Issuu on Google+

FUNDAÇÃO MOKITI OKADA

IZUNOME

REVMO. TETSUO WATANABE

IZUNOME

ÍNDICE Ensinamento do mês A missão da Arte

6

Presidência mundial Agarre a sorte pelos cabelos

12

Culto Mensal de Agradecimento O importante é ser útil

14

Experiência na prática da fé A arte de ser feliz com arte

16

Reminiscências sobre Meishu-Sama Warai kanku kai - reuniões de kanku humorístico

18

Fundação Mokiti Okada - Arte e Cultura Cézanne: a expressão da essência Série Gênios da Pintura - 2

20

Fundação Mokiti Okada - Alimentação A fonte da vitalidade do homem é a energia vital

22

Faculdade Messiânica Ótima avaliação pelo MEC

IZUNOME IZ ZUN UNO OM ME

5

Foto Fo F oto da capa: a a Peupliers (detalhe) Paul Cézanne SETEMBRO / 2011 –

3

IZUNOME

EDITORIAL

Construindo desde já o

Belo social

E

stamos nos aproximando do Culto às Almas dos Antepassados. Na saudação que dirigiu aos participantes do Culto Mensal de Agradecimento, no dia 7 de agosto, no Solo Sagrado de Guarapiranga, o Revmo. Tetsuo Watanabe, destacou a importância de ficarmos atentos, caso encontremos alguém sofrendo. Segundo ele, esse sofrimento é a manifestação da vontade dos antepassados dessa pessoa, querendo que estendamos a mão da salvação para que seu descendente se torne útil a Deus. Alinhando-se às orientações de Kyoshu-Sama e do próprio Revmo. Watanabe, a maioria dos membros já incorporou ao seu cotidiano ações como a prática do sonen de encaminhamento, o sentimento de gratidão, a ministração diária do Johrei e o exercício de pequenos atos de altruísmo, sempre tendo em mente que essa postura, transformada em luz, pode envolver todos os seus entes queridos já falecidos e contribuir para o aprimoramento e elevação deles, no mundo espiritual. Assim, os antepassados que já identificamos e cultuamos regularmente podem “puxar” outros espíritos de nossa linhagem que ainda não despertaram para a existência de Deus e para o servir à Sua Obra. A ligação íntima que temos com os nossos antepassados é, entretanto, apenas um dos lados da moeda da salvação. E o que fazemos nesta encarnação? Porque, afinal, inevitavelmente, um dia nós nos tornaremos antepassados e seremos cultuados por nossos descendentes. Até lá, que tipo de herança queremos deixar? Uma carga pesada de máculas, de “pecados” que eles, como herdeiros, terão a responsabilidade de resgatar? Ou podemos reduzir esse “peso” ao mínimo possível por meio de uma prática de fé que envolva desde já, com muita luz, aqueles de cujo convívio ainda podemos desfrutar? Meishu-Sama definiu a agricultura natural, a prática do Johrei e do Belo como as três colunas da salvação. De uma certa forma, podemos dizer que o Belo permeia as outras duas. Como? Vejamos: Cultivar o solo com amor, sem poluí-lo com agentes químicos, protegendo-o e permitindo que ele gere e impregne tudo o que nele for cultivado com a energia vital mais pura não seria o Belo aplicado à agricultura? Ministrar Johrei não apenas com o pensamento focado na pessoa que está à nossa frente mas reconhecendo que, ligados a ela, estão milhares de antepassados de sua linhagem espiritual e, por extensão, os antepassados de toda a humanidade, não seria o exercício do Belo transformando máculas em virtudes e criando seres mais iluminados, bondosos, agradecidos, edificando assim, pouco a pouco, o Belo social? Talvez sem essas atitudes seja mais difícil tentar colocar beleza em cada coisa que fazemos. Porque se não formos belos, saudáveis em espírito e corpo, como poderemos gerar harmonia, paz e alegria ao nosso redor? Tornar-se uma pessoa assim equivale a, desde já, ir tornando nosso ambiente espiritual mais iluminado. Dessa forma aqueles que, no futuro, serão nossos “descendentes”, ao seguirem nosso exemplo, legarão a seus descendentes um mundo cada vez melhor. Acesse nossos sites:

Publicação mensal da Igreja Messiânica Mundial do Brasil Ano III - nº 45 - ISSN 2177-7462 Elaboração: Divisão de Comunicação da Igreja Messiânica Mundial do Brasil Diretor da Divisão: Rev. Mitsuaki Manabe Jornalista responsável: Antonio Ramos de Queiroz Filho (MTb 21898) E-mail: ascom@messianica.org.br Edição de Arte: Kioshi Hashimoto Redação: Marcelo Falsarella e Lúcia Martuscelli Revisão: Ivna Fuchigami Fotografia: Ricardo Fuchigami Colaboradores: Rosana Cavalcanti, Kelly Mello, Fernanda Silvestre (redação); Tony Tajima, Hélcio Renato, Celina Watanabe e Michael Rossett (fotografia) Produção: Fundação Mokiti Okada - M.O.A. Redação e Administração: Rua Morgado de Mateus, 77 – 1º andar – CEP 04015-050 – Vila Mariana – São Paulo – SP – Tel. 11 5087-5078

4 – SETEMBRO / 2011

www.messianica.org.br

www.fmo.org.br

www.korin.com.br

www.kmambiente.com.br

www.planetaazul.com.br

www.faculdademessianica.edu.br

Tiragem: 79.000 exemplares Impressão: Editora Abril

Coordenação de produção e impressão:

www.fmo.org.br

Rua Morgado de Matheus, 77 – 4º andar CEP 04015-050 – Vila Mariana – São Paulo – SP Tel. 11 5087-5030

SEKAI KYUSEI KYO IZUNOME

www.solosagrado.org.br

www.johvem.com.br

www.izunome.jp

IGREJA MESSIÂNICA MUNDIAL DO BRASIL

IZUNOME

ENSINAMENTO DO MÊS

A missão da Arte

C

ada coisa existente no Universo possui uma utilidade específica para a sociedade humana, ou seja, uma missão atribuída pelos Céus. Naturalmente, a Arte não constitui exceção. Portanto, uma vez que o artista é um membro da organização social, ele deve conscientizar-se de sua missão e exercê-la plenamente, pois essa é a Verdadeira Arte e também a responsabilidade que lhe cabe. Entretanto, quando observo os artistas da atualidade, não posso deixar de ficar decepcionado com as atitudes inconsequentes da maioria. É claro que existem artistas excelentes, mas a maior parte se esquece da sua responsabilidade, ou melhor, não tem nenhuma consciência dela. Além do mais, eles constituem um problema, pois, tendo-se como criaturas superiores, fazem o que bem entendem sem a menor vergonha. Acham que, agindo de acordo com sua própria vontade, estão manifestando sua personalidade e seu caráter de gênio. A sociedade, por sua vez, os superestima, considerando-os pessoas especiais, e aprova quase tudo que eles fazem. Por isso, sua mania de grandeza torna-se ainda maior. É preciso, todavia, que o caráter dos artistas seja muito mais elevado que o das pessoas comuns. Explicarei isto com base na Religião. Inegavelmente, nos primórdios da sua história, a humanidade possuía muitas características animais, mas não há dúvida de que, após a era selvagem, ela veio progredindo gradativamente, construindo-se, pouco a pouco, a civilização ideal. Neste sentido, o progresso da civilização consiste na eliminação do caráter animal do homem. Alcançar esse nível é

alcançar a Verdadeira Civilização. Ainda hoje, porém, a maioria das pessoas está sujeita ao terror da guerra, prova de que persiste no homem uma grande parcela de características animais. Assim, cabe ao artista uma grande missão: ele é um dos encarregados da eliminação de tais características. Torna-se necessário, portanto, elevar o caráter do homem por meio da Arte. Naturalmente, esse objetivo será alcançado através da literatura, da pintura, da música, do teatro, do cinema e de outras artes. O espírito dos artistas, comunicando-se por esses veículos, influenciará o espírito do povo. Falando mais claro, as vibrações espirituais emitidas pela alma do artista tocarão a sensibilidade das pessoas através das obras literárias, da pintura, dos instrumentos musicais, dos cantos, das danças, etc. Em outras palavras: haverá uma sólida ligação entre o espírito do artista e o espírito de quem apreciar suas obras. Se o caráter daquele for baixo, o das pessoas também se degradará; obviamente, se for um caráter elevado, terá o efeito contrário. Eis a importância da Arte. O artista deve funcionar como orientador espiritual do povo. Neste sentido, não seria exagero afirmar que uma parte da responsabilidade do aumento do mal social cabe aos artistas. Vejamos: erotismo cada vez mais vulgar, literatura cada vez mais grotesca, quadros cada vez mais monstruosos; as opiniões dos artistas, assim como também a música, o teatro e o cinema, cada vez piores. Se analisarem minuciosamente tais fatos, certamente compreenderão que a minha tese não é errada. Meishu-Sama em 15 de outubro de 1949 Fonte: Alicerce do Paraíso – volume 5

SETEMBRO SET SE S ET E TE EMB EM MB M BRO RO / 2 2011 01 01 011 11 1 –

5

PRESIDÊNCIA PRES PR ESID IDÊN ÊNCI CIA A MU M MUNDIAL N IA ND IALL - A FFORMAÇÃO O OR RMA MAÇÃ AÇÃO D DO OP PARAÍSO ARAÍS SO N NO O LLAR AR - 8ª PARTE

IZ IZUNOME ZUN UNOM O E OM

Agarre a so Encontros com o Revmo. Tetsuo Watanabe

A

Meish Meishu-Sama, fundador da IMM.

Texto publicado na Revista Izunome (Japão) nº 87, ano 2010.

6 – SETEMBRO / 2011

esperança foi a única coisa que sobrou na caixa de Pandora após todos os males terem escapado. Porém, atualmente, o número de pessoas que estão perdendo até mesmo a esperança aumenta a cada dia. No começo do ano passado, 2010, a rede de teledifusão japonesa NHK apresentou um programa intitulado “Sociedade sem Vínculos – O Choque de 32 Mil Mortes Solitárias”. Como o próprio título anunciou, foi um programa chocante. A situação da sociedade japonesa é realmente entristecedora: além de uma grande quantidade de pessoas que morrem sem que ninguém saiba ou reclame o corpo, há um grande número de suicídios. Estes, como sempre, ultrapassam a casa dos 30 mil e fazem com que o Japão ocupe o quinto lugar entre os países com maior taxa de suicídios na lista publicada pela Organização Mundial da Saúde. Os mais variados problemas que ocorrem com os indivíduos, nos lares e na sociedade são processos de purificação para que consigamos restabelecer a harmonia. Para que a purificação cumpra seu papel, cada um de nós deve enfrentar os problemas com coragem, sem fugir. Se nos empenharmos com sentimento renovado, Deus certamente nos conduzirá ao caminho da felicidade e fará com que a esperança brote novamente em nossos corações. Hoje, com o desejo de contribuir de alguma forma neste sentido, gostaria de refletir sobre como conquistar a boa sorte. Meishu-Sama nos ensina: “Não existe nada mais irônico que a sorte: quanto mais tentamos agarrá-la, mais ela foge. No Ocidente, existe um ditado que fala sobre ‘a oportunidade de obter a boa sorte só aparece uma vez na vida. Se a perdermos, não encontraremos outra’. É exatamente assim.”1 A propósito, parece que tal ditado surgiu na Itália, tendo origem na expressão “agarrar a sorte pelos cabelos”2 (“não deixar a sorte escapar”) e sua origem remonta a Leonardo da Vinci (artista do Renascimento italiano), que parece ter registrado certa vez: “Ao vislumbrar a sorte, agarre-a pelos cabelos sem vacilar. E deve agarrá-la pela cabeleira que está toda voltada para a fronte.”3

1. Extraído do Ensinamento “O Segredo da Boa Sorte”. 2. NT: original, “Aferrare la fortuna per i capelli”. 3. N.T.: Tradução livre de um trecho extraído da versão japonesa do livro “O diário de Leonardo da Vinci”, publicado pela editora Iwanami Bunko.

PRESIDÊNCIA MUNDIAL - A FORMAÇÃO DO PARAÍSO NO LAR - 8ª PARTE

Retornando ao Ensinamento de Meishu-Sama, acredito que ele está afirmando que a sorte é fugaz e que, se estivermos desatentos, ela acabará passando; portanto, devemos estar sempre preparados. A Vida Tem Seus Altos e Baixos A cantora Chiyoko Shimakura gravou uma canção bastante popular no Japão cujo título é “Jinsei wa iro iro”, que pode ser traduzido por “A vida tem seus altos e baixos”. Esta canção começa com o seguinte verso: “Cheguei mesmo a pensar em morrer...” Naturalmente, a vida tem seus reveses, passamos por muitos contratempos. Inúmeras vezes, experimentei, por alguns instantes, a alegria profunda que nos faz sentir como se estivéssemos no Paraíso; por outro lado, não foram poucas as vezes em que me senti nas profundezas do Inferno, passando por tristezas e sofrimentos que realmente me fizeram querer estar morto. O destino é realmente irônico, tão volúvel e caprichoso como um amante infiel. Entretanto, Meishu-Sama nos ensina: “Todos podem mudar (o destino) de acordo com sua própria vontade”, “cada um pode traçar o seu destino”.4 O filósofo francês Henri Bergson, bastante citado por Meishu-Sama em seus Ensinamentos, também se lamenta, afirmando em sua obra “As Duas Fontes da Moral e da Religião”5 que é difícil para o ser humano dar-se conta de que é senhor de seu próprio destino, podendo fazer dele o que quiser. Por outro lado, Meishu-Sama nos ensina que existe a predestinação, que se caracteriza por ser algo “a que estamos sujeitos antes mesmo do nascimento”.6 Ele continua: “O importante é conhecer seu limite, o que é difícil, ou seja, quase impossível.”7 Sendo assim, acabamos ficando sem compreender até onde é predestinação e a partir de onde é destino. É muito comum dizer que o local onde nascemos, a nossa família – pais, irmãos, parentes – e outras coisas que foram definidas antes de nosso nascimento fazem parte do que chamamos predestinação. Porém, de acordo com a literatura relacionada às terapias de regressão por meio da hipnoterapia, pode-se deduzir que a família onde se nasce é uma escolha feita livremente pela pessoa antes do nascimento, por seu livrearbítrio, ainda no mundo espiritual. No budismo, ensina-se que os atos de vidas passadas e desta vida também dão origem a certas afinidades [carmas] que se manifestarão por meio dos diversos acontecimentos

4. Do Ensinamento “Nós É Que Traçamos o Destino”. 5. NT- título original: “Les deux sources de la morale et de la religion”. 6. Do Ensinamento “Nós É Que Traçamos o Nosso Destino”. 7. Idem.

IIZUNOME IZ ZUNO

rte pelos cabelos

Os mais variados problemas que ocorrem com os indivíduos, nos lares e na sociedade, são processos de purificação para que consigamos restabelecer a harmonia. Para que a purificação cumpra seu papel, cada um de nós deve enfrentar os problemas com coragem, sem fugir. Se nos empenharmos com sentimento renovado, Deus certamente nos conduzirá ao caminho da felicidade e fará com que a esperança brote novamente em nossos corações.

Revmo. Tetsuo Watanabe, presidente mundial da Igreja. SETEMBRO / 2011 –

7

IZUNOME

PRESIDÊNCIA MUNDIAL - A FORMAÇÃO DO PARAÍSO NO LAR - 8ª PARTE

da vida, também chamados de predestinação. Ou seja, como originariamente essas mesmas ações foram realizadas de acordo com a vontade da pessoa no passado, em última instância, predestinação e destino não são muito diferentes entre si. Sendo assim, quando nos deparamos com algum problema que nos aflige um pouco mais, não há necessidade de sofrer tentando determinar se isto é uma predestinação ou se faz parte de nosso destino. Não há porque pensar: “Como sou azarado! Estou predestinado! Nunca vou conseguir me recuperar... Mesmo que eu dê tudo de mim, não conseguirei sair desse aperto.” Não devemos nos desesperar nem nos colocar em uma posição em que a morte pareça ser a única solução. O Crescimento Pessoal Muda o Destino para Melhor O destino “pode ser mudado de acordo com nossa vontade”. Ter sorte ou não também depende da própria pessoa, de seu livre-arbítrio. Porém, como o ser humano, senhor de tal liberdade, conseguirá conquistar um destino feliz? Meishu-Sama sempre dizia o seguinte a seus familiares: “Quando se sobe ao alto de uma montanha, a existência humana torna-se pequena”. Ou então: “Os bem-sucedidos se esforçam duas, três vezes mais que os outros”. Muitos astronautas relatam que, ao verem a Terra lá de cima, do meio do espaço, se emocionaram profundamente ao perceberem que, diante de tamanha imensidão, as diferenças entre países, etnias, credos e outros tipos de problemas são questões realmente insignificantes. Não é somente uma questão de estar fisicamente em um lugar mais alto. Acredito que o crescimento espiritual também leva ao mesmo estado de esclarecimento. Se nos elevarmos, nós nos daremos conta de que nosso sofrimento é menor do que imagináva-

Os amigos de fé, livres de fronteiras geográficas e etnias, são tesouros a serem guardados por toda a vida. (Congresso de Jovens Japão - Sri Lanka)

mos e acabamos conseguindo nos libertar. Ou seja, não posso deixar de acreditar que o aperfeiçoamento pessoal é muito importante para que possamos controlar nosso destino e conquistar a boa sorte. As palavras de Samuel Smiles, escritor inglês, encerram uma grande verdade: “O Céu ajuda aqueles que ajudam a si mesmos”. As palavras do filósofo Sêneca, um dos mais célebres intelectuais do Império Romano, registradas na obra “A Vida Feliz”, também são uma grande verdade: “O destino guia os fortes e arrasta os fracos”. É por permanecer parado no mesmo lugar que a pessoa não consegue sair de uma circunstância de infortúnios. “Não tenho sorte, sou um infeliz”, “a culpa é daquela pessoa, a culpa é da sociedade” – enquanto culparmos outras pessoas ou situações como sendo a razão de nossa falta de sorte, não conseguiremos nos livrar dela. Meishu-Sama não apreciava de modo nenhum o ato de “culpar outras pessoas”. A razão de tudo está em nós mesmos, no nosso “eu”, que se encontra no mundo espiritual – isso se reflete no mundo material e se manifesta por meio dos diversos fatos que acontecem em nossa vida. A Base da Base – Johrei e Ensinamentos

Johrei - uma das práticas básicas da fé. A prática diária e constante é muito importante.

8 – SETEMBRO / 2011

Aqui não podemos deixar de mencionar o Johrei, que purifica diretamente o espírito. Ao recebê-lo, temos a permissão de diminuir as nuvens espirituais, que são as causas dos infortúnios. Por conseguinte, conforme a situação for melhorando, devemos passar à próxima etapa. Porém, se ficarmos nos apoiando somente no Johrei e nada fizermos, seremos purificados só até certo ponto, e problemas que deveriam ser solucionados, acabam ficando sem solução – isso eu aprendi com as experiências vividas na difusão. Então, qual será a próxima etapa? Leitu-

PRESIDÊNCIA MUNDIAL - A FORMAÇÃO DO PARAÍSO NO LAR - 8ª PARTE

Conseguir Expressar a Vontade de Meishu-Sama em Nossos Pensamentos, Palavras e Ações Nidai-Sama enfatiza uma leitura mais profunda:

Entrar em contato com os Ensinamentos desde a infância e tomar consciência do sagrado desejo de Meishu-Sama.

IIZUNOME IZ ZUNO

ra e prática dos Ensinamentos. Nidai-Sama nos ensina: “A condição fundamental para o ser humano se tornar perfeito, tanto espiritual quanto materialmente, é oferecer à alma, que teve suas máculas purificadas pelo Johrei, o alimento espiritual chamado Ensinamento, para que se conheça a verdade sobre o Mundo Espiritual e o real objetivo da vida.”8 Nidai-Sama também nos ensina como ler os Ensinamentos, dando o seguinte exemplo: “Trata-se de uma velha história, que, se não me engano, aconteceu numa vila chamada Hijiyama. Lá, havia uma pessoa muito religiosa chamada Osaku. Ela lia os sutras budistas dia e noite. Um dia, seu pai a viu realizando seus afazeres sentada sobre os sutras de Kannon. Assustado, o pai lhe perguntou: ‘Osaku, até ontem você estudava os sutras fervorosamente, agora, está sentada sobre eles. Qual o motivo dessa brusca mudança de atitude? Você não acha um desrespeito?’ Osaku lhe respondeu serenamente: ‘Não. Tanto os sutras de Kannon como os demais sutras já estão dentro de mim. Estes escritos ficaram vazios, por isso, não há problema.’ Os boatos sobre Osaku correram e foram parar nos ouvidos do grande bonzo zen-budista Hakuin, que ordenou: ‘Se existe uma moça assim tão especial, tragamna até mim.’ Desta forma, Osaku foi conduzida à sua presença. Após conversarem sobre vários assuntos, o religioso constatou que a jovem era dona de considerável sabedoria, respondia a todas as perguntas sem nenhum embaraço. Então, o bonzo reuniu seus melhores discípulos e promoveu uma seção de perguntas e respostas, mas ninguém conseguiu superá-la.9” Nidai-Sama, então, nos orienta sobre a importância de, por meio da leitura contínua e repetida, captar e assimilar completamente a essência do Ensinamento.

Ao entrarmos em contato com a Arte, nossa alma se eleva sem que o percebamos.

“Não devemos ser dependentes da leitura dos Ensinamentos, mas sim, compreendê-los e assimilá-los corretamente. A partir de então é que poderemos atuar livremente.”10 “Ser dependentes”, aqui, significa contentar-se em apenas ler os Ensinamentos repetidamente. Já que a missão que nos foi legada por MeishuSama resume-se à palavra “salvação”, não devemos nos limitar à leitura de Ensinamentos para elevar nossa fé, mas para encaminhar aqueles que estão sofrendo. Devemos buscar a vontade de Meishu-Sama no fundo de cada Ensinamento, em suas entrelinhas. Devemos pensar e, por intermédio de nossos pensamentos, palavras e ações, difundi-los a todo o mundo, gravá-los no fundo de nossas almas, assimilá-los corretamente, absorvê-los. Somente assim, conseguiremos “atuar livremente”. Não é necessário dizer que, para aumentarmos nossa capacidade de assimilação e absorção dos Ensinamentos, devemos adquirir cultura, acumular experiências e aperfeiçoar nosso discernimento. Tal ponto é muito importante também para que possamos estudar profundamente as palavras de nossos líderes espirituais. Meishu-Sama nos ensina: “É necessário que os membros estejam a par não somente do que é relacionado à fé, mas também do que se passa na sociedade e no mundo. Se conseguirmos fazer isso quando conversarmos com alguém sobre qualquer assunto, conseguiremos corresponder, o que é muito positivo, inclusive, ao que se refere à fé.”11 8. Do Ensinamento de Nidai-Sama: “Os Ensinamentos São o Alimento da Nossa Alma”. 9. Do Ensinamento de Nidai-Sama: “Ler os Ensinamentos com o coração limpo como uma folha de papel em branco”. 10. Do Ensinamento de Nidai-Sama: “Os Ensinamentos Devem Ser Compreendidos e Assimilados Corretamente” 11. Coletânea de Ensinamentos”, 15 de maio de 1953. SETEMBRO / 2011 –

9

IZUNOME

PRESIDÊNCIA MUNDIAL - A FORMAÇÃO DO PARAÍSO NO LAR - 8ª PARTE

sião do Culto de Outono de 2005: “Para nos tornarmos ‘representantes de Deus’, devemos libertar-nos dos conflitos opostos que existem na natureza humana, isto é, as idas e vindas dos dois sentimentos antagônicos do bem e do mal.” Além disso, ele buscou em Meishu-Sama a resposta para a pergunta: “O que fazer para que o Supremo Deus receba nossa imperfeita natureza humana?” e assim nos orientou: “(Meishu-Sama) orientou os membros sobre a importância de ler exaustivamente seus artigos, chamados por ele de Goshinsho (Escrituras Divinas) ou Kami-no-Fumi (Escritos de Deus)” “E, mais do que qualquer coisa, MeishuSama procurou praticar pessoalmente Unindo as forças na construção da cerca de bambus. Membros que se empenham os Ensinamentos concedidos pelo Suna dedicação de construção do Solo Sagrado de Kyoto, Heyan-Kyo. premo Deus.” “(...) Creio que MeishuSama cumpriu o objetivo do Supremo Nidai-Sama também nos ensina: “Primeiro, de- Deus de gerar o próprio filho, seguindo e praticanvemos aprender sobre diversos assuntos, criar uma do os Seus Ensinamentos. Por isso, acredito que base que nos permita dizer o que pensamos sem para que a nossa natureza humana seja purificada, nenhum temor. Se, mesmo tendo Ensinamentos tão evoluída, aperfeiçoada e aceita pelo Supremo Deus, elevados e uma ideologia maravilhosa, não con- e para que sejamos ligados ao modelo denominaseguirmos apresentá-los de maneira adequada, do Meishu-Sama, que nasceu de novo neste mundo seremos prejudicados. (...) ao termos um vasto co- consumando o Propósito Divino, precisamos entregar a Meishu-Sama a nhecimento geral e o utilinossa natureza humana, zarmos tendo Deus como que se constitui a partir eixo principal, obteremos Já que a missão que da nossa autoconsciêngrandes resultados no tranos foi legada por Meishu-Sama cia. Aprendendo com balho de difusão.”12 o modelo deixado por Nosso quarto líder nos resume-se à palavra “salvação”, Meishu-Sama na consuorientou: “Por isso, meu desejo é amadurecer o sunão devemos nos limitar à leitura mação do Propósito de Deus, precisamos, uma ficiente para que, ao ler os Ensinamentos ou ao tomar de Ensinamentos para elevar nossa vez mais, objetivar nascer no Paraíso.” conhecimento ou vivenfé, mas para encaminhar aqueles novamente Para nos tornarmos ciar os diversos acontecique estão sofrendo. Devemos representantes de Deus mentos que me rodeiam, como seus represenpossa me libertar das conbuscar a vontade de Meishu-Sama e,tantes, sermos encarregacepções que tinha até agodos da salvação no plano ra e aceitá-los de maneira no fundo de cada Ensinamento, terrestre, não basta fazer mais evoluída” (Culto de em suas entrelinhas. a prática do sonen encaInício da Primavera, 2009). minhando e entregando Ele está continuamente se nossa natureza humana empenhando para corresponder ao sagrado desejo de Deus, que, junto com o imperfeita. É também essencial que, como Meishupassar do tempo, está criando e educando o ser hu- Sama, coloquemos em prática os Ensinamentos conmano para que evolua sempre. Gostaria que, a partir cedidos pelo Supremo Deus. Nem é necessário dizer que esta prática não deve de agora, procurássemos aprender com a postura do quarto líder, polindo nossa inteligência e sensibilidade se limitar a mais uma prática. Com base nas palavras para “podermos aceitar (os Ensinamentos) de maneira de Meishu-Sama: “Desde jovem gosto de dar alegria mais evoluída” e corresponder, à altura, à criação que ao próximo, a ponto de isso se tornar quase um ‘hobby’ para mim. Sempre estou pensando no que devo estamos recebendo. fazer para que todos fiquem felizes.”13, creio que devemos praticar de forma que a vontade dele se torne Significado da Leitura de Ensinamentos a nossa vontade, visando à realização da alegria e da Kyoshu-Sama nos orientou o seguinte por oca- felicidade do próximo. A alegria que brota no cora-

10 – SETEMBRO / 2011

PRESIDÊNCIA MUNDIAL - A FORMAÇÃO DO PARAÍSO NO LAR - 8ª PARTE

IIZUNOME IZ ZUNO

ção de nosso semelhante é prova da alegria de Deus e se liga diretamente à nossa própria alegria e esperança. Meishu-Sama nos ensina: “Ficar ocioso, sem fazer, nada, só porque é membro, é perigoso. Mesmo não sendo membro, a pessoa que pratica boas ações e que possui pensamento correto, será salva. A diferença é que aos membros são ensinados os meios de se salvarem; salvando as pessoas por este Caminho, as máculas são diminuídas.”14 No Final das Contas, Tudo pelo Bem do Próximo Estreitar o laço entre pais e filhos por meio do contato com a natureza. E, no final das contas, o segredo Este é o primeiro passo rumo ao lar paradisíaco. da felicidade está em amar o próximo, em pensar e agir pelo seu bem--estar, enfim, em praticar o amor altruísta, que o de ensinar aos filhos, se empenharão em aprender, alegra. Não podemos nos esquecer que a prática do em saber como viver uma vida plena, feliz – e este sonen e a prática do sonen de gratidão se completam empenho é a manifestação de seu amor. Se os jovens desejarem ajudar os povos que estão em dificuldacom a “prática do amor altruísta. des, refugiados, desabrigados, devem estudar sua língua, religião e cultura para melhor compreendêQuem se entrega à grandiosa los. Além disso, devem começar a querer adquirir Obra Divina de Salvação, algum tipo de conhecimento ligado ao desenvolviprecisa ter um coração muito amplo. mento da sua capacidade de salvar, seja na área da Meishu-Sama saúde, da educação etc. Este empenho faz com que o amor pelo próximo aumente, e assim vamos tendo a É dever de todo ser humano permissão de alcançar a verdadeira elevação dentro trabalhar pela felicidade de nós mesmos. e pela paz deste mundo. Acredito que Deus manifesta Sua força de maneiNidai-Sama ra ainda mais grandiosa não só quando estamos puAlegrar o próximo não é assim tão fácil. Aqueles rificando, mas também quando nós, seres humanos, que desejam amar o maior número possível de pes- agradecemos e valorizamos todos os seres a quem soas e procuram praticar, sabem muito bem quão di- Ele criou e legou a vida, e especialmente quando fícil é consegui-lo. E isso acontece porque eles veem amamos uns aos outros. Quando amamos nosso seexposta a própria impotência, quando pensam, por melhante, recebemos sinais de Deus, O qual sempre exemplo: “Quero muito fazer algo por essa pessoa, retribui ao esforço daqueles que se empenham para mas não tenho condições nesse momento”. Justa- corresponderem à Sua Vontade. Assim, Ele vai nos mente porque sabemos que nossa força não corres- criando, promovendo nosso crescimento e nos conponde à ideia que temos dela, é que conseguimos duzindo à felicidade. Se você é uma pessoa incapaz de amar a si mesnos agarrar ao Johrei, buscamos os Ensinamentos, aprofundamos nosso conhecimento e nos esforçamos ma, tente fazer algo que alegre o próximo: pode ser para obter a força que conseguirá concretizar o amor qualquer coisa, não importa. Dentro de cada um de nós está viva a partícula do espírito de Deus, que que sentimos. Por exemplo, se alguém desejar “preparar refei- atua como consciência, como bons sentimentos. Senções ainda mais saborosas para a família”, natural- do assim, se nos esforçarmos em amar o próximo, mente pensará “quero aprender a cozinhar melhor, Deus nos conduzirá, sem falta, ao caminho que fará a preparar pratos saborosos”, e começará a colocar com que consigamos amar a nós mesmos. Amem o próximo. Amem a si próprios e elevemisto em prática. Se quiserem que os filhos vivam uma vida mais feliz, mais plena, os pais, com o objetivo se para conseguir amar o próximo ainda mais e mudem seu destino. Este é meu maior desejo. 12. Nidai- Sama em 16 de agosto de 1960. Desejo ainda que todos os senhores consigam 13. Do Ensinamento de Meishu-Sama “Minha Natureza”. 14. Gokowa-roku, 13 de maio de 1949. “agarrar a sorte pelos cabelos”! SETEMBRO / 2011 –

11

CULTO MENSAL DE AGRADECIMENTO

IZUN IZUNOME U O

O importa Rev. Hidenari Hayashi, presidente da Igreja Messiânica Mundial do Brasil.

Saudação do Rev. Hidenari Hayashi, presidente da IMMB Solo Sagrado de Guarapiranga 4 de setembro de 2011

B

om-dia a todos! É com muita alegria que agradeço a todos os senhores o empenho incansável na expansão da Obra Divina em todo Brasil. Bem, acabamos de ouvir o maravilhoso relato da senhora Débora Tavares sobre sua experiência vivida com a Arte, depois de se encontrar com os Ensinamentos de Meishu-Sama. Essa experiência se encaixa perfeitamente com o culto de hoje, que também é dedicado à coluna de salvação do Belo. Ou seja, é a parte da Obra Divina que promove a salvação por meio de atividades artístic artísticas e culturais e também da aplicação dos conceitos de Belo em nosso cotidiano, d ut utilizando t belas palavras, cultivando belos pensamentos e praticando belas b ações. Em relação às atividades artísticas, a Fundação Mokiti Okada cumpre bem esse papel, promovendo a Arte por meio da Ikebana Sanguetsu, do Instituto de Cerâmica, dos setores Musical e Cultural e outras iniciativas ligadas aos Ensinamentos in n ssob sobre b o Belo. Inclusive, hoje, a Fundação Mokiti OkaIInc da está apresentando uma exposição especial de Ikebana Sanguetsu no Centro Cultural, para todos os senhores visitarem. O Belo, em si, promove naturalmente o estado de satisfação interior, a alegria e a descontração. Contudo, o Belo ensinado por Meishu-Sama é o praticado pelo artista com a intenção de promover a felicidade de outras pessoas, superando o sentimento de querer

12 1 2 – SSETEMBRO ET ETE E TEMBR T MB BR RO / 2011 20 2011 11

CULTO MENSAL DE AGRADECIMENTO

Exposição de Ikebana Sanguetsu no Centro Cultural.

apenas expressar aquilo que está sentindo. A Débora percebeu isso quando disse que, ao ler os Ensinamentos de Meishu-Sama, compreendeu que a responsabilidade do artista é muito grande, pois suas obras influenciam as pessoas que as apreciam. Assim, ela passou a dirigir seu sonen para fazer outras pessoas felizes, começando no seu lar, até às pessoas que estavam à sua volta. Ela ministrou bastante Johrei e, todos os meses, fez pelo menos um encaminhamento, procurando ser útil a seus semelhantes. Com esta mudança de postura, seu estado de espírito na hora de compor suas poesias também se modificou, e o sonho de publicar seu livro, finalmente, depois de anos de espera, foi concretizado. Essa experiência nos mostrou o exemplo de um messiânico que aplica os Ensinamentos de MeishuSama sobre o Belo ao seu cotidiano. O verdadeiro messiânico procura tornar-se um instrumento útil à obra de Meishu-Sama onde quer que esteja: pode ser pelo Johrei ou pelas atividades que está desenvolvendo, sejam elas artísticas, educacionais ou sociais. O mais importante é estar sempre atento ao seu redor, pois pode encontrar uma pessoa a quem você possa oferecer seu amor, estender a mão do Johrei e encaminhá-la a se tornar útil a Deus. Essa foi a tarefa que o nosso presidente mundial, reverendíssimo Watanabe, nos deixou no culto do mês passado e que é a melhor maneira de nos preparar para o Culto aos Antepassados, para deixar todos eles muito felizes. Muito obrigado e boa missão a todos!

IZUNOME

nte é ser útil

Johrei: o Belo em forma de Luz.

Coral Mokiti Okada: música para alegrar o espírito.

Cerimônia do Chá: sentimento expresso em belos movimentos.

CORREÇÃO Na edição de agosto de IZUNOME (nº 44), na página 16, onde se lê “Escola Municipal de Ensino Fundamental Vanderli Claudina de Souza, Marina Melander Coutinho (...), leia-se: (...) foi o que disse a professora da sala de leitura, Vanderli Claudina de Souza, da Escola Municipal de Ensino Fundamental – EMEF Professora Marina Melander Coutinho (...).

SETEMBRO / 2011 –

13

IZUNOME IZUN IZ ZUN UNOM OME OM

EEXPERIÊNCIA EX XPE PERI ERIÊN ÊNC CIIA NA AP PRÁTICA RÁT RÁ TIICA ICA CA D DA A FÉÉ

A arte com arte de ser feliz

Débora Fernandes Tavares.

M

eu nome é Débora Fernandes Tavares e sou messiânica há quatro anos. Dedico no Johrei Center Vila São Francisco, ligado à Área Pinheiros, região

Grande São Paulo. Em janeiro do ano de 2007, devido a uma purificação de saúde, fui levada por minha mãe pela primeira vez ao Johrei Center, onde participei do culto vesperal. Durante a leitura do Ensinamento, fui imediatamente atraída pelas palavras “belo” e “arte”. Sempre tive uma relação muito forte com a Arte e, por isso, a identificação foi instantânea. Ao apreciar a imagem da Luz Divina e a ikebana no Altar, fiquei admirada e refleti sobre o quanto a Igreja Messiânica Mundial era diferente. Eu pensei: “Que outra religião teria o Belo como uma de suas colunas de salvação?” A partir de então, comecei a receber Johrei e me senti motivada a aprofundar o tema do Belo segundo a filosofia de Meishu-Sama. Passei a estudar os Ensinamentos, fiz as aulas de princípios messiânicos, vivenciei muitas graças com o Johrei e ingressei na fé em setembro de 2007. Em 2008, o ministro, percebendo minha afinida-

14 – SETEMBRO / 2011

de com a arte, me sugeriu participar das reuniões semanais do Setor de Pesquisa e Produção Cultural da Fundação Mokiti Okada. Nesses encontros, estudávamos os ensinamentos relacionados ao Belo e fui descobrindo a maravilhosa visão de Meishu-Sama em relação ao assunto. Passei a compreender mais profundamente a missão do artista e sua grande responsabilidade ao produzir suas obras, visto que elas refletem seu espírito e influenciam as pessoas que as apreciam. Aprendi, ainda, que quando o artista está em sintonia com sua missão, naturalmente passa a ser utilizado como instrumento de Deus e, assim, tudo flui harmoniosamente. Isto me fez refletir sobre algo que me incomodava há muito tempo. Eu escrevo poesias e sempre tive o sonho de publicar um livro. Entretanto, durante mais de cinco anos, minhas tentativas foram infrutíferas. Mesmo atuando ativamente na comunidade literária, frequentando e promovendo eventos e cursos culturais ou fazendo contatos, eu nada conseguia. Cheguei a enviar os originais a editoras, sem receber qualquer retorno a respeito. Depois que conheci os Ensinamentos de MeishuSama, vi que precisava fazer algo para me tornar

EXPERIÊNCIA NA PRÁTICA DA FÉ

Nanquim: sonho feito de poesia.

IZUNOME

uma artista melhor e confesso que deixei de lado esse sonho. Comecei a ministrar mais Johrei aos meus filhos e a fazer a prática do sonen de encaminhamento, tão logo apareciam as dificuldades, procurando me controlar e ser mais tolerante. Nunca mais faltaram flores em minha casa. Minha família se transformou e tivemos até a permissão de mudar para uma casa mais bonita e mais confortável do que a que morávamos antes. No Johrei Center, comecei a me empenhar nas dedicações, procurando tornar-me útil às outras pessoas. Ganhei a missão de acompanhar frequentadores e tive a permissão de encaminhar, todo mês, pelo menos um novo messiânico à Igreja. Por outro lado, continuei participando dos estudo sobre arte na Fundação Mokiti Okada. Num certo momento, nasceu o desejo dentro do grupo de realizar uma exposição de haicai, gênero de poesia japonesa muito admirada por Meishu-Sama. Assim, foram convidadas duas poetisas bastante conceituadas para compartilhar informações sobre esse projeto. Como resultado, em fevereiro de 2011, a exposição de haicai foi realizada aqui no Solo Sagrado de Guarapiranga e recebeu a visita de muitas pessoas. Entretanto, o interessante nesse contexto foi o encontro que tive com as poetisas, pois acabei tendo mais afinidade com uma delas e pude falar sobre o meu objetivo pessoal de, um dia, publicar um livro de poesias. Assim, tomei coragem e mostrei a ela meu projeto. Para minha alegria, ela gostou e me incentivou a encaminhá-lo a um editor. Motivada por aquelas palavras, o sonho de publicar o livro ganhou uma nova vida! Logo comecei a revisar todos os poemas , agora com uma visão diferente da que tinha antes de conhecer os Ensinamentos de Meishu-Sama. Preparei um novo livro: retirei poemas antigos que não combinavam mais comigo e criei outros, com sonen renovado. Com o projeto finalizado, encaminhei-o a um editor. Para minha surpresa, diferentemente do que costumava acontecer, no prazo de uma semana ele já me respondeu: elogiou meu trabalho e pediu para acertamos os detalhes da publicação. Era um sonho de anos que estava para se concretizar! Assim, no dia 14 de maio de 2011, tive a grande felicidade de ver meu primeiro livro lançado! Foi um dia inesquecível! Eu me sentia radiante de felicidade ao ver amigos, parentes, messiânicos, pessoas que me aco acompanharam, que me apoiaram tan tanto... e que eu sei que queriam a mi minha felicidade! E eu estava ali, co concretizando esse sonho junto co todos eles! com No dia do lançamento, for ram vendidos 93 exemplares, o que deixou até a livraria surpresa, pois eu era apenas uma estreante no mundo literário! Esta experiência me fez

O Rev. Hidenari Hayashi foi presenteado por Débora com um exemplar do livro que marcou a concretização de um sonho.

criar ainda mais convicção na importância da coluna do Belo. Não somente o Belo das manifestações artísticas, mas aquele que se faz presente no nosso cotidiano, em especial nas relações e sentimentos que nutrimos pelo próximo. Tenho certeza de que o lançamento do meu livro só aconteceu porque tive o encontro com Meishu-Sama e seus Ensinamentos ligados à coluna de salvação pelo Belo. Conheci o Johrei e aprendi que precisava ser útil à Obra Divina e, assim, percebi a importância da atuação das três colunas – o Johrei, a Agricultura Natural e o Belo – em nossa missão. Hoje, minha vida tem muito mais alegria e arte. Continuo criando poemas e mantenho contato com outros artistas. Além das dedicações no Johrei Center, tenho a permissão de coordenar um grupo de estudo e prática da Arte Segundo a Visão de MeishuSama, pelo Setor de Pesquisa e Produção Cultural, no Centro de Aprimoramento Pinheiros. E se me for permitido, meu sonho é poder servir à Obra Divina junto à Faculdade Messiânica. Neste sagrado altar do Solo Sagrado de Guarapiranga, quero expressar toda a minha gratidão e reafirmar meu compromisso com Meishu-Sama de servir como seu instrumento para levar a arte a todos os lugares por intermédio dessa importante coluna de salvação. Feliz Dia do Belo a todos! Muito obrigada!

Débora autografa exemplares de Nanquim, no lançamento em SP. SETEMBRO / 2011 –

15

IZUNOME

IGREJA MESSIÂNICA MUNDIAL

Warai Kanku Kai Reuniões de kanku humorístico

M

eishu-Sama estava sempre planejando algo novo, e seu entusiasmo e empenho para a realização desses planos eram surpreendentes. Por exemplo, quando começava a compor tanka (*), ficava completamente absorto, chegando a ficar acordado até as duas ou três horas da madrugada, com o cachimbo na boca e compondo. Meishu-Sama estimulava os membros a compor poemas curtos (kanku), que eram mais fáceis de serem elaborados. Posteriormente, a temática desses versos passou a ser o humor. Com isso, foi acrescentada a palavra warai. Daí a denominação warai kanku (poemas humorísticos). (...) Havia composições extremamente engraçadas e, como o orador as lia de maneira impecável, tais reuniões eram bem mais divertidas que qualquer q comédia. Todo Todos riam muito e eu mesm mesma cheguei a ficar com dores nos músculo culos da barriga duran rante quase um dia tod todo. Obviamente, M Meishu-Sama ria ta tanto que chegava a d derramar lágrimas, limpando o rosto com frequência. Esta cena era, por si só, mais uma fonte de divertimento.

16 – SETEMBRO / 2011

Meishu-Sama, fundador da Igreja Messiânica Mundial.

Concluindo, Meishu-Sama criava uma atmosfera em que todos conseguiam esquecer as adversidades do dia a dia e viam nascer a esperança no amanhã, quando mais uma vez se empenhariam com o espírito renovado. Creio que vivíamos dias de profunda alegria. Yoshi Okada (Nidai-Sama) Segunda Líder Espiritual da IMM (*) Tanka: estilo de poesia japonesa, composta de cinco versos, sendo que o primeiro e o terceiro possuem cinco sílabas e os demais, sete.

FUNDAÇÃO MOKITI OKADA

IZUNOME

Atrações musicais

Jair Rodrigues.

já foram definidas FOTO: IKE LEVY

O

manifestação”, acrescentou ele. O cantor Jair Rodrigues demonstrou estar muito feliz pela sua participação. “Os festivais de música brasileira precisam de maior estimulo no País, e a iniciativa da FMO é muito importante”, afirmou o artista. “Atividades como esta ajudam muito a quem trabalha com meio ambiente no Brasil. A arte fala com o coração, o que há de mais profundo nas pessoas, e é disso que precisamos – modificações profundas na maneira de viver”, foi o que disse o secretário da Secretaria do Verde e Meio Ambiente de São Paulo, Eduardo Jorge Martins

: IKE L FOTO

.

a Mello

Lucian

EVY

EVY

: IKE L

FOTO

Festival da Canção Arte da Natureza, iniciativa da Fundação Mokiti Okada, confirmou as atrações musicais que se apresentarão na final do evento, no dia 30 de outubro, no Ginásio do Ibirapuera em São Paulo: Jair Rodrigues, Luciana Mello e Jair Oliveira. Vinte canções estarão concorrendo aos prêmios de R$20 mil (1ª colocada), R$15 mil (2ª colocada) e R$5 mil reais (3ª colocada). As 10 primeiras músicas classificadas participarão da gravação de um CD comemorativo do Festival. De acordo com o presidente da Fundação Mokiti Okada, Rev. Rogério Hetmanek, a escolha dos artistas se deu por eles corresponderem à expectativa do público de várias faixas etárias com qualidade musical que agrada à maioria. E, particularmente, pelo fato do Jair Rodrigues trazer em si o espírito dos grandes festivais. O presidente também ressaltou que o Festival da Canção Arte da Natureza, além de ser uma comemoração aos 40 anos da Fundação Mokiti Okada, pretende contribuir para a arte musical, descobrir novos talentos, promover lazer sadio ao público e estimular a consciência do ser humano para a necessidade de se respeitar a Natureza. “Sobretudo, agradecer por sua responsabilidade direta pela manutenção da vida em todas suas formas de

Jair Oli

veira.

Alves Sobrinho, sobre o festival. Os ingressos para o Festival da Canção - Arte da Natureza podem ser adquiridos nos Johrei Centers e na sede da Fundação Mokiti Okada, localizada à Rua Morgado de Mateus, 77- Vila Mariana, em São Paulo. Informações pelo telefone (11) 5087-5138 / 5087-5135. Acesse o hotsite do evento e acompanhe as últimas notícias: www.fmo. org.br/festivaldacancao. Participe também do facebook http://www. facebook.com/festivalcancao.artedanatureza ou do twitter http:// twitter.com/#!/FestivalFMO SETEMBRO / 2011 –

17

IZUNOME IIZ ZUN UNOM OME

FUNDAÇÃO FFU UN ND D DAÇ AÇÃ AÇ ÃO OM MOKITI OK O KIT ITI O OK OKADA KA AD DA

Paul Cézanne:

P Auto-retrato com chapéu preto. Óleo sobre tela (1882).

Setor de Pesquisa e Produção Cultural FMO

Paul Cézanne era um espírito inquieto. Sua natureza irascível só era aplacada pela paixão que o fazia buscar, por meio de sua arte, não apenas captar a verdade das coisas que a visão pode perceber, mas a verdade essencial e invisível do mundo.

Rochas junto às grutas perto de Château Noir - 1904

14 1 4 – SSETEMBRO ETE E ET TE T EM MB MBR BR B RO / 2 20 2011 01 11 1

aul Cézanne nasceu em 19 de janeiro de 1839, na França, em Aix-emProvence, província carregada de tradições. Seus pais, Louis-Auguste e Anne-Élisabeth-Honorine Aubert casaram-se somente em 1844, após o seu nascimento, contrariando as convenções. Élisabeth era uma mulher tímida e reservada, mas jovial, alegre, compreensiva e dócil. Louis-Auguste era um comerciante de pouca instrução que enriqueceu pela habilidade com os negócios. Considerado vulgar e de modos rudes, sempre foi marginalizado por suas origens modestas, ainda que invejado por sua riqueza. Amava o filho à sua maneira rude e opressiva e sonhava com uma posição elevada para ele. Cézanne, uma criança afável e reservada, educada segundo as convenções burguesas e uma religiosidade impecável, percebia a rejeição. O pai exigiu que entrasse para a Faculdade de Direito, cuja carreira honrosa lhe abriria as fechadíssimas portas das casas burguesas das quais ele sempre fora excluído. Porém, Cézanne descobriu uma paixão: desenhar, pintar. Era invadido por sensações extraordinárias, visões que suas mãos eram impotentes em reproduzir. Passava da opressão ao frenesi e durante seus ataques de raiva, rabiscava, rasgava, destruía, recomeçava. Quando pensava em desistir, começava a pintar uma tela. Não podia viver com a pintura, nem sem ela. Desistiu de estudar Direito e pintou sem parar, obstinadamente, em todos os lugares, mesmo do lado de fora durante o inverno em que a terra congelava. Apesar de ser filho de um banqueiro, foi sustentado com uma mesada suficiente para não morrer de fome. Sua natureza melancólica era mais forte do que tudo. Na tentativa de escapar deste sentimento, buscava moradia em diferentes cidades, com idas e vindas que permeariam toda a sua vida:. “Eu achava que ao deixar Aix, deixaria o tédio que me perseguia para trás, bem longe. Apenas troquei de lugar: o tédio me acompanhou.” Em 1869, Cézanne conheceu Hortense Fiquet, modesta tecelã que, em 1872, deu à luz um menino. Casaram-se em 1886. Aos poucos Cézanne foi ganhando reconhecimento. Afirmou Georges Rivière em 1877: “(...) Senhor Cézanne é um pintor, e dos grandes. Aqueles que nunca seguraram um pincel ou um lápis na mão disseram que ele não sabia desenhar e recriminaram-no por imperfeições que não passam de um refinamento obtido por um conhecimento enorme... (...).Em todos os seus quadros, o artista comove porque, diante

a

FUNDAÇÃO MOKITI OKADA

IZUNOME

expressão da essência da natureza, ele próprio sente Ainda sobre sua talentosa uma emoção violenta que o cohabilidade em retratar o invinhecimento transmite à tela”. sível, o escritor e pintor Paul Esta afirmação evidencia Signac publicou: “Na frente do sua relação próxima com a natronco de uma árvore, Cézantureza, uma das características ne descobre elementos de becomuns a esses artistas conleza que escapam a muitos siderados por Meishu-Sama outros. Todas essas linhas se como gênios da pintura. entrelaçam, se acariciam, se enCézanne buscava uma sínvolvem, todos esses elementos tese entre o espírito e o instinto, coloridos que se recuperam, entre a natureza e sua recomdegradam, ou se opõem, ele se posição necessária. Almejou apodera deles e os dispõe”. expressar a essência de tudo Cézanne morreu em 1906, e, nesse sentido, não lhe intequinze dias após ser encontraressava tanto captar a verdade do inconsciente em decorrênnaquilo que os olhos mostram, cia de ter sido surpreendido mas a verdade essencial e invipor uma tempestade enquanto sível do mundo. trabalhava ao ar livre. Faleceu Os sinais de reconhecimento em companhia de seus quapúblico das obras de Cézanne dros, concentrado nos desafios coincidem com a exacerbação de sua pintura, mas solitário, The Arc Valley - 1887 de sua personalidade retraída e tal como fora durante sua vida. problemas crônicos de diabetes. As dificuldades de seu Cézanne conseguiu criar uma obra absolutamentemperamento se projetavam na esfera pública, mas te pessoal, que não pode ser circunscrita dentro de não minavam a repercussão crescente de sua obra. nenhuma corrente artística. Artista muito à frente de A partir de 1895, Cézanne levou a limites extre- seu tempo, seu legado gerou efeitos em toda a pintumos sua solidão, sua concentração na criação e na ra do século XX. arte como única fonte de regeneração vital: “A natuA busca de uma linguagem expressiva própria reza não está na superfície, mas na profundidade. As absorveu-o completamente. Paul Cézanne dedicou cores são a expressão dessa profundidade na super- sua vida à pintura, arte movida por paixão e fé: “Não fície. Surgem das raízes do mundo”. seja um crítico de arte, pinte. É onde está a salvação”.

L´Éstaque (1878-1880)

O amor em gesso (1884 - 1885)

Fontes: Cézanne, Bernard Fauconnier; tradução Renée Eve Levié, Porto Alegre, RS: L&PM, 2009. Paul Cézanne, Coleção Folha Grandes Mestres da Pintura; tradução Martin Ernesto Russo, Barueri, SP: Editorial Sol 90, 2007. O grande livro da arte, Tesouros artísticos do mundo, tradução M.Oliveira (Século XIX), Editorial Verbo, Lisboa/São Paulo, 1982 SETEMBRO / 2011 –

19

IZUNOME

FUNDAÇÃO MOKITI OKADA

VISÃO DE MOKITI OKADA

A fonte da vitalidade do homem é a

energia vital Grupo de Alimentação Natural – FMO

“A saúde baseia-se na ingestão de alimentos que contenham grande quantidade de energia vital; dessa forma, há um aumento da vitalidade do espírito, o que promove o fortalecimento do corpo.” Ensinamento de Mokiti Okada - 1935

O Primavera (23 de setembro a 20 de dezembro)

Sazonalidade dos produtos: maior oferta em outubro FRUTAS: Abacaxi Pérola, acerola, banana, banana-nanica, banana-prata, caju, coco verde, jabuticaba, laranja, laranja-pera, lima-da-pérsia, maçã nacional Fuji, mamão Havaí, manga, nêspera, tangerina murcote. LEGUMES: Abóbora, abóbora japonesa, abobrinha italiana, alcachofra, batata-doce rosada, berinjela comum, beterraba, cenoura, cogumelo, ervilha-torta, fava, inhame, pepino japonês, pimentão amarelo, tomate, tomate-caqui. VERDURAS: Alho-poró, almeirão, aspargos, beterraba com folhas, brócolis, catalonha, cebolinha, chicória, coentro, couve-de-bruxelas, couveflor, erva-doce, espinafre, folha de uva, hortelã, mostarda, orégano, rabanete. (FONTE: Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. www.ceagesp.gov.br)

20 – SETEMBRO / 2011

homem é formado de espírito e corpo. Por esta razão, ele necessita nutrir-se em ambos aspectos: espiritual e material. Como todos os alimentos são constituídos dessas duas partes, os produtos frescos, como verduras e peixes, contêm uma maior energia vital. Quando o espírito os abandona, os alimentos se deterioram. O tempo de permanência da energia vital varia: é mais longo nos cereais, seguidos pelas verduras, sendo que nos peixes é curto. Isso é fácil de sentir observando-se o tempo de conservação natural desses produtos. Portanto, quanto mais fresco o alimento, mais energia vital ele contém. (...) O que sustenta o espírito do homem é a energia vital dos alimentos; analogamente, a parte material destes é o que lhe sustenta o corpo. Portanto, a fonte da vitalidade humana está no provimento da energia vital; consequentemente, a força ou fraqueza do corpo estão relacionadas ao maior ou menor armazenamento dessa energia. A saúde tem como base o consumo de alimentos que contenham uma grande concentração de energia vital. Dessa forma, aumenta a vitalidade do espírito, promovendo assim, o fortalecimento do corpo. Produtos como os fortificantes, que passam por uma cuidadosa elaboração, estão com a sua energia vital muito escassa e, por conseguinte, quase não têm mais força para sustentar o espírito. Por isso, mesmo que a pessoa consuma uma grande quantidade deles, sua força vital não aumentará. Seria muito mais inteligente ela ingerir alimentos como as verduras frescas. “Alimentação com Energia Vital – visão de Mokiti Okada” páginas 62 e 63.

Em 100 gramas de brócolis, flores cruas: Calorias (kcal) 37,0

Glicídios Proteínas (g) (g) 5,50

3,30

Lipídios (g)

Cálcio (mg)

Fósforo (mg)

Ferro (mg)

0,20

400

70

15,00

Fonte: Tabela de Composição Química dos Alimentos, Guilherme Franco.

FUNDAÇÃO MOKITI OKADA

IZUNOME UNOME

SUGESTÕES SAUDÁVEIS

Pesto de brócolis Rendimento total: 365 g Brócolis Manjericão Azeite de oliva Alho descascado Suco de limão Azeitona verde picada sem caroço Sal marinho

1 unidade pequena ½ maço 1 xícara de chá 1 dente 2 colheres de sopa 10 unidades 1 colher de café

260 g 8g 40 g

Lavar o brócolis, separar os buquês e levar ao fogo para cozinhar no vapor, até ficarem macios. Retirar do fogo e colocá-los no liquidificador. Acrescentar o manjericão, o azeite de oliva, o alho, o suco de limão, as azeitonas e o sal. Bater até obter uma pasta homogênea. Servir com panquecas ou como recheio de wrap*.

*O wrap é uma espécie de sanduíche no qual os ingredientes são postos em uma fatia de pão-folha e enrolados da mesma forma que um rocambole.

Pão de brócolis Rendimento total: 1.250 g

Brócolis

O

brócolis é de origem europeia e pertence à família Brassicaceae, a mesma da couve, da couve-flor, da couve-de-bruxelas e do repolho. Excelente fonte de vitamina C, de betacaroteno e de ácido fólico, é rico em glucosinolatos e outras substâncias anticancerígenas naturais e eficazes. Ele pode ser consumido cru, embora a maioria das pessoas o prefira cozido. Para não perder seu valor nutricional, a melhor forma de preparação é cozinhar no vapor. Ao comprar, preste atenção se as flores estão amareladas, sinal que já passaram do ponto e são menos nutritivas.

Pão integral caseiro Recheio Cebola picada Alho picado Azeite de oliva Brócolis cozido no vapor Ricota Tomate seco picado Sal marinho

1 receita 1 unidade média 2 dentes 2 colheres de sopa 300 g 2 xícaras de chá 100 g 2 colheres de chá

100g 10 g

340 g

Refogar a cebola e o alho no azeite. Acrescentar o brócolis por alguns minutos. Retirar do fogo e esperar esfriar. Numa vasilha, amassar a ricota com um garfo, misturar o tomate seco picado, o brócolis e o sal. Reservar. Preparar uma massa de pão caseiro integral. Abrir a massa, rechear e enrolar como rocambole. Aguardar até que aumente de volume. Levar para assar em forno pré-aquecido. SETEMBRO / 2011 –

21

IZUNOME

FUNDAÇÃO MOKITI OKADA

CURSO DE GRADUAÇ‹O

Łtima avaliação pelo

MEC

E

Professor Elton de Oliveira specialistas do MinisNunes: curso de graduação em tério da Educação e Teologia dá grande visibilidade Cultura visitaram a Faà IMMB e à FMO. culdade Messiânica em paradisíaco”, acrescentou abril, para fins de recoo professor. nhecimento e avaliação das condições “O reconhecimento do de oferta do curso de graduação em MEC ao curso de TeoloTeologia da instituição. A avaliação gia é um marco do início creditou ao curso os conceitos 4, 5 e 4 Professor Jorge Schütz Dias. da caminhada da Igreja (na escala de 0 a 5), correspondentes às Messiânica e da Fundação três dimensões do Sistema de Avaliação Nacional da Educação Superior do MEC: orga- Mokiti Okada no amplo espaço do conhecimento, da nização didático-pedagógica, corpo docente e infra- pesquisa e da produção científica no seio da socieestrutura. Esse resultado representa mais de 80% de dade paulistana e, por extensão, do povo brasileiro alimentado pelo ideal de concretizar o Paraíso na satisfação, de acordo com as exigências do MEC. Autorizado pelo Ministério da Educação e Cultu- Terra”, disse o coordenador do curso, professor Jorra (MEC) em 2008, o curso de graduação em Teologia ge Schütz Dias. O resultado da avaliação do MEC vem consolidar o tem como objetivos gerais oferecer um desenvolvimento pragmático da triologia Verdade, Bem e Belo; esforço desenvolvido pelas coordenações acadêmica e ampliar a investigação exegético-científica dos Ensi- administrativa, pela coordenação de curso, e pelo cornamentos de Meishu-Sama, com ênfase no idioma ja- po técnico-administrativo e pelos docentes e discenponês; propiciar o estudo da Teologia e das Ciências tes da Faculdade, que trabalham sob a orientação do da Religião, por meio de um diálogo inter-religioso e diretor-geral da instituição, Rev. Rogério Hetmanek. A Faculdade Messiânica é credenciada pela Porcapacitar teólogos para o exercício comunitário. “O curso de Teologia é o primeiro no país, entre taria Ministerial nº 935 de 4 de agosto de 2008, puas novas igrejas orientais. Isso dá à Igreja Messiânica blicada no Diário Oficial da União (D.O.U) de 5 de e à Fundação Mokiti Okada uma visibilidade mui- agosto de 2008. A partir de 2011, a instituição passou to grande no cenário brasileiro para a formação de a integrar o PROUNI – Programa Universidade para pessoas”, explicou o professor da Faculdade e doutor Todos, cuja finalidade é a concessão de bolsas de estudo integrais e parciais em cursos de graduação e em Ciências da Religião, Elton de Oliveira Nunes. “Imagine, amanhã, termos toda uma geração de sequenciais de formação específica, em instituições advogados, engenheiros, professores, profissionais privadas de educação superior. Além do PROUliberais, empresários, NI, a Faculdade Mesformados com uma siânica estabeleceu filosofia espiritualissua própria política ta superior, que não de bolsas de estudos. se prende à matéria, Para mais informas tem o foco em famações sobre o curso zer o outro feliz; que de Teologia, as ativiforme cidadãos que dades da Faculdade façam da Verdade a e sobre o programa sua razão de viver, de bolsa de estudos, comprometidos com entre em contato pelo a construção de uma e-mail secretaria@facivilização espiritual culdademessianica. e materialmente evoedu.br ou pelo telefoluída. Isso é a consne (11)5081-5888. trução de um mundo Curso de graduação em Teologia: trabalho feito com amor.

22 – SETEMBRO / 2011

IZUNOME

IZUNOME


Revista Izunome