Issuu on Google+

Dados Internacionais de Catalogação na Publicação (CIP) (Câmara Brasileira do Livro, SP, Brasil) A Boa arquitetura de uma geração. -- São Paulo : Pini, 2010. Vários autores. ISBN 978-85-7266-229-1 1. Arquitetura 2. Arquitetura - Projetos e plantas 3. Arquitetura como profissão. 10-04465 CDD-720 Índices para catálogo sistemático: 1. Arquitetura 720

São Paulo, 25 de outubro de 2009 Novos rumos, conceitos inovadores, quebra de paradigmas e, acima de tudo, uma arquitetura de excelente qualidade que busca inspirar a produção brasileira. A BOA ARQUITETURA DE UMA GERAÇÃO chega com o objetivo de estimular a reflexão sobre a importância do trabalho desenvolvido por um grupo de 18 profissionais, são eles: Aflalo&Gasperini Arquitetos, Botti Rubin Arquitetos, Candido Malta Campos Filho, Carlos Bratke, Decio Tozzi, Dácio Ottoni, Eduardo de Almeida, João Filgueiras Lima (Lelé), João Walter Toscano, Joaquim Guedes - in memoriam, Paulo Bruna, Paulo de Mello Bastos, Paulo Mendes da Rocha, Reinaldo Pestana, Roberto Loeb, Ruy Ohtake, Sidonio Porto e Siegbert Zanettini.

Profissionais renomados no cenário mundial, dedicados tanto à realização de seus projetos quanto à arte de transmitir conhecimento, um legado importante para sociedade brasileira. “Essa é uma exposição que reúne trabalhos de arquitetos que, literalmente, pensaram e projetaram o país. Isso vai muito além do ato de construir edificações. Essa exposição apresenta o processo de criação desses mestres da arquitetura. É uma mostra que usa a imagem para extrapolar o aspecto visual puro e técnico, embutido em qualquer projeto”. Alexander Lipszyc Panamericana Escola de Arte e Design

Sidonio Porto, Enrique Lipszyc, Ruy Ohtake, Siegbert Zanettini, Alexander Lipszyc

Enrique Lipszyc Panamericana Escola de Arte e Design

(',)Ë&,2129$6­23$8/2 à /RFDOL]DVHQD*UDQMD-XOLHWDMXQWRD3UDoD(PE&LUR)UHLWDV9DOHTXHLQWHUOLJDGXDVDYHQLGDV DUERUL]DGDVTXHDWUDYHVVDPDUHJLmRGH6DQWR$PDUR 2HGLItFLRIRLSURMHWDGRQDSDUWHFHQWUDOGHVXDTXDGUDGHVWLQDQGRWRGRVHXHQWRUQRDMDUGLQVH HVWDFLRQDPHQWRVDUERUL]DGRV6XDLQWHJUDomRHFRQWLQXLGDGHQDWXUDOFRPDFLGDGHIRLUHDOL]DGD WDPEpPDWUDYpVGHMDUGLQVHPVXDVODMHVGHFREHUWXUDHMDUGLQHLUDVMXQWRjVIDFKDGDV $LQFLGrQFLDVRODUDRORQJRGRGLDIRLDYDOLDGDSDUDDFRORFDomRGHTXHEUDVRLVYHUWLFDLV SRVVLELOLWDQGRDUHGXomRGHHOHWULFLGDGHSDUDDUFRQGLFLRQDGRHLOXPLQDomR )RLSURMHWDGRHPSHORVDUTXLWHWRV'DFLR2WWRQL'DYLG2WWRQLH8EDOGR&DUSLJLDQL à SDUWLFLSDQGRGRFRQFXUVRGHVWLQDGRDFRQVWUXomRGHVHGHGDHPSUHVD*HVV\/HYHUHP6mR , 3DXOR$WXDOPHQWHpGHSURSULHGDGHGDILUPD%UD]LO5HDOW\

Gestor:

O que faz o CBCA? Promove a ampliação da participação da construção em aço no mercado nacional, realizando ações para sua divulgação e apoiando o desenvolvimento tecnológico.

Como atua o CBCA? Difunde competências técnica e empresarial específicas. Promove intercâmbio com organizações similares do Brasil e do exterior. Oferece cursos à distância visando a capacitação técnica dos arquitetos e engenheiros. Publica literatura técnica, como manuais da série construção em aço e a revista Arquitetura&Aço. Destaca as qualidades do aço como material econômico e estético na construção.

Telefone: (21) 3445-6300 Fax: (21) 2262-2234 E-mail: cbca@acobrasil.org.br

Quer saber mais?

Faça contato em

www.cbca-iabr.org.br

Fundada em 1974, a ABCEM – Associação Brasileira da Construção Metálica – congrega as principais empresas brasileiras do segmento da construção em aço. Constitui sua base de associados fabricantes de estruturas metálicas, de telhas de aço, galvanizadores, siderúrgicas, empresas de montagem, escritórios e profissionais de arquitetura e engenharia. Entre seus principais objetivos, destacam-se a representação do segmento no âmbito público e privado e a defesa do interesse de seus associados e da construção metálica no que se refere à competitividade e isonomia tributária e normativa. Tem ainda como objetivos realizar e apoiar programas setoriais de qualidade, promover cursos e organizar eventos educacionais para o desenvolvimento e atualização profissional e tecnológica. A cada dois anos, realiza o CONSTRUMETAL, congresso internacional e exibição, que reúne os principais integrantes da cadeia produtiva e de fornecimento da construção em aço. A ABCEM orgulha-se de apoiar essa iniciativa. Um tributo a uma geração de profissionais cujos projetos se tornaram referência nos cenários brasileiro e internacional. Profissionais que deixam um legado de criatividade e uma história de realizações, que servirão de exemplo para muitas outras gerações.

www.abcem.org.br

Associação Brasileira da Construção Metálica

Da ideia inicial, resultante de várias reuniões havidas comigo no ano de 2009, com Adriana Zanettini, Diretora da área de Marketing e Clarissa Turra, Assessora de Imprensa da Zanettini Arquitetura para a comemoração dos meus 50 anos de atividades profissionais, escolhemos como lugar apropriado para comemorar o evento a Panamericana Escola de Arte. Essa decisão nos levou a contatar Alexander Lipszyc, Diretor da escola que de imediato abraçou a ideia com entusiasmo. O grupo após alguns encontros foi enriquecendo a proposta inicial e decidiu ampliar esse evento, reunindo e homenageando a geração de arquitetos que simultaneamente tiveram papel relevante neste meio século de atividades e, assim, surgiu a exposição “A Boa Arquitetura de Uma Geração”, que reuniu pela primeira vez 18 dos mais destacados profissionais do País. Escrevi como frase de abertura: “Aqui reunimos uma geração que conseguiu cumprir o importante desafio de realizar a boa arquitetura dos últimos 50 anos”. Completou Alexander como Curador do evento: “Essa é uma exposição que reúne trabalhos de arquitetos que, literalmente, pensaram e projetaram o País. Isso vai muito além do ato de construir edificações. Quem visitar a exposição poderá entender o processo de criação desses mestres da arquitetura. É uma mostra que usa a imagem para extrapolar o aspecto visual puro e técnico embutido em qualquer projeto”. Para cumprir esse desafio não foram poucos os obstáculos que essa geração enfrentou. Desde um Estado que, em todos os níveis, por incúria, despreparo e ignorância legisla contra a profissão; passa pelas elites econômicas apenas compromissadas com o lucro e que habilmente

exploram a competição desenfreada por status que sempre marcou a sociedade brasileira e se alastrou para os estratos mais pobres da população; atinge a cadeia da construção civil que, desde a formação profissional, teima em perpetuar a precária tecnologia, a ausência de pesquisa científica, a improvisação construtiva e o distanciamento da atividade criadora e, por último, encontra amparo na baixa condição cultural da grande massa da população que não conhece e não entende a importância do trabalho do arquiteto. Daí a necessidade de organizar eventos culturais e fomentar publicações que difundam a grande produção dessa geração pós-Brasília para as novas gerações, inclusive para as escolas de arquitetura espalhadas pelo Brasil que ainda vivem o ensino com referência na arquitetura praticada até a década de 60, aparte das novas necessidades e oportunidades da era digital e distanciadas do movimento contemporâneo arquitetônico praticado no mundo desenvolvido. Marcam essa geração destaques relevantes: • identidade conceitual com caminhos diferenciados pelas posições individuais e pela pluralidade projetual; • atuação ampla e pluridimensional que vai do plano urbanístico, potencializa-se na escala das edificações e chega ao detalhe do objeto; • a quase totalidade do grupo se dedicou ao magistério unindo o saber teórico à experiência prática do saber fazer; • o uso das mais variadas tecnologias projetuais que atestam a riqueza de soluções com concreto, aço, madeira, argamassa armada, alvenaria estrutural, sistemas mistos com a combinação rica dos mais

diversos componentes e materiais; • o aprimoramento de tecnologias de construção artesanal e industrializada, da racionalização do projeto, da riqueza formal tanto em obras da área privada quanto nas de interesse social no transporte, saneamento básico, passarelas, hospitais e escolas públicas, universidades, praças e equipamentos esportivos, estações ferroviárias e metroviários, habitação uni e plurifamiliar, área corporativa; • atuação social exercida pela maioria do grupo que não se limitou à produção de arquitetura e ao ensino, mas participou de importantes cargos na administração pública, em órgãos de classe, museus, bienais, obtendo inúmeras premiações nacionais e internacionais, salas especiais e honrarias várias; • a produção dessa geração ultrapassa milhares de projetos e milhões de metros quadrados de obras com qualidade, desempenho e quebra de paradigmas; • a arquitetura resultante dessa produção sempre considerou o edifício e o seu entorno, o respeito ao meio ambiente natural e construído, a obediência as condições climáticas, a implantação correta, as condicionantes estruturais de cada sistema construtivo, as necessidades de cada programa identificado ao momento histórico às referências culturais e experiências anteriores; Por último, vimos, pelo sucesso da exposição e pela repercussão na mídia, que essa experiência não poderia ficar restrita à sua ocorrência e, pelas dificuldades de levá-la ao restante do País, resolvemos transformá-la numa publicação que será distribuída gratuitamente aos arquitetos participantes, às instituições interessadas e a todas as escolas de arquitetura do País. Paulo Bruna, Alex Lipszyc, Dácio Ottoni,

Dessa maneira, acredito que divulgando conceitos e experiências que buscaram integrar o conhecimento científico ao mundo das ideias e da criação, produziremos cada vez mais e melhor com tecnologia, com eco-eficiência, com sustentabilidade, ao mesmo tempo com invenção, magia e encantamento, na busca contínua de nossos sonhos. Siegbert Zanettini

Decio Tozzi, Carlos Bratke, Ruy Ohtake, Paulo Bastos, Reinaldo Pestana, Siegbert Zanettini, Sidonio Porto e Candido Malta.

Beba Zanettini, Clara Bastos e Ana Paula Lopes.

Quando recebi o arquiteto Zanettini, com a ideia de realizar o evento comemorativo dos seus 50 anos de história na Panamericana, foi com muita satisfação que logo abracei a iniciativa. O que a princípio seria uma confraternização tradicional, durante nossas conversas, cresceu e ganhou ares inovadores. Assim, tivemos a excelente ideia de reunir em uma exposição os representantes da arquitetura brasileira de valor desenvolvida nas últimas cinco décadas. A partir de um formato que sintetizou os aspectos visuais e conteúdos mais importantes da obra de cada um dos 18 profissionais escolhidos, criamos uma linguagem inédita e humanista para evidenciar a interação que existe entre arquitetura, cultura, educação, música e poesia. O processo de coletânea dos trabalhos significativos dos arquitetos participantes que, assim como eu, de imediato abraçaram a ideia com surpresa e vibração, foi extremamente prazeroso. A essência de cada um deles estava presente nas imagens e textos enviados para a confecção dos painéis. Naquele dia, todos os meus heróis dos tempos de estudante dividiam o palco comigo e realizamos uma bela festa. Para exposição não ficar registrada só na lembrança, nas matérias e fotos publicadas, conseguimos concretizar mais um sonho: este livro. Uma publicação que é o retrato do conteúdo e da maravilhosa experiência de ser curador da “A Boa Arquitetura de uma Geração”. Alexander Lipszyc Panamericana Escola de Arte e Design

A Boa Arquitetura de uma Geração Idealizada pelo arquiteto Zanettini, a estreia da exposição “A Boa Arquitetura de uma Geração”, no dia 25 de outubro de 2009, foi um sucesso, com a presença da maioria dos arquitetos participantes, 267 convidados e 25 jornalistas em um brunch na Panamericana Escola de Arte e Design. A imprensa reconheceu a importância da iniciativa com ampla cobertura jornalística. Foram 69 matérias veiculadas nos mais importantes meios de comunicação brasileiros. Com linguagem poética, o livro “A Boa Arquitetura de uma Geração” perpetuará o objetivo de estimular a reflexão sobre novos rumos, conceitos inovadores, quebra de paradigmas e acima de tudo sobre a arquitetura de excelente qualidade desenvolvida pelo grupo dos 18 arquitetos. É pura inspiração para a produção brasileira e mundial. Clarissa Turra Jornalista / Pitanga Comunicação Assessoria Zanettini Arquitetura

Arquitetos e Descritivos dos projetos

Aflalo e Gasperini Arquitetos Aflalo & Gasperini Arquitetos é a sucessora de Croce, Aflalo & Gasperini Arquitetos Ltda., que foi fundada em 1962 pela união dos escritórios Plinio Croce/Roberto Aflalo com o de Gian Carlo Gasperini. Após o falecimento do arquiteto Plinio Croce em 1984, e do arquiteto Roberto Aflalo em 1992, o escritório está sob a direção dos arquitetos Gian Carlo Gasperini, que conta com mais de trinta anos de atividade acadêmica na FAU-USP, Roberto Aflalo Filho, mestre em Desenho Urbano pela Universidade de Harvard e Luiz Felipe Aflalo Herman. É um escritório dedicado exclusivamente a projetos arquitetônicos e urbanísticos. Em 34 anos de atividade profissional elaborou mais de 700 projetos, a maior parte em território brasileiro, tendo também participado de projetos no exterior. Descritivo do projeto Edifício comercial em Brasília - Este projeto explora as possibilidades de implantação dentro do envelope edificável do plano diretor de Brasília, em um terreno com posição privilegiada, que captura uma ampla vista do Lago Paranoá e da Esplanada dos Ministérios. A solução arquitetônica está na angulação das fachadas internas que abrem vistas da cidade e quebram com o paralelismo entre os edifícios, transformando o espaço mais problemático do projeto em um dos mais interessantes. Esta premissa norteou todo o desenvolvimento do empreendimento, organizando as circulações, acessos, orientação das fachadas e distribuição dos programas. O uso de formas puras e ortogonais que caracterizam o conjunto construído, a liberação do pavimento térreo elevado em pilotis e o tratamento de fachada com elementos de sombreamento inserem o projeto na cidade respeitando e agregando valor contemporâneo à capital brasileira, ao mesmo tempo em que se destaca na paisagem com forte identidade visual e caráter único.

Botti Rubin Arquitetos O Escritório Botti Rubin Arquitetos foi criado em São Paulo pelos arquitetos Alberto Rubens Botti e Marc Rubin, ambos formados pela

Faculdade de Arquitetura Mackenzie no final dos anos 50. Possui mais de 800 projetos desenvolvidos entre escritórios, shopping centers, instalações institucionais, museus, teatros, planos urbanísticos, entre outros. A sociedade dos dois profissionais provou ser duradora, talvez pelas diferenças de temperamento e interesses. Botti mais voltado para o planejamento urbano e para uma atuação política; Rubin na sua preocupação de temperar a intuição criativa com um raciocínio gerador de conceitos inovadores. Descritivo do projeto Edifício Landmark - Localizado na Avenida das Nações Unidas, em São Paulo, teve o projeto iniciado em 2005 e possui uma área construída de 58 mil metros quadrados. A empresa contratante é a Tishman Speyer Properties/Company. O empreendimento está localizado em terreno privilegiado, situado em frente ao Rio Pinheiros. O destaque do projeto, que possui altura reduzida em relação aos vizinhos, fica para o volume resultante do desenho da planta ovalada, que se destaca frente aos espigões do entorno.

Candido Malta Campos Filho Reconhecido pela opinião pública como um dos mais importantes arquitetos e urbanistas brasileiros, Candido Malta Campos Filho é doutor em Arquitetura e Urbanismo pela FAUUSP e pós-doutor pela University of California at Berkeley, UC BERKELEY, EUA. Possui uma vasta produção arquitetônica, desde projetos institucionais como o da Escola Técnica Federal de São Paulo, de 1969, até infraestruturais como o Aeroporto de Florianópolis, do ano de 2004. Projetou residências especiais, como a Casaice para Maria Alice Franciosi. Desenvolveu inúmeros planos urbanísticos de bairros, com destaque para o de Perus, feito para a Prefeitura do Município de São Paulo, condomínios e parques, além de ter desenvolvido planos diretores para diversas cidades. Um Plano Urbanístico deve ser destacado, o do Eixo Tamanduateí para a Prefeitura do Município de Santo André que inovou com a proposta do tecido urbanístico dos prédios pontes. Descritivo do projeto Casatuba é uma casa onde o chão sobe pelas espessas paredes e cobre o teto de alvenaria recoberto, por sua vez, de terras e plantas, produzindo um invólucro natural, porém regulável por suas aberturas conforme a variação do tempo, se fechando durante

épocas frias e se abrindo para o calor. Esta residência possui, ainda, a característica mutante em sua estrutura interna, que pode separar ou integrar ambientes, o que resulta em uma obra aberta, conforme proposta por Umberto Eco, adaptandose às variações climáticas e ao desejado “Clima Socioambiental” interior. O projeto foi desenvolvido entre 1976 e 1980.

Carlos Bratke O Escritório Carlos Bratke foi fundado em 1968 e desde então vem desenvolvendo projetos em diversas áreas, desde residenciais até plantas industriais. Entre seus principais trabalhos está um complexo de instalações na Avenida Eng. Luís Carlos Berrini, em São Paulo, com 60 projetos construídos, e uma área aproximada total de 650.000 metros quadrados. Formado em 1967 pela Faculdade de Arquitetura Mackenzie, Bratke recebeu vários prêmios, entre os quais estão o Grande Prêmio III Bienal Internacional de São Paulo,em 1997, Prêmio Colar de Ouro do Instituto de Arquitetos do Brasil (IAB), em 1999, “Vitrúvio 99” de Arquitectura Latinoamericana do Museo Nacional de Buenos Aires, em 1999. Foi presidente do Instituto de Arquitetos do Brasil (IAB) no biênio 1992/1993, diretor do Museu da Casa Brasileira (MCB), gestão 1992/1995 e presidente da Fundação Bienal de São Paulo, gestão 1999/2002. Descritivo do projeto Brigadeiro 1 - O terreno de 900 metros quadrados situado na Av. Brigadeiro Luis Antonio, São Paulo, estava sujeito a restrições da SEHAB (Secretaria da Habitação), do COMPRESP (Conselho Municipal do Patrimônio Histórico, Cultural e Ambiental de São Paulo) e do CONDEPHAT (Conselho de Desefa do Patrimônio Histórico Arqueológico, Artístico e Turístico), que determinavam a implantação de um imóvel comercial, com construção sofisticada e muito bem equipado em suas instalações técnicas. O resultado é uma arquitetura inovadora com desenho de prisma em forma de L, além de uma cobertura curva que se estende do chão até a parte mais alta da construção. O edifício, com dois subsolos, dois andares e mezanino com estrutura parcialmente executada em concreto protendido e em aço, é vedado com fachadas de vidro atérmico e caixilhos do tipo Silicone Glasing. Interessante notar que o concreto protendido vence vãos de 12 metros quadrados.

Décio Tozzi

Decio Tozzi Graduado pela Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade Presbiteriana Mackenzie, Decio Tozzi foi professor das Faculdade de Arquitetura da Universidade Mackenzie e da Universidade de São Paulo. Foi premiado nas I, III, e V Bienais Internacionais de Arquitetura de São Paulo. Premiado também na V Bienal de Arquitetura de Buenos Aires (Concurso Internet) e na X Bienal de Arquitetura de Veneza (Celebration of Cities). Publicou e lançou o livro “Arquiteto Decio Tozzi” em 2005, na VI Bienal Internacional de Arquitetura de São Paulo, onde teve Sala Especial e recebeu o Prêmio Internacional de Arquitetura Sacra da Fondazione Frate Sole, na cidade de Pavia, Itália, em 2008. Recentemente teve quatro obras incorporadas ao Acervo Permanente do Musée National D’Art Moderne do Centre Pompidou de Paris. Descritivo do projeto Rua Comercial Oliveira Lima - No contexto do projeto global de revitalização da área central da cidade de Santo André, o eixo da rua Oliveira Lima assumiu a prioridade e constituiu a primeira intervenção física desse processo de reurbanização. A solução adotada propõe implantar sobre a antiga estrutura física dessa rua um desenho que a transforme e crie um “shopping de rua”, conferindo à nova Oliveira Lima as mesmas condições de abrigo e conforto de um shopping tradicional. Além de integrá-la à vida urbana do setor central de Santo André. Entre as soluções adotadas, o projeto conta com uma cobertura transparente composta de estrutura espacial metálica curva e protegida por encaixilhamento de vidro laminado transparente. Esse novo shopping terá galerias superiores de lojas em ambos os lados. Nas interfaces com edifícios altos, a cobertura afasta-se até o eixo central, deixando o espaço livre para insolação e aeração. Os edifícios de três andares abrem suas janelas e varandas para a rua, integrando-se naturalmente ao novo espaço. O painel do piso com 500 metros de comprimento, bem como as peças escultóricas foram desenhadas pelo grande artista concretista Luiz Sacilloto.

Dácio Ottoni Dácio Araújo Benedicto Ottoni formou-se em arquitetura pela FAU-USP em 1960 e tornouse doutor em 1973 pela mesma instituição, onde atua também como professor. Sua carreira foi influenciada, primeiro, pelo próprio convívio familiar, já que seu pai era engenheiro civil construtor de ferrovias e seus irmãos estudavam arquitetura, depois como aluno e participando na organização de exposições e grupos de estudos sobre o pensamento e as obras produzidas por arquitetos marcantes, como Frank Lloyd Wright, Lúcio Costa e Mies van der Rohe. Ao longo de sua carreira trabalhou no escritório Horizonte Arquitetos, empresa que fundou com quatro amigos e foi diretor do Instituto dos Arquitetos do Brasil (IAB). Em 1973 abriu seu próprio escritório: Ottoni Arquitetos Associados. Descritivo do projeto Edifício Nova São Paulo - Localiza-se na Granja Julieta, junto ao verde da Praça Embargador Ciro Freitas Vale, ponto de interligação entre duas avenidas arborizadas que atravessam a região de Santo Amaro. O edifício foi projetado na parte central de sua quadra, destinando todo o entorno a jardins e estacionamentos arborizados. Áreas verdes nas lajes de cobertura e jardineiras junto às fachadas foram implantadas para integração e continuidade visual com a paisagem da região. A incidência solar ao longo do dia foi avaliada para a colocação de proteções verticais, possibilitando uso agradável do seu interior, a vista aberta para o exterior e a redução de energia para uso de ar-condicionado e iluminação. O edifício foi projetado em 1980 pelos arquitetos Dácio Ottoni, David Ottoni e Ubaldo Carpigiani, ganhadores do concurso destinado à construção de sede da empresa Gessy Lever em São Paulo e atualmente é de propriedade da Brazil Realty.

Eduardo de Almeida Arquiteto formado pela FAU-USP em 1960, Eduardo de Almeida foi professor na área de Projeto na FAU de 1969 até 1998. É autor de projetos de usos variados, com grande

destaque para as residências que projetou ao longo de 40 anos de atividade. Estão entre elas a casa Define, de 1978, a casa da encosta, de 1973, as casas gêmeas em abóbadas, de 1970 e a casa do arquiteto, de 1974. Nas últimas bienais de arquitetura, recebeu prêmios pela casa em Ubatuba (2001), casa sede da fazenda Água Comprida em Uberaba (1997), e foi homenageado com sala especial na Bienal de Arquitetura de 2005. Descritivo do projeto Residência familiar Eduardo de Almeida A segunda casa que o arquiteto Eduardo de Almeida projetou para sua família data de 1974. Foi concebida como um grande volume fechado para a rua, com os espaços de permanência voltados para o fundo do terreno, que corresponde à face noroeste. A residência está organizada a partir de dois vazios: o pórtico da garagem, acessado por meio de uma ponte sobre a cozinha, e o pátio da rampa, que se abre no nível inferior para o jardim, abarcando a piscina. O bloco de concreto estrutural foi usado como modulação para a organização do espaço, tanto em planta como em corte. A estrutura modulada está contida nos blocos e incorporada a sua paginação.

João Filgueiras Lima (Lelé) João Filgueiras Lima, mais conhecido como Lelé, é o arquiteto responsável pelo conjunto de projetos da Rede Sarah Kubitscheck de hospitais em todo país. Formou-se na Universidade do Brasil (atual Universidade Federal do Rio de Janeiro - UFRJ), em 1955. Lelé foi pioneiro na construção de Brasília e um dos primeiros parceiros de Oscar Niemeyer no desenvolvimento dos estudos e propostas para a nova capital. Desde então, seu interesse profissional busca o aprimoramento de tecnologias da construção industrializada para obras de interesse social, tais como saneamento urbano, escolas, estações de transporte urbano, passarelas e hospitais. Sua obra caracteriza-se especialmente pela busca da racionalização do projeto, com o uso do aço, concreto armado e tecnologia de construções pré-fabricadas. Atualmente Lelé é o presidente do Instituto Brasileiro de Tecnologia do Habitat (IBTH), com sede em Salvador. Em 2003 recebeu o título de professor Honoris Causa da Universidade Federal da Bahia. Descritivo do Projeto Hospital Sarah Rio de Janeiro - A implantação da unidade do Rio de Janeiro se configura como uma etapa importante de expansão da

Rede Sarah de Hospitais, estendendo também à região Sul-Sudeste serviços públicos de assistência médica com padrão de excelência reconhecido internacionalmente. O projeto começou a ser executado em 2002 e foi inaugurado em 2009.

João Walter Toscano Nascido em Itú, São Paulo, 1933. Formado pela FAU-USP, e Professor Doutor do Departamento de História da Arquitetura e Estética do Projeto. Bolsista da ASTEF / França, e da Fundação Calouste Gulbenkian / Portugal. Entre suas obras mais importantes constam: Plano Diretor do Município de Itú, Diagnóstico Geral da Cidade de Itú /Programa de Ação Cultural, Campus Universitário de Araraquara e Rio Claro, Balneário de Águas da Prata, Estação Largo Treze de Maio, Estação de Metrô Pêssego, Centro de Ciências da USP, Praça do Monumento do Ipiranga, Terminal Princesa Isabel, Pátio Vila Sonia / Metrô e Edifício dos Laboratórios - USP, Ribeirão Preto. Suas obras foram premiadas na Bienal Internacional de Arquitetura de Buenos Aires - 1987, e Bienal Mundial de Arquitetura de Sophia / Bulgária - 1987, 3ª. Bienal Internacional de Arquitetura / São Paulo -1997, 4ª. Bienal Internacional de Arquitetura / São Paulo - 1999 e IX Congresso Brasileiro de Arquitetos - São Paulo, 1976. Recebeu ainda os prêmios: Grande Prêmio “Ex Aequo”de Arquitetura na IV Bienal Internacional de Arquitetura Obra: Estação Pêssego - Cia Metropolitano de São Paulo, 1999; Prêmio A.P.C.A. - Melhor Arquitetura de 1984, Associação Paulista de Críticos de Arte; Prêmio ABCEM/Paulo Fragoso, 1986 - Estação Largo 13 de Maio, FEPASA; Prêmio Rino Levy Instituto de Arquitetos do Brasil, 1974. Seu nome foi incluido no Dictionnaire de L’ Architecture du XX Siècle, Editions Hazan - Paris, 1997. Sua Obra pertence ao Acervo permanente do Museu de Arte Moderna do Centro Pompidou de Paris. Descritivo do projeto Estação Largo 13 de Maio - A escolha da área para a estação Largo 13 de Maio, na Zona Sul da cidade de São Paulo, se apóia na importância do eixo constituído pelo prolongamento da avenida Padre José Maria. A área do projeto compõe-se de uma faixa de terreno de 20 metros de largura, entre a ferrovia e a avenida marginal, ao longo do Rio Pinheiros. Além de absorver as funções a que se destinava, o projeto procurou manter a identidade da estação através de uma solução arquitetônica que exprime claramente a organização espacial, o sistema estrutural e o tratamento particular de cada um dos elementos. O resultado é um conjunto compacto e articulado de volumes: a gare,

a torre e a passarela. A primeira se assenta sobre a linha férrea, seguindo o desenho da avenida marginal. A torre do relógio, elemento vertical que marca o edifício, é importante ponto de referência visual e resgata características tradicionais de estações de trem. Já a passarela encaixa-se no sentido perpendicular e acompanha o traçado da Avenida Padre José Maria, fazendo a travessia da via marginal e definindo o único acesso à estação.

Joaquim Guedes in memoriam Formado arquiteto pela FAU-USP em 1954, Joaquim Guedes obteve em 1972, o título de doutor e em 1980 defendeu sua tese de livre-docência, ambos na mesma instituição. Possui uma extensa obra que inclui aproximadamente 500 projetos, desde pequenas casas até planos urbanísticos, tendo feito ainda, desenhos de objetos e jóias. De sua produção, podemos destacar a residência adquirida pelo então casal Eduardo e Marta Suplicy, e a casa criada para Valdo Perseu. Guedes projetou a Igreja da Vila Madalena e fez a reforma do Tuca / PUC-SP. Durante o ciclo da mineração, na década de 70, planejou as cidades de Carajás (PA), Marabá (PA), Barcarena (PA) e Caraíba (BA), nesta última teve a oportunidade de desenhar e detalhar todos os seus edifícios. Foi professor na Escola de Arquitetura de Estrasburgo, na França, e recebeu diversos prêmios no Brasil e no exterior, sendo um deles, em 2003, a Comenda Colar de Ouro do Instituto dos Arquitetos do Brasil (IAB), instituição da qual também foi presidente do departamento estadual, em São Paulo. Descritivo do projeto Residência Mariani - Tijolo como material para construção, vedação, piso e revestimento da estrutura de concreto, utilizado na forma aparente com junta raspada. A cobertura em plano único, feita em telha ondulada de fibrocimento com caimento em sentido transversal ao do terreno, define os volumes dos ambientes e da casa. O resultado é uma sala com pé direito alto e uma grande abertura envidraçada voltada para face nordeste, que captura o sol da manhã e do inverno. O uso de madeira convencional nos caixilhos e forros complementa o conjunto de elementos que caracterizam a busca pela simplicidade formal.

Paulo Bruna Paulo Bruna graduou-se em arquitetura em 1963, ano em que se tornou professor da FAU-USP. Doutorou-se em 1973 e fez pósdoutorado no Massachusetts Institute of Technology (MIT) em 1985. Em 1999 obteve a livre docência com a tese “Os Primeiros Arquitetos Modernos. Habitação Social no Brasil 1930 – 1950”. Entre os anos de 1972 e 1991 foi sócio-diretor do escritório Rino Levi Arquitetos Associados, de 1979 a 1983 foi diretor de planejamento da Empresa Municipal de Urbanização de São Paulo (Emurb). Já o Escritório Paulo Bruna Arquitetos Associados foi criado em 1992, em parceria com o arquiteto Roberto Cerqueira Cesar. Paulo Bruna possui inúmeros clientes dentre os quais alguns industriais como Unilever, BDF Nívea, St. Jude Medical, Braskem, Kimberly Clark e etc. Também é dele o projeto do novo Teatro Cultura Artística, com previsão de inauguração em 2012. Descritivo do projeto Ática Shopping Cultural - Com o objetivo de desmistificar o conceito elitista de cultura e leitura no Brasil, esta mega-livraria foi projetada para criar um local agradável ao encontro e permanência de pessoas. Situada entre a principal universidade do país e um bairro reconhecido por sua vida cultural e boemia (Vila Madalena), com amplo acesso pela Rua Pedroso de Morais e distante poucas quadras da estação Faria Lima, sua localização foi fruto de um estudo acurado. O edifício com sete pavimentos e uma área construída de 7.643.00 metros quadrados, abre-se para a Praça dos Omaguás, que foi restaurada e incorporada visualmente ao empreendimento. O primeiro subsolo foi feito para a música, com CDs e DVDs. O térreo é parcialmente ocupado por um café com acesso tanto pela rua quanto pela área interna, um ambiente que traz livros de maior interesse, jornais guias e revistas. O primeiro e o segundo andar destinam-se aos livros. No terceiro estão os escritórios e uma área para exposições, shows e lançamentos de publicações. O projeto tem estrutura de Jorge Zaven Kurkdjian, instalações da MHA Engenharia e foi executado entre os anos de 1995 e 1997.

Paulo de Mello Bastos Paulo de Mello Bastos é autor de inúmeros projetos que são ícones da arquitetura paulistana, como o Clube Paineiras do Morumby e o Comando Militar do Sudeste, no Ibirapuera. Formado pela FAU-USP, é sócio proprietário do escritório Arquiteto Paulo Bastos e Associados Ltda. Um de seus trabalhos de grande repercussão nacional foi o restauro da Catedral da Sé, em 2002. Em 2001 elaborou o Plano Urbanístico que serviu de base para Lei que instituiu a Operação Urbana Água Espraiada. Recentemente desenvolveu o Projeto Básico para execução das obras a serem licitadas pela Prefeitura de São Paulo, no Setor Jabaquara da Operação, com a criação, na superfície, de um parque linear com 4,5 km de extensão, associado a túnel que promoverá a ligação subterrânea entre a Avenida Roberto Marinho e a Rodovia dos Imigrantes, na Zona Sul de São Paulo. Descritivo do Projeto Biblioteca Pública do Rio de Janeiro - O croqui apresentado fez parte do material do Concurso Nacional de Arquitetura para o projeto da Biblioteca Pública do Rio de Janeiro, lançado em 1984. O terreno situase de frente para Av. Presidente Vargas, ao lado do Campo de Santana, comunicandose também com o “SAARA”, espécie de Rua 25 de Março dos comerciantes do Rio, caracterizada por edifícios assobradados do final do século XIX e início do XX. A solução apresentada levou em especial consideração a situação do terreno em relação ao contexto de seu entorno: uma grande avenida na frente, uma praça de porte, vizinha, bem como um espaço não desprezível de comunicação com a rua de comércio definido, de um lado pelos casarões e, de outro, por uma antiga, pequena e requintada igreja. Para tanto, foi proposta a implantação de um bloco longitudinal alongado no sentido da avenida, sobre pilotis, com vigas e fachada superiores cegas, afastadas dos pisos úteis, de modo a permitir a luminosidade apropriada e a tranquilidade interna desejável em ambientes de pesquisa e leitura. A partir do SAARA, foi projetada uma laje/marquise, para abrigar jornaleiro, sebo, gibiteca, literatura de cordel e discos, como forma de conduzir de modo natural os usuários dessa rua - de classes mais modestas - até o interior da biblioteca, quebrando o temor que, normalmente um edifício deste tipo neles inspira.

Paulo Mendes da Rocha Nasceu em Vitória, no Espírito Santo, em 1928, e formou-se na Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade Mackenzie, em São Paulo, em 1954. Convidado por Vilanova Artigas passou a lecionar na FAU-USP a partir de 1959, tendo se tornado professor titular nessa escola em 1998. Com várias obras vencedoras em concursos públicos, Paulo Mendes da Rocha é autor do projeto do Pavilhão Oficial do Brasil na Expo 70, em Osaka, no Japão; esteve entre os finalistas premiados no concurso para o anteprojeto do Centro Cultural Georges Pompidou, em Paris (1971); projetou a reforma da Pinacoteca do Estado de São Paulo que lhe valeu o “Prêmio Mies van der Rohe de Arquitectura LatinoAmericana”, em Barcelona (2000) e recebeu o “Pritzker Architecture Prize 2006”, o mais importante da arquitetura mundial. Descritivo do projeto Estádio Serra Dourada - O projeto localizado em Goiânia, concluído em 1973, diferencia-se radicalmente dos conjuntos esportivos em geral – pensados como sólidos fechados – ao ser concebido como espaço permeável à cidade, abrindo-se para a ocorrência programada ou inesperada de outros eventos. Combinou-se a criação de um vestíbulo suspenso com a abertura do espaço do estádio no eixo maior para a paisagem externa, permitindo uma flexibilidade de uso, acessível a espetáculos teatrais, escolas de samba, entre outras programações.

Reinaldo Pestana Reinaldo Pestana é autor de grandes projetos de condomínios horizontais e verticais, dentre eles o bairro de Alphaville, em Barueri (SP) e o Ilhas do Sul na cidade de São Paulo, ambos precursores deste tipo de empreendimento e resultantes de uma parceria com a Construtora Albuquerque Takaoka. O residencial Alphaville foi desenvolvido junto com o arquiteto José de Almeida Pinto, seu sócio no escritório Proplanco – Projetos, Planejamento e Consultoria que existiu de 1972 a 1999.

Formado pela FAU-USP em 1959, o arquiteto é hoje o diretor do Escritório Reinaldo Pestana Arquitetura e Urbanismo, fundado em 1999, e que conta também com a sócia Kátia Bomfim Pestana para o desenvolvimento de projetos de arquitetura, paisagismo, planejamento urbano e consultoria imobiliária. Descritivo do Projeto Alphaville Burle Marx - A concepção urbanística do projeto teve como premissa básica a preservação da vegetação e dos cursos d’água, respeitando a topografia da área. O resultado foi uma implantação que nasceu em função da ocupação dos espaços livres e consequentemente determinou a criação do primeiro Parque Municipal no Estado de São Paulo. Um projeto que cumpriu o compromisso com o meio ambiente e, ao mesmo tempo, ofereceu um grande diferencial aos moradores: o conforto de conciliar facilidades comerciais, moradia e lazer em áreas muito próximas.

Roberto Loeb Roberto Loeb é formado em 1965 na Faculdade de Arquitetura da Universidade Mackenzie, sendo mais tarde professor de projetos nesta mesma instituição. Ao lado de Luis Capote, lidera o Escritório Roberto Loeb e Associados que atua na concepção, desenvolvimento e implantação de projetos de complexidade programática e tecnológica, atuando em diversos segmentos. Entre seus trabalhos realizados, podemos destacar o Novo Espaço Natura, localizado em Cajamar (SP), realizado em 2001; o Santander Cultural, de Porto Alegre (RS), construído em 2001; o Centro de Cultura Judaica, em São Paulo, concluído em 2003, a sede da Cocamar, cooperativa agrícola de Maringá (PR) e o Centro de Distribuição da Avon em Cabreuva (SP) ambos em construção. Descritivo do projeto Centro de Pesquisas e Tecnologia Mahle / Metal Leve - Localizado no interior de São Paulo, em uma área de reserva florestal, o projeto foi construído em total integração com a paisagem verde dos 125 mil metros quadrados de seu terreno. Ocupando apenas 18 mil metros quadrados, a construção é formada por três blocos de anéis semicirculares que acompanham o desenho topográfico original da área. Uma única escada foi utilizada como solução para unir as três edificações que contam com iluminação natural e oferecem transparência

visual, devido ao uso de muito vidro, materiais leves como o metal, cores claras e concreto pré-moldado em sua estrutura. A tecnologia nesta serra coberta de verde se aliou à natureza num esforço funcional que não descartou preocupações estéticas. Visto da estrada, o complexo da Mahle desponta com leveza, como uma grande mancha branca e transparente, uma presença que destoa com graça do verde circundante e se estrutura sem violência sobre as elevações do local.

Ruy Ohtake O arquiteto Ruy Ohtake começou sua produção em 1960, no mesmo ano em que se formou pela FAU-USP. Desde então, seu escritório tem tido uma produção intensa, contando com obras em todo o território nacional e no exterior. Entre seus principais projetos desenvolvidos até hoje estão o Parque Ecológico do Tietê, de 1975; o São Paulo Renaissance Hotel, de 1993; o Edifício Maison de Mouette, de 1988 e o Hotel Unique, de 1998. Ao longo de mais de 30 anos de carreira, ganhou diversos prêmios, quatro deles por uma única obra, o Hotel Unique na cidade de São Paulo, considerado pela mais importante revista de turismo do mundo, a Condè Nast Traveler, em artigo do crítico Paul Goldberger, como uma das “Sete maravilhas do mundo no início do século”. Descritivo do projeto Instituto Tomie Ohtake - Erguido na mais importante cidade da América Latina, São Paulo, o Instituto Tomie Ohtake tem como proposta apresentar as novas tendências da arte nacional e internacional, além daquelas que são referências nos últimos 50 anos, coincidindo com o período de trabalho da artista plástica que dá nome ao espaço, Tomie Ohtake. Conta com 7.500 metros quadrados para exposições de artes plásticas, arquitetura e design, salas específicas para ateliês, seminários e documentação, restaurante, livraria e loja de objeto e mais 6.500 metros quadrados, ainda em construção, para dois teatros e um cinema que contemplarão música, artes cênicas e audiovisual. Inaugurado em novembro de 2001, está instalado em um complexo empresarial com dois prédios de escritórios, um centro de convenções, interligados por um grande hall. O avançado empreendimento, construído pelo Grupo Aché com recursos integralmente privados, reflete uma concepção contemporânea de cidade, onde cultura trabalho e lazer estão integrados.

g

Sidonio Porto Sidonio Porto nasceu em Minas Gerais, em 1940. Formou-se arquiteto pela Faculdade de Arquitetura da UFMG em 1964. Exerceu atividade docente na FAU/UFMG e na Panamericana Escola de Arte e Design, em São Paulo. Foi Diretor do IAB/MG e Diretor e Conselheiro da AsBEA/SP. Exerce atividade profissional de arquiteto em São Paulo desde 1965, onde fundou escritório próprio a partir de 1976. Executou projetos de conjuntos industriais, shopping centers, centros administrativos, residências, hotéis e clubes, entre outros, em vários estados do Brasil e no exterior. Dentre os diversos prêmios recebidos, destaca-se o Prêmio Rino Levi 2002 IAB SP – Instituto dos Arquitetos do Brasil, com a obra Ipel Fábrica de Pincéis e Embalagens. Participou das Bienais Internacionais de Arquitetura de São Paulo, tendo sido homenageado com sala especial na edição de 2003. Em comemoração aos 40 anos de seu exercício profissional, a Pro Livros está elaborando o livro Sidonio Porto, Um Intérprete de seu Tempo. Descritivo do projeto Fábrica IPEL - Situa-se em um Condomínio Industrial em Cajamar, interior de São Paulo. É uma indústria de embalagens e pincéis para produtos de beleza e maquiagem. O respeito dedicado ao meio ambiente foi um dos pontos fundamentais na concepção do projeto, além da procura por um espaço adequado às atividades específicas de produção. O resultado é uma construção em total integração com o entorno, tratado paisagisticamente, que oferece espaços de trabalho agradáveis e estimulantes. Houve, ainda, a preocupação de unir o máximo de flexibilidade, condições para expansão futura e custos compatíveis. Do ponto de vista construtivo se destaca um mix de estrutura metálica para coberturas em Shed com vedações em painéis pré-moldados de concreto. Os vidros são laminados na cor verde e os caixilhos em alumínio pintado de branco.

Siegbert Zanettini Siegbert Zanettini é formado pela FAU-USP em 1959. Estar além de seu tempo, com marcante visão humanista, é característica sempre presente em sua arquitetura transformadora. Mais do que projetos, trabalhando sobre conceitos, foi pioneiro, e continua sendo, no desenvolvimento de novas tecnologias e sistemas construtivos com estruturas de aço, madeira, concreto e alvenaria armada na construção civil. O profissional e professor Zanettini completa este ano 50 anos de arquitetura. Sua obra inclui mais de 1.200 projetos realizados em mais de cinco milhões de metros quadrados, além de quatro décadas de vida dedicadas ao conhecimento acadêmico. Entre os destaques de seu extenso portfolio estão a ampliação do CENPES / Centro de Pesquisas da Petrobras no Rio de Janeiro, em co-autoria com José Wagner Garcia, a Panamericana Escola de Arte e Design, o Hospital São Luiz / Anália Franco e a própria sede da Zanettini Arquitetura. Descritivo do projeto O Sonho - O croqui apresentado é parte do projeto que está sendo desenvolvido pelo arquiteto Zanettini para o Centro de Pesquisa e de Educação Ambiental do Instituto Inhotim, em Brumadinho, MG. Esta experiência única reúne, ainda, no mesmo lugar, o paisagismo de Burle Marx e seus seguidores, as instalações de Cildo Meireles, Adriana Varejão, Tunga, Hélio Oiticica, Neville D’Almeida, Dan Graham, Larry Clark, Laura Lima, Paul McCarthy, Steve McQueen e tantos outros, com as mais variadas e surpreendentes manifestações artísticas. “Concretizo meu sonho ao juntar-me com essa plêiade de artistas, agregando meus conhecimentos à produção científica de biólogos, botânicos, fisiólogos, climatólogos, geólogos, agrônomos e de educadores ambientais que ampliam ainda mais as dimensões cultural, holística e sistêmica, integrando o conhecimento científico ao mundo das idéias e da criação” comenta Zanettini sobre o projeto. E ainda completa: “A eles viemos nos reunir fazendo arquitetura com tecnologia, ecoeficiência e sustentabilidade com invenção, magia e encantamento na busca de mais um sonho”.

01

giro++

02

100

Inauguração Casa Fortaleza

+ lojas erooms show

09 bro, 20 01. A arquiteta |Mônica Franchini esteve presente Dezem ANO XI 0 m.br no coquetel de.coinauguração da Megastore ,9 R$ 12casaemercado www. Casa Fortaleza Home & Office, em Santo André (SP).

03

D E S IG ES •

N

02. Glaucia Taraskevicius prestigiou a animada inauguração.

04

R IO R

03. Os sócios Fabiano e Daniel Al Makul (nas extremidades) comemoraram o sucesso da noite ao lado do pai, Jorge Al Makul.

05

ETUR

TE A • IN

04. O artista plástico Odamar Versolatto levou seu abraço aos anfitriões. IT ARQU

05. Cláudio Lorca, da loja A Especialista, e Roseane Sanches, designer de interiores, percorreram os 500 m² do novo espaço. 06

06. É do designer de interiores Fernando Piva o layout da nova alternativa para arquitetos e designers de Santo André.

Por: Sandra Leise Imagens: Felipe Gonçalves, Isis Minchillo e divulgação

Sarau da Decoração 01. O arquiteto Sérgio de Oliveira e Toni Lopes estiveram entre os convidados do Sarau da Decoração. 02. Ana Maria Bogar prestigiou o evento.

03

.09

15.12

04

wroo

ms

ISSN

1519

-1087

03. João Carlos de Oliveira Cesar, professor-doutor da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da USP, ministrou a palestra “Cores na Arquitetura”.

01 TA: E FES ind D02 NOITE e Top of M o ri á u An ANTE ra I MUL A EST tura efême e arquit SKIND L L IBE a DANIE a trajetóri su conta

lojas

e sho

04. Eu apresentei o evento, que reuniu arquitetos e designers de interiores da região do ABC, com o patrocínio da Sherwin-Williams. 0

05. Rose Chaves também participou do10workshop sobre marketing pessoal e como se relacionar com a mídia. 1

06. Alcides Souza Leite Junior, da SuPerPimPa, apoiadora do evento.

Meio século de arquitetura

05 06

01 02

01. Sidonio Porto e Marc Rubin durante a inauguração da exposição A Boa Arquitetura de uma Geração . 02. Organizada por Siegbert Zanettini (à direita) e pela Escola Panamericana de Arte e Design, a mostra reúne 18 grandes profissionais, entre eles Dácio Ottoni. 03. Os arquitetos Siegbert Zanettini e Ruy Ohtake.

03 04

04. Vanda Mendonça, diretora de redação da Editorial Magazine, e Zanettini. 05. Carlos Bratke também prestigiou o evento.

138 lojas e showrooms

05

:14

15:39

Agenda Décor - Arquitetura Geracional / Joni Anderson 22/10/09 • ArcoWeb - A Boa Arquitetura de uma geração / Da redação 16/10/09 • Arq!Bacana - agenda / A Boa Arquitetura de uma geração / Marcio Mazza 13/10/09 • Arq!Bacana - cobertura vídeo e fotos / A Boa Arquitetura de uma geração / Marcio Mazza 26/10/09 • Arq!Bacana - Aconteceu / A Boa Arquitetura de uma geração / Marcio Mazza 26/10/09 • ArqBrasil - Zanettini Arquitetura e Panamericana Escola de Arte e Design abrem exposição “A Boa Arquitetura de uma geração” / Selma Meduri 17/10/09 • Arquitetando sonhos em realidade - Zanettini Arquitetura organiza exposição / Da redação 14/10/09 • Arquitetonline - Zanettini Arquitetura e Panamericana Escola de Arte e Design abrem exposição A Boa Arquitetura de uma geração / Marcos Balzano 30/10/09 • Arteum - O design produzido por uma geração / Da redação 17/10/09 • Blog do Estadão - Plural / Revisão / Beto Aboláfio 26/10/09 • Blog Panamericana - Vídeo / A Boa Arquitetura de uma Geração! / Fonte Arq!Bacana 04/11/09 • Blog Panamericana - Exposição A Boa Arquitetura de uma Geração / Da redação 21/10/09 • Casa & Jardim - Blog Arquitetando / O Sonho e a Arte de Construir / Marilena Dêgelo 26/10/09 • Composê - A Boa Arquitetura de uma geração / Fonte Arquitetura.com.br 10/10 a 15/10/09 • Comunidade Exkola - Zanettini Arquitetura e Panamericana Escola de Arte e Design abrem exposição / Da redação 30/10/09 • Folha de S.Paulo - Revista da Folha / Papo de...arquiteto / Mestre de uma geração / Cristiane Capuchinho 25/10/09 • Glamurama - Brunch / Joyce Pascowitch 21/10/09 • Guia Construir Fácil - Zanettini Arquitetura e Panamericana Escola de Arte e Design abrem exposição sobre arquitetura / Da redação 14/10/09 • Guia Construir Fácil - Zanettini Arquitetura organiza exposição de projetos de 18 renomados arquitetos / Da redação 19/10/09 • IBDA Fórum da Construção - A Boa Arquitetura de uma geração / J.Osiris Thomaz de Almeida 13/10/09 • Lume Arquitetura Boletim nº 134 / A Arquitetura de uma Geração: Veja exposição em São Paulo / Da redação 23/10/09 • Newsletter ANTENA AsBEA Edição 18 - Exposição / Da redação 20/10/2009 • O Estado de S. Paulo - Caderno Construção / Agenda / Exposição / Da redação 23/10/09 • O Estado de S. Paulo - Coluna Direto da Fonte / Caderno 2 / Siegbert Zanettini organiza exposição [...] / Sonia Racy 15/10/09 • O Estado de S. Paulo - Coluna Direto da Fonte / Cobertura Fotográfica / Siegbert Zanettini idealizador da exposição / Sonia Racy / Fotos Luizinho Coruja 26/10/09 • O Estado de S. Paulo - Coluna Direto da Fonte / Cobertura Fotográfica / Clara Bastos / Sonia Racy / Fotos Luizinho Coruja 26/10/09 • O Estado de S. Paulo - Coluna Direto da Fonte / Cobertura Fotográfica / Julio Calsinsky e a pequena Beatriz / Sonia Racy / Fotos Luizinho Coruja 26/10/09 • O Estado de S. Paulo - Coluna Direto da Fonte / Cobertura Fotográfica / Renata Marques / Sonia Racy / Fotos Luizinho Coruja 26/10/09 • O Estado de S. Paulo - Coluna Direto da Fonte / Cobertura Fotográfica / Carlos Bratke / Sonia Racy / Fotos Luizinho Coruja 26/10/09 • O Estado de S. Paulo - Coluna Direto da Fonte / Cobertura Fotográfica / Sidonio Porto e Marc Rubin / Sonia Racy / Fotos Luizinho Coruja 26/10/09 • O Estado de S.Paulo - Casa& / Drops / Abre amanhã a exposição [...] / Beto Aboláfio 25/10/09 • O Estado de S.Paulo - Guia / A Boa Arquitetura de uma geração / Da redação 30/10 a 05/11/09 • PiniWeb - Zanettini Arquitetura organiza exposição de projetos de 18 renomados arquitetos / Ana Paula Rocha 19/10/09 • PiniWeb - Zanettini inaugura “A Boa Arquitetura de uma geração” / Da redação de AU 28/10/09 • pontoarq. - Zanettini inaugura “A Boa Arquitetura de uma geração” / Fonte Revista AU Outubro/09 • Portal abcDesign - A Boa Arquitetura de uma Geração / Da redação 14/10/09 • Portal AECweb - Zanettini, 50 anos de boa arquitetura / Da redação 11/02/10 • Portal Arquitetura - Zanettini Arquitetura e Panamericana Escola de Arte e Design abrem exposição “A Boa Arquitetura de uma geração” / Sidney Cupolo 14/10/09 • Portal Casa e Cia - Os mais conceituados arquitetos na Panamericana / Da redação Outubro/09 • Portal Flex Editora - A Boa Arquitetura de uma geração / Da redação 25/11/09 • Portal Metálica - Zanettini Arquitetura e Panamericana Escola de Arte e Design abrem exposição “A Boa Arquitetura de uma geração” / Jussara Junho 29/10/09 • Portal Obra24horas - Zanettini Arquitetura e Panamericana Escola de Arte e Design abrem exposição / Da redação 28/10/09 • Portal Vitruvius - Zanettini Arquitetura e Panamericana Escola de Arte e Design abrem exposição “A Boa Arquitetura de uma geração” / Da redação 15/10/09 • Programa Urban View - Entrevista Zanettini / Gilberto Brant e Caetano Garcia 25/11/09 • Projeto Aprendiz de Construtor - Zanettini Arquitetura organiza exposição de projetos de 18 renomados arquitetos / Da redação 19/10/09 • Rádio Cultura Brasil programa Galeria / Entrevista Zanettini / Cirley Ribeiro 26/10/09 • Rádio Eldorado - programa Eldorado Cultura / Mostra une 18 arquitetos brasileiros ícones / Joyce Murasaki 28/10/09 • Revista Caras - Agenda / Cobertura fotográfica / A Boa Arquitetura de uma geração / Na abertura da mostra na Panamericana [...] Enrique Lipszyc, entre os arquitetos Sidonio Porto e Ruy Ohtake / Fotos Adri Felder (Argos Fotos), André Vicente e Benedito Tadeu 05/11/09 • Revista Caras - Agenda / Cobertura fotográfica / A Boa Arquitetura de uma geração / [...] e Siegbert Zanettini / Fotos Adri Felder (Argos Fotos), André Vicente e Benedito Tadeu 05/11/09 • Revista Casa & Mercado - Giro ++ / Meio século de arquitetura / Sidonio Porto e Marc Rubin durante a inauguração [...] A Boa Arquitetura de uma Geração / Sandra Leise Dezembro/09 • Revista Casa & Mercado - Giro ++ / Meio século de arquitetura / Organizada por Siegbert Zanettini [...], entre eles Dácio Ottoni / Sandra Leise Dezembro/09 • Revista Casa & Mercado - Giro ++ / Meio século de arquitetura / Os arquitetos Siegbert Zanettini e Ruy Ohtake / Sandra Leise Dezembro/09 • Revista Casa & Mercado - Giro ++ / Meio século de arquitetura / Vanda Mendonça, diretora de redação da Editorial Magazine, e Zanettini / Sandra Leise Dezembro/09 • Revista Casa & Mercado - Giro ++ / Meio século de arquitetura / Carlos Bratke também prestigiou o evento / Sandra Leise Dezembro/09 • Revista Engenharia - Zanettini Arquitetura e Panamericana Escola de Arte e Design abrem exposição / Da redação 03/11/09 • Revista Office Style - A Boa Arquitetura de uma geração / Da redação Novembro/09 • Revista Sistemas Prediais - Matéria de Capa / Entrevista Zanettini - “Linguagem do Vazio” preenche requisitos de sustentabilidade / Alberto Nascimento / Edição 16 • SM Projetos.com - Zanettini Arquitetura e Panamericana Escola de Arte e Design abrem exposição / Da redação 28/10/09 • Stag - Cafezinho Eletrônico / 50 anos dedicados à boa arquitetura / Thais Magliano Dezembro/09

Projeto da Exposição Curadoria Design Assessoria Montagem Agradecimentos

Panamericana Escola de Arte e Design Zanettini Arquitetura Alexander Lipszyc Marcio Lupinacci Clarissa Turra - Pitanga Comunicação Anibal Machado Reis Canson Pintar ArtPhoto Produtos


Boa arquitetura de uma geração.