Issuu on Google+

“Segundo  a  ADENE  (Agencia  para  a  energia)  o  setor  dos  edi7cios  é   responsável  pelo  consumo  de  aproximadamente   40%  da  energia  total  na  Europa.  No  entanto,  mais  de  50%  deste   consumo  pode  ser  reduzido  através  de  medidas  de  eficiência   energéGca,  o  que  pode  representar  uma  redução  anual  de  400   milhões  de  toneladas  de  CO2...”   (In  www.adene.pt,  Agosto  2012)  

Imagem  weber  

As  perdas  e  ganhos  de  calor  através  das  fachadas  correspondem  a   mais  de  30%  do  total,  num  edi7cio  de  habitação  unifamiliar.  Se   considerarmos  um  edi7cio  de  habitação  coleGva,  este  valor  pode   ultrapassar  os  40%.  

Manual  técnico  de  aplicação  de  isolamento  térmico  pelo  exterior   1  


Na  sequência  dos  compromissos  do  Protocolo  de  Quioto,  a  União   Europeia  aprovou  a  DireGva  2002/91/CE  -­‐  entretanto  subsGtuída   pela  DireGva  2010/31/UE  -­‐  relaGva  ao  desempenho  energéGco  dos   edi7cios.     No  seguimento  das  referidas  DireGvas,  O  estado  Português   publicou  o  Regulamento  das  Caracterís2cas  do  Comportamento   Térmico  dos  Edi8cios  (RCCTE)  (Dec.-­‐Lei  80/2006)  e  a   implementação  do  Sistema  Nacional  de  CerGficação  EnergéGca  e   da  Qualidade  do  Ar  Interior  nos  Edi7cios  (SCE)  (Dec.-­‐Lei  78/2006).   Surge  assim  a  obrigatoriedade  da  emissão  do  Cer2ficado  de   Desempenho  Energé2co  e  da  Qualidade  do  Ar  Interior  dos   Edi8cios  que  visa  classificar  e  verificar  o  cumprimento  da   regulamentação  térmica  e  de  qualidade  do  ar  interior.  

Obje2vos  do  RCCTE:   O  RCCTE  estabelece  regras  a  ter  em  conta  na  elaboração  dos   projetos  de  edi7cios  visando:   •  SaGsfazer,  sem  dispêndio  excessivo  de  energia,  as  exigências  de   conforto  térmico   Manual  técnico  de  aplicação  de  isolamento  térmico  pelo  exterior   2  


Cer2ficado  Energé2co.   O   CerGficado   EnergéGco   dos   edi7cios   permite   aos   proprietários,   compradores  e  arrendatários  de  edi7cios  residenciais  obter   informação  sobre  a  eficiência  energéGca  e  consumos  esperados   numa  uGlização  normal.  Possibilita  o  estabelecimento  de   comparações    objeGvas  entre  diversas  propostas  no  mercado,   ajudando  a  evidenciar  as  de  maior  qualidade.      

O   Sistema   de   Isolamento   Térmico   Pelo   Exterior   (ETICS)   apresenta-­‐se  como  sendo,  provavelmente,   a  solução  que  melhor  contribui  para  o     cumprimento  do  regulamento  em  vigor.  

    Definição:   É  uma  solução  de    

revesGmento  de  fachadas  em  que     as  placas  de  material  isolante  térmico   (EPS,  CorGça,  Lã  de  Rocha,  XPS,  etc.)     são  coladas  no  exterior  das  fachadas    recorrendo  a  argamassas  específicas   e  posteriormente  barradas  com  reboco   delgado  armado  seguido  de  acabamento     decoraGvo  do  Gpo  RPE     (RevesGmento  PlásGco  Espesso).     História:     Apesar  de,  segundo  alguns  autores,     se  falar  em  aplicações  do  Sistema  de  Isolamento  Térmico  pelo   Exterior  durante  a  década  de  40  do  Século  XX,  este  Sistema  foi   usado  pela  primeira  vez,  em  grande  escala,  em  finais  da  década  de   50  na  Alemanha.  Foi  uGlizado  no  revesGmento  de  silos  de   armazenamento  de  grãos  de  açúcar  com  o  objeGvo  de  impedir  que   se  pegassem  devido  á  condensação.     Manual  técnico  de  aplicação  de  isolamento  térmico  pelo  exterior   3  


As  primeiras  aplicações  domésGcas,  também  na  Alemanha,   ocorreram  no  inicio  da  década  seguinte.  Especialmente  após  a  crise   do  petróleo,  nos  anos  70,  este  sistema,  reconhecido  como   excelente  na  poupança  de  energia,  passou  a  ser  usado  nos  quatro   cantos  do  mundo.  Atualmente  nos  EUA  esGma-­‐se  que  30%  das   fachadas  sejam  revesGdas  com  o  sistema  ETICS.  Em  países  como   Suíça,  Áustria,  Polónia  e  Republica  Checa,  uGliza-­‐se  em  cerca  de   50%  das  fachadas.  Aqui  mais  perto,  na  Alemanha,  país  onde  esta   solução  mais  evoluiu,  a  taxa  de  uGlização  ronda  os  60%.   As  vantagens  de  u2lizar  o  sistema  ETICS    •  Poupança  no  consumo  energéGco  para  aquecimento  e   arrefecimento  dos  espaços  habitados.    •  Redução  drásGca  das  pontes  térmicas,  Isolamento  térmico   connnuo  sem  interrupções.   •  Diminuição  do  risco  de  condensações  no  interior  da  parede.    •  Mais  conforto  e  melhor  qualidade  do  ar  no  interior    •  Simplicidade  da  construção,  apenas  há  necessidade  de  montar   uma  parede.      •  Redução  do  peso  da  das  paredes  e  das  cargas  permanentes   sobre  a  estrutura.  Aumentando  a  área  habitável  já  que  a  espessura   do  isolamento  passa  para  o  exterior.   •  Efeito  de  inércia  térmica  interior  na  parede,  provocado  pela   massa  da  alvenaria  não  isolada  pelo  interior.    •  Grande  redução  do  risco  de  fissuração  e  consequente  melhoria   impermeabilidade  das  fachadas.    •  Proteção  dos  elementos  estruturais  face  às  amplitudes  térmicas.    •  Em  reabilitação  permite  a  intervenção  mantendo  o  edi7cio   habitável.   •  Grande  variedade  de  soluções  de  acabamento  e  materiais   isolantes.        

Manual  técnico  de  aplicação  de  isolamento  térmico  pelo  exterior   4  


Placas  Isolantes.   Hoje  em  dia,  existe  no  mercado,  uma  variedade  considerável  de   placas  isolantes  que  podem  ser  uGlizadas  num  sistema  ETICS.     Todas  elas  garantem  bom  isolamento  térmico  e  são  capazes  de   responder  á  exigência  térmica  de  cada  projeto  variando  a  espessura.     A  sua  escolha  pode,  ainda,  ser  condicionada  por  simples  preferência   do  Gpo  de  material,  necessidade  de  adicionar  isolamento  acúsGco,   maior  resistência  mecânica  ou  uGlização  de  baixa  espessura.   -­‐  EPS  –  Polies2reno  expandido  (esferovite)   Principal  vantagem:  Excelente  relação  Qualidade/Preço   -­‐  XPS  –  Polies2reno  extrudido   Principal  vantagem:  Maior  Resistência  Mecânica.   -­‐  Lã  de  Rocha   Principal  vantagem:  Reação  ao  Fogo,  Isolamento  Térmico  e  AcúsGco   -­‐  Cor2ça   Principal  vantagem:  Produto  Natural,  Isolamento  Térmico  e  AcúsGco   -­‐  PIR  –  Poliisocianurato   Principal  Vantagem:  Baixíssimo  índice  de  ConduGvidade  Térmica  

Manual  técnico  de  aplicação  de  isolamento  térmico  pelo  exterior   5  


Definição  da  Espessura  das  Placas  Isolantes   A   espessura   do   material   de   isolamento   térmico   a   uGlizar   em   cada   Projeto,  depende  da  solução  construGva  (Gpo  de  Suporte),  da  zona     geográfica   em   que   se   localiza   a   obra   e   da   conjugação   dos   vários   parâmetros  definidos  pelo  RCCTE  para  cada  Zona  ClimáGca.     Uma   avaliação   simplista   permite   determinar   a   espessura   de   isolamento  para  fachadas,  Em  zona  opaca,  em  função  dos  valores  de    referência  definidos  pelo  RCCTE  para  o  Coeficiente  de  Transmissão   Térmica  (U)  em  cada  Zona  ClimáGca  de  Inverno.          

Exemplo  com  EPS  

Recomendação:   Em  obra  nova,  pondere  a  sua  escolha  na  fase  de  projeto.   Em  reabilitação,  aconselha-­‐se  com  um  técnico  especializado  

Manual  técnico  de  aplicação  de  isolamento  térmico  pelo  exterior   6  


Tipos  de  suporte   O  Sistema  de  Isolamento  Térmico  pelo  Exterior  (ETICS)  pode  ser     aplicado  sobre:              •  Alvenaria  de  Bloco  ou  Tijolo  Térmico              •  Alvenaria  de  Bloco  de  betão  ou  Gjolo  cerâmico  convencional              •  Betão              •  Rebocos  (tradicionais,  projetados)              •  Suportes  de  Madeira  e  derivados              •  Suportes  Metalicos              •  Suportes  anGgos  em  obras  de  reabilitação  (praGcamente   todos).    Preparação  do  suporte   Todos  os  suportes  deverão  apresentar  uma  super7cie  plana,  isenta   de  irregularidades  superiores  a  1cm  quando  controlados  com  uma   régua     de  2m  de  comprimento.     Se  esta  condição  não  esGver  garanGda,  a  super7cie  deverá  ser     regularizada  recorrendo  a  materiais  adequados  que  garantam  uma     boa  resistência  e  estabilidade.   Os  suportes  devem  apresentar-­‐se  consistentes  e  isentos  de  poeiras     ou  óleos  descofrantes.     Em  obra  de  reabilitação,  os  suportes  degradados  ou  com  falta  de   aderência,  coesão  deverão  ser  estabilizados,  reparar  zonas  fissuradas   sempre  que  as  fissuras  sejam  superiores  a  0,5mm.  Em  betão  com   armaduras  expostas  e/ou  oxidadas,  proceder  ao  tratamento  das   mesmas  com  produtos  específicos.   Eliminar  todos  os  materiais  depositados  na  super7cie  (sujidade,     fungos,  microrganismos,  Gntas  ou  vernizes  soltos)  realizando  uma     limpeza  com  agentes  adequados  e/ou  água  com  pressão.   Manual  técnico  de  aplicação  de  isolamento  térmico  pelo  exterior   7  


Condições  de  aplicação   •  Não  aplicar  o  sistema  em  fachadas  com  inclinação  inferior  a  45º  C;   •  Não  aplicar  quando  haja  risco  de  gelar  nas  6  a  8  horas  seguintes   •  Não  aplicar  as  argamassas  com  temperaturas  atmosféricas     inferiores  a  5ºC  nem  superiores  a  30ºC;   •  Evitar  a  aplicação  dos  materiais  em  situação  de  vento  forte;   •  Não  aplicar  os  materiais  na  eventualidade  de  poderem  apanhar     Chuva,  enquanto  não  esGverem  secos;   •  Evitar  que  o  EPS  fique  sem  barramento  mais  do  que  4  dias;   •  Evitar  a  aplicação  dos  materiais  sob  a  incidência  direta  dos  raios   solares;   •  Não  iniciar  a  aplicação  do  sistema  sobre  suportes  quando  não     tenha  decorrido  pelo  menos  um  mês  sobre  a  sua  execução     (alvenarias,  betão,  reboco),  para  que  se  encontrem  em  condições  de   estabilidade  e  secagem  adequados.   APLICAÇÃO   Arranque  do  Sistema:  

Legenda:  

Imagem  weber  

1. 

Suporte  

2. 

RevesGmento  a  reabilitar  

3. 

Argamassa  de  colagem  

4. 

Placa  isolante  

5. 

Rede  fibra  de  vidro  RC160  

6. 

Acabamento  

7. 

Bucha  BWK  

8. 

Perfil  de  arranque  PA6  

9. 

Bucha/parafuso  TPA6/40  

10. 

Impermeabilização  

   

Manual  técnico  de  aplicação  de  isolamento  térmico  pelo  exterior   8  


O  sistema  deverá  ser  montado  de  baixo  para  cima  a  parGr  de  um   Perfil  de  Arranque  (PA6  ou  PAPVC)  que  serve  de  apoio  á  primeira   fiada  de  placas  de  isolamento.   Trata-­‐se  de  um  Perfil  em  alumínio  (PA6),  de  largura  adaptada  à   espessura  das  placas  isolantes  ou  em  PVC  (PAPVC)  adaptável  a   todas  as  espessuras,  e  devem  ser  fixados  á  parede  com  uma   bucha/parafuso  (TPA  6X40)  com  espaçamento  entre  si  de  30  a   50cm,  conforme  peso  das  placas  de  isolamento.   O  Perfil  de  Arranque  (PA6  ou  PAPVC)  deverá  posicionar-­‐se  entre   5cm  e  10cm  acima  da  cota  mais  elevada  prevista  para  o  terreno   exterior,  visando  dificultar  a  degradação  do  sistema  por  contacto   direto  com  este.   De  Acordo  com  a  norma  EUROPEIA  ETAG004,  o  Perfil  de  Arranque   (PA6  ou  PAPVC)  recomenda-­���se  sempre  que  o  sistema  se  inicie  acima   da  cota  do  terreno  e  terá  a  dupla  função  de  auxílio  no  arranque  da   montagem  das  placas  isolantes  (garanGndo  a  sua  horizontalidade  e  o   seu  suporte  enquanto  não  se  encontrarem  coladas)  e  de  proteção   inferior  das  mesmas  contra  a  penetração  de  humidade  e  agressões   externas.   Caso  a  zona  de  suporte  do  Perfil  de  Arranque  não  se  encontre   regularizada  (rebocada  por  exemplo)  para  que  este  assente   perfeitamente  contra  a  super7cie,  devem  ser  uGlizados  elementos   niveladores  (Espaçadores  EPA)  de  diferentes  espessuras  de  forma  a   garanGr  a  planimetria  do  Perfil  de  Arranque  PA6  ou  PAPVC.  A   aplicação  dos  Espaçadores  EPA  deve  coincidir  com  a  fixação  TPA6x40.    

Manual  técnico  de  aplicação  de  isolamento  térmico  pelo  exterior   9  


Deve  recorrer-­‐se  á  uGlização  de  Ligadores  LPA  para  garanGr  juntas   com  pelo  menos  2mm  entre  os  Perfis  de  Arranque  PA6,  desGnadas   a  absorver  eventuais  deformações  e  garanGr  o  seu  nivelamento.   As       zonas  de  parede  enterrada  devem  ser  impermeabilizadas  até  um   nível  de  10  a  15cm  acima  da  posição  do  perfil  de  arranque,   uGlizando  um  produto  adequado,  visando  impedir  o  contacto  de   águas  do  terreno  com  a  parede  evitando  assim  humidade  por   ascensão  capilar.  Quando  se  pretende  que  o  Sistema  arranque   abaixo  do  nível  do  solo  (enterrado),  nas  fiadas  que  ficam  em   contacto  com  o  terreno  devem  uGlizar-­‐se  placas  isolantes  com   baixa  absorção  de  água  (Ex.-­‐XPS),  coladas  com  produto  adequado,   preferencialmente,  que  garanta  a  impermeabilização  do  suporte.     As   placas   de   isolamento   devem  

 

ser  montadas  em  posição     horizontal   em   fiadas   sucessivas,   contrafiadas   em   relação   à   fiada   inferior.   Do   mesmo   modo   nas   esquinas,  os  topos  das  fiadas  de       placas   deverão   ser   alternados,   para   melhorar   o   travamento  do  sistema.   A  verGcalidade  e  o  ajustamento  da  planimetria     de  cada  placa  em  relação  às  adjacentes  deverá     ser  permanentemente  verificada,  usando  régua    metálica  de  2m  e  nível  de  bolha  de  ar.   Nos  cantos  das  zonas  envolventes  dos  vãos                                                                                                                                                     as  placas  deverão  ser  montadas  de     forma  a  evitar  que  as  juntas  entre  si   correspondam  com  o  alinhamento   das  arestas  do  vão.  Este  cuidado   contribuirá  para  diminuir  a  tendência  para  o  aparecimento  de   fissuras  a  parGr  dos  cantos  do  vão.   Manual  técnico  de  aplicação  de  isolamento  térmico  pelo  exterior   10  


O  corte  das  placas  deve  ser  reto  e  limpo  de  forma  a  garan2r  o   encosto  perfeito  das  Placas  Isolantes.   Recomenda-­‐se  a  u2lização  de  máquinas  de  corte  a  fio  quente   (MC20003;  MC2004,  etc.)  para  EPS,  XPS  e  PIR,  que  permitem   maior  aproveitamento  das  placas,  menor  produção  de  resíduos  e   corte  igual  ao  de  fábrica.  Em  Lã  de  Rocha  e  Cor2ça  deve  u2lizar-­‐ se  um  serrote  adequado  (FS100  e  FS101)     O  produto  a  usar  na  colagem  deve  ser  especifico  para  esse  fim  e   adaptado  ao  Gpo  de  placa  e  suporte,  cerGfique-­‐se  com  o  seu   fornecedor  especializado.   O  modo  de  colagem  depende  do  estado  do  suporte,  e  do  Gpo  de   placa  isolante  a  colar.   •  Na  colagem  de  placas  de  EPS,  XPS  ou  PIR,  sobre  suportes  com   alguma  irregularidade,  aplicar  a  argamassa  em  cordão  com  3  a   4cm  de  espessura  ao  longo  do  perímetro  da  placa,  acrescentando   dois  pontos  de  argamassa  no  centro  da  mesma  (1).  Sobre   super7cies  regularizadas,  com  boa  planimetria,  aplicar  a   argamassa  em  toda  a  super7cie  da  placa  com  talocha  dentada  de   8  a  10mm.   •  UGlizando  Lã  de  Rocha  ou  CORTIÇA  (MW)  a  colagem  deve  ser,   preferencialmente,  com  barramento  integral  das  placas   recorrendo  a  talocha  dentada  de  8  a  10mm.  Em  caso  de  suportes   com  irregularidades  fazer  a  colagem  com  cordão  perimetral   reforçada  com  6  pontos  no  centro  da  placa  isolante.    NOTA:  Dado  não  haver  consenso  entre  todos  os  fabricantes,  em   relação  á  forma  de  colar,  recomendamos  que  proceda  de  acordo   com  a  marca  do  produto  escolhido.      

Manual  técnico  de  aplicação  de  isolamento  térmico  pelo  exterior   11  


Antes  da  aplicação  da  primeira  camada  de     reves2mento  deverá  realizar  os  seguintes     trabalhos  (após  endurecimento  da  argamassa  de     colagem).   Fixação  Mecânica  das  Placas  Isolantes.   Devem  ser  aplicadas  fixações  mecânicas   complementares  à  colagem  das  placas   isolantes  nas  seguintes  situações:   •   Na   aplicação   dos   sistemas   que   recorram   a   placas   isolantes   de   CorGça   ou   XPS   UGlizar   buchas   do   Gpo   BWK,   na   quanGdade   de   6   por   m2.            

•  Sempre  que  o  Sistema  ETICS  seja  uGlizado  em  reabilitação,  sobre     suportes  com  revesGmentos  pré-­‐existentes  que  não  ofereçam  total   garanGa  de  aderência  (pintura,  cerâmica,  revesGmentos  plásGcos,   etc.)  UGlizar  Buchas  do  Gpo  BWK,  na  quanGdade  de  6  a  8  por  m2.     Manual  técnico  de  aplicação  de  isolamento  térmico  pelo  exterior   12  


•   Sempre   que   o   sistema   seja   composto   por   placas  de  isolamento  de  Lã  de  Rocha.     UGlizar   buchas   do   Gpo   BAWK+BLWK,   na   quanGdade  de  6  a  8  porm2.      

•  Em  uGlizações  do  sistema  sobre  suportes  de   Madeira  ou  Metal.  UGlizar  buchas  do  Gpo  BMWK65,   na  quanGdade  de  6  a  8  por  m2.   •  Em  uGlizações  do  sistema  acima  dos  10  metros     de  altura,  quando  sujeito  a  condições  severas  de  exposição  ao   vento.  UGlizar  buchas  do  Gpo  BWK,  na  quanGdade  8  por  m2.   •  Sempre  que  se  pretenda  revesGr  o  sistema  com   Cerâmica,  Pedra  ou  outro  RevesGmento  com  peso   superior  a  5Kg  por  m2.     Neste   caso,   a   aplicação   das   buchas   deve   fazer-­‐se   sobre   o   primeiro   barramento   com   a   rede   de   fibra   de   vidro   já   incorporada,   garanGndo   assim   que   a   base   sobre   a   qual   o   revesGmento   vai   exercer   o   peso,  está  apoiada  pela  fixação  mecânica.     UGlizar   Buchas   com   Prego   de   Expansão   em   AÇO   do  Gpo  BAWK,  na  quanGdade  de  8  por  m2.      

Este  reforço  de  fixação  realiza-­‐se  com  buchas   específicas,  com  comprimento  adequado  à   espessura  da  placa  isolante  a  fixar  (uGlizar   buchas  cerGficadas  com  ETAG  014).  

Manual  técnico  de  aplicação  de  isolamento  térmico  pelo  exterior   13  


As  buchas  serão  instaladas  realizando   furos  com  broca  de  diâmetro  e   comprimento  adequados  ao  da  bucha.   A  aplicação  da  bucha  é  feita  através  da   introdução  do  prego  de  expansão,  por   percussão.   As  cabeças  circulares  das  buchas   deverão  ser  pressionadas  de  modo  a   esmagar  um  pouco  a  super7cie  da   placa  de  isolamento  para  que  não   fiquem  salientes  face  ao  plano  da   mesma    

As  pequenas  cavidades  resultantes  deste  ligeiro  esmagamento   deverão  ser  preenchidas  com  argamassa  de  revesGmento  antes  de   realizar  o  barramento  com  rede    

Manual  técnico  de  aplicação  de  isolamento  térmico  pelo  exterior   14  


Assentamento  de  perfis   Os   perfis   a   uGlizar,   devem   ser   perfurados,   para   aderência   das   argamassas,   e   incluir   rede  de  fibra  de  vidro  com  tratamento  anG-­‐ alcalino.  A  sua  aplicação  sobre  as  placas  de   isolamento  deve  realizar-­‐se  com  a  mesma     argamassa  a  uGlizar  no  barramento.  

-­‐  As  arestas  ou  esquinas    d   e  paredes  e  contornos  dos  vãos  (janelas,   portas,  etc.)  deverão  ser  reforçadas  usando  perfis  de  esquina  em   PVC  (P001  ou  P005)  ou  Alumínio  (P003  ou  P004).    

-­‐  As  juntas  de  dilatação  devem  ser  respeitadas  interrompendo  o   sistema  –  recorrendo  á  uGlização  do  Perfil  de  Junta  de  Dilatação   P040,  P40.1  ou  P041.    

Manual  técnico  de  aplicação  de  isolamento  térmico  pelo  exterior   15  


-­‐  O  remate  das  placas   isolantes  com  caixilhos  de   janela  e  portas  deverá  ser   complementado  com  a   aplicação  do  Perfil  de  Janela   P030  garanGndo  um  remate   perfeito  entre  os   revesGmentos  e  o  caixilho,  e   a  impermeabilização  da  união  dos  dois  elementos.     O  perfil  P030  permite  ainda  evitar  agressões  da  caixilharia  com   ferramentas  e  fixar  proteções  de  plásGco  ou  papel  durante  a   execução  dos  trabalhos.   -­‐  Nas  padieiras  das   janelas  e  portas,  e   nas  arestas  de  tetos    com  fachada,    recomenda-­‐se  a    aplicação  do  Perfil    de  Pingadeira  (P020,   P021  ou  P024)    abraçando  a  aresta       plano  da  fachada  com  o  plano  horizontal.  Este  perfil  permite   do       realizar   o  reforço  da  aresta  e  evitar  o  recuo  da  água  que  escorre  da   fachada.       -­‐  Outros  Perfis   Para  além  dos  perfis  anteriormente  indicados,  existem  ainda   outros  que  permitem  facilitar  a  execução  do  projeto,   acrescentando  mais-­‐valias  Técnicas  e  EstéGcas.   Manual  técnico  de  aplicação  de  isolamento  térmico  pelo  exterior   16  


-­‐  Perfil  de  Separação  de  Cor   -­‐  Perfil  STOP   -­‐  Perfil  de  Rebaixo   -­‐  Perfil  de  Esquina  em  Arco  

Remate  das  placas  isolantes  com  super8cies  rígidas.   Nos  encontros  das  placas  de  isolamento  com  super7cies  rígidas   (planos  salientes,  varandas,  palas,  remates  de  topo,  caixilharia,   peitoris,  etc.),  deverá  ser  uGlizada  a  Banda  Expansível  de  selagem  BS.      A     banda  BS  deve  ser  esmagada  entre  as  

 placas  isolantes  e  a  super7cie  rígida,    garanGndo  assim  a  total     impermeabilidade  da  união.  Dado     tratar-­‐se  de  um  produto  expansível  até     40mm,  este  garante  a  absorção  dos     possíveis  movimentos  estruturais  e  de  dilatação  ou  contração  dos   materiais,  sem  risco  de  infiltrações.       Reforços  com  Rede  de  Fibra  de  Vidro.   Este  reforço  deverá  ser  feito  aplicando  Gras  de  Rede  de  Fibra  de   Vidro  RC160,  com  a  dimensão  aproximada  de  50x25  cm,   posicionadas  a  45º,  coladas  sobre  as  placas  de  isolamento     junto  aos  cantos  da  zona   envolvente  dos  vãos  (portas  e   janelas).    

   

Manual  técnico  de  aplicação  de  isolamento  térmico  pelo  exterior   17  


Barramento  armado   O  revesGmento  das  placas  isolantes  será  feito  com  a  aplicação  de   argamassa  adequada  em  duas  camadas,  incorporando,  entre  as   mesmas,  uma  armadura  em  Rede  de  Fibra  de  Vidro  RC160  com   dupla  torção  sujeita  a  indução  de  resina  para  proteção  anG-­‐ alcalina,  sendo  a  segunda  camada  aplicada  após  endurecimento  da   primeira.     1º  CAMADA  

A  primeira  camada  deverá  ser   aplicada  com  talocha  dentada  de   inox  (dentes  de  6  mm)  para   garanGr  uma  espessura  final  de   2  mm.  Sobre  a  argamassa  ainda   fresca,  incorporar  a  Rede  de   Fibra  de  Vidro  RC160  e  alisar   suavemente  a  super7cie  com  a   talocha  lisa,  colando  a  rede  à   argamassa  sem  a  empurrar  até   ao  suporte  e  sem  reGrar   argamassa  da  parede.       A  união  entre  faixas  de  Rede  de   Fibra  de  Vidro  deverá  respeitar   uma  sobreposição  de  cerca  de  10cm,  esta  deve  ficar  perfeitamente   esGcada  sem  vincos  ou  ondulação  .   2º  CAMADA  

A  segunda  camada  só  deve  ser  aplicada  após  endurecimento  da   primeira.   Esta  camada  de  argamassa  de  revesGmento  deverá  garanGr  a   efeGva  cobertura  da  rede,  não  sendo  admissível  que  esta  seja   percepnvel  ao  olhar.  A  super7cie  de  acabamento  deverá  resultar           Manual  técnico  de  aplicação  de  isolamento  térmico  pelo  exterior   18  


plana,  sem  ressaltos  ou  vincos  e  com  textura  constante  ao  longo   da  toda  a  extensão.    Caso  se  pretenda  reforçar  a  resistência  mecânica  da  super7cie,   realizar  a  aplicação  de  uma  segunda  camada  de  Rede  de  Fibra  de   Vidro  RC160  e  por  consequência,  uma  terceira  camada  de   argamassa.  Este  reforço,  também  pode  ser  conseguido  uGlizando   apenas  1  camada  de  Rede  de  Fibra  de  Vidro,  recorrendo  á  Rede   Reforçada  RC350.   Recomenda-­‐se  este  procedimento  em  zonas  expostas  a  possíveis   choques  (até  2m  de  altura  do  solo,  varandas,  etc.),  e  sempre  que   se  pretenda  revesGr  o  sistema  com  colagem  de  cerâmica.  

   

ACABAMENTO   O  revesGmento  de  acabamento  só  deve   realizar-­‐se  2  a  3  dias  após  aplicação  do   ulGmo  barramento.  Este  deve  contribuir   para  a  impermeabilidade,  proteção  e   decoração  do  sistema  ETICS.   Devem  uGlizar-­‐se  soluções  experimentadas  que  ofereçam  garanGas   e  respeitem  as  normas  legalmente  exigidas.   Reves2mento  decora2vo.   -­‐  Aplicar  a  rolo  primário  especifico  numa  ou  mais  demãos,  este   primário  tem  como  função  homogeneizar  a  absorção  do  suporte  e   reforçar  a  aderência.   -­‐  Os  RevesGmentos  de  acabamento  recomendados  são  do  2po  RPE   (Reves2mentos  Plás2cos  Espessos)  com  espessura  entre  1  e   2,5mm  capaz  de  garanGr  a  decoração,  impermeabilização  e   contribuir  para  o  reforço  da  resistência  mecânica  superficial  do   sistema.   O  RevesGmento  DecoraGvo  RPE  é  aplicado  por  barramento  com   Manual  técnico  de  aplicação  de  isolamento  térmico  pelo  exterior   19  


talocha  lisa  em  inox,  na  referência  e  cor  escolhida,  apertando  bem   contra  o  suporte  e  acabado  com  talocha  plásGca  em  suaves   movimentos  circulares,  verGcais  ou  horizontais,  conforme   acabamento  pretendido.     Reves2mento  com  Cerâmica  ou  Pedra  Natural.   Quando  se  trate  de  revesGmentos  do   sistema  com  Ladrilhos,  deve  respeitar   as  seguintes  condicionantes:   -­‐  Formato  máximo  de  900cm2   (cerâmica  convencional)  ou  3600cm2   (Lamina  cerâmica  3mm).   -­‐  Peso  das  peças,  igual  ou  inferior  a  30kg/m2.   -­‐  Prever  a  uGlização  de  Cores  Claras  (Coeficiente  de  absorção     de  radiação  solar  inferior  a  0,7);   -­‐  A  super7cie  de  suporte  da  colagem  deverá  ter  pelo  menos  7  dias   de  secagem.   -­‐  Fazer  colagem  dupla.   -­‐  Prever  juntas  de  colocação  entre  as  peças  cerâmicas  com  pelo   menos,  4mm.     -­‐  UGlizar  cimentos  cola  e  argamassa  de  juntas  adaptados  (consultar   o  fabricante).   Proteções  de  topo  e  Peitoris     Para  a  manutenção  ao  longo  do  tempo  do  bom  aspeto  da  fachada  é   fundamental  a  aplicação  de  remates  superiores  ou  proteções  de   topo,  de  forma  a  impedir  que  a  água  da  chuva  escorra  diretamente     sobre  o  revesGmento  texturado,  arrastando  e  depositando  sobre   este  as  poeiras  acumulados  na  super7cie  do  elemento  de  remate.    

Manual  técnico  de  aplicação  de  isolamento  térmico  pelo  exterior   20  


Estes  elementos  deverão,  garanGr  uma  projeção  horizontal  de  3  a   4cm  para  além  da  fachada  e  um  remate  do  Gpo  pingadeira  na  sua   extremidade     Aplica-­‐se  o  mesmo  princípio  aos   parapeitos.     Adicionalmente,  estes,  deverão   dispor  de  um  elemento  lateral   que  impeça  a  água  de  escorrer   lateralmente,  obrigando-­‐a  a   escorrer  pela  zona  frontal.  

NOTA:  Os  procedimentos  apresentados  são  baseados  em   informações  ob8das  junto  vários  fabricantes  e  empresas   especializadas  com  larga  experiencia  no  mercado  do  ETICS  no   entanto  não  existe  consenso  em  todos  os  procedimentos,  assim   não  cons8tuem  vínculo  ou  garan8a.  Recomenda-­‐se  a  consulta   dos  fabricantes  e/ou  fornecedores  dos  materiais  a  aplicar.    

Manual  técnico  de  aplicação  de  isolamento  térmico  pelo  exterior   21  


Sistema ETICS