Parque Popular da Pedreira: análise, diagnóstico e participação comunitária

Page 1

PARQUE POPULAR DA PEDREIRA

01

Análise, Diagnóstico e Participação Comunitária

PARTICIPAÇÃO DA COMUNIDADE

Visita à área da pedreira

Acima: - notícia publicada no Correio do Povo, jornal de maior circulação no RS, sobre a visita da comunidade e a audiência pública realizadas no "Dia da Pedreira", 15 de maio de 2010; Ao Lado: - fotografias da visita e da audiência pública com a presença do Prefeito, Vice, Secretários, representantes da Câmara de Vereadores, lideranças comunitárias e associativas e moradores da área.

Audiência pública O Parque Popular da Pedreira é um sonho antigo da população de Ijuí. A

Ijuí tem problemas graves de SUBHABITAÇÃO!

A conclusão de vias e a ampliação da mobilidade urbana desta área da

Ijuí tem um GRANDE LIXÃO À CÉU ABERTO!

iniciativa de criação do parque e as atividades de discussão e construção deste

A falta de condições dignas de moradia, apesar de não ser uma

periferia passa por intervenções concretas na área, que qualificam o

A área de duas antigas pedreiras desativadas já há muitos anos, na

projeto mobilizaram os diversos movimentos sociais e tomaram conta da

exclusividade do município, é mais grave na área do entorno das pedreiras. A

acesso à Universidade, a implantação de caminhos alternativos à Rua do

periferia oeste da sede municipal, transformaram-se em um lixão à céu aberto,

sociedade.

Vila Pindorama, com 52 famílias, está em terreno municipal dentro da área da

Comércio, a utilização das vias como elementos definidores de limites

com a deposição ilegal de entulhos, lixo doméstico e, até mesmo, de lixo

claros entre a área urbanizada e as áreas de preservação ambiental.

tóxico industrial e farmacêutico.

O grande apoio com que conta este projeto reforça seu caráter cidadão e

Pedreira Pindorama (a do lago) em situação claramente de risco ambiental e

supra partidário, e vai muito além da atual administração ou apenas de

geológico. Os barracos estão construídos nas cotas mais altas da pedreira, em

Ijuí é uma cidade sem um PARQUE!

interesses de um setor específico da sociedade.

Recentemente, a área converteu-se em um dos principais focos da

área de APP, sobre nascentes e no meio do lixo e dos entulhos. A Vila Suvaco da

A sede municipal, com mais de 22 km² , não conta com nenhum

dengue na cidade, problema que está agravado pela presença de mais de 100

O Plano Diretor e a legislação municipal já grava a área da pedreira como

Cobra, no bairro Thomé de Souza, está igualmente em terreno municipal sobre

parque público. Os espaços de lazer disponíveis à população resumem-se

famílias morando em condições subnormais no entorno da área e que

potencial para uso público; em diversas ocasiões a comunidade já manifestou o

a pedreira também de propriedade do município (a do banhado). Esta vila tem

à praça central, a Praça da República com pouco mais de 1ha, e poucas

também vertem seu esgoto e lixo doméstico nas pedreiras.

desejo de criação de um parque municipal nesta área.

52 famílias em condições precárias, é um aglomerado subnormal com

praças urbanizadas e algumas escolas que permanecem abertas nos

Uma das pedreiras desativadas contém um grande lago, com área de

deficiência total de condições de moradia, sem infraestrutura básica, sem

finais de semana. Os moradores que não tem acesso aos clubes privados

mais de 16mil m², e a outra uma área alagada com características de banhado.

acessibilidade e com alto grau de desagregação social.

existentes estão totalmente carentes de estruturas de lazer público tendo

O Plano Ambiental prevê a recuperação das áreas de APP; os moradores das áreas favelizadas afetadas estão de acordo com as propostas elaboradas... e ainda o apoio explícito e público da Câmara de Vereadores, da Universidade,

Ijuí tem CARÊNCIAS NO SISTEMA VIÁRIO!

das associações de moradores, da Aipan (ambientalistas), da Cooperativa, da

O Plano Diretor de Ijuí, que se encontra em estágio adiantado de revisão,

Associação Comercial e Industrial (ACI), das instituições de classe (CREA/RS,

contempla diretrizes viárias e conexões urbanas importantes para a área das

IAB/RS) reforçam o grande consenso social favorável ao projeto.

pedreiras.

SITUAÇÃO ATUAL

CADASTRO SOCIAL

em vista os espaços disponíveis na cidade.

As pedreiras, apesar da degradação ambiental, apresentam características paisagísticas fenomenais e têm exigências legais que obrigam a preservação e recuperação ambiental. Soma-se a isto o enorme potencial da área para abrigar atividades de lazer em alguns setores.

OCUPAÇÕES IRREGULARES

PROPRIETÁRIOS

As áreas das pedreiras do lago e da antiga pedreira municipal estão

A Vila Suvaco da Cobra, no bairro Thomé de Souza, tem 52 famílias

A irregularidade está associada a dois fatores. O primeiro é a questão

A estrutura de propriedade da área do futuro Parque, apresentada acima,

situadas na periferia da cidade, com carência de infra-estrutura e urbanização,

totalizando aproximadamente 134 moradores, com uma estrutura familiar

fundiária, visto que todas as 52 famílias da Vila Pindorama e também 52

indica duas grandes áreas da Prefeitura Municipal. Uma é a antiga pedreira

com precariedade no atendimento dos serviços e parcialmente ocupadas de

bastante variada, conforme indica o gráfico acima. A renda mensal das famílias

famílias da Vila Suvaco da Cobra tem suas moradias sobre terreno de

municipal, à sul da av. 21 de Julho, hoje desativada, mas que abriga a usina de

maneira irregular.

indica uma situação muito grave, visto que metade das famílias tem renda pouco

propriedade do Município. O segundo fator de irregularidade está associada

asfalto do município e a vila Suvaco da Cobra, no bairro Thomé de Souza, uma

superior a R$ 400,00 e a outra metade sobrevive com uma renda mensal inferior

à ocupação de Áreas de Preservação Permanentes – APPs, principalmente

área de ocupação irregular com mais de 50 famílias.

a R$ 400,00, sendo que 02 famílias recebem menos de R$ 200,00 por mês.

nas moradias da Vila Pindorama.

As comunidades que moram na área estão expostas à vários riscos, seja pela condição de exclusão, seja pelas condições sanitárias – que geram problemas graves como os focos de dengue recentemente diagnosticados no local.

A situação da Vila Pindorama, sobre a pedreira do lago, não é diferente. São

O loteamento em implantação, à leste da pedreira, também apresenta

A Prefeitura Municipal também é proprietária de faixa de terra à norte da pedreira onde hoje localiza-se a Vila Pindorama, com 52 famílias em situação

52 famílias e aproximadamente 155 moradores, sendo que os indicadores de

irregularidades referentes à ocupação de APPs. Muitos terrenos previstos no

A revisão do Plano Diretor, em andamento, já identifica estas áreas como

renda são um pouco menos graves tendo em vista que há várias famílias de

parcelamento original, assim como algumas vias, estão parcial ou

O Sr. Rubens Basso é o proprietário da pedreira do lago e de extensa área à

Áreas Especiais de Interesse Social e o Plano Ambiental do Município, já

catadores, que incrementam sua renda com a coleta e separação de resíduos

integralmente sobre áreas de APP, inviabilizando a aprovação de construção

leste desta com parcelamento e ocupação em fase inicial de implantação. O

finalizado, indica parte desta área como Área Especial de Interesse Ambiental.

recicláveis. Esta atividade gera um problema associado que é a deposição dos

sobre os mesmos, e o uso residencial.

proprietário e o Poder Executivo Municipal já acordaram publicamente a

Contrastando à esta situação, a área das pedreiras apresenta uma qualidade

resíduos não recicláveis diretamente no lago ou no entorno da pedreira. Menos

paisagística impressionante. A beleza da pedreira do lago e a exuberância do

da metade das famílias moradoras destas duas vilas tem acesso ao Bolsa

banhado da pedreira municipal, ambos resultado do abandono das áreas,

Família, conforme gráfico acima.

A regularização desta situação, fundiária e de ocupação, está diretamente vinculada ao desenvolvimento do projeto do Parque.

indicam o magnífico potencial das pedreiras e sua vocação para abrigar um grande parque público – inexistente na cidade.

Plano Geral de Urbanização de Áreas Socioambientais Fragilizadas: PARQUE POPULAR DA PEDREIRA 3C Arquitetura e Urbanismo - www.3c.arq.br - 3c@3c.arq.br - 51 33122497 Autores: arqs. Tiago Holzmann da Silva, Leonardo Marques Hortencio, Alexandre Pereira Santos, Leonardo D. Poletti, Paula Lopes. Colaboradores: arq. Júlio Celso Vargas, acads. Angélica Magrini Rigo, Lucas Valli, Paula Motta

de irregularidade e em condições precárias.

doação da área da pedreira do lago para a instalação do Parque, processo que encontra-se em andamento. As outras propriedades do entorno são de moradores e pequenos proprietários e praticamente não sofrerão afetação direta pelas ações previstas para o Parque.


PARQUE POPULAR DA PEDREIRA Proposta Global

RECUPERAÇÃO AMBIENTAL

Plano Geral de Urbanização de Áreas Socioambientais Fragilizadas: PARQUE POPULAR DA PEDREIRA 3C Arquitetura e Urbanismo - www.3c.arq.br - 3c@3c.arq.br - 51 33122497 Autores: arqs. Tiago Holzmann da Silva, Leonardo Marques Hortencio, Alexandre Pereira Santos, Leonardo D. Poletti, Paula Lopes. Colaboradores: arq. Júlio Celso Vargas, acads. Angélica Magrini Rigo, Lucas Valli, Paula Motta

02


PARQUE POPULAR DA PEDREIRA

03

Proposta Habitação de Interesse Social

HABITAÇÃO UNIFAMILIAR - As unidades unifamiliares são adaptáveis a diversos arranjos das famílias. Permitem a complementação do número de cômodos construído inicialmente através da subdivisão do piso superior (já provido de estrutura para suportar o peso resultante) e da ocupação da faixa destinada a garagem/varanda no piso térreo. Desta forma, além adaptar-se a realidades diversas nas famílias, permitem a geração de renda com a possibilidade do uso comercial do térreo. A forma proposta busca criar um ritmo do conjunto, sem criar uma homogeneidade que submeta as habitações individuais ao ponto de não poderem ter identidade próprias. Do mesmo modo, criam limite claro da expansão da habitação, coibindo a favelização do conjunto uma vez que limitam a altura a cumeeira do telhado e já provêem espaço para expansão internamente. Em relação à estrutura, as edificações propostas contam com paredes de alvenaria portante de tijolos ou blocos cerâmicos, com vigamento em concreto armado realizando a amarração e lajes mistas (vigota e tavela). A cobertura de telhas cerâmicas é apoiada em estrutura de madeira. Procura-se assim uma solução racionalizada, que em sua execução permita a padronização dos procedimentos e elementos principais, mesmo que baseada na tecnologia mais conhecida e usual. A utilização da laje mista também evita o uso de formas para as lajes, que se for acompanhado do reaproveitamento das formas para as vigas consegue uma enorme economia de recursos e evita grande quantidade de resíduos. O lote básico utilizado é de 7,45 x 17,5m com 130m². Ele foi adaptado ao desenho urbano ganhando ou perdendo pequeno percentual de área, mas jamais ultrapassando os limites máximo de 200m² e mínimo de 125m².

HABITAÇÃO MULTIFAMILIAR - As unidades multifamiliares são dispostas em edificações de quatro pavimentos que

concentradas no térreo, são adaptadas a portadores de necessidades especiais e idosos. Os acessos verticais são propostos em escadas e permitem a posterior instalação de elevadores. Os acessos horizontais – corredores – são dispostos na face sul dos edifícios, ajudando a proteger os apartamentos das mudanças de temperatura. Os quartos dos apartamentos privilegiam a orientação norte (com exceção dos apartamentos de três dormitórios), as áreas com instalações hidráulicas são agrupadas junto aos corredores, facilitando e barateando a manutenção e as salas de estar permitem a circulação cruzada de ar entre as fachadas, favorecendo enormemente o conforto térmico. As plantas dos andares têm configurações diferentes, mas mantêm a mesma a modulação estrutural. No térreo, as unidades comerciais e institucionais ocupam as extremidades, enquanto que apartamentos de um e dois dormitórios preenchem o restante. No segundo pavimento as unidades de três dormitórios estão nas extremidades e as unidades de um e dois dormitórios tem a mesma configuração do térreo. Nos outros dois pavimentos, 3º e 4º, as unidades de 3 dormitórios são dispostas na mesma posição de duas unidades de um dormitório dos pavimentos inferiores, produzindo um mix com as unidades de dois dormitórios. Todas as unidades têm circulação cruzada de ar na sala de estar, priorizando o conforto térmico e a qualidade do ar interno. Além disso, as áreas úmidas foram organizadas de forma a otimizar as instalações hidráulicas e facilitando a manutenção por localizar-se junto aos corredores (circulação condominial) dos andares.

HABITAÇÃO MULTIFAMILIAR

HABITAÇÃO UNIFAMILIAR

no térreo tenham espaços comerciais, de geração de renda e de uso comunitário. Algumas destas unidades,

PERSPECTIVA - PRAÇA DO PAC

PERSPECTIVA - HABITAÇÕES MULTI E UNIFAMILIARES

Plano Geral de Urbanização de Áreas Socioambientais Fragilizadas: PARQUE POPULAR DA PEDREIRA 3C Arquitetura e Urbanismo - www.3c.arq.br - 3c@3c.arq.br - 51 33122497 Autores: arqs. Tiago Holzmann da Silva, Leonardo Marques Hortencio, Alexandre Pereira Santos, Leonardo D. Poletti, Paula Lopes. Colaboradores: arq. Júlio Celso Vargas, acads. Angélica Magrini Rigo, Lucas Valli, Paula Motta


PARQUE POPULAR DA PEDREIRA

04

Proposta - Fotomontagens e Diagramas

DECK DO LAGO

MIRANTE - TIROLESA

PASSARELA E CICLOVIA

ÁREA DE ESPORTES

VISTA AÉREA GERAL

EQUIPAMENTOS PÚBLICOS

SISTEMA VIÁRIO

RECUPERAÇÃO AMBIENTAL

Plano Geral de Urbanização de Áreas Socioambientais Fragilizadas: PARQUE POPULAR DA PEDREIRA 3C Arquitetura e Urbanismo - www.3c.arq.br - 3c@3c.arq.br - 51 33122497 Autores: arqs. Tiago Holzmann da Silva, Leonardo Marques Hortencio, Alexandre Pereira Santos, Leonardo D. Poletti, Paula Lopes. Colaboradores: arq. Júlio Celso Vargas, acads. Angélica Magrini Rigo, Lucas Valli, Paula Motta

ACESSO NORTE