Issuu on Google+

A LEI NO VELHO E NOVO TESTAMENTO Prof. Marcos Martins de Oliveira

ÍNDICE ANALÍTICO INTRODUÇÃO ______________________________________________________________________ 1 DEFINIÇÃO DE LEI ___________________________________________________________________ 2 No Velho Testamento _______________________________________________________________ 2 No Novo Testamento _______________________________________________________________ 2 A LEI NO VELHO TESTAMENTO _____________________________________________________ 2 ANTES DO SINAI _____________________________________________________________________ 2 DIVISÃO DA LEI ______________________________________________________________________ 3 A LEI NO NOVO TESTAMENTO ______________________________________________________ 3 PASSAGENS USADAS PARA DIZER QUE A LEI FOI ABOLIDA. ___________________________________ 3 A Lei e os Profetas duraram até João __________________________________________________ 3 Não vim destruir, mas cumprir ________________________________________________________ 4 “Portanto ninguém vos julgue... por causa... dos sábados.” _________________________________ 5 JESUS, A LEI E OS FARISEUS ___________________________________________________________ 6 Mateus 12:1-8 ____________________________________________________________________ 6 Mateus 12:9-21 ___________________________________________________________________ 6 Mateus 15:1-20 ___________________________________________________________________ 6 Mateus 16:1-12 ___________________________________________________________________ 6 Mateus 22:23-33, 41-46 _____________________________________________________________ 6 Mateus 23 ________________________________________________________________________ 7 O QUE O APÓSTOLO PAULO DIZ SOBRE A LEI ______________________________________________ 7 Na Epístola Aos Romanos ___________________________________________________________ 7 Na Epístola Aos Gálatas ____________________________________________________________ 7 Na Epístola Aos Hebreus ____________________________________________________________ 8 O QUE DIZEM JOÃO E TIAGO SOBRE A LEI ________________________________________________ 8 PROFETIZADA UMA TENTATIVA DE MUDANÇA NA LEI DE DEUS_______________________________ 9

Introdução Não temos a pretensão, neste artigo, de abordar todos os assuntos que envolve a Lei no Velho e no Novo Testamento, nosso objetivo é dar uma nova visão sobre a Lei. Ao estudar este artigo, faça-o com muita atenção e oração e peça a Deus sua orientação e iluminação através do seu Santo e Bom Espírito. Oro a Deus para que esse simples artigo possa ser uma ajuda para que você possa prosseguir na verdade. Se ao final da leitura deste artigo, você quiser entrar em contato conosco para maiores esclarecimentos ou para dialogarmos sobre algum tema, ou ainda para adquirir novos artigos sobre o mesmo tema ou sobre outros temas, faça o seguinte: Ligue para: Marcos Martins de Oliveira (27) 9875-3468 ou mande seu e-mail para: advento@gmail.com Deixe seu recado e nós entraremos em contato com você. Obrigado!

Acesse o site www.eusouadventista.com.br

A Lei no Velho e Novo Testamento

Pág. 2

Definição de Lei Para termos uma compreensão melhor sobre Lei na Bíblia, devemos primeiro conhecer o que essa palavra representava para os judeus. Nosso estudo começa analisando essa palavra no Velho (hebraico e aramaíco) e no Novo Testamento (grego e aramaíco).

No Velho Testamento No Velho Testamento existem duas palavras que se traduzem como Lei. A primeira é TORÁH (hebraica) que significa instruções gerais, lei, e é geralmente usada referindo-se ao Pentateuco (os cinco primeiros livros do Velho Testamento escritos por Moisés). A segunda é DAT (aramaíca) usada especificamente para os Dez Mandamentos. 1

No Novo Testamento Já no Novo Testamento a palavra grega que se traduz como Lei é νοµος (Nómos). Quando um judeu pronunciava essa palavra ele poderia estar se dirigindo a Bíblia toda (Velho Testamento) ou ao Pentateuco (os cinco primeiros livros do Velho Testamento escritos por Moisés), ou ainda apenas aos Dez Mandamentos.

A Lei no Velho Testamento É crença geral que os Dez Mandamentos não existiam antes de terem sido dados em forma escrita no Monte Sinai. Além disso alega-se que eles foram dados especialmente ao povo judeu. Já no meio adventista, que faz separação entre as leis, alguns dizem que a “Lei Moral” sempre existiu e a “Lei Cerimonial” foi dada no Sinai. Cumpre-nos examinar reverentemente, e com oração as Sagradas Escrituras, a fim de aprender a verdade acerca desse importante assunto.

Antes do Sinai Um estudo mais aprofundado da Bíblia mostra que a Lei já existia antes de ser dada no Monte Sinai. Vejamos algumas passagens bíblicas que mostram essa verdade.  I João 3:4 e Rom. 5:12 = “Pecado é transgressão da lei.” “Pelo que, como por um homem (Adão) entrou o pecado (transgressão da lei) no mundo, e pelo pecado (transgressão da lei) a morte, assim também a morte passou a todos os homens por isso que todos pecaram (transgrediram a lei).” Adão pecou, ou seja, transgrediu a Lei.  Rom. 4:15; 5:13 = “... porque onde não há lei também não há transgressão (pecado).” Adão e Eva foram criados sujeitos à Lei de Deus. O fato de não terem recebido uma cópia escrita da Lei não quer dizer que a Lei não existia.  Gên. 26:5 – Abraão conhecia a Lei de Deus e a guardava.  Êxo. 18:16 - Moisés julgava o povo de acordo com os estatutos e leis de Deus. Por favor, não se esqueça que isso aconteceu antes do Sinai.  Gên. 18:24, 32; 19:24 e 25 - Sodoma e Gomorra foram destruídas porque seu povo não era justo, ou seja, rejeitavam as exigências morais da lei divina.  Gên. 7:1; 8:20 - Se a Lei não existia ainda, como Noé saberia quais eram os animais limpos e imundos? (Lev. 11 e Deut. 14)  Gên. 35:2-4 - Jacó, escondendo os deuses estranhos para que ninguém mais achasse, demonstra claramente que conhecia o primeiro mandamento.  Josué 24:2 - O Senhor acusou a Terá, Naor e outros de violarem o primeiro mandamento.  Gên. 2:1-3 - Uma vez que o Sábado é o memorial da criação, foi guardado no jardim do Éden, e daí por diante. Portanto, Adão, Noé, Abraão, Isaque e Jacó conheciam e guardavam o Sábado. Isso desfaz a idéia que Deus deu o Sábado apenas para o povo de Israel. Deus na verdade deu o Sábado para a Humanidade. É bom lembrar também que santificar significa “separar para Deus”.  Êxo. 16:22-28 – Se observarmos esse texto podemos perceber que o povo de Israel antes de qualquer ordem de Moisés, já sabia que devia pegar duas vezes mais na Sexta, ou seja, já conhecia o quarto mandamento.  Gên. 9:24-25 - Cão desonrou o seu pai, ou seja, transgrediu o quinto mandamento, e foi amaldiçoado por isso.  Gên. 39:7-9 – Podemos perceber que no tempo de José, estava em vigor o sétimo mandamento.  Gên. 20:1-7 - Deus não permitiu que Abimeleque pecasse, possuindo a mulher de Abraão, transgredindo o sétimo mandamento. 1

Vilmar E. González Daniel e Apocalipse, p. 35

A Lei no Velho e Novo Testamento

Pág. 3

 Gên. 27:35 e 36 - Jacó se arrependeu de seu pecado, mas sofreu a pena da transgressão do oitavo mandamento.  Gên. 27:19 e 24 - Caso o nono mandamento, que proíbe todas as práticas enganosas, não estivesse em vigor, então Jacó não poderia ter sido condenado por sua mentira.  Gên. 3:6 - A cobiça sempre precede ao furto. Eva poderia ter feito tudo isso impunemente, caso não houvesse um mandamento proibindo tal atitude. Podemos ver claramente, por um estudo mais aprofundado da Bíblia, que os mandamentos de Deus já existiam e eram conhecidos e guardados antes do Sinai. Surge uma pergunta quando descobrimos que a Lei de Deus já existia antes do Sinai. Por que foi dada uma lei escrita se o homem já conhecia a lei de Deus? Neste estudo não é nosso objetivo responder essa pergunta e sim mostrar que antes do Sinai já existia a Lei de Deus. Essa pergunta é respondida em outro estudo denominado “Os Dois Concertos e a Lei”, procure adquiri-lo.

Divisão da Lei Já se ouviu falar muito sobre divisão da Lei, mas para o judeu não existia divisão na Lei, ou seja, não existia Lei Moral, Cerimonial, de Saúde, ou Civil. Ao estudarmos o Velho Testamento notamos que é possível essa divisão. E dividimos assim para podermos entender e explicar melhor o propósito da Lei. A divisão da Lei é simplesmente didática e nada mais. Veremos agora como pode ser dividida a Lei. a) A Lei Moral (Os Dez Mandamentos) - Abrange os Dez Mandamentos escritos pelo próprio Deus nas tábuas de pedra (Deut. 5:1-22; Êxodo 20:1-17; 31:18). b) As Leis Cerimoniais - Abrange todas as ordens sobre sacrifícios, ofertas, vestes sacerdotais, e a maneira de proceder em todas as cerimônias feitas por eles (quase todo o livro de Levítico é destinado para esse fim). Alguns exemplos: Levítico 1-5; 10:12-20; Êxodo 29. c)

As Leis de Saúde - Abrange todas as ordens sobre alimentação, vestuário e higiene. Muitas vezes as leis de saúde se misturam com as leis cerimoniais dando a si entender que quando uma pessoa transgride uma lei de saúde ela ficava impura para participar das cerimônias religiosas. Esse era um meio muito interessante que Deus usava para colocar os israelitas dentro de um padrão de vida saudável e higiênico. Alguns exemplos: • • • • • • •

Animais imundos e limpos - Levítico 11; Purificação da mulher após o parto - Levítico 12; Como identificar e proceder com um leproso - Levítico 13 e 14; Circuncidação - um meio muito higiênico para evitar doenças entre os homens e mulheres - Gênesis 17:1014; Levítico 12:3; A proibição de comer sangue - Gênesis 9:3-5; Levítico 17:10-16; Ordem sobre como e onde fazer ‘suas necessidades’ - Deut. 23:12-14; Proibição de um homem vestir uma roupa de mulher ou vice-versa - Deut. 22:5;

d) A Lei Civil - Abrange todas as ordens de como deveria tratar com um bandido, um escravo, um estrangeiro, como deveria ser feito os negócios, leis acerca das propriedades. Esse tipo de Lei poderia ser comparado com as leis jurídicas de uma nação. Alguns exemplos: Êxodo 21-22:15; Deut. 17:14-20; 19-20; 21:10-21.

A Lei no Novo Testamento Passagens usadas para dizer que a Lei foi abolida. A Lei e os Profetas duraram até João “A lei e os profetas duraram até João, desde então é anunciado o reino de Deus, e todo o homem emprega força para entrar nele. E é mais fácil passar o céu e a terra do que cair um til da lei.” (Lucas 16:16 e 17) O termo duraram, quando aparece, aparece destacado em algumas traduções, isso ocorre porque no original grego esse termo não existe. Foi colocado porque algumas traduções que temos são misturadas com as interpretações do tradutor. Como alguns tradutores acreditam que a lei foi abolida esse termo aparece em algumas traduções. O verdadeiro sentido de Luc. 16:16 é conhecido quando comparamos com Mat. 11:13. A Bíblia na Linguagem de Hoje traduz esse texto da seguinte maneira: “Até o tempo de João, todos os profetas e a Lei de Moisés falaram a respeito do Reino.” O que o texto de Luc. 16:16 e Mat. 11:13 querem dizer é que a Lei e os Profetas fizeram a sua parte até o aparecimento de João. Dali em diante, o reino da graça começou a ser proclamado em toda a sua plenitude. Vejamos como esse verso aparece em algumas traduções:

A Lei no Velho e Novo Testamento

Pág. 4



“A lei e os profetas duraram até João; desde então é anunciado o reino de Deus, e todo o homem emprega força para entrar nele” Edição Revista e Corrigida, 1993 – João Ferreira de Almeida



“A Lei e os Profetas [existiram]até João. Dali em diante, o reino de Deus está sendo declarado como boas novas, e toda sorte de pessoas avança impetuosamente em direção dele” Tradução do Novo Mundo, 1984 (Testemunhas de Jeová)



“A lei de Moisés e o ensino dos profetas duraram até a época de João Batista. Desde esse tempo as boas Notícias do Reino de Deus estão sendo anunciadas, e cada um se esforça para entrar nele” Bíblia na Linguagem de Hoje



“A lei e os profetas vigoraram até João; desde esse tempo vem sendo anunciado o reino de Deus, e todo o homem se esforça por entrar nele” Edição Revista e Atualizada, 1969 – João Ferreira de Almeida



“A lei e os profetas vigoram até João; desde então é anunciado o evangelho do reino de Deus, e todo o homem forceja por entrar nele” Versão Revisada, 1990 – João Ferreira de Almeida



“A lei e os profetas duraram até João; desde então é anunciado o reino de Deus, e todo o homem emprega força para entrar nele” Edição Revista e Corrigida, 1995 – João Ferreira de Almeida



“A Lei e os Profetas chegaram até João; desde então o Reino de Deus está sendo anunciado, e todos se esforçam para entrar nele” Tradução de Padre José Raimundo Vidigal, C.SS.R.



“A lei e os profetas alcançam até João; de então para cá é anunciado o reino de Deus, e cada um se esforça para entrar nele” Tradução do Pontifício Instituto Bíblico de Roma

A maior prova de que o duraram não pertence ao texto, que é interpretado por alguns tradutores, está no versículo seguinte Luc. 16:17 (No início desse capítulo temos os dois versículos na sua integra). Gostaríamos de fazer algumas indagações as pessoas que traduzem o texto e colocam o termo duraram. Se é objetivo de Lucas dizer que a Lei e os Profetas duraram até João, porque então no mesmo livro de Lucas é mostrado que...    

os pais de Jesus seguiam a risca o que estava na Lei (Luc. 2:21-24, 39, 41-42); Jesus tinha o costume de guardar o Sábado e ir a igreja neste dia (Luc. 4:16); Jesus tinha a preocupação em levar os curados a obedecerem a Lei (Luc. 5:14); Jesus na parábola do semeador realça a ordem de guardar a Palavra de Deus. É bom lembrar que no tempo que Jesus viveu a Palavra de Deus, ou seja, a Bíblia, era o Velho Testamento, ou seja, a Lei e os Profetas. (Luc. 8:11);  Jesus insiste em ensinar através das escrituras. (Luc. 24:26-27, 44-45);  Jesus repreende os que não crêem nos Profetas. (Luc 24:25);

Não vim destruir, mas cumprir “Não cuideis que vim destruir a lei ou os profetas; não vim destruir, mas cumprir. Porque em verdade vos digo que, até que o céu e a terra passem, nem um jota ou um til se omitirá da lei, sem que tudo seja cumprido.” (Mat. 5:17 e 18) O termo cumprir que aparece grifado no texto acima é traduzido de várias maneiras. Muitas vezes para apoiar a crença que a lei foi abolida. Foi colocado, como no caso anterior, porque a maior partes das traduções que temos são misturadas com as interpretações do tradutor. Como a maioria dos tradutores acreditam que a lei foi abolida esse termo aparece na maioria das traduções. O texto no original grego é o seguinte:

µη νοµισητε οτι ηλθον καταλυσαι τον νοµος η τους προϑητας. (Mat. 5:17) O mesmo verbo usado aqui e usado em Mateus 13:48. Vejamos agora o que este verbo significa: 

Lourenço Stelio Rega, NOÇÕES DO GREGO BÍBLICO, p. 65 : “eu encho (a ponto de transbordar), eu completo.”

(Em 1991, o Pr. Lourenço era deão da Faculdade Teológica Batista de São Paulo, onde lecionava Grego, Técnicas de Exegese, Ética Crista e Bioética.) 

W. C. Taylor, DICIONÁRIO do Novo Testamento Grego, p. 177 : “(1) encho,... levar a revelação parcelada e parcial do V.T. à sua finalidade, completar e aperfeiçoar seus ensinos como quem enche um copo que continha uma parte ou acaba uma edificação, demovendo os andaimes, e entregando-a em seu estado completo e final.”

(William Carey Taylor, Doutor em Teologia, era professor de Novo Testamento Grego no Seminário Batista do Norte do Brasil de 1916 a 1934.)

A Lei no Velho e Novo Testamento 

Pág. 5

Joseph Henry Thayer A GREEK-ENGLISH LEXICON OF THE NEW TESTAMENT – COMPLETE AND UNABRIDGED, p. 517 e 518: “Para fazer pleno, para encher, para encher acima... para encher plenamente, para produzir para abundar...”

(A Greek-English Lexicon of the New Testament de Thayer é considerado o melhor léxico do mundo.) Como podemos observar o termo não tem o sentido de cumprir uma ordem, de terminar ou acabar. O que Jesus quer dizer é que Ele veio ampliar, aumentar, completar, encher plenamente, mostrar o verdadeiro sentido da Lei. Leiamos esse texto de Mat. 5:17 na Bíblia na Linguagem de Hoje. “Não pensem que eu vim acabar com a Lei de Moisés e os ensinamentos dos profetas. Não vim acabar com eles e sim dar o verdadeiro sentido deles.” E se olharmos esse texto dentro do seu contexto veremos que é isso mesmo que Jesus está fazendo. Jesus está ampliando a Lei de Deus, observemos: “Ouvistes que foi dito aos antigos: Não matarás... Eu, porém, vos digo....” (Mat. 5:21 e 22).

“Portanto ninguém vos julgue... por causa... dos sábados.” “Portanto ninguém vos julgue pelo comer, ou pelo beber, ou por causa dos dias de festas, ou da lua nova, ou dos sábados, que são sombras das coisas futuras, mas o corpo é de Cristo.” (Colossenses 2:16 e 17) Para começarmos analisar esse texto gostaríamos de definir quais dos sábados, que existe na Bíblia, o texto se refere? Alguns poderiam estar se perguntando: ‘Como quais sábados? Se só existe um!’ Gostaríamos de dizer para nossos irmãos em Cristo que a Bíblia menciona vários sábados, ou seja, várias solenidades. Para o povo judeu todas as solenidades cerimoniais eram consideradas como “Sábado”. Analisemos o texto de Levítico 23 e vejamos alguns desses sábados do povo judeu. Já no verso 2 Deus diz: “Fala aos filhos de Israel, e dize-lhes: As solenidades do Senhor, que convocareis, serão santas convocações, estas são as minhas solenidades:” E o verso 3 começa dizendo que o Sábado (Sétimo Dia) é a primeira solenidade. Os versos 4 a 8 dizem que a Páscoa é o segundo “Sábado”, ou seja, a segunda solenidade. E os versos 9 a 25 dizem que As Primícias é o terceiro “Sábado”. Já os versos 26 a 32 dizem que o Dia da Expiação é o quarto “Sábado”. Para aqueles que ainda tem dúvidas leiam com cuidado o verso 32 e vejam como Moisés é claro em dizer que o Dia da Expiação era um “Sábado de descanso”. E se alguém ainda duvida desta clara verdade, tome novamente sua Bíblia e leia pausadamente os versos 37 e 38: “Estas são as solenidades do Senhor, que apregoareis para santas convocações, para oferecer ao Senhor oferta queimada, holocausto e oferta de manjares, sacrifício e libações, cada qual em seu dia próprio; além dos Sábados do Senhor...”. Veja a clareza da expressão divina: “ALÉM... dos Sábados do Senhor...”. Essa expressão denota seguramente a existência de outros “sábados”. Sabedores desta verdade, agora estamos aptos para dizer quais os “sábados” do Senhor que foram abolidos na cruz de Cristo. Vejamos de novo Col. 2:17, que diz: “que são sombras de coisas futuras, mas o corpo é de Cristo.” Querido irmão, por que Deus nos deu o Sábado (Sétimo Dia)? A resposta está em Êxodo 20:8-11. O Sábado é um memorial da Criação. Deus o separou para lembrarmos que Ele é o Criador do universo. Então o Sábado (Sétimo Dia) não é sombra de coisas futuras mas de coisas do passado. Já as outras solenidades, todas tinham um simbolismo. Todas representavam o Messias, ou seja, todas eram sombras das coisas futuras. Vejamos o gráfico na próxima página.

A Lei no Velho e Novo Testamento

Pág. 6

Com essa verdade bíblica na memória podemos agora entender todo o capítulo 2 de Colossenses. E podemos também ajudar a todos aqueles que ainda, não conhecendo a verdade bíblica, ensinam que Colossenses diz que o Sábado, Sétimo Dia, foi abolido.

Jesus, a Lei e os Fariseus Em todas as passagens que Jesus e os fariseus se chocam, Jesus foi contra a tradição dos fariseus e não contra a Lei de Deus. Analisemos alguns trechos bíblicos.

Mateus 12:1-8 Pensar que isso é transgredir o Sábado, é uma ignorância muita grande sobre o caráter de Deus. Que mal existe em uma pessoa no Sábado, com fome, pegar uma fruta para comer? Só uma mente farisaica poderia pensar assim. Jesus assim não pensava. Jesus repreendeu os fariseus comparando o ato de Davi com a atitude dos fariseus. E afirmou: “Aqui está quem é maior que o templo.” (Mat. 12:3-6) Por que Jesus não disse: “Aqui está quem é maior que o Sábado?” Por que não afirmou assim? Será que ele não tinha a intenção de cancelar o Sábado? Leia por favor Mateus 24:20. Isto foi dito por Jesus antes da sua morte, quando estava pregando o grande sermão profético sobre os finais dos tempos. Jesus aqui está dizendo que depois de sua morte, nos finais dos tempos, os cristãos deviam orar para que sua fuga não acontecesse no dia de Sábado (Você está orando para que sua fuga não aconteça no dia de Sábado, como mandou Jesus?). Isso é uma prova que Jesus não queria, de forma alguma, cancelar a obediência do Sábado após a sua morte.

Mateus 12:9-21 Em Mateus 12:9-21, Jesus, no dia de Sábado, entrou em uma sinagoga, e estava ali um homem que tinha uma das mãos mirrada, e os fariseus perguntaram a Jesus se era lícito curar no Sábado. O texto bíblico ainda afirma que fizeram esta pergunta para o acusarem. Perguntamos: Acusarem, por que? Não existe nada nem na Lei de Deus, nem no velho Testamento, que condena fazer o bem aos Sábados. Analisemos esta pergunta farisaica: “É lícito curar nos Sábados?” Para fazer esta pergunta deveria existir alguma tradição farisaica que dizia que não era lícito curar nos Sábados. Vejamos outro texto.

Mateus 15:1-20 Neste texto uns escribas e fariseus de Jerusalém interrogaram à Jesus dizendo: “Por que transgridem os teus discípulos a tradição dos anciãos (tradição dos fariseus)? Pois não lavam as mãos quando comem pão. Ele, porém, respondendo, disse-lhes: Por que transgredis vós também o mandamento de Deus pela vossa tradição?” (versos 2 e 3). O texto bíblico é claro em dizer que Jesus era contrário as tradições dos fariseus quando essas impossibilitavam a guarda da Lei de Deus ou quando essas eram feitas para cultivar o orgulho e presunção dos seus líderes e liderados. Observemos também que Jesus nesse texto defende a guarda da Lei de Deus, em especial o quinto mandamento. Vejamos mais um texto.

Mateus 16:1-12 Aqui Jesus adverte aos discípulos a não aceitarem as doutrinas dos fariseus e nem as dos saduceus. Isso porque eles davam mais valor as suas tradições do que as Escrituras. Vejamos um exemplo disso no próximo texto.

Mateus 22:23-33, 41-46 Neste texto os saduceus, que acreditavam não haver ressurreição, interrogaram a Jesus, depois de terem contado a história de sete irmãos que tiveram a mesma esposa e que todos haviam morrido, quem seria o esposo desta mulher quando todos ressuscitassem. A resposta de Jesus aos saduceus mostra como eles não se baseavam nas Escrituras para formular uma tradição ou doutrina. Os fariseus quando ficaram sabendo que Jesus tinha emudecido os saduceus, reuniram-se para também interrogar a Jesus. E Jesus mostrou que eles também não se baseavam nas Escrituras para formular suas tradições ou doutrinas. Aqui também tem uma lição muito importante para nós, será que as doutrinas que nós pregamos estão de acordo com as Escrituras Sagradas? Será que nós não estamos errados? Será que as doutrinas que acreditamos podem suportar um exame mais profundo das Escrituras Sagradas? Vejamos agora o último texto sobre os fariseus e Jesus.

A Lei no Velho e Novo Testamento

Pág. 7 Mateus 23

Depois que Jesus emudeceu tanto os fariseus como os saduceus, Ele pregou para a multidão que estava ali escutando o debate. Nesse sermão Jesus foi duro com esses lideres religiosos, vejamos alguns trechos desse sermão. • Versos 2-4: “Dizendo: Na cadeira de Moisés estão assentados os escribas e os fariseus. Observai, pois, e praticai tudo o que vos disserem; mas não procedeis em conformidade com as suas obras, porque dizem e não praticam; pois atam fardos pesados e difíceis de suportar, e os põem aos ombros dos homens; eles, porém, nem com o dedo querem movê-los;” • Versos 23 e 24: “Ai de vós, escribas e fariseus, hipócritas! Pois dizimais a hortelã, o endro e o cominho, e desprezais o mais importante da lei, o juízo, a misericórdia e a fé; deveis, porém, fazer estas coisas, e não omitir aquelas. Condutores cegos! Que coais um mosquito e engulís um camelo.” • Versos 27 e 28: “Ai de vós, escribas e fariseus, hipócritas! Pois que sois semelhantes aos sepulcros caiados, que por fora realmente parecem formosos, mas interiormente estão cheios de ossos de mortos e de toda imundícia. Assim também vós exteriormente pareceis justos aos homens, mas interiormente estais cheios de hipocrisia e de iniquidade.” Nesse texto fica claro que Jesus não era contra a Lei de Deus. Jesus era contra a falta de espiritualidade dos lideres religiosos e contra as suas doutrinas, que eram contrárias aos princípios divinos. Nesse texto também, Jesus reforça o nosso dever de guardar a Lei. Querido irmão ou irmã, você observa tudo que está escrito na Lei de Deus? Você devolve o dízimo a Igreja de Deus? Tem sido você um observador dos mandamentos de Deus ou um fariseu, que os conhece, mas que não os pratica? Pense Nisso! Ainda há tempo de mudar. Releia os versos 2-4, 23 e 24.

O que o apóstolo Paulo diz sobre a Lei Na Epístola Aos Romanos Muitos irmãos, bem intencionados, dizem que o apóstolo Paulo prega que estamos debaixo da graça e por isso não precisamos mais guardar a Lei de Deus. Agora, gostaríamos de estudar sobre o que Paulo diz sobre assunto, e confirmar se esses irmãos, bem intencionados, estão certos ou errados. Para começar nosso estudo, leiamos Romanos 3:28: “Concluímos pois que o homem é justificado pela fé sem as obras da lei.” Esse verso é bastante usado para dizer que a lei foi abolida. Mas essa história fica bem complicada quando lemos o verso 31 do mesmo capítulo. “Anulamos, pois, a lei pela fé? De maneira nenhuma, antes estabelecemos a lei.” (Rom. 3:31). Querido amigo ou amiga, Paulo é muito claro em dizer que não anulamos a Lei pela fé, e sim, estabelecemos a Lei de Deus. Gostaríamos de lembrar que Paulo diz que sem lei, não há pecado (Romanos 4:15; 5:12 e 13). Será que estamos vivendo em um mundo sem pecado? Eu acho que não? E você? No capítulo 13 versos de 8 a 14, o apóstolo Paulo fala como guardar a Lei de Deus. Deus é amor (I João 4:8) e o cumprimento da Lei de Deus é o amor (Rom. 13:10), ou seja, precisamos amar para cumprir a Lei de Deus. Querido amigo, se a Lei de Deus foi abolida por que Paulo fala que o único dever do cristão é amar e com efeito cumprir a Lei de Deus? Se a Lei foi abolida, por que Paulo ainda cita a Lei, não matarás, não adulterarás?

Na Epístola Aos Gálatas Outro texto muito usado para dizer que a Lei foi abolida é Gálatas 3:23-25, que diz: “Mas, antes que a fé viesse, estávamos guardados debaixo da lei, e encerrados para aquela fé que se havia de manifestar. De maneira que a lei nos serviu de aio, para nos conduzir a Cristo, para que pela fé fôssemos justificados. Mas, depois que a fé veio, já não estamos debaixo de aio.” Para entender esses versos, vejamos outros versos. ∗ “E é evidente que pela lei ninguém será justificado diante de Deus, porque o justo viverá da fé.” (Gál. 3:11). ∗ “Logo, a lei é contra as promessas de Deus? De nenhuma sorte; porque, se dada fosse uma lei que pudesse vivificar, a justiça, na verdade, teria sido pela lei.” (Gál. 3:21). Ao analisar esses textos fica claro que a lei não pode vivificar nem justificar ninguém. Então surge uma pergunta: para que serve a lei? Os versos a seguir respondem essa pergunta. ∗ “Logo, para que é a lei? Foi ordenada por causa das transgressões, até que viesse a posteridade a quem a promessa tinha sido feita...” (Gál. 3:19). ∗ “Por isso nenhuma carne será justificada diante dele pelas obras da lei, porque pela lei vem o

A Lei no Velho e Novo Testamento

Pág. 8

conhecimento do pecado.” (Rom. 3:20). ∗ “Que diremos pois? É a lei pecado? De modo nenhum; mas eu não conheci o pecado senão pela lei; porque eu não conheceria a concupiscência, se a lei não dissesse: Não cobiçarás.” (Rom. 7:7). Paulo nesses versos diz que o objetivo da lei é mostrar o pecado e não justificar. Podemos comparar a lei com um espelho. O espelho mostra onde está a sujeira, mas não tem poder para removê-la. A lei trabalha junto com o Espírito Santo mostrando onde há pecado, e depois que a pessoa está convencida que é pecadora, o Espírito Santo mostra que só há justificação em Jesus Cristo (Atos 4:12). Leiamos de novo Gálatas 3:23-25, que diz: “Mas, antes que a fé viesse, estávamos guardados debaixo da lei, e encerrados para aquela fé que se havia de manifestar. De maneira que a lei nos serviu de aio, para nos conduzir a Cristo, para que pela fé fôssemos justificados. Mas, depois que a fé veio, já não estamos debaixo de aio.” Leiamos também Romanos 8:1, que diz: “Portanto agora nenhuma condenação há para os que estão em Cristo Jesus, que não andam segundo a carne, mas segundo o espírito.” Querido Amigo, preste atenção! Se você estiver em Cristo Jesus, você está perdoado e justificado. Então, a lei não o condena. Mas se você deixar a presença do Salvador e pecar de novo, a lei te condenará. Mas se você se arrepender e voltar ao Salvador, Ele te justificará e perdoará de novo, assim a lei não o condenará mais. Paulo ainda diz que podemos viver uma viver sem pecados, ou seja, uma vida inteira na presença de Jesus Cristo.

Na Epístola Aos Hebreus Nesse tópico, gostaríamos de abordar o assunto de Novo Concerto. Muitos dizem por aí que no Novo Concerto vivemos na graça e não precisamos guardar mais a Lei de Deus. Concordo quando dizem que vivemos na graça, mas discordo sobre o não guardar a Lei de Deus. O que é Novo Concerto? Tem muita gente por aí, falando sobre Novo Concerto, mas não sabem o que é. Vejamos o que Paulo diz sobre isso. “Porque, repreendendo-os, lhes diz: Eis que virão dias, diz o Senhor, em que com a casa de Israel e com a casa de Judá estabelecerei um novo concerto. Não segundo o concerto que fiz com seus pais no dia em que os tomei pela mão, para os tirar da terra do Egito; como não permaneceram naquele meu concerto, eu para eles não atentei, diz o Senhor. Porque este é o concerto que depois daqueles dias farei com a casa de Israel, diz o Senhor; porei as minhas leis no seu entendimento, e em seu coração as escreverei; e eu lhes serei por Deus e eles me serão por povo;” (Hebreus 8:8-10). De acordo com Paulo, o Novo Concerto, ao contrário do que dizem, é Deus escrevendo no coração do homem as suas Leis. Alguns poderiam dizer que Paulo está falando de novas leis dadas por Jesus. Mas o texto que Paulo usa em Hebreus 8:8-10 é tirado de Jeremias 31:31-34 e é baseado também em Ezequiel 36:26 e 27. Fica claro então, que Paulo está se referindo a Lei dada no Sinai, o Pentateuco. Nesse momento, gostaríamos de lembrar as palavras do apóstolo Pedro: “E tende por salvação a longanimidade do Senhor; como também o nosso amado irmão Paulo vos escreveu, segundo a sabedoria que lhe foi dada; falando disto, como em todas as suas epístolas, entre as quais há pontos difíceis de entender, que os indoutos e inconstantes torcem, e igualmente as outras Escrituras, para sua própria perdição.” (II Pedro 3:15 e 16). Cuidado, não seja você um desses indoutos e inconstantes!

O que dizem João e Tiago sobre a Lei Nesse tópico iremos apenas citar alguns textos dos apóstolos Tiago e João. Eles são muito claros e não haverá duvida sobre a interpretação dos mesmos. ◊ “Porque qualquer que guardar toda a lei, e tropeçar em um só ponto, tornou-se culpado de todos. Porque aquele que disse: Não cometerás adultério, também disse: Não matarás. Se tu pois não cometeres adultério, mas matares, estás feito transgressor da lei. Assim falai, e assim procedei, como devendo ser julgados pela lei da liberdade.” (Tiago 2:10-12). Observação: Cuidado, você será julgado pela Lei de Deus! Está você guardando a Lei de Deus? E o quarto mandamento? Não se esqueça o Sábado faz parte da lei de Deus. ◊ “E nisto sabemos que o conhecemos: se guardarmos os seus mandamentos. Aquele que diz: Eu conheçoo, e não guarda os seus mandamentos, é mentiroso, e nele não está a verdade. Mas qualquer que guarda a sua palavra, o amor de Deus está nele aperfeiçoado: nisto conhecemos que estamos nele. Aquele que diz que está nele, também deve andar como ele andou.” (I João 2:3-6).

A Lei no Velho e Novo Testamento

Pág. 9

◊ “E bem sabeis que ele se manifestou para tirar os nossos pecados; e nele não há pecado. Qualquer que permanece nele não peca (transgredi a lei); qualquer que peca (transgredi a lei) não o viu nem o conheceu.” (I João 3:5 e 6). ◊ “E o dragão irou-se contra a mulher, e foi fazer guerra ao resto da sua semente, os que guardam os mandamentos de Deus, e teem o testemunho de Jesus Cristo.” (Apoc. 12:17).

Profetizada uma Tentativa de Mudança na Lei de Deus Durante nosso estudo vimos que a Bíblia é clara em dizer que a Lei de Deus não foi abolida. Nesse momento gostaríamos de mostrar que a Bíblia fala sobre uma tentativa de mudança na Lei de Deus. E que essa tentativa seria feita por um poder controlado por Satanás. Através do sonho de Nabucodonozor relatado no capítulo 2 de Daniel, Deus deu a conhecer a história de todos os povos até o estabelecimento do Reino Universal de Deus que permanecerá para todo o sempre. O capítulo 7 amplia detalhes apresentados no capítulo 2 e ainda apresenta detalhes que o capítulo 2 não tem. Nosso objetivo ao estudar essa profecia não é mostrar todos os detalhes proféticos, mas sim, mostrar que Daniel profetizou uma tentativa de mudança na Lei de Deus. E conhecendo essa profecia nós compreenderemos porque é importante pesquisar por nós mesmos a Bíblia e ver qual é a importância e o lugar que a Lei de Deus ocupa nos dias atuais. “... Eu estava olhando, na minha visão da noite, e eis que os quatro ventos do céu combatiam no mar grande. E quatro animais grandes, diferentes uns dos outros, subiam do mar.” (Daniel 7:2 e 3) Para compreendermos melhor os simbolismos apresentados no capítulo 7, damos uma lista de passagens bíblicas que ajudam a esclarecer. •

Mar (águas) - representam povos, nações, multidões e línguas (Apoc. 17:15; Jeremias 46:7 e 8).

Ventos - agitações políticas, contendas, desafensas e guerras violentíssimas (Jeremias 4:11-13; 49:36 e 37).

Animais - reis, reinos, poderes e governantes (Daniel 7:17 e 23; Joel 1:6; Jeremias 50:17).

Asas - agilidade, destreza, rapidez e força (Hebreus 1:6-8; Jeremias 48:40).

Mar Grande - O Mar Mediterrâneo era conhecido na antiguidade como Mar Grande ou Grande Mar.

Os grandes reinos que governariam o mundo foram apresentados a Daniel como animais que subiam do mar que representa povos, nações, multidões e línguas (Dan. 7:17). Tendo em vista que o primeiro animal já está identificado como Babilônia (Ver Daniel 2:37e 38). Com a ajuda da História Universal podemos identificar os reinos representados pelos animais na visão. (Olhar em qualquer livro de História) • O 1º Animal - Um Leão - Além da prova bíblica que Babilônia é o Leão (Dan. 2:37 e 38). O leão era o símbolo da Babilônia na antiguidade. A arqueologia descobriu muitas pinturas de leões, encontradas nas ruínas daquela antiga civilização. • O 2º Animal - Um Urso – Além da prova bíblica mostrando que a Média-Persia seira o próximo reino (Dan. 5:30 e 31). A História Universal afirma que a Média começou a se fortalecer, sendo seguida pela Pérsia que até a sobrepujou. Surgiu assim a Média (urso se levantando de um lado) e depois a Pérsia. Ambas coligadas, realizaram grandes façanhas militares (devorando muita carne). As três costelas representam as três maiores conquistas para o estabelecimento do reino. 1. Lídia - conquistada em 546 A.C. 2. Babilônia - conquistada em 539 A.C. 3. Egito - conquistado em 525 A.C. • O 3º Animal - Um Leopardo – Além da prova bíblica mostrando que a Média-Pérsia seria destruída pela Grécia (Dan. 8:5-7, 20 e 21). O leopardo é um dos animais mais ágeis. Rápido e traiçoeiro em seus movimentos; e, dotado de asas torna-se mais veloz ainda. Ele representa bem o Império Grego que conquistou a Medo-Pérsia. Alexandre, o grande, hábil guerreiro e conquistador, conseguiu impor-se ao mundo em poucos anos. Depois da morte de Alexandre, o grande, o trono ficou vago e seus generais lutaram entre si para ocupá-lo. Em 301 A.C. a situação se definiu com a divisão do Império Grego em quatro partes. A profecia de novo se cumpre: quatro cabeças e quatro asas. • O 4º Animal - Terrível e Desconhecido - Este animal representa o Império Romano que sucedeu a Grécia. Após a batalha de Pidna em 168 A.C., o reino grego em decadência cedeu seu lugar à férrea monarquia romana. O Império Romano dominou o mundo até o ano 476 da era cristã, quando foi invadida e conquistada por dez tribos bárbaras que destronaram o último dos imperadores romanos. Os dez chifres

A Lei no Velho e Novo Testamento

Pág. 10

correspondem às dez partes que Roma foi dividida. Estas dez tribos são: Alamanos, Burguinhões, Francos, Hérulos, Lombardos, Ostrogodos, Suevos, Saxões, Vândalos e Visigodos. Chegamos então no seguinte quadro: Capítulo 2

Reinos Representados Reinos Babilônia Medo-Pérsia Grécia Roma Reinos Divididos Reino de Deus

Estátua Ouro Prata Cobre Ferro Ferro e Barro Pedra

Capítulo 7 Animais Leão Urso Leopardo Terrível 10 Chifres Tribunal

Entre os chifres, apareceu um pequeno, que foi aumentando de tamanho e destruindo três deles, permanecendo em seu lugar. Era um chifre bem “diferente”. Tratava-se de um poder que se levantaria mesmo contra o próprio Deus. Daniel capítulo 7 apresenta 8 características que ajudam a identificá-lo: 1. 2. 3. 4. 5. 6. 7. 8.

Surgiu do 4º animal - v. 8 e 24 Surgiu após os dez chifres ou reinos - v. 24 Era pequeno a princípio mas acabou por sobrepujar os demais - v. 8 e 20 Três chifres seriam arrancados por ele - v. 8 e 20 Tinha olhos como o de homem e falava contra o Altíssimo - v. 25 Perseguiria os santos do Altíssimo - v. 25 “... cuidará em mudar os tempos e a Lei...” - v. 25 Dominaria por um tempo, dois tempos e metade de um tempo - v. 25

A esta altura dos acontecimentos, verifica-se através da profecia bíblica e da História Universal, que a fase pagã de Roma foi substituída por outra - a cristã. As igrejas cristãs eram lideradas por “bispos e diáconos”. A igreja de Roma, por ser a da capital do Império, gozava de grande prestígio, e por conseguinte o seu bispo também. Aos poucos foi se desenvolvendo a idéia de supremacia do bispo de Roma sobre os demais. Circunstâncias internas (pretensão do bispo) e externas (sociais e políticas) favoreceram o surgimento e estabelecimento do papado. A apostasia penetrou gradativamente na igreja. Ensinamentos humanos e mundanos tomaram o lugar dos ensinamentos bíblicos e com o passar do tempo as igrejas espalhadas no Império imitaram a igreja da capital. “E proferirá palavras contra o Altíssimo, e destruirá os santos do Altíssimo, e cuidará em mudar os tempos e a Lei, e eles serão entregues na sua mão por um tempo, dois tempos e metade de um tempo.” (Daniel 7:25) A palavra “Lei” neste versículo refere-se especificamente à Lei dos Dez Mandamentos. A palavra aramaíca usada é DAT a qual não deve ser confundida com TORAH. De acordo, então, com a profecia bíblica a igreja de Roma, no seu representante máximo o papa (O Bispo de Roma), cuidaria em mudar os tempos e a Lei. O Catecismo da Igreja Católica apresenta essa mudança, com a supressão do 2º mandamento, e o 4º mandamento em lugar do 3º, o qual está mudado e simplificado para “Guardar domingos e festas”. E a divisão do 10º em dois. Leia os Dez Mandamentos na sua Bíblia (Êxodo 20:1-17) e compare com o Catecismo da Igreja Católica. A seguir o Catecismo da Igreja Católica:

A lei de Deus falsificada pelo homem I. Amar a Deus sobre todas as coisas. II. Não tomar Seu santo nome em vão. III. Guardar Domingos e festas. IV. Honrar pai e mãe. V. Não matar. VI. Não pecar contra a castidade. VII. Não furtar. VIII. Não levantar falso testemunho. IX. Não desejar a mulher do próximo. X. Não cobiçar as coisas alheias.

A Lei no Velho e Novo Testamento

Pág. 11

A primeira lei dominical foi promulgada por Constantino, Imperador romano, no ano 321 da era cristã. Alguns anos mais tarde, no Concílio de Laodicéia (364), a igreja cristã o adotou como dia de repouso e adoração sendo a seguir espalhado por toda cristandade. Gostaríamos de mostrar algumas declarações de alguns pais da Igreja Católica Apostólica Romana: •

Em 1562, o arcebispo de Rhegio fazia na XVII sessão do Concílio de Trento esta declaração: “O sábado, o mais famoso dia da lei, foi transferido para o dia do Senhor... Estas e outras coisas semelhantes não cessaram em virtude da pregação de Cristo, mas foram mudadas por autoridade da Igreja” - Citado da obra Cânon e Tradição, de Holtz.

O Dr. Eck, em sua defesa da autoridade da Igreja Católica contra Lutero, disse o seguinte: “As Escrituras doutrinam: Lembra-te do dia do sábado para o santificar; seis dias trabalharás e farás toda a tua obra, mas o sétimo dia é o sábado do Senhor teu Deus, etc. A Igreja, porém, transferiu a observância do sábado para o domingo, por sua própria autoridade, independentemente das Escrituras.” - Dr. Eck, Eridion (1553), pág. 78.

No Doctrinal Catechism, págs. 101 e 174, lê-se o seguinte: “Tendes um outro meio qualquer de provar que a Igreja tem poder para instituir dias de festa? - Se não tivesse, não poderia ter efetuado aquilo em que todos os religionistas concordam com ela, isto é, não poderia ter substituído a observância do domingo, o primeiro dia da semana, pela do sábado do sétimo dia, mudança para a qual não existe nenhuma autoridade escriturística.” (Esta Obra é feita de Perguntas e Respostas). 2

Caro irmão, ficou claro nesse estudo que a mudança na Lei de Deus, um exemplo, a mudança do sábado para o domingo, não é autorizado pelas Escrituras, e sim, pelo papa. Agora, a decisão de obedecer é sua. Quem você irá obedecer a Deus ou ao papa? As Escrituras Sagradas ou as tradições da Igreja? Lembre-se, sua decisão irá colocá-lo ou nas colunas da Igreja Verdadeira ou nas colunas da Igreja Apóstata. Que Deus nos abençoe para tomarmos a decisão correta.

2

Lourenço Gonzalez “Assim diz o Senhor”


A Lei no Velho e Novo Testamento