Page 1

Ilustração:

EB1/JI das Ribeiras – Agrupamento de Perafita 2010/2011


Wimy, a cor que tinha todas as cores Era uma vez uma cor muito bonita: era brilhante, clara, tinha todas as cores imaginárias e chamava-se Wimy. Num dia de sol radioso encontrou quatro cores: a verde, a azul, a vermelha e a amarela. Todas conhecidas. A Wimy perguntou-lhes: - Vós quereis ser minhas amigas? As quatro cores responderam uma a uma: - Eu não! Quero ser mais bonita que as outras! – disse a amarela. - Eu também não! Eu quero ser a mais admirada por todas! – disse a vermelha. - Eu é que não… quero ser a melhor! – disse a azul. - Eu não concordo convosco. – afirmou a cor verde – Eu quero ser tua amiga, porque também não gostava que me dissessem que não queriam ser minhas amigas… não fiques triste: eu brincarei sempre contigo! – e a Wimy e a verde foram brincar. A azul, a amarela e a vermelha sentiram-se mal com as suas respostas e foram brincar com a Wimy e a verde. - Todas juntas brinca-se melhor! Revisão do texto do Duarte


Os dois amigos viajantes Um dia, o Flicts encontrou uma cor chamada Panni. Panni também não tinha amigos, por isso perguntou ao Flicts se queria ser amigo dela. Flicts disse que sim, conversaram e brincaram às escondidas. Flicts e Panni viajavam de terra em terra para conhecerem novos sítios e novos amigos. Um dia, chegaram a um sítio chamado Solci. Lá, viram três cores – Tetli, Rodu e Flazi – a brincar com uma bola. Os três amigos chamaram o Flicts e a Panni para brincarem com eles. As cinco cores adoravam-se, ficaram muito amigos e viveram muito felizes. Revisão do texto da Ângela


Clipy e Flicts Um dia, quando as sete cores sairam para o recreio, Flicts encontrou uma cor que estava também sozinha e triste. - Queres brincar comigo no parque? – perguntou o Flicts. - Sim, quero! – respondeu a cor, feliz. No parque, foram andar de baloiço e de escorrega. Enquanto se divertiam a cor perguntou ao Flicts: - Como te chamas? - Flicts. E tu? – respondeu o Flicts. - Chamo-me Clipy. - Porque é que não estás no recreio, a brincar com as sete cores? – Perguntou o Flicts. - Porque elas não querem brincar comigo… - respondeu Clipy triste. - Eu percebo-te porque elas também não querem brincar comigo… - respondeu o Flicts – Mas podemos brincar os dois juntos, sempre que quisermos! - Boa ideia, concordo contigo! – exclamou Clipy. Depois desse dia, brincaram muito e descobriram que podiam contar um com o outro em todos os momentos. Ficaram amigos e felizes. Revisão do texto da Henriqueta


Conversando no baloiço Preto Escuro estava sempre acompanhado de todas as cores, suas amigas. Todas as cores gostavam do Preto Escuro porque, quando não queriam mostrar alguma coisa, chamavam o Preto Escuro para lhes dar privacidade e proteção. Preto Escuro tinha olhos grandes, era atento, curioso. Num lindo dia de Sol, o Preto Escuro estava sentado no banco dum jardim florido, em frente ao parque infantil. Preto Escuro estava triste e sozinho porque as suas amigas tinham ido brincar com as flores do jardim. Preto Escuro ouviu o chiar do baloiço, olhou e viu uma estranha cor, cabisbaixa, sentada a baloiçar sozinha. Era o Flicts. Preto Escuro foi para a beira do Flicts, baloiçar com ele. Enquanto baloiçavam, conversavam. No fim do dia, Preto Escuro ofereceu privacidade e proteção às cores suas amigas e ao Flicts. Revisão do texto do Tiago


Flicts e Wikki Um dia a cor Flicts viu uma cor e disse: -Tu Ês muito bonita, queres ser minha amiga? - Sim, quero, como te chamas? - Eu chamo-me Flicts e tu? - Eu chamo-me Wikki. - Eu estou muito sozinho‌ queres fazerme companhia? -Vamos conversar sobre os nossos gostos e sentimentos para nos conhecermos melhor. - Descobriram que tinham gostos e sentimentos em comum e ficaram muito amigos. Revisão do texto da Ana Filipa


Uma amizade encontrada Estava o Flicts triste, frágil, aflito e sozinho à beira dum lago quando encontrou uma cor que alegremente via o seu reflexo na água. - Como te chamas? – perguntou timidamente o Flicts. - Eu chamo-me Pliky! E tu? – respondeu alegremente o Pliky. - Flicts. - A que gosta de brincar, Flicts? – perguntou o Pliky. - A nada. Não sei o que é isso… o que é brincar? – respondeu admirado o Flicts. - Brincar é: saltar, correr, jogar, baloiçar, ter amigos… Porque é que não sabes o que é brincar? – perguntou o Pliky muito admirado. - Porque as outras cores não querem brincar comigo porque dizem que eu sou feio… - Queres experimentar brincar comigo? – propôs simpaticamente o Pliky. Saltaram ao eixo e brincaram às apanhadinhas. O Flicts descobriu o que é brincar e o que é ter um amigo! Revisão do texto do Diogo Manuel


Um dia de chuva Num dia cinzento de chuva, estava o triste Flicts abrigado numa paragem de autocarro, quando viu uma linda cor à chuva, muito calma. Preocupado , o Flicts gritou: - Sai da chuva! Abriga-te aqui não te molhas! - Não te preocupes, eu estou bem …informou a cor enquanto se aproximava do Flicts. - Porque estás á chuva? Estás perdida? – perguntou o Flicts. - Eu gosto de passear à chuva! Chamome Dúbia, e tu? - Chamo-me Flicts. Queres ser minha amiga? - Claro que sim! Vamos jogar ao jogo da sardinha, até parar de chover? - Sim!!! Respondeu o feliz Flicts. Revisão do texto do André


Uma amiga debaixo da neve Num dia de neve, Flicts continuava triste e sozinho. Para se distrair, Flicts, começou a fazer bonecos de neve. Depois de tirar muita neve do mesmo sítio, Flicts encontrou uma linda flor. Nessa linda flor, Flicts viu uma cor bonita e diferente a tremer de frio. Preocupado Flicts aconchegoua no calor das suas mãos. Conversaram e Flicts ficou a saber que Suzi era o nome da cor bonita e diferente. Também ficou a saber que Suzi estava debaixo da neve porque o Inverno chegou mais cedo e apanhou-a desprevenida. Até ao fim do Inverno, Suzi ficou aconchegada nas mãos e na amizade de Flicts. Revisão do texto do Hugo


Amigos na Lua Na Lua, o Flicts encontrou uma cor chamada Felicia! A Felicia era uma cor espacial, muito bonita e feliz que vivia sozinha. Tinha olhos cor de Flicts, cabelo cor de Wimy e vestia jardineiras de ganga. Felicia andava de bicicleta, de cratera em cratera, a cantarolar e a explorar tudo o que a rodeava, quando deu de caras com o Flicts: - De onde vens?! – Perguntou admirada. - Venho da Terra. E tu, vens de outro Planeta? Porquê? – perguntou curioso o Flicts. - Vivi sempre na Lua. Porque saíste da Terra? - Lá as outras cores não queriam brincar comigo – respondeu triste o Flicts. - Ai é?! – perguntou a Felicia – se quiseres eu posso ser tua amiga… - Claro que quero! – respondeu feliz o Flicts. Flicts e Felicia passaram a brincar e a explorar tudo o que os rodeava, felizes e amigos! Revisão do texto da Ana Rosália


Uma festa na praia Uma semana antes dos seus anos, Preto Escuro, convidou todos os seus amigos para a sua festa de anos na praia. Estava um lindo e quente dia de Sol, Preto Escuro foi cedo para a praia, onde ansioso esperou pelos seus amigos. Wimmy chegou brincalhona e feliz com as suas quatro amigas; num foguetão celeste chegou Felicia, feliz e aos saltos; calma e transpirada Dubia chegou à praia; feliz, a correr e a saltar chegou o Pliky; com o Flicts chegaram felizes a Wikki , a Suzi e o Clipy; Pani, Tetli, Rodu e Flazi chegaram com recordações da última viagem que fizeram para todos … Todos os convidados cantaram os parabéns, deram prendas ao Preto Escuro, brincaram e fizeram mais amigos. À noite todos pediram proteção ao Preto Escuro, acamparam dormiram e sonharam felizes. Texto coletivo


Flicts e os novos amigos  

Coletânea de histórias coletivas a partir da obra de Ziraldo

Advertisement