Issuu on Google+

ENTREVISTA

PEQUENA ÁREA

PAPO CULTURAL

Wagner Lopes lança livros infantis inspirado na Ilha Página 5

EDILSON SILVA

Quem vai ser o melhor da Copa? Página 3

Jornal do Bairro

www.jbilha.com.br

facebook.com/jbilha

Louise D’Tuani, a Lívia de “Em Família” Página 11 Número 5 - de 15 a 31 de Maio de 2014

e-mail: redacao@jbilha.com.br

R$ 0,75

Falta de empolgação com a Copa Sem decoração verde e amarela, ruas da Ilha do Governador refletem o desânimo nacional com o Mundial. Página 3

Polêmica. Moradores da Vila Joaniza querem de volta o seu direito de ir e vir. Página 4 Especial

Cotidiano

Comerciantes falam sobre o dia a dia da Feirinha da Colina, o comércio popular mais famoso do bairro. Página 6

Prefeitura acelera obras do BRT para inauguração em 1º de junho. Moradores do Galeão falam sobre o assunto. Página 12


2 SINTONIA ABERTA Click do Leitor

Jornal JB ILHA – Número 5 – Maio 2014

Opinião

Buracos da Cedae

Pensando em projetos

Moradora do Jardim Guanabara, a leitora Marcelle Domingues escreveu ao JB Ilha para reclamar dos buracos deixados por obras da Cedae em várias ruas do bairro. “Sabemos que as obras irão trazer benefícios futuramente. O problema é que não somos informados de nada. Eles chegam, esburacam as ruas, não nos dão satisfação, vão embora e fica tudo por isso mesmo. Andar de carro pelas ruas do Jardim Guanabara é um verdadeiro rally. Se a Cedae é a responsável por tapar os buracos eu não sei, mas foi a responsável por abri-los e, sendo assim, deveria cobrar do órgão competente uma providência”.

Em apenas cinco edições, o JB ILHA já está sendo muito bem recebido pelos empresários insulanos. Crescer não é tarefa fácil e exige estratégias para não cairmos nas armadilhas do mercado. Pensando nisso, nossa linha editorial visa sempre respeitar os nossos clientes, valorizando espaço, visibilidade e posicionamento. Nosso departamento comercial disponibiliza um consultor em marketing para projetos diferenciados. Tudo isso porque não queremos ser mais uma publicação na Ilha, queremos ser

parceiros nas estratégias da sua empresa. Nossa linha editorial também tende a valorizar uma diagramação moderna, atuante, priorizando sempre a qualidade gráfica. Confira nas nossas edições anteriores a preocupação que tanto a redação quanto a produção gráfica têm com este setor. O JB ILHA chegou para ficar! E queremos conquistar uma fatia ainda maior do mercado de um dos bairros mais tradicionais do Rio de Janeiro. Boa leitura!

Sugestões de pauta: redacao@jbilha.com.br.

Funcionários da Cedae trabalham na Rua Aberema

Na Rua Marino da Costa restaram as placas e o asfalto destruído

Ganhando terreno Luciane dos Santos Furtado, 24 anos, funcionária da Alvorada Pet Shop, localizada no hipermercado Extra Bon Marché, diz estar gostando do jornal, pois traz informações do bairro e assuntos diversos. “O jornal nos informa do que está acontecendo na Ilha, mas de uma maneira leve”, declara.

Luciana, da Alvorada Pet Shop

Expediente Jornal de Bairro

Visite o site www.jbilha.com.br

O Jornal JB ILHA é uma publicação da Edição 1 Comunicação e Serviços Ltda. Gerente Editorial: Mauricio S Lima (MT.20.776) Jornalista Responsável: Ana Cristina Soares (MTB: JP21046/RJ) Estágiaria de Jornalismo: Juliana Santos Projeto Gráfico e Diagramação: Bianca Santiago e Virgílio Pinheiro Fotografia: Equipe Edição 1 Comunicação Tiragem: 15 mil exemplares Site: www.jbilha.com.br . E-mail: redacao@jbilha.com.br Redação: 2462-1933 / Departamento comercial: 3353-0450


ESPORTE EM FOCO 3

Jornal JB ILHA – Número 5 – Maio 2014

PEQUENA ÁREA

EDILSON SILVA Jornalista, apresentador do Balanço Esportivo CNT e locutor esportivo. pequenaarea@jbilha.com.br

Quem vai ser o melhor da Copa? Os candidatos são muitos, talvez essa seja a Copa com mais estrelas e grandes seleções reunidas. Vou revelar os meus favoritos, começando pelo atual melhor jogador do mundo: Cristiano Ronaldo. O português vem com fome de bola para o Brasil, na tentativa de buscar o primeiro título mundial para o seu país. Se a taça vai para Portugal, isso nós não sabemos.

argentina pode completar um centenário sem títulos. O francês Ribery também tem tudo para desequilibrar no Mundial. A França não traz boas lembranças para nós brasileiros em Copas do Mundo e, se puderem ficar pelo meio da competição, sem cruzar com o Brasil, melhor ainda. Nossas eliminações mais traumáticas foram contra os franceses! O craque do Bayern de Munique é um forte candidato ao título de melhor da Copa. A França teve dificuldades para se classificar, mas é uma seleção que pode surpreender na Copa do Mundo. Muitos outros nomes estão correndo por fora para conquistar o premio de melhor do mundo: Suárez, Rooney, Cavani, Schweinsteiger, Robben, Falcão Garcia, Balotelli e Andres Iniesta são alguns dos gênios que estarão no Brasil. E falando em Brasil, não podemos esquecer do nosso craque Neymar. Se pudesse apostar todas as fichas em que será o nome do Mundial, eu apostaria nele. O jogador tem a enorme responsabilidade de conduzir a seleção canarinho ao título, jogando dentro de casa e evitando um novo maracanazo. Seu futebol rápido, seu arsenal de dribles e suas jogadas geniais são as maiores armas da seleção de Felipão para buscar o hexacampeonato mundial. Estamos com você, Neymar!

Vai ter Copa?

AFIADAS

Desânimo. Moradores da Ilha demonstram falta de entusiasmo com o Mundial

Não tem muito o que justificar. Acho que cada atleta tem que colocar a cabecinha no lugar, independente de qualquer coisa que esteja acontecendo, e saber que não pode ter certos tipos de comportamento.”

José Alves da Silva acredita que o Brasil conquistará o ‘hexa’

Em meio a passeatas e protestos a Copa do Mundo está batendo à nossa porta. Porém, diferentemente de mundiais anteriores, não há nenhuma manifestação de entusiasmo por parte dos torcedores, e nem aquele tradicional movimento de decoração das ruas em verde e amarelo. O JB Ilha percorreu as ruas do bairro para ouvir a opinião dos insulanos sobre o assunto, e todos foram unânimes em afirmar que são contra gastos excessivos com a Copa, enquanto o país padece da falta de infraestrutura. Vale ressaltar que não há uma rua decorada sequer. Vimos apenas manifestações isoladas, como

bandeirinhas do Brasil presas em motos e bicicletas. José Alves da Silva, auxiliar de serviços gerais da Avenida Sete, no Galeão, suspeita de que os brasileiros estão insatisfeitos por conta dos altos investimentos na recuperação e na criação de novos estádios, enquanto a saúde e a educação continuam precárias. “O povo quer mais infraestrutura, e o governo só se importou com a Copa. Isso mexeu com o entusiasmo”, explica. Morador da Ilha há 20 anos, ele se diz um torcedor fiel apesar de tudo, e acredita que o Brasil será campeão. “Essa é nossa, não pode deixar passar”, diz

Emerson Sheik, atacante do Botafogo

Ney Franco, novo treinador do Flamengo

Fred não convence nem os tricolores A única certeza é de que com o CR7 em campo, o show está garantido. Outro que quer fazer história é Lionel Messi. O craque argentino precisa ganhar uma Copa do Mundo, para se equiparar a Maradona dentro dos corações dos hermanos. Sempre contestado no seu país por não repetir com a camisa da seleção as atuações que tem pelo Barcelona, Messi é a esperança dos hermanos de voltar a conquistar uma Copa depois de 28 anos. Mas no que depender da torcida de nós brasileiros, a seleção

Leonardo não leva fé na seleção

Para Leonardo Silva dos Santos, morador da Freguesia há 42 anos, o motivo para o desânimo da população não é só pela insatisfação com os gastos com a Copa, mas também pela falta de credibilidade da Seleção Brasileira. “Já ajudei a pintar a minha rua em muitos mundiais, mas esse ano, particularmente, não levo fé na seleção. Nem no Fred!”, diz Leonardo, que é torcedor do Fluminense.

Tenho certeza de que a grande competição da temporada é o Campeonato Brasileiro. É uma equipe em condição de brigar pelo título. Não vai faltar entrega.”

Sair faz parte. A diretoria tem o direito de trocar o treinador. Mas não achei bonita a forma como isso foi feito, ninguém gostaria.”

Jayme de Almeida, ex-treinador do Flamengo, falando de sua demissão


4 NOTÍCIAS

Jornal JB ILHA – Número 5 – Maio 2014

No meio do caminho havia um muro... Polêmica. Moradores da Vila Joaniza querem de volta o seu direito de ir e vir Um muro construído há sete anos pela Aeronáutica vem causando transtornos aos moradores da Vila Joaniza, que se sentem prejudicados no seu direito de ir vir e exigem, agora, uma solução o mais rápido possível.

“Para chegar à Estrada do Galeão temos que dar uma volta desnecessária.” A.G., morador da comunidade - que, por medo de represálias, prefere não se identificar -, reclama da existência de um portão , que só é aberto no horário de en-

trada e saída da escola, para que as crianças possam passar. “Para chegar à Estrada do Galeão temos que dar uma volta desnecessária. Pelo caminho onde tem o muro levávamos 5 minutos, pelo outro levamos cerca de meia hora”, fala indignado o morador, lembrando que já havia residências na Vila Joaniza antes da construção da Vila Militar. A redação do JB Ilha entrou em contato com a Prefeitura de Aeronáutica do Galeão para pedir informações sobre o caso, mas até o fechamento dessa edição não obteve uma resposta. Deixamos à disposição um espaço no nosso próximo número para que a Aeronáutica se manifeste.

Morador que não quis se identificar reclama do portão que só é aberto no horário de entrada e saída da escola

Onda de protestos Insatisfação. Manifestações contra a Copa do Mundo chamam atenção da imprensa internacional Os protestos contra a Copa do Mundo que ocorreram em maio, em várias cidades brasileiras, ganharam repercussão internacional. O site do jornal espanhol El País trouxe uma reportagem afirmando que os protestos contra o Mundial se espalharam pelo Brasil. A publicação destaca que 50 cidades brasileiras convocaram manifestações e que, em São Paulo, os protestos foram impulsionados pelo Movimento dos

ENÉAS AMARAL Psicanalista, Teólogo e fundador da Escola Ponto Freudiano. nossodiva@jbilha.com.br

Como anda a sua autoestima?

Neste artigo eu gostaria de falar sobre autoestima. Uma

Trabalhadores Sem Teto (MTST), que reivindicam mais moradias. O jornal ressalta ainda o clima de tensão na cidade e que houve queima de pneus e interrupção de algumas avenidas. O site do jornal The New York Times publicou uma reportagem com o título “Onda de protestos contra o Governo começa no Brasil”, dizendo que pneus foram furados e avenidas bloqueadas em manifestações que tentam

chamar a atenção para os problemas de habitação e educação, a menos de um mês da Copa. O jornal norte-americano destaca que centenas de pessoas, que criticam os bilhões de reais gastos para sediar a competição, protestaram em São Paulo, perto do Itaquerão, um dos estádios construídos para o Mundial. Segundo a reportagem, as manifestações são um teste para o governo brasileiro mostrar habilidade em ga-

rantir a segurança durante a Copa do Mundo. Já o site da britânica BBC destacou que, apesar das mobilizações em 14 capitais do país e algumas ações de impacto, os protestos ficaram aquém do esperado pelos grupos envolvidos na convocação, que anunciavam a volta das grandes multidões de manifestantes às ruas, como em junho do ano passado. O jornal argentino El Clarín

também mostrou as manifestações em seis cidades brasileiras. Segundo a publicação, São Paulo, Rio de Janeiro, Belo Horizonte, Porto Alegre, Salvador e Fortaleza tiveram ruas bloqueadas por ativistas. O site do jornal informou que os manifestantes têm demandas diversas, mas em comum têm o fato de serem contrários aos gastos públicos com o Mundial. (Fonte: Agência Brasil)

das melhores definições sobre autoestima que já li diz o seguinte: autoestima é o sentimento de amor próprio que valoriza adequadamente os sentimentos, os pensamentos, a personalidade, os talentos, o corpo, as capacidades e limites próprios. Dentro dos padrões, que podemos entender como normais, uma autoestima adequada promove o respeito aos próprios sentimentos e um equilíbrio no nível de exigência em relação ao desempenho e aos erros. Sendo assim, a condi-

ção humana de “imperfeição” é admitida com naturalidade e, diante de um erro ou fracasso - que são encarados como possibilidades de aprimoramento e não como fracassos irremediáveis -, a pessoa recupera suas forças e continua a acreditar que vai alcançar suas metas e objetivos. O mundo é visto de forma positiva ou negativa, segundo aquilo que julgamos de nós mesmos. A autoaceitação – atitude de estar contente e satisfeito com a própria vida e iden-

tidade (o que realmente somos em qualquer lugar), uma autoestima positiva e realista e uma autoimagem positiva - é desenvolvida a partir da experiência de amor fundamental (afeição física, afirmação verbal e investimento pessoal) que tivemos na infância, através dos pais e de outras pessoas que admiramos. É importante verificarmos nosso nível de autoaceitação para identificarmos se estamos necessitando desenvolver nossa autoestima. É importante saber se estou satisfeito com

o meu rosto, meu corpo, minha personalidade, meus dons, minha vida espiritual, minha habilidade esportiva, intelectual, profissional, musical, meus pais, meu estado civil, minha família, meu trabalho, minha masculinidade ou feminilidade, minha vida sexual, meu passado, meus amigos, meu salário, minha casa, minha igreja etc. É importante nutrirmos uns aos outros de palavras e atitudes que desenvolvam a nossa própria autoestima e a dos nossos queridos.


ENTREVISTA 5

Jornal JB ILHA – Número 5 – Maio 2014

Descobrindo a Ilha do Governador Infantil. Bairro serve de inspiração para série do escritor Wagner Lopes Foi caminhando na orla e admirando o visual da Praia do Bananal que o escritor Wagner Lopes buscou inspiração para escrever o livro infantil “Pedra da Onça”, lançado em fevereiro desse ano pela Editora Abrindo Página. A história, uma ficção ambientada nos arredores desse ponto histórico do bairro, é apresentada em três línguas (português, inglês e espanhol) e faz parte da série Descobrindo a Ilha do Governador, que terá prosseguimento com o lançamento de mais dois títulos até o final desse ano: Praça do Avião e A barca. “Conto a história do índio Sol, um exímio caçador e pescador, que encontra uma onça machucada no meio da mata. Eles se tornam amigos e Sol dá à onça o nome de Pedra. A partir daí, desenvolvo todo o enredo. Os índios Araribóia, Moneró, Tauá, Jequiá e Cacuia também fazem parte desse rico imaginário infantil”, conta Wagner, acrescentando que já tem um projeto editorial para 2015. “Tenho um livro praticamente pronto, chamado ‘A Ilha Inteira’. É um poema ilustrado. Infelizmente ainda é muito difícil lançar um livro no Brasil, por isso estou fazendo tudo aos poucos”, revela.

Parcerias com as escolas

De acordo com Wagner, “Pedra da Onça” é considerado um livro didático bem estruturado de acordo com a pedagogia atual, que traz elementos históricos sobre a região. É uma obra com forte apelo à reflexão, que cativa a atenção, estimula e desperta a curiosidade, não só de crianças,

“O texto pode ser trabalhado também em salas de aula, narração de histórias e até em curso de idiomas, já que tem tradução para o inglês e o espanhol.” mas de adolescentes e até de adultos. “O texto pode ser trabalhado também em dramatizações, encenações nas escolas, salas de aula, narração de histórias e até em curso de idiomas, já que tem tradução para o inglês e o espanhol. O público jovem tem em suas mãos um livro divertido, edificante, educativo e gostoso de ler”, ressalta o autor, que diz estar aberto a parcerias com as escolas do bairro. Morador da Ilha há 15 anos, Wagner atua no ramo editorial desde 2008. Trabalhou na área de publicidade e venda de livros em feiras, jornadas científicas e simpósios ligados à área de educação até que, em 2010, decidiu abrir sua própria editora – Abrindo Página - que apoia, principalmente, autores independentes. “Foi depois de vivenciar a experiência com autores iniciantes, que tinham dificuldade em lançar livros, que fiquei motivado a investir na editora”, conta.

Pedra da Onça está à venda no site abrindopagina.com; nas papelarias Tia Berê, no Cocotá, e Bazar do Céu, na Rua Colina; e nas bancas de jornais dos supermercados Prezunic e Extra Bon Marché.

O autor deseja fazer parcerias com escolas públicas e particulares


6 ESPECIAL

Jornal JB ILHA – Número 5 – Maio 2014

Histórias da Feirinha Sucesso. Comerciantes falam sobre o dia a dia da feira popular mais famosa da Ilha do Governador Além de roupas e acessórios da moda, comidas gostosas e variadas e, principalmente, bons preços, a conhecida e movimentada Feirinha da Colina também serve de cenário para histórias de sucesso, como a do casal Sandra dos Santos, de 58 anos, e Vivaldo Lima, de 48. Ele, formado em química industrial, largou a profissão para apostar na ideia da esposa de montar um estande para vender roupas femininas na feirinha. E deu certo! Já estão no local há 10 anos, formaram uma clientela fiel e, com essa renda, já criaram duas filhas. “Eu sou costureira, comecei a trabalhar na feirinha apenas para ajudar na renda familiar e já consegui formar duas filhas com o dinheiro desse trabalho”, recorda Sandra. Outra história parecida é a de Maria Mendes, de 50 anos, e Resende, de 55, que vendem bijuterias. Maria conta que eles começaram a trabalhar juntos, como autônomos, para complementar a aposentadoria. Segundo ela, o objetivo foi alcançado. “O movimento já foi melhor. Talvez

Na moda

Vivaldo e Sandra já formaram duas filhas com a renda da feirinha

tenha diminuído um pouco por haver atualmente várias feiras em outros lugares, mas ainda dá para sobreviver se oferecermos um produto de qualidade, a um preço acessível para os clientes”, afirma a comerciante, que fabrica

Isabel e Carla fazem sucesso com os espetinhos

parte das peças que vende.

Atendimento

Carla Cristina Ferrão e Isabel Cristina Ferrão, de 54 anos, são as responsáveis pelos famosos e saborosos espetinhos – de salsichão, carne, linguiça e kafta - que são servidos na praça de alimentação da Feirinha da Colina. Trabalhando no local há mais de oito anos, elas acreditam que o movimento depende muito do clima. Se estiver calor, sempre fica mais cheio; mas se chover o movimento costuma cair. E qual o segredo do sucesso? “As pessoas preferem vir aqui pela agilidade no atendimento, pela qualidade da comida e por ser mais em conta. No shopping ou em restaurantes se paga mais caro, e o serviço costuma demorar mais. Ninguém gosta de perder tempo”, diz Carla, que tem 28 anos.

Caroline frequenta a feirinha toda semana em busca de novidades

Pessoas de ambos os sexos e de todas as idades costumam frequentar a Feirinha da Colina, que acontece todas as sextas e sábados, no Jardim Guanabara. Clientes fiéis, elas vão em busca de roupas, lingeries, bijuterias e acessórios diversos, além de uma diversidade de outros produtos da moda que, com qualidade e preços acessíveis, costumam suprir suas necessidades. Quem quiser fazer uma pausa para almoçar ou lanchar, tem à disposição estandes que oferecem, além do churrasquinho, comida japonesa, massas, doces caseiros, tapioca e sanduíches. Caroline Abreu, de 20 anos, é uma frequentadora assídua e, raramente, vai embora de mãos vazias. “Frequento a feirinha por ter roupas e acessórios da moda, com preços mais em conta”, diz a jovem.

Na torcida por Stefany

Os amigos e familiares da insulana Stefany Neves estão torcendo pela recuperação rápida da bailarina – uma das três brasileiras vítimas de uma queda de 12 metros, durante apresentação do circo “Barnun & Bailey Circus”, nos Estados Unidos -, que recebeu o convite da União da Ilha para defender as cores da escola no Carnaval de 2015.

Stefany, que tem 19 anos e sofreu fraturas nos dois tornorzelos, no fêmur e teve o fígado perfurado por uma costela, já passou por várias cirurgias. Serão pelos menos três meses de reabilitação.

Arraiá da ACM

Já está tudo pronto para o tradicional Arraiá da ACM Ilha, que vai acontecer no dia 7 de junho, das 16h à meia-noite. Sócios e não sócios estão convidados. Além das tradicionais barraquinhas com comidas e bebidas típicas, haverá brincadeiras e apresentação de quadrilhas. A ACM Ilha fica na Rua Maldonado, 55, Ribeira. O telefone para informações é 3396-3044.

Trânsito pesado no alto do Jardim

Para fugir do trânsito da Estrada do Galeão, muitos insulanos estão optando por passar pelas ruas residenciais do alto do Jardim Guanabara. Com isso, moradores reclamam que em vias antes tranquilas – como a Luiz Vahia Monteiro, Ituá e Dom Antonio de Macedo -, hoje há até engarrafamentos e acidentes, principalmente no horário de entrada e saída de algumas escolas.


ANTENAdOS 7

Jornal JB ILHA – Número 5 – Maio 2014

VOCÊ EM ALTA

TIAGO BRUNET Palestrante, professor da Escola de Empreendedorismo Multifocal e coach da Get Up Consultoria. Autor do livro “Rumo ao lugar desejado” tiago.brunet@jbilha.com.br

Poderoso é quem tem o título de eleitor Assim como a inteligência emocional e a educação financeira são matérias raras em nosso país, a educação política também é desconhecida por estes lados. Até as aulas de “educação moral e cívica” os “poderosos” retiraram de nossas escolas para não correrem o risco do povo progredir. Segundo pesquisas, 63% dos brasileiros não gostam e não entendem de política. O problema é que, goste você ou não, ela influencia diretamente na sua vida todos os dias. Para muitos, a política no Brasil é um jogo de rugby. Reúna seus amigos e os obrigue a ver um jogo desse esporte. Todos ficarão desinteressados olhando pra TV, afinal ninguém conhece as regras, ninguém sabe quando é gol ou ponto, quais são os melhores jogado-

res etc… mas no final da partida, seus amigos são obrigados a votar no melhor em campo. Que injustiça! Como fazer isso se ninguém entendeu o que se passava na partida? Se ninguém sabe quem era o melhor, e nem qual time fez as melhores jogadas? Repito: a política no Brasil, para a maioria das pessoas, é um jogo de rugby. Muitos assistem por obrigação às campanhas políticas e, no final, são obrigados a votar mesmo sem entender nada sobre as regras do jogo, sobre a qualidade dos competidores e das propostas de cada time (partido). A educação política deve se popularizar no Brasil para ser considerada um jogo de futebol. Aí, sim! Esse jogo todos conhecem. Até as mulheres que, em geral, não são especialistas no assunto, sabem votar nos melhores jogadores em campo. Ao futebol todos assistem com prazer, pois conhecem as regras, sabem quando é gol e quando é impedimento. Sabem quando o juiz errou ou quando o craque deu o “sangue” no jogo. Sem educação política, o país não conquista a tão sonhada ordem e progresso. Será que se este tema fosse mais discutido em salas de aulas, clubes e igrejas, teríamos um Brasil melhor? Aos “poderosos” não interessa a popularização deste assunto, afinal todos saberiam que poderoso mesmo é quem tem um título de eleitor.

Enem 2014 Universidade. Professora do Colégio Newton Braga recomenda uma revisão da matéria antes das provas O Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) será realizado nos dias 8 e 9 de novembro; a informação foi divulgada esse mês pelo Ministério da Educação. Para evitar qualquer tipo de fraude, ou cola por meios eletrônicos, o exame contará com detectores de metais portáteis. A previsão é de que 18 mil detectores sejam usados. O uso do aparelho foi informado no edital da prova. A taxa de inscrição é de R$35,00 e seu pagamento deve ser efetuado somente no Banco do Brasil, por meio da GRU Simples (Guia de Recolhimento da União). O valor pode ser pago até o dia 28 de maio, sob pena de não ser confirmada a inscrição.

Dica: começar pelas questões mais fáceis

Lúcia Varela, professora de

Aos que não fazem cursinho pré-vestibular e só estudam no colégio e em casa, ela sugere fazer uma revisão da matéria. “O grande problema do Enem é que as questões são sempre muito longas, o que acaba sendo cansativo para o candidato e pode prejudicá-los”, declara a professora. Por conta disso, segundo Lúcia, os alunos devem começar a fazer as provas pelas questões que considerem mais fáceis. “É uma maneira de não perderem tempo. Quando começam pelas questões mais fáceis, além de ganharem mais confiança, conseguem desenvolver o raciocínio com mais calma, e a chance de pontuarem é Lúcia Varela diz que seus alunos estão ansiosos maior”, conclui.

biologia do 3º ano do ensino médio do Colégio Brigadeiro Newton Braga, diz que está sentindo seus alunos muito ansiosos para as provas. “Eles estão preocupados, já que só têm essa chance para conseguir uma vaga nas universidades públicas”, diz .

Vagas na UFRJ Nível superior. Salário pode chegar a R$ 14.175,87 A Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) publicou os editais nº 104 e 105/2014 de testes seletivos para contratação de 16 profissionais para atuar nas mais diversas áreas do conhecimento. Os salários são de R$ 9.938,87 ou R$ 14.175,87 (de acordo com a vaga pretendida), por jornada de 40 horas semanais. As vagas de trabalho disponíveis são para Gerente de Qualidade, Pesquisador A-B nas áreas de Cromatografia e Espectrometria de Massas; Análise de Proteínas; e Citometria de Fluxo, Bioensaios e Parâmetros Hematológicos e Pesquisador B-C/ Cromatografia e Espectrometria de Massas. As inscrições estarão abertas de 13 de maio a 1º de junho de 2014, pelo site www.pr4.ufrj.br, mediante pagamento da taxa de R$ 100. Todos os participantes serão avaliados por análise de currículo e prova oral. A data de realização de cada uma dessas etapas será

informada no www.pr4.ufrj.br. Editais completos no Diário

As inscrições estão abertas até 1º de junho

Oficial da União de 5 de maio de 2014, a partir da página 75.


8

Jornal JB ILHA – Número 5 – Maio 2014


PANORAMA 9

Jornal JB ILHA – Número 5 – Maio 2014

BLOG DO JP

JORGE PEREIRA Empresário blogjp@jbilha.com.br

Bicicleta na favela

Lançado um Manual de Projetos e Programas para Incentivar o Uso de Bicicletas em Comunidades no Rio. Segundo estudos, 57% dos deslocamentos internos nas comunidades são feitos em bicicleta e a pé.

A publicação também apresenta dicas e soluções de transporte e desenho urbanístico para melhorar as condições desfavoráveis de algumas comunidades no uso da bicicleta. O trabalho foi desenvolvido pela organização não governamental (ONG) Embarq Brasil, em parceria com o Instituto dos Arquitetos do Brasil, e levou dois anos para ser concluído.

Que vergonha

A Operação Camisa 10 flagrou, neste mês, estabelecimentos que vendiam chope fora do prazo de validade.

Quase todos os restaurantes

“A dias da abertura da Copa do Mundo no Brasil, a presidente Dilma Rousseff tem demonstrado um tom mais otimista...” visitados apresentaram irregularidades e foram autuados. A fiscalização será intensificada durante a Copa do Mundo. Meu Deus! Até o chope carioca está precisando ser fiscalizado!!!!

Cobrança eleitoral

O novo presidente do Tribunal Superior Eleitoral, ministro Dias Toffolli, cobrou do Congresso a aprovação do projeto que estabelece o teto de gastos em campanhas eleitorais, antes do dia 10 de junho. A data é definida pela legislação eleitoral para que o limite, se aprovado, possa valer para as eleições de outubro.

Home care no SUS Assistência domiciliar. Médica da Ilha aposta na reformulação do modelo de saúde pública para atender às necessidades da população É notório que a prática de atenção domiciliar ou home care é possível no âmbito do SUS. A afirmação é da médica Martha Gisela Farias dos Santos. Para ela, apesar dos avanços conquistados com o SUS, como a construção das UPAs e das Clínicas da Família, o modelo assistencial ainda é centrado no hospital. “Daí a necessidade de reformulação do modelo de atenção à saúde para lidar de forma eficiente e eficaz com as necessidades da população”, diz. Estudos apontam que o aumento da expectativa de vida, associado às melhorias nas condições sociais (saneamento, educação, moradia) e à diminuição das taxas de natalidade, amplia os problemas e os desafios de políticas públicas de saúde adequadas. Nesse novo cenário, com o aumento da população idosa e, consequentemente, das doenças crônicas e degenerativas, aumentam também as necessidades de cuidados continuados e intensivos.

Menos risco de Infecção hospitalar

De acordo com Dra. Martha Gisela, um dos pilares da assistência domiciliar é a desospitalização.

Um tom mais otimista

A dias da abertura da Copa do Mundo no Brasil, a presidente Dilma Rousseff tem demonstrado um tom mais otimista, diferente do ministro da secretaria de Aviação Civil, Moreira Franco. Apesar de as estruturas aeroportuárias terem sido ampliadas com foco no evento esportivo, Dilma disse que “os investimentos vão ser bons para a Copa, mas serão muito mais importantes para atender o crescimento da demanda no Brasil”, disse. Todos nós estamos na torcida, até porque, será bem desagradável a experiência de sediar uma Copa sem atender, com qualidade, nossos visitantes.

“Proporciona rapidez no processo de alta hospitalar, evita as internações prolongadas e reinternações desnecessárias, diminui os riscos de infecção hospitalar, além de prestar suporte emocional para pacientes terminais e familiares”, explica, acrescentando

talares são ocupados por pacientes que realmente precisam dessa modalidade de atenção - associada a uma nova modalidade do cuidado -, em que os profissionais de saúde constroem sua relação com o sujeito que precisa de cuidados e não com o estabelecimento de

Com a assistência domiciliar, os profissionais de saúde constroem sua relação com o paciente

que não se trata de exclusão, e sim de garantir a continuidade da assistência de forma ampla, focando aspectos como prevenção, promoção e reabilitação. “Na verdade, a atenção domiciliar proporciona uma otimização de recursos, já que os leitos hospi-

saúde”, esclarece a médica. “Mas para que isso aconteça, é imperativo que vaidades pessoais sejam colocadas de lado em prol da construção de uma nova abordagem do cuidado, acabando com as lacunas na assistência à saúde”, conclui.

Ida ao Hemocentro Voluntários. Portuguesa organiza grupo para doar sangue A Associação Atlética Portuguesa convida todos os moradores da Ilha para um “Rolezinho no Hemocentro”, no dia 18 de junho, às 7h30, na Rua Rodolpho Paulo Rocco, 255, Cidade Universitária. Segundo os organizadores, está sendo negociado um transporte gratuito para levar todos os voluntários.

Dados preocupantes

Ninguém está livre de precisar de uma transfusão de sangue. Ninguém está livre de sofrer um acidente, de passar por uma cirurgia ou por um procedimento médico em que a transfusão seja

absolutamente indispensável. A preocupação é que os estoques de hemocentros de todo o País começaram a diminuir. Cerca de 300 mil brasileiros (1,8% da população) doam sangue todos os meses, mas em períodos de frio, chuvas e com a aproximação das férias há redução de 20% a 25% no número de doações. Em São Paulo, Rio de Janeiro e Rio Grande do Sul, a queda no número de doações chega a 40%.

Recomendações

Qualquer pessoa com peso acima de 50 quilos e idade entre 18 e 67 anos pode doar sangue. Jovens

com idades entre 16 e 17 anos também podem doar, desde que haja consentimento formal do responsável legal. Os doadores não podem estar em jejum e devem fazer um repouso mínimo de seis horas na noite anterior. Bebidas alcoólicas devem ser evitadas por 12 horas, alimentos gordurosos por três horas e cigarros por, pelo menos, duas horas antes da doação. Pessoas tatuadas podem doar, após passados 12 meses do procedimento. Lembre-se: no momento da doação é necessário apresentar documento com foto, válido em todo território nacional.


10 BEM-ESTAR

Mais Mulher

Jornal JB ILHA – Número 5 – Maio 2014

Evitando as dores de cabeça Alimentação. Enxaqueca pode ser agravada pelo que ingerimos

ENI PENICHE Psicóloga, coach e palestrante, pós-graduada em medicina psicossomática. www.psicologaenipeniche.com maismulher@jbilha.com.br

Meus Deus! Será que estou morrendo? Comum nos dias de hoje, a “síndrome do pânico” acomete, principalmente, mulheres na adolescência e no início da juventude, mas, pode ocorrer em qualquer idade ou sexo. Sendo um transtorno psicossomático, o estresse e a ansiedade são os principais causadores dessa síndrome. A partir da primeira crise, é comum o medo e a ansiedade antecipatória de ter outra parecida. A pessoa passa a ter medo de sentir medo e começa a restringir alguns locais ou situações que possam colocá -la novamente em pânico, é o que chamamos de fobia. Muitas vezes acontece quando a pessoa está numa situação de tranquilidade. De repente, vem uma sensação horrível de terror, vindo, aparentemente, do nada, e toma conta dela. O coração dispara, há sensação de sufocamento, tontura, tremores, as pernas ficam bambas e ela acha que vai morrer, ficar louca ou perder o controle. É muito comum a pessoa sair abruptamente do local e procurar ajuda num pronto-socorro. Aquiete seu coração e busque o tratamento correto com profissionais da área de saúde mental. Tenha fé! Acredite, você não vai morrer desse mal. Você precisa de paz espiritual, paciência e amor próprio para superar e tornar-se o melhor ser humano que nasceu pra ser!

A dor de cabeça intensa e latejante, que se inicia geralmente perto da região dos olhos e pode durar até vários dias, não tem causa definida. Mas pesquisas cada vez mais associam as crises ao estilo de vida: poucas horas de sono, estresse, obesidade, tabagismo e... alimentação! “A regra é simples: evitar os ingredientes que desencadeiam a crise e incrementar a dieta com aqueles que constituem uma alimentação saudável e balanceada”, diz a nutricionista Priscilla Kakitsuka. A única dificuldade é descobrir quais alimentos costumam desencadear as crises, porque isso varia. “A cafeína, por exemplo, é fundamental para evitar a enxaqueca em algumas pessoas. Já em outras, pode ser o fator que desencadeia a dor”, diz. A dica é começar a anotar tudo o que consumiu e depois montar sua própria lista. Ficar de olho ao que se come é um grande passo para evitar esse mal.

O que devemos comer

. Cenoura, gengibre, maçã e kiwi - Alimentos antioxidantes que ajudam no bloqueio da síntese de prostaglandinas (substâncias responsáveis pelos processos inflamatórios). . Arroz, frutas, noz, queijos, iogurte, verduras, pães integrais, grãos e cereais, leite desnatado e carnes e peixes magros - Propor-

cionam bem-estar, porque são fontes de carboidratos e triptofano, que estimulam a liberação de serotonina. . Peixes de água fria, como salmão e sardinha - São ricos em ômega-3, substância que ajuda a evitar inflamações que provocam dores. . Castanha-do-pará e amêndoa - Ricas em selênio, atuam no sistema nervoso central e ajudam a diminuir a intensidade das crises. . Ovo, espinafre, escarola, agrião, couve - Alimentos ricos em vitaminas do complexo B, que são antioxidantes e favorecem as funções cerebrais. . Aveia, feijão, batata, ervilha, sementes e tomate - Possuem magnésio, substância que costuma faltar no organismo de quem tem enxaqueca. (Fonte: mdemu-

lher)

Crises de enxaqueca estão associadas ao estilo de vida

Alimentos que podem desencadear a crise

. Temperos, macarrão instantâneo, caldos prontos, salgadinhos, bolachas salgadas, sopas prontas, shoyu e molho inglês - Têm glutamato monossódico, ativador da enxaqueca em pessoas sensíveis ao componente. . Embutidos e produtos defumados, como presunto, salame, salsicha, linguiça e patês industrializados Têm alta concentração de nitrito e nitrato, considerados toxinas pelo organismo, o que provoca dor. . Refrigerantes, gelatinas, sorvetes e balas em versão diet - Feitos com aspartame, um tipo de adoçante que provoca enxaqueca. . Café, chá preto e refrigerantes à base de cola - É bom evitar se o seu organismo for sensível à cafeína. . Vinho tinto e amendoim - Com teobromina, amina e tiramina, eles estimulam o sistema nervoso central e podem causar a dor de cabeça em pessoas sensíveis a esses componentes. . Frango - Por causa dos métodos de criação da maioria das aves, a carne contém muito hormônio e antibióticos - um mix cruel para pessoas sensíveis.


CULTURA 11

Jornal JB ILHA – Número 5 – Maio 2014

LIVRO ABERTO

GEORGE PEREIRA Professor em artes cênicas e crítico cultural, bacharel em cinema e tv e pós-graduado em gestão. livroaberto@jbilha.com.br

Incentivo para todos As leis de incentivo ajudaram a potencializar os nossos talentos nacionais. Os grandes investimentos e as grandes produções possibilitaram que nossos filmes e espetáculos começassem a brigar em igualdade com grandes centros culturais do mundo; mas esse investimento é pra poucos e isso me preocupa. A base da política pública cultural no Brasil são as lei de incentivo fiscal. Tem federal, estadual e municipal, e cada uma renuncia uma parte do imposto que lhe

Expressão da alma

cabe, para que o pagador de impostos invista diretamente em projetos culturais. A lei mais utilizada deste cenário todo é a “Lei Rouanet”. A grosso modo, este incentivo é interessante, porém, o mercado tem deturpado o apoio. Primeiramente, a Constituição Brasileira estabelece que a cultura é um dever do Estado, do qual o Governo vem se afastando, sem sofrer nenhuma sanção legal, pois transfere para a iniciativa privada a responsabilidade de investimento. O que venho cobrar aqui é uma participação maior do Estado na produção e

difusão cultural, para que o apoio financeiro não fique na mão de empresários. Outra questão muito contraditória é o valor dos ingressos. Grandes espetáculos arrecadam milhões em incentivos e renúncias fiscais, valores suficientes para bancar todos os profissionais envolvidos. Mesmo assim, são cobrados valores acima de R$ 80 nos ingressos. O governo não pode permitir isso! Chegamos ao absurdo de bancar a vinda do “Cirque du Soleil” ao Brasil, gastando cerca de R$ 9 milhões dos cofres públicos, para que estrangeiros cobrassem de nós

ingressos de até R$ 380. Não podemos ter nossa cultura refém do pensamento do departamento de marketing das grandes empresas, que busca o que lhe convém: visibilidade e retorno de mídia. Onde fica a ousadia, o experimento e os novos grupos? Você acredita que um cantor famoso precisa de patrocínio para financiar e lotar seus shows? Não seria melhor direcionar este apoio a quem realmente precisa? É preciso descentralizar os incentivos, mas isso só será possível com a intervenção do Estado. Vamos lutar por isso.

Foto: André Nicolau

Conte-nos um pouco sobre sua personagem Lívia, que entrou na novela agora. Livia é uma jovem pianista que entra na trama para ser a nova parceira de trabalho do Laerte. E isso faz com que Luiza fique com ciúmes. Vamos ver o que vai rolar!

Que dicas você daria para quem está começando na carreira artística? O que eu considero mais importante na carreira do ator é ter determinação e nunca parar de estudar.

Como é para você estar em uma novela na Globo, em horário nobre, escrita por Manoel Carlos? Primeiramente me sinto muito feliz pela oportunidade de estar em uma novela do Manoel Carlos, pois sempre o admirei e quis participar de uma de suas novelas! Além disso, poder trocar com profissionais tão competentes é um presente!

Como foi o início da sua carreira como atriz? Sempre teve apoio da sua família? Sempre quis ser atriz. A princípio, minha família não me levou muito a sério, mas não teve jeito quando viram que era o que eu realmente queria. E, partir daí, me deram total apoio. Comecei a estudar interpretação quando tinha 9 anos.

Fotografia. Edmundo Bacellar expõe no Parque das Ruínas, em Santa Teresa O fotógrafo insulano Edmundo Bacellar, também conhecido como Ed, estará com sua exposição “Expressão da Alma” em cartaz no Centro Cultural Municipal Parque das Ruínas, em Santa Teresa. A abertura da mostra, uma retrospectiva da década de 70, será no dia 25 de maio, domingo, das 14 às 17 horas. A exposição, que tem o apoio da secretaria municipal de Cultura, fica aberta para visitas até 22 de junho, de terça-feira a domingo, das 10 às 18 horas. O Centro Cultural Municipal Parque das Ruínas fica na Rua Murtinho Nobre, 169, Santa Teresa.

Papo cultural com Louise D’Tuani, a pianista Lívia, de “Em família”

Lançamento. Ilha em peso prestigia o lançamento do livro de Cybelle de Ipanema

A exposição irá até 22 de junho

Comerciantes, empresários, professores, estudantes e representantes de diversas entidades do bairro prestigiaram o lançamento do livro História da Ilha do Governador, da Historiadora Cybelle de Ipanema. A noite de

autógrafos aconteceu no dia 8 de maio, na Biblioteca Popular da Ilha do Governador, no Cocotá, a pedido dos próprios moradores do Bairro. Cybelle, que lançou o livro no final de 2013, na Livraria Brooks de Botafogo, onde foi homenageada pelos amigos do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro (IHGB), declarou ao JB Ilha estar muito feliz com a receptividade do público insulano. “Posso considerar esse evento como uma

comemoração pelos meus 90 anos”, disse.

A noite de autógrafos foi dia 8 de maio


12 Cotidiano

Jornal JB ILHA – Número 5 – Maio 2014

Correndo contra o tempo BRT. Prefeitura acelera obras da TransCarioca para inauguração em 1º de junho A Prefeitura do Rio confirmou esse mês que o sistema BRT Transcarioca, que ligará a Barra da Tijuca ao Aeroporto Internacional do Rio, na Ilha do Governador, começa a funcionar em 1º de junho, 11 dias antes da Copa, com uma operação restrita. Durante a competição, serão oferecidos os serviços do Galeão até a Barra, ida e volta, e a integração com o metrô, em Vicente de Carvalho. Pelo menos quatro estações já estão confirmadas para esta fase inicial: Galeão 1 e 2, Vicente de Carvalho e Alvorada. Porém, ainda há expectativa, não confirmada pela prefeitura, de que mais pontos de embarque e desembarque estejam funcionando durante Copa. O JB Ilha foi até o bairro do Galeão, ouvir a opinião de quem estará mais próximo das estações da Ilha do Governador. Confira a seguir.

“O BRT vai ser uma boa. Trabalho na Estrada do Galeão, em frente ao Casa Show, mas o patrão tem uma casa na Barra e às vezes tenho que ir lá. Hoje pego o 328 e salto na Vila do João para pegar outro ônibus para a Barra. Com o BRT, além de pegar uma condução só, farei o trajeto em menos tempo”. Sérgio Ferreira de Oliveira.

“Sinceramente, não acredito que vá melhorar alguma coisa com a TransCarioca. Até agora, só ouvi reclamações dessas obras. Se bobear, vai piorar.

Quem está acostumado a andar de carro, vai continuar andando de carro, causando aqueles engarrafamentos quilométricos”. Jane da Silva.

Creuza pretende vir à Ilha para pegar o ônibus para a Barra

Sérgio será beneficiado com o BRT

“Moro em Ramos, perto do 24° BIP, e lá tem ônibus direto para a Barra, mas o trajeto é longo e sempre há engarrafamentos. Eu costumo frequentar a Ilha e, quando precisar ir à Barra da Tijuca, acredito que vá valer a pena vir até aqui para pegar o ônibus do BRT”. Creuza Azevedo.

O sistema vai começar a funcionar de forma restrita

Insegurança Menores. Motoristas e cobradores reclamam do aumento do número de roubos em ônibus Os mais recentes números do Instituto de Segurança Pública (ISP) comprovam estatisticamente o aumento dos índices de criminalidade no Rio de Janeiro, em especial os roubos e furtos. Na Ilha não tem sido diferente. Roubos a pedestres nas ruas do Jardim Guanabara e pequenos furtos em ônibus já viraram rotina na região. O JB Ilha entrevistou quem vive um

dia a dia tenso: os motoristas e cobradores de ônibus, que sofrem com os menores de idade que embarcam nos veículos com o único intuito de roubar os passageiros. João Severino Gomes trabalha há 53 anos no transporte rodoviário. Cobrador da linha 910, Madureira-Bananal, da empresa Paranapuan, ele relata que vive ansioso. Segundo ele, todo dia

menores mal-intencionados embarcam e se posicionam no fundo do ônibus para roubar os passageiros que vão desembarcar. “Quando eu percebo que os meninos sobem no ônibus só pra roubar, eu mando descer, não quero nem saber. O problema é que esses menores são abusados, me xingam, reclamam... e vão roubar em outro lugar, porque sa-

bem que nada vai acontecer com eles”, conta João, ressaltando que geralmente eles embarcam no ponto do Extra, na Estrada do Galeão, tanto no sentido de entrada como no de saída da Ilha. Já Marcelo Araújo, motorista da mesma linha, reclama que os passageiros muitas vezes não apoiam o motorista ou o trocador que pede para que esses menores

se retirem do veículo. “Eles tinham que nos apoiar, já que fazemos isso pela segurança deles. Mas muitos são contra, dizem que estamos errados. O problema é que, quando são assaltados, também reclamam e dizem que nós demos carona. Está complicado trabalhar no transporte rodoviário na Ilha”, desabafa.


JB Ilha