Issuu on Google+

No breve número de doze meses O ano passa, e breves são os anos, Poucos a vida dura. Que são doze ou sessenta na floresta Dos números, e quanto pouco falta Para o fim do futuro! Dois terços já, tão rápido, do curso Que me é imposto correr descendo, passo. Apresso, e breve acabo. Dado em declive deixo, e invito apresso O moribundo passo. Ricardo Reis Breves são os Anos

Os espaços possuem a capacidade de se preencher de diferentes carácteres e características influenciados pelos mais diversos factores. Umas meras horas oferecem já um registo diferente do olhar que anteriormente lhes foi dedicado, as cores variam por entre os dias, os meses, as estações. De cada vez que retemos a atenção num espaço, em momentos diferentes, surgem novos detalhes ou transformações vincadas e visíveis, seja pelas horas do dia, pelo clima ou por intervenções físicas e imediatas. Registam-se as modificações cíclicas e pontuais que se viveram no Jardim Botânico nos últimos seis meses; a envolvente no decorrer do tempo e dos diferentes estados climatéricos, e os elementos intervencionados e alterados directamente pela mão do homem. Todas estas alterações propiciam diversas vivências e apropriações dos espaço, diferentes sensações e, como tal, diferentes registos. Jaime Cunha



Trabalho Individual_Jaime Cunha