Issuu on Google+

1 POSTURA E TRABALHO DOS PÉS Postura Antes de aprender o trabalho dos pés, socos, chutes e quedas, você deve treinar uma postura apropriada para a luta. É muito importante que você não se apresse nessa parte do treinamento porque a postura é a sua base. Se a sua base for fraca, tudo que construir sobre ela também será fraco. A primeira coisa a resolver é qual pé ficará na frente. A maioria das pessoas prefere colocar seu lado mais forte apoiado atrás. Eu, por exemplo, sou canhoto, portanto tenho a tendência de começar as lutas com meu pé esquerdo atrás e o pé direito na frente. Essa postura é conhecida pela gíria southpaw: é a maneira como é chamada a base do lutador canhoto, também conhecida por postura invertida. Porém, durante a maioria das lutas, passo boa parte do tempo com meu pé esquerdo na frente e o direito atrás, que é a postura ortodoxa (a base dos lutadores destros). Ao trocar constantemente entre a postura invertida e a postura ortodoxa, é possível confundir o adversário durante uma luta. Uma vez que você tenha escolhido uma postura natural e passado certo tempo desenvolvendo-a, recomendo fortemente que também aprenda como lutar com seu pé mais fraco na frente, porque isso abrirá diferentes opções de ataque e contra-ataque. Por exemplo, quando você e seu oponente estão de pé com a mesma postura, ou seja, com o mesmo pé na frente, você possui um conjunto de ataques diferente do que teria se o oponente estivesse com a postura oposta. Quando você decidir qual é a postura mais natural, o próximo passo é trabalhar a posição do seu corpo. Embora este livro cubra apenas os golpes de ataque e movimentos de defesa, você deve desenvolver uma postura que permita empregar todas as armas do seu arsenal, que inclui quedas e defesa de quedas. Para ajudar você a atingir esse objetivo, mostrarei nesta seção a postura alta e a postura baixa, mas é melhor não pensar nelas como duas posturas separadas. Para se tornar um lutador de MMA eficaz, você deve ser capaz de fazer a transição entre as duas com fluidez. Ao longo deste livro, mostrarei combinações de golpes e contra-ataques que requerem uma transição entre as posturas alta e baixa. Muitas dessas técnicas também exigem que você se mantenha em movimento e desfira golpes enquanto faz a transição entre as posturas. Se as suas transições forem desajeitadas e você permanecer em uma posição fixa, seu oponente será capaz de ler seus movimentos e explorar as falhas do seu posicionamento. O objetivo de se abaixar e depois se levantar enquanto ataca e recebe golpes é o aumento de suas opções ofensivas e defensivas, mas isso funciona apenas quando você domina a mudança de postura.

Embora seja importante testar as posturas até achar a mais confortável, existe uma regra principal que você deve seguir: tanto para a postura baixa quanto para a alta, você deve manter seus pés alternados. Se assumir uma postura reta, em que seus quadris, pés e ombros ficam alinhados de frente para o oponente, suas opções de golpe ficam limitadas e seu corpo fica vulnerável a ataques. Ao alternar seus pés, você permanece móvel, podendo se movimentar para frente, para trás e para os lados com rapidez e explosão.

Trabalho dos pés Depois de dominar sua postura, o próximo passo é aprender a se movimentar. Nesta seção, mostrarei todo o trabalho básico com os pés que é preciso para atacar e defender. A maioria dos movimentos não são muito complexos; a parte mais difícil é não perder a postura ao executá-los. Mais especificamente, você não pode abaixar as mãos, estender muito os pés ou fazer qualquer coisa que comprometa sua postura. A maioria das técnicas neste livro requer que você golpeie enquanto se move ou logo após se mover. Se a sua postura se desfaz no momento que emprega o trabalho dos pés, então essas técnicas não funcionarão para você. Comece com os passos simples, como os passos laterais, para frente e para trás, e faça a troca de postura. Quando já estiver confiante, siga para os pivôs, que são passos em que você gira o corpo tendo seu pé como eixo. O objetivo desta seção é fazer uma introdução aos movimentos em que você usará mais tarde no livro para estabelecer os ataques e contra-ataques. Em vez de correr com esta seção, não tenha pressa com os exercícios. Desenvolva cada técnica e depois trabalhe para integrá-las. Aprender a dar um passo lateral pode levar apenas alguns segundos, mas as coisas ficam um pouco mais complexas quando é preciso combiná-lo com um pivô. Existem infinitas combinações com os pés que você pode usar, e quanto mais dominar, mais perigoso você se torna. Sua postura é sua base, e seus pés o terreno firme. Enquanto sua postura for robusta e seus pés fluidos e equilibrados, você poderá construir uma variedade de técnicas que permitirão enfrentar qualquer adversário.

14

A postura alta é a mais indicada para golpear. Com sua posição ereta, é possível desferir socos, chutes, cotoveladas e joelhadas sem alterar sua elevação ou a posição dos pés; isso impede que seu adversário consiga perceber seus movimentos e combinações. Assumir a postura alta também te permite bloquear de forma eficiente os golpes do oponente, incluindo chutes nas duas pernas e na cabeça. Em termos de mobilidade, seu centro de gravidade elevado te permite se mover de forma leve de lado a lado e para frente e para trás mantendo sua capacidade de golpear e defender. Nas fotos a seguir, demonstro como assumir a postura alta ortodoxa e invertida. É importante prestar atenção especial para a postura e para o posicionamento dos pés, mãos e braços.

Postura

ortodoxa

Para assumir a postura alta ortodoxa, coloco meu pé esquerdo na frente, separo os pés a uma distância um pouco maior que a separação dos ombros e distribuo meu peso igualmente entre as duas pernas. Aponto os dedos do meu pé esquerdo na direção do oponente, e os dedos do pé direito na direção do meu lado direito. Meus cotovelos ficam levemente curvados na direção dos meus lados, e minhas mãos ficam erguidas protegendo meu rosto. Note como meu braço esquerdo fica estendido a uma distância de meio braço longe do meu torso e meu braço direito protege o lado direito do torso. Para manter o equilíbrio, flexiono os joelhos e deixo as costas retas. A partir dessa posição, posso golpear ou descer até a postura baixa, o que permitiria me esquivar de um soco ou tentar uma queda.

15

postura

Postura alta

postura

Postura

invertida

Para assumir a postura alta invertida, coloco meu pé direito na frente, separo os pés a uma distância um pouco maior que a separação dos ombros e distribuo meu peso igualmente entre as duas pernas. Note como os dedos do pé direito apontam para o adversário, e os dedos do pé esquerdo apontam para a minha esquerda. Com a parte superior do corpo, abaixo os cotovelos levemente para os lados e deixo as mãos levantadas no nível do queixo. Note como meu braço direito fica estendido a uma distância de meio braço longe do meu torso, e meu braço esquerdo protege o lado esquerdo do torso. Para manter o equilíbrio, deixo os joelhos dobrados e minhas costas retas. Uma vez em posição, posso atacar ou descer até a postura baixa, que permitiria me esquivar de um golpe do adversário ou me jogar para tentar uma queda.

16

Embora você provavelmente passe mais tempo na postura alta enquanto luta, há muitos benefícios em aprender quando e como descer até a postura baixa. Primeiro, é uma excelente posição para contra-atacar os golpes do oponente. Por exemplo, quando seu adversário desfere um soco ou chute mirando sua cabeça, você pode evitar o ataque ao descer a postura. Quando o golpe passar por cima, seu oponente provavelmente vai perder o equilíbrio por ter errado o alvo. Isso permite a você desferir socos na postura baixa e logo se levantar na postura alta e desferir uma combinação mais complexa com chutes e joelhadas. Você também tem a opção de ficar na postura baixa e tentar derrubar o oponente, que é a segunda vantagem dessa postura. Por causa do centro de gravidade baixo, você pode se lançar com força para frente, deslizar debaixo dos braços do oponente e empurrar seus quadris de forma muito mais eficiente do que na postura alta. E quando você realiza uma queda logo após se esquivar de um golpe do adversário, suas chances de levá-lo ao chão aumentam consideravelmente. Outro benefício de aprender como descer da postura alta para a baixa é que você pode usar essa transição para enganar o oponente. Por exemplo, quando você desce para a postura baixa e coloca seu pé mais forte na frente, seu oponente provavelmente vai pensar que você irá tentar uma queda de dois braços e irá baixar a guarda para se defender. Nesse instante, há uma abertura clara para golpear a cabeça do adversário, seja ainda na postura baixa ou após subir rapidamente para a postura alta. Porém, a postura baixa possui suas restrições. Embora seja uma excelente posição para desferir socos, não é a melhor posição para chutes por causa do centro de gravidade baixo. Da mesma maneira, é também muito difícil defender os chutes do oponente. Para se tornar um lutador versátil e utilizar todas as armas que cada postura oferece, é importante não pensar nelas como duas posturas diferentes. Em vez disso, você deve pensar que elas são uma mesma postura e deve dominar a transição entre as duas.

Postura

ortodoxa baixa

Para fazer a transição da postura alta para a baixa, eu flexiono os joelhos e abaixo meu nível. Meu peso fica distribuído igualmente entre as duas pernas, minhas costas ficam retas, meu pé esquerdo aponta para o oponente e meu pé direito aponta para meu lado direito em um ângulo de 45 graus. Note como meus cotovelos estão curvados levemente para meus lados, minhas mãos estão levantadas protegendo meu rosto, meu braço esquerdo está estendido a uma distância de meio-braço longe do meu corpo, e meu braço direito está protegendo o lado direito do torso. Também é importante notar que estou equilibrado na ponta do pé de trás. A partir dessa posição, posso desferir socos, lançar-me para frente tentando uma queda ou facilmente levantar e atacar com a postura alta.

17

postura

Postura baixa

postura

Postura

invertida baixa

Para realizar a transição entre a postura invertida alta para a postura invertida baixa, eu flexiono os joelhos e abaixo minha elevação. Meu peso fica distribuído igualmente entre as duas pernas, as costas ficam retas, meu pé direito aponta para o oponente e meu pé esquerdo aponta para meu lado esquerdo em um ângulo de 45 graus. Note como meus cotovelos estão curvados levemente para os lados, minhas mãos estão levantadas protegendo meu rosto, meu braço direito está estendido a uma distância de meio-braço longe do meu corpo, e meu braço esquerdo está protegendo o lado esquerdo do torso. Também é importante notar que estou equilibrado na ponta do pé de trás. A partir dessa posição, posso desferir socos, lançar-me para frente tentando uma queda ou facilmente levantar e atacar com a postura alta.

18

Passo lateral

Passo

lateral com o pé da frente (postura ortodoxa)

1

2

3

Assumo a postura alta ortodoxa.

Dou um pequeno passo para fora com o pé esquerdo.

Deslizo meu pé direito pelo tatame em direção ao pé esquerdo e restabeleço a postura de luta.

19

Trabalho com os pés

Embora o movimento e o trabalho dos pés sejam muito importantes em uma luta, você não deve desfazer sua postura ao executá-los. Para não ficar em uma posição vulnerável ao seu oponente, o melhor é dar pequenos passos começando com o pé que está mais próximo à direção desejada. Por exemplo, se você quer dar um passo para a sua direita, dê um pequeno passo com o pé direito e depois deslize o pé esquerdo até a posição correta. Essa regra se aplica para qualquer direção que queira ir. Se você ignorar a regra e cruzar os pés, seu equilíbrio ficará comprometido e seu corpo todo ficará vulnerável a ataques. Na sequência abaixo, demonstro como executar um passo lateral. Quando fizer esse movimento, é importante que você deslize o pé no tatame em vez de tirá-lo do chão. Isso ajudará a manter o equilíbrio e preparar os movimentos ofensivos e defensivos. Como você verá mais tarde neste livro, o passo lateral pode ser feito como um movimento individual ou pode ser combinado com outros movimentos. Por exemplo, o passo lateral pode ser o início de uma evasiva lateral ou pode vir seguido de um pivô para mudar o ângulo em relação ao oponente. Quanto mais manobras com os pés você tiver em seu arsenal, mais fácil será para criar aberturas para atacar, mas antes é importante você dominar o básico. A maioria dos ataques e contra-ataques deve ser executada em um piscar de olhos, e se não treinar os movimentos mais básicos com os pés até conseguir realizá-los por instinto, você irá perder muitas oportunidades nas lutas.

Trabalho com os pés

Passo

lateral com o pé da frente (postura invertida)

1

2

3

Assumo a postura alta invertida.

Dou um pequeno passo para fora com o pé direito.

Deslizo meu pé esquerdo pelo tatame em direção ao pé direito e restabeleço a postura de luta.

Passo

lateral com o pé de trás (postura ortodoxa)

1

2

3

Assumo a postura alta ortodoxa.

Dou um pequeno passo para fora com o pé direito.

Deslizo meu pé esquerdo pelo tatame em direção ao pé direito e restabeleço a postura de luta.

20

Passo

lateral com o pé de trás (postura invertida)

2

3

Assumo a postura alta invertida.

Dou um pequeno passo para fora com o pé esquerdo.

Deslizo meu pé direito pelo tatame em direção ao pé esquerdo e restabeleço a postura de luta.

Trabalho com os pés

1

21

Trabalho com os pés

Passo trocado Para executar um passo trocado para frente, tudo que você precisa fazer é colocar o pé de trás na frente. Se você estiver na postura ortodoxa, coloque seu pé direito na frente do esquerdo. Se estiver na postura invertida, coloque o pé esquerdo na frente do direito. Embora seja uma técnica extremamente simples, ela se mostra inestimável quando você está caçando um oponente que está recuando ou quando está no meio de uma combinação de ataque. Ao trocar sua postura, você cria ângulos diferentes de ataque e força seu oponente a se ajustar ao seu novo posicionamento. O passo trocado para trás usa o mesmo movimento em que você inverte a posição dos pés para assumir uma postura oposta, mas em vez de colocar o pé de trás na frente, você coloca o pé da frente atrás. Essa técnica é melhor utilizada quando você recua após um ataque ou para combater o movimento para frente do seu oponente. Se você observar as fotos abaixo, notará que quando eu dou um passo para trás, assumo uma postura baixa para me preparar para ataques como voadoras de joelho ou socos. Assumir uma postura baixa também te prepara melhor para defender socos e tentativas de queda. Quando você se sentir confortável com os passos trocados para frente e para trás, pratique deslizar seu pé da frente para trás e o pé de trás para frente ao mesmo tempo, o que permite trocar de postura no mesmo lugar. Um bom momento para usar esse passo trocado é no meio de uma combinação de ataque porque isso muda o lado que você pode desferir golpes poderosos. Por exemplo, trocar a postura ortodoxa pela invertida permite desferir chutes e socos poderosos com sua perna e braço esquerdos. Desde que você não mostre ao oponente que irá fazer a mudança levantando a cabeça ou pulando, você conseguirá pegar o adversário desprevenido. Com os três passos trocados, é importante que você deixe os pés separados em uma distância igual à dos ombros e sempre mantenha o equilíbrio.

Passo

trocado para frente (da postura ortodoxa para invertida)

1

2

Assumo a postura ortodoxa. Para executar um passo trocado para frente que termina na postura invertida, dou um passo com o pé direito na frente do esquerdo e viro meu corpo no sentido anti-horário.

22

Passo

trocado para frente (da postura invertida para ortodoxa)

1

2

Passo trocado para tr��s até a postura baixa (da postura ortodoxa para invertida) 1

2

3

Assumo a postura ortodoxa. Note como meus pés estão separados em uma distância equivalente à distância dos ombros.

Inverto a posição dos pés dando um passo com o pé esquerdo atrás do pé direito.

Assumo a postura baixa girando meu corpo no sentido anti-horário e distribuindo a maior parte do peso na perna de trás. A partir dessa posição, estou pronto para atacar ou defender. 23

Trabalho com os pés

Assumo a postura invertida. Para executar um passo trocado para frente que termina na postura ortodoxa, dou um passo com o pé esquerdo na frente do direito e viro meu corpo no sentido horário.

Passo trocado para trás (da postura invertida

até a postura baixa

para ortodoxa)

2

3

Assumo a postura invertida. Note como meus pés estão separados a uma distância equivalente à distância dos ombros.

Inverto a posição dos pés dando um passo com o pé direito atrás do pé esquerdo.

Assumo a postura baixa girando meu corpo no sentido horário e distribuindo a maior parte do peso na perna de trás. A partir dessa posição, estou pronto para atacar ou defender.

Trabalho com os pés

1

24

Passo cruzado com pé da frente

Passo

cruzado com o pé da frente (postura ortodoxa)

1

Assumo a postura ortodoxa.

2

3

Abaixando ligeiramente para manter o equilíbrio, dou um passo com o pé esquerdo para a direita. Note como o calcanhar do meu pé esquerdo está alinhado com meu pé de trás.

Restabeleço a postura de luta dando um passo para fora com meu pé direito.

25

Trabalho com os pés

Uma regra geral: você não deve cruzar os pés em uma luta porque isso prejudica sua base e equilíbrio, mas existem cenários em que violar essa regra pode ser vantajoso. Um bom exemplo é quando você e o oponente estão lutando com o mesmo pé da frente. Ao levar seu pé da frente para o lado de fora do pé da frente do oponente, você muda seu ângulo. Subitamente, você não está mais bem na frente do oponente, mas sim um pouco para o lado. Até que ele mude de postura, um lado inteiro de seu corpo ficará exposto, criando uma abertura para você atacar. Os boxeadores frequentemente usam esse passo para golpear o corpo do oponente, e os wrestlers usam para criar um ângulo aberto e tentar uma queda. Porém, para fazer essa técnica funcionar a seu favor em vez de prejudicar, existem duas regras que você deve seguir. A primeira é nunca realmente cruzar seu pé da frente com o pé de trás. O certo é alinhar o calcanhar do pé da frente com os dedos do pé de trás; se você for além desse ponto, sua postura e equilíbrio vão desaparecer. A segunda regra é restabelecer imediatamente sua postura de luta deslizando o pé de trás até a posição correta. Se você hesitar entre executar o passo cruzado e reassumir a postura, seu oponente será capaz de mudar seu ângulo e acertar um golpe desequilibrando-o.

Passo

cruzado com o pé da frente (postura invertida)

2

3

Abaixando ligeiramente para manter o equilíbrio, dou um passo com o pé direito para a esquerda. Note como o calcanhar do meu pé direito está alinhado com meu pé de trás.

Restabeleço a postura de luta dando um passo para fora com meu pé esquerdo.

Trabalho com os pés

1

Assumo a postura invertida.

26

Passo para frente / pivô interno

Passo

para frente

/

pivô interno (postura ortodoxa)

1

2

3

Estou em postura alta ortodoxa.

Impulsionando com meu pé direito no tatame, dou um passo para frente com o pé esquerdo.

Giro na base do pé esContinuo o giro na base querdo no sentido horário. do pé esquerdo até Note como mantenho a completar uma volta de postura enquanto executo 45 graus. Então fixo o pé o movimento. direito no tatame e restabeleço a postura de luta.

4

27

Trabalho com os pés

Sempre que entrar na zona de conforto do seu oponente, você irá gerar uma reação. Provavelmente, ele irá contra-atacar ou executar um contramovimento. Se ele escolher a última opção, o melhor que ele pode fazer é circular em torno do seu corpo. Isso não só o tira do caminho de um golpe, mas também muda o ângulo com o qual ele pode contra-atacar. Nesse cenário, executar um pivô interno (um giro com um dos pés fixos como eixo, também chamado de toreio) após dar um passo para frente permite alinhar seu quadril com o do oponente, eliminando seu ângulo de ataque dominante. O pivô interno pode também ser vantajoso quando você dá um passo em direção ao oponente e ele se mantém fixo. Depois de avançar com alguns golpes, executar um rápido pivô muda seu ângulo e deixa um lado inteiro do oponente vulnerável. Antes dele poder alinhar o quadril com o seu para eliminar o ângulo de ataque dominante, você já terá acertado vários golpes. Na sequência abaixo eu mostro como executar os movimentos do passo para frente e pivô interno, e mais tarde no livro mostrarei como usá-lo para estabelecer combinações de ataque e defesa.

Passo

Trabalho com os pés

1

Estou em postura alta invertida.

28

para frente

2

/

pivô interno (postura invertida)

3

4

Impulsionando com Giro na base do pé direito Continuo o giro na base do pé meu pé esquerdo no no sentido horário. Note direito até completar uma volta tatame, dou um pas- como mantenho a posde 45 graus. Então fixo o pé so com o pé direito tura enquanto executo o esquerdo no tatame e restabepara frente. leço a postura de luta. movimento.

Passo trocado para trás / pivô interno

Passo

trocado para trás

/

pivô interno (postura ortodoxa)

1

2

3

Assumo a postura alta ortodoxa.

Dou um passo com o pé esquerdo para trás para assumir a postura invertida.

Giro usando a base do pé direito e rodo meu corpo no sentido anti-horário. Quando completo uma volta de 45 graus, fixo o pé esquerdo no tatame e restabeleço a postura.

29

Trabalho com os pés

No começo desta seção mostrei como executar um passo trocado para trás para mudar sua postura, e agora vou mostrar como executar um passo trocado para trás que termina num pivô interno. Como regra geral, você não deve recuar diretamente para trás mais do que uns dois passos. É claro que existem algumas exceções para essa regra (irei cobrir mais tarde no livro), mas na maioria das vezes recuar diretamente para trás acaba trazendo problemas. Não apenas faz você perder o equilíbrio, mas também reduz sua capacidade de defender ou de lançar contramovimentos. Quando seu adversário avança na sua linha de centro, uma opção melhor é dar um passo com o pé da frente para trás para reverter sua postura, e depois executar um pivô interno. Além de criar espaço entre você e o oponente, isso também muda o ângulo do seu corpo inteiro. Se executado no momento certo, essa técnica permitirá que você escape de uma situação potencialmente perigosa e ainda deixará um lado inteiro do seu oponente vulnerável a ataques. Para evitar esse ataque, o oponente precisará alinhar o quadril com o seu, mas nesse meio-tempo você já terá desferido vários golpes.

Passo

trocado para trás

/

pivô interno (postura invertida)

2

3

Assumo a postura alta invertida.

Dou um passo para trás com o pé direito para assumir a postura ortodoxa.

Giro usando a base do pé esquerdo e rodo meu corpo no sentido horário. Quando completo uma volta de 45 graus, fixo o pé direito no tatame e restabeleço a postura.

Trabalho com os pés

1

30


A Biblia do MMA