Issuu on Google+

Distribuição gratuita

Edição nº 2

A beleza gelada de um dos lugares mais especiais do planeta

ILHABELA

Um paraíso tropical

AS TRUTAS DO LAGO STROBEL

Aventura e muita ação em busca das trutas gigantes

Revista

Edição 02

Patagônia

A beleza gelada de um dos lugares mais especiais do planeta

06

Ilhabela

52

Um paraíso tropical

As Trutas do Lago Strobel

100

Aventura e muita ação em busca das trutas gigantes

Toda publicidade presente nesta publicação está ligada ao site do respectivo anunciante. O significado dos botões não tem relação com a sua cor: VÍDEO

SITE

Fale com a gente

Diretor Executivo: Marcello Lemos Jornalista Responsável: Daniela Alves - MTB 55873/SP Redator Chefe: Marcello Lemos Revisão: Alexandre Barbosa Coordenador de Arte: Thiago B. Joaquim Fotografias não identificadas/capa: Marcello L. Reis Colaboradores: Secretaria de Turismo de Ilhabela, Pescaventura, Puerto Pesca, Brazilian Adventure Society e Museu Náutico de Ilhabela.

Distribuição gratuita

Expediente Edição nº 2

A beleza gelada de um dos lugares mais especiais do planeta

www.rotaverde.net

ILHABELA

Um paraíso tropical

AS TRUTAS DO LAGO STROBEL

Rota Verde www.facebook.com/rotaverde.net

Aventura e muita ação em busca das trutas gigantes

sac@editoragrisanti.com.br

Revista ROTA VERDE edição N˚2, de Abril de 2013 é uma publicação trimestral da Editora Grisanti Ltda - ME. O acesso gratuito à publicação digital é disponibilizado através do site www.rotaverde.net . Central de atendimento, de Segunda a Sexta-Feira, das 8h às 18h - Tel: (11) 4171-1133 -email: sac@editoragrisanti.com.br . É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo da Revista Rota Verde sem a prévia autorização da Editora Grisanti Ltda-ME.

Carta ao leitor

Rumo ao topo! É com muita satisfação que apresentamos a você os primeiros resultados provenientes do grande esforço e dedicação de nossa equipe para participar ativamente do processo de desenvolvimento do turismo de aventura e do ecoturismo no Brasil. Desde a publicação da primeira edição da Revista Rota Verde, estivemos firmando grandes parcerias com empresas conceituadas e envolvidas em causas nobres que abrangem o aspecto social e ambiental do turismo no país. As conquistas neste curto período superaram todas as expectativas que tínhamos e, sem dúvida, o retorno que tivemos de você, leitor, foi o combustível necessário para realizar esse grande feito. Com a mesma dedicação e determinação que um alpinista escala uma montanha, estamos empenhados em alcançar o ápice deste segmento, tornando nossa publicação uma referência em qualidade. Novamente contamos com o seu auxílio para tornar tudo isso ainda melhor e atingir um público cada vez mais interessado em fazer parte da nossa história. Em nome de toda a equipe Rota Verde, quero agradecer imensamente a você, nosso maior parceiro. Marcello L. Reis

Comunicado Importante!

Os anúncios e o conteúdo dos links são de responsabilidade dos respectivos anunciantes e parceiros. Não nos responsabilizamos pelos negócios feitos entre o leitor e as empresas citadas em nossa publicação. Todas as atividades físicas devem ser feitas dentro das limitações de cada indivíduo e devem ser respeitados os limites e as normas de segurança vigentes. Procure sempre empresas idôneas e profissionais credenciados para auxiliá-lo em seu esporte ou atividade.

ERRATA

Na 1ª Edição da Revista Rota Verde, na matéria sobre Bonito/Serra da Bodoquena, no tópico “Rio da Prata”, descrevemos que o passeio de flutuação que começa no rio Olho d’Água, percorre 2.000 metros até o Rio Formoso. Na verdade, o Rio Olho d’Água encontra-se com o Rio da Prata. Agradecemos a leitora e colaboradora do Recanto Ecológico do Rio da Prata, Samara Lopes por ter nos alertado sobre este engano.

PATAGテ年IA Texto e fotografias nテ」o creditadas: Marcello L. Reis

6 | Rota Verde

Fitz Roy / El ChaltĂŠn

Rota Verde | 7

AridOcean/sutterstock

El AridOcean/sutterstock

El Calafate foi fundada em 7 de Dezembro de 1927. 8 | Rota Verde

Calafate N

o sudoeste da província de Santa Cruz, às margens do Lago Argentino e ao pé do Cerro Calafate, está localizada a simpática e acolhedora El Calafate. Nesta cidade com cerca de 20.000 habitantes (2012), os visitantes podem contar com uma excelente estrutura turística que vai desde o moderno aeroporto inaugurado no ano 2000 até uma rede hoteleira com mais de 155 hotéis e pousadas. Os investimentos em restaurantes e outros serviços que visam à satisfação dos turistas são crescentes e tornam a cidade de El Calafate uma das mais prósperas da Argentina. O nome “El Calafate” provém de uma vegetação típica da região, um arbusto com espinhos afiados que dá uma pequena e

Calafate (Berberis microphylla)

A_Sh/sutterstock

saborosa fruta, o Calafate (Berberis microphylla), utilizada para fazer geleias, bombons e outras gostosuras. O Clima predominante é seco com grandes variações térmicas ao longo do ano. No verão as temperaturas normalmente oscilam de 0oC a 20oC e os ventos intensos, frequentes nessa época, podem superar os 100km/h. Mas não se deixe impressionar pelas condições climáticas, pois a beleza do lugar e a estrutura apresentada aos turistas compensam. Tenha sempre um agasalho à mão e aproveite ao máximo essa experiência inesquecível. A paisagem bucólica remete o visitante ao sentimento de leveza e tranquilidade, despertando a vontade de conhecer cada detalhe da região. Rota Verde | 9

Chimango (Milvago chimango)

10 | Rota Verde

Cidade de El Calafate vista da Laguna Nimez

Após um dia de muita atividade, El Calafate convida a uma agradável caminhada na avenida principal para conhecer as diversas lojinhas do centro comercial e, possivelmente, um dos requintados restaurantes ou Parrillas da cidade. Se você é do tipo que curte um joguinho, está com sorte, um sofisticado cassino que também fica na mesma avenida é uma boa pedida para encerrar a noite. Distante apenas um quilômetro do centro da cidade está a Reserva Municipal Laguna Nimez, onde muitas espécies de aves fazem uma parada em suas jornadas migratórias para comer descansar e acasalar. Este também é um bom lugar para apreciar o pôr do sol com vista panorâmica da cidade cercada pelas montanhas do Cerro Calafate.

Vença o frio e acorde cedo. Algumas vezes, principalmente com o céu nublado, a alvorada vale o sacrifício. Rota Verde | 11

Laguna Nimez

Chimango (Milvago chimano)

Cauquén común / Ganso de Magalhães (Chloephaga picta)

Tero común / Quero-quero (Vanellus chilensis)

12 | Rota Verde

Loica comĂşn (Sturnella loyca)

Pato cuchara / Marreca-colhereira (Anas platalea)

Flamenco austral / Flamingo-chileno (Phoenicopterus chilensis) Rota Verde | 13

A gastronomia é um show à parte que tem seu auge no delicioso cordeiro patagônico acompanhado por um bom vinho argentino. Entre as opções de passeios estão o ciclismo, passeios a cavalo, excursões de barco, trekking, excursões sobre as geleiras, 4x4 off Road, pesca esportiva e visitação a sítios arqueológicos. No inverno, a Bahía Redonda em frente ao centro comercial da cidade transforma-se numa gigantesca pista natural de patinação no gelo. El Calafate é o ponto de partida para alguns dos mais belos destinos turísticos do planeta, entre eles, distante apenas 80 km do centro, destaca-se o Parque y Reserva Nacional Los Glaciares e sua mais famosa geleira, o Glaciar Perito Moreno. Existe um serviço de vans que levam os turistas ao parque com conforto e auxílio de guia. Este serviço é facilmente contratado na maior parte dos hotéis de El Calafate.

Konstanttin/Shutterstock

Preparo do cordeiro no restaurante La Tablita.

14 | Rota Verde

Entrada do Parque Nacional Los Glaciares.

Rota Verde | 15

16 | Rota Verde

GLACIAR PERITO MORENO

S

eja pelo fácil acesso ou por sua grande beleza, o Glaciar Perito Moreno é o principal atrativo da região, recebendo mais de 400 mil visitantes* por ano, segundo o levantamento feito pela Secretaria de Turismo da província de Santa Cruz. A maior parte das visitações ocorre de Outubro a Março, quando o clima é mais ameno.

*Dados estatísticos apenas da área sul do parque, referentes à temporada de 2010/2011. Do total de visitantes, 47% são argentinos e 53% são estrangeiros. (fonte: www.santacruzpatagonia.gob.ar)

Rota Verde | 17

A coloração azul do gelo glacial denso deve-se a estrutura cristalina que absorve os comprimentos de ondas mais longos e reflete os mais curtos (azuis). 18 | Rota Verde

Rota Verde | 19

Com uma superfície de aproximadamente 250km2, o Glaciar Perito Moreno é uma geleira de descarga do Campo de Gelo do Sul da Patagônia, a segunda maior região glacial do hemisfério sul ficando atrás apenas da Antártica. Criado em 11 de maio de 1937, abrangendo a superfície de 724.000 hectares, o Parque y

Reserva Nacional Los Glaciares foi incorporado pela UNESCO, em 1981, à lista de patrimônios naturais da humanidade. O parque possui uma excelente estrutura e proporciona aos visitantes a oportunidade de conhecer as geleiras de barco, chegando perto das paredes de gelo com cerca de 60 metros de altura acima do nível d´água; pelas

Vista panorâmica frontal do Glaciar perito moreno a partir do mirante mais próximo à geleira.

20 | Rota Verde

plataformas e mirantes do parque, com uma vista panorâmica superior privilegiada; e para os que não ficam satisfeitos apenas em ver a beleza das geleiras à distância, também é possível fazer excursões sobre o gelo (mini trekking de 1:30 horas / big ice de 4 horas de duração), contratando empresas especializadas nestas atividades.

Periodicamente, o Glaciar Perito Moreno avança até a Peninsula de Magallanes formando uma barragem entre o Brazo Rico e o Lago Argentino. Com o aumento gradual do nível de água do Brazo Rico, maior pressão é exercida nas paredes de gelo da barragem até que ela vai cedendo à erosão pela água, permitindo a vazão para o Canal de los Témpanos.

Rota Verde | 21

PSD photography Shutterstock

Peter Zaharov/Shutterstock

22 | Rota Verde

Pablo H Caridad/Shutterstock

A passagem da água forma uma belíssima ponte de gelo que algum tempo depois (meses) sofre uma brutal ruptura provocando um raro espetáculo da natureza. O último desabamento da ponte de gelo foi março de 2012 e o anterior, em julho de 2008. Ainda com as geleiras como foco principal do passeio, o Glaciar Upsala, o maior do país, é outro excelente ponto para visitação. Existem opções que conjugam a navegação pelo braço norte do lago Argentino com a visitação à geleira e a uma estância típica da região patagônica, onde se pode pernoitar e explorar a região cavalgando ou simplesmente caminhando.

Procy/Shutterstock

Willem Tims/Shutterstock

Pablo H Caridad/Shutterstock

Partindo de El Calafate rumo ao norte, pegando a famosa Ruta 40 e, em seguida, tomando a Ruta 23, está outro destino fantástico, a cidade de El Chaltén. A viagem de cerca de 215 km totalmente asfaltados pode ser feita tranquilamente com veículo alugado em El Calafate ou de ônibus com saídas regulares da mesma cidade.

Pablo H Caridad/Shutterstock

Galina Barskaya/Shutterstock

Rota Verde | 23

Galina Barskaya/Shutterstock

Quem foi o Perito Moreno?

Francisco Pascasio Moreno (1852-1919) foi um cientista, naturalista e grande explorador que recebeu o título de perito argentino por mapear e auxiliar na delimitação das fronteiras entre o Chile e a Argentina. Durante suas explorações em 1877, Moreno chegou a região onde atualmente encontra-se El Calafate e, em seguida, descobriu o Lago Viedma e o Cerro Chaltén onde avistou e batizou o monte Fitz Roy em homenagem a Robert Fitz Roy, capitão do HMS Beagle (embarcação que conduziu Charles Darwin em suas explorações).

24 | Rota Verde

Pablo H Caridad/Shutterstock

Ruta 40

A Ruta 40 é a rodovia mais longa da Argentina que com seus 5.200 km atravessa todo o país. Começa em Cabo Virgenes no Estreito de Magalhães* e vai até o norte da província de Jujuy em La Quiaca, próximo à fronteira com a Bolívia, ligando 11 províncias de 3 regiões do país. * O Estreito de Magalhães é a passagem entre a Terra do Fogo e o extremo sul da província de Santa Cruz que liga os oceanos Atlântico e Pacífico, descoberta pelo português Fernão Magalhães em 1520.

Ruta 23

Neil Podoll/Shutterstock

Caranchos / Carcarás (Polyborus plancus) disputando a carcaça da lebre.

26 | Rota Verde

Observatório Austral - próximo à Rota 23.

Rota Verde | 27

A

exuberante fauna está presente durante toda a jornada, desde a beira das estradas, nas planícies cobertas pela estepe, até topo das montanhas. Durante os trajetos é bem comum avistar guanacos, raposas, lebres e diversas espécies de aves, inclusive o choique (uma espécie de ema de menor porte que a encontrada no Brasil) e o icônico condor andino. Já os pumas e os cervos (Huemul) são mais reservados e difíceis de serem vistos.

O guanaco (Lama guanicoe), também visto acima em detalhe é um camelídeo nativo da América do Sul.

28 | Rota Verde

Ñandu ou choique (Rhea Pennata)

Zorro colorado / Raposa-vermelha (Lycalopex culpaeus)

Zorro Gris / Raposa-cinzenta-argentina (Pseudalopex griseus)

Rota Verde | 29

El Chaltén

E

l Chaltén é um destino tradicionalmente conhecido na Argentina como a capital nacional do trekking. A pitoresca cidadezinha foi fundada em 1985 e localiza-se na base do Cerro Fitz Roy, no extremo norte do Parque Nacional Los Glaciares (PNLG). A estrutura para receber os visitantes é mais simples que a de El Calafate, mas a beleza natural desta região é incomparável. Mesmo assim, a cidade conta com boa quantidade de hotéis, pousadas e restaurantes, além de oferecer serviços de apoio ao turista como, por exemplo, aluguel de equipamentos para caminhada e escalada, agências de turismo que organizam expedições pela região e serviço de navegação nos lagos.

30 | Rota Verde

Os primeiros raios de luz do dia podem causar o que é conhecido na região como Amanecer del Fuego, onde os imponentes rochedos ficam por alguns instantes com uma coloração vermelha vibrante incrível, podendo ser visto inclusive da cidade.

Rota Verde | 31

Bosques de Ă‘ire e Lenga

32 | Rota Verde

Cóndor Andino / Condor-dos-Andes (Vultur gryphus)

Caminhando a partir do centro da cidade, temos as duas mais famosas trilhas desta região do parque (PNLG), a do Cerro Torre (3.128m), passando pelo Mirador del Torre, pela Laguna Torre e chegando ao Mirador Maestri e a trilha do Cerro Fitz Roy (3.405m), passando pela Laguna Capri e chegando à Laguna de Los Tres e a Laguna Sucia, com a opção de iniciar esta trilha próximo à Hosteria El Pilar (17km do centro pela Rota 23) e passar pelo Glaciar Sapito de tres rayas (Bufo variegatus)

Rota Verde | 33

Glaciar Piedras Blancas

Aguila Mora / Ă guia-chilena (Geranoaetus melanoleucus) 34 | Rota Verde

Trilha para a Laguna de Los Tres - mesmo com o tempo bom, leve o seu agasalho, o clima nessa região pode mudar rapidamente.

A disputa pelo alimento continua, agora é pleno voo!

Piedras Blancas. As trilhas, que são autoguiadas e bem sinalizadas, num determinado ponto se comunicam por um trecho muito menos visitado onde ficam as lagoas Madre e Hija. Apesar da beleza cênica do lugar também durante o inverno, o maior movimento turístico concentra-se nos meses mais quentes do ano onde o clima mais ameno facilita quase todas as atividades. No outono a vegetação (ñire) adquire uma coloração avermelhada que contrasta com o verde dos lagos, o azul do céu e o branco da neve fazendo com que as paisagens pareçam uma pintura. Vale do Río de Las Vueltas - Mirante da trilha para a Laguna de Los Tres

Rota Verde | 35

Laguna de Los Tres - A beleza aqui é de tirar o fôlego (o que restou depois da subida). Esse é sem dúvida um dos lugares mais bonitos da Patagônia. 36 | Rota Verde

Rota Verde | 37

Cerro Fitz Roy

Laguna Sucia

38 | Rota Verde

Rota Verde | 39

gary yim/Shutterstock

Tabela de distâncias partindo do centro de El Chaltén: Ponto turístico distância tempo aproximado de ida -Laguna Capri 7 km 1:45 h -Laguna de los Tres 12,5 km 4:00 h -Piedras Blancas 12 km 3:30 h -Mirador del Torre 5 km 1:15 h -Laguna Torre 11 km 3:00 h -Mirador Maestro 13 km 4:00 h -Laguna Madre e Hija

40 | Rota Verde

8 km

2:15 h

Existem locais dentro do parque destinados ao camping, vale lembrar algumas normas que devem ser seguidas por todos: (foto 17) - Não fazer fogueiras, usar apenas aquecedores; - Usar os banheiros para satisfazer suas necessidades fisiológicas, se não for possível, faça-o a uma distância maior que 100 metros das trilhas e da beira da água dos lagos e rios; - A água dos rios e lagos é potável, ao banhar-se usando sabonete ou shampoo faça-o a uma distância superior a 50 metros da margem dos rios e lagos; - Levar seu lixo embora; - Não coletar animais, plantas e minerais; - Não é permitida a entrada de animais de estimação; - O clima nesta região muda rapidamente, leve sempre um agasalho impermeável; - Horários: pense no seu regresso, planeje seu retorno ainda com a luz do dia; - O principal responsável por sua segurança é você mesmo, tenha cuidado; - Cuidado com seu cigarro, apague-o muito bem. “Bituca” também é lixo e como tal deve regressar com você. O que levar nas caminhadas: óculos com filtro UV, calçado próprio para caminhar (tipo bota, de preferência já “amaciada”), protetor labial, protetor solar com fator acima de 25, roupas leves para atividade física e agasalhos impermeáveis, luvas, pilhas e baterias reserva (o frio consome as baterias com maior velocidade), cartões de memória, lanterna, comida seca (barra de cereais, castanhas, chocolate, etc) e uma garrafa de água (pode ser reabastecida nos abundantes rios e lagos). Laguna Capri

Rota Verde | 41

Peter Zaharov/Shutterstock

Cerro Torre

Os alpinistas frequentam estas montanhas desde os anos 40, atraídos pelo grande desafio de escalar as paredes escarpadas do Cerro Fitz Roy e do Cerro Torre, considerado por muitos como uma das mais difíceis escaladas do mundo. O topo do Fitz Roy foi alcançado pela primeira vez em 1952 pelos franceses Lionel Terray e Guido Magnone, já o cume do Cerro Torre é alvo de desavença e muita polêmica, denotando a extrema dificuldade de alcançá-lo.

42 | Rota Verde

nouseforname/Shutterstock

nouseforname/Shutterstock

Em 1959, o italiano especialista em escalar rochas Cesare Maestri e o austríaco Toni Egger, especialista em escalada em gelo, supostamente atacaram o cume da montanha, avançando sobre o gigantesco “cogumelo de gelo” que descansa no topo do Cerro Torre. Pois foi justamente um deslizamento de parte desse gelo que durante a descida vitimou Egger, sepultando na montanha o corpo alpinista e a câmera fotográfica que comprovaria o feito histórico. Àquela altura, C. Fava, outro italiano que também compunha a equipe, porém não participou do ataque ao cume, conseguiu encontrar e resgatar Maestri que já estava à beira da morte. Alguns anos depois, questionado sobre o inacreditável feito, Maestri deu alguns detalhes que não correspondiam à realidade encontrada em algumas expedições posteriores que não obtiveram sucesso em atingir o cume, mas chegaram bem perto de conseguir. Em 1970, com seu orgulho ferido, Maestri retorna ao Cerro Torre. Desta vez, munido de um compressor para inserir grampos de fixação no duro granito. Após fixar por volta de 400 grampos, Maestri logrou êxito em sua jornada e deixou para trás o compressor e os grampos na via conhecida atualmente como via do compressor. O problema é que a história não termina por aí. Dentro da comunidade

de alpinistas a atitude de utilizar os grampos nesta montanha foi vista como antiética e gerou muita controvérsia. Em 1974, o italiano Casimiro Ferrari e sua equipe formada por Mario Conti, Pino Negri e Daniele Chiappa põem mais lenha nessa fogueira, tendo êxito ao atacar o cume do Cerro Torre pela parede oeste, numa difícil escalada técnica em condições insólitas. Atualmente essa rota é considerada a via da conquista do Cerro Torre. Como se não bastasse, em 2012, os alpinistas Jason Kruk (Canadá) e Hayden Kennedy (USA) retiraram cerca de um terço dos grampos da rota do compressor, complicando a subida de muita gente. Para finalizar e ilustrar a dificuldade de chegar ao topo do Cerro Torre basta dizer que o Monte Everest (Cordilheira do Himalaia) com seus 8.848 metros foi conquistado quase seis anos antes (1953) da primeira suposta ascensão de Maestri.

Rota Verde | 43

Vitezslav Halamka/Shutterstock

Trekking com o Cerro Torre ao fundo.

44 | Rota Verde

Rota Verde | 45

Mais ao norte de El Chaltén, seguindo 37 km pela Ruta 23, atravessando uma frondosa floresta de Lenga cortada por rios de água cristalina, está o Lago del Desierto de coloração verde azulada e cercado por montanhas de picos nevados. Neste lago podemos contratar um agradável passeio de barco (consultar os horários de saída antes de ir) até o seu extremo norte e de lá, para quem estiver preparado, dar início à caminhada pela trilha de 15 km até o Lago O’higgins no Chile.

46 | Rota Verde

Algumas operadoras de turismo organizam excursões ao Glaciar Viedma. Neste passeio, após uma breve navegação pelo Lago Viedma, os visitantes, munidos de grampones (grampos de aço) presos aos calçados caminham sobre a geleira e adentram nas cavernas de gelo de cor anil. Uma experiência inesquecível! O embarque para esta aventura é feito na Bahía Túnel a 18 km do centro de El Chaltén. Aqui o ciclismo é levado ao extremo. Alguns corajosos aventureiros viajam por centenas de quilômetros pelas planícies patagônicas,

enfrentando ventos fortíssimos e um frio de gelar os ossos e passando por longos trechos desertos. Outras atividades que exigem menos esforço e também permitem a integração entre o turista e o meio ambiente, como as agradáveis cavalgadas e a pesca* de trutas com mosca, são comumente realizadas nas cercanias do parque nacional (PNLG). *É necessário ter a licença de pesca para exercer esta atividade.

Lago del Desierto

Rota Verde | 47

A Jellema/Shutterstock

Como chegar: El Calafate está a aproximadamente 3.050 km de Buenos Aires, cerca de 3 horas em voo direto. Melhor época: de outubro a março, quando o clima é mais ameno. Oportunidade de esticar a viagem: Uma vez em El Calafate, estamos a apenas 220 km de El Chaltén e aproximadamente a essa mesma distância do Parque Nacional de Torres del Paine no Chile. Se tiver chance, vale a pena alugar um carro e cair na estrada! Aluguel de carros: se você pretende usar um carro alugado para conhecer toda a região (o que é uma excelente ideia), faça uma reserve com antecedência, pois na temporada eles são bem disputados. Peça por um carro em bom estado e ao retirá-lo da locadora verifique todos os detalhes,

Galina Barskaya/Shutterstock 48 | Rota Verde

fazendo qualquer alteração (riscos, amassados, barulhos, etc) constar na documentação para evitar surpresas na devolução do veículo. Combustível: A região patagônica é bem deserta, se você for se aventurar pelas estradas, procure sempre andar com o tanque cheio e informe-se sobre a localização e horários de funcionamento dos postos de abastecimento. Ande sempre com um mapa da região, alguns são distribuídos gratuitamente por toda a cidade, mas os melhores são comercializados. Se for possível, antes de sair para fazer uma trilha deixe avisado seu destino e sua previsão de retorno no hotel. El Chaltén fica com menos de 1.000 habitantes no inverno, se você pretende visitar

a região nesta época, consulte os hotéis com antecedência. Restaurantes: Em El Calafate, podemos indicar sem ressalvas os restaurantes La Tablita e o Don Pichón.

Na opinião do autor, o imperdível: - “Sendero a Laguna de Los Tres” em El Chaltén - Glaciar Perito Moreno - Excursões nas geleiras - Provar um cordeiro à moda da patagônia

Agradecimentos: Governo de Santa Cruz Links: http://www.elcalafate.gov.ar http://www.santacruzpatagonia.gob.ar http://www.elchalten.com/ http://www.parquesnacionales.gov.ar/parques/ http://www.losglaciares.com/en/index.html http://www.la-tablita.com.ar/ http://www.estanciacristina.com/ Rota Verde | 49

ecer h n o c a h n Ve o! s í a r a P e t es

Site: www.viagensnaturais.com.br E-mail: costarica@viagensnaturais.com.br / Tel: (11) 2679-2773 Rua Barão Do Triunfo, 88 – Sala 505 - Brooklin - São Paulo - CEP 04602-000 CNPJ: 17.069.586/0001-43

Ilhabela Um ParaĂ­so Tropical

Texto e fotografia: Marcello L. Reis

52 | Rota Verde

Quem nunca esteve na Ilhabela, precisa conhecê-la. E pelo nome você já pode imaginar o que vai encontrar nesse paraíso do litoral paulista.

I

lhabela é um município-arquipélago que tem sua urbanização concentrada na Ilha de São Sebastião, uma das maiores ilhas da costa brasileira. Está localizada a cerca de 210 km da capital paulista, onde você poderá desfrutar de praias, trilhas cachoeiras e muito verde. Esse arquipélago é um local privilegiado em relação à preservação da natureza, tendo aproximadamente 83% da sua área protegida pelo Parque Estadual de Ilhabela. O parque de 27.025 hectares, criado em 20 de Janeiro de 1977, abrange além da Ilha de São Sebastião (337km2) mais 11 ilhas, 3 ilhotas e 3 lajes.

Rota Verde | 53

Praia do Sino

No total, dezessete comunidades tradicionais caiçaras vivem nas ilhas de Vitória, Búzios e na própria Ilha de São Sebastião, sendo a maior delas a vila do Bonete. Esses pequenos povoados ainda mantém viva a cultura de seus ancestrais em festas, manufatura de canoas típicas (Canoa de Voga), artesanato, culinária e pesca. O acesso à Ilhabela é marítimo feito por balsas com horários regulares. Em alguns feriados, principalmente durante a temporada, vale a pena reservar um horário para a travessia. Hora marcada: (http://www.sigero.sp.gov.br/

HMCliente/App_Travessia/webHoramarcada.aspx)

Ilhabela proporciona aos seus visitantes opções variadas de lazer. Em sua orla existem 42 praias paradisíacas, as mais badaladas como, por exemplo a praia do Curral, possuem toda a estrutura turística para satisfazer aqueles que apreciam o conforto e a boa gastronomia. Para o visitante que prefere lugares mais reservados, existem praias que preservam suas características nativas, com todo o esplendor da natureza. O relevo acidentado, com montanhas que Veloso

54 | Rota Verde

Piscina natural na Trilha da Água Branca.

se elevam a mais de 1.000 metros do nível do mar e a costa recortada que intercala praias e rochedos aflorando entre a vegetação de Mata Atlântica dão à Ilhabela um ar de “ilha do tesouro”, cheia de baías e lugares escondidos esperando para serem explorados. Trilhas atravessam a mata exuberante nos levando a cachoeiras e piscinas naturais, outras acabam no topo da ilha com um visual incrível. Das diversas trilhas, as mais populares têm os seguintes destinos: - Pico do Baepi – 1.048 metros - Cachoeira dos Três Tombos - Cachoeira do Veloso - Cachoeira do Gato - Cachoeira da Friagem - Praia do Bonete / Cachoeira da Laje - Praia de Castelhanos / Estrada Parque

- Trilha da Água Branca – cachoeiras e piscinas naturais Rota Verde | 55

Esporte e diversão andam juntos na ilha. A locação de equipamentos esportivos é muito comum em diversas praias. Foto: Praia do Curral. Vista do mirante na chegada ao Jabaquara.

56 | Rota Verde

O emprego dos seus sonhos pode estar muito perto de você. Você mergulhador que procura uma mudança de estilo de vida, uma opção de ganho adicional ou até mesmo abrir o seu próprio negócio.

Esse poderá ser o seu próximo local de trabalho.

Tornar-se um instrutor de mergulho PADI é o primeiro passo. Uma vez instrutor você terá todo o mundo de mergulho aberto para exercer essa profissão, estabelecer uma parceria com seu centro de mergulho favorito ou até começar a pensar em abrir o seu próprio. Durante o Curso de Desenvolvimento de Instrutores PADI - IDC, você aprenderá a como conduzir os cursos de mergulho da PADI, conforme os padrões mundiais, aprenderá sobre o mercado de mergulho, como fazer negócios ep promover os seus produtos e programas. Ao concluir as duas etapas do treinamento: IDC e o exame de instrutor PADI - IE, você poderá conduzir os cursos do programa: Open Water Diver, Advanced in Diving, Rescue Diver, Divemaster, as especialidades de mergulho Flutuabilidade, Coral Reef, AWARE e as experiências Discover Scuba Diving, Bubblemaker e PADI Seal Team. Também poderá começar a se especializar através dos cursos de instrutor de Especialidades PADI, programa de primeiros socorros EFR e mergulho técnico TecREC. pe Não perca mais tempo, entre agora mesmo em contato com os centros PADI, 5 Star IDC ou CDC PADI, converse com um Course Director PADI e saiba todas as vantagens e oportunidades.

Clique aqui e saiba onde encontrar os Centros de Formações de Instrutores PADI.

58 | Rota Verde

S

Cycloramphus rhyakonastes

e você pretende entrar nas piscinas naturais e cachoeiras, evite o uso de repelentes, protetores solar, sabonetes e outros cosméticos que podem prejudicar o frágil equilíbrio do ecossistema local. O acúmulo destes resíduos químicos tem um efeito devastador ao longo dos anos. Lembramos também que, as pedras molhadas são escorregadias e durante as caminhadas você estará por sua conta, muitas vezes longe de auxílio médico.

Samambaiaçu (Dicksonia sellowiana) Rota Verde | 59

Casquinha de camarão do Dedo de Moça na Praia do Curral.

A

culinária local é excelente, e como não poderia deixar de ser, os frutos do mar são base dessa deliciosa gastronomia. Este fato é comprovado no Festival do Camarão, evento gastronômico tradicional (18ª Edição em 2013) que acontece entre Agosto e Setembro, em diversos restaurantes procuram satisfazer os paladares mais exigentes. Um prato tipicamente caiçara é o Azul Marinho, preparado com peixe e bananas verdes. Mas, se você prefere massa, carne ou pizza, não se aflija, pois na ilha existem as mais diversas opções de cozinha nacional e internacional esperando para lhe atender. Rota Verde | 61

Confira alguns dos mais conceituados restaurantes presentes na Ilha: - Ilha Sul - O Caminho da Pizza - Viana - Itapemar - Nova Iorqui - Deck - Dedo de Moça Existem várias pousadas e hotéis espalhados pela ilha. Veja abaixo algumas opções: - Hotel Itapemar - Hotel Mercedes - Barra do Piúva Porto Hotel - Hotel DPNY - Pousada Canto Bravo (no Bonete) - Pousada Porto Bonete (no Bonete)

Vista do Canal de São Sebastião.

62 | Rota Verde

Ilha das Cabras

Excelente local para o mergulho. Fica na frente da Praia das Pedras Miúdas, dentro da área protegida pelo Santuário Ecológico criado em 1992.

Rota Verde | 63

Surf em Castelhanos

A Cachoeira do Gato, próxima da Praia de Castelhanos é uma ótima opção de laser.

Ilhabela tem o cenário perfeito para surfar, pescar, velejar, mergulhar, pedalar, navegar ou simplesmente esticar o corpo nas areias brancas de suas belas praias. Os melhores pontos para surfar são as praias de Castelhanos e do Bonete. Apesar de apresentar aos turistas alguns restaurantes, ainda não existem pousadas em Castelhanos, deixando como opções para os visitantes alugar uma residência ou acampar* em áreas destinadas ao camping existentes no local. Para chegar à praia podemos contratar um transporte (off-road 4x4) numa das diversas operadoras de turismo da ilha e aproveitar além das ondas num cenário natural incrível, um passeio agradabilíssimo que atravessa o interior da Ilhabela pela Estrada Parque dos Castelhanos. *A prefeitura proibiu acampar nas praias. 64 | Rota Verde

Praia de Castelhanos

É uma das praias mais bonitas da ilha. Oferece ao visitante muita aventura e descontração, mantendo suas características naturais preservadas.

66 | Rota Verde

Rota Verde | 67

Praia do Bonete

Lugar especial com um toque romântico e uma beleza natural incrível, ideal para esquecer o ritmo de vida dos grandes centros.

J

á para ir ao Bonete, os carros e motos só podem chegar próximos à ponta da Sepituba de onde é preciso encarar uma trilha de aproximadamente 12 km a pé até a praia ou por transporte marítimo, o que custa em média de R$ 100,00 a R$ 140,00 por pessoa. Para compensar as dificuldades de acesso, existem algumas pousadas no Bonete como, por exemplo, a Canto Bravo e a Porto Bonete, que oferecem muito conforto e tranquilidade aos aventureiros que se dispõem a visitar essa belíssima praia. Devido ao bom número de turistas

As Canoas de Voga ainda são largamente utilizadas pela comunidade tradicional caiçara. 68 | Rota Verde

Trilha para o Bonete.

Rota Verde | 69

que se hospedam nessas pousadas durante o ano todo, vale a pena fazer a reserva com antecedência. Na rota marítima para o Bonete está o Areado, um local para os surfistas mais experientes, onde as formações são excelentes, mas a pequena profundidade torna o esporte mais arriscado. A vila existente na praia do Bonete abriga cerca de 290 moradores que vivem praticamente isolados do restante da ilha, num ritmo de vida próprio em harmonia com o meio ambiente.

Atualmente, a cultura e o equilíbrio desse pequeno povoado estão sendo ameaçados pela chegada do “progresso”, por meio de um projeto onde o governo pretende construir uma estrada que dará acesso ao Bonete. Por um lado, existe o benefício da comodidade de ir e vir de carro e o acesso à energia elétrica, por outro, a ineficiência pública em construir uma rede de saneamento básico e a expansão imobiliária irregular. Em sua grande maioria, os moradores não concordam com a construção desta estrada e já encaminharam à Prefeitura um projeto para modernizar uma pequena usina hidrelétrica existente no local. 70 | Rota Verde

Surf no Bonete

Rota Verde | 71

Caxinguelê (Sciurus aestuans)

72 | Rota Verde

P

ara quem gosta de pedalar, existe uma ciclovia que liga boa parte do trajeto entre a Barra Velha e o centro histórico, proporcionando maior segurança ao ciclista e incentiva o uso deste transporte saudável muito difundido na região. Para quem pratica o mountain Bike, a Estrada Parque dos Castelhanos apresenta longas subidas e descidas em terreno irregular e por vezes com muita lama, exige dos ciclistas um excelente preparo físico, mas proporciona aos desafiantes uma “pedalada” inesquecível no meio da paisagem encantadora da floresta de mata Atlântica. As águas do arquipélago de Ilhabela abrigam inúmeras espécies de peixes como as grandes garoupas, anchovas, bonitos, sororocas, entre

Marpesia petreus

Cachoeira da Lage, na trilha para o Bonete.

Rota Verde | 73

BromĂŠlia

Estrada Parque 74 | Rota Verde

outras, que cativam o pescador esportivo. Para exercer esta atividade, assim como a pesca submarina, é necessário ter a licença de pesca e respeitar as áreas de reserva ambiental e as limitações de quantidade de captura, tamanhos e espécies protegidas, impostas pelas autoridades competentes. Para conseguir a licença de pesca, acesse o site: http://sinpesq.mpa.gov.br/pndpa/web/ Praia Grande

Praia do Julião Rota Verde | 75

76 | Rota Verde

O Brasil tem 7,5 mil km de litoral, 50 mil km de rios e 400 milhões de hectares de matas virgens. Viajar na natureza é fazer de tudo isso um grande parque de diversões. São inúmeros destinos e atividades de ecoturismo e turismo de aventura oferecidas no Viagem na Natureza. Diversão garantida, com muito conforto e segurança. É só escolher!

Foto: Alexandre Cappi

www.viagem-natureza.com.br

Procure empresas com certificação em segurança. Faça as malas e divirta-se.

Rota Verde | 77

Praia do Jabaquara

Seja por mar ou por terra, o acesso fĂĄcil e a grande beleza fazem desta praia um dos pontos turĂ­sticos imperdĂ­veis da ilha.

78 | Rota Verde

Maria-farinha (Ocypode spp)

Rota Verde | 79

N

avegando pelas águas que já abrigaram vários navios piratas e que serviam de porto para o tráfico de escravos, temos a mesma impressão que os antigos exploradores tiverem sobre o lugar. Em sua costa recortada por baías de beleza estonteante, a Ilhabela esconde praias reservadas acessíveis apenas por mar. Desta forma, quem quiser conhecer estes locais pode contratar os serviços de aluguel de barcos ou de escunas nas agências de turismo especializado que se concentram no centro histórico (a Vila) e no Perequê. Os velejadores elegeram a Ilhabela como o melhor “point” para navegar e praticar esportes como

80 | Rota Verde

A ponta das Canas é um dos pontos favorecidos pelo vento, conhecido na região como “Lestão”, que se afunila pelo canal e proporciona muita ação aos praticantes dos esportes à vela ou pipa. Quando o vento entra pelo sul, um ponto muito bom é o Perequê.

Rota Verde | 81

82 | Rota Verde

o Kitesurf e o Windsurf. Em Julho, acontece a “Semana Internacional de Vela de Ilhabela”, evento que reúne grandes nomes do esporte que além de se confraternizarem, participam nesta ocasião de uma tradicional e muito conceituada regata. Se você tem vontade de velejar (Kitesurf, Windsurf ou barco à vela), existem na ilha escolas de vela como, por exemplo, a BL3 que dão aulas para os principiantes e alugam equipamentos e embarcações.

A navegação na costa da ilha é uma excelente forma de conhecer os seus encantos e segredos, mas fique atento aos parcéis e baixios escondidos.

Mergulhe nessa aventura! As operadoras de mergulho da ilha disponibilizam equipamentos para locação e oferecem cursos de mergulho reconhecidos internacionalmente pelos órgãos reguladores desta atividade.

Rota Verde | 83

Snorkeling entre as Praias do Curral e Veloso.

O mergulho em apneia ou snorkeling é diversão garantida e não precisa de certificação para ser realizado. A grande biodiversidade marinha na região proporciona aos mergulhadores experiências fascinantes junto a um universo colorido de pequenos peixes e animais que compõem esse bioma. Nestas águas ocorreram diversos naufrágios e alguns deles são muito populares entre os mergulhadores autônomos. Na página ao lado encontram-se os mais famosos.

84 | Rota Verde

O Saco da capela, próximo à Vila, abriga diversas embarcações em suas tranquilas águas.

Nome

Local (proximidades)

Profundidade

Naufrágio

Velásquez

Ponta da Sela

12m aos 25m

1908

Aymoré

Praia Grande

4m aos 12m

1920

Therezina / Sigmund

Borrifos

8m aos 17m

1919

Dart

Em frente ao Morro do Simão 6m aos 8m

1884

Hathor

Septuba

8m aos 17m

1909

Príncipe de Astúrias

Pirabura

15m aos 50m

1916

Muitas peças e informações sobre os naufrágios podem ser encontradas no Museu Náutico de Ilhabela, ao lado do restaurante Deck, na altura do número 805 da av. Almirante Tamandaré.

A Praia do Perequê reune grandes eventos esportivos e comemorativos.

Rota Verde | 85

O

naufrágio do Príncipe de Astúrias foi o maior* já ocorrido em águas brasileiras. Oficialmente, 445 pessoas foram vitimadas no choque entre o navio e as rochas submersas da Ponta da Pirabura. Os sobreviventes, cerca de 150 pessoas, foram recolhidos pelo navio francês Vega. Segundo alguns historiadores, também estavam a bordo mais de 800 clandestinos que tentavam escapar da 1ª. Guerra Mundial. Algumas linhas de investigação sugerem que o naufrágio ocorreu em função de uma conspiração para saquear cerca de onze toneladas de ouro que o navio transportava. Esse ouro nunca foi encontrado... *critério de avaliação pelo número de vítimas fatais.

O livro “Ilhabela Seus Enigmas” de Jeannis Michail Platon cota em detalhes essa e outras histórias incríveis ocorridas em Ilhabela.

Fotografia e ilustração do acervo do Museu Nautico de Ilhabela.

86 | Rota Verde

Rota Verde | 87

• Aeroporto de Congonhas • Aeroporto Internacional de Guarulhos • Aeroporto de São José dos Campos

ES RJ

MG • Aeroporto Internacional

RJ Antônio Carlos Jobim

Além dos naufrágios, outras excelentes opções SP de mergulho são: RJ • Aeroporto Santos Dumont

• Aeroporto Internacional Afonso Pena

Ilhabela PR - Santuário ecológico da Ilha das Cabras - Saco do Sombrio SC - Saco do Eustáquio - Ilha Sumítica RS BEM-VINDO AO ARQUIPÉLAGO DE ILHABELA - Ilha de Serraria A cidade tem o prazer de apresentar a você suas 42 praias de diferentes estilos, que oferecem ótimas condições de lazer, e suas centenas de cachoeiras cercadas por uma das - Ilha de Búziosmaiores reservas de Mata Atlântica do planeta: o Parque Estadual de Ilhabela, que preserva 83% da principal ilha do arquipélago e todas as outras ilhas, ilhotes e lajes. - Ilha de Vitória O PARQUE ESTADUAL, desde 1977, conserva 27.025 ha de Mata Atlântica, um dos biomas mais ameaçados e ricos em espécies de fauna e flora do mundo. Dentre as atividades oferecidas aos visitantes estão a caminhada em trilhas, subidas a pico e mirantes com vistas panorâmicas, observação de plantas e animais, banho em cachoeiras e piscinas naturais. Ilhabela conserva sua história na arquitetura urbana, e a tradicional cultura caiçara nas 17 comunidades tradicionais do arquipélago. Para completar o clima de ilha paradisíaca, o município oferece uma preparada rede hoteleira, gastronomia de alto padrão e uma vida noturna agitada. Com opções para todos os gostos, Ilhabela é um destino para o ano inteiro. Desfrute deste tesouro contribuindo com a conservação ambiental, histórica e cultural de llhabela. Boa visita!

Garapoca (Pedras do Sin

Viana

Barreiros

SÃO SEBASTIÃO

Engenho dʼÁgua Itaquanduba Itaguaçu

Sa

nt

Rodovi

Ilha das Cabras

Portinho Oscar Feiticeira

Aymoré

Cachoeira do Veloso

Inglaterra 1920 - 5m a 12m de profundidade / deep

Crest

Inglaterra 1882 - 9m a 17m de profundidade / deep

Theresina e Siegmound

ituba

do Curral

4

Ponta da Sela

Laje ou Sep

88 | Praia

Parque E de Ilh

Capela de Santa Cruz

São Pedro

Brasil 1919 - 8m a 17m de profundidade / deep

Bonete

Ucrania (1960)

Cachoeira do Areado

Campos

Brasil 1943 - 7m a 28m de profundidade / deep

1 km 1,3 km 1,5 km 2,5 km 3 km 4 km 5 km 6,5 km 8,5 km 10,5 km 11,5 km 12 km 13 km 15 km 15,5 km 18,5 km 24 km 26 km

Cachoeira da Laje

Borrifos Dart

Distâncias de Ilhabela DISTANCE from Ilhabela Rio de Janeiro: 440 km (273 miles) - 7h Rota VerdeSantos: 150 km (93 miles) - 2h30 Curitiba: 544 km (373 miles) - 7h30

3

Curral

S. Janeco

1 km 2,5 km 3 km 3,5 km 4,19 km 5 km 6 km 7 km 10,5 km 16 km

*As ilhas da Vitória e dos Búzios estão fora de escala *Victoria and Buzios Islands are out of scale

São Paulo: 210 km (130 miles) - 3h30

Praia Grande

Ross (1942)

22 km

Cachoeira Pancada dʼÁgua

Julião

Brasil 1920 - 5m a 9m de profundidade / deep

Inglaterra 1884 - 6m a 20m de profundidade / deep

Southern Beaches

Ponta do Pequeá Engenho d’Água Itaquanduba Itaguaçu Perequê Barra Velha Ferry Boat Ilha das Cabras Portinho Feiticeira Julião Praia Grande Curral Veloso Ponta da Sela Borrifos Ponta da Sepituba

Piúva

Praia do Oscar

Córrego de

Cachoeira dos três Tombos ou Praias do Sul Pancada d’Água Saco da Capela

s

Barra Velha

Inglaterra 1908 - 6m a 22m de profundidade / deep

Northern Beaches

Santa Tereza Barreiros Viana Siriúba Garapocaica Pinto Armação Pontas das Canas Pacuíba Jabaquara

nto a Rio Sa

Veloso

Praias do Norte

Perequ

Perequê

os

Velásquez

Castelhanos

Vila Saco da Capela Ponta do Pequeá

Distâncias da Vila DISTANCE from Vila Eastern Beaches

Santa Tereza

Parque Estadual da Serra do Mar

WELCOME TO ILHABELA ARCHIPELAGO It is with great pleasure that we present to you our 42 beaches with their assorted styles that offer great leisure conditions and also our hundreds of waterfalls, set in one of the largest stretches of tropical rainforest reserves on the planet: Ilhabela State Park, preserving 83% of the main island and all of the other islands & islets. Since 1977, The State Park has preserved 27,025ha of Atlantic Rainforest, one of the most threatened and richest in fauna and flora species biomes on the planet. Some the numerous activities offered to its visitors include trekking, climbing to summits with astonishing panoramic views, plant cataloging, animal watching, waterfalls and natural swimming pools. Ilhabela´s well preserved history can be seen in both it´s urban architecture and traditional native culture which are evident in the 17 communities established throughout the archipelago. To complete this feeling of a tropical island paradise, the municipality is proud to offer a wide range of charming, quality hotels, fabulous restaurants and a busy night-life. Offering options to cater for all tastes, Ilhabela is a destination for the whole year round. Enjoy this treasure by taking part in its environmental, historical and cultural preservation. Have a nice stay!

Praias do Leste

Siriúb

Canal de São Sebastião

Hathor

Porto Frades

Inglaterra 1909 - 8m a 19m de profundidade / deep

5

Atílio (1905)

Ponta da Sepituba

Trilhas do Parque Estadual de Ilhabela Trails of Ilhabela State Park Níveis de dificuldad

2

Trilha da Água Branca - 4 km Atrativos: Mata Atlântica, 5 poços, torre de observação. Início na Guarita da Estrada Parque dos Castelhanos.

4

Trilha da Cachoeira do Veloso - 2 km Atrativos: Mata Atlântica, Cachoeira do Veloso com queda de mais de 45 metros de altura.

Água Branca Trail - 4 km Points of Interest: Atlantic Rainforest, 5 river pools, observation tower. Begins at the Gate to Castelhanos Park Road.

Veloso Waterfall Trail - 2 km Points of Interest: Atlantic Rainforest, Veloso Waterfall with a drop of more than 45 metres high.

Trilha da Cachoeira Pancada d’Água (3 Tombos) - 720 metros Atrativos: Mata Atlântica, 3 quedas d’água. É a trilha mais curta e acessível aberta à visitação.

Trilha da Cachoeira do Gato - 4 km Atrativos: Mata Atlântica, Cachoeira do Gato. Uma das maiores quedas d’água do Parque Estadual. A praia é habitada por uma comunidade tradicional caiçara.

3

Pancada d´Água Waterfall Trail (3 falls) - 720 metres Points of Interest: Atlantic Rainforest, 3 waterfalls. It is the shortest and most accessible trail open for visitation.

At qu

Fri Po

6

Gato Waterfall Trail - 4 km Points of Interest: Atlantic Rainforest, Gato Waterfall. One of the tallest waterfalls in the State Park. The beach is inhabited by a local traditional community.

At de pr

Ba Po Th

Ponta das Canas

N

Pacuíba

Armação

Jabaquara

O

Jabaquara

L

Pinto Pedras do Sino

aia no)

ILHA DA VITÓRIA

S

Fome

ba Cachoeira da Friagem

8

Saco do Poço

Barreiros

Ponta Grossa

Pico do Baepi

ILHA DOS BÚZIOS

ILHABELA

Parcel da Pirajica Parcel do Meio

Serraria

Ilha Sumítica Ilha da Serraria Caveira Cachoeira da Toca

Córrego das Tocas

Guanxuma

Cachoeira da Água Branca

6

Cachoeira do Gato

Eustáquio Ponta da Cabeçuda

Lage Preta

2

Gato

Estrada Parque dos Castelhanos

Castelhanos

7

Mansa

Estadual habela

Vermelha Ponta do Costão Figueira

Legenda Legend

ão

eir

Rib

Saco do Sombrio do te

ne

Bo

Tritão (1921) Ponta do Piraçununga

Concar

Indaiaúba Enchovas Bonete

Espanha 1959 - 6m a 20m de profundidade / deep

Enseada das Enchovas France

França 1906 - 40m a 60m de profundidade / deep

Ponta da Pirabura Príncipe de Astúrias

Espanha 1916 - 18m a 45m de profundidade / deep

Guarani (1913) Baixo Low

Médio Medium

Alto High

8

Trilha da Cachoeira da Friagem – 2.4 km trativos: Mata Atlântica, Cachoeira da Friagem com ueda de 25 metros de altura.

iagem Waterfall Trail – 2.4 km oints of Interest: Atlantic Rainforest, Friagem Waterfall with a drop of 25 metres high.

1

Trilha do Pico do Baepi - 7,4 km trativos: Mata Atlântica, vista panorâmica, pico e 1.048 metros de altitude. É recomendada a resença de monitor ambiental credenciado.

aepi Peak Trail – 7,4 km oints of Interest: Atlantic Rainforest panoramic view, peak 1,048 metres in height. he presence of a certified environmental specialist guides is recommended.

Hospital Hospital

Cachoeira Waterfall

Heliponto Heliport

Mirante View Point

Balsa Ferry Boat

Naufrágio Shipwreck

Farol Lighthouse

Mergulho em Naufrágio Shipwreck Diving Mergulho Livre Free Diving Windsurf Windsurf Kitesurf Kitesurf

Ponta do Boi

de Level of difficulty

Praia Beach

Acessibilidade Accessibility Santuário Ecológico Ecological Sanctuary Parque Municipal das Cachoeiras Municipal Waterfall Park Prefeitura Municipal de Ilhabela Ilhabela Town Hall Parque Estadual de Ilhabela Ilhabela State Park

Surf Surf

Estrada Pavimentada Paved Road

Pesca Fishing

Estrada de Terra Dirt Road

Birdwatching Birdwatching

Estrada Parque dos Castelhanos Castelhanos Park Road

Engenho da Toca Toca Mill

Trilha* Trail

Guarita da Estrada Parque dos Castelhanos Gate to Castelhanos Park Road

Ciclovia Cyclepath

Informações Turísticas Tourist Information

Curso de água Water - Course

A kilometragem das trilhas considera o percurso de ida e volta The trails distances stated take into consideration the full return trip course

5

Trilha do Bonete - 24 km Atrativos: Mata Atlântica, Cachoeiras da Laje, Areado e Saquinho, mirante do Bonete, praia do Bonete. A praia é habitada por uma comunidade tradicional caiçara.

Bonete Trail - 24 km Points of Interest: Atlantic Rainforest, Laje, Areado and Saquinho Waterfalls, Bonete view point, Bonete Beach. The beach is inhabited by a local traditional community.

7

Estrada Parque dos Castelhanos - 44 km Atrativos: Mata Atlântica, mirante dos Castelhanos, praia dos Castelhanos. A praia é habitada por uma comunidade tradicional caiçara.

Castelhanos Park Road - 44 km Points of Interest: Atlantic Rainforest, Castelhanos view point, Castelhanos Beach. The beach is inhabited by a local traditional community.

Para informações sobre as normas do Parque, entre em contato com a Sede Administrativa Centro Histórico. For information about the Park´s operational rules, please seek the Head Office at the downtown Vila.

Rota Verde | 89

*Algumas trilhas devem ser feitas apenas com o acompanhamento de monitores ambientais credenciados. Informe-se. *Some trails should be done only with the presence of a certified environmental specialist guides. Find out more about it.

Identidade visual - Parque Estadual de Ilhabela/ Fundação Florestal Visual Identity - Ilhabela State Park / Forest Foundation

1048m

Satellite image CBERS-2B, ceded by INPE (Instituto de Pesquisas Espaciais) CBERS-2B Satelite Image - Supplied by INPE (Space Research Institute)

1

Ilhabela é palco de algumas competições esportivas que reúnem milhares de atletas e entusiastas com o propósito de vencer os desafios proporcionados pelos percursos traçados através das trilhas que cortam o parque estadual. Alguns bons exemplos são as competições promovidas pelo XTERRA e pela CORPORE. O município de Ilhabela é reconhecido pelo governo do Estado de São Paulo como estância balneária, o que lhe confere maiores recursos financeiros destinados a manter uma estrutura turística eficiente. Para a temporada de 2012/2013, estão previstas 132 escalas de cruzeiros por essas águas, o que ajuda muito a impulsionar a economia local que basicamente tem no turismo sua principal atividade econômica.

92 | Rota Verde

Triathlon promovido pelo XTERRA - Ilhabela/2012 Rota Verde | 93

Endurance 50K

Este ano o evento XTERRA BRAZIL - Ilhabela ocorrerรก nos dias 22 e 23 de Junho.

94 | Rota Verde

Rota Verde | 95

Centro

Ponto de embarque e desembarque dos passageiros que chegam nos cruzeiros. Igreja Matriz Nossa Senhora D’Ajuda e Bom Sucesso

96 | Rota Verde

Antiga Cadeia e Fórum

Um pouco de História: A ilha de São Sebastião foi descoberta em 20 de Janeiro 1502, numa expedição portuguesa composta por Gonçalo Coelho e Américo Vespúcio e recebeu seu nome em alusão ao santo do dia. O Centro Histórico de Ilhabela é considerado o marco zero, onde se formou o primeiro povoado reconhecido na época como Capela de Nossa Senhora D’Ajuda e Bom Sucesso. Em 1805, a Capela foi elevada a Vila Bela da Princesa, em homenagem à irmã mais velha de Dom Pedro I, a princesa da Beira Dona Maria Teresa Francisca de Assis Carlota Joana Josefa Xavier de Paula Micaela Rafaela Isabel Gonzaga de Bragança, em seguida, em 1940, Getúlio Vargas determinou a mudança de nome para Formosa e posteriormente, em 1945, após intensa manifestação popular, o município que já incorporava outras ilhas, teve sua última mudança de nome para Ilhabela. Atualmente, o Centro Histórico de Ilhabela ou “Vila” como é conhecido mantém muitas construções coloniais tombadas e concentra juntamente com o Perequê e com a Barra Velha grande parte do comércio local.

Referências de distâncias até a Ilhabela: São Paulo (capital) – 210 Km Aeroporto de Guarulhos (Cumbica) – 185 Km Rio de Janeiro (capital) – 440 Km Santos (SP) – 150 Km Dados do IBGE: - População: 28.196 (2010) - Área: 348 Km2 - Gentílico: Ilhabelense Agradecimentos:

Secretaria de Turismo de Ilhabela, Pousada Canto Bravo e Museu Náutico de Ilhabela.

Rota Verde | 97

AS ARCO-ÍRIS DA PATAGÔNIA Texto: Rubinho Almeida Prado Fotos: Daniel Ferreira de Brito / Marcello L. Reis

“Já fiz excelentes pescarias de trutas no Chile e na Argentina, onde fisguei bons exemplares com peso ao redor de três quilos. Mas depois que conheci o Lago Strobel fica difícil sentir a mesma emoção em outros locais. A quantidade e qualidade de trutas arco-íris são excepcionais e agradam pescadores esportivos de todos os estilos.”

100 | Rota Verde

Rota Verde | 101

S

ituado bem ao sul da Argentina, na Província de Santa Cruz, o Lago Strobel também conhecido como Jurassic Lake em referência as trutas arco-íris monstruosas encontradas em suas águas geladas, é um dos maiores entre os mais de 600 lagos e lagunas que se espalham por toda essa região. Com cerca de 65km2 de superfície, é um imponente espelho de águas em tons que vão do azul turquesa ao marinho com diversas baías e reentrâncias em seu contorno. O lago está localizado sobre um platô – lá chamado de Meseta del Strobel – de formação vulcânica, topografia bastante plana e coberta por vegetação rasteira e árida. Olhando-o do alto nota-se claramente que está em uma aparente e enorme cratera. Com índice pluviométrico anual de 200 milímetros – chuva e neve – e umidade relativa do ar ao redor de 20%, é formado por águas de degelo, tem o rio Barrancoso como única entrada de água relevante e nenhuma saída de escoamento – o que é feito por infiltração e retorno ao lençol freático.

102 | Rota Verde

Rota Verde | 103

Na pesca com mosca, identificar a fonte de alimento natural presente no ecossistema local, pode fazer grande diferença na produtividade da pescaria. Ao lado, um pequeno crustáceo encontrado no Lago Strobel.

Por iniciativa do governo provincial, que desejava ampliar as atividades econômicas, as trutas arco-íris foram introduzidas nessa região há cerca de 20 anos. E como encontraram farta alimentação, pouca pressão de pesca em função da dificuldade de acesso e condições favoráveis de clima e temperatura, elas se adaptaram com tamanha facilidade que cresceram e se multiplicaram além do normal. Da cidade de El Calafate, destino final de nosso voo que teve origem em São Paulo e fez uma escala em Buenos Aires, foram sete horas em caminhonetes tracionadas para transpor os 350 quilômetros pela rodovia 40, subir os cerca de 850 metros até o platô, cruzar em torno de 30 quilômetros pelo topo, descer novamente quase 150 metros e chegar finalmente às margens do Lago Strobel. 104 | Rota Verde

Rota Verde | 105

106 | Rota Verde

Rota Verde | 107

Vista panorâmica do Lago Strobel.

O resultado da pescaria, tanto no lado da desembocadura do rio Barrancoso como no lado oposto, foi extraordinário. Fisgamos, fotografamos e devolvemos à água dezenas de trutas com peso entre três e 10 quilos. Além disso, houve momentos em que dois, e até três peixes foram fisgados simultaneamente. Ocasião ímpar poder testemunhar três pescadores brigando com

108 | Rota Verde

Rota Verde | 109

seus troféus ao mesmo tempo é uma prova inequívoca de que o local é muito piscoso. Pode parecer incrível, mas o fato é que esse resultado poderia ser ainda melhor se o vento e o frio estivessem mais suaves, os únicos inconvenientes dessa região, que vale ressaltar, se fazem presentes em diversos momentos. No entanto, um pequeno investimento em vestuário desenvolvido para esse tipo de situação pode neutralizar o incômodo. Na pesca com equipamento de fly, as linhas sinking tips (ponteira que afunda) se mostraram muito eficientes e os pequenos streamers (iscas atadas com pelos ou penas que imitam pequenos peixinhos) fizeram “a festa”, principalmente nas cores marrom, oliva e preto. Para os pescadores que ainda não pescam neste estilo é possível se divertir a valer com um equipamento leve de vara e molinete, pois as estruturas de pesca disponíveis no Lago não fazem restrições a este tipo de equipamento. Como iscas, fica difícil eleger a mais atrativa, pois tivemos ações em colheres, spinners 110 | Rota Verde

(anzol montado junto a uma pequena colher giratória), plugs (iscas artificiais que imitam peixes), jigs (anzol fundido a uma cabeça de chumbo) e até nas softs bait (iscas feitas de silicone). Em resumo, o Lago Strobel se mostrou um verdadeiro templo para os amantes da pesca esportiva, uma verdadeira dádiva da natureza que fizemos questão de reverenciar a todo instante. Como se não bastasse, a região, apesar de árida, possui rica e diversificada fauna que nos brindou com suas aparições a todo instante. Cruzamos com guanacos, da família das lhamas e alpacas; choiques (um parente de nossas emas, só que pouco menor); zorros (raposas) e grande variedade de pássaros. Trata-se de um cenário estonteante com uma aura que encanta, desafia e é capaz de fazer com que qualquer pessoa se sinta pequena perante sua grandiosidade. É simplesmente inesquecível!

Equipamentos: Pesca com mosca Para cortar os ventos mais intensos, o recomendável é usar varas # 7 ou # 8 de ação rápida. Linha: flutuante e com afundamento lento I ou II Líder: OX, pois a briga vai ser dura. Moscas: secas e de tamanho reforçado, como a chernobyl, são excelentes quando o vento favorece e o tempo esquenta. Streamers médios, tipo wooly bugger, zonker, matuka etc., em cor negra, amarela, laranja, verde e marrom, feitas com matérias brilhantes e algumas com pernas de elástico. Pesca com carretilha ou molinete Quem for mais eclético e quiser aproveitar melhor a viagem, poderá também se divertir com equipamento composto por carretilha ou molinete, pois há momentos em que o vento forte só favorece a pesca com colheres, spinners e iscas de meia água, muito mais fáceis de serem arremessadas que as leves moscas. Vara: 10 a 15 libras, com seis a sete pés de comprimento e boa capacidade de arremesso. Carretilha ou molinete, o que for mais prazeroso, pois ambos se adéquam ao local, embora o molinete permita arremessos mais longos, às vezes necessários. Linha: 10 a 15 libras de multifilamento. Líder: cerca de três metros de fluorcabono de 15 a 20 libras Iscas: colheres com peso ao redor de 15 gramas; spinners de tamanho entre três e cinco e iscas de meia água entre cinco e 10 centímetros.

Rota Verde | 111

112 | Rota Verde

Rio Barrancoso Rota Verde | 113

P

ara mudar de cenário, descemos do platô onde fica localizado o lago e com mais uma hora de camionete asfalto e terra cascalhada, chegamos à Estancia Rio Capitán, onde uma tarde de pesca leve nos esperava. No rio que leva o mesmo nome, com equipamento # 3 a # 4 e técnica mais apurada, utilizamos ninfas ou moscas secas de suave apresentação e tivemos um final de dia com muitas ações e belas cenas. Após o jantar típico, onde um cordeiro assado inteiro em fogo lento fez parte do banquete regado a um bom vinho regional, nos recolhemos para uma noite bem dormida no clima típico da Patagônia, necessária para recuperar as energias gastas. 114 | Rota Verde

Estancia Rio Capitán

Na manhã seguinte, passamos o dia na Laguna El Toro, um espelho d’água relativamente pequeno, de propriedade da estância, onde é possível caminhar por todo seu perímetro. As trutas arco-íris, apesar de introduzidas nessas águas há poucos anos, já possibilitam uma pescaria de excelente qualidade, com muitos espécimes de peso entre um a três quilos. Mas muitos perguntariam: Qual a graça em abandonar os peixes de grande porte do Lago Strobel e encerrar a viagem na Estancia Rio Capitán? A resposta é simples: vivenciar os prazeres da vida do campo, além de desfrutar de sua apurada qualidade hoteleira. No Strobel o clima é mais de aventura e rusticidade, enquanto na Estância o conforto e os serviços são primorosos.

Loica común (Sturnella loyca)

Rota Verde | 115

Quanto à pesca, é ideal para um descanso de final de tarde divertido nas águas rápidas do Rio Capitán, que apesar de ter peixes menores, exige mais nos quesitos estilo e técnica. Já na Laguna El Toro o desafio com boas trutas é retomado, pois a qualquer parada do vento, a pesca com mosca seca tem bom volume de ações e ataques na superfície com violência, ou seja: tudo que o pescador deseja para se divertir. Quando o vento aperta, a pesca com streamers também é muito produtiva. Embora seja possível pescar com equipamento de carretilha ou molinete nesse lago, optei pelas

118 | Rota Verde

Vista panorâmica do cenário bucólico da Laguna el Toro.

moscas, até por acreditar que a produtividade com as colheres ou spinners seria muita elevada e acabaria perdendo a graça. Não consegui caminhar sequer 10 % das margens dessa laguna, tamanha a quantidade de ações em uma pequena parte dela. Por isso espero voltar em breve para conhecer não apenas suas outras áreas, como também, as outras lagunas existentes dentro da propriedade, nas quais ninguém ainda teve o prazer de jogar uma isca. Há muito que aproveitar e explorar neste lugar.

Rota Verde | 119

Truta arco-íris (Oncorhynchus mykiss) – espécie originária dos rios norte americanos que desaguam no oceano Pacífico. Assim como outros peixes da família Salmonidae, apresenta carne de excelente qualidade para o consumo humano e por este motivo foi introduzida em diversos países ao redor do mundo, inclusive, no Brasil por volta de 1949. Seu ambiente natural são os rios de água fria e límpida e na região serrana do sul e sudeste brasileiro a truta arco-íris encontrou um habitat favorável para se reproduzir e se estabelecer definitivamente. Em condições favoráveis, como por exemplo, as do lago Strobel, esta espécie pode ultrapassar os 10 kg. Para a pesca esportiva, alguns cuidados devem ser tomados para não sacrificar o peixe: - a captura deve ser auxiliada por um puçá; - O peixe deve ser manuseado fora da água por um breve período; - Não tocar as guelras; - mantenha o peixe na horizontal.

Cavalos Crioulos - Raça originária da Península Ibérica muito difundida na região meridional da América Latina.

122 | Rota Verde

Equipamentos: Pesca com mosca Vara: # 4 ou # 5, e como haverá momentos com ventos fortes, é recomendável que sejam de ação media para rápida. Linha: flutuante e com afundamento lento Líder: OX. As Trutas não são tão grandes, mas são valentes e determinadas. Moscas secas e de tamanho médio, como a chernobyl, são excelente opção, especialmente quando a temperatura sobe. Streamers médios, tipo wooly bugger, em cor negra, amarela, laranja, verde e marrom, feitos com matérias brilhantes e algumas com pernas de elástico. Pesca com carretilha ou molinete Vara: Oito a 10 libras com seis a sete pés de comprimento e boa capacidade de arremesso. Carretilha ou molinete com capacidade para pelo menos 100 metros de linha, em tamanho compatível com as varas. Linha 10 libras de multifilamento. Líder com cerca de três metros feito de fluorcabono de 12 libras Iscas: colheres com peso ao redor de 10 gramas, spinners de tamanho dois e três e iscas de meia água entre cinco e sete centímetros. Rota Verde | 123

AridOcean/sutterstock 124 | Rota Verde

Dicas do autor Para viajar à Patagônia é necessário: - Um bom wader (roupa especialmente desenvolvida para pescarias dentro da água, que protegem e aquecem o corpo do pescador). Nessa região o mais recomendável é o de neoprene ou Gore-tex, com alguma proteção por baixo. - Underwear (roupas desenvolvidas para situações de frio, que se colam ao corpo para evitar a perda de calor) - Casacos, preferencialmente com capuz, luvas, boas meias, entre outros. - Óculos polarizados de boa qualidade são indispensáveis, pois além de proteger os olhos, permitem enxergar os peixes. - Protetor solar fator 30 para o rosto, mãos e lábios. Não deixe de conhecer o Parque Nacional Los Glaciares, com a sua mais famosa geleira, o Glaciar Perito Moreno. Fica a poucos minutos de El Calafate e é um cenário fantástico.

Quem leva: Pescaventura – (11) 3816-1110 email: pescaventura@pescaventura.com.br site: www.pescaventura.com.br

Agradecimentos: Equipe Pescaventura, Puerto Pesca, Equipe Calafate Fishing, Loop Camp, Nestor Saavedra, Mario Campanella, Gustavo Labanowski, Marcos A. Prado, Gustavo Zagato, Rafael Lamonica.


Revista Rota Verde Ed. 2