Issuu on Google+

Mais que um livro novo, um livro inovador! Cresce cada vez mais a necessidade de se conhecerem os efeitos das interações entre medicamentos, questão considerada difícil e complexa por grande parte de estudantes, médicos, farmacêuticos, dentistas e enfermeiros. Na maioria dos casos, a literatura acerca desse tema e as minuciosas bulas que acompanham os medicamentos não facilitam a tarefa dos que prescrevem e administram medicamentos. Porto | Interação Medicamentosa é o que se pode chamar de guia de consulta rápida e segura, uma obra essencial para todos aqueles que prescrevem, dispensam ou administram medicamentos. Nela o leitor encontrará as interações entre os principais medicamentos, organizadas de maneira simples e objetiva, de modo a possibilitar uma consulta prática e precisa. Para reforçar o caráter essencialmente prático e de consulta rápida do livro, os autores utilizaram na apresentação de cada fármaco símbolos que identificam, em um piscar de olhos, se há ou não interação, ou de que tipo ela é. Porto | Interação Medicamentosa é, de fato, um livro não apenas absolutamente novo , mas inovador. Não há, no mercado, outra obra da mesma área que seja tão prática, fácil de ser consultada e, ao mesmo tempo, segura em suas informações.

Celmo Celeno Porto Especialista em Clínica Médica e Cardiologia. Doutor em Medicina pela UFMG. Professor Emérito da Faculdade de Medicina da UFG. Coordenador de Pesquisa e Pós-Graduação da Faculdade de Medicina da UFG. Professor do Programa de Pós-Graduação em Ciências da Saúde – Mestrado e Doutorado – da UFG. Membro Titular da Academia Goiana de Medicina Coeditor

Arnaldo Lemos Porto Especialista em Cardiologia. Coordenador do Centro de Cardiologia do Hospital Santa Helena de Goiânia Autoras

Luiza Cristina Lacerda Jacomini Biomédica – UFG. Fisioterapeuta – UEG. Especialista em Psicofarmacologia – UFG. Mestre em Fisiologia – UFMG. Doutora em Ciências da Saúde – UFG. Professora Adjunta de Farmacologia do Departamento de Ciências Fisiológicas – Instituto de Ciências Biológicas – UFG

Tania Maria da Silva Biomédica – UFG. Mestre em Psicofarmacologia – UNIFESP. Professora Titular (Aposentada) de Farmacologia do Departamento de Ciências Fisiológicas – Instituto de Ciências Biológicas – UFG

Porto | Interação Medicamentosa - Amostras de páginas não sequenciais 00-Porto 1.indd iii

5/10/2010 10:54:58

Os editores e as autoras deste livro e a EDITORA GUANABARA KOOGAN LTDA. empenharam seus melhores esforços para assegurar que as informações e os procedimentos apresentados no texto estejam em acordo com os padrões aceitos à época da publicação, e todos os dados foram atualizados pelos editores e autoras até a data da entrega dos originais à editora. Entretanto, tendo em conta a evolução das ciências da saúde, as mudanças regulamentares governamentais e o constante fluxo de novas informações sobre terapêutica medicamentosa e reações adversas a fármacos, recomendamos enfaticamente que os leitores consultem sempre outras fontes fidedignas, de modo a se certificarem de que as informações contidas neste livro estão corretas e de que não houve alterações nas dosagens recomendadas ou na legislação regulamentadora. Adicionalmente, os leitores podem buscar por possíveis atualizações da obra em http://gen-io.grupogen.com.br.

Os editores e as autoras deste livro e a EDITORA GUANABARA KOOGAN LTDA. empenharam-se para citar adequadamente e dar o devido crédito a todos os detentores dos direitos autorais de qualquer material utilizado neste livro, dispondo-se a possíveis acertos caso, inadvertidamente, a identificação de algum deles tenha sido omitida.

Direitos exclusivos para a língua portuguesa Copyright © 2011 by EDITORA GUANABARA KOOGAN LTDA.

Uma editora integrante do GEN | Grupo Editorial Nacional Travessa do Ouvidor, 11 Rio de Janeiro – RJ – CEP 20040-040 Tels.: (21)3543-0770/(11)5080-0770 | Fax: (21)3543-0896 www.editoraguanabara.com.br | www.grupogen.com.br | editorial.saude@grupogen.com.br Reservados todos os direitos. É proibida a duplicação ou reprodução deste volume, no todo ou em parte, sob quaisquer formas ou por quaisquer meios (eletrônico, mecânico, gravação, fotocópia, distribuição na internet ou outros), sem permissão expressa da Editora. Capa: Carlos Alberto Siqueira e Indira Artiaga de Almeida Castro Editoração eletrônica: EDEL Projeto gráfico: Guanabara Koogan CIP-BRASIL. CATALOGAÇÃO NA FONTE SINDICATO NACIONAL DOS EDITORES DE LIVROS, RJ P881i Porto, Celmo Celeno Interação medicamentosa / Celmo Celeno Porto ; coeditor Arnaldo Lemos Porto ; autoras Luiza Cristina Lacerda Jacomini, Tania Maria da Silva. – Rio de Janeiro : Guanabara Koogan, 2010. Inclui bibliografia ISBN 978-85-277-1678-9 1. Medicamentos – Interações. I. Porto, Arnaldo Lemos. II. Jacomini, Luiza Cristina Lacerda. III. Silva, Tania Maria da. IV. Título. 10-1773. CDD: 615.7045 CDU: 615.2

Porto | Interação Medicamentosa - Amostras de páginas não sequenciais 00-Porto 1.indd iv

5/10/2010 10:54:58

Colaboradores

Aiçar Chaul Especialista em Dermatologia. Professor Adjunto do Departamento de Medicina Tropical e Dermatologia do Instituto de Patologia Tropical e Saúde Pública da Universidade Federal de Goiás. Chefe do Serviço de Dermatologia do Hospital das Clínicas. Chefe do Departamento de Medicina Tropical e Dermatologia do Instituto de Patologia Tropical e Saúde Pública – Universidade Federal de Goiás. Arnaldo Lemos Porto Especialista em Clínica Médica e Cardiologia. Coordenador do Centro de Cardiologia do Hospital Santa Helena de Goiás. Daniela Espíndola Especialista em Endocrinologia e Metabologia. Doutora em Endocrinologia. Professora Adjunta do Departamento de Clínica Médica da Faculdade de Medicina – Universidade Federal de Goiás. Denise Sisterolli Diniz Especialista em Neurologia e Neurofisiologia Clínica. Mestre em Medicina Tropical pela Universidade Federal de Goiás. Professora do Departamento de Clínica Médica da Faculdade de Medicina – Universidade Federal de Goiás. Eleusa Fleury Taveira Especialista em Reumatologia. Mestre em Farmacologia pela Universidade Federal de São Paulo. Médica Reu-

matologista do Hospital Geral de Goiânia. Professora Titular Aposentada de Farmacologia do Instituto de Ciências Biológicas – Universidade Federal de Goiás. Fernanda Rodrigues da Rocha Chaul Especialista em Dermatologia. Pós-graduanda do Serviço de Dermatologia do Hospital das Clínicas – Universidade Federal de Goiás. Geraldo Francisco do Amaral Especialista em Psiquiatria. Mestre em Psiquiatria pela Universidade Federal do Rio de Janeiro. Doutor em Ciências da Saúde pela Universidade Federal de Goiás. Coordenador da Disciplina de Psicologia Médica da Faculdade de Medicina – Universidade Federal de Goiás. Coordenador do Centro de Referência em Transtornos do Humor – CENTROHUMOR, Hospital das Clínicas – Universidade Federal de Goiás. José Abel Ximenes Especialista em Gastroenterologia e Endoscopia Digestiva. Mestre em Medicina Tropical pela Universidade Federal de Goiás. Professor Adjunto do Departamento de Clínica Médica da Faculdade de Medicina – Universidade Federal de Goiás. Marco Henrique Chaul Especialista em Dermatologia. Pós-graduando do Serviço de Dermatologia do Hospital das Clínicas – Universidade Federal de Goiás.

v Porto | Interação Medicamentosa - Amostras de páginas não sequenciais

00-Porto 1.indd v

5/10/2010 10:54:58

Marcelo Fouad Rabahi Especialista em Pneumologia e Medicina Intensiva. Doutor em Pneumologia pela Universidade Federal do Rio de Janeiro. Professor do Departamento de Clínica Médica da Faculdade de Medicina – Universidade Federal de Goiás. Professor do Programa de Pós-graduação em Ciências da Saúde – Universidade Federal de Goiás. Coordenador da Liga do Pulmão da Faculdade de Medicina – Universidade Federal de Goiás.

Roberto Luciano Coimbra Especialista em Urologia. Médico Urologista do Hospital Santa Helena de Goiânia.

Marília Dalva Turchi Especialista em Infectologia. Doutora em Doenças Infecciosas pela Universidade Federal de São Paulo. Professora do Departamento de Medicina Tropical e Dermatologia do Instituto de Patologia Tropical e Saúde Pública – Universidade Federal de Goiás.

Wilmar José Manoel Especialista em Cirurgia Oncológica e Mastologia. Oncologista do Hospital Araújo Jorge de Goiânia. Mestre em Genética pela Pontifícia Universidade Católica de Goiás. Doutorando em Ciências da Saúde pela Universidade Federal de Goiás.

Vardeli Alves de Moraes Especialista em Ginecologia e Obstetrícia. Mestre e Doutor em Obstetrícia pela Universidade Federal de São Paulo. Professor Associado da Faculdade de Medicina – Universidade Federal de Goiás.

vi | Interação Medicamentosa - Amostras de páginas não sequenciais Porto

00-Porto 1.indd vi

5/10/2010 10:54:58

Apresentação

Quando dois ou mais medicamentos são usados

em associação, eles podem agir de forma independente, sem que um interfira na ação do outro, mas também podem interagir entre si, com aumento ou diminuição do efeito terapêutico ou tóxico de um deles ou de ambos. Em algumas situações, a interação pode ser até benéfica, o que justificaria a coprescrição deliberada. De qualquer maneira, cresce cada vez mais a necessidade de conhecer os efeitos das interações entre medicamentos, questão considerada difícil e complexa pela grande parte dos estudantes, médicos, dentistas, farmacêuticos, enfermeiros e outros profissionais da saúde. Somos de opinião que a vasta literatura sobre esse tema e as minuciosas bulas que acompanham os medicamentos não facilitam a tarefa dos que prescrevem e administram medicamentos. Consideramos que, pelo fato de os medicamentos genéricos abrangerem quase todas as classes terapêuticas, já é possível tratar com eles a maioria das doenças conhecidas; por isso, tomamos como base para este trabalho a Lista de Medicamentos Genéricos da ANVISA, acrescida de algumas sugestões feitas pelos especialistas que colaboraram na organização desta obra. Além dos autores brasileiros, as principais fontes de consulta foram os textos Stockley’s Drug Interactions, Drug Interactions Facts, Drug Interactions Analysis and Management Facts & Comparisons e

Interações Medicamentosas, de K.A. Bachmann, livros de alta qualidade científica, consagrados mundialmente nessa complexa área das Ciências Médicas, além das fontes eletrônicas http://www.thomsonhc.com, http://www.medscape.com, http://www. drugs.com, sites que são permanentemente atualizados. Nosso maior esforço foi no sentido de encontrar uma maneira mais simplificada para utilizar os conhecimentos científicos sobre interações medicamentosas, quando termos como subfamílias do citocromo P450, volume de distribuição, biodisponibilidade, clearance e outros do mesmo gênero têm pouca utilidade no momento de prescrever, dispensar ou administrar dois ou mais medicamentos. Para dar ao livro um caráter essencialmente prático, que possibilitasse consulta rápida, escolhemos símbolos que sintetizam os conhecimentos sobre interações medicamentosas, complementados pelo olho de Horus – símbolo da mitologia egípcia escolhido para chamar a atenção para orientações objetivas em situações específicas. Como se poderá perceber facilmente, este não é um “livro completo” sobre interações medicamentosas. O que esperamos dele é que seja um bom auxiliar de todos aqueles que prescrevem, dispensam ou administram medicamentos. Os editores As autoras

vii Porto | Interação Medicamentosa - Amostras de páginas não sequenciais

00-Porto 1.indd vii

5/10/2010 10:54:58

Bibliografia

Abrams, A.C. Farmacoterapia Clínica – Princípios para Prática de Enfermagem. 7a ed. Guanabara Koogan, 2006. Almeida, R.N. Psicofarmacologia – Fundamentos Práticos. 1a ed. Guanabara Koogan, 2006. Asperheim, M.K. Farmacologia para Enfermagem. 9a ed. Guanabara Koogan, 2003. Bachmann, K.A. (ed.). Interações Medicamentosas. 2a ed. Manole, 2006. Barros, E., Bittencourt, H., Caramori, M.L. e Machado, A. Antimicrobianos – Consulta Rápida. 3a ed. Artmed, 2006. Batlouni, M. e Ramires, J.A.F. Farmacologia e Terapêutica Cardiovascular. 2a ed. Atheneu, 2004. Baxter, K. Stockley’s Drug Interactions. 7th ed. London, Chicago, Pharmaceutical Press, 2006. Brunton, L.L., Lazo, J.S. e Parker, K.L. Goodman and Gilman – As Bases Farmacológicas da Terapêutica. 11a ed. McGraw-Hill, 2006. Couto, R.C. e Pedrosa, T.M.G. Guia Prático de Controle de Infecção Hospitalar. 2a ed. Guanabara Koogan, 2004. Fonseca, A.L. Interações Medicamentosas. 3a ed. EPUB, 2001. Galvão-Alves, J. e Dani, R. Terapêutica em Gastroenterologia. 1a ed. Guanabara Koogan, 2005. Grahame-Smith, D.G. e Aronson, J.K. Tratado de Farmacologia Clínica e Farmacoterapia. 3a ed. Guanabara Koogan, 2004. Hansten, P.D. e Horn, J.R. Drug Interactions Analysis and Management – Facts & Comparisons. Wolters Kluwer Health, 2005. McCabe, B.J., Frankel, E.H. e Wolfe, J.J. Handbook of Food-Drug Interactions. CRC Press, 2003. Melo, J.M.S. (ed.). Dicionário de Especialidades Farmacêuticas. Publicações Científicas, 2008/09. Oga, S., Balile, A.C. e Carvalho, M.F. Guia Zanini-Oga de Interações Medicamentosas. 1a ed. Atheneu, 2002. Oliveira, I.R. e Sena, E.P. Manual de Psicofarmacologia Clínica. 2a ed. Guanabara Koogan, 2006. Pedroso, E.R.P. e Oliveira, R.G. Blackbook Clínica Médica. 1a ed. Blackbook, 2007. Priff, N. (ed.). Nursing 2007 Dangerous Drug Interactions. Lippincott Williams & Wilkins, 2007. Sadock, D.J. e Sadock, V.A. Manual de Farmacologia Psiquiátrica de Kaplan e Sadock. 3a ed. Artmed, 2001. Sucar, D.D. Fundamentos de Interações Medicamentosas. 1a ed. Lemos Editorial, 2003. Tatro, D.S. Drug Interactions Facts™ 2007. Wolters Kluwer Health, 2007. Tripathi, K.D. Farmacologia Médica. 5a ed. Guanabara Koogan, 2006. Sites http://www.thomsonhc.com http://www.medscape.com http://www.drugs.com

ix Porto | Interação Medicamentosa - Amostras de páginas não sequenciais

00-Porto 1.indd ix

5/10/2010 10:54:58

Sumário

A Acebrofilina, 2 Aceclofenaco, 3 Acetilcisteína, 5 Aciclovir, 6 Ácido acetilsalicílico, 8 Ácido mefenâmico, 12 Adapaleno, 15 Albendazol, 16 Alendronato, 17 Algestona + estradiol, 19 Alopurinol, 22 Alprazolam, 25 Ambroxol, 27 Amicacina, 28 Aminofilina, 31 Amiodarona, 36 Amitriptilina, 41 Amoxicilina, 46 Amoxicilina + clavulanato de potássio, 48 Ampicilina, 50 Ampicilina sódica + sulbactam sódico, 52 Anastrozol, 54

Anfepramona, 55 Anfotericina B, 56 Anlodipino, 59 Atenolol, 62 Atorvastatina, 65 Atracúrio, 68 Atropina, 72 Axetilcefuroxima, 74 Azatioprina, 76 Azelastina, 78 Azitromicina, 79 Aztreonam, 81

B Beclometasona, 84 Benazepril, 85 Benzilpenicilina benzatina, 88 Benzilpenicilina potássica, 89 Betametasona, 91 Betametasona + ácido salicílico, 94 Betaxolol, 95 Bezafibrato, 97 Biperideno, 98 Brimonidina, 100

Bromazepam, 101 Bromexina, 103 Bromoprida, 104 Buflomedil, 105 Bupivacaína, 106 Bupropiona, 107 Buspirona, 111

C Candesartana, 116 Captopril, 117 Carbamazepina, 120 Carbidopa/levodopa, 125 Carbocisteína, 127 Carbonato de lítio, 128 Carboplatina, 133 Carvedilol, 135 Cefaclor, 138 Cefadroxila, 139 Cefalexina, 141 Cefalotina, 142 Cefazolina, 144 Cefepima, 145 Cefotaxima, 146 Cefoxitina, 148

xi Porto | Interação Medicamentosa - Amostras de páginas não sequenciais

00-Porto 1.indd xi

5/10/2010 10:54:58

Cefpodoxima, 149 Ceftazidima, 151 Ceftriaxona, 152 Celecoxibe, 154 Cetirizina, 157 Cetoconazol, 158 Cetoprofeno, 162 Cetorolaco, 166 Cetotifeno, 170 Ciclobenzaprina, 171 Ciclofosfamida, 172 Ciclosporina, 174 Cilastatina + imipeném, 181 Cilostazol, 182 Cimetidina, 184 Cinarizina, 188 Ciprofibrato, 189 Ciprofloxacino, 190 Ciproterona, 194 Cisplatina, 195 Citalopram, 197 Citarabina, 200 Claritromicina, 201 Clindamicina, 206 Clobetasol, 207 Clomipramina, 208 Clonazepam, 213 Clopidogrel, 215 Cloranfenicol, 218 Cloreto de potássio, 220 Clorpromazina, 222 Clortalidona, 226 Clotrimazol, 229 Cloxazolam, 230 Clozapina, 231 Codergocrina, 234 Cromoglicato, 235

D Deflazacorte, 238 Desmopressina, 240 Desogestrel, 241 Desogestrel + etinilestradiol, 243

Desonida, 246 Dexametasona, 248 Dexclorfeniramina, 251 Diazepam, 252 Diclofenaco, 255 Digoxina, 259 Diltiazem, 263 Dimeticona, 267 Dimeticona + homatropina, 268 Dipirona, 270 Dipirona + escopolamina, 273 Dipirona + isometepteno, 277 Dipirona + orfenadrina, 280 Dobutamina, 283 Docetaxel, 284 Domperidona, 286 Donepezila, 288 Dopamina, 289 Dorzolamida, 290 Doxazosina, 291 Doxiciclina, 293 Doxorrubicina, 295 Dropropizina, 297 Duloxetina, 298

E Enalapril, 304 Enflurano, 307 Escopolamina, 309 Espironolactona, 311 Estavudina, 313 Estreptomicina, 315 Estriol, 317 Etambutol, 318 Etionamida, 319 Etomidato, 321 Etoposídeo, 322 Ezetimiba, 323

F Felodipino, 326 Femproporex, 329

Fenitoína, 329 Fenobarbital, 336 Fenofibrato, 340 Fenoterol, 342 Fenoxazolina, 343 Fenoximetilpenicilina potássica, 344 Fentanila, 345 Fexofenadina, 348 Finasterida, 349 Fluconazol, 350 Flumazenil, 355 Fluoruracila, 357 Fluoxetina, 359 Flutamida, 364 Folinato de cálcio, 365 Formoterol, 366 Fosinopril, 368 Furosemida, 371

G Gabapentina, 378 Galantamina, 379 Ganciclovir, 380 Gencitabina, 383 Genfibrozila, 384 Gentamicina, 385 Gestodeno + etinilestradiol, 388 Glibenclamida, 392 Glimepirida, 397 Granisetrona, 401 Guaifenesina, 402

H Haloperidol, 406 Hidroclorotiazida, 409 Hidroclorotiazida + amilorida, 413 Hidrocortisona, 417 Hidrocortisona + clioquinol, 420 Hidroquinona, 421

xii | Interação Medicamentosa - Amostras de páginas não sequenciais Porto

00-Porto 1.indd xii

5/10/2010 10:54:58

Hidroxicloroquina, 422 Hidróxido de alumínio, 423

I Ibuprofeno, 428 Ifosfamida, 431 Indapamida, 433 Indometacina, 436 Ipratrópio, 440 Irinotecano, 441 Isoconazol, 442 Isoflurano, 443 Isoniazida, 446 Isossorbida, dinitrato, 448 Isossorbida, mononitrato, 449 Isotretinoína, 450 Itraconazol, 451

L Lamivudina, 458 Lamotrigina, 459 Lansoprazol, 462 Leflunomida, 463 Letrozol, 465 Levocetirizina, 466 Levofloxacino, 467 Levotiroxina, 471 Lidocaína, 473 Lincomicina, 474 Lisinopril, 476 Loperamida, 479 Loratadina, 480 Loratadina + pseudoefedrina, 481 Lorazepam, 483 Losartana, 485 Lovastatina, 486

M Maprotilina, 490 Mebendazol, 491

Meloxicam, 492 Memantina, 495 Meropeném, 496 Mesalazina, 498 Mesna, 499 Metformina, 500 Metildopa, 503 Metilfenidato, 505 Metilprednisolona, 507 Metoclopramida, 510 Metoprolol, 511 Metotrexato, 515 Metronidazol, 520 Micofenolato de mofetila, 522 Miconazol, 525 Midazolam, 527 Minociclina, 531 Mirtazapina, 532 Moclobemida, 534 Mometasona, 538 Morfina, 539 Moxifloxacino, 541 Mupirocina, 544

N Nafazolina, 546 Naproxeno, 547 Neomicina, 551 Neomicina + clostebol, 512 Nevirapina, 554 Nimesulida, 557 Nimodipino, 560 Nistatina, 563 Nitrazepam, 564 Nitrendipino, 566 Nitrofural, 568 Norepinefrina, 569 Noretisterona + estradiol, 571 Norfloxacino, 574 Nortriptilina, 577

O Octreotida, 584 Ofloxacino, 586 Olanzapina, 588 Omeprazol, 591 Ondansetrona, 593 Oxacilina, 594 Oxaliplatina, 596 Oxcarbazepina, 597 Oxibutinina, 599 Oxiconazol, 601 Oximetazolina, 602

P Paclitaxel, 606 Pamidronato, 608 Pantoprazol, 609 Paracetamol, 611 Paracetamol + pseudoefedrina, 612 Paroxetina, 614 Pentoxifilina, 618 Perindopril, 619 Petidina, 622 Piperacilina sódica + tazobactam sódico, 624 Pirazinamida, 625 Piroxicam, 626 Policresuleno + cinchocaína, 630 Polimixina B, 631 Pravastatina, 633 Prednisolona, 634 Prednisona, 637 Prometazina, 640 Propofol, 643 Propranolol, 644

R Ramipril, 650 Ranitidina, 653 Rifamicina, 655 Rifampicina, 656

xiii Porto | Interação Medicamentosa - Amostras de páginas não sequenciais

00-Porto 1.indd xiii

5/10/2010 10:54:58

Risperidona, 661 Rivastigmina, 664 Rocurônio, 665 Ropivacaína, 667 Rosuvastatina, 669 Roxitromicina, 671

S Salbutamol, 674 Secnidazol, 676 Selegilina, 677 Sertralina, 680 Sevoflurano, 684 Sibutramina, 686 Sildenafila, 688 Sinvastatina, 691 Sotalol, 693 Sulfadiazina, 698 Sulfametoxazol + trimetoprima, 699

Sulfassalazina, 702 Sulfiram, 704 Sumatriptana, 705

T Tamoxifeno, 708 Teicoplanina, 710 Tenoxicam, 711 Terazosina, 714 Terbinafina, 716 Terbutalina, 718 Tetraciclina, 720 Tiabendazol, 722 Ticlopidina, 723 Timolol, 725 Tinidazol, 727 Tioconazol, 728 Tioridazina, 729 Tiotrópio, 733 Tizanidina, 734

Tobramicina, 736 Topiramato, 739 Tramadol, 742 Trazodona, 745 Triancinolona, 747

V Valproato, 752 Valsartana, 755 Vancomicina, 757 Varfarina, 759 Venlafaxina, 766 Verapamil, 770 Vinorelbina, 777

Z Zidovudina, 780 Zolpidem, 781 Zopiclona, 783

xiv | Interação Medicamentosa - Amostras de páginas não sequenciais Porto

00-Porto 1.indd xiv

5/10/2010 10:54:58

Porto | Interação Medicamentosa - Amostras de páginas não sequenciais 00-Porto 1.indd xvi

5/10/2010 10:54:58

Porto | Interação Medicamentosa - Amostras de páginas não sequenciais A-Porto 1.indd 1

20/8/2010 20:30:39

2 Acebrofilina (associada a...)

Acebrofilina (associada a...)

A V Não há relato de interação

D Sem risco

A Risco a ser avaliado

V Aceclofenaco V Acetilcisteína V Aciclovir V Ácido acetilsalicílico V Ácido mefenâmico V Adapaleno V Albendazol V Alendronato V Algestona + estradiol V Alopurinol V Alprazolam V Ambroxol V Amicacina V Aminofilina V Amiodarona V Amitriptilina V Amoxicilina V Amoxicilina + clavulanato de potássio V Ampicilina V Ampicilina sódica + sulbactam sódico V Anastrozol V Anfepramona V Anfotericina B V Anlodipino V Atenolol V Atorvastatina V Atracúrio V Atropina V Axetilcefuroxima V Azatioprina V Azelastina V Azitromicina V Aztreonam V Beclometasona V Benazepril V Benzilpenicilina benzatina V Benzilpenicilina potássica V Betametasona V Betametasona + ácido salicílico V Betaxolol V Bezafibrato V Biperideno V Brimonidina V Bromazepam V Bromexina V Bromoprida V Buflomedil V Bupivacaína V Bupropiona V Buspirona V Candesartana V Captopril V Carbamazepina V Carbidopa/levodopa V Carbocisteína V Carbonato de lítio V Carboplatina V Carvedilol V Cefaclor V Cefadroxila V Cefalexina V Cefalotina V Cefazolina V Cefepima V Cefotaxima V Cefoxitina V Cefpodoxima V Ceftazidima V Ceftriaxona V Celecoxibe V Cetirizina V Cetoconazol V Cetoprofeno V Cetorolaco V Cetotifeno V Ciclobenzaprina V Ciclofosfamida V Ciclosporina V Cilastatina + imipeném V Cilostazol V Cimetidina V Cinarizina V Ciprofibrato V Ciprofloxacino V Ciproterona V Cisplatina V Citalopram V Citarabina V Claritromicina V Clindamicina V Clobetasol V Clomipramina V Clonazepam V Clopidogrel V Cloranfenicol V Cloreto de potássio V Clorpromazina V Clortalidona V Clotrimazol V Cloxazolam V Clozapina V Codergocrina V Cromoglicato V Deflazacorte V Desmopressina V Desogestrel V Desogestrel + etinilestradiol V Desonida V Dexametasona V Dexclorfeniramina V Diazepam V Diclofenaco V Digoxina V Diltiazem V Dimeticona V Dimeticona + homatropina V Dipirona V Dipirona + escopolamina V Dipirona + isometepteno V Dipirona + orfenadrina V Dobutamina V Docetaxel V Domperidona V Donepezila V Dopamina V Dorzolamida V Doxazosina V Doxiciclina V Doxorrubicina V Dropropizina V Duloxetina V Enalapril V Enflurano V Escopolamina V Espironolactona V Estavudina V Estreptomicina V Estriol V Etambutol V Etionamida V Etomidato V Etoposídeo V Ezetimiba V Felodipino V Femproporex V Fenitoína V Fenobarbital V Fenofibrato V Fenoterol V Fenoxazolina V Fenoximetilpenicilina potássica V Fentanila V Fexofenadina V Finasterida V Fluconazol V Flumazenil V Fluoruracila V Fluoxetina V Flutamida V Folinato de cálcio V Formoterol V Fosinopril V Furosemida V Gabapentina V Galantamina V Ganciclovir V Gencitabina V Genfibrozila

M Interação medicamentosa de risco

V Gentamicina V Gestodeno

T Risco condicional

+ etinilestradiol

V Glibenclamida V Glimepirida

V Granisetrona V Guaifenesina V Haloperidol V Hidroclorotiazida V Hidroclorotia-

zida + amilorida V Hidrocortisona V Hidrocortisona + clioquinol V Hidroquinona V Hidroxicloroquina V Hidróxido de alumínio V Ibuprofeno V Ifosfamida V Indapamida V Indometacina V Ipratrópio V Irinotecano V Isoconazol V Isoflurano V Isoniazida V Isossorbida, dinitrato V Isossorbida, mononitrato V Isotretinoína V Itraconazol V Lamivudina V Lamotrigina V Lansoprazol V Leflunomida V Letrozol V Levocetirizina V Levofloxacino V Levotiroxina V Lidocaína V Lincomicina V Lisinopril V Loperamida V Loratadina V Loratadina + pseudoefedrina V Lorazepam V Losartana V Lovastatina V Maprotilina V Mebendazol V Meloxicam V Memantina V Meropeném V Mesalazina V Mesna V Metformina V Metildopa V Metilfenidato V Metilprednisolona V Metoclopramida V Metoprolol V Metotrexato V Metronidazol V Micofenolato de mofetila V Miconazol V Midazolam V Minociclina V Mirtazapina V Moclobemida V Mometasona V Morfina V Moxifloxacino V Mupirocina V Nafazolina V Naproxeno V Neomicina V Neomicina + bacitracina V Neomicina + clostebol V Nevirapina V Nimesulida V Nimodipino V Nistatina V Nitrazepam V Nitrendipino V Nitrofural V Norepinefrina V Noretisterona + estradiol V Norfloxacino V Nortriptilina V Octreotida V Ofloxacino V Olanzapina V Omeprazol V Ondansetrona V Oxacilina V Oxaliplatina V Oxcarbazepina V Oxibutinina V Oxiconazol V Oximetazolina V Paclitaxel V Pamidronato V Pantoprazol V Paracetamol V Paracetamol + pseudoefedrina V Paroxetina V Pentoxifilina V Perindopril V Petidina V Piperacilina sódica + tazobactam sódico V Pirazinamida V Piroxicam V Policresuleno + cinchocaína V Polimixina B V Pravastatina V Prednisolona V Prednisona V Prometazina V Propofol V Propranolol V Ramipril V Ranitidina V Rifamicina V Rifampicina V Risperidona V Rivastigmina V Rocurônio V Ropivacaína V Rosuvastatina V Roxitromicina V Salbutamol V Secnidazol V Selegilina V Sertralina V Sevoflurano V Sibutramina V Sildenafila V Sinvastatina V Sotalol V Sulfadiazina V Sulfametoxazol + trimetoprima V Sulfassalazina V Sulfiram V Sumatriptana V Tamoxifeno V Teicoplanina V Tenoxicam V Terazosina V Terbinafina V Terbutalina V Tetraciclina V Tiabendazol V Ticlopidina V Timolol V Tinidazol V Tioconazol V Tioridazina V Tiotrópio V Tizanidina V Tobramicina V Topiramato V Tramadol V Trazodona V Triancinolona V Valproato V Valsartana V Vancomicina V Varfarina V Venlafaxina V Verapamil V Vinorelbina V Zidovudina V Zolpidem V Zopiclona

V Alimentos Não há relato de interação nas fontes consultadas. V Bebidas alcoólicas Não há relato de interação nas fontes consultadas.

V Tabaco Não há relato de interação nas fontes consultadas.

A acebrofilina é uma entidade molecular resultante da fusão das moléculas do ambroxol (mucorregulador, mucocinético e indutor do surfactante) com o ácido 7-teofilinacético, por uma reação de salificação, resultando em teofilinato de amADVERTÊNCIA broxol (acebrofilina). DO FABRICANTE A carbamazepina assim como o fenobarbital, a fenitoína e os sais de lítio podem levar a uma redução da efetividade da teofilina por aumentarem a sua metabolização hepática. A administração concomitante de antibióticos macrolídeos (eritromicina), algumas quinolonas como norfloxacino e ciprofloxacino, antihistamínicos H2 (cimetidina, ranitidina, famotidina), alopurinol, diltiazem e ipriflavona podem retardar a eliminação da teofilina, aumentando o risco de intoxicação pela mesma. A intoxicação pode se desenvolver naqueles pacientes cujos níveis séricos já são altos, a menos que a dosagem seja reduzida. O uso concomitante de teofilina e broncodilatadores beta-agonistas é comum e considerado vantajoso, mas algumas reações adversas po-

dem ocorrer, sendo as mais sérias a hipocalemia (com salbutamol e terbutalina) e a frequência cardíaca aumentada, particularmente com altas dosagens de teofilina. Alguns pacientes podem mostrar um declínio significativo nos níveis séricos da teofilina se salbutamol ou isoprenalina (isoproterenol) forem administrados oralmente. Os níveis séricos de teofilina podem apresentar algum aumento em mulheres tomando contraceptivos orais, embora nenhuma toxicidade tenha sido relatada. O emprego concomitante de teofilina com betabloqueadores seletivos não é totalmente contraindicado, porém recomenda-se cautela quando dessa associação. O uso concomitante da teofilina com alfa-adrenérgicos, como a efedrina, pode levar a um aumento das reações adversas, principalmente relacionadas com o sistema nervoso central e gastrointestinais.

!

ANVISA – Bulário Eletrônico

Porto | Interação Medicamentosa - Amostras de páginas não sequenciais A-Porto 1.indd 2

20/8/2010 20:30:41

Aceclofenaco (associado a...)

3

Aceclofenaco (associado a...) V Não há relato de interação

D Sem risco

A Risco a ser avaliado

M Interação medicamentosa de risco

A T Risco condicional

V Acebrofilina V Acetilcisteína V Aciclovir

A Ácido acetilsalicílico A Ácido mefenâmico V Adapaleno V Albendazol V Alendronato V Algestona + estradiol V Alopurinol V Alprazolam V Ambroxol V Amicacina V Aminofilina V Amiodarona V Amitriptilina V Amoxicilina V Amoxicilina + clavulanato de potássio V Ampicilina V Ampicilina sódica + sulbactam sódico V Anastrozol V Anfepramona V Anfotericina B A Anlodipino V Atenolol V Atorvastatina V Atracúrio V Atropina V Axetilcefuroxima V Azatioprina V Azelastina V Azitromicina V Aztreonam V Beclometasona A Benazepril V Benzilpenicilina benzatina V Benzilpenicilina potássica V Betametasona V Betametasona + ácido salicílico V Betaxolol V Bezafibrato V Biperideno V Brimonidina V Bromazepam V Bromexina V Bromoprida V Buflomedil V Bupivacaína V Bupropiona V Buspirona V Candesartana V Captopril V Carbamazepina V Carbidopa/levodopa V Carbocisteína A Carbonato de lítio V Carboplatina A Carvedilol V Cefaclor V Cefadroxila V Cefalexina V Cefalotina V Cefazolina V Cefepima V Cefotaxima V Cefoxitina V Cefpodoxima V Ceftazidima V Ceftriaxona V Celecoxibe V Cetirizina V Cetoconazol A Cetoprofeno A Cetorolaco V Cetotifeno V Ciclobenzaprina V Ciclofosfamida V Ciclosporina V Cilastatina + imipeném V Cilostazol D Cimetidina V Cinarizina V Ciprofibrato V Ciprofloxacino V Ciproterona V Cisplatina V Citalopram V Citarabina V Claritromicina V Clindamicina V Clobetasol V Clomipramina V Clonazepam A Clopidogrel

de potássio V Clorpromazina A Clortalidona V Clotrimazol V Cloxazolam V Clozapina V Codergocrina V Cromoglicato V Deflazacorte V Desmopressina V Desogestrel V Desogestrel + etinilestradiol V Desonida V Dexametasona V Dexclorfeniramina V Diazepam A Diclofenaco A Digoxina A Diltiazem V Dimeticona V Dimeticona + homatropina V Dipirona V Dipirona + escopolamina V Dipirona + isometepteno V Dipirona + orfenadrina V Dobutamina V Docetaxel V Domperidona V Donepezila V Dopamina V Dorzolamida V Doxazosina V Doxiciclina V Doxorrubicina V Dropropizina A Duloxetina V Enalapril V Enflurano V Escopolamina A Espironolactona V Estavudina V Estreptomicina V Estriol V Etambutol V Etionamida V Etomidato V Etoposídeo V Ezetimiba A Felodipino V Femproporex V Fenitoína V Fenobarbital V Fenofibrato V Fenoterol V Fenoxazolina V Fenoximetilpenicilina potássica V Fentanila V Fexofenadina V Finasterida V Fluconazol V Flumazenil V Fluoruracila V Fluoxetina V Flutamida V Folinato de cálcio V Formoterol V Fosinopril A Furosemida V Gabapentina V Galantamina V Ganciclovir V Gencitabina V Genfibrozila V Gentamicina V Gestodeno + etinilestradiol A Glibenclamida A Glimepirida V Granisetrona V Guaifenesina V Haloperidol A Hidroclorotiazida A Hidroclorotiazida + amilorida V Hidrocortisona V Hidrocortisona + clioquinol V Hidroquinona V Hidroxicloroquina V Hidróxido de alumínio V Ibuprofeno V Ifosfamida A Indapamida

A Ácido acetilsalicílico Aumento dos efeitos colaterais gastrointestinais de ambos os medicamentos. Antagonismo do efeito antiagregante plaquetário de doses baixas do AAS (75 mg). H 1. Não há vantagem terapêutica nesta associação. 2. Efeitos colaterais: úlcera péptica, sangramento e/ou perfuração gastrointestinais. A Ácido mefenâmico Aumento dos efeitos colaterais gastrointestinais de ambos os medicamentos. H 1. Não há vantagem terapêutica nesta associação. 2. Efeitos colaterais: úlcera péptica, sangramento e/ou perfuração gastrointestinais. A Anlodipino Esta associação pode resultar em risco aumentado de hemorragia gastrointestinal pelo anti-inflamatório e/ou antagonismo do efeito anti-hipertensivo do bloqueador do canal de cálcio. H 1. Monitorar sinais e sintomas de hemorragia tais como fraqueza, náuseas e sangue nas fezes. 2. Atenção para o risco de hipotensão arterial na retirada do anti-inflamatório. A Benazepril Diminuição do efeito anti-hipertensivo e natriurético do benazepril. H 1. Monitorar a pressão arterial sempre que iniciar ou alterar a dose do aceclofenaco. 2. Atenção a pacientes com insuficiência cardíaca congestiva e idosos. 3. Monitorar potássio sérico e função renal. A Carbonato de lítio Aumento da concentração plasmática do lítio. H 1. Monitorar os níveis séricos do lítio tanto ao iniciar quanto ao finalizar a terapia com anti-inflamatórios. 2. Sintomas de toxicidade do lítio: fraqueza, náuseas, vômitos, sede excessiva, dor abdominal, diarreia, tremor fino, confusão mental, disartria e convulsões. A Carvedilol Diminuição do efeito hipotensor do carvedilol. H 1. Monitorar a pressão arterial. A Cetoprofeno Aumento dos efeitos colaterais gastrointestinais de ambos os medicamentos. H 1. Não há vantagem terapêutica nesta associação. 2. Efeitos colaterais: úlcera péptica, sangramento e/ou perfuração gastrointestinais.

A Cetorolaco Aumento dos efeitos colaterais gastrointestinais de ambos os medicamentos. H 1. Não há vantagem terapêutica nesta associação. 2. Efeitos colaterais: úlcera péptica, sangramento e/ou perfuração gastrointestinais. A Clopidogrel Embora não haja relato específico da interação com aceclofenaco, o uso concomitante de clopidogrel com anti-inflamatórios não esteroidais aumenta o risco de sangramento do trato gastrointestinal. H 1. Alertar o paciente para não se automedicar com anti-inflamatórios. 2. Sinais de sangramento do trato gastrointestinal: dor, edema, tontura, fraqueza, vômitos com sangue ou do tipo borra de café ou fezes vermelhas ou pretas. A Clortalidona Pode resultar em redução do efeito diurético e anti-hipertensivo da clortalidona. H 1. A administração concomitante destes medicamentos requer monitoração da pressão arterial, do peso e da função renal, incluindo débito urinário e aparecimento de edema. A Diclofenaco Aumento dos efeitos colaterais gastrointestinais de ambos os medicamentos. H 1. Não há vantagem terapêutica nesta associação. 2. Efeitos colaterais: úlcera péptica, sangramento e/ou perfuração gastrointestinais. A Digoxina Pode aumentar a concentração sérica de digoxina. H 1. Monitorar os efeitos cardíacos da digoxina quando iniciar ou finalizar o tratamento com aceclofenaco, principalmente se a função renal estiver comprometida. A Diltiazem O efeito do diltiazem pode estar reduzido e o tempo de sangramento, aumentado. H 1. Monitorar os pacientes para sinais e sintomas de sangramento, especialmente do trato gastrointestinal. A Duloxetina Risco aumentado de sangramento. H 1. Há relatos de ocorrência de epistaxe, petéquias, equimoses e hemorragias. 2. Monitorar o paciente para sinais de sangramento: dor, edema, dor de cabeça, tontura, fraqueza, sangramento prolon-

V Cloranfenicol V Cloreto

Porto | Interação Medicamentosa - Amostras de páginas não sequenciais A-Porto 1.indd 3

20/8/2010 20:30:42

4 Aceclofenaco (associado a...) V Indometacina V Ipratrópio V Irinotecano V Isoconazol V Isoflurano V Isoniazida

A

V Isossorbida,

dinitrato V Isossorbida, mononitrato V Isotretinoína V Itraconazol V Lamivudina V Lamotrigina V Lansoprazol V Leflunomida V Letrozol V Levocetirizina A Levofloxacino V Levotiroxina V Lidocaína V Lincomicina V Lisinopril V Loperamida V Loratadina V Loratadina + pseudoefedrina V Lorazepam V Losartana V Lovastatina V Maprotilina V Mebendazol V Meloxicam V Memantina V Meropeném V Mesalazina V Mesna A Metformina V Metildopa V Metilfenidato V Metilprednisolona V Metoclopramida V Metoprolol M Metotrexato V Metronidazol V Micofenolato de mofetila V Miconazol V Midazolam V Minociclina V Mirtazapina V Moclobemida V Mometasona V Morfina V Moxifloxacino V Não há relato de interação

A

A

A

A

A

A

A

A

A

D Sem risco

A Naproxeno V Neomicina V Neomicina + bacitracina + clostebol V Nevirapina A Nimesulida A Nimodipino V Nistatina V Nitrazepam A Nitrendipino V Nitrofural V Norepinefrina V Noretisterona + estradiol V Norfloxacino V Nortriptilina V Octreotida V Ofloxacino V Olanzapina V Omeprazol V Ondansetrona V Oxacilina V Oxaliplatina V Oxcarbazepina V Oxibutinina V Oxiconazol V Oximetazolina V Paclitaxel V Pamidronato V Pantoprazol V Paracetamol V Paracetamol + pseudoefedrina V Paroxetina V Pentoxifilina A Perindopril V Petidina V Piperacilina sódica + tazobactam sódico V Pirazinamida A Piroxicam V Policresuleno + cinchocaína V Polimixina B V Pravastatina V Prednisolona V Prednisona V Prometazina V Propofol V Propranolol V Ramipril V Mupirocina V Nafazolina V Neomicina

A Risco a ser avaliado

gado de ferimentos, aumento do fluxo menstrual, epistaxe, sangramento da gengiva por escovação, urina vermelha ou marrom e fezes vermelhas ou pretas. Espironolactona Redução da eficácia do diurético, podendo causar hipercalemia e nefrotoxicidade. H 1. Monitorar pressão arterial, alterações de peso, débito urinário, níveis de potássio e de creatinina. Felodipino Pode resultar em risco aumentado de hemorragia gastrointestinal pelo anti-inflamatório e/ou antagonismo do efeito anti-hipertensivo do bloqueador do canal de cálcio. H 1. Monitorar sinais e sintomas de hemorragia tais como fraqueza, náuseas e sangue nas fezes. 2. Atenção para o risco de hipotensão arterial na retirada do anti-inflamatório. Furosemida Redução do efeito diurético e anti-hipertensivo da furosemida. Pode aumentar a nefrotoxicidade do aceclofenaco. H 1. Monitorar o efeito diurético do medicamento e aumentar a dose se necessário. 2. Pacientes com maior risco para interação: idosos, pacientes cirróticos, ICC, insuficiência renal. 3. Parâmetros a serem monitorados: pressão arterial, peso, débito urinário e aparecimento de edema. Glibenclamida Risco aumentado para ocorrência de hipoglicemia. H 1. Monitorar o controle glicêmico. 2. Reduzir a dose da glibenclamida, se necessário. Glimepirida Risco aumentado para ocorrência de hipoglicemia. H 1. Monitorar o controle glicêmico. 2. Reduzir a dose da glimepirida, se necessário. Hidroclorotiazida Redução do efeito diurético e anti-hipertensivo da hidroclorotiazida. H 1. A administração concomitante destes medicamentos requer monitoração da pressão arterial, do peso e da função renal, incluindo débito urinário e aparecimento de edema. Hidroclorotiazida + amilorida Redução do efeito diurético e anti-hipertensivo da hidroclorotiazida. Redução da eficácia da amilorida, podendo ocorrer hipercalemia e nefrotoxicidade. H 1. A administração concomitante destes medicamentos requer monitoração da pressão arterial, do peso, dos níveis de potássio e da função renal, incluindo débito urinário e aparecimento de edema. Indapamida Redução do efeito diurético e anti-hipertensivo da indapamida. H 1. A administração concomitante destes medicamentos requer monitoração da pressão arterial, do peso e da função renal, incluindo débito urinário e aparecimento de edema. Levofloxacino Redução do limiar de convulsão. H 1. Sinais de excitação do sistema nervoso central: tremores, movimentos involuntários, alucinações e convulsão. 2. Considerar alteração da terapia em pessoas com predisposição a convulsões.

M Interação medicamentosa de risco

T Risco condicional

A Metformina Risco aumentado para ocorrência de hipoglicemia. H 1. Monitorar o controle glicêmico. 2. Reduzir a dose da metformina, se necessário. M Metotrexato Risco aumentado de toxicidade do metotrexato. H 1. Quando doses elevadas de metotrexato são usadas (tratamento do câncer), há maior suscetibilidade a interação. 2. Doses menores de metotrexato (7,5 a 15 mg/semana), como aquelas usadas nas afecções reumáticas, parecem mais bem toleradas na presença do anti-inflamatório. 3. A preexistência de disfunção renal antiinflamatório-induzida aumenta os riscos de reações adversas com a administração concomitante dos medicamentos. 4. A interação não tem sido relatada especificamente com o aceclofenaco, mas deve-se ter em mente essa possibilidade. A Naproxeno Aumento dos efeitos colaterais gastrointestinais de ambos os medicamentos H 1. Não há vantagem terapêutica nesta associação. 2. Efeitos colaterais: úlcera péptica, sangramento e/ou perfuração gastrointestinais. A Nimesulida Aumento dos efeitos colaterais gastrointestinais de ambos os medicamentos. H 1. Não há vantagem terapêutica nesta associação. 2. Efeitos colaterais: úlcera péptica, sangramento e/ou perfuração gastrointestinais. A Nimodipino Risco de hemorragia gastrointestinal pelo anti-inflamatório e/ou antagonismo do efeito anti-hipertensivo do bloqueador do canal de cálcio. H 1. Monitorar sinais e sintomas de hemorragia, tais como fraqueza, náuseas e sangue nas fezes. 2. Atenção para o risco de hipotensão arterial na retirada do anti-inflamatório. A Nitrendipino Risco de hemorragia gastrointestinal pelo anti-inflamatório e/ou antagonismo do efeito anti-hipertensivo do bloqueador do canal de cálcio. H 1. Monitorar sinais e sintomas de hemorragia, tais como fraqueza, náuseas e sangue nas fezes. 2. Atenção para o risco de hipotensão arterial na retirada do anti-inflamatório. A Perindopril Diminuição do efeito anti-hipertensivo e natriurético do perindopril. H 1. Monitorar a pressão arterial sempre que iniciar ou alterar a dose do aceclofenaco. 2. Atenção a pacientes com insuficiência cardíaca congestiva e idosos. 3. Monitorar potássio sérico e função renal. A Piroxicam Aumento dos efeitos colaterais gastrointestinais de ambos os medicamentos. H 1. Não há vantagem terapêutica nesta associação. 2. Efeitos colaterais: úlcera péptica, sangramento e/ou perfuração gastrointestinais.

Porto | Interação Medicamentosa - Amostras de páginas não sequenciais A-Porto 1.indd 4

20/8/2010 20:30:42

Acetilcisteína (associada a...)

5

V Ranitidina V Rifamicina V Rifampicina V Risperidona V Rivastigmina V Rocurônio

V Terbinafina V Terbutalina V Tetraciclina V Tiabendazol V Ticlopidina V Timolol

V

V Tinidazol V Tioconazol V Tioridazina V Tiotrópio V Tizanidina V Tobramicina

Ropivacaína V Rosuvastatina V Roxitromicina V Salbutamol V Secnidazol V Selegilina V Sertralina V Sevoflurano V Sibutramina V Sildenafila V Sinvastatina V Sotalol V Sulfadiazina V Sulfametoxazol + trimetoprima V Sulfassalazina V Sulfiram V Sumatriptana V Tamoxifeno V Teicoplanina A Tenoxicam V Terazosina V Não há relato de interação

D Sem risco

V Vancomicina

dina

A Risco a ser avaliado

A Varfarina

V Venlafaxina

A Verapamil

V Vinorelbina V Zidovu-

V Zolpidem V Zopiclona

M Interação medicamentosa de risco

T Risco condicional

A Tenoxicam Aumento dos efeitos colaterais gastrointestinais de ambos os medicamentos. H 1. Não há vantagem terapêutica nesta associação. 2. Efeitos colaterais: úlcera péptica, sangramento e/ou perfuração gastrointestinais. A Varfarina Pode ocorrer aumento do efeito anticoagulante da varfarina.

H 1. Monitorar os pacientes para sinais e sintomas de sangramento anormal (náuseas, fraqueza e sangue nas fezes), especialmente do trato gastrointestinal. A Verapamil O efeito do verapamil pode estar reduzido, e o tempo de sangramento, aumentado. H 1. Monitorar os pacientes para sinais e sintomas de sangramento, especialmente do trato gastrointestinal.

V Alimentos Não há relato de interação nas fontes consultadas. V Bebidas alcoólicas Não há relato de interação nas fontes consultadas.

V Tabaco Não há relato de interação nas fontes consultadas.

As drogas anti-inflamatórias não esteroidais aumentam a atividade do lítio e da digoxina pela redução do clearance plasmático. Essa propriedade pode ser de importância clínica em pacientes com função cardíaca comprometida ou ADVERTÊNCIA DO FABRICANTE hipertensão arterial. O controle da pressão sanguínea de pacientes sob tratamento com betabloqueadores, inibidores da ECA e diuréticos deve ser cuidadosamente monitorado em caso de administração concomitante de agentes anti-inflamatórios não esteroidais. Pacientes em tratamento com esse tipo de substância e concomitante tratamento com diuréticos poupadores de potássio podem apresentar aumento dos níveis séricos de potássio. A administração de drogas anti-inflamatórias não esteroidais com anticoagulantes exige monitoração cuidadosa e provável ajuste de dosagem do agente anticoagulante, que pode ser deslocado da ligação com as proteínas plasmáticas pelas primeiras. A administração de anti-inflamatórios não esteroidais com ácido acetilsalicílico não é recomendada porque a terapia concomitante pode

aumentar a frequência dos efeitos colaterais, possivelmente devido à diminuição dos sítios de ligação para os anti-inflamatórios não esteroidais. Estudos clínicos demonstram que o diclofenaco, fármaco estruturalmente semelhante, pode ser administrado concomitantemente a agentes antidiabéticos orais sem que haja interferência no efeito clínico. Entretanto, existem relatos isolados de hiperglicemia e hipoglicemia em pacientes tomando aceclofenaco. Sendo assim, deve-se levar em conta o ajuste de dosagem de agentes hipoglicêmicos. Deve-se ter cautela quando anti-inflamatórios não esteroidais e o metotrexato forem administrados em um período menor que 24 horas entre uma droga e outra, já que os anti-inflamatórios podem reduzir a excreção renal dos níveis de metotrexato, resultando em toxicidade aumentada. Os anti-inflamatórios não esteroidais podem também aumentar o potencial de toxicidade da ciclosporina.

!

A

V Topiramato V Tramadol V Trazodona V Triancinolona V Valproato V Valsartana

ANVISA – Bulário Eletrônico

Acetilcisteína (associada a...) V Não há relato de interação

D Sem risco

A Risco a ser avaliado

V Acebrofilina V Aceclofenaco V Aciclovir V Ácido

acetilsalicílico V Ácido mefenâmico V Adapaleno V Albendazol V Alendronato V Algestona + estradiol V Alopurinol V Alprazolam V Ambroxol V Amicacina V Aminofilina V Amiodarona V Amitriptilina V Amoxicilina V Amoxicilina + clavulanato de potássio V Ampicilina V Ampicilina sódica + sulbactam sódico V Anastrozol V Anfepramona V Anfotericina B V Anlodipino V Atenolol V Atracúrio V Atropina V Axetilcefuroxima V Azelastina V Azitromicina V Beclometasona V Benazepril V Benzilpenicilina benzatina V Benzilpenicilina potássica V Betametasona V Betametasona + ácido salicílico V Betaxolol V Bezafibrato V Biperideno V Brimonidina V Bromazepam V Bromexina V Bromoprida V Buflomedil V Bupivacaína V Bupropiona V Buspirona V Captopril A Carbamazepina Pode resultar em níveis subterapêuticos da carbamazepina.

M Interação medicamentosa de risco

A Carbamazepina

T Risco condicional

V Carbidopa/levodopa V Carbocisteína V Carbonato

de lítio

V Carboplatina V Carvedilol V Cefaclor V Cefadroxila V Cefalexina V Cefalotina V Cefazolina V Cefepima V Cefoxitina

D Cefpodoxima

V Ceftazidima V Ceftriaxona

V Cetirizina V Cetoconazol V Cetoprofeno V Cetorolaco V Cetotifeno V Ciclobenza-

prina V Ciclosporina V Cilastatina + imipeném V Cilostazol V Cimetidina V Cinarizina V Ciprofibrato V Ciprofloxacino V Ciproterona V Citalopram V Claritromicina V Clindamicina V Clobetasol V Clomipramina V Clonazepam V Clopidogrel V Cloranfenicol V Cloreto de potássio V Clortalidona V Clotrimazol V Cloxazolam V Codergocrina V Cromoglicato V Deflazacorte V Desmopressina V Desogestrel V Desogestrel + etinilestradiol V Desonida V Dexametasona V Dexclorfeniramina V Diazepam H 1. Monitorar cuidadosamente o paciente em uso da associação e também quando for usada a N-acetilcisteína.

Porto | Interação Medicamentosa - Amostras de páginas não sequenciais A-Porto 1.indd 5

20/8/2010 20:30:42

6 Aciclovir (associado a...) A

V Diclofenaco V Digoxina V Diltiazem V Dimeticona V Dimeticona

V Metronidazol V Micofenolato

V Dipirona V Dipirona

V Mirtazapina V Moclobemida V Mometasona V Morfina V Mupirocina V Nafazolina

+ homatropina + isometepteno V Dipirona + orfenadrina V Dobutamina V Docetaxel V Domperidona V Dopamina V Dorzolamida V Doxazosina V Doxiciclina V Doxorrubicina V Dropropizina V Enalapril V Enflurano V Escopolamina V Espironolactona V Estavudina V Etomidato V Etoposídeo V Felodipino V Fenitoína V Fenobarbital V Fenofibrato V Fenoterol V Fenoxazolina V Fenoximetilpenicilina potássica V Fentanila V Fexofenadina V Finasterida V Fluconazol V Flumazenil V Fluoruracila V Fluoxetina V Flutamida V Folinato de cálcio V Fosinopril V Furosemida V Gabapentina V Ganciclovir V Gencitabina V Genfibrozila V Gentamicina V Glibenclamida V Glimepirida V Granisetrona V Guaifenesina V Haloperidol V Hidroclorotiazida V Hidroclorotiazida + amilorida V Hidrocortisona V Hidrocortisona + clioquinol V Hidroxicloroquina V Hidróxido de alumínio V Ibuprofeno V Ifosfamida V Indapamida V Ipratrópio V Irinotecano V Isoflurano V Isossorbida, dinitrato V Isossorbida, mononitrato V Isotretinoína V Itraconazol V Lamivudina V Lamotrigina V Lansoprazol V Letrozol V Levofloxacino V Levotiroxina V Lidocaína V Lincomicina V Lisinopril V Loratadina V Loratadina + pseudoefedrina V Lorazepam V Losartana V Lovastatina V Mebendazol V Meloxicam V Meropeném V Mesalazina V Mesna V Metformina V Metildopa V Metoclopramida V Metoprolol V Metotrexato V Não há relato de interação

D Sem risco

de mofetila

V Naproxeno V Neomicina V Neomicina

V Miconazol V Midazolam V Minociclina

+ bacitracina

V Neomicina

+ clostebol

V Nevirapina V Nimesulida V Nimodipino V Nistatina V Nitrazepam V Nitrendi-

pino V Norepinefrina V Noretisterona + estradiol V Norfloxacino V Nortriptilina V Octreotida V Ofloxacino V Omeprazol V Ondansetrona V Oxacilina V Oxaliplatina V Oxcarbazepina V Oxibutinina V Oxiconazol V Oximetazolina V Paclitaxel V Pamidronato V Pantoprazol V Paracetamol V Paracetamol + pseudoefedrina V Paroxetina V Pentoxifilina V Perindopril V Petidina V Piperacilina sódica + tazobactam sódico V Piroxicam V Policresuleno + cinchocaína V Polimixina B V Pravastatina V Prednisolona V Prednisona V Prometazina V Propofol V Propranolol V Ramipril V Ranitidina V Rifamicina V Risperidona V Ropivacaína V Roxitromicina V Salbutamol V Secnidazol V Selegilina V Sertralina V Sibutramina V Sinvastatina V Sotalol V Sulfadiazina V Sulfametoxazol + trimetoprima V Sulfiram V Sumatriptana V Tamoxifeno V Teicoplanina V Tenoxicam V Terazosina V Terbinafina V Terbutalina V Tetraciclina V Tiabendazol V Ticlopidina V Timolol V Tinidazol V Tizanidina V Tobramicina V Topiramato V Tramadol V Triancinolona V Valproato V Valsartana V Vancomicina V Varfarina V Venlafaxina V Verapamil V Vinorelbina V Zolpidem V Zopiclona

A Risco a ser avaliado

M Interação medicamentosa de risco

T Risco condicional

V Alimentos Não há relato de interação nas fontes consultadas. V Bebidas alcoólicas Não há relato de interação nas fontes consultadas.

V Tabaco Não há relato de interação nas fontes consultadas.

Existe interação de acetilcisteína oral com alguns antibióticos, portanto recomenda-se o uso intercalado entre os medicamentos. Sugere-se o uso de acetilcisteína oral 2 horas antes ou depois da administração do antibiótico. ADVERTÊNCIA Amoxicilina, doxiciclina, cefalexina: acetilcisteína admiDO FABRICANTE nistrada por via oral aumentou a biodisponibilidade de amoxicilina, não alterou a da doxiciclina e reduziu a absorção da cefalexina.

Ampicilina: quando administrada concomitantemente à acetilcisteína, não foram detectadas alterações da biodisponibilidade da ampicilina por via oral, mas houve um pequeno aumento não significativo na concentração sérica da eritromicina.

!

ANVISA – Bulário Eletrônico

Aciclovir (associado a...) V Não há relato de interação

D Sem risco

A Risco a ser avaliado

V Acebrofilina V Aceclofenaco V Acetilcisteína V Ácido

M Interação medicamentosa de risco

V Betametasona V Betametasona

T Risco condicional

acetilsalicílico V Ácido mefenâmico V Adapaleno V Albendazol V Alendronato V Algestona + estradiol V Alopurinol V Alprazolam V Ambroxol V Amicacina A Aminofilina V Amiodarona V Amitriptilina V Amoxicilina V Amoxicilina + clavulanato de potássio V Ampicilina V Ampicilina sódica + sulbactam sódico V Anastrozol V Anfepramona V Anfotericina B V Anlodipino V Atenolol V Atorvastatina V Atracúrio V Atropina V Axetilcefuroxima V Azatioprina V Azelastina V Azitromicina V Aztreonam V Beclometasona V Benazepril V Benzilpenicilina benzatina V Benzilpenicilina potássica

medil V Bupivacaína V Bupropiona V Buspirona V Candesartana V Captopril V Carbamazepina V Carbidopa/levodopa V Carbocisteína V Carbonato de lítio V Carboplatina V Carvedilol V Cefaclor V Cefadroxila V Cefalexina V Cefalotina V Cefazolina V Cefepima V Cefotaxima V Cefoxitina V Cefpodoxima V Ceftazidima V Ceftriaxona V Celecoxibe V Cetirizina V Cetoconazol V Cetoprofeno V Cetorolaco V Cetotifeno V Ciclobenzaprina V Ciclofosfamida A Ciclosporina V Cilastatina + imipeném

A Aminofilina Aumento dos efeitos adversos da aminofilina. H 1. Efeitos adversos da aminofilina: náuseas, dor de cabeça e tremor, vômitos, diarreia, insônia, arritmias. 2. Reajustar a dose de aminofilina, caso necessário. A Ciclosporina Aumento dos níveis séricos da ciclosporina e risco de nefrotoxicidade. H 1. Monitorar creatinina sérica. 2. Fatores de risco para a interação: idade avançada, desidratação, pacientes debilitados ou com disfunção renal. A Felodipino Os efeitos do felodipino podem estar aumentados.

H 1. Monitorar resposta clínica do felodipino. Se há suspeita de interação, diminuir a dose do felodipino ou trocar o anti-hipertensivo. A Fenitoína Redução da atividade anticonvulsivante da fenitoína. H 1. Monitorar as alterações na resposta clínica da fenitoína quando introduzir ou retirar o aciclovir do esquema terapêutico. 2. Reajustar a dose da fenitoína. 3. Considerar outra terapia antiviral. A Ifosfamida Risco de nefrotoxicidade. H 1. Monitorar creatinina sérica durante o uso concomitante. 2. Fatores de risco para a interação: idade avançada, desidratação, pacientes debilitados ou com disfunção renal.

+ ácido salicílico

V Betaxolol V Bezafibrato

V Biperideno V Brimonidina V Bromazepam V Bromexina V Bromoprida V Buflo-

Porto | Interação Medicamentosa - Amostras de páginas não sequenciais A-Porto 1.indd 6

20/8/2010 20:30:42

Aciclovir (associado a...) V Cilostazol

D Cimetidina

V Cinarizina V Ciprofibrato V Ciprofloxacino V Ciproterona

V Cisplatina V Citalopram V Citarabina V Claritromicina V Clindamicina V Clobetasol V Clomipramina V Clonazepam V Clopidogrel V Cloranfenicol V Cloreto

de potássio V Clorpromazina V Clortalidona V Clotrimazol V Cloxazolam V Clozapina V Codergocrina V Cromoglicato V Deflazacorte V Desmopressina V Desogestrel V Desogestrel + etinilestradiol V Desonida V Dexametasona V Dexclorfeniramina V Diazepam V Diclofenaco D Digoxina V Diltiazem V Dimeticona V Dimeticona + homatropina V Dipirona V Dipirona + escopolamina V Dipirona + isometepteno V Dipirona + orfenadrina V Dobutamina V Docetaxel V Domperidona V Donepezila V Dopamina V Dorzolamida V Doxazosina V Doxiciclina V Doxorrubicina V Dropropizina V Duloxetina V Enalapril V Enflurano V Escopolamina V Espironolactona V Estavudina V Estreptomicina V Estriol V Etambutol V Etionamida V Etomidato V Etoposídeo V Ezetimiba A Felodipino V Femproporex A Fenitoína D Fenobarbital V Fenofibrato V Fenoterol V Fenoxazolina V Fenoximetilpenicilina potássica V Fentanila V Fexofenadina V Finasterida V Fluconazol V Flumazenil V Fluoruracila V Fluoxetina V Flutamida V Folinato de cálcio V Formoterol V Fosinopril V Furosemida V Gabapentina V Galantamina V Ganciclovir V Gencitabina V Genfibrozila V Gentamicina V Gestodeno + etinilestradiol V Glibenclamida V Glimepirida V Granisetrona V Guaifenesina V Haloperidol V Hidroclorotiazida V Hidroclorotiazida + amilorida V Hidrocortisona V Hidrocortisona + clioquinol V Hidroquinona V Hidroxicloroquina V Hidróxido de alumínio V Ibuprofeno A Ifosfamida V Indapamida V Indometacina V Ipratrópio V Irinotecano V Isoconazol V Isoflurano V Isoniazida V Isossorbida, dinitrato V Isossorbida, mononitrato V Isotretinoína V Itraconazol V Lamivudina V Lamotrigina V Lansoprazol V Leflunomida V Letrozol V Levocetirizina V Levofloxacino V Levotiroxina V Lidocaína V Lincomicina V Lisinopril V Loperamida V Não há relato de interação

D Sem risco

7

V Loratadina V Loratadina

+ pseudoefedrina V Lorazepam V Losartana V Lovastatina V Maprotilina V Mebendazol V Meloxicam V Memantina V Meropeném V Mesalazina V Mesna V Metformina V Metildopa V Metilfenidato V Metilprednisolona V Metoclopramida V Metoprolol V Metotrexato V Metronidazol A Micofenolato de mofetila V Miconazol V Midazolam V Minociclina V Mirtazapina V Moclobemida V Mometasona V Morfina V Moxifloxacino V Mupirocina V Nafazolina V Naproxeno V Neomicina V Neomicina + bacitracina V Neomicina + clostebol V Nevirapina V Nimesulida A Nimodipino V Nistatina V Nitrazepam V Nitrendipino V Nitrofural V Norepinefrina V Noretisterona + estradiol V Norfloxacino V Nortriptilina V Octreotida V Ofloxacino V Olanzapina V Omeprazol V Ondansetrona V Oxacilina V Oxaliplatina V Oxcarbazepina V Oxibutinina V Oxiconazol V Oximetazolina V Paclitaxel V Pamidronato V Pantoprazol V Paracetamol V Paracetamol + pseudoefedrina V Paroxetina V Pentoxifilina V Perindopril A Petidina V Piperacilina sódica + tazobactam sódico V Pirazinamida V Piroxicam V Policresuleno + cinchocaína V Polimixina B V Pravastatina V Prednisolona V Prednisona V Prometazina V Propofol V Propranolol V Ramipril V Ranitidina V Rifamicina V Rifampicina V Risperidona V Rivastigmina V Rocurônio V Ropivacaína V Rosuvastatina V Roxitromicina V Salbutamol V Secnidazol V Selegilina V Sertralina V Sevoflurano V Sibutramina V Sildenafila V Sinvastatina V Sotalol V Sulfadiazina V Sulfametoxazol + trimetoprima V Sulfassalazina V Sulfiram V Sumatriptana V Tamoxifeno V Teicoplanina V Tenoxicam V Terazosina V Terbinafina V Terbutalina V Tetraciclina V Tiabendazol V Ticlopidina V Timolol V Tinidazol V Tioconazol V Tioridazina V Tiotrópio M Tizanidina V Tobramicina V Topiramato V Tramadol V Trazodona V Triancinolona A Valproato V Valsartana V Vancomicina V Varfarina V Venlafaxina V Verapamil V Vinorelbina A Zidovudina V Zolpidem V Zopiclona

A Risco a ser avaliado

M Interação medicamentosa de risco

T Risco condicional

A Micofenolato de mofetila Aumento da concentração plasmática do aciclovir. H 1. Esta interação é mais frequente em pacientes com disfunção renal. 2. Toxicidade do aciclovir: mal-estar, tontura, alopecia, diarreia, vômitos, irritação gastrointestinal, mialgia, dor de cabeça, agitação, delírio, psicose, parestesia, convulsões. A Nimodipino Os efeitos do nimodipino podem estar aumentados. H 1. Monitorar resposta clínica do nimodipino. Se há suspeita de interação, diminuir a dose do nimodipino ou trocar o anti-hipertensivo. A Petidina Aumento da toxicidade da petidina quando altas doses de aciclovir são empregadas. H 1. Toxicidade da petidina: náuseas, vômitos, tremores, abalos musculares e convulsões. 2. Monitorar os pacientes para sinais de excitação do SNC.

M Tizanidina Aumento da concentração plasmática da tizanidina. H 1. Pode ocorrer hipotensão arterial severa, sedação excessiva, tontura, piora do desempenho psicomotor, que persistem por aproximadamente 3 horas após a administração da tizanidina. 2. Usar um medicamento alternativo à tizanidina. A Valproato Redução da concentração sérica do valproato e potencial aumento da atividade epileptogênica. H 1. Ajustar a dose do valproato ou considerar outra terapia antiviral. A Zidovudina Podem ocorrer fadiga e letargia. H 1. Se ocorrer interação entre estes medicamentos, reduzir a dose do aciclovir ou retirá-lo.

D Alimentos Não há interação entre aciclovir e alimentos. V Bebidas alcoólicas Não há relato de interação nas fontes consultadas.

V Tabaco Não há relato de interação nas fontes consultadas.

Nenhuma interação clinicamente significativa foi identificada. O aciclovir é eliminado primariamente inalterado na urina via secreção tubular renal ativa. Qualquer droga administrada concomitantemente que afete esse mecanisADVERTÊNCIA DO FABRICANTE mo pode aumentar a concentração plasmática do aciclovir. Probenecida e cimetidina aumentam a ASC do aciclovir por esse mecanismo e reduzem o clearance renal do aciclovir. De modo similar, aumentos nas ASCs plasmáticas do aciclovir e do metabólito inativo de micofenolato de mofetila, um agente imunossupressor usado em pacientes transplantados, foram demonstrados quando as drogas foram coadministradas.

Entretanto, nenhum ajuste de dose é necessário por causa do amplo índice terapêutico do aciclovir.

!

A

Efeitos na habilidade de dirigir e operar máquinas Deve-se levar em conta os resultados dos estudos clínicos disponíveis e o perfil dos eventos adversos já descritos, quando considerar a habilidade do paciente em dirigir e operar máquinas. Não existem estudos para investigar os efeitos do aciclovir na habilidade de dirigir ou operar máquinas. Além disso, um efeito prejudicial nessas atividades não pode ser previsto a partir da farmacologia da droga. ANVISA – Bulário Eletrônico

Porto | Interação Medicamentosa - Amostras de páginas não sequenciais A-Porto 1.indd 7

20/8/2010 20:30:42

8 Ácido acetilsalicílico (associado a...)

Ácido acetilsalicílico (associado a...)

A V Não há relato de interação

A Risco a ser avaliado

M Interação medicamentosa de risco

medil V Bupivacaína V Bupropiona V Buspirona V Candesartana T Captopril D Carbamazepina V Carbidopa/levodopa V Carbocisteína D Carbonato de lítio V Carboplatina A Carvedilol V Cefaclor V Cefadroxila V Cefalexina V Cefalotina V Cefazolina V Cefepima V Cefotaxima V Cefoxitina V Cefpodoxima V Ceftazidima V Ceftriaxona A Celecoxibe V Cetirizina V Cetoconazol A Cetoprofeno A Cetorolaco V Cetotifeno V Ciclobenzaprina V Ciclofosfamida D Ciclosporina

A Aceclofenaco Aumento dos efeitos colaterais gastrointestinais de ambos os medicamentos. H 1. Não há vantagem terapêutica nesta associação. 2. Efeitos colaterais: úlcera péptica, sangramento e/ou perfuração gastrointestinais. A Ácido mefenâmico Aumento dos efeitos colaterais gastrointestinais de ambos os medicamentos. Antagonismo do efeito antiagregante plaquetário de doses baixas do ácido acetilsalicílico (75 mg). H 1. Não há vantagem terapêutica nesta associação. 2. Efeitos colaterais: úlcera péptica, sangramento e/ou perfuração gastrointestinais. A Amicacina Aumento da concentração plasmática do antimicrobiano e consequente toxicidade. H 1. Se possível, suspender o ácido acetilsalicílico ao iniciar a terapia com aminoglicosídeo. 2. Monitorar função renal. 3. Esta interação é mais frequente com doses anti-inflamatórias de ácido acetilsalicílico. D Aminofilina O ácido acetilsalicílico não interfere na farmacocinética da aminofilina. H 1. O ácido acetilsalicílico pode desencadear broncoconstrição em asmáticos. A Anlodipino Risco aumentado de hemorragia gastrointestinal pelo anti-inflamatório e/ou antagonismo do efeito anti-hipertensivo do bloqueador do canal de cálcio. H 1. Monitorar sinais e sintomas de hemorragia tais como fraqueza, náuseas e sangue nas fezes. 2. Atenção para o risco de hipotensão arterial na retirada do anti-inflamatório. T Benazepril D AAS < 300 mg A Diminuição do efeito anti-hipertensivo do benazepril quando se administram doses entre 300 mg e 2 g de ácido acetilsalicílico. M Risco de insuficiência renal quando se administram doses > 2 g de ácido acetilsalicílico. H 1. O benazepril pode ser usado com dose antitrombogênica de ácido acetilsalicílico. 2. Dose elevada de ácido acetilsalicílico para ação anti-inflamatória não é usada no Brasil. A Betametasona Aumento do risco de sangramento gastrointestinal e da formação de úlceras. Redução dos níveis séricos do ácido acetilsalicílico. H 1. Monitorar os pacientes para sinais e sintomas de efeitos adversos gastrointestinais e para a redução da eficácia do ácido acetilsalicílico. T Captopril D AAS < 300 mg A Doses entre 300 mg e 2 g de ácido acetilsalicílico: há diminuição do efeito anti-hipertensivo do captopril. M Doses > 2 g de ácido acetilsalicílico: há risco de insuficiência renal. H 1. O captopril pode ser usado com dose antitrombogênica de ácido acetilsalicílico. 2. Doses elevadas de ácido acetilsalicílico para ação anti-inflamatória não são usadas no Brasil.

A Carvedilol Pode ocorrer diminuição do efeito hipotensor do carvedilol. H 1. Monitorar rigorosamente a pressão arterial. A Celecoxibe Aumento dos efeitos colaterais gastrointestinais. H 1. Não há vantagem terapêutica nesta associação. 2. Efeitos colaterais: úlcera péptica, sangramento e/ou perfuração gastrointestinais. 3. Em caso de necessidade de uso concomitante, recomenda-se escolher comprimidos de ácido acetilsalicílico com capa entérica. 4. O uso de baixas doses de ácido acetilsalicílico associado ao celecoxibe é seguro. A Cetoprofeno Aumento dos efeitos colaterais gastrointestinais de ambos os medicamentos. H 1. Não há vantagem terapêutica nesta associação. 2. Efeitos colaterais: úlcera péptica, sangramento e/ou perfuração gastrointestinais. A Cetorolaco Aumento dos efeitos colaterais gastrointestinais de ambos os medicamentos. H 1. Não há vantagem terapêutica nesta associação. 2. Efeitos colaterais: úlcera péptica, sangramento e/ou perfuração gastrointestinais. A Cilostazol Pode aumentar o tempo de sangramento. H 1. Não há interação clinicamente significativa quando são usadas doses diárias de até 80 mg de ácido acetilsalicílico. A Citalopram Risco de sangramento gastrointestinal alto. H 1. Avaliar o risco-benefício da associação e, se necessário, usar dose reduzida do AAS pelo menor tempo possível. T Clopidogrel A Doses baixas do ácido acetilsalicílico (< 100 mg/dia). M Doses > 100 mg/dia de ácido acetilsalicílico: aumento do risco de sangramento. H 1. Se o uso concomitante é absolutamente necessário, monitorar o tempo de protrombina e sinais de sangramento. 2. Para efeito analgésico ou antitérmico, recomenda-se a substituição do ácido acetilsalicílico por acetaminofeno. 3. Doses baixas do ácido acetilsalicílico não oferecem o mesmo risco e podem ser usadas com cautela. A Deflazacorte Aumento do risco de sangramento gastrointestinal e da formação de úlceras. Redução dos níveis séricos do ácido acetilsalicílico. H 1. Monitorar os pacientes para sinais e sintomas de efeitos adversos gastrointestinais e para a redução da eficácia do ácido acetilsalicílico. A Dexametasona Aumento do risco de sangramento gastrointestinal e da formação de úlceras. Redução dos níveis séricos do ácido acetilsalicílico. H 1. Monitorar os pacientes para sinais e sintomas de efeitos adversos gastrointestinais e para a redução da eficácia do ácido acetilsalicílico.

V Acetilcisteína V Aciclovir

V Adapaleno V Albendazol V Alendronato V Algestona

A Betametasona

T Risco condicional

A Ácido mefenâmico + estradiol D Alopurinol V Alprazolam V Ambroxol A Amicacina D Aminofilina V Amiodarona V Amitriptilina V Amoxicilina V Amoxicilina + clavulanato de potássio V Ampicilina V Ampicilina sódica + sulbactam sódico V Anastrozol V Anfepramona V Anfotericina B A Anlodipino V Atenolol V Atorvastatina V Atracúrio V Atropina V Axetilcefuroxima V Azatioprina V Azelastina V Azitromicina V Aztreonam V Beclometasona T Benazepril D Benzilpenicilina benzatina D Benzilpenicilina potássica V Acebrofilina

A Aceclofenaco

D Sem risco

V Betametasona

+ ácido salicílico

V Betaxolol V Bezafibrato

V Biperideno V Brimonidina V Bromazepam V Bromexina V Bromoprida V Buflo-

Porto | Interação Medicamentosa - Amostras de páginas não sequenciais A-Porto 1.indd 8

20/8/2010 20:30:43


Porto | Interação Medicamentosa