Issuu on Google+

Escrita de

Sinais sem mistĂŠrios

Volume 1

Madson Barreto Raquel Barreto

Escrita de

Sinais sem mistérios Volume 1

Belo Horizonte Edição do autor 2012

© 2012 Madson Barreto | Raquel Barreto

Diagramação, capa e edição de imagens: Medson Barreto Fotografia: Raquel Barreto Medson Barreto B273e BARRETO, Madson Escrita de Sinais sem mistérios / Madson Barreto, Raquel Barreto. – Belo Horizonte: Ed. do autor, 2012. [ ]v. ; 245 p. ; il. ; 22 cm x 15 cm x 2 cm. Impresso por: Gráfica O Lutador. – Distribuído por: Libras Escrita. – Volume I. Obedece ao novo acordo ortográfico, decreto nº 6.583/2008. ISBN: 978-85-913646-0-2 1. Escrita de Sinais. 2. SignWriting. 3. Libras 4. Uso da Escrita de Sinais. 5. Benefícios da Escrita de Sinais CDD: 419.071 CDU: 81’221.24 Igor Rezende Quintal – Bibliotecário CRB6-2881

Pedidos: www.librasescrita.com.br Todos os direitos reservados. Nenhuma parte desta obra pode ser reproduzida ou transmitida por qualquer forma e/ou quaisquer meios (eletrônico ou mecânico, incluindo fotocópia e gravação) ou arquivada em qualquer sistema ou banco de dados sem permissão escrita dos autores.

Impresso no Brasil

Às comunidades surdas brasileiras, aos tradutores intérpretes de Libras, educadores, pesquisadores da Libras e familiares de surdos por sonharem e lutarem pela educação bilíngue para surdos.

SUMÁRIO

PREFÁCIO DE MARIANNE ROSSI STUMPF AGRADECIMENTOS (ESCRITA DE SINAIS) AGRADECIMENTOS (LÍNGUA PORTUGUESA) INTRODUÇÃO CAPÍTULO 1 As línguas de sinais X a escrita Os surdos e a escrita Os sistemas de escrita de sinais

CAPÍTULO 2 A Escrita de Sinais, seus usos e benefícios O SignWriting no Brasil Aquisição da leitura e escrita em SignWriting Aplicações e benefícios da Escrita de Sinais

CAPÍTULO 3 Duas perspectivas Perspectiva do observador Perspectiva do sinalizador

Orientações de Mão A palma da mão

15 17 25 27 31 32 32 34 41 42 43 45 48 51 52 52 52 52 52

O dorso da mão O lado da mão Rotação da mão

Tipo de Contato: tocar Configurações de Mão Locação: a cabeça CAPÍTULO 4 Orientações de Mão Visão de frente Visão de cima Setas Básicas de Movimento Plano Parede Movimento da mão esquerda Movimento da mão direita Tipo de Contato: escovar Configurações de Mão CAPÍTULO 5 Configurações de Mão Setas Básicas de Movimento Plano Chão Escrevendo percursos sobrepostos Locações Os ombros e o peito A face CAPÍTULO 6 Configurações de Mão Outras Setas de Movimento Mudança de Configuração e de Orientação de Mão Locações As sobrancelhas Os olhos O nariz

53 53 54 54 55 56 57 58 58 58 60 60 61 61 62 63 67 68 70 70 73 73 73 74 75 76 78 79 79 79 80 80

A boca

Escrevendo em colunas (I) Pontuação: ponto final Praticando a leitura Glossário CAPÍTULO 7 Configurações de Mão Movimentos dos dedos Articulação Média fecha Articulação Média abre Movimentos Circulares Tempos do movimento Movimento Simultâneo Movimento Alternado Tipos de Contato Esfregar em Círculo Esfregar Linear Escrevendo em colunas (II) Praticando a leitura Glossário CAPÍTULO 8 Configurações de Mão Movimentos Curvos Movimentos dos dedos Flexão do dedo na Articulação Proximal Extensão do dedo na Articulação Proximal Flexão e extensão dos dedos na Articulação Proximal Tempo do movimento Movimento consecutivo Pontuação: enunciação e pausa curta Praticando a leitura

80 81 81 82 85 87 88 90 90 90 91 93 93 93 93 93 94 94 96 100 101 102 103 105 105 106 106 107 107 107 108

Glossário 112 CAPÍTULO 9 113 Configurações de Mão 114 Movimentos dos dedos 116 Flexão e extensão dos dedos alternadamente na articulação proximal 116 Flexão dos dedos alternadamente na articulação proximal 117 Extensão dos dedos alternadamente na articulação proximal 117 Tipos de Contato 118 Pegar 118 Contato Entre 118 Locações 119 O cabelo e a orelha 119 Movimentos Curvos 119 Praticando a leitura 122 Glossário 127 CAPÍTULO 10 129 Configurações de Mão 130 O Alfabeto Manual 132 Tipos de Contato: bater 133 Locações 134 O pescoço 134 Atrás da cabeça 134 Os ombros e a cintura 135 Movimento dos ombros para cima ou para baixo 135 Outros tipos de Movimento 136 Praticando a leitura 137 Glossário 142 CAPÍTULO 11 143 Configurações de Mão 144 Movimentos do antebraço 146 Rotação paralela à parede 146

Rotação paralela ao chão - braço estendido Rotação paralela ao chão - braço paralelo à frente do tórax Movimento de agito dos antebraços

Expressões não manuais As sobrancelhas Praticando a leitura Glossário CAPÍTULO 12 Configurações de Mão Movimentos de giro do antebraço Dinâmica de movimento: tensão Escrevendo um classificador Expressões não manuais A boca Movimentos da cabeça Pontuação: interrogação Praticando a leitura Glossário CAPÍTULO 13 Configurações de Mão Expressões não manuais Os olhos Direção do olhar Dinâmicas de movimento Rápido Lento Relaxado Pontuação: os parênteses Praticando a leitura Glossário CAPÍTULO 14 Configurações de Mão

147 148 149 150 150 151 158 159 160 162 163 163 164 164 165 167 169 175 177 178 179 179 180 182 182 182 183 183 184 190 191 192

Movimentos originados no pulso Movimentos Circulares Movimentos Retos Expressões não manuais Bochechas e respiração Dentes e lábios Praticando a leitura Glossário CAPÍTULO 15 Configurações de Mão Movimentos: diagonal para frente ou para trás Expressões não manuais Movimentos do tronco Visão do corpo por cima A língua Praticando a leitura Glossário CAPÍTULO 16 Os sinais nome Configurações de Mão Praticando a leitura Glossário APÊNDICE REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

193 193 194 195 195 196 198 204 205 206 207 209 209 210 211 213 217 219 220 221 223 228 229 241

15

PREFÁCIO

PREFACIO Em um artigo que escrevi em 2002 conto como iniciamos em 1996, em Porto Alegre, as pesquisas sobre o SignWriting aqui no Brasil. Como fiquei surpresa ao reconhecer naquela escrita os sinais de uma língua de sinais e feliz ao compreender que ela podia ser escrita. Após três anos de pesquisa, a tradução parcial e adaptação do Inglês/ASL para Português/Libras do livro “Lessons in SignWriting”, de Valerie Sutton, publicado originalmente pelo DAC – Deaf Action Committe For SignWriting, resultaram na construção do “Lições sobre o SignWriting” e do primeiro software SW-Edit para escrita da Língua de Sinais Brasileira pelo sistema SignWriting que foi colocado no site. A partir daí, a escrita dos sinais da Libras pelo sistema SignWriting começou a poder ser desenvolvida no Brasil. Em 2006, com o início do 1º Curso Letras/Libras a distância, foi dado um grande impulso à nossa escrita, ele levou aos surdos brasileiros, de 18 estados, esses conhecimentos como parte do seu currículo. A publicação do livro Escrita de Sinais Sem Mistérios utiliza grande parte da metodologia e é construído a partir dos materiais da disciplina de escrita dos sinais que compõe o Curso Letras Libras. Parabenizo aos organizadores Madson e Raquel Barreto pela dedicação e iniciativa de realizar esse trabalho e ao CEFET-MG, com seu Grupo de Estudos da Escrita de Sinais, pelos avanços acrescentados ao estudo da Escrita de Sinais pelo sistema SignWriting. A Educação Bilíngue brasileira e, em particular o estado de Minas Gerais, um estado possuidor de uma forte cultura que muitas vezes impulsionou os avanços conquistados pelos surdos

15

16

brasileiros, ficam enriquecidos com essa publicação. “A cultura não trabalha, move, muda ou transforma, mas é trabalhada, movida, mudada, ou transformada. São as pessoas que fazem coisas...” Lynd, 1939. Marianne Rossi Stumpf UFSC

16

INTRODUÇÃO

Existem muitos mitos em torno da Escrita de Sinais. Muitas pessoas, por não conhecê-la, afirmam que a Escrita de Sinais não é capaz de registrar a Língua de Sinais com todas as suas características. Para muitos o primeiro contato ou o estudo desta escrita foi superficial e envolto de mistérios. Este livro é resultado de intensa pesquisa e reflexão sobre o processo de ensino aprendizagem da Escrita de Sinais pelo sistema SignWriting em publicações do DAC1, dicionários da Libras e de outras línguas de sinais, sites brasileiros e estrangeiros, livros, artigos, dissertações e teses relacionadas à Escrita de Sinais ou ao estudo da Libras, além das discussões do Grupo de Estudos da Escrita de Sinais do CEFET-MG (2010-2011). Neste livro, você aprenderá a Escrita de Sinais sem Mistérios e verá sua eficácia no registro das línguas de sinais. Para isto, estudaremos esta escrita passo a passo, trazendo como exemplos léxicos2 da Libras e textos escritos em língua de sinais.

Sobre os exemplos ulitizados nesse livro

Reconhecemos a diversidade cultural dos surdos brasileiros e os regionalismos da Libras, assim, buscamos utilizar como exemplos sinais comuns às diversas regiões do país. Contudo, quando não foi possível identificar ou utilizar estes sinais, foi adotada a variante do estado de Minas Gerais. Em outros momentos apresentamos sinais utilizados em regiões específicas do país, fazendo esta indicação 1 2

 Deaf Action Commitee for SignWriting.  Sinais.

28

Escrita de Sinais sem mistérios

entre parênteses. Ressaltamos que em alguns casos um mesmo sinal pode ser escrito de várias formas diferentes e que as formas que adotamos objetivam exemplificar os símbolos e regras da Escrita de Sinais aqui estudados. Acreditamos que à medida que mais pessoas utilizarem este sistema, surgirão novas regras que simplificarão ainda mais seu uso. Este processo é natural a qualquer língua escrita.

Estrutura geral

Os dois primeiros capítulos apresentam resultados de pesquisas sobre a Escrita de Sinais no Brasil e no mundo. Veremos a relação entre as línguas de sinais e a escrita, faremos um panorama histórico sobre diversos sistemas de notação e escrita das línguas de sinais, aprofundaremos na história do sistema SignWriting, conheceremos suas principais características e como ele faz o registro das línguas de sinais. Em seguida, veremos seus usos e benefícios para usuários de língua de sinais surdos e ouvintes. A partir do capítulo 03, estudaremos a Escrita de Sinais, seus símbolos e regras ortográficas tendo como base teórica Parkhurst & Parkhurst (2001, 2008); Roald (2006) e Sutton (S/D; 1999; 2003; 2009; 2011). Na Escrita de Sinais os símbolos estão organizados em sete categorias: mãos, movimentos, cabeça e face, corpo, dinâmica e tempo, pontuação e símbolos avançados de locação, sendo estes mais utilizados por pesquisadores.

Metodologia

Nosso estudo está organizado de acordo com os parâmetros fonológicos da Libras e demais símbolos relacionados a eles. Assim estudaremos as configurações e orientações de mão, as locações, os símbolos de contato, os símbolos de movimentos dos dedos, as setas de movimentos, os símbolos de dinâmica e de tempo, as expressões não manuais e a pontuação. Esses símbolos serão introduzidos pouco a pouco. Estudaremos

28

Introdução

29

primeiro as configurações de mão mais usadas na Libras, bem como os símbolos utilizados com mais frequência na escrita, juntamente com exemplos da Língua Brasileira de Sinais e regras ortográficas aplicadas à sua gramática. As principais regras ortográficas estão marcadas com este símbolo:

História em Escrita de Sinais No capítulo 06, inicia-se uma história em Escrita de Sinais que terá continuidade nos capítulos seguintes. Esta história foi composta diretamente em Escrita de Sinais, não havendo uma tradução ou versão dela em língua portuguesa, nem mesmo uma versão digital em Libras. Na história serão utilizados preferencialmente símbolos já estudados até o capítulo em que a mesma está inserida. Contudo, vários símbolos, principalmente as expressões não manuais e os símbolos de dinâmica mesmo que ainda não tenham sido ensinados, serão utilizados quando se fizerem necessários. Assim, recomenda-se ao leitor que ao terminar o estudo de todo o livro, retome a leitura da história capítulo por capítulo para que fixe melhor o conhecimento apreendido. A história, seus personagens, nomes e lugares citados são componentes literários e não apresentam qualquer relação com histórias e personalidades reais ou fictícias nem são associadas politicamente a entidades representativas de surdos, cidades ou estados brasileiros. Resgatam, sim, aspectos culturais e identitários das comunidades surdas. Os sinais nome atribuídos aos personagens são traço cultural destas comunidades e não têm intenção de relacionar o personagem ou sua história com qualquer outra personalidade real ou fictícia. Assim, a história objetiva que o leitor treine a leitura de textos em Escrita de Sinais e exercite seu aprendizado, fixando-o. Lança também ao leitor o desafio de compor histórias, fábulas, poesias etc. diretamente na Escrita da Língua de Sinais.

29

30

Escrita de Sinais sem mistérios

No final do livro existe um apêndice com as Configurações de Mão (CM) numeradas e organizadas em grupos. Assim, em todos os capítulos elas estão identificadas por este mesmo número a fim de facilitar sua consulta. Bons estudos!

30

CAPÍTULO 4

4

58

Escrita de Sinais sem mistérios

ORIENTAÇÕES DE MÃO Visão de frente

Mão paralela à parede de frente No capítulo anterior vimos que quando a mão está na vertical escrevemos desta forma.

Visão de cima

Mão paralela ao chão Quando a mão está na horizontal é representada como se você estivesse olhando suas próprias mãos por cima. Para isto utilizamos um pequeno espaço na altura dos dedos. Não importa se você realmente pode ou não vê-la de cima.

ou escreve-se:

Da mesma forma, este símbolo pode ser girado em qualquer direção.

58

59

Capítulo 4

-

Combinar

Porque

Ele/ ela (apontação discreta)

Também

Criança

59

60

Escrita de Sinais sem mistérios

Abrir (gaveta)

Leite

Bicicleta

SETAS BÁSICAS DE MOVIMENTO Plano Parede Na Escrita de Sinais usamos setas para indicar os caminhos percorridos pelo movimento. Quando o movimento é paralelo a uma parede imaginária que está à frente do sinalizador, é representado por uma seta dupla: Para cima Diagonal para cima e para a esquerda

Diagonal para cima e para a direita

Para a direita

Para a esquerda

Diagonal para baixo e para a esquerda

60

Diagonal para baixo e para a direita Para baixo

61

Capítulo 4

Movimento da mão esquerda

Movimento da mão direita

O movimento da mão esquerda é representado por setas com ponta branca:

O movimento da mão direita, por setas com ponta preta:

Move-se somente a mão esquerda.

Move-se somente a mão direita.

Veja:

Crescer

Sul

Cego/ não ver

Quando há mais de uma seta por mão, sempre se começa a ler do centro para fora e de cima para baixo. Exemplos:

Psicólogo (a)

Carro

Depender (condicional)

61

62

Escrita de Sinais sem mistérios

Embora não seja necessário escrevê-lo, você pode usar um símbolo para indicar que as mãos se movem juntas e que começamos a ler as setas do centro para fora27.

Exemplos:

Psicólogo (a)

Carro

Depender (condicional)

TIPO DE CONTATO Escovar É o contato em que a mão se arrasta brevemente sobre uma superfície e depois se separa. É representado por um círculo com um ponto preto no centro. Exemplos:

Gastar

Entrar

Partir ao meio/ metade

 No cap. 7 estudaremos melhor este Símbolo de Tempo.

27

62

63

Capítulo 4

CONFIGURAÇÕES DE MÃO Configuração

Escreve-se

Exemplo

Provisório 10

Quinta-feira 11

Nome 12

Cadeira 13

Novela 14

63

64

Escrita de Sinais sem mistérios

Configuração

Escreve-se

Exemplo

Restaurante 15

50

51

52

Sexta-feira

Não saber nada

Culpa

Julgar/ justiça 84

64

65

Capítulo 4

Outros exemplos:

Segunda-feira

Real (moeda brasileira)

Futebol de salão

Oeste

Norte

Tentar/ experimentar

Relógio

65

www.librasescrita.com.br

Fontes utilizadas: Calibri, Candara, Libras Escrita.


Escrita de Sinais sem Mistérios