Viana do Alentejo procedeu recentemente à pavimentação da entrada exterior do CemitÊrio, em Aguiar. A obra foi efetuada por trabalhadores da Autarquia.

1R¤PELWRGDUHTXDOLoFD¨ŒRGRV²WŒRGRHGLI­FLRGD-XQta de Freguesia de Aguiar, com o intuito de albergar o arquivo da freguesia, a Autarquia de Viana do Alentejo colocou, recentemente, um teto falso na estrutura, bem como iluminação. A intervenção foi efetuada por administração direta em parceria com a Junta de Freguesia de Aguiar.

5HTXDOLoFD¨ŒRGHFDO¨DGDHP Alcåçovas

Ampliação do CemitÊrio de Alcåçovas

A Câmara Municipal de Viana do Alentejo estå a proceder £UHTXDOLoFD¨ŒRGDFDO¨DGDQD5XDGDV*RGLQKDVHP$Ocåçovas. A intervenção inclui, para alÊm da nivelação da calçada, a colocação de um novo coletor de ågua pluviais.

Jå começaram as obras de ampliação do CemitÊrio, em Alcåçovas. A obra, efetuada por trabalhadores do Município, prevê a construção de esgotos domÊsticos e pluviais, saneamento, rede de åguas e arruamentos. A ampliação do cemitÊrio permitirå aumentar a capacidade do espaço e fazer face ao problema da falta de espaço para as sepulturas.

Pavimentação junto ao CemitÊrio de Viana do Alentejo Estå concluída a pavimentação junto à entrada do CemitÊrio de Viana do Alentejo. De salientar que a obra vem no seguimento da criação do passeio entre a Rotunda da ZIVA (Zona Industrial de Viana do Alentejo) e o CemitÊrio e que veio melhorar as condiçþes de segurança dos munícipes que regularmente fazem aquele trajeto.

07


hƌďĂŶŝƐŵŽĞKďƌĂƐDƵŶŝĐŝƉĂŝƐ

ǀŝĂŶĂĚŽĂůĞŶƚĞũŽͮďŽůĞƟŵŵƵŶŝĐŝƉĂů

3DYLPHQWD¨¦RGD]RQDHQYROYHQWHGR(VWDOHLUR0XQLFLSDOHLQDXJXUD¨¦R Depois de concluída a obra do Estaleiro Municipal, a Autarquia de Viana do Alentejo procedeu à pavimentação da zona envolvente. A intervenção foi feita por administração direta. A inauguração decorreu no dia 30 de maio, com um convivio entre trabalhadores, estes que serão um dos princiSDLVEHQHoFLDGRVFRPDVPHOKRULDVLQWURGX]LGDVQDTXHOH que é o seu local de trabalho.

08

Colocação de proteção nas pontes

Limpeza das Piscinas Municipais

Recentemente, a Autarquia de Viana do Alentejo colocou rails de proteção nas pontes existentes na estrada que liga Viana a São Bartolomeu do Outeiro. A obra tem por objetivo o reforço da segurança rodoviária na rede viária do concelho.

Antes da abertura da época balnear, o municipio procedeu à limpeza e manutenção da Piscina Municipal, em Viana do Alentejo. A intervenção inclui pintura, tratamento da relva e limpeza dos tanques. Depois da Piscina de Viana do Alentejo, foi a vez da Piscina de Alcáçovas.


ĕĆŽ^Ĺ˝Ä?Ĺ?Ä‚ĹŻ

No passado dia 12 de dezembro de 2013 foi aprovado em CLAS o plano de ação do Contrato Local de Desenvolvimento Social de Viana do Alentejo. O CLDS+ (Enfrente+) do concelho de Viana do Alentejo, tem como entidade coordenadora local a Terras Dentro e conta com a colaboração de entidades como a Câmara Municipal de Viana do Alentejo, o IEFP, as juntas de freguesia de Viana do Alentejo, Alcåçovas e Aguiar, a Associação Terra Mãe, o Agrupamento de Escolas do Concelho, as associaçþes de pais, a intervenção precoce e muitas outras entidades com as quais esperamos poder vir a colaborar.

PRODUTOS DA NOSSA REGIĂƒO! E muitas mais atividades‌ O que jĂĄ realizĂĄmos - No sĂĄbado, 1 de março, e no sĂĄbado, 5 de abril, animĂĄmos o mercado em Alcåçovas com mĂşsica; - Em parceria com a Câmara Municipal de Viana e com o GADE, participĂĄmos no II Encontro de EmpresĂĄrios do Concelho; 'LQDPL]D¨ŒRGHDWLYLGDGHVQD2oFLQD$EHUWDq)DP­OLD direitos e cidadania.

2REMHWLYRSULQFLSDOGRSURMHWR (Q IUHQWHŠFRPEDWHU o desemprego no concelho atravÊs de açþes que permitam capacitar a população desempregada, com ferramentas que lhes aumentem as suas competências na årea da empregabilidade atravÊs de auto emprego ou outro tipo de integração, contribuindo assim para o desenvolvimento económico do concelho. Estamos conscientes que o objetivo Ê ambicioso, mas nós contamos com a colaboração das instituiçþes e empresas concelhias e com o conhecimento e competência dos tÊcnicos que integram o projeto para conseguirmos ultraSDVVDUHVVDVGLoFXOGDGHV $VQRVVDVD¨œHVSHUPDQHQWHV - Açþes de curta duração sobre procura ativa de emprego em Alcåçovas, Viana do Alentejo e Aguiar; - Divulgação de oportunidades de emprego e formação, disponíveis nas nossas instalaçþes e no facebook; - Sessþes de esclarecimento sobre medidas de apoio à contratação e medidas de apoio ao auto emprego em todas as freguesias do concelho; - Workshops de empreendedorismo – se tiver uma ideia e precisa de ajuda para a concretizar inscreva-se! Estamos à sua espera; - &HQWURGHRULHQWD¨ŒRSURoVVLRQDOHYRFDFLRQDOdirigido a jovens que abandonaram os estudos sem concluir a escolaridade obrigatória e que necessitem de ajuda para saber o que gostariam de fazer no futuro; - Gabinete de apoio jurídico às entidades empregadoras e aos trabalhadores para resolução de situaçþes de ilegalidade em matÊria de legislação laboral; - Dinamização do mercado de Alcåçovas – TODOS OS PRIMEIROS Sà BADOS DE CADA MÊS TEMOS ATIVIDADE NO MERCADO DE ALCà ÇOVAS: VISITE-NOS E CONSUMA

Onde estamos? Rua Brito Camacho, nÂş 26 em Viana do Alentejo Facebook email: cldsenfrente@terrasdentro.pt Telef: 266 791 005 TelemĂłvel: 937 420 009 Venha conhecer-nos!

09


ĕĆŽ^Ĺ˝Ä?Ĺ?Ä‚ĹŻ

Câmara Municipal garante atendimento social regular A Câmara Municipal de Viana do Alentejo disponibiliza um renovado 6HUYL¨RGH$WHQGLPHQWR6RFLDO 6$6 , destinado às pessoas em situação de desemprego e vulnerabilidade social, todas as quintas-feiras, no período da manhã, no edifício dos Paços do Concelho. Este serviço Ê garantido por tÊcnicos municipais especializados e estå articulado com o atendimento à população do presidente da Câmara e do vice-presidente. O SAS Ê um atendimento social complementar ao atendimento promovido pela equipa do RSI do Concelho, da CPCJ e do GIP, por forma a garantir uma resposta articulada e em

rede, fundamental para combater problemas sociais multidimensionais e a melhor gestão dos recursos disponíveis no concelho. O SAS serå igualmente articulado com o CLDS+ - (En) Frente+ e com todas as organizaçþes do concelho que garantem apoio social à população. Para ser atendido basta ligar e marcar atendimento ou dirigir-se à Câmara Municipal todas as quintas-feiras, a partir das 9h00 e atÊ às 12h30.

Município promove Formação de Adultos em cooperação com a Fundação Alentejo O Município tem vindo a desenvolver um vasto conjunto de atividades de apoio à formação e emprego da população, das quais se destaca a rede de contratos de LQVHU¨ŒRHHVW¢JLRVSURoVVLRQDLVLQWHJUDGRVQRVVHUYL¨RV PXQLFLSDLVDPDQXWHQ¨ŒRGRJDELQHWHGHLQVHU¨ŒRSURoVsional (GIP) no concelho, em parceria com o Instituto de (PSUHJRH)RUPD¨ŒR3URoVVLRQDOGR$OHQWHMRDUHFHQWH promoção do Contrato Local de Desenvolvimento Local+, com a Associação Terras Dentro, o apoio a entidades formadoras privadas e mais recentemente, a promoção de formação de adultos, em cooperação com a Fundação Alentejo. Neste momento existem vårios subsidiados integrados em projetos Contrato Emprego-Inserção (CEI e CEI+) nos serviços municipais, incluindo nas escolas båsicas do concelho e jardins-de-infância da rede pública, alguns EståJLRV3URoVVLRQDLVUHSUHVHQWDQGRXPLQYHVWLPHQWRVLJQLocativo por parte do Município. Para alÊm disso o Município garante atendimento tÊcnico especializado, à população desempregada e em situação de carência e vulnerabilidade, associado ao Serviço de Atendimento Social (SAS) da Câmara, disponível todas as quintas-feiras, no período da manhã, no edifício dos

10

Paços do Concelho, e ao GIP, com atendimentos diårios, serviços que permitem atender os cidadãos e encaminhålos para as respostas adequadas aos problemas associados, a cada um deles. 'HVVDVUHVSRVWDVGHVWDFDVHDIRUPD¨ŒRSURoVVLRQDOTXD OLoFD¨ŒRGHDGXOWRVHVWDQGRSDUDEUHYHDDEHUWXUDGHXP FXUVRGHIRUPD¨ŒRSURoVVLRQDOGHDGXOWRVFRPFHUFDGH 20 formandos, na årea da agricultura, que permitirå não V² D UHTXDOLoFD¨ŒR GH GHVHPSUHJDGRV PDV WDPEŠP R benefício de uma bolsa de formação nos casos aplicåveis e /ou subsídio de alimentação. Esta ação tem a duração de 300 horas e uma vez iniciada, permitirå ao Município, atravÊs do seu serviço social iniciar a seleção de mais uma turma, em parceria com a Fundação Alentejo.


ǀŝĂŶĂĚŽĂůĞŶƚĞũŽͮďŽůĞƟŵŵƵŶŝĐŝƉĂů

Mês da Prevenção dos Maus-Tratos na Infância

A Comissão de Proteção de Crianças e Jovens em Risco (CPCJ) de Viana do Alentejo associou-se, uma vez mais, à campanha de sensibilização “Mês da Prevenção dos MausTratos na Infância” – Mês de abril, uma iniciativa da CNPCJR, da Associação de Mulheres Contra a Violência e da Câmara Municipal de Lisboa que, desde 2008, promovem um conjunto de atividades dirigidas a toda a comunidade, alertando-a para a responsabilidade social na proteção deste grupo etário. Esta campanha de sensibilização tem como principal objetivo a consciencialização das famílias e de toda a comunidade para a importância da prevenção dos maus-tratos na infância, contribuindo ainda para a consciencialização da necessidade de um maior fortalecimento dos laços familiares e de uma parentalidade mais efetiva.

No âmbito desta iniciativa, a CPCJ de Viana do Alentejo, em parceria com a Câmara Municipal e o Agrupamento de Escolas do Concelho, divulgou junto dos alunos mais jovens (pré-escolar e 1º ciclo) um calendário onde era sugerida a realização de uma atividade diária a desenvolver FRPRVoOKRV8PDPDQHLUDVDXG¢YHOGHLQWHJUDUDSDUWL cipação dos pais nos tempos livres das crianças, fazendoas sentir, assim, mais próximas e seguras dentro do seio familiar. Os alunos do 2º ciclo colaboraram na construção do “laço azul” com recurso a tampinhas de plástico, nas escolas de Viana e de Alcáçovas. Por sua vez, os alunos do 3º ciclo e do secundário participaram na dinamização do kit “Azul no Rosa” – Igualdade de género, promovido e elaborado pela Terras Dentro - Associação para o Desenvolvimento Integrado. Insere-se também neste mês da prevenção dos maus tratos infantis a comemoração do 7º aniversário da CPCJ de Viana do Alentejo.

CPCJ de Viana do Alentejo comemorou o 7º Aniversário No passado dia 23 de abril, a CPCJ - Comissão de Proteção de Crianças e Jovens de Viana do Alentejo, comemorou os seus 7 anos de existência. São 7 anos a proteger as crianças do concelho de Viana do Alentejo, a proteger os seu direitos e a garantir o seu saudável desenvolvimento. Para assinalar esta data foi realizado um encontro, onde contámos, na mesa de abertura, com a presença do vice presidente da Câmara Municipal de Viana do Alentejo, Dr. João Pereira, Dr.ª Teresa Espírito Santo e Dr. Jorge Souto da Comissão Nacional de Crianças e Jovens em Risco e como oradores o Major Rogério Copeto da GNR, a Dr.ª Graça Moreira, Procuradora do Ministério Público e Patrícia Claudino da equipa Quebrar do Silêncio, da Associação Chão dos Meninos. Os temas expostos pelos nossos oradores suscitaram o interesse dos presentes cativando a sua atenção e promoveram o debate. Foram debatidos o papel fundamental que a GNR tem desempenhado na proteção das nossas crianças através das suas ações preventivas, bem como a importância da sua representação nas reuniões da modalidade restrita. A relação entre as CPCJ e o Ministério Público, bem como as suas formas de articulação, foi também alvo de um interessante debate, merecendo uma especial atenção por parte dos representantes da Comissão Nacional que saudaram a escolha deste tema dada a sua pertinência para a atuação das comissões. Por último, e

já com a hora muito adiantada, a Dr.ª Patrícia Claudino apresentou o trabalho da equipa “Quebrar do Silêncio”, alertando, mais uma vez, para a necessidade de serem seguidos os procedimentos que estão previstos para que DVVLWXD¨¶HVVHMDPGHYLGDPHQWHLGHQWLoFDGDVHDVY­WLPDV salvaguardadas. Foi uma manhã muito produtiva onde a partilha de experiências e de conhecimento tomou lugar de destaque e todos saímos mais enriquecidos e, com a certeza, de que iremos realizar um melhor trabalho na proteção das nossas crianças e jovens. O Encontro integrou-se no âmbito do mês da Prevenção dos Maus Tratos na Infância, em consonância com a Comissão Nacional de Proteção de Crianças e Jovens em Risco, o qual decorreu durante todo o mês de abril, em parceria com o Agrupamento de Escolas do Concelho de Viana do Alentejo e com a Câmara Municipal de Viana do Alentejo. A Equipa da CPCJ de Viana do Alentejo

www.cnpcjr.pt A CPCJ de Viana do Alentejo

11


ĕĆŽ^Ĺ˝Ä?Ĺ?Ä‚ĹŻ

Ç€Ĺ?ĂŜĂĚŽĂůĞŜƚĞŊŽÍŽÄ?ŽůĞĆ&#x;ĹľžƾŜĹ?Ä?Ĺ?ƉĂů

Terra Mãe – O ano de 2013 em números A Associação Terra Mãe tem no terreno duas respostas sociais: O GASAL – Gabinete de Ação Social de Alcåçovas e a Equipa de Intervenção Precoce. O Gasal Ê um espaço de atendimento/acompanhamento social, resposta Social da Associação Terra Mãe, constituído por uma equipa tÊcnica constituída por uma Assistente Social e uma Psicóloga Clínica. Todos os anos dedicamos algum do nosso tempo à anålise e avaliação das açþes deVHQYROYLGDVFRPRSURS²VLWRGHSRUXPODGRLGHQWLoFDU RHFRGDQRVVDLQWHUYHQ¨ŒRHSRURXWURGHoQLUSODQRVGH ação cada vez mais próximos das necessidades das nossas famílias. A 31 de dezembro de 2013 o GASAL apresentava 113 processos familiares ativos (326 indivíduos), sendo que, pelo menos 60 famílias exigem um acompanhamento continuado e sistemåtico (18 processos iniciados durante o ano de 2013). Consideramos importante referir que a 28 indivíduos, para alÊm de todo o acompanhamento psicossocial que foi prestado, Ê ou foi realizado um acompanhaPHQWRHVSHF­oFRQD¢UHDGDSVLFRORJLD $ SRSXOD¨ŒR EHQHoFL¢ULD GR *$6$/ Š PDLRULWDULDPHQWH FDUDFWHUL]DGD SRU IDP­OLDV QXFOHDUHV FRP oOKRV   H famílias monoparentais (27%), na sua maioria famílias monoparentais femininas. Relativamente às idades concluímos que uma grande percentagem da população se caracteriza por pessoas com idade inferior a 17 anos (crianças e jovens), seguindo-se as idades compreendidas entre os 31 e 50 anos (casais com oOKRV (VWDVFDUDFWHU­VWLFDVWPDYHUGLUHWDPHQWHFRPD intervenção prioritåria e especializada realizada por parte GRQRVVRJDELQHWHqWUDEDOKRFRPIDP­OLDVFRPoOKRVD cargo. A Equipa de Intervenção Precoce Ê um conjunto de medidas de apoio integrado centrado na criança e na família,

incluindo açþes de natureza preventiva e reabilitativa, no âmbito da educação, da saúde e da ação social. Esta intervenção destina-se a crianças dos 0 aos 6 anos de idade, com alteraçþes ou em risco de apresentar alteraçþes nas estruturas ou funçþes do corpo, tendo em linha de conta o seu normal desenvolvimento. Durante o ano de 2013, a ELI acompanhou 40 famílias perfazendo um total de 45 crianças. Da tipologia das famílias acompanhadas podemos referir TXHDJUDQGHPDLRULDGDVIDP­OLDVHUDPFDVDLVFRPoOKRV – 25 famílias; seguindo-se a monoparental - 7 famílias; reconstruída – 5; extensa – 2 e alargada – 1 família. Durante o ano transato foram sinalizadas à Equipa 11 crianças por diversas Entidades, tais como a Segurança Social, a Educação, a Saúde, o GASAL e tambÊm o Município de Viana do Alentejo. É o resultado desse trabalho que hoje partilhamos convosco. O crescimento do trabalho do GASAL e da ELI tem sido visível de ano para ano. Pensamos que Ê reconhecido por todos o impacto que as experiências e oportunidades oferecidas às famílias têm face à sua melhoria de vida. Assim, uma intervenção multidisciplinar e intersectorial acompanhada de um treino de competências sociais e parentais pode, na nossa perspetiva, prevenir ou atenuar condiçþes primårias e secundårias nefastas ao desenvolvimento e £TXDOLGDGHGHYLGDGDVQRVVDVIDP­OLDVPDLVGHVDoDGDV Este Ê o nosso lema, a nossa estratÊgia de intervenção, o nosso desígnio. Esperamos cumpri-lo hoje e sempre com a ajuda de todos. OBRIGADA e sejam felizes, podem contar connosco.

(VFRODGHFULDQ¨DVqDWLYLGDGHVV²FLRWHUDSÂŤXWLFDV “Se nĂŁo podemos dar tudo, podemos ao menos dar alguma coisa e alguma coisa jĂĄ ĂŠ muito“ JoĂŁo dos Santos No âmbito da nossa missĂŁo - estar ao serviço da comuQLGDGHHQFRQWUDQGRUHVSRVWDVHoFD]HVHLQRYDGRUDVTXH respondam Ă s suas necessidades, surge a atividade “Escola de Criançasâ€? no sentido de enriquecer cultural, afetiva e socialmente a vida de algumas crianças, atravĂŠs de atividades ocupacionais de cariz lĂşdico terapĂŞutico. A atividade decorreu entre os dias 23 e 27 de junho e integrou 8 crianças. Viagem de comboio, visualização de oOPHQRFLQHPDHPGYLVLWDJXLDGDÂŁH[SRVL¨ŒRGDDUWLVta Marta Palau na Fundação EugĂŠnio d´Almeida - Évora, dia maravilhoso na Quinta do Pomarinho da APCE – Associação de Paralisia Cerebral de Évora, e muito muito mais foi o que proporcionamos a estas 8 crianças. “Em cada criança hĂĄ uma esperançaâ€? (Alguns dos nossos guias)

12

Associação Terra Mãe www.terramae.pt


Ç€Ĺ?ĂŜĂĚŽĂůĞŜƚĞŊŽÍŽÄ?ŽůĞĆ&#x;ĹľžƾŜĹ?Ä?Ĺ?ƉĂů

ĚƾÄ?ĂĕĆŽ

Cineteatro acolhe colĂłquio “Europa de Porta Abertaâ€?

Projetos destinados aos jovens apresentados em Viana do Alentejo No âmbito do Projeto Serviço Voluntårio Europeu, o Município de Viana do Alentejo promoveu no passado GLDGHPDU¨RRFRO²TXLRk(XURSDGH3RUWD$EHUWDyQR&LQHWHDWUR9LDQHQVHTXHWHYHFRPRoQDOLGDGH informar os jovens sobre o serviço voluntårio e os projetos europeus disponíveis. Desde setembro de 2013 a março deste ano, o Município de Viana do Alentejo acompanhou 4 voluntårios da Estónia, GrÊcia, à ustria e República Checa que tiveram a oportunidade de visitar diversos locais e conhecer o tecido empresarial do concelho, bem como as tradiçþes e costumes da região. No colóquio, para alÊm do Presidente do Município, Bengalinha Pinto, participaram ainda, Sandra Pires, em representação da delegação de Évora, do Instituto Português do Desporto e Juventude, Vasco Fernandes, da Omnis Factum, Elsa Branco, presidente da Associação Terras Dentro e Altino Barradas, ex-coordenador de Projetos Juventude em Ação.

Quem deixou tambÊm o seu testemunho foram as voluntårias que terminaram o projeto no dia 8 de março e para quem a experiência tem sido única. Para alÊm do crescimento enquanto pessoas, as jovens salientaram ainda o facto de terem tido a possibilidade de trabalhar com crianças e idosos e conhecer uma outra cultura que se revelou uma agradåvel surpresa.

Sobre a presença dos voluntĂĄrios no concelho, Bengalinha Pinto, destacou a “importância do intercâmbio e a troca de experiĂŞnciasâ€?, do qual resultou uma grande riqueza em termos pessoais para ambas as partes. O autarca manifestou, igualmente, a “disponibilidade do municĂ­pio em continuar a acolher outros jovens em projetos futurosâ€?.

Para mais informaçþes podem os jovens, associaçþes e autarquias do concelho contactar o Município atravÊs da Divisão de Desenvolvimento Social e Humano, o Instituto Português do Desporto e Juventude, atravÊs do site www. ipdj.pt, ou ainda a Associação Terras Dentro.

No decorrer do colóquio foi apresentado o programa Erasmus +, programa europeu de apoio à educação, formação, juventude e desporto lançado este ano e que estarå em vigor atÊ 2020. Trata-se de um programa de mobilidade no espaço europeu destinado a jovens que engloba as diversas açþes que atÊ agora compunham os programas Aprendizagem ao Longo da Vida, Juventude, Tempus, Erasmus Mundus, Alfa e EduLink. O programa Erasmus + permite aos jovens a oportunidade de estudar, participar numa ação de formação, adquirir experiência de trabalho e efetuar tambÊm voluntariado na Europa. Oradores do colóquio

13


ĚƾÄ?ĂĕĆŽ

Plantação de årvores na antiga lixeira

350 alunos do concelho plantam årvores na antiga lixeira Jogos e muita brincadeira marcaram as comemoraçþes do Dia Mundial da Floresta/Dia da à rvore que decorreram nos dias 21 e 24 de março, em Viana do Alentejo. $LQLFLDWLYDTXHPDUFRXRDUUDQTXHGD2oFLQDGR$PELente contou com a participação de cerca de 350 alunos do prÊ-escolar e 1º ciclo e utentes da Santa Casa da Misericórdia de Viana do Alentejo, e pretendeu sensibilizar e chamar a atenção para um conjunto de questþes ambientais.

de dar um conteúdo simbólico de paz, afeto e harmonia com a paisagem envolvente. A iniciativa, promovida pelo município contou com o apoio de MC Trapilho, Terra.Corpo, Bombeiros Voluntårios de Viana do Alentejo, Escola Segura da GNR – Secção das Forças Especiais, Fraternidade de Nuno à lvares – Associação dos Antigos Filiados no Corpo Nacional de Escutas de Alcåçovas.

Na antiga lixeira de Viana do Alentejo, para alĂŠm de um conjunto de jogos (bowling de garrafas pet, corrida de sacas, micado gigante, labirinto de palha, entre outros) TXHo]HUDPDVGHO­FLDVGDVFULDQ¨DVIRUDPDLQGDSODQWDdas 83 ĂĄrvores autĂłctones – sobreiro, azinheira e carvalho-portuguĂŞs – provenientes de uma candidatura efetuada no âmbito do projeto “Floresta Comumâ€? da Quercus – Associação Nacional de Conservação da Natureza. 2UHFLQWRGD2oFLQDGR$PELHQWHoFRXGHoQLGRSHODSODQWD¨ŒRGDV¢UYRUHVHPIRUPDGHFRUD¨ŒRFRPDoQDOLGDGH

Alunos do jardim-de-infância participam no bowling de garrafas

14

Presidente da Câmara presente nas comemoraçþes

Crianças participam no labirinto de palha


Ç€Ĺ?ĂŜĂĚŽĂůĞŜƚĞŊŽÍŽÄ?ŽůĞĆ&#x;ĹľžƾŜĹ?Ä?Ĺ?ƉĂů

2oFLQD$EHUWDUHFHEHDOXQRVQDSDXVDOHWLYDGD3¢VFRD $2oFLQD$EHUWDJDUDQWLXDRFXSD¨ŒRGHDOJXPDVFULDQ¨DV de Viana do Alentejo durante a pausa letiva da Påscoa, atravÊs da oferta de atividades educativas e de lazer. 2SURJUDPDLQFOXLXRoFLQDVGHFHVWDULDGHFXOLQ¢ULDGH garrafas pet, torneios de jogos tradicionais em parceria com a Santa Casa da Misericórdia de Viana do Alentejo,

um passeio pedestre atÊ ao Santuårio de N.ª Sr.ª D’Aires, uma demonstração cinotÊcnica em parceria com a Escola Segura - GNR, caça ao tesouro, na Quinta da Joana, e uma breve abordagem à construção de uma Maleta da Cidadania, no âmbito do CLDS + (En) Frente + em parceria com a Associação Terras Dentro. O Agrupamento de Escolas colaborou com apoio nas refeiçþes.

Visita ao Santuårio de N.ª Sr.ª D’Aires

Atividade intergeracional

Psicomotricidade nas escolas de Viana do Alentejo Em fevereiro de 2014 o MunicĂ­pio de Viana do Alentejo aderiu ao projeto “Psicomotricidade no ensino prĂŠ-escolar e no 1Âş Cicloâ€? inserido num programa de estĂĄgio SURoVVLRQDO SURSRVWR SHOD 7ŠFQLFD 6XSHULRU GH 5HDELOLtação Psicomotora Gisela Roque, tornando-se numa das entidades pioneiras no que diz respeito ao acolhimento GH SURoVVLRQDLV GD ¢UHD HP TXHVWÂŚR DVVXPLQGR DVVLP uma responsabilidade social, educativa e terapĂŞutica, que muitas autarquias temem abraçar. Neste seguimento, o MunicĂ­pio de Viana do Alentejo em parceria com o Agrupamento de Escolas do Concelho de Viana do Alentejo tem vindo a proporcionar Ă s crianças sessĂľes de psicomotricidade, que tĂŞm como principal objetivo maximizar as potencialidades, as competĂŞncias e as aptidĂľes das crianças envolvidas. A psicomotricidade, enquanto prĂĄtica preventiva de valor terapĂŞutico, tem vindo a ser exercida no âmbito do desenvolvimento infantil. Assim, entre tantos outros aspetos que poderiam ser mencionados, a psicomotricidade proporciona prevenção GHGLoFXOGDGHVGHH[SUHVVÂŚRPRWRUDYHUEDOHJU¢oFDSUR-

Atividades em Aguiar

move a aquisição e a consolidação de fatores psicomotores (tonicidade, equilĂ­brio, noção do corpo, lateralidade, esWUXWXUD¨ŒRHVS¢FLRWHPSRUDOSUD[LDJOREDOHSUD[LDoQD  fomenta o ajuste positivo da agressividade, da inibição, dos limites, da frustração, dos medos, da dependĂŞncia, do poder, da afetividade, da auto-estima, entre outros; favorece o alĂ­vio das tensĂľes, progredindo para a acalmia e auto-regulação; promove uma maior percepção corporal; fomenta o desejo e a capacidade para enfrentar situaçþes novas; promove melhorias no desempenho escolar, desbloqueando a aprendizagem; fomenta a aceitação das diferenças, promovendo a maior perceção de si mesmo e do outro; promove a autenticidade na comunicação entre as crianças e o adulto; e estimula o desenvolvimento da criatividade, espontaneidade e autonomia em busca de uma maior independĂŞncia e desejo de aprender. “Ao propormo-nos a fazer uma mudança, nĂŁo nos devemos preocupar sĂł com o destino, a viagem ĂŠ bem mais importanteâ€? (JoĂŁo Costa, 2008)

Atividades no Centro Escolar

15


ĚƾÄ?ĂĕĆŽ Associação de Pais de Viana do Alentejo e Aguiar Caros Pais e Encarregados de Educação! Realizou-se no passado dia 15 de março, no Cineteatro Vianense uma sessĂŁo de esclarecimento promovida pelo Cabo Albertino Meneses da Escola Segura e o Sargentoajudante FalĂŠ da Silva, sobre os perigos na internet, dirigida aos pais, encarregados de educação e alunos. Apesar da fraca adesĂŁo dos pais, todos os presentes foram unânimes ao considerar o tema de extrema importância no nosso dia-a-dia, no sentido de estarmos alerta para estes perigos TXHFDGDYH]PDLVID]HPSDUWHGDYLGDGRVQRVVRVoOKRV Pela primeira vez, em Aguiar, a Associação de Pais de Viana do Alentejo e Aguiar em parceria com a RosĂĄlia Dias, promoveu o “Aguiar Crescendosâ€?, programa que visa a ocupação de tempos livres das crianças do 1Âş ciclo. Consideramos o projeto uma mais-valia para a comunidade educativa na freguesia de Aguiar, porque, cada vez mais, RVSDLVWÂŤPXPDYLGDSURoVVLRQDOPDLVH[LJHQWHHŠERP VDEHUTXHRVoOKRVHVWÂŚRQXPORFDOVHJXURHEHPDFRPpanhados. Em relação ao amianto na nossa escola, assunto que nos preocupa muito e para o qual temos unido todos os nossos esforços, informamos que reunimos com a Diretora Regional, durante o mĂŞs de maio, na tentativa deste problema ser resolvido, nas prĂłximas fĂŠrias de verĂŁo, uma vez que nĂŁo foi retirado nas fĂŠrias da pĂĄscoa, como prometeu o nosso ministro da educação. A Diretora Regional

informou que a nossa escola estå LGHQWLoFDGDFRPRSULRULW¢ULDQRHQtanto não pode avançar com uma data pois não possui informação relativamente a isso. Estamos a recuperar o espaço da nossa sede, com o apoio da Câmara Municipal de Viana do Alentejo, da Junta de Freguesia de Viana do Alentejo, das empresas Luísa Gomes, Unipessoal, Lda., EquipÊvora, Unipessoal, Lda. e do IntermarchÊ de Viana do Alentejo, bem como de um particular (Luísa Maria Mouro) para que tenhamos um espaço em condiçþes de receber toda a comunidade educativa. Apelamos à vossa participação, divulgação das nossas reuniþes mensais e nas nossas atividades, porque, só assim, conseguiremos melhores condiçþes na årea da educação SDUDRVQRVVRVoOKRV8PEHPKDMDSDUDWRGRV{ AtÊ breve A Associação de Pais

Contactos .................................................................................................... telemĂłvel: 966 108 733 www.aevianadoalentejo.edu.pt/associacao-de-pais-enc-edu e-mail: associacaopaisvianaeaguiar@gmail.com

Summer em Aguiar

16

33 Crianças participaram na 1ª Quinzena do Summer 2014, em Aguiar. A iniciativa destinada a crianças dos 6 aos 13 anos, que termina a 22 de agosto, pretende ser um espaço de ocupação dos tempos livres em tempo de fÊrias. Em Aguiar, para alÊm da Câmara Municipal de Viana do Alentejo, o Summer conta com a parceria estratÊgica da Associação de Pais e Encarregados de Educação de Viana do Alentejo e Aguiar, que assegura o funcionamento das atividades. Os mais novos têm à sua disposição diversos ateliers como Ê o caso de defesa pessoal, Maleta da Cidadania, entre outros, e ainda visitas à Barragem de Odivelas, ao Monte Selvagem, ao Museu de Évora, ao Castelo de Viana do Alentejo e ao Estådio da Luz. De salientar ainda, o apoio da Junta de Freguesia de Aguiar e do Agrupamento de Escolas do Concelho de Viana do Alentejo.

Para participar nas próximas quinzenas, os interessados devem efetuar a sua inscrição na EB1 de Aguiar.


ǀŝĂŶĂĚŽĂůĞŶƚĞũŽͮďŽůĞƟŵŵƵŶŝĐŝƉĂů

&¤PDUDHPLWHSDUHFHUVREUHIRUPD¨¦RSURoVLRQDO Considerando a pertinência da oferta em apreço para o desenvolvimento local e regional, a Câmara Municipal de Viana do Alentejo deu o seu parecer favorável à DEHUWXUDGHQRYRVFXUVRVSURoVVLRQDLVHYRFDFLRQDOGD(VFROD3URoVVLRQDOGH$OYLWRDLQLFLDUQRSU²[LPRDQROHWLYR  2V FXUVRV SURoVVLRQDLV W«P D GXUD¨¦R GH WU«V anos e conferem o grau de habitação equivalente ao 12º ano – nível IV da União Europeia e o curso vocacional confere o 9º ano de escolaridade.

2VFXUVRVSURoVVLRQDLVV¦R Técnico de Banca e seguros – Nível IV; Técnico de Restauração, variante: Restaurante – bar – Nível IV Técnico de Restauração, variante: Cozinha – Pastelaria – Nível IV Técnico de Informática e Gestão – Nível IV Já o Curso Vocacional é Hotelaria e Turismo – Equivalência ao 9º ano.

Município apoia atividades educativas O Município de Viana do Alentejo, em parceria com o Agrupamento de Escolas do Concelho de Viana do Alentejo, no âmbito das suas competências em matéria de educação, procura acompanhar e apoiar funcionários, professores e alunos, de modo a que sejam reunidas as condições necessárias à realização do Projeto Pedagógico existente e das atividades que daí resultam, entre outras, desenvolvidas pelos próprios alunos e encarregados de educação.

outros apoios, logísticos e técnicos, nomeadamente para a realização do Baile Anual de Finalistas e Festa de Natal.

Neste sentido, a Câmara Municipal apoia, através da cedência de transportes, a realização de visitas de estudo, MRJRVGR'HVSRUWR(VFRODUHYLDJHQVGRJUXSRGHoQDOLVtas, grupo de Inglês, alunos de Educação Moral Religiosa H&DW²OLFDHDSUHVHQWD¨¦RGHSURMHWRVFLHQW­oFRSHGDJ²JLcos de alunos, fora do Concelho. Este ano, mais de 200 alunos e professores realizaram visitas ao Jardim Zoológico, Museu da Comunicação, Badoca Safari Park, Fábrica da Cortiça, Teatro Politeama, entre outros. De salientar

Visita de estudo

Dia da Criança celebrado na “Pedreira dos Sons” A tarde de 1 de junho, Dia Mundial da Criança, foi dedicada às artes – teatro e música - em Viana do Alentejo, numa pedreira desativada. Uma experiência nova e única que arrancou sorrisos e levou as dezenas de crianças a trautear algumas músicas, numa viagem por temas bem conhecidos. A apresentação esteve a cargo dos alunos da Escola de Artes da Universidade de Évora, sob a direção musical do

maestro Christopher Bochmann e ainda do Coro Infantil da CulArtes, sob a direção musical de José Fernandes e Sónia Mendes. A iniciativa surge no âmbito da 2ª edição da “Pedreira dos Sons”, promovida pelo Município de Viana do Alentejo e Escola de Artes da Universidade de Évora, com a colaboração do maestro Christopher Bochmann e a parceria da CulArtes, Cooperativa Cultural, CRL.

Teatro e música assinalam Dia da Criança

Atuação do Coro da CulArtes

17


Saúde Mas estas políticas só poderão avançar se da parte da comunidade não houver uma reacção organizada e forte. Infelizmente a minha experiência na saúde ao longo destes quarenta anos leva-me a pensar que as pessoas servem-se mas não servem os serviços de saúde. Muito simplesmente, salvo raras excepções, não se interessam, não participam, não se mobilizam para dar resposta aos problemas, não se empenham na construção de alternativas. Senão vejamos:

Os Serviços de Saúde precisam de todos nós Durante o fascismo Portugal possuía os piores indicadores de saúde da Europa: em Portugal apenas 18% da população estava coberta por serviços de saúde enquanto na Europa esse indicador era de mais de 70%; a taxa de mortalidade infantil era mais de duas vezes superior ao valor então encontrado na Europa; no início dos anos 70 apenas 1,7% do PIB era aplicado nos serviços de saúde enquanto na Europa de então o valor médio era de 3,8%. 2GH$EULOSHUPLWLXXPDPRGLoFD¨¦RSURIXQGDGHVWH cenário quer porque o Estado passou a assumir as suas responsabilidades e promoveu um Serviço Nacional de Saúde universal, quer porque a melhoria das condições de vida das populações levou a um decréscimo muito acentuado das doenças relacionadas com a falta de condições de vida, que o mesmo é dizer directamente relacionadas com a miséria.

Um dos temas centrais dos processos de reforma sanitária dos últimos vinte anos tem sido o reconhecimento da centralidade do utente e da importância da sua voz. De acordo com a Lei de Bases da Saúde (Lei 48/90, de 24 de Agosto), os utentes têm direito a, entre outras coisas, constituir entidades que os representem e defendam os seus interesses e constituir entidades que colaborem com o sistema de saúde, nomeadamente sob a forma de associações para a promoção e defesa da saúde ou de grupos de amigos de estabelecimentos de saúde. O Decreto-Lei n.º 28/2008 instituiu os Conselhos de Comunidades (CC) nos Agrupamentos dos Centros de Saúde (ACES) com o objectivo de aumentar a ligação dos cuidados primários aos cidadãos e incentivar a participação dos diferentes atores. A maioria dos ACES já criou os respectivos CC e embora seja ainda limitada a avaliação GD VXD DFWLYLGDGH HVW¢ GHVGH M¢ LGHQWLoFDGR XP SRQWR crítico que obstará ao seu efectivo funcionamento: a limitada presença de associações de utentes nas áreas de actuação dos ACES. Isto dá razão ao que disse acima: a comunidade serve-se dos serviços de saúde mas não está disponível para os servir. Assim não vamos longe…

Dr. Augusto Brito - Delegado de Saúde

Em poucas décadas saímos da cauda da Europa e colocámo-nos entre os primeiros no que diz respeito a indicadores de saúde da população. Tudo pode estar ameaçado pelas políticas neoliberais que têm ganho espaço nestes últimos anos, pondo em dúvida a justeza das políticas sociais levadas a cabo a partir da segunda metade do século passado, que preparam o terreno para uma cada vez maior intervenção dos mercados oQDQFHLURVQRVHFWRUGDVD·GH ΎƐƚĞĂƌƟŐŽŶĆŽƵƟůŝnjĂĂƐŶŽƌŵĂƐĚŽŶŽǀŽĂĐŽƌĚŽŽƌƚŽŐƌĄĮĐŽ

Obrigado à Câmara Municipal por nos abrir esta porta para o diálogo. Falem, Telefonem, Escrevam! A Saúde não é uma coisa que os enfermeiros ou os médicos deem às pessoas. Também não se compra na farmácia ou no hospital. A Saúde é sim o resultado de um trabalho continuado que tem que nos envolver a todos.

18


Ç€Ĺ?ĂŜĂĚŽĂůĞŜƚĞŊŽÍŽÄ?ŽůĞĆ&#x;ĹľžƾŜĹ?Ä?Ĺ?ƉĂů

Programa de Rastreio Auditivo e Visual A prevenção de problemas visuais/ auditivos são uma medida fundamental para o desenvolvimento e saúde da criança/ jovem. Os rastreios quer visuais quer auditivos possibilitam detetar doenças e fatores de risco no indivíduo, o que permite ao especialista indicar quais as medidas a tomar para resolver ou corrigir o problema e evitar consequências mais graves. Segundo a Direção Geral de Saúde, vårios estudos realizados em Portugal permitem estimar que cerca de metade da população sofra de alteraçþes da visão, desde diminuição da acuidade visual atÊ à cegueira, e cerca de 20% das crianças e metade da população adulWDSRUWXJXHVDVRIUDPGHHUURVUHIUDWLYRVVLJQLoFDWLYRV-¢ em relação à audição os especialistas dizem que mais de metade usa MP3 por mais de uma hora por dia e em volumes acima dos 85 dB, farå com que estes jovens possam perder audição ao longo da vida e aumentarå a incidência de casos de surdez nos próximos anos. Neste contexto e na sequência da manifestação de preocupação relativamente a algumas situaçþes suspeitas, por parte do corpo docente e pais/encarregados de educação, a UCC de Viana do Alentejo conjuntamente com os parceiros da comunidade propôs-se a desenvolver este programa, que denominåmos PRAV (Programa de Rastreio Auditivo e Visual) 2014. 2VREMHWLYRVGHVWHSURJUDPDVŒRHVSHFLoFDPHQWH - Despistar anomalias de acuidade visual, atravÊs de vårios testes que serão efetuados à visão. - Despistar anomalias de acuidade auditiva, atravÊs de vårios testes que serão efetuados ao ouvido. 2ULHQWDUSDUDREVHUYD¨ŒRPŠGLFDFDVRVHMDPLGHQWLocadas alteraçþes. O PRAV Ê coordenado pela UCC de Viana do Alentejo e tem como parceiros a Associação de Pais do Agrupamento de Escolas de Viana do Alentejo, Agrupamento de Escolas de Alcåçovas, a Essilor e a Escola Superior de Tecnologia de Saúde de Coimbra. Podemos contar como apoios com a Câmara Municipal de Viana do Alentejo, a Junta de Freguesia de Viana do Alentejo e a Santa Casa da Misericórdia de Viana do Alentejo.

No rastreio realizado aos 52 adultos, foram detetadas alteraçþes da visão a 31 pessoas, que correspondem a 59,6% da população rastreada. Após o rastreio e a deteção dos problemas visuais, encaminharam-se os utentes para o mÊdico de família e /ou oftalmologista, pois a deteção precoce destes problemas Ê essencial para o tratamento atempado e a não evolução dos mesmos para processos irreversíveis. De realçar a importância dos pais/educadores e professores na deteção precoce destes problemas atravÊs de sinais manifestados pela criança. No dia 5 de maio deu-se início à realização do rastreio auditivo que decorreu atÊ dia 6 de Junho. Este rastreio elaborado por 2 alunas estagiårias da escola Superior de Tecnologia da Saúde de Coimbra, destinouse a todos os alunos do concelho com 5 ou mais anos e incluiu um dia para os idosos do lar da Santa casa da Misericórdia. À data ainda não temos os resultados deste rastreio. É importante referir e agradecer todo o apoio e interesse mostrados por parte de todos os intervenientes.

Elaborado pela equipa de enfermagem da UCC de Viana do Alentejo Coordenadora MarĂ­lia de Jesus Vaz Rasquinho

Assim, decorreu de 7 a 10 de janeiro o Rastreio Visual que foi dirigido a todos os alunos com 5 ou mais anos e à comunidade em geral das três freguesias, e cujos resultados passamos a apresentar: - Dos 781 alunos com idade igual ou superior aos 5 anos de idade, foram rastreados 613 que correspondem a 78,5%, donde 144 (23,5%) apresentaram alteraçþes visuais.

Unidade de Cuidados na Comunidade | Centro de SaĂşde de Viana do Alentejo Tel.: 266 930 050 | Tm: 969 352 804 | e-mail: marilia.rasquinho@alentejocentral2.min-saude.pt HorĂĄrio de Funcionamento: 2ÂŞ a 6ÂŞ das 9h00 Ă s 20h | SĂĄbados, Domingos e Feriados 8h00 Ă s 14h00

19


ÄžĆ?Ć‰Ĺ˝ĆŒĆšĹ˝ÍŽ:ƾǀĞŜƚƾĚĞ

Ç€Ĺ?ĂŜĂĚŽĂůĞŜƚĞŊŽÍŽÄ?ŽůĞĆ&#x;ĹľžƾŜĹ?Ä?Ĺ?ƉĂů

Abana Viana – Festival Jovem 2014 Decorreu mais uma edição do Abana Viana – Festival Jovem 2014. De 11 a 13 de julho, a Quinta da Joana, acolheu a 4ÂŞ edição do Abana Viana – Festival Jovem 2014, numa organização do MunicĂ­pio de Viana do Alentejo e das Juntas de Freguesia do Concelho, com a colaboração de associaçþes locais. O destaque foi para o IV Concurso de Bandas de Garagem que decorreu no palco pop & rock, no primeiro dia do festival, que teve como vencedora “The Garlic Naan Band. 3DUDDOŠPGHXPoPGHVHPDQDFKHLRGHP¡VLFDKRXYH ainda dança e desportos radicais para os mais aventureiros, num ambiente jovem e festivaleiro. Para quem quis acampar teve ao seu dispor uma zona de campismo, cuja adesĂŁo deu acesso Ă s piscinas municipais. Se nĂŁo tiveram oportunidade de assistir Ă  4Ç?ĞĚĹ?ĕĆŽĚŽĨĞĆ?Ć&#x;ǀĂůoFDGHVGHM¢RFRQYLWHSDUDSDUWLFLSDUHPQDSU²[LPD edição.

Entrega do prĂŠmio Ă Banda Vencedora

Público marca presença no festival

6800(5 Começou no passado dia 30 de junho, a 4ÂŞ edição do programa “SUMMERâ€? que, Ă semelhança dos anos anteriores, decorre nas 3 freguesias do Concelho e conta com parcerias locais e regionais. Destinado a jovens entre os 6 e os 13 anos, o SUMMER pretende proporcionar novas experiĂŞncias atravĂŠs da participação em diversas atividades culturais e desportivas que visam a cooperação e o relacionamento social, sem nunca desvirtuar a componente educacional. A iniciativa irĂĄ proporcionar 4 quinzenas, divididas entre 30 de junho e 22 de agosto. Tal como no ano passado, irĂĄ ter OXJDUQRoQDOGR6XPPHUHPGDWDDGHoQLURDFDPSDPHQWR

Visita a Vila Viçosa

20

“Summer Endâ€?, que vai juntar os participantes das 3 freguesias, na Quinta da Joana, uma iniciativa do MunicĂ­pio de Viana do Alentejo.

Visita ao Quartel de Bombeiros de Viana do Alentejo


Ç€Ĺ?ĂŜĂĚŽĂůĞŜƚĞŊŽÍŽÄ?ŽůĞĆ&#x;ĹľžƾŜĹ?Ä?Ĺ?ƉĂů

Cultura | Ä?ŽŜƚĞÄ?Ğƾ

“Pedreira dos Sonsâ€? um espaço de rara beleza

,,(GL¨ŒRGD3HGUHLUDGRV6RQVHP9LDQDGR$OHQWHMRIRLXPVXFHVVR A Pedreira dos Sons, uma iniciativa integrada no projeto Saber dos Sons promovida pelo Município de Viana do Alentejo e pela Escola de Artes da Universidade de Évora, com a prestimosa colaboração do maestro Christopher Bochmann contou ainda para esta edição com a parceria da Culartes, Cooperativa Cultural, associação do concelho. Durante as noites dos dias 30, 31 de maio e 1 junho, num apelo aos sentidos e num espaço com particularidades acústicas únicas, estiveram presentes mais de setenta músicos que proporcionaram momentos de música clåssica e jazz. Sem esquecer o Dia Mundial da Criança que, em parceria com as Juntas de freguesia do Concelho, foi comemorado na tarde do dia 1 de junho com um espetåculo infantil e a participação do Coro Infantil da Culartes. Nos três dias do certame, centenas de espetadores provenientes de vårios pontos do país desfrutaram de um oPGHVHPDQDGHGLFDGR£VDUWHVHPGH9LDQDGR$OHQWHMR Os órgãos de comunicação social tambÊm marcaram presença, manifestando, assim, o seu interesse neste particuODUoPGHVHPDQDPXVLFDO Na abertura do evento, para alÊm do maestro Christopher

Inauguração do evento

Bochmann e do parceiro CulArtes representado pelo arquiteto Carlos Marques, intervieram pela organização o Presidente da Câmara Municipal, Bengalinha Pinto que deu as boas vindas a todos os presentes e a Reitora da Universidade de Évora, Professora Doutora Ana Costa Freitas.

Exposição de alunos da Escola de Artes da Universidade de Évora

EspetĂĄculo Pedro e o Lobo

21


ĆľĹŻĆšĆľĆŒÄ‚ÍŽÄ?ŽŜƚĞÄ?Ğƾ

Ç€Ĺ?ĂŜĂĚŽĂůĞŜƚĞŊŽÍŽÄ?ŽůĞĆ&#x;ĹľžƾŜĹ?Ä?Ĺ?ƉĂů

Visita à exposição

Aspeto da exposição

Helena Calvet e Carlos Marques expĂľem no Castelo de Viana do Alentejo (QWUHHGHPDLRHVWHYHSDWHQWHDRS¡EOLFRQR&DVWHORGH9LDQDGR$OHQWHMRDH[SRVL¨ŒRGHGHVHQKRHIRWRJUDoD “Pedreira dos Sons outros olhares, outra (s) vida (s)â€?, de Helena Calvet e Carlos Marques. A exposição foi organizada pelo MunicĂ­pio de Viana do Alentejo e pela Junta de Freguesia local, com o apoio da Direção Regional de Cultura do Alentejo.

Inauguração da exposição

Visita à exposição

Vida e Obra de Zeca Afonso em exposição no Castelo de Viana do Alentejo De 4 de abril a 4 de maio esteve patente ao pĂşblico, no Castelo de Viana do Alentejo, a exposição “Zeca Afonso – MemĂłrias de uma Vidaâ€?, promovida pelo MunicĂ­pio de Viana do Alentejo e Junta de Freguesia local, com o apoio da Autarquia de Montemor-o-Novo e da Secretaria de Estado da Cultura - Direção Regional de Cultura do Alentejo.

Eleitos e pintora visitam exposição

Aspeto da exposição

%HOD0HVWUHH[SÂśHQR&DVWHORGH9LDQDGR$OHQWHMR No âmbito do ciclo de exposiçþes promovido pelo MunicĂ­pio de Viana do Alentejo e pela Junta de Freguesia, estĂĄ patente ao pĂşblico, no Castelo de Viana do Alentejo, atĂŠ 27 de julho, a “Exposição de Aguarelasâ€?, de Bela Mestre.

22


ĆľĹŻĆšĆľĆŒÄ‚ÍŽÄ?ŽŜƚĞÄ?Ğƾ

Imagem do percurso pela antiga canada real

Romaria a Cavalo bate todos os recordes &KHJRXDRoPDÂŞ edição da Romaria a Cavalo que ligou os concelhos da Moita e de Viana do Alentejo, entre os dias 23 e 27 de abril. A cavalo ou de charrete sĂŁo, cada vez mais, as pessoas que se juntam para participar na Romaria, tendo este ano batido todos os recordes, com mais de 400 romeiros inscritos de todo o paĂ­s – Aveiro, Moita, PoceirĂŁo, GuimarĂŁes, Viana do Alentejo, Évora - Ă chegada e perto de 1000 cavalos. Uns vĂŞm pela fĂŠ, outros pelo convĂ­vio que impera durante os quatro dias do percurso. Foram muitos, aqueles que chegaram cedo a Viana do Alentejo para assistirem Ă  animação preparada pela Câmara Municipal – fanfarras, “Os Alentejanosâ€? de Serpa, Grupo de Sevilhanas “Las Palomas y las Palomitasâ€? e o *UXSR GH 6HYLOKDQDV GD $&5$/  HP SRQWRV HVSHF­oFRV e escolherem o melhor local para ver passar a Romaria. Muitos percorreram as principais artĂŠrias da vila e aproveitaram para ver as fachadas das casas e lojas engalanadas, resultado do Concurso promovido pelo MunicĂ­pio de Viana do Alentejo e pela Junta de Freguesia, com o objetivo de envolver a população local no acolhimento aos romeiros. O momento mais aguardado depois da entrada na vila com o carro-andor na frente do cortejo, ĂŠ a chegada ao

24

Chegada a Viana do Alentejo

Largo de S. LuĂ­s, onde as imagens de N.ÂŞ Sr.ÂŞ D’Aires e N. ÂŞ Sr.ÂŞ da Boa Viagem, dĂŁo as boas vindas aos romeiros depois de um longo percurso. Tal como no ano passado, a Tenda Tradiçþes, instalada junto ao SantuĂĄrio, voltou a VHUSDOFRGHDQLPD¨ŒRGXUDQWHRoPGHVHPDQDFRPD presença do Grupo de Flamenco “El Caminoâ€?, o Grupo de Sevilhanas “Siempre a Bailarâ€? da Associação dos Romeiros da Tradição Moitense e “Los Romerosâ€?, no sĂĄbado. No domingo, os espetĂĄculos continuaram com Rafa & Beltran, cante alentejano e a Classe de Dança da Associação Equestre de Viana do Alentejo que encerrou a 14ÂŞ Romaria a Cavalo Moita - Viana do Alentejo. Em termos religiosos o ponto alto foi a missa campal no domingo de manhĂŁ, junto ao SantuĂĄrio de N.ÂŞ Sr.ÂŞ D’Aires, a que assistiram centenas de peregrinos, bem como a procissĂŁo, no sĂĄbado, Ă noite pelas ruas da vila. De salientar que a Romaria a Cavalo ĂŠ promovida por uma comissĂŁo organizadora constituĂ­da pelas câmaras da Moita e de Viana do Alentejo, Associação dos Romeiros da Tradição Moitense e Associação Equestre de Viana do Alentejo.

Missa Campal no SantuĂĄrio


ǀŝĂŶĂĚŽĂůĞŶƚĞũŽͮďŽůĞƟŵŵƵŶŝĐŝƉĂů

Concerto Tributo aos Xutos e Pontapés encerra Festa da Primavera

Festa da Primavera em Aguiar Terminou no passado dia 8 de junho ao som de Tributo aos Xutos e Pontapés, a Festa da Primavera, em Aguiar, promovida pelo Município de Viana do Alentejo com o apoio da Junta de Freguesia local. Durante 3 dias, de 6 a 8 de junho, Aguiar foi palco de diversas atividades. O Torneio de Futsal Bairros do Concelho abriu a Festa da Primavera, que contou ainda no 1º dia, com a atuação da Classe de Dança da Associação Equestre de Viana do Alentejo e da Escola de Dança Companhia de Triana de Évora. Depois do baile com Sérgio Banha, a primeira noite da Festa da Primavera terminou com o Dj da Freguesia. O segundo dia do certame foi dedicado às atividades desportivas. Caminhada da Primavera, Passeio de BTT, jogo de futsal feminino, Torneio de Futsal Bairros do Concelho e demonstrações do “Clube de Saúde Sénior” e do Grupo Fit de Aguiar. À noite voltaram as danças com a atuação do Grupo de Sevilhanas e Flamenco “Las Palomas y Las Palomitas” e a música com a Banda Miúdos da Rua e, pela noite dentro, Dj da Freguesia. No domingo, as iniciativas começaram logo pela manhã com o 1º Passeio Panorâmico a Cavalo, organizado por um aluno da EPRAL, um torneio de malha e uma demonstração de petanca. Tal como vem sendo hábito, em altura de santos populares, não faltou a sardinha assada ao almoço, oferecida

Demonstração do Grupo Fit de Aguiar

pela Câmara Municipal, num convívio animado que se prolongou pela tarde. Também nos restaurantes da vila, a VDUGLQKDDVVDGDIRLUDLQKDGXUDQWHRoPGHVHPDQD Durante a tarde houve ainda cavalhadas e o Torneio de futsal Bairros do Concelho. A noite começou com a secção de Hip-Hop do Grupo Cultural e Desportivo de Aguiar e terminou ao som de Tributo aos Xutos e Pontapés.

Baile com a banda Miúdos da Rua

Demonstração de Hip-Hop

25


ĆľĹŻĆšĆľĆŒÄ‚ÍŽÄ?ŽŜƚĞÄ?Ğƾ

Presidente da Câmara discursa na cerimónia que assinala o 25 de Abril

Viana do Alentejo celebra 40 anos de Abril Durante o mĂŞs de abril, o MunicĂ­pio de Viana do Alentejo em parceria com as trĂŞs juntas de freguesia do concelho, assinalou as comemoraçþes do 40Âş aniversĂĄrio da Revolução de Abril, com exposiçþes, teatro, tertĂşlias, espetĂĄculos, a tradicional caminhada de abril e desporto. Nas comemoraçþes do 25 de abril, o destaque vai ainda para o espetĂĄculo que teve lugar no Cineteatro Vianense, de cante alentejano e “A Praça das Cançþesâ€?, com AntĂłnio Manuel Ribeiro, JosĂŠ Jorge Letria e Samuel. Destaque ainda para os jantares convĂ­vio que tiveram lugar dias 12 e 17 de abril, que juntaram respetivamente os nascidos em 1974 no concelho (80) e os eleitos (115) apĂłs a revolução, no Monte do Sobral. Simbolicamente a reuniĂŁo pĂşblica de câmara e a reuniĂŁo da assembleia municipal decorreram tambĂŠm no Monte do Sobral, onde a 9 de setembro de 1973, os capitĂŁes de abril reuniram pela primeira vez e onde nasceu o movimento que viria a derrubar o regime de entĂŁo. Na tradicional sessĂŁo protocolar que se iniciou com o cante alentejano, atravĂŠs das atuaçþes dos grupos Coral Feminino Paz e Unidade de Alcåçovas e Coral Velha Guarda de Viana do Alentejo estiveram presentes o presidente da Assembleia Municipal, o presidente da Câmara Municipal e representantes das forças polĂ­ticas no concelho (PS, PCP e PSD). A cerimĂłnia contou este ano com um momento particularmente emocionante, a homenagem pĂłstuma do MunicĂ­pio ao poeta popular Joaquim SĂ­tima Fonseca, com a leitura de um dos seus poemas, alusivo ao 25 de Abril e a oferta de um pequeno livro com a compilação de alguns poemas disponibilizados pela famĂ­lia, que se fez representar pela mĂŁe e irmĂŁ do poeta. Na sua intervenção, o presidente da Câmara Municipal lembrou as conquistas de abril como a “educação para todos, o serviço nacional de saĂşde, os direitos laborais, o direito a escolher livremente aqueles que nos governam e a liberdades de os criticarâ€?, lamentando, passados 40 anos da conquista da liberdade, os “comportamentos e

26

atitudes por parte de quem nos governa, de autismo e DXWRULWDULVPR TXH VH UHpHWHP QD LQMXVWL¨D VRFLDO H QR retrocesso da qualidade de vida das populaçþesâ€?. Frisou que abril pertence a todos os que dele participaram, em particular aos capitĂŁes de abril e aos portugueses que a eles se juntaram e lamentou que alguns partidos queiram “ser donos do 25 de Abrilâ€? desrespeitando o papel de outros nesta conquista e sobretudo no que dela adveio, pois aĂ­ sim, sĂł alguns partidos participaram, na medida em que, passados 40 anos de democracia, “a sua PHQVDJHPQÂŚRWHQKDPHUHFLGRDFRQoDQ¨DGRSRYRGH forma a terem possibilidade de governarem o paĂ­sâ€?. Bengalinha Pinto garantiu que o municĂ­pio tem vindo a concretizar “muitos dos valores de abril, nomeadamente garantindo uma polĂ­tica de proximidade, a solidariedade e uniĂŁo com as forças vivas do concelhoâ€?, atravĂŠs de um conjunto de medidas como o apoio ao associativismo, Ă educação, Ă  promoção da cultura e identidade do concelho, aos empresĂĄrios locais e artesĂŁo, bem como o combate Ă  exclusĂŁo social e pobreza e a criação de projetos e obras de acessibilidade e melhoria nas infraestruturas indispensĂĄveis Ă  melhoria do bem-estar da população do concelho.

Homenagem ao poeta Joaquim SĂ­tima Fonseca


ǀŝĂŶĂĚŽĂůĞŶƚĞũŽͮďŽůĞƟŵŵƵŶŝĐŝƉĂů

Município de Viana do Alentejo comemora abril

“40 anos de Abril - contados em Histórias”

Peça de Teatro “Cumeada dos Montes”

Jantar dos Nascidos em 1974 no Monte do Sobral

Jantar com eleitos no Monte do Sobral

Caminhada de Abril

Espetáculo Músical “A Praça das Canções”

Arruada da Banda da SUA em Alcáçovas

Corrida de Abril

27


HistĂłria

Distribuição das nove “Vianasâ€? na PenĂ­nsula IbĂŠrica e principais rotas de transumância

Do teu nome, Viana‌ Tal como tínhamos prometido, debruçar-nos-emos hoje um pouco sobre a possível origem e o porquê do nome da nossa vila: Viana. A lenda, creio que todos a conhecem com mais ou menos pormenores: era uma vez uma bela princesa moura, de seu nome Ana, que vivia no Castelo. De longos cabelos louros e olhos azuis era uma jovem muito recatada, de tal forma que muito poucos a conheciam, apenas se sabia que a sua beleza seria invulgar. Um dia, querendo apanhar um pedaço de Sol, assomou-se a uma das torres da fortaleza: as pessoas que passavam, ao verem-na, exclamavam: Eu vi Ana! Eu vi Ana! O povoado que depois ali nasceu e cresceu lembrou, no seu nome, esse dia – vi Ana, Viana! No norte, na outra Viana, a do Castelo, a história pouco diverge: no sítio onde hoje estå a cidade havia um enorme castelo. Toda a gente admirava a grandeza com que tinha sido construído. As pessoas gostavam de lhe passar perto, simplesmente para observar. AtÊ que começaram a reparar que, de vez em quando, surgia uma princesa numa das suas janelas. Era uma linda rapariga, de faces rosadas, olhos claros e uns longos cabelos loiros com duas tranças. A princesa era tímida, não era fåcil observå-la na janela. Quando pressentia alguÊm na estrada, escondia-se. Era portanto um privilÊgio ver a princesa na janela do castelo e todas as pessoas que o conseguiram vinham logo contar o sucedido: Eu vi Ana no Castelo! Daí, Vi Ana, Viana do Castelo. Pelo que julgamos saber, estas duas lendas - quase que tiradas a fotocópia a cores uma da outra e onde a personagem principal, apesar de moura, tem sempre cabelos louros e olhos azuis‌ – serão de invenção recente, não anterior ao sÊculo XIX. Tanto no caso de Viana do Alentejo como no da sua irmã nortenha insistem alguns autores (como o jå aqui fre-

28

quentemente citado padre AntĂłnio Carvalho Costa), sem no entanto referirem onde foram buscar tal ideia, que “Foy fundada pelos Gallos Celtas alguns sĂŠculos antes da vinda de Christo, quando habitĂ raĂľ esta terra, como consta do nome, que lhe deraĂľ, como a outras em Espanha, que elles fundĂĄraĂľ em memoria de Viana sua pĂĄtria“. No caso de Viana do Castelo, conclui aquele erudito, precisando: “chamĂ raĂľlhe Viana em memoria de sua patria Vienna, antiga Cidade de França, situada nas margens do rio Rodanoâ€?. Outros defendem, tambĂŠm sem avançarem com provas documentais, que o topĂłnimo teria sido imposto por D. Afonso III, no sĂŠculo XIII, aquando da fundação dos dois burgos, tendo-o feito “em memĂłria da sua Vienne francesaâ€?. Recordemos que aquele monarca tinha sido educado em França, na corte do seu primo LuĂ­s IX, o futuro S. LuĂ­s. Ora, enquanto viveu em França, Afonso foi efectivamente Conde de Bolonha – o que lhe valeu mais tarde o cognome de “O BolonhĂŞsâ€?. O &RQGDGR GH %RORQKD situavase no extremo norte ocidental daquele paĂ­s, na Bretanha. 2UDD9LHQQDRX9LHQQHIUDQFHVDoFDSHUWRGH/\RQQR centro do paĂ­s, nos domĂ­nios do 'XFDGRGH%RUJRQKD; a semelhança fonĂŠtica dos dois topĂłnimos poderĂĄ ter estado, aqui, na origem da eventual confusĂŁo. Precisemos ainda que em Viana do Castelo se tratou, nĂŁo de uma fundação de um novo burgo, mas de uma refundação, jĂĄ que no lugar onde hoje estĂĄ a cidade existiu um povoado romano, de seu nome “Atriumâ€?; no entanto Afonso III teria optado por lhe outorgar um novo nome e nĂŁo por manter, como sucedeu em inĂşmeros outros casos, o topĂłnimo antigo. No caso da nossa Viana tratouse - como jĂĄ anterior e demoradamente analisĂĄmos em vĂĄrios destes artigos -, da construção de uma “vila novaâ€?,


Ç€Ĺ?ĂŜĂĚŽĂůĞŜƚĞŊŽÍŽÄ?ŽůĞĆ&#x;ĹľžƾŜĹ?Ä?Ĺ?ƉĂů num local onde antes nada, ou muito pouco, existia. O territĂłrio onde a vila se instalou chamava-se “herdade de Foxenâ€?, razĂŁo porque o novo povoado se designou, durante algum tempo, de “Vianna de Foxenâ€?. Outras Vianas existem na PenĂ­nsula IbĂŠrica. Na Galiza, na regiĂŁo de Orense, a 9LDQD GR %ROR; perto de Valladolid, Viana de Cega; em Navarra, a simplesmente Viana; na zona de Guadalajara, a cerca de 100 km a Noroeste de Madrid, existem duas: a pequena Viana de Jadraque e, um pouco mais a Sul, a Viana de MondĂŠjar; em Soria, na comunidade de Castela e LeĂŁo, a Viana de Duero. Em Portugal ainda existe uma terceira Viana, a mais meridional de todas, um pequeno lugar a cerca de 1 km a Sul de

Viana do Bolo – ao fundo à esquerda, a Vila velha, à direita a nova e em primeiro plano o Rio Bibey

Monchique, sobre a Estrada nacional 266 que, talvez por ser tĂŁo pequeno, se chama‌ Meia Viana! Aqui chegados, uma pergunta se nos coloca: o que terĂŁo DoQDO WRGDV HVWDV QRYH FRPXQLGDGHV HP FRPXP SDUD terem o mesmo nome? HĂĄ uns anos encetĂĄmos um pequeno projecto de visita a todas elas - infelizmente ainda nĂŁo concluĂ­do -, com o objectivo de observar, “in locoâ€?, TXDLV VHULDP DV VXDV DoQLGDGHV RV VHXV GHQRPLQDGRUHV comuns. E um salta imediatamente Ă vista: a existĂŞncia, em todas, de bastos recursos hĂ­dricos, presentes ou sob a forma de linhas de ĂĄgua (o rio Lima, em Viana do Castelo; o rio Bibey, em Viana do Bolo; o rio Cega, em Viana de Cega; o rio Salado em Viana de Jadraque; os arroyos de la Solana, em Viana de MondĂŠjar; o rio Douro, na Viana de Duero), ou sob a forma de vastos lençóis subterrâneos (em Viana de Navarra, que para alĂŠm deles tambĂŠm possui, Ă  superfĂ­cie, numerosos pequenos arroyos DpXHQWHV do rio Ebro). Distintivo este tambĂŠm da nossa Viana do Alentejo, conhecida durante sĂŠculos pelas suas ubĂŠrrimas nascentes que alimentavam, ao longo de todo o ano, os seus muitos poços e fontes. Por outro lado todos os territĂłrios das “Vianasâ€? ibĂŠricas conheceram a ocupação romana, estando neles presentes numerosos sinais de vilas, necrĂłpoles e outras estruturas atribuĂ­das Ă quela civilização. Foram tambĂŠm locais de passagem de caminhos de maior ou menor relevância. Por Viana de Cega passa-lhe muito perto a “CaĂąada Real Merineraâ€?, a principal via transumante de gados caprinos e ovinos da PenĂ­nsula IbĂŠrica, que ligava as planĂ­cies meridionais andaluzas ao Golfo da Biscaia, no Norte. TambĂŠm pelas Viana de Jadraque e de MondĂŠjar passava a “ruta de la lanaâ€?, a rota da lĂŁ, um outro caminho de movimentação de gados. O antigo concelho de Viana do Alentejo (a actual freguesia) era, tambĂŠm ele, atravessado

pela chamada “canada serranaâ€?, via por onde se fazia a transumância entre a Serra da Estrela e as pastagens de inverno de Castro Verde. 0DVRTXHVLJQLoFDU¢HQWÂŚRRWRS²QLPR9LDQD"1ÂŚRVHUÂŚR muitos, infelizmente, os investigadores que se tenham debruçado sobre o assunto. Algumas opiniĂľes, mais ou menos fundamentadas, tĂŞm vindo a ser formuladas: para o escritor galego e estudioso da toponĂ­mia Gonzalo Navaza Blanco, todas as Vianas peninsulares teriam a sua origem na expressĂŁo latina “bi amniumâ€?, signicando “dos riosâ€? ou “das correntes de ĂĄguaâ€?. Um outro espanhol, o catedrĂĄtico Juan Antonio Frago GarcĂ­a, avança com uma proveniĂŞncia basca, na expressĂŁo “bi anaiâ€? TXH VLJQLoFD

Colunata romana em Viana de Cega

“dos irmĂŁosâ€?. Em ambos os casos teria havido uma transformação do “bâ€? em “vâ€?. Em Portugal apenas conhecemos, a ter tratado este assunto, o padre Artur Coutinho, de Viana do Castelo, cuja opiniĂŁo em parte subscrevemos: serĂĄ de origem latina o radical via da palavra Viana – ponto que tem a concordância de outros autores, entre HOHVRHVSDQKRO-XOLR&DUR%DURMDVLJQLoFDQGRestrada, caminho. Quanto a ana, e agora a ideia ĂŠ nossa, nĂŁo serĂĄ de descartar a hipĂłtese (pouco romântica, concedamos, contudo plausĂ­vel porque simples) de se tratar tambĂŠm de um termo latino, “anasâ€?, em portuguĂŞs “patosâ€?; estĂĄ presente, por exemplo, em “Guadianaâ€?, rio que ao tempo do impĂŠrio romano se chamava simplesmente “Anasâ€?, tendo-lhe mais tarde os ĂĄrabes acrescentado “uĂĄdiâ€?, rio, “uĂĄdi anasâ€?, o rio dos patos. Nas suas rotas de migração aquelas aves palmĂ­pedes procuram sempre percursos onde haja muita ĂĄgua. TambĂŠm os homens, nas suas viagens de outrora obrigadas a pequenas etapas, tinham de seguir por caminhos onde existisse aquele recurso, indispensĂĄvel ao seu provimento e, sobretudo, ao dos animais em que se faziam transportar. E quando essas viagens se destinavam a movimentar cabeças de gado – lembremos que os rebanhos transumantes tinham sempre muitos milhares de cabeças -, entĂŁo era necessĂĄria muita ĂĄgua; daĂ­ que seguir a rota dos patos fosse a forma mais avisada de lhe garantir o acesso. Muito mais do que “via anasâ€?, o “caminho dos patosâ€?, o WRS²QLPR 9LDQD VLJQLoFDU¢ DJRUD GH XPD IRUPD PDLV abrangente e poĂŠtica, o “caminho para a ĂĄguaâ€?.

)UDQFLVFR%DLÂŚR ÎŽĆ?ƚĞÄ‚ĆŒĆ&#x;Ĺ?Ĺ˝ŜĆŽĆľĆ&#x;ĹŻĹ?njĂÄ‚Ć?ĹśĹ˝ĆŒĹľÄ‚Ć?ĚŽŜŽǀŽÄ‚Ä?Ĺ˝ĆŒÄšĹ˝Ĺ˝ĆŒĆšĹ˝Ĺ?ĆŒÄ„ÄŽÄ?Ĺ˝

29


dĆľĆŒĹ?Ć?žŽÍŽÄ?ŽŜƚĞÄ?Ğƾ

Presidente da Câmara recebe menção honrosa

Romaria a Cavalo Ăşnico evento distinguido na 4ÂŞ edição dos PrĂŠmios “Turismo do Alentejoâ€? A Romaria a Cavalo Moita – Viana do Alentejo foi a Ăşnica distinguida com uma menção honrosa, na categoria (YHQWRVGRV3UŠPLRVk7XULVPRGR$OHQWHMRy, numa cerimĂłnia que teve lugar no passado dia 23 de janeiro, na Herdade do EsporĂŁo, em Reguengos de Monsaraz. Os PrĂŠmios “Turismo do Alentejoâ€?, uma iniciativa da Entidade Regional de Turismo do Alentejo e Ribatejo, e que vĂŁo jĂĄ na sua 4ÂŞ edição, visam distinguir e divulgar projetos que tenham contribuĂ­do para a melhoria da oferta turĂ­stica do destino e para o reforço da competitividade do sector na regiĂŁo Alentejo e Ribatejo. Para alĂŠm da Romaria a Cavalo, o MunicĂ­pio de Viana do Alentejo apresentou outras candidaturas nesta categoria, nomeadamente, da Feira D’Aires e da Mostra de Doçaria. Este reconhecimento vem, assim, premiar o bom trabalho

que tem sido desenvolvido pela Comissão Organizadora – Câmara Municipal de Viana do Alentejo, Câmara Municipal da Moita, Associação Equestre de Viana do Alentejo e Associação dos Romeiros da Tradição Moitense – mas, sobretudo, acrescentar responsabilidade na melhoria da qualidade do certame que, de ano para ano, adquire uma maior notoriedade em termos turísticos. Este ano a Romaria a cavalo contou com cerca de 400 romeiros, perto de 1 milhar de cavalos e recebeu centenas de pessoas, numa tarde soalheira, tendo sido inclusive, alvo de reportagens televisivas, na RTP e TVI, e vårios artigos jornalísticos na imprensa escrita da região, o que revela o crescente interesse mediåtico deste evento que, cada vez mais, adquire contornos de evento nacional, nomeadamente no sector equestre.

Restaurantes do concelho aderem Ă â€œSemana GastronĂłmico do Porcoâ€? De 24 de fevereiro a 3 de março, a Turismo do Alentejo, ERT promoveu a “Semana GastronĂłmica do Porcoâ€?, em restaurantes do Alentejo e Ribatejo. A iniciativa pretendeu atrair clientes aos estabelecimentos e dar a conhecer a excelĂŞncia dos produtos das duas regiĂľes. No concelho de Viana do Alentejo foram 9 os restaurantes aderentes que, durante este perĂ­odo, acrescentaram Ă s suas ementas pratos principais confecionados com carne de porco. Os restaurantes do concelho foram em Aguiar, “A Romeirinhaâ€?, em Alcåçovas, “O Chocalhoâ€?, o “Paço Realâ€?, o “Charruaâ€? e, em Viana do Alentejo, “A Caveâ€?, os “TrĂŞs Bicasâ€?, “A Fonteâ€?, as “Escadinhasâ€? e “O Rotundaâ€?.

30


Ç€Ĺ?ĂŜĂĚŽĂůĞŜƚĞŊŽÍŽÄ?ŽůĞĆ&#x;ĹľžƾŜĹ?Ä?Ĺ?ƉĂů

$UWH&KRFDOKHLUDSRGHU¢WHUVHORGD81(6&2HP A candidatura da arte chocalheira à lista do património cultural imaterial com necessidades de salvaguarda urgente foi aceite, em Paris, pela organização nas naçþes unidas (UNESCO). Liderado pela Turismo do Alentejo, em parceria com o Município de Viana do Alentejo e Junta de Freguesia de Alcåçovas, o projeto apresenta as condiçþes necessårias para ser avaliado pela UNESCO que, em 2015, poderå vir a atribuir o selo de qualidade à arte chocalheira. Para o Município de Viana do Alentejo a atribuição do selo da UNESCO para alÊm de valorização dos artesãos e desta arte tradicional, pode tambÊm contribuir para o desenvolvimento da economia local. Paralelamente a esta candidatura, as vårias instituiçþes envolvidas estão tambÊm a desenvolver um plano de salvaguarda que visa garantir a sustentabilidade de transmissão de uma arte com mais de dois mil anos na região. De salientar que esta manifestação cultural Ê comum a outros municípios (Bragança, Tomar, Cartaxo e Angra do Heroísmo), mas Ê no Alentejo que possuí maior expressão em concelhos como Estremoz, Requengos de Monsaraz e Viana do Alentejo, mais concretamente na freguesia de Alcåçovas.

0XQLF­SLRGH9LDQDGR$OHQWHMRSUHVHQWHQD%7/ O Bolsa de Turismo de Lisboa que decorreu entre os dias 12 e 16 março Ê, considerado por aqueles que anualmente marcam presença, um barómetro de mercado, e tem como principal objetivo a excelência da promoção da qualidade da oferta turística nacional e o lançamento de produtos turísticos locais provenientes de vårias regiþes do país.

- Margarida IlhÊu, Maria Vitória, Margarida Maia, Mariana Nunes, Queijaria e Padaria Fadista. TambÊm na årea da animação cultural, o concelho não deixou de se fazer representar, desta vez, no dia 15 de mar¨RDWUDYŠVGHXPDPDJQ­oFDDWXD¨ŒRHPWRGRRUHFLQWR da feira, do Grupo Coral Paz e Unidade de Alcåçovas.

Nesta edição o “Alentejoâ€? voltou a merecer grande destaque, estando inserido no pavilhĂŁo principal da FIL. Esta forte presença de uma regiĂŁo resultou do crescimento turĂ­stico em relação a 2013 e das sinergias entre entidades pĂşblicas e privadas alentejanas. Como marco da indĂşstria turĂ­stica europeia, a BTL 2014 nĂŁo se esgotou na vertente institucional, com stand’s promocionais, tendo incluĂ­do vĂĄrios momentos de animação cultural e ainda, apresentaçþes de projetos, eventos, espetĂĄculos, degustaçþes e prova de vinhos e vĂĄrios produtos UHJLRQDLV R TXH SHUPLWLX DRV SURoVVLRQDLV H YLVLWDQWHV D oportunidade de conhecer muitos dos produtos turĂ­sticos das vĂĄrias regiĂľes aĂ­ presentes. O concelho de Viana do Alentejo marcou a sua presença com um espaço da Câmara Municipal, onde se destacou a divulgação da XIV Romaria a Cavalo, bem como da prĂłxima Feira D’Aires e da Mostra de Doçaria para 2014. Nesse espaço foi ainda possĂ­vel apresentar vĂĄrios produtos regionais do concelho, gentilmente cedidos pelas empresas

Eleitos visitam BTL

31


ĹľÄ?Ĺ?ĞŜƚĞ Viana do Alentejo adere Ă Hora do Planeta A Câmara Municipal de Viana do Alentejo associou-se, mais uma vez, Ă  Hora do Planeta, uma iniciativa da organização global de conservação da natureza - WWF, que pretende chamar a atenção para as alteraçþes climĂĄticas. Deste modo, no passado dia 29 de março, a Câmara Municipal de Viana do Alentejo voltou a juntar-se Ă  WWF e a vĂĄrios municĂ­pios portugueses, entre as 20h30 e as 21h30, desligando as luzes do edifĂ­cio dos Paços do Concelho, num ato simbĂłlico de preocupação ambiental. Considerado o maior evento mundial de ação ambiental, a Hora do Planeta começou em Sidney, em 2007, e no nosso paĂ­s, realizou-se pela primeira vez em 2009. Desta forma, a rede da WWF/Hora do Planeta incentiva todos os cidadĂŁos a tomarem as rĂŠdeas do seu destino e da proteção do Planeta. O grande objetivo deste movimento mundial ĂŠ mobilizar a sociedade em torno da luta contra o aquecimento global.

Resíduos Reciclåveis 2011-2013 Em 2013, o Município de Viana do Alentejo encaminhou para reciclagem cerca de 235.720 kg de resíduos reciclåveis - embalagens de plåstico e metal, papel, cartão e vidro. Comparando os resíduos encaminhados para reciclagem QRV¡OWLPRVDQRVYHULoFDVHTXHHQWUHHRFRUreu uma redução das quantidades dos resíduos de vidro e metais.

A separação dos resíduos e posterior encaminhamento para reciclagem Ê um processo dinâmico que depende de todos. Participe! Separe e deposite os resíduos nos ecopontos!

Em relação às embalagens de plåstico, papel e cartão registouse um ligeiro aumento entre 2012 e 2013. A reciclagem Ê um processo que tem como vantagens a redução dos gastos de energia e ågua; poupança de matÊrias-primas; diminuição da poluição do ar, solo e ågua e redução da quantidade de resíduos a depositar no aterro sanitårio.

%DOGHV9HUGHVGHOLWURV Informam-se os munícipes que a Câmara Municipal de Viana do Alentejo dispþe de Baldes Verdes de 120 l com rodas e tampas destinados à deposição de embalagens de vidro. Solicita-se aos proprietårios de restaurantes, cafÊs, pastelarias, associaçþes, serviços e instituiçþes que possam ter interesse na

aquisição de um balde para colocar nas vossas instalaçþes, o favor de contactar o serviço de ambiente da câmara (Eng.ª Sónia Cabeças) atravÊs do n.º de telefone: 266930010. Stock limitado.

(GLWDOGR7ULPHVWUH Poderå consultar o Edital do Controlo da Qualidade da à gua para consumo humano do concelho de Viana do Alentejo referente ao 1.° Trimestre 2014, no encarte desta edição do boletim municipal e, ainda, no site em www.cm-vianadoalentejo.pt. De referir que foram realizadas todas as anålises previstas no Plano de Controlo da Qualidade de à gua para o período em causa e que os resultados se encontram no intervalo de valores legislado, cumprindo o Decreto-Lei n.º 306/2007, de 27 de agosto.

32


ǀŝĂŶĂĚŽĂůĞŶƚĞũŽͮďŽůĞƟŵŵƵŶŝĐŝƉĂů

Poupe Água... Dicas para Poupança de Água Jardim - Nunca regue o jardim nas horas de maior calor, deve regar de manhã cedo ou à noite. - Se possível faça a rega com água de poços e ribeiros, recupere a água da chuva ou reutilize a de uso doméstico (ex.: de lavagem de fruta e legumes). - Há plantas que necessitam de pouca água, evite regálas sem necessidade. - Opte pelo cultivo de plantas naturais da região porque estão melhor adaptadas ao clima. - Cubra a terra do jardim com casca de pinheiro ou outro material apropriado. Desta forma diminui-se o contato direto da luz solar com o solo, conservando a humidade da terra. Lavagem do Carro e do Quintal - Reduza o consumo de água na lavagem do carro. Procure lavá-lo com menos frequência. - Opte por baldes de água e uma esponja, evite a utilização da mangueira. - Sempre que possível, limpe os pavimentos exteriores a seco. - Utilize a vassoura para limpeza do seu pátio, terraço ou outro pavimento exterior, em vez da lavagem com a mangueira.

Reduza a fatura e preserve o ambiente

Fonte: ANPC (Autoridade Nacional de Proteção Civil)

NOVO TARIFÁRIO 2014 Água, Saneamento e Resíduos Sólidos Desde 12 de janeiro de 2014, está em vigor um novo tarifário dos Serviços de Abastecimento Público de Água, Saneamento de Águas Residuais e de Gestão de Resíduos Urbanos, que pode consultar em qualquer balcão de atendimento da Câmara Municipal ou no sítio do Munícipio em www.cm-vianadoalentejo.pt. (Gabinete do Municípe)

Espaço Juvenil Sopa de Letras

D

A

Água Poupança Recurso Chuveiro Duche Regador Limitado Ribeiros Jardim

Q A

C

A

R

T

O

P

F

U

L

S

(

S

Á

L

F

S

D

O

R

(

D

I

T

G

A

L

M

(

T

T

L

J

A

R

D

I

U

C

H

(

C

L

I

I

T

C

Ç

C

D

A

O

O

(

(

A

R

Z

X

T

J

K

L

C

L

A

O

A

P

G

(

M

R

A

I

T

U

(

S

G

A

M

A

G

O

R

(

M

M

P

L

Á

O

O

U

%

S

I

I

H

R

(

T

R

I

U

L

L

L

I

(

(

N

O

(

S

R

I

%

(

I

R

O

S

D

N

L

(

S

G

V

A

D

(

(

P

A

T

L

S

P

O

U

P

A

N

Ç

A

O

G

(

T

S

N

A

H

P

R

(

U

O

T

C

(

J

%

S

(

C

A

R

A

Ç

Ã

O

R

(

R

(

I

M

I

P

U

(

S

L

H

(

T

R

A

H

33


KĹŻĹšÄ‚ĆŒĹ˝ŽŜÄ?ĞůŚŽ

Ç€Ĺ?ĂŜĂĚŽĂůĞŜƚĞŊŽÍŽÄ?ŽůĞĆ&#x;ĹľžƾŜĹ?Ä?Ĺ?ƉĂů

A Apanha da Azeitona Mais um Outono passou e com ele o frio, o cair das folhas das årvores, cÊu cinzento, chuva miudinha. Foi altura de se prepararem as varas de castanho (que se compraram na Feira de S. João ou na dos Santos); as cirandas feitas habilmente com varinhas de oliveira no fundo e de silva em círculos concêntricos e unidos com preguinhos; e os panos (que eram resultantes da junção de sacas de adubo feitas de juta e que presentemente são de plåstico quer de rede verde quer de sacas de adubo) material este que irå servir para a apanha da azeitona. (QWUHWDQWRM¢VHo]HUDPRVWHUUHLURVRXVHMDROLPSDUGDV ervas existentes na årea da projecção da copa das oliveiras e em cujo espaço cairão as primeiras azeitonas que se desprenderam acidentalmente e serão varridas com vasculhos feitos dos pÊs de burro das próprias årvores. É pois tempo da apanha da azeitona feita por contrato com casais de trabalhadores ou com um rancho de mulheres e alguns homens. Os homens varejavam a copa das oliveiras com as ditas varas cujo comprimento varia conforme a altura do homem e, por consequência, o tamanho do seu braço. (VWHYDUHMDPHQWRŠIHLWRGHGHQWURSDUDIRUDDoPGHVH evitar que os ramos se quebrem com facilidade; mas por vezes a azeitona estå agarrada o que obriga a que se dêem tambÊm pancadas de lado. A maioria da azeitona cai nos panos que foram colocados previamente sobre o terreiro, jå limpo, as mulheres irão levantar os panos e encaminhar a azeitona e folhas para um montículo de onde irão para as cirandas e aí serão elevadas no ar alguns palmos de maneira que o vento incidindo lateralmente afaste as folhas caindo no seu interior somente a azeitona limpa. Como tambÊm hå bastante azeitona que cai fora dos panos, tem de ser apanhada pelas mulheres com as mãos e atirada para o interior dos panos. Hå locais em que Ê utilizada uma måquina que tem no

34

seu interior uma ventoinha cujo ar irĂĄ separar as folhas das azeitonas. Depois da apanha a azeitona ĂŠ colocada em sacos e ĂŠ em função do seu peso que ĂŠ pago o trabalho, sendo o seu valor percebido pelo manajeiro ou seja o responsĂĄvel pelo grupo ou rancho, que depois o dividirĂĄ quer pelos casais quer pelos trabalhadores individualizados. Recentemente foram instalados nos lagares receptores da azeitona, mĂĄquinas separadoras das impurezas de cujo peso serĂĄ feito o desconto pois o lagareiro sĂł pagarĂĄ SURGXWRDD]HLWRQDTXHGDU¢RSURGXWRoQDORD]HLWH A apanha da azeitona ĂŠ uma tarefa dura de realizar pois apesar de ser feita numa ĂŠpoca fora dos calores prĂłprios do paĂ­s, ĂŠ feita sob os frios que enregelam os dedos como TXHHQFRUWL¨DQGRRVGLoFXOWDQGRRWDWRQRDSDQKDUGRV frutos que sĂŁo de dimensĂľes reduzidas e tambĂŠm sĂŁo esFRUUHJDGLRV GHYLGR ÂŁ FKXYD VHQGR HVWD GLoFXOWDWLYD GD movimentação das pessoas que estĂŁo vestidas com coberturas de plĂĄstico e tĂŞm de trabalhar agachadas. HĂĄ uns anos atrĂĄs em algumas terras do Alentejo havia o uso de se autorizar, por meio de aviso feito pelo pregoeiro, a apanha de azeitona por qualquer pessoa em oliYDLVSULYDGRV HUDRUHVWHOR GHSRLVGHoQDOL]DGDDDSDQKD pelos ranchos. Presentemente, a par da falta de trabalhadores para a apanha da azeitona (colmatada pelo aparecimento esporĂĄdico de ciganos) sĂŁo utilizados vibradores de tronco acoplados a tractores que obrigam a que a azeitona caia sobre os panos com a referida vibração feita no espaço de um a dois minutos em cada ĂĄrvore (a qual nĂŁo pode ser nem muito nova nem secular com tronco largo e Ă´co). Por Gonçalo J. Cabral Engenheiro e investigador local ÎŽĆ?ƚĞÄ‚ĆŒĆ&#x;Ĺ?Ĺ˝ŜĆŽĆľĆ&#x;ĹŻĹ?njĂÄ‚Ć?ĹśĹ˝ĆŒĹľÄ‚Ć?ĚŽŜŽǀŽÄ‚Ä?Ĺ˝ĆŒÄšĹ˝Ĺ˝ĆŒĆšĹ˝Ĺ?ĆŒÄ„ÄŽÄ?Ĺ˝


Ç€Ĺ?ĂŜĂĚŽĂůĞŜƚĞŊŽÍŽÄ?ŽůĞĆ&#x;ĹľžƾŜĹ?Ä?Ĺ?ƉĂů

ÄžĆ?ĞŜǀŽůǀĹ?žĞŜƚŽÄ?ŽŜſžĹ?Ä?Ĺ˝

EmpresĂĄrios reunidos na Quinta do Cerrado

Turismo e crescimento econĂłmico juntam empresĂĄrios do concelho de Viana do Alentejo A Quinta do Cerrado, em Viana do Alentejo, acolheu no passado dia 29 de março, o,,(QFRQWURGH(PSUHV¢ULRVGR Concelho, para discutir o turismo e o crescimento empresarial, uma iniciativa da responsabilidade do MunicĂ­pio e do CLDS + (En) Frente +. Este segundo encontro reuniu 40 empresĂĄrios do concelho, as autarquias, o CLDS+ do Concelho e a Entidade Regional de Turismo do Alentejo e Ribatejo. O tema central foi o turismo e o seu papel determinante para o desenvolvimento do concelho e de todo o Alentejo. Na abertura da sessĂŁo, o presidente da Câmara Municipal de Viana do Alentejo, %HUQDUGLQR %HQJDOLQKD 3LQWR salientou a importância destes encontros que pretendem, “aproximar os empresĂĄriosâ€? e garantir informação, partilha de experiĂŞncias e conhecimentos, em torno do tema central, o turismo, tendo em conta que “o concelho tem um grande potencial turĂ­stico com todo o seu patrimĂłnio natural, cultural, material e imaterial, para alĂŠm da gastronomia e eventosâ€? que deve ser aproveitado. O presidente da Entidade Regional de Turismo do Alentejo e Ribatejo, Ceia da Silva, salientou que “o turismo nĂŁo pode ser visto isoladamenteâ€? ĂŠ necessĂĄrio associĂĄ-lo a outros setores de atividade, daĂ­ a importância da diversidade de empresĂĄrios presentes, e informou que o turismo ŠXPDPDWŠULDWUDQVYHUVDODWRGDVDVOLQKDVGHoQDQFLDmento do novo Quadro ComunitĂĄrio 2014-2020. No que toca ao desenvolvimento turĂ­stico do Alentejo, apontou como SULRULGDGHGD(57DFHUWLoFD¨ŒRGR'HVtino AlentejoDWŠDRoQDOGH&DVRHVWHREMHWLYRVHMD atingido, o Alentejo seria a primeira marca/destino do PXQGR FHUWLoFDGR $ VHVVÂŚR WHYH FRPR RUDGRUHV Carlos Cupeto, da Universidade de Évora, com o tema “Turismo e o Desenvolvimento Local Inteligenteâ€?, Nuno Grave e JoĂŁo Mendes, da Associação dos Amigos das Alcåçovas, que apresentaram o Projeto Alcåçovas “Outdoor Trailsâ€?, Paula

Paulino, diretora executiva do NERE, que apresentou o projeto da Rede de Empresas Locais – Serviços e Apoios do NERE, Clåudia Rodrigues, coordenadora do CLDS + (En) Frente + que deu a conhecer os objetivos do CLDS+ do concelho e ainda /LQGD%DL[LQKR, TÊcnica do Gabinete de Apoio ao Desenvolvimento Económico da Câmara Municipal que apresentou as Medidas de Apoio à Contratação (Medida Estågios Emprego, Medida Estímulo 2013 e Apoio à Contratação via Reembolso da Taxa Social Única). Foram ainda assinados dois protocolos de cooperação e parceria entre a Câmara Municipal e as duas Juntas de Freguesia presentes, com a Associação dos Amigos das Alcåçovas e entre a Câmara e o NERE. A sessão terminou com a apresentação da empresa Quinta do Cerrado e com um convívio à volta da mesa, recheada por produtos gentilmente cedidos por empresas do concelho.

Para mais informaçþes, contactar o *$'(q*DELQHWHGH$SRLRDR'HVHQYROYLPHQWR(FRQ²PLFR e-mail gadecon@cm-vianadoalentejo.pt | telefone 266 930 010.

35


ÄžĆ?ĞŜǀŽůǀĹ?žĞŜƚŽÄ?ŽŜſžĹ?Ä?Ĺ˝

Ç€Ĺ?ĂŜĂĚŽĂůĞŜƚĞŊŽÍŽÄ?ŽůĞĆ&#x;ĹľžƾŜĹ?Ä?Ĺ?ƉĂů

0XQLF­SLRGH9LDQDH1(5(DVVLQDPSURWRFRORGHFRODERUD¨ŒR O MunicĂ­pio de Viana do Alentejo e o NERE, NĂşcleo Empresarial da RegiĂŁo de Évora assinaram no passado dia 29 de março, no decorrer do II Encontro de EmpresĂĄrios do Concelho, um protocolo de colaboração com vista Ă elaboração de um Plano de Ação Empresarial. Este plano visa potenciar o desenvolvimento empresarial e empreendedor concelhio e ainda apoiar as empresas no seu percurso de crescimento e criação. O Plano de Ação irĂĄ abranger 3 ĂĄreas. O apoio ao empresĂĄrio, que inclui a criação e dinamização de uma rede empresarial concelhia, o apoio Ă s empresas que pretendem exportar e ainda a dinamização de eventos. O projeto “Ensinar para Empreenderâ€?, dirigido Ă s escolas e o programa de empreendedorismo municipal integram a Ă rea do empreendorismo. Por Ăşltimo, a formação e consultoria constituem a outra area de ação.

Responsåveis pelo NERE e Presidente da Câmara

MunicĂ­pio de Viana e Associação dos Amigos das Alcåçovas assinam protocolo de cooperação O MunicĂ­pio de Viana do Alentejo, as Juntas de Freguesia de Alcåçovas e Viana do Alentejo e a Associação dos Amigos das Alcåçovas assinaram no passado dia 29 de março, no decorrer do II Encontro de EmpresĂĄrios, um protocolo de cooperação com vista Ă divulgação e promoção do Concelho, atravĂŠs do Projeto “Outdoor Trailsâ€?, um proMHWRVHPoQVOXFUDWLYRVGLUHFLRQDGRSDUDDUHDOL]D¨ŒRGH caminhadas e passeios culturais, para o acompanhamento de cursos ou estĂĄgios na ĂĄrea do turismo, patrimĂłnio cultural ou guias locais. De acordo com o protocolo, cabe Ă  Associação dos Amigos das Alcåçovas, entre outras atividades, organizar camiQKDGDVSDVVHLRVFXOWXUDLVRXIRWRJU¢oFRVFRQWULEXLUSDUD a divulgação da rede de percursos pedestres e de BTT no concelho e continuar a colaborar com a Revista “Passear. comâ€? na divulgação do pedestrianismo no concelho. Por seu turno, ao MunicĂ­pio e Ă s Juntas de Freguesia cabe divulgar as atividades do Projeto Alcåçovas “Outdoor Trailsâ€? e disponibilizar material promocional do concelho.

Assinatura de protocolo

&DVD0DULD9LW²ULDGLVWLQJXLGDFRPR30(([FHOQFLD A Casa Maria Vitória, sedeada em Alcåçovas, foi distinguida pelo IAPMEI – Instituto de Apoio às Pequenas e MÊdias Empresas, no âmbito do programa FINCRESCE, como PME Excelência 2013. A distinção agora atribuída premeia o trabalho desenvolvido pela Casa Maria Vitória, uma das 10 empresas distinguidas no distrito de Évora, que conta jå com 39 trabalhadores, chegando os seus produtos a vårias regiþes do país, destacando-se a zona da grande Lisboa, onde a indústria hoteleira constitui um dos seus principais clientes. 1XPDDOWXUDHPTXHRSD­VDWUDYHVVDVŠULDVGLoFXOGDGHV HVWDGLVWLQ¨ŒRDVVXPHSDUWLFXODUVLJQLoFDGRVHQGRRUH-

36

sultado do esforço e dedicação de todos os colaboradores, fornecedores e clientes. Recorde-se que, jå em 2012, a Casa Maria Vitória, uma empresa familiar, foi distinguida como PME Líder. O Município de Viana do Alentejo volta a felicitar a Casa Maria Vitória pelo seu desempenho e prÊmio recebido e deseja que este reconhecimento seja mais um passo para o seu crescimento, o que revela uma mais-valia para o desenvolvimento económico do concelho.


&ŽƌŵĂĕĆŽĞŵƉƌĞŐŽ

ǀŝĂŶĂĚŽĂůĞŶƚĞũŽͮďŽůĞƟŵŵƵŶŝĐŝƉĂů

Formandos visitam Arquivo Histórico Municipal No âmbito do Curso – Organização e Manutenção de Arquivo, promovido pelo Instituto Bento Jesus Caraça, 14 formandos visitaram no passado dia 22 de janeiro, a Biblioteca Municipal de Viana do Alentejo. A visita teve como objetivo proporcionar aos formandos a oportunidade de conhecerem o Aquivo Histórico Municipal e sensibilizá-los para a necessidade de preservação de todos os documentos com valor histórico e cultural. O grupo, com idades compreendidas entre os 20 e os 50 anos, na sua maioria desempregados, mostrou bastante HQWXVLDPRGXUDQWHDYLVLWDHoFRXDFRQKHFHUDFRQFH¨¦R e manutenção de um arquivo.

De salientar que o Arquivo Histórico Municipal de Viana do Alentejo encontra-se inventariado e acessível para pesquisa na internet, através da base de dados FUNDIS (Fundos Documentais de Instituição do Sul), que permite, a quem o desejar, conhecer à distância as referências e conteúdos do arquivo.

Para Sónia Potêncio, formadora, “a visita de estudo proporcionou aos formandos, uma situação de aprendizagem diferente da realizada em contexto de sala de formação”. A mesma responsável garante que a visita “promoveu a interligação entre a teoria e a prática, funcionando como um complemento para os conhecimentos previstos nos conteúdos programáticos do curso que DVVLP VH WRUQDUDP PDLV VLJQLoFDWLYRV SDUD RV IRUPDQdos”. Visita ao Arquivo Histórico Municipal

&ƵŶĕƁĞƐ͗

KďũĞƟǀŽƐ͗

ͲƉŽŝĂƌũŽǀĞŶƐĞĂĚƵůƚŽƐĚĞƐĞŵƉƌĞŐĂĚŽƐŶŽƐĞƵƉĞƌĐƵƌƐŽĚĞ ŝŶƐĞƌĕĆŽƉƌŽĮƐƐŝŽŶĂů͖ ͲƉŽŝĂƌũŽǀĞŶƐĞĂĚƵůƚŽƐĚĞƐĞŵƉƌĞŐĂĚŽƐŶŽƐĞƵƉĞƌĐƵƌƐŽĚĞ ƌĞŝŶƐĞƌĕĆŽŶŽŵĞƌĐĂĚŽĚĞƚƌĂďĂůŚŽ͘

ͲŝǀƵůŐĂĕĆŽĚĂƐŽĨĞƌƚĂƐĚĞĞŵƉƌĞŐŽ͕ŽƵĞƐƚĄŐŝŽƐ͕ŽĨĞƌĞĐŝĚĂƐ ƉĞůĂƐĞŵƉƌĞƐĂƐĞŝŶƐƟƚƵŝĕƁĞƐĚĂƌĞŐŝĆŽ͖ Ͳ^ĞƐƐƁĞƐĚĞŝŶĨŽƌŵĂĕĆŽƐŽďƌĞŵĞĚŝĚĂƐĚĞĂƉŽŝŽĂŽĞŵƉƌĞŐŽ͕ ƋƵĂůŝĮĐĂĕĆŽƉƌŽĮƐƐŝŽŶĂů͕ƌĞĐŽŶŚĞĐŝŵĞŶƚŽ͕ǀĂůŝĚĂĕĆŽĞĐĞƌƟĮĐĂĕĆŽĚĞĐŽŵƉĞƚġŶĐŝĂƐĞĚĞĞŵƉƌĞĞŶĚĞĚŽƌŝƐŵŽ͖ ͲWƌŽŵŽǀĞƌĂĂƌƟĐƵůĂĕĆŽĐŽŵĞŶƟĚĂĚĞƐĚĞĨŽƌŵĂĕĆŽŝŶƚĞƌŶĂƐ ;ĞŶƚƌŽƐĚĞ&ŽƌŵĂĕĆŽWƌŽĮƐƐŝŽŶĂůͿĞĞdžƚĞƌŶĂƐĂŽ/&W͕/W͖ Ͳ ŝǀƵůŐĂĕĆŽ Ğ ĞŶĐĂŵŝŶŚĂŵĞŶƚŽ ƉĂƌĂ ŵĞĚŝĚĂƐ ĚĞ ĂƉŽŝŽ ĂŽ ĞŵƉƌĞŐŽ͕ ƋƵĂůŝĮĐĂĕĆŽ Ğ ĞŵƉƌĞĞŶĚĞĚŽƌŝƐŵŽ Ġ ŽƵƚƌŽ ĚŽƐ ƐĞƌǀŝĕŽƐƉƌĞƐƚĂĚŽƐƉĞůŽ'/W͖ ͲũƵĚĂĞƐƉĞĐŝĂůŝnjĂĚĂĂŽƐƵƚĞŶƚĞƐĂŽŶşǀĞůĚĞƚĠĐŶŝĐĂƐĚĞƉƌŽcura de emprego.

WŽƉƵůĂĕĆŽʹĂůǀŽ͗

Ͳ:ŽǀĞŶƐăƉƌŽĐƵƌĂĚŽϭǑĞŵƉƌĞŐŽ͖ ͲĞƐĞŵƉƌĞŐĂĚŽƐăƉƌŽĐƵƌĂĚĞŶŽǀŽĞŵƉƌĞŐŽĞͬŽƵĚĞƌĞĐŽŶǀĞƌƐĆŽƉƌŽĮƐƐŝŽŶĂů͖ ͲƟǀŽƐĞŵƌŝƐĐŽŽƵŶĆŽĚĞĚĞƐĞŵƉƌĞŐŽ͘

'/WͲ'ĂďŝŶĞƚĞĚĞ/ŶƐĞƌĕĆŽWƌŽĮƐƐŝŽŶĂů ĞϮǐĂϲǐ&ĞŝƌĂĚĂƐϬϵŚϬϬăƐϭϮŚϯϬĞĚĂƐϭϰŚϬϬăƐϭϳŚϯϬ ąŵĂƌĂDƵŶŝĐŝƉĂůĚĞsŝĂŶĂĚŽůĞŶƚĞũŽͮZƵĂƌŝƚŽĂŵĂĐŚŽ͕ϭϭ ϳϬϵϬͲϮϯϴsŝĂŶĂĚŽůĞŶƚĞũŽͮdĞů͗͘ϮϲϲϵϯϬϬϭϯ ǁǁǁ͘ĐŵͲǀŝĂŶĚŽĂůĞŶƚĞũŽ͘ƉƚͮĚĂƐĞƐŽĐŝĂůΛĐŵͲǀŝĂŶĂĚŽĂůĞŶƚĞũŽ͘Ɖƚ

37


Ć?Ć?Ĺ˝Ä?Ĺ?Ä‚Ć&#x;Ç€Ĺ?Ć?žŽ

Equipa de BTT da AJAL

$662&,$Â?Ă?2'(-29(16'($/&Ă™Â?29$6 BTT mobiliza 40 praticantes É a associação juvenil mais antiga do Concelho. Criada em 1996, a AJAL – Associação de Jovens de Alcåçovas, procura efetuar atividades vocacionadas para os mais novos, contribuindo, desta forma, tambĂŠm para o desenvolvimento do Concelho. O BTT ĂŠ a atividade com maior expressĂŁo atualmente, com 40 praticantes na presente ĂŠpoca, sendo a equipa “uma das maiores e melhores da regiĂŁo Alentejoâ€?, na opiniĂŁo de JosĂŠ Miguel Maia, presidente da direção da AJAL. Sem esquecer tambĂŠm a organização do Corso Carnavalesco que, hĂĄ 20 anos, traz alegria e cor Ă s ruas da vila de Alcåçovas. 3DUDRIXWXURoFDRGHVHMRkTXHRVMRYHQVVHLQWHUHVVHPPDLVSHODDVVRciação e pelo associativismo em geralâ€?.

38

JosĂŠ Miguel Maia

%ROHWLP 0XQLFLSDO  &RPR H TXDQGR VXUJLX D LGHLD GH formar uma associação juvenil? JosÊ Miguel Maia - A ideia de formar uma associação juvenil em Alcåçovas surgiu em 1996. Um grupo de jovens alcaçovenses reuniu-se com o objetivo de desenvolver diversas atividades relacionadas com a juventude, com o incentivo da Câmara Municipal e da Junta de Freguesia da altura. Daí surgiram os primeiros Corpos Sociais da $VVRFLD¨ŒRHRUHJLVWRRoFLDOGD$-$/QRGLD

%04XDORQ¡PHURGHV²FLRV" J.M.M. - Atualmente a nossa associação tem cerca de 60 sócios efetivos.

%04XDLVVÂŚRRVREMHWLYRVGD$-$/" J.M.M. - Os objetivos da AJAL mantĂŞm-se os mesmos ao longo dos anos - ajudar os jovens a desenvolver as atividades que mais gostam e contribuir para o desenvolvimento da nossa terra e do nosso concelho.

%02TXHŠTXHRVMRYHQVSUHFLVDPID]HUSDUDLQWHJUDU a vossa associação? J.M.M. - Basta chegarem junto de um membro da direção ou de outro sócio e mostrarem vontade de pertencerem à AJAL para depois se inscreverem como sócios.

%0žI¢FLOPRELOL]DURVMRYHQVSDUDSDUWLFLSDUHPQDV vossas atividades? J.M.M. - Nem sempre Ê fåcil mobilizå-los, mas o facto de a AJAL desenvolver atividades que são do interesse da maioria dos jovens, torna-se mais fåcil essa mobilização.


Ç€Ĺ?ĂŜĂĚŽĂůĞŜƚĞŊŽÍŽÄ?ŽůĞĆ&#x;ĹľžƾŜĹ?Ä?Ĺ?ƉĂů %04XHDWLYLGDGHVGHVHQYROYHPDWXDOPHQWH" J.M.M. - A AJAL desenvolveu ao longo dos anos diversas atividades de interesse para os nossos jovens, das quais destacamos o futsal, o todo o terreno e, atualmente, o ciclismo, nomeadamente o BTT, isto porque ĂŠ uma atividade que se desenvolve ao longo de todo ano e exige uma constante participação quer dos atletas, quer da direção. AlĂŠm disto temos ainda diversas atividades pontuais como ĂŠ o caso do tradicional Corso Carnavalesco e as participaçþes na Quinzena Cultural de Alcåçovas, Feira do Chocalho e Mostra de Doçaria de Alcåçovas. %0(PUHOD¨ŒRDR%77SDUDDOŠPGHSDUWLFLSDUHPHP provas, tambĂŠm organizam iniciativas no nosso concelho. A organização destas provas envolve grandes meios? J.M.M. - O projeto do BTT jĂĄ vai no quarto ano e jĂĄ atingiu um nĂ­vel muito satisfatĂłrio na nossa opiniĂŁo. O nĂ­vel da nossa equipa tem vindo a subir e somos, atualmente, uma das maiores e melhores equipas da regiĂŁo Alentejo. JĂĄ obtivemos diversas vitĂłrias quer coletivas quer individuais, com alguns dos nossos atletas a sagrarem-se campeĂľes regionais e a evoluĂ­rem para equipas de renome a nĂ­vel nacional. Este ĂŠ um trabalho que começa com a Escolinha de BTT para que os nossos pequenos atletas comecem a aprender e a evoluir desde tenra idade. Deste projeto resulta tambĂŠm a organização de proYDV TXH ID]HP SDUWH GRV FDOHQG¢ULRV RoFLDLV FRPR SRU H[HPSORDUHDOL]D¨ŒRGDoQDOGR7URIŠX,QWHU5HJLRQDOGH XCO (Cross-Country OlĂ­mpico) no passado ano. Este tipo de provas exige a mobilização de todos os atletas, sĂłcios e voluntĂĄrios, bem como de vĂĄrios meios logĂ­sticos da Câmara Municipal e da Junta de Freguesia, sem os quais a boa realização destas provas era quase impossĂ­vel. %04XDORQ¡PHURGHSUDWLFDQWHVGH%77TXHID]HP parte da AJAL? TambĂŠm hĂĄ elementos femininos? J.M.M. - Na presente ĂŠpoca sĂŁo cerca de 40 praticantes, entre os quais alguns elementos femininos‌ %02%77ŠXPGHVSRUWRGLVSHQGLRVR" J.M.M. - O BTT ĂŠ um desporto bastante acessĂ­vel a todos que queiram praticar, desfrutar das nossas paisagens e das boas condiçþes que o nosso concelho oferece para a prĂĄtica deste desporto. Como ĂŠ Ăłbvio, todos os atletas que queiram evoluir e levar a competição mais a sĂŠrio, implicarĂĄ como em qualquer outro desporto, maiores custos nos treinos, na preparação das bicicletas, etc. %02XWUDGDVLQLFLDWLYDVTXHRUJDQL]DPŠR&RUVR&DUnavalesco que vai jĂĄ na 20ÂŞ edição. Falem-nos um pouco da iniciativa e o envolvimento da população. J.M.M. - Esta ĂŠ uma das nossas grandes atividades, onde toda a população se junta e sai Ă s ruas para festejar o Carnaval, atraindo Ă  nossa terra centenas de visitantes. AliĂĄs ĂŠ toda a população, os mais jovens e os menos jovens que tĂŞm a maior parte do trabalho de criar e decorar os carros alegĂłricos e os foliĂľes. A AJAL trata da parte logĂ­stica, da organização e da divulgação de todo o evento. %03DUDTXHDVDVVRFLD¨œHVSRVVDPPDQWHUHGHVHQvolver as suas atividades ĂŠ necessĂĄrio apoios. Que apoios WÂŤPUHFHELGR"6ÂŚRVXoFLHQWHV" J.M.M. - Os principais apoios que a nossa associação recebe sĂŁo da Camara Municipal, da Junta de Freguesia e do Instituto PortuguĂŞs do Desporto e da Juventude, uma vez que, somos uma associação juvenil. TambĂŠm recebemos alguns apoios de particulares para realizarmos as nossas

Corso de Carnaval

atividades e para a nossa equipa de BTT. É, claro, que os DSRLRVQXQFDVŒRVXoFLHQWHVRXRVGHVHMDGRVPDVŠFRP base neles que temos de planear as nossas atividades. E, quanto maiores forem esses apoios, mais e melhor pode ser o nosso trabalho. %07PVHGHSU²SULD" J.M.M. - Atualmente não temos sede própria. Temos uma sede provisoria cedida pela Câmara Municipal. Não Ê a ideal, mas Ê a sede possível, onde reunimos, guardamos os nossos arquivos, as nossas carrinhas e todos os nossos materiais logísticos. %0&RPRYHHPRIXWXURGD$-$/" J.M.M. - Esperamos continuar a desenvolver as nossas atividades, tal como outras que possam surgir no futuro. E esperamos que os jovens se interessem mais pela associação e pelo associativismo em geral. $662&,$��2'(-29(16'($/&Ù�29$6 Fundação: 25/09/1996 25 de setembro de 1996 Nº de Sócios: 60 Quotas: 1 ₏ Sede: Antigos armazÊns da Câmara Municipal em Alcåçovas Atividades: Ciclismo, BTT, Corso Carnavalesco, etc

(VWŒRGH3DUDEŠQV 2*UXSR&RUDOH(WQRJU¢oFRGH9LDQDGR$OHQWHMRFRmemorou o seu 36º aniversårio dia 16/02/2014. - O Grupo Coral Feminino de Viana do Alentejo celebrou 14 anos de existência a 24/05/2014. - O Grupo Coral Feminino Cantares de Alcåçovas assinalou o 13º aniversårio dia 31/05/2014. - A Associação Terra Mãe festejou no passado dia 1/06/2014, o seu 13º aniversårio. - O Grupo Coral Velha Guarda de Viana do Alentejo comemorou o seu 28º aniversårio a 14/06/2014.

39


&ĆŒÄžĹ?ƾĞĆ?Ĺ?Ä‚Ć? Junta de Freguesia de Aguiar Caros MunĂ­cipes Neste ano em que comemoramos 40 anos da revolução de 25 de Abril de 1974 e 29 anos da criação da Freguesia de Aguiar, todos nos deverĂ­amos sentir orgulhosos com o trajeto percorrido desde esse tempo atĂŠ agora. Todavia, LVVR QÂŚR VLJQLoFD FRQIRUPLVPR WRGRV Q²V VDEHPRV TXH muito hĂĄ para fazer. A nossa freguesia cresceu muito sigQLoFDPHQWHHLVVRVLJQLoFDTXHDVQHFHVVLGDGHVVÂŚRREYLDmente diferentes. Seria lĂłgico e justo, na nossa opiniĂŁo, que a freguesia recebesse uma verba maior para poder cumprir as suas competĂŞncias. Infelizmente, a realidade com a qual diariamente nos deparamos ĂŠ bastante diferente, pois os sucessivos governos com as suas polĂ­ticas erradas aumentaram as competĂŞncias das autarquias, mas reduziram a transferĂŞncia de verbas. Para piorar mais a situação aumentou tambĂŠm o IVA, nomeadamente o da eletricidade, que passou dos 6% em janeiro de 2014 para os atuais 23%. 'HVWH PRGR D VLWXD¨ŒR oQDQFHLUD GDV DXWDUTXLDV PDV mais ainda das freguesias mais pequenas, estĂĄ a tornar-se insustentĂĄvel. Os pedidos de apoios por parte das vĂĄrias entidades, desde associaçþes a outras entidades, sĂŁo cada vez mais, o combustĂ­vel cada vez ĂŠ mais caro, acontecendo o mesmo com a eletricidade e os demais bens necessĂĄrios ao funcionamento das freguesias. Apesar de todos estes contratempos, o executivo da Junta de Freguesia de Aguiar estĂĄ, desde o primeiro dia, e estarĂĄ sempre empenhado em conseguir levar o barco a bom porto. Em trabalhar em prol da freguesia e na defesa da nossa população. Apesar de todas as adversidades, a Junta de Freguesia de Aguiar tem, atĂŠ agora, conseguido mas com bastantes dioFXOGDGHV SDJDU DV FRQWDV DRV IRUQHFHGRUHV DR FRQWDbilista, a eletricidade, a ĂĄgua, etc. Conseguimos tambĂŠm

assinalar o Dia da Mulher com uma oferta simbólica de XPDpRUHGDUFRQWLQXLGDGH£IDPRVD&RUULGDGD/LEHUdade e ao churrasco na noite de 24 de abril. Não iremos baixar os braços. Podem contar sempre connosco. O Presidente da Junta, António Inåcio Torrinha Lopes

Junta de Freguesia de Alcåçovas Caros MunĂ­cipes Este ano comemoraram-se 40 anos sob aquela madrugada histĂłrica, onde os militares com a sua coragem e determiQD¨ŒRSXVHUDPoPDXPDGLWDGXUDGHDQRV Assim, a 25 de Abril de 1974 Portugal conheceu a democracia, GHIRUPDSDF­oFDFRQKHFLGDHPWRGRRPXQGRFRPRD5H volução dos cravos. A Freguesia de Alcåçovas comemorou a data com a comparticipação parcial do espectĂĄculo de 24 de abril realizado no Cineteatro Vianense – “Praça das Cançþesâ€?, onde estiveram em palco AntĂłnio Manuel Ribeiro, Samuel e JosĂŠ Jorge Letria, recordando artistas e poetas de intervenção que, infelizmente, cedo nos deixaram como Zeca Afonso, Adriano Correia de Oliveira e Ary dos Santos. No dia 25 de abril, realizou-se o II Peddy Paper da Liberdade que Ă semelhança da primeira edição revelou-se um sucesso, com mais de uma centena de participantes, os quais famĂ­lia e amigos tiveram oportunidade de disfrutar uma manhĂŁ de

40

passeio pela Vila, aprendendo um pouco mais da sua história e executando diversas tarefas que lhe foram propostas. 1RoQDOUHLQRXDERDGLVSRVL¨ŒRHDOHJULDQRDOPR¨RFRQY­YLR oferecido pela Junta de Freguesia de Alcåçovas, num dia em que o sol nos brindou. Fica o agradecimento a todos os parceiros na organização desta actividade, pois foram determinantes para o sucesso da mesma; tÊcnicos de desporto Bruno Soldado, Nelson Sabarigo e Manuel Folgoa, Delegação de Alcåçovas da CVP,


Ç€Ĺ?ĂŜĂĚŽĂůĞŜƚĞŊŽÍŽÄ?ŽůĞĆ&#x;ĹľžƾŜĹ?Ä?Ĺ?ƉĂů Associação de Pais e Encarregados de Educação da EBI/JI de Alcåçovas e funcionĂĄrios da J.F. Alcåçovas. Ainda no dia 25 de abril, chegou a Alcåçovas a penĂşltima etapa da XIVÂŞ Romaria a Cavalo Moita – Viana do Alentejo, com a Pernoita dos Romeiros nesta Vila. A animação desta Pernoita, a cargo da J.F. Alcåçovas, tenta proporcionar uma noite agradĂĄvel tanto aos romeiros como aos residentes. Mais um ano tivemos a actuação dos grupos de sevilhanas da Associação Cultural e Recreativa Alcaçovense e da Associação Equestre de Viana do Alentejo. 6HJXLXVH D PDJQ­oFD DFWXD¨ŒR GR JUXSR GH pDPHQTXLWR “PringĂĄâ€?, que levou ao rubro as centenas de pessoas que se encontravam no Largo da Gamita. Para terminar a noite em grande, o baile nĂŁo podia faltar e foi assim que Abel Fava e Edgar BaleizĂŁo levaram a multidĂŁo a dançar e cantar atĂŠ altas horas. Mas Alcåçovas ĂŠ conhecida por receber bem quem a visita. Assim, na manhĂŁ de 26 de Abril, a J.F. Alcåçovas preparou um mega pequeno almoço que serviu Ă s centenas de romeiros que aqui pernoitaram. Mas Alcåçovas com o seu dinamismo nĂŁo pĂĄra, a XVIIÂŞ Semana Cultural que decorreu entre 13 e 22 de Junho mais uma vez foi um sucesso. Durante estes dias tivemos exposiçþes de artesanato, de trabalhos executados pelos alunos da EBI/JI de Alcåçovas ao longo do ano. A exposição “O Homem e o Cavaloâ€? tambĂŠm se revelou um sucesso. Muitos expositores e tasquinhas animaram o recinto. Os espectĂĄculos foram muito

animados e variados: desde o fado, folclore, cante alentejano, RUTXHVWUDOLJHLUDEDQGDVoODUP²QLFDVHHVWHDQRRV$8525$ banda que saiu do Factor X fez a delicia dos jovens. Foram dias de muito trabalho, mas fundamentalmente de prazer pelo dever cumprido, segue-se a Feira do Chocalho entre os dias 25 e 27 de Julho, pois Alcåçovas nĂŁo pĂĄra. Ficam, desde jĂĄ, todos convidados. Com os melhores cumprimentos A Presidente da Junta, Sara Cristina Cupido Carmo Grou Sim Sim Pajote ÎŽĆ?ƚĞÄ‚ĆŒĆ&#x;Ĺ?Ĺ˝ŜĆŽĆľĆ&#x;ĹŻĹ?njĂÄ‚Ć?ĹśĹ˝ĆŒĹľÄ‚Ć?ĚŽŜŽǀŽÄ‚Ä?Ĺ˝ĆŒÄšĹ˝Ĺ˝ĆŒĆšĹ˝Ĺ?ĆŒÄ„ÄŽÄ?Ĺ˝

Junta de Freguesia de Viana do Alentejo Caros Munícipes Vai a meio o ano de 2014! Ao longo destes meses, continuåmos a sentir o agravamento do exercício do poder local, em virtude dos cortes orçamentais, os quais impedem, a prestação de um serviço com qualidade que sirva as populaçþes. Nestes tempos de incertezas e de anseios, lutamos constantemente para concretizar os objetivos a que nos propusemos e, não obstante as contrariedades desta conjuntura económica, o executivo da Junta de Freguesia de Viana do Alentejo tem desenvolvido o seu trabalho, com esforço e dedicação. Atentos às necessidades locais, procuramos, da melhor forma, dar resposta às questþes e preocupaçþes dos nossos munícipes, numa tentativa de suavizar as situaçþes de maior complexidade. Dando cumprimento ao nosso Plano de Atividades para o ano em curso, destacamos as Comemoraçþes do Dia Internacional da Mulher, no passado dia 8 de março. A iniciativa decorreu no Cineteatro Vianense, pelas 15h, RQGH VH H[LELX k$P¢OLD  2 oOPHy GH VHJXLGD QR 6DOŒR Nobre da Junta de Freguesia, foi oferecido um lanche a todas as mulheres que se juntaram e ainda uma pequena

lembrança para assinalar a data. No dia 6 de abril, realizou-se a tradicional caminhada alusiva ao Dia Mundial da Saúde, em colaboração com a UCC do Centro de Saúde de Viana do Alentejo. Pelas 8h30, os participantes reuniram-se no Centro de Saúde local para assistirem a uma breve apresentação sobre o contacto com a natureza e alerta para os perigos de doenças transmissíveis por insetos e aracnídeos. Este momento de informação e sensibilização esteve a cargo do Delegado de Saúde, Dr. Augusto Santana de Brito. A caminhada iniciouse pelas 9h00 e, apesar do dia cinzento, os participantes mostraram-se motivados para o longo percurso que os esperava. A Quinta da Joana foi a meta e aguardava-os um pequeno lanche, enquanto se aproveitava para umas voltas no circuito de manutenção ou simplesmente para terminar uma conversa mais interessante. Para alÊm disto, continuamos a estar atentos à higiene e limpeza urbanas, de forma a manter a nossa vila cuidada e aprazível. O Presidente da Junta, Joaquim Rodolfo Viegas

41


Ć?ƉĂĕŽăWÄ‚ĹŻÄ‚Ç€ĆŒÄ‚ KĆ?ĂžƉŽĆ? Neste Alentejo tĂŁo lindo Todo caiado de branco Ă€s vezes sinto saudades De ir passear ao campo Para ver as azinheiras, sobreiras e oliveiras E os campos muito desprezados Mas podia dizer muito mais Restam algumas hortas e os laranjais E nĂŁo se vĂŞ com bons olhos O que virĂĄ ainda acontecer Os campos jĂĄ foram mais pobres E agora ĂŠ que estĂŁo mesmo a morrer

Ç€Ĺ?ĂŜĂĚŽĂůĞŜƚĞŊŽÍŽÄ?ŽůĞĆ&#x;ĹľžƾŜĹ?Ä?Ĺ?ƉĂů Abril/1974 O dia 25 de abril de 1974 NĂŁo ĂŠ dia para qualquer confusĂŁo Porque trouxe a liberdade Para os portugueses que cĂĄ estavam E para todos os que cĂĄ estĂŁo Quem disser qualquer falsidade NĂŁo tem nenhuma razĂŁo Porque nos deu a liberdade Que todos temos no coração Isto nĂŁo ĂŠ nenhuma austeridade E vamos todos o 25 de abril comemorar Porque trouxe a liberdade Para todos os que vivem em Portugal.

Vejo os campos todos vedados E as sementeiras a não aparecer Vejo um tratorista a tratar dos gados E os pastores todos a desaparecer. Março 2014 David Pires Machado

10/04/2014 David Pires Machado

Ć?ƉĂĕŽă/žĂĹ?Ğž

Atual Rua Aleixo de Abreu, Alcåçovas.

Poço Novo, Alcåçovas

Convento de N.ª Sr.ª da Esperança, Alcåçovas

Largo de São Sebastião, Alcåçovas

A Câmara Municipal pretende disponibilizar algum espaço no boletim municipal para publicação de WUDEDOKRVVREUHRFRQFHOKRHQYLDGRVSHORVVHXVPXQ­FLSHVOHLWRUHV SURVDSRHVLDIRWRV 

Partilhe a Palavra Divulgue a Imagem 42

2VWUDEDOKRVGHYHUŒRVHUHQWUHJXHVQD&¤PDUD0XQLFLSDORXDWUDYŠVGRHPDLOJDELQHWHLQIRUPDFDR#FPYLDQDGRDOHQWHMRSW À autarquia reserva-se o direito de opção da sua publicação.


ĂŐĞŶĚĂĐƵůƚƵƌĂůхũƵůŚŽ ͗ĐŝŶĞŵĂ 18

sexta-feira 21h30

͗ŝǀĞƌŐĞŶƚĞ

ĂŐĞŶĚĂĐƵůƚƵƌĂůхƐĞƚĞŵďƌŽ 19

sexta-feira 21h00

ĞĂƚƌŝĐĞWƌŝŽƌ͕ƵŵĂĂĚŽůĞƐĐĞŶƚĞĐŽŵƵŵĂŵĞŶƚĞĞƐƉĞĐŝĂů͕ĚĞƐĐŽďƌĞƋƵĞƐƵĂǀŝĚĂĞƐƚĄ ĂŵĞĂĕĂĚĂƋƵĂŶĚŽƵŵůşĚĞƌĂƵƚŽƌŝƚĄƌŝŽƉƌĞƚĞŶĚĞĞdžƚĞƌŵŝŶĂƌĂƐƵĂĞƐƉĠĐŝĞĞĐŽŶƚƌŽůĂƌ ƵŵĂƐŽĐŝĞĚĂĚĞĚŝǀŝĚŝĚĂ͘

͗ĂŵŝŶŚĂĚĂEŽƚƵƌŶĂ ƐĚŽĞŶĕĂƐĐĂƌĚŝŽǀĂƐĐƵůĂƌĞƐĐŽŶƐƟƚƵĞŵĂƉƌŝŶĐŝƉĂůĐĂƵƐĂĚĞŵŽƌƚĞĞŵŽƌďŝůŝĚĂĚĞĚĂƐ ƉŽƉƵůĂĕƁĞƐ͕ĂŶşǀĞůŵƵŶĚŝĂů͘EĞƐƚĞąŵďŝƚŽ͕ĞĐŽŵŽũĄǀĂŝƐĞŶĚŽŚĂďŝƚƵĂůŶŽƐƷůƟŵŽƐ ĂŶŽƐ͕ĂhĚĞsŝĂŶĂĚŽůĞŶƚĞũŽƌĞĂůŝnjĂƵŵĂĐĂŵŝŶŚĂĚĂŶŽƚƵƌŶĂ͕ƉĂƌĂƋƵĞƚŽĚĂĂ ƉŽƉƵůĂĕĆŽƉŽƐƐĂƉĂƌƟĐŝƉĂƌĞ͕ĂƐƐŝŵ͕ĂƐƐŝŶĂůĂƌŽŝĂDƵŶĚŝĂůĚŽŽƌĂĕĆŽ;ϮϲĚŽŵĞƐmo mês). KƌŐĂŶŝnjĂĕĆŽ͗hŶŝĚĂĚĞĚĞƵŝĚĂĚŽƐŶĂŽŵƵŶŝĚĂĚĞĚĞsŝĂŶĂĚŽůĞŶƚĞũŽ WĂƌƟĚĂ͗WƌĂĕĂĚĂZĞƉƷďůŝĐĂ

ZĞĂůŝnjĂĚŽƌ͗EĞŝůƵƌŐĞƌͮ/ŶƚĠƌƉƌĞƚĞƐ͗ƐŚůĞLJ:ƵĚĚŚƌŝƐƟĂŶDĂĚƐĞŶ:ĂŝŽƵƌƚŶĞLJ<ĂƚĞ tŝŶƐůĞƚZĂLJ^ƚĞǀĞŶƐŽŶ^ŚĂŝůĞŶĞtŽŽĚůĞLJdŽŶLJ'ŽůĚǁLJŶ h^ͮϮϬϭϰͮŽƌĞƐͮϭϯϵŵŝŶͮĕĆŽ͕ǀĞŶƚƵƌĂͮDϭϮ

͗ĞǀĞŶƚŽƐ 25 a 27

19 a 25

ĞϭϵĂϮϱĚĞƐĞƚĞŵďƌŽĚĞĐŽƌƌĞŵĂŝƐƵŵĂĞĚŝĕĆŽĚĂ͞sŝĂŶĂĞŵ&ĞƐƚĂ͕͟ĂƐĞŵĂŶĂ ĐƵůƚƵƌĂůƋƵĞĂŶƚĞĐĞĚĞĂ&ĞŝƌĂ͛ŝƌĞƐĞƉƌŝǀŝůĞŐŝĂĂƐĂƌƚĞƐĚŽĞƐƉĞƚĄĐƵůŽ͕ĐŽŵĚĞƐƚĂƋƵĞ ƉĂƌĂĂŵƷƐŝĐĂ͕ĚŝŶĂŵŝnjĂŶĚŽǀĄƌŝŽƐĞƐƉĂĕŽƐƉƷďůŝĐŽƐĚĞsŝĂŶĂĚŽůĞŶƚĞũŽʹĂƐƚĞůŽ͕ WƌĂĕĂĚĂZĞƉƷďůŝĐĂĞŝŶĞƚĞĂƚƌŽ͘

͗&ĞŝƌĂĚŽŚŽĐĂůŚŽ ŶƚƌĞŽƐĚŝĂƐϮϱĞϮϳĚĞũƵůŚŽ͕ůĐĄĕŽǀĂƐĠƉĂůĐŽĚĞŵĂŝƐƵŵĂĞĚŝĕĆŽĚĂ&ĞŝƌĂĚŽŚŽĐĂůŚŽ͘EĞƐƚĂĞĚŝĕĆŽĚŽĐĞƌƚĂŵĞŽƐĐĂďĞĕĂƐĚĞĐĂƌƚĂnjƐĆŽ:ŽƌŐĞDĂĐŚĂĚŽĐŽŵďĂŶĚĂ͕ ŶĂƐĞdžƚĂͲĨĞŝƌĂ͕&ůŽƌͲĚĞͲ>ŝƐĞĂĂŶĚĂĚĂ^ŽĐŝĞĚĂĚĞhŶŝĆŽůĐĂĕŽǀĞŶƐĞ͕ŶŽƐĄďĂĚŽ͕Ğ ĂĞŶĐĞƌƌĂƌ͕ŶŽĚŽŵŝŶŐŽ͕DĂĨĂůĚĂƌŶĂƵƚŚĞ>ƷĐŝŽĂŵŽŶĚ͘ĞƐƚĂƋƵĞĂŝŶĚĂƉĂƌĂĂƐ ĞdžƉŽƐŝĕƁĞƐ͕njŽŶĂĚĞƚĂƐƋƵŝŶŚĂƐĞƌĞƐƚĂƵƌĂŶƚĞ͕ǀĞŶĚĂĚĞĂƌƚĞƐĂŶĂƚŽĞŽƵƚƌŽƐƉƌŽĚƵƚŽƐƌĞŐŝŽŶĂŝƐ͕ĨĞŝƌĂĨƌĂŶĐĂ͕ĚŝǀĞƌƟŵĞŶƚŽƐĚŝǀĞƌƐŽƐ͕ĞĞǀĞŶƚŽƐĚĞƐƉŽƌƟǀŽƐ͕ĞƋƵĞƐƚƌĞƐ e espetáculos de dança. KƌŐĂŶŝnjĂĕĆŽ͗Ds͖:&ĚĞůĐĄĕŽǀĂƐ

KƌŐĂŶŝnjĂĕĆŽ͗Ds >ŽĐĂŝƐ͗ĂƐƚĞůŽĚĞsŝĂŶĂĚŽůĞŶƚĞũŽ͕ŝŶĞƚĞĂƚƌŽsŝĂŶĞŶƐĞ͕WƌĂĕĂĚĂZĞƉƷďůŝĐĂ

20

ƐĄďĂĚŽ 21h30

ĂŐĞŶĚĂĐƵůƚƵƌĂůхƐĞƚĞŵďƌŽ 5

͗'ŽĚnjŝůůĂ ŚƵŵĂŶŝĚĂĚĞĞŶĐŽŶƚƌĂͲƐĞŝŶĚĞĨĞƐĂƉĞƌĂŶƚĞŽĂƚĂƋƵĞĚĞĐƌŝĂƚƵƌĂƐŵĂůĠĮĐĂƐĞŽ ŵŽŶƐƚƌŽŵĂŝƐĨĂŵŽƐŽĚŽŵƵŶĚŽƌĞŶĂƐĐĞƉĂƌĂƌĞƐƚĂƵƌĂƌŽĞƋƵŝůşďƌŝŽ͘ŽŵĂƐƐŝŶĂƚƵƌĂĚŽǀŝƐŝŽŶĄƌŝŽƌĞĂůŝnjĂĚŽƌ'ĂƌĞƚŚĚǁĂƌĚƐ͕͞'ŽĚnjŝůůĂ͟ĠƵŵĂƉŽĚĞƌŽƐĂĂǀĞŶƚƵƌĂĚĞĂĕĆŽ͕ĐŽƌĂŐĞŵĞƌĞĐŽŶĐŝůŝĂĕĆŽĞŶƚƌĞĨŽƌĕĂƐƟƚąŶŝĐĂƐĚĂŶĂƚƵƌĞnjĂ͘ ZĞĂůŝnjĂĚŽƌ͗'ĂƌĞƚŚĚǁĂƌĚƐͮ/ŶƚĠƌƉƌĞƚĞƐ͗ĂƌŽŶdĂLJůŽƌͲ:ŽŚŶƐŽŶ͕ƌLJĂŶƌĂŶƐƚŽŶ͕ĂǀŝĚ ^ƚƌĂƚŚĂŝƌŶ͕ůŝnjĂďĞƚŚKůƐĞŶ͕:ƵůŝĞƩĞŝŶŽĐŚĞ͕<ĞŶtĂƚĂŶĂďĞ͕sŝĐƚŽƌZĂƐƵŬ h^ͮϮϬϭϰͮŽƌĞƐͮϭϮϯŵŝŶͮĕĆŽ͕ǀĞŶƚƵƌĂͮDϭϮ

12

sexta-feira 21h30

͗EĞĞĚĨŽƌ^ƉĞĞĚͲKĮůŵĞ

ĚŽŵŝŶŐŽ 16h00

͗ƌƚƵƌĞĂsŝŶŐĂŶĕĂĚĞDĂůƚĂnjĂƌĚ

͗ĞǀĞŶƚŽƐ 6

21

ĚŽŵŝŶŐŽ 09h00

21

ĚŽŵŝŶŐŽ 18h00

22

͗ys/WĂƐƐĞŝŽĚĞŝĐůŽƚƵƌŝƐŵŽĚĂĂƐĂ ĚŽĞŶĮĐĂĞŵsŝĂŶĂĚŽůĞŶƚĞũŽ KƌŐĂŶŝnjĂĕĆŽ͗ĂƐĂĚŽĞŶĮĐĂĞŵsŝĂŶĂĚŽůĞŶƚĞũŽ WĂƌƟĚĂ͗WĂǀŝůŚĆŽDƵŶŝĐŝƉĂů

͗ŶŝŵĂĕĆŽDƵƐŝĐĂůĐŽŵ ͞EƵŶŽZĂŝŶŚĂ͟ KƌŐĂŶŝnjĂĕĆŽ͗Ds >ŽĐĂů͗WƌĂĕĂĚĂZĞƉƷďůŝĐĂ

͗͞hŵĂǀŝĂŐĞŵƉĞůĂŚŝƐƚſƌŝĂĚĂŵƷƐŝĐĂ WŽƌƚƵŐƵĞƐĂ͟

KƌŐĂŶŝnjĂĕĆŽ͗Ds >ŽĐĂů͗ŝŶĞƚĞĂƚƌŽsŝĂŶĞŶƐĞ

24

ƋƵĂƌƚĂͲĨĞŝƌĂ 21h30

ŽǀŝƐŝƚĂƌƐĞƵƐĂǀſƐ͕ƌƚŚƵƌƌĞĐĞďĞƵŵĂŵĞŶƐĂŐĞŵŐƌĂǀĂĚĂŶƵŵŐƌĆŽĚĞĂƌƌŽnj͘Ƶŵ ŐƌŝƚŽĚĞƐŽĐŽƌƌŽĞŶǀŝĂĚŽƉĞůŽƐDŝŶŝŵĞƵƐ͘^ĞŵĚƷǀŝĚĂ͕^ĞůĠŶŝĂ͕ĂƉĞƋƵĞŶĂƉƌŝŶĐĞƐĂ ĞůĞŝƚĂƉĞůŽƐĞƵĐŽƌĂĕĆŽ͕ĞƐƚĄĞŵƉĞƌŝŐŽ͊ƌƚŚƵƌǀŽĂĞŵƐĞƵƐŽĐŽƌƌŽ͘DĂƐĞƐĞĨŽƌƵŵĂ ĂƌŵĂĚŝůŚĂƉƌĞƉĂƌĂĚĂƉĞůŽŝŶĨĂŵĞDĂůƚĂnjĂƌĚ͕ĚĞƚĞƌŵŝŶĂĚŽĂǀŝŶŐĂƌͲƐĞ͍ ZĞĂůŝnjĂĚŽƌ͗>ƵĐĞƐƐŽŶͮsŽnjĞƐ͗ŶĂ'ƵŝŽŵĂƌ͕ŶĚƌĠZĂŝŵƵŶĚŽ͕ĂƌůŽƐsŝĞŝƌĂĚĞůŵĞŝĚĂ͕ ,ĞŝƚŽƌ>ŽƵƌĞŶĕŽ͕:ŽƐĠWĞĚƌŽsĂƐĐŽŶĐĞůŽƐ͕WĂĐŵĂŶ͕WĂƵůŽ͕͘WĞĚƌŽ'ƌĂŶŐĞƌ͕ZŝƚĂůĂŶĐŽ͕ZƵŝ DĞŶĚĞƐ͕ĠWĞĚƌŽ &ZͮϮϬϬϵͮŽƌĞƐͮϵϬŵŝŶͮŶŝŵĂĕĆŽͮDϲ

ƐĄďĂĚŽ

͞YƵĂŶĚŽŽ&ĂĚŽƐĂŝĚŽYƵĂƌƚŽ͟ƚƌĂnjĂƌůŽƐ>ĞŝƚĆŽĂŽƉĂůĐŽ͕ŽƐĞƵĚŝƐĐŽĞŽƐƐĞƵƐĐŽŶǀŝĚĂĚŽƐ͕ŶƵŵĂǀŝĂŐĞŵƉĞƌŵĂŶĞŶƚĞĞŶƚƌĞŽůĞŶƚĞũŽĞ>ŝƐďŽĂ͘hŵĐŽŶĐĞƌƚŽŝŶƟŵŝƐƚĂ͕ ƚŽĐĂŶƚĞĞƋƵĞƉƌŽŵŽǀĞĂƐĞŵŽĕƁĞƐăŇŽƌĚĂƉĞůĞ͘͟

hŵǀŝƐĐĞƌĂůĞĞǀŽĐĂƟǀŽƌĞŐƌĞƐƐŽĂŽƐŐƌĂŶĚĞƐĮůŵĞƐĚĂĐƵůƚƵƌĂĂƵƚŽŵſǀĞůĚĂƐĚĠĐĂĚĂƐ ĚĞϲϬĞϳϬ͘KĮůŵĞĠƵŵĂŚŝƐƚſƌŝĂĚĞŚŽŶƌĂ͕ĂŵŝnjĂĚĞĞůĞĂůĚĂĚĞ͕ĞŵƚŽƌŶŽĚĂǀŝĂŐĞŵ ƐĞŐƵŶĚĂͲĨĞŝƌĂ 21h30 ƌĞƉůĞƚĂĚĞƚĞƐƚŽƐƚĞƌŽŶĂĚĞƵŵŚŽŵĞŵƋƵĞƉƌŽĐƵƌĂĂǀŝŶŐĂŶĕĂĞ͕ĞŵƷůƟŵĂĂŶĄůŝƐĞ͕ hŵĞƐƉĞƚĄĐƵůŽƋƵĞƉƌŽƉƁĞƵŵĂǀŝĂŐĞŵŶŽƚĞŵƉŽ͕ĚĞƐĚĞŽƐĂŶŽƐϲϬĂƚĠĂŽƐŶŽƐƐŽƐ ĂƌĞĚĞŶĕĆŽ͘WĂƌĂdŽďĞLJDĂƌƐŚĂůů͕ƋƵĞŐĞƌĞĂŽĮĐŝŶĂĚĂĨĂŵşůŝĂĞĂŽƐĮŶƐĚĞƐĞŵĂŶĂ ĚŝĂƐ͕ŽŶĚĞƐĞƌĞůĞŵďƌĂŵŵŽŵĞŶƚŽƐƋƵĞĮĐĂƌĂŵŶĂŚŝƐƚſƌŝĂĚŽŶŽƐƐŽƉĂşƐ͕ĂƚƌĂǀĠƐ ĐŽƌƌĞŶŽĐŝƌĐƵŝƚŽĐůĂŶĚĞƐƟŶŽĚĞĐŽƌƌŝĚĂƐĚĞƌƵĂĐŽŵŽƐƐĞƵƐĂŵŝŐŽƐ͕ĂǀŝĚĂĠďŽĂ͘DĂƐ ĚĂŵƷƐŝĐĂ͘ ŽƐĞƵŵƵŶĚŽĮĐĂĚĞƉĞƌŶĂƐƉĂƌĂŽĂƌƋƵĂŶĚŽĠƉƌĞƐŽƉŽƌƵŵĐƌŝŵĞƋƵĞŶĆŽĐŽŵĞƚĞƵ͘ ZĞĂůŝnjĂĚŽƌ͗^ĐŽƩtĂƵŐŚͮĂƌŽŶWĂƵů͕ĂŬŽƚĂ:ŽŚŶƐŽŶ͕ŽŵŝŶŝĐŽŽƉĞƌ͕/ŵŽŐĞŶWŽŽƚƐ͕ DŝĐŚĂĞů<ĞĂƚŽŶ h^ͮϮϬϭϰͮŽƌĞƐͮϭϯϮŵŝŶͮĕĆŽ͕ǀĞŶƚƵƌĂͮDϭϮ

14

ƐƉĞƚĄĐƵůŽĚĞ&ĂĚŽ ͗͞YƵĂŶĚŽŽ&ĂĚŽƐĂŝĚŽYƵĂƌƚŽ͟

KƌŐĂŶŝnjĂĕĆŽ͗Ds >ŽĐĂŝƐ͗ĂƐƚĞůŽĚĞsŝĂŶĂĚŽůĞŶƚĞũŽ ĂƌůŽƐ>ĞŝƚĆŽͲǀŽnjĞǀŝŽůĂ͖,ĞŶƌŝƋƵĞ>ĞŝƚĆŽʹŐƵŝƚĂƌƌĂƉŽƌƚƵŐƵĞƐĂ͖ĂƌůŽƐDĞŶĞnjĞƐʹĐŽŶƚƌĂďĂŝdžŽ͖

͗ĐŝŶĞŵĂ sexta-feira 21h30

͗sŝĂŶĂĞŵ&ĞƐƚĂ

͗///ůŵŽĕŽĚŽƐ'ĂŶŚƁĞƐĞŵŐƵŝĂƌ

͗ƐƉĞƚĄĐƵůŽĚĞĂŶĕĂ ͞ZŽŵĞƵĞ:ƵůŝĞƚĂ͟

KĐůĄƐƐŝĐŽĚĞ^ŚĂŬĞƐƉĞĂƌĞĞĚĞWƌŽŬŽĮĞǀ͞ZŽŵĞƵĞ:ƵůŝĞƚĂ͟ĠŽƉƌĞƚĞdžƚŽƉĂƌĂĨĂůĂƌĚĂ W/yK͘^ĞŵƋƵĞƌĞƌĨĂnjĞƌĂŐĞŶĞĂůŽŐŝĂĚĂƉĂŝdžĆŽ͕ŽĞƐƉĞƚĄĐƵůŽƌĞŵĞƚĞͲŶŽƐƉĂƌĂƵŵ ŵƵŶĚŽƉĂƌƟĐƵůĂƌĞŽŶşƌŝĐŽ͕ŝŵĞƌƐŽŶĂƚĞdžƚƵƌĂĚĂƐĞŵŽĕƁĞƐĚŽĐŽƌƉŽİƐŝĐŽĞĞŵŽĐŝŽŶĂů͘KƐĐŽƌƉŽƐĞŶǀŽůǀĞŵͲƐĞĞŵĞŶĐŽŶƚƌŽƐĞĚĞƐĞŶĐŽŶƚƌŽƐ͕ŽƵĂďĂŶĚŽŶĂŵͲƐĞăƉĂŝdžĆŽ͘ KƌŐĂŶŝnjĂĕĆŽ͗ąŵĂƌĂDƵŶŝĐŝƉĂůĚĞsŝĂŶĂĚŽůĞŶƚĞũŽ >ŽĐĂů͗ŝŶĞƚĞĂƚƌŽsŝĂŶĞŶƐĞ

͗͞&ĞŝƌĂĚŽŵƉƌĞŐŽĞ 24 e 25 ŵƉƌĞĞŶĚĞĚŽƌŝƐŵŽ͟ KƌŐĂŶŝnjĂĕĆŽ͗'ĞdĞƌƌĂƐĞŶƚƌŽ >ŽĐĂů͗:ĂƌĚŝŵĚŽZŽƐƐŝŽ

26 a 29

͗&ĞŝƌĂ͛ŝƌĞƐ

ZĞĂůŝnjĂͲƐĞ͕ ƉĞůŽ ϯǑ ĂŶŽ ĐŽŶƐĞĐƵƟǀŽ͕ Ž ƚƌĂĚŝĐŝŽŶĂů ůŵŽĕŽ ĚŽƐ 'ĂŶŚƁĞƐ Ğŵ ŐƵŝĂƌ͕ ĞŵƋƵĞĂƉĂŶĞůĂĚĞďĂƌƌŽĞŽƐĐŽnjŝŶŚĂĚŽƐĞŵůƵŵĞĚĞĐŚĆŽƚġŵůƵŐĂƌĚĞĚĞƐƚĂƋƵĞ͘ WƌŽĐƵƌĂͲƐĞĂƐƐŝŵ͕ŵĂŶƚĞƌĂƐƚƌĂĚŝĕƁĞƐĞƉƌŽƉŽƌĐŝŽŶĂƌĂŽƐŵĂŝƐǀĞůŚŽƐĂŽƉŽƌƚƵŶŝĚĂĚĞ ĚĞ͕ŶƵŵĂŵďŝĞŶƚĞĚĞƐĐŽŶƚƌú̎ĞŽŵĂŝƐŽƌŝŐŝŶĂůƉŽƐƐşǀĞů͕ƌĞĐŽƌĚĂƌĞŵǀŝǀġŶĐŝĂƐƉĂƐƐĂĚĂƐĞĂŝŶĚĂŵŽƐƚƌĂƌĂŽƐŵĂŝƐŶŽǀŽƐĂůŐƵŵĂƐƚƌĂĚŝĕƁĞƐƋƵĞĮnjĞƌĂŵƉĂƌƚĞĚĂǀŝĚĂ ĚŽƐƐĞƵƐƉĂŝƐĞĂǀſƐ͘

ũĄĞŵƐĞƚĞŵďƌŽƋƵĞsŝĂŶĂĚŽůĞŶƚĞũŽǀŽůƚĂĂĂĐŽůŚĞƌĂ&ĞŝƌĂ͛ŝƌĞƐ͘ƵƌĂŶƚĞϰ ĚŝĂƐ͕ĚĞϮϲĂϮϵ͕ũƵŶƚŽĂŽ^ĂŶƚƵĄƌŝŽĚĞEǐ^ƌ͘ǐ͛ŝƌĞƐĨĂnjͲƐĞĂĨĞƐƚĂŶƵŵĂƵŶŝĆŽĞŶƚƌĞ ŽƉƌŽĨĂŶŽĞŽƐĂŐƌĂĚŽ͘ ƟǀŝĚĂĚĞƐĞĐŽŶſŵŝĐĂƐ͕ŵƷƐŝĐĂ͕ĂƌƚĞƐĂŶĂƚŽĞŐĂƐƚƌŽŶŽŵŝĂ͕ƉĂƌĂĂůĠŵĚĂƚƌĂĚŝĐŝŽŶĂů ĨĞŝƌĂĨƌĂŶĐĂƐĆŽŽƐŝŶŐƌĞĚŝĞŶƚĞƐĚŽĐĞƌƚĂŵĞŽƌŐĂŶŝnjĂĚŽƉĞůĂąŵĂƌĂDƵŶŝĐŝƉĂůĚĞsŝĂna do Alentejo em parceria com a Junta de Freguesia local.

KƌŐĂŶŝnjĂĕĆŽ͗'ƌƵƉŽƵůƚƵƌĂůĞĞƐƉŽƌƟǀŽĚĞŐƵŝĂƌ >ŽĐĂů͗:ƵŶƚŽĂŽYƵŝŽƐƋƵĞʹ:ĂƌĚŝŵĚĂŽŽƉĞƌĂƟǀĂ

KƌŐĂŶŝnjĂĕĆŽ͗ąŵĂƌĂDƵŶŝĐŝƉĂůĚĞsŝĂŶĂĚŽůĞŶƚĞũŽ ^ĂŶƚƵĄƌŝŽĚĞE͘ǐ^ƌ͘ǐ͛ŝƌĞƐ

ĐŝŶĞƚĞĂƚƌŽǀŝĂŶĞŶƐĞ

ZƵĂƌ͘ŶƚſŶŝŽ:ŽƐĠĚĞůŵĞŝĚĂ͕ϮϳͮϳϬϵϬͲϮϲϵͮsŝĂŶĂĚŽůĞŶƚĞũŽ dĞů͗͘ϮϲϲϳϵϭϬϬϳͮͲŵĂŝů͗ĐŝŶĞͲƚĞĂƚƌŽΛĐŵͲǀŝĂŶĂĚŽĂůĞŶƚĞũŽ͘Ɖƚ ,ŽƌĄƌŝŽĚĂŝůŚĞƚĞŝƌĂ͗ĞYƵĂƌƚĂͲ&ĞŝƌĂĂ^ĞdžƚĂͲ&ĞŝƌĂĚĂƐϭϰŚϯϬăƐϭϳŚϯϬͮŝĂĚĞĐŝŶĞŵĂŽƵĞƐƉĞƚĄĐƵůŽĂďƌĞƵŵĂŚŽƌĂĂŶƚĞƐ WƌĞĕŽĚŽƐŝůŚĞƚĞƐ͗^ĞdžƚĂͲ&ĞŝƌĂ͗ϯΦŽŵŝŶŐŽ͗Ϯ͕ϱΦ/sŝŶĐůƵşĚŽĞŵǀŝŐŽƌͮdŽĚĂƐĂƐƌĞƐĞƌǀĂƐĚĞǀĞŵƐĞƌůĞǀĂŶƚĂĚĂƐĂƚĠŵĞŝĂŚŽƌĂĂŶƚĞƐĚŽĞƐƉĞƚĄĐƵůŽͬƐĞƐƐĆŽ͘


ŐĞŶĚĂƵůƚƵƌĂů

ǀŝĂŶĂĚŽĂůĞŶƚĞũŽͮďŽůĞƟŵŵƵŶŝĐŝƉĂů

^ƵŐĞƐƚƁĞƐĚĞůĞŝƚƵƌĂ͘͘͘

dƌŝůŽŐŝĂƐĐŝŶƋƵĞŶƚĂƐŽŵďƌĂƐ ĚĞ͘>͘:ĂŵĞƐ

͞ƐŝŶƋƵĞŶƚĂ^ŽŵďƌĂƐĚĞ'ƌĞLJĠŽƉƌŝŵĞŝƌŽůŝǀƌŽĚĂƚƌŝůŽŐŝĂƐŝŶƋƵĞŶƚĂ^ŽŵďƌĂƐ͕ ĂƚƌŝůŽŐŝĂŵĂŝƐǀĞŶĚŝĚĂĞŵƚŽĚŽŽŵƵŶĚŽ͕ƋƵĞƵůƚƌĂƉĂƐƐĂŵĞƐŵŽŽƐďĞƐƚƐĞůůĞƌƐ,ĂƌƌLJ WŽƩĞƌĞŽſĚŝŐŽĂsŝŶĐŝ͘ƐƚĞŽďƐĞƐƐŝǀŽĞŵƵŝƚŽĚŝƐĐƵƟĚŽƌŽŵĂŶĐĞĞƌſƟĐŽũĄĨŽŝƉƵďůŝĐĂĚŽĞŵϮϬϭϭĞĂĞůĞƐĞƐĞŐƵŝƌĂŵŽƐǀŽůƵŵĞƐ͞ƐŝŶƋƵĞŶƚĂ^ŽŵďƌĂƐDĂŝƐEĞŐƌĂƐ͟ Ğ͞ƐŝŶƋƵĞŶƚĂ^ŽŵďƌĂƐ>ŝǀƌĞ͟;EŽǀĞŵďƌŽϮϬϭϮͿ͘͟

DĂĚƌƵŐĂĚĂƐƵũĂ

WġĚĞƉĂŝ

ĚĞDŝŐƵĞů^ŽƵƐĂdĂǀĂƌĞƐ

ĚĞ/ƐĂďĞůDŝŶŚſƐDĂƌƟŶƐ

͞ĂŐŽƌĂ͕ĚĞǀŽůƚĂăŵŝŶŚĂĂůĚĞŝĂ͕ŽŶĚĞĂůƵnjĞůĠĐƚƌŝĐĂĐŚĞŐĂƌĂƚĂƌĚĞĚĞŵĂŝƐ ƉĂƌĂŽƐŚŽŵĞŶƐ͕ŵĂĚƌƵŐĂĚĂĚĞŶƚƌŽ͕ĞƵůŝĂŽ'ƵĞƌƌĂĞWĂnj͘EƵŵĂĂůĚĞŝĂ ŵŽƌƚĂ͕ŶƵŵĂŶŽŝƚĞĚĞƐĞƌƚĂ͕ƐĞŐƵŝĂ͕ĐŽŵŽƐĞĞƐƟǀĞƐƐĞĂǀĞƌ͕ŽĞƐƉůĞŶĚŽƌ ĚŽƐƐĂůƁĞƐĚĞďĂŝůĞĚŽ/ŵƉĠƌŝŽZƵƐƐŽ͕ĂŝŵĞŶƐŝĚĆŽĚĂƐĞƐƚĞƉĞƐŐĠůŝĚĂƐ͕ŽƐ ŐƌŝƚŽƐĚĞŚŽƌƌŽƌĚŽƐĞƐƚƌŽƉŝĂĚŽƐƉĞůŽĨŽŐŽĚŽƐĐĂŶŚƁĞƐĚĞEĂƉŽůĞĆŽŽŶĂƉĂƌƚĞ͕ĞĐŚĞŐĂǀĂͲŵĞŵĂŝƐĂŽĐĂůŽƌĚĂůĂƌĞŝƌĂƉĂƌĂŶĆŽƐĞŶƟƌĂƐŽůŝĚĆŽĚĂƐ ƚƌŝŶĐŚĞŝƌĂƐĚĞůĂŵĂ͕ŚƷŵŝĚĂƐ͕ĨƌŝĂƐ͕ĚĞƐŽůĂĚĂƐ͕ŽŶĚĞƐĞĂďƌŝŐĂǀĂŽĞdžĠƌĐŝƚŽ ĚĞ<ƵƚƷƐŽǀ͘͟

>ĞƌнWůĂŶŽEĂĐŝŽŶĂůĚĞ>ĞŝƚƵƌĂ ͞hŵƉĂŝĠĐĂƉĂnjĚĞƐĞƚƌĂŶƐĨŽƌŵĂƌŶĂƐĐŽŝƐĂƐŵĂŝƐŝŶĐƌşǀĞŝƐ͗ŶƵŵƚƌĂĐƚŽƌ͕ŶƵŵĞƐĐĂĚŽƚĞ͕ŶƵŵĐŽůĐŚĆŽŽƵŶƵŵĞƐĨƌĞŐĆŽ͘͘͘hŵůŝǀƌŽƋƵĞŽůŚĂ ĚĞ ƉĞƌƚŽ Ă ƌĞůĂĕĆŽ ĚĞ ĐƵŵƉůŝĐŝĚĂĚĞ ĞŶƚƌĞ ƉĂŝ Ğ ĮůŚŽ͘  ƋƵĞ ĐŽŶǀŝĚĂ ĮůŚŽƐĞƉĂŝƐĂĚĞƐĐŽďƌŝƌĞŵͲƐĞũƵŶƚŽƐĂŽǀŝƌĂƌĚĞĐĂĚĂƉĄŐŝŶĂ͘͟

^ƵŐĞƐƚĆŽĚĞĮůŵĞ͙

ŐĂŝŽůĂĚŽƵƌĂĚĂ

25 de Abril

ĚĞZƵďĞŶůǀĞƐ

ĚĞŶĂDĂƌŝĂDĂŐĂůŚĆĞƐĞ/ƐĂďĞůůĕĂĚĂ

͞ƚǀŽŝůă͘͘͘hŵĂĨĂŵşůŝĂƉŽƌƚƵŐƵĞƐĂ͕ĐŽŵĐĞƌƚĞnjĂ͊DĂƌŝĂĞ:ŽƐĠZŝďĞŝƌŽǀŝǀĞŵŚĄϯϬĂŶŽƐŶƵŵƉĞƋƵĞŶŽƌĠƐͲĚŽͲĐŚĆŽĚĞƵŵďĞůŽĞĚŝİĐŝŽĞŵWĂƌŝƐ͘K ĐĂƐĂůĚĞĞŵŝŐƌĂŶƚĞƐƉŽƌƚƵŐƵĞƐĞƐĞƐƚĄƚĆŽďĞŵŝŶƚĞŐƌĂĚŽŶĂǀŝĚĂƋƵŽƟĚŝĂŶĂĚŽďĂŝƌƌŽƋƵĞ͕ƋƵĂŶĚŽŚĞƌĚĂŵƵŵĂĐĂƐĂĞŵWŽƌƚƵŐĂůĞǀġŵƌĞƵŶŝĚĂƐ ĂƐĐŽŶĚŝĕƁĞƐƉĂƌĂƌĞŐƌĞƐƐĂƌ͕ŶŝŶŐƵĠŵŽƐƋƵĞƌĚĞŝdžĂƌƉĂƌƟƌ͘^ĞƌĄƋƵĞĂƐƵĂ ĨĂŵşůŝĂ͕ǀŝnjŝŶŚŽƐĞƉĂƚƌƁĞƐƐĆŽĐĂƉĂnjĞƐĚĞŽƐĐŽŶǀĞŶĐĞƌĂĮĐĂƌ͍KƵƐĞƌĄƋƵĞ ĞůĞƐǀĆŽƌĞĂůŵĞŶƚĞĂďĂŶĚŽŶĂƌĂƐƵĂƉƌĞĐŝŽƐĂŐĂŝŽůĂĚŽƵƌĂĚĂ͍͟ ͞Z/Z͕,KZZ͘͘͘W>h/ZWKZD/^͊͟

>ĞƌнWůĂŶŽEĂĐŝŽŶĂůĚĞ>ĞŝƚƵƌĂ ͞EĂ ŵĂĚƌƵŐĂĚĂ ĚŽ ĚŝĂ Ϯϱ ĚĞ ďƌŝů ĚĞ ϭϵϳϰ͕ ĞƐƚĂůŽƵ ƵŵĂ ƌĞǀŽůƵĕĆŽ ƋƵĞĚĞƌƌƵďŽƵŽŐŽǀĞƌŶŽ͕ĐŽŵŽŽďũĞƟǀŽĚĞŝŵƉůĂŶƚĂƌĂĚĞŵŽĐƌĂĐŝĂ͘ ƐƚĂĚĂƚĂƌĞƉƌĞƐĞŶƚŽƵƵŵĂǀŝƌĂŐĞŵĚĞĐŝƐŝǀĂŶĂŚŝƐƚſƌŝĂĚĞWŽƌƚƵŐĂůĞ ĂďƌŝƵĐĂŵŝŶŚŽĂŵƵĚĂŶĕĂƐŵƵŝƚŽƉƌŽĨƵŶĚĂƐŶĂǀŝĚĂĚŽƐƉŽƌƚƵŐƵĞƐĞƐ͘͟

WĂƌĂŵĂŝƐŝŶĨŽƌŵĂĕƁĞƐĐŽŶƚĂĐƚĞ͗ ŝďůŝŽƚĞĐĂĚĞsŝĂŶĂĚŽůĞŶƚĞũŽ ZƵĂąŶĚŝĚŽĚŽƐZĞŝƐ͕ϭϯϳϬϵϬͲϮϯϴsŝĂŶĂĚŽůĞŶƚĞũŽ dĞů͗͘ϮϲϲϵϯϬϬϭϭͮ,ŽƌĄƌŝŽϵŚϯϬͲϭϮŚϯϬͮϭϰŚϯϬͲϭϴŚϯϬ

ŝďůŝŽƚĞĐĂĚĞůĐĄĕŽǀĂƐ ǀ͘ůĞdžĂŶĚƌĞ,ĞƌĐƵůĂŶŽ͕ϭϳϬϵϬͲϬϭϰůĐĄĕŽǀĂƐ dĞů͗͘ϮϲϲϵϰϴϭϭϮͮ,ŽƌĄƌŝŽϵŚϬϬͲϭϮŚϯϬͮϭϰŚϬϬͲϭϳŚϯϬ

^ĞƌǀŝĕŽƐŝƐƉŽŶşǀĞŝƐ͗ ͲŵƉƌĠƐƟŵŽĚĞůŝǀƌŽƐ͕ũŽƌŶĂŝƐ͕ƌĞǀŝƐƚĂƐ͕sĞs,^ Ͳ&ŽƚŽĐſƉŝĂƐͮ/ŵƉƌĞƐƐƁĞƐͮŝŐŝƚĂůŝnjĂĕƁĞƐͮĐĞƐƐŽă/ŶƚĞƌŶĞƚ ͲƌƋƵŝǀŽ,ŝƐƚſƌŝĐŽDƵŶŝĐŝƉĂů;/ŶǀĞŶƚĄƌŝŽĞŵŚƩƉ͗ͬͬďŝďůŝŽƚĞĐĂ͘ĐŵͲǀŝĂŶĂĚŽĂůĞŶƚĞũŽ͘ƉƚͿ ͲĂŶĐŽĚĞDĂŶƵĂŝƐƐĐŽůĂƌĞƐʹD;ŚƩƉ͗ͬͬďŝďůŝŽƚĞĐĂ͘ĐŵͲǀŝĂŶĂĚŽĂůĞŶƚĞũŽ͘ƉƚͿ

ŝďůŝŽƚĞĐĂĚĞŐƵŝĂƌ ZƵĂ'ĞƌĂůĚŽĂƌĂǀĞůĂϳϬϵϬŐƵŝĂƌ dĞů͗͘ϮϲϲϵϯϵϭϬϲͮ,ŽƌĄƌŝŽϭϯŚϬϬͲϭϵŚϬϬ

WĂƌĐĞƌŝĂƐ͗ ͲWƌŽũĞƚŽ͞>ĞŝƚƵƌĂƐă>ĂƌĞŝƌĂ͖͟ ͲWƌŽŵŽĕĆŽŝďůŝŽƚĞĐĂƐĐŽůĂƌ͖ ͲhŶŝǀĞƌƐŝĚĂĚĞ^ĠŶŝŽƌdƷůŝŽƐƉĂŶĐĂͬƐĐŽůĂWŽƉƵůĂƌĚĂhŶŝǀĞƌƐŝĚĂĚĞĚĞǀŽƌĂͲWŽůŽĚĞsŝĂŶĂĚŽůĞŶƚĞũŽ

ZĞĐĞďĂŽďŽůĞƟŵŵƵŶŝĐŝƉĂůŶŽƐĞƵĞͲŵĂŝů͕ ĞŶǀŝĂŶĚŽƵŵĂŵĞŶƐĂŐĞŵĐŽŵĂƐƵĂŝĚĞŶƟĮĐĂĕĆŽƉĂƌĂ͗ ŐĂďŝŶĞƚĞ͘ĐŽŵƵŶŝĐĂĐĂŽΛĐŵͲǀŝĂŶĂĚŽĂůĞŶƚĞũŽ͘Ɖƚ

ĞƐƚĂƋƵĞĂƋƵŝĞůĞǀĞĐŽŶƐŝŐŽ

sĞũĂĞĚĞƐĐĂƌƌĞŐƵĞŽďŽůĞƟŵŵƵŶŝĐŝƉĂůĞĂĂŐĞŶĚĂĞŵ͗ ǁǁǁ͘ĐŵͲǀŝĂŶĂĚŽĂůĞŶƚĞũŽ͘ƉƚͮWƵďůŝĐĂĕƁĞƐ


ŝŶĨŽƌŵĂĕƁĞƐƷƚĞŝƐ

ŽŶǀŝƚĞăƐĞŵƉƌĞƐĂƐ 17 Empresas do concelho juntaram-se à Câmara Municipal de Viana do Alentejo na concessão de descontos e vantagens na aquisição de serviços/produtos aos portadores do Cartão do ,GRVR2VGHVFRQWRVGHTXHRVLGRVRVEHQHoFLDPHPY¢ULRVEHQVHVHUYL¨RVYDULDPHQWUHRV 5% e os 50%, desde a saúde à alimentação, passando pela estética e materiais de construção, HQWUHRXWURV8PDDMXGDLPSRUWDQWHSDUDID]HUIDFH£VGLoFXOGDGHVFRPTXHYLYHPRVLGRVRV Convidamos as empresas do nosso concelho que ainda não aderiram a esta parceria, a juntarse a esta iniciativa em prol dos nossos seniores.

Comunique avarias ou anomalias na Iluminação Pública

Ligue 800 911 911 Ou aceda a: www.edp.pt/pt/particulares/apoioaocliente/faleconnosco/ Pages/FormularioReclamacaoAvariaIluminacao.aspx

Colabore!

Para avarias em casa deverá contactar 800 506 506 (24h FKDPDGDJU¢WLV HLQGLFDURF²GLJRGHLGHQWLoFD¨¦RGRORcal, indicado na fatura de eletricidade


ŝŶĨŽƌŵĂĕƁĞƐƷƚĞŝƐ

AVISOS Leituras do Contador de Água

Atualização de moradas

Segundo o Regulamento Municipal de Abastecimento Público de Água de Viana do Alentejo, os utilizadores do serviço de águas que tenham o contador localizado no interior dos edifícios devem permitir o acesso ao contador com a periodicidade mensal, de forma a ser realizada a leitura. Quando, por indisponibilidade do utilizador, for impossível por 2 vezes o acesso ao contador, o munícipe deverá facultar a leitura, de forma a não ocorrer suspensão do serviço. A leitura deverá ser fornecida através do telefone 266 930 010 ou pessoalmente nos Balcões Municipais de Viana do Alentejo ou Alcáçovas. Sendo que o município deve realizar 2 leituras reais do contador por ano de forma a poder estimar o consumo para os meses em que não for possível realizar a leitura. Colabore! Permita o acesso ao contador ou forneça a leitura!

Avisam-se os residentes nos arruamentos objeto da atribuição de topónimos e/ ou de novos n.ºs de polícia, na sequência da deliberação da Assembleia Municipal de Viana do Alentejo tomada na sessão ordinária de 21 de novembro de 2012, para a necessidade de atualizarem as suas moradas junto das várias entidades/empresas com as quais se relacionam (instituições bancárias, seguradoras, serviços médicos, fornecedores, etc.), atendendo que os CTT não garantem a distribuição da correspondência para as moradas desatualizadas a partir do próximo dia 31 de agosto.


ŝŶĨŽƌŵĂĕĆŽŽŶůŝŶĞ

ĐŽŶƚĂĐƚŽƐƷƚĞŝƐ 7

243

ƚŽƐ ŐŽƐ

Câmara Municipal de Viana do Alentejo ZƵĂƌŝƚŽĂŵĂĐŚŽ͕ϭϯ ϳϬϵϬͲϮϯϳsŝĂŶĂĚŽůĞŶƚĞũŽ ƚĞů͘ϮϲϲϵϯϬϬϭϬĨĂdž͘ϮϲϲϵϯϬϬϭϵ ĐĂŵĂƌĂΛĐŵͲǀŝĂŶĂĚŽĂůĞŶƚĞũŽ͘Ɖƚ 'ĂďŝŶĞƚĞĚĞƉŽŝŽăsĞƌĞĂĕĆŽ ŐĂǀĞƌΛĐŵͲǀŝĂŶĂĚŽĂůĞŶƚĞũŽ͘Ɖƚ ŝǀŝƐĆŽĚĞĚŵŝŶŝƐƚƌĂĕĆŽhƌďĂŶşƐƟĐĂĞWƌŽĐĞƐƐƵĂů ĚĂƵƌďΛĐŵͲǀŝĂŶĂĚŽĂůĞŶƚĞũŽ͘Ɖƚ ŝǀŝƐĆŽĚĞ'ĞƐƚĆŽĚĞZĞĐƵƌƐŽƐ ĚĂĮŶΛĐŵͲǀŝĂŶĂĚŽĂůĞŶƚĞũŽ͘Ɖƚ ĐŽŵƉƌĂƐΛĐŵͲǀŝĂŶĂĚŽĂůĞŶƚĞũŽ͘Ɖƚ ŝǀŝƐĆŽĚĞĞƐĞŶǀŽůǀŝŵĞŶƚŽ^ŽĐŝĂůĞ,ƵŵĂŶŽ ĚĂƐĞĚƵΛĐŵͲǀŝĂŶĂĚŽĂůĞŶƚĞũŽ͘Ɖƚ 'ĂďŝŶĞƚĞĚĞƉŽŝŽĂŽĞƐĞŶǀŽůǀŝŵĞŶƚŽĐŽŶſŵŝĐŽ ŐĂĚĞĐŽŶΛĐŵͲǀŝĂŶĂĚŽĂůĞŶƚĞũŽ͘Ɖƚ ĞůĞŐĂĕĆŽĚĂąŵĂƌĂĞŵůĐĄĕŽǀĂƐͮϮϲϲϵϱϰϱϮϮ :ƵŶƚĂĚĞ&ƌĞŐƵĞƐŝĂĚĞŐƵŝĂƌͮϮϲϲϵϯϬϴϲϯ

^ŝŐĂͲŶŽƐĞŵ͗ǁǁǁ͘ĨĂĐĞŬ͘ĐŽŵͬŵƵŶŝĐŝƉŝŽǀŝĂŶĂĚŽĂůĞŶƚĞũŽ

:ƵŶƚĂĚĞ&ƌĞŐƵĞƐŝĂĚĞůĐĄĕŽǀĂƐͮϮϲϲϵϱϰϭϴϭ :ƵŶƚĂĚĞ&ƌĞŐƵĞƐŝĂĚĞsŝĂŶĂĚŽůĞŶƚĞũŽͮϮϲϲϵϱϯϯϭϳ ƐƚĂůĞŝƌŽͮϮϲϲϵϯϬϬϭϳͬϴ ^ĞƌǀŝĕŽĚĞŐƵĂƐͮϵϲϳϵϳϵϳϭϭ;ϴŚͬϮϮŚͿ ŝŶĞƚĞĂƚƌŽsŝĂŶĞŶƐĞͮϮϲϲϳϵϭϬϬϳ WŽƐƚŽĚĞdƵƌŝƐŵŽĚĞsŝĂŶĂĚŽůĞŶƚĞũŽͮϮϲϲϵϯϬϬϭϮ WŽƐƚŽĚĞdƵƌŝƐŵŽĞŝďůŝŽƚĞĐĂĚĞůĐĄĕŽǀĂƐͮϮϲϲϵϰϴϭϭϮ ŝďůŝŽƚĞĐĂĚĞsŝĂŶĂĚŽůĞŶƚĞũŽͮϮϲϲϵϯϬϬϭϭ ŝďůŝŽƚĞĐĂĚĞŐƵŝĂƌͮϮϲϲϵϯϵϭϬϲ WŝƐĐŝŶĂƐDƵŶŝĐŝƉĂŝƐĚĞsŝĂŶĂĚŽůĞŶƚĞũŽͮϮϲϲϵϯϬϬϭϰ WŝƐĐŝŶĂƐDƵŶŝĐŝƉĂŝƐĚĞůĐĄĕŽǀĂƐͮϵϲϭϯϳϭϵϲϳ WĂǀŝůŚĆŽ'ŝŵŶŽĚĞƐƉŽƌƟǀŽĚĞsŝĂŶĂͮϮϲϲϵϯϬϬϭϱ

^ŝŐĂͲŶŽƐĞŵ͗ ǁǁǁ͘ĨĂĐĞŬ͘ĐŽŵͬZŽŵĂƌŝĂĂǀĂůŽDŽŝƚĂsŝĂŶĂŽůĞŶƚĞũŽ

KĮĐŝŶĂďĞƌƚĂͮϮϲϲϳϵϭϬϬϳ >ŝŶŚĂĚĞWƌŽƚĞĕĆŽă&ůŽƌĞƐƚĂͮϭϭϳ >ŝŶŚĂĚĞ^ĂƷĚĞWƷďůŝĐĂͮϴϬϴϮϭϭϯϭϭ

117 ǀşĚĞ

ŽƐ

46 8 7 7 ĞƐ

ĂĕƁ Ăůŝnj

ǀŝƐƵ

Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários de Viana do ůĞŶƚĞũŽͮϮϲϲϵϱϯϭϮϯ ĞŶƚƌŽĚĞ^ĂƷĚĞĚĞsŝĂŶĂĚŽůĞŶƚĞũŽͮϮϲϲϵϯϬϬϲϬ džƚĞŶƐĆŽĚĞ^ĂƷĚĞĚĞŐƵŝĂƌͮϮϲϲϳϵϭϮϳϴ džƚĞŶƐĆŽĚĞ^ĂƷĚĞĚĞůĐĄĕŽǀĂƐͮϮϲϲϵϰϵϬϰϱ 'ƵĂƌĚĂEĂĐŝŽŶĂůZĞƉƵďůŝĐĂŶĂůĐĄĕŽǀĂƐͮϮϲϲϵϱϰϭϭϴ 'ƵĂƌĚĂEĂĐŝŽŶĂůZĞƉƵďůŝĐĂŶĂsŝĂŶĂĚŽůĞŶƚĞũŽͮϮϲϲϵϱϯϭϮϲ ŽŵŝƐƐĆŽĚĞWƌŽƚĞĕĆŽĚĞƌŝĂŶĕĂƐĞ:ŽǀĞŶƐĚĞsŝĂŶĂĚŽůĞŶƚĞũŽͮ Ϯϲϲϳϵϭϰϭϭ ŽƌƌĞŝŽƐĚĞWŽƌƚƵŐĂůsŝĂŶĂĚŽůĞŶƚĞũŽͮϮϲϲϵϯϵϬϬϬ ŽƌƌĞŝŽƐĚĞWŽƌƚƵŐĂůůĐĄĕŽǀĂƐͮϮϲϲϵϰϵϭϱϮ ^ĞƌǀŝĕŽĚĞ&ŝŶĂŶĕĂƐĚĞsŝĂŶĂĚŽůĞŶƚĞũŽͮϮϲϲϵϱϯϭϰϲ ŽŶƐĞƌǀĂƚſƌŝĂƐĞĂƌƚſƌŝŽEŽƚĂƌŝĂůĚĞsŝĂŶĂĚŽůĞŶƚĞũŽͮ ϮϲϲϵϯϬϬϰϬ

^ŝŐĂͲŶŽƐĞŵ͗ǁǁǁ͘LJŽƵƚƵďĞ͘ĐŽŵͬǀŝĂŶĂĐŽŶĐĞůŚŽ


Os nossos produtos

Favas com Chouriço - Restaurante O Rotunda - Viana do Alentejo

Os nossos eventos

Dobrada - Restaurante Sporting de Viana - Viana do Alentejo

Viana em Festa

19 a 25 | setembro | 2014

Feira Dâ&#x20AC;&#x2122;Aires

26 a 29 | setembro | 2014

Profile for Municipio de Viana do Alentejo Viana do Alentejo

Boletim julho 2014  

Boletim Municipio Viana do Alentejo julho 2014

Boletim julho 2014  

Boletim Municipio Viana do Alentejo julho 2014

Profile for 67482
Advertisement