Issuu on Google+

EUA à beira do abismo fiscal O presidente Obama volta às pressas a Washington para tentar evitar a série de cortes e aumentos automáticos de impostos. Pág. 11 Jornal do empreendedor

Ano 87 - Nº 23.779

Página 4

Conclusão: 23h30

www.dcomercio.com.br

R$ 1,40

São Paulo, sexta-feira, 28 de dezembro de 2012

nos Você par so con é a v fest a tradi idado de b a de ciona s hoj alões d oltura l e Pát , às 12 a ACSP io d h30 o Co , no , Pág légio .9 .

Ueslei Marcelino/Reuters

Prometo iniciar o ano investindo alto A presidente Dilma evitou entrar em rota de colisão com o Congresso pelo atraso na votação do Orçamento, mas avisou que uma MP irá garantir os investimentos. Págs. 5 e 6

O condenado Genoino assume O ex-presidente do PT, sentenciado à prisão no processo do Mensalão, assumirá vaga do deputado federal Carlinhos Almeida. Pág. 6

Daniel Teixeira/Estadão Conteúdo

Estradas: um looongo caminho até o Ano Novo.

Comércio, o rei da Bolsa. Ações ligadas ao setor tiveram valorização de 64,06% em 2012. Pág. 13

Quem seguiu ontem para o Litoral pelo Sistema Anchieta-Imigrantes levou o triplo do tempo normal. Para evitar maiores dores de cabeça hoje, o negócio é fugir dos horários de pico. O clima deve ficar chuvoso até o Réveillon. Pág. 9 Divulgação

Você está vendo uma musa Carros inspiram autores do pop-sertanejo. Pág. 17

d

cultura

Divulgação

Entre enseadas e costões, uma pequena e charmosa cidade. Boa Viagem. Pág. 18

Vai festejar a chegada de 2013 em família ou com amigos? Seja qual for a opção, confira nossas sugestões para a ceia e, claro, para o champanhe ou espumante (à esq.). E nada como um feriadão para aproveitar a Cidade, desde o Réveillon na Paulista (com Titãs, Blitz e Daniela Mercury, entre outros) até exposições como a de Beatriz Milhazes, no Sesc Santana, passando pelos especiais da tevê (Show da Virada, Paul McCartney etc.) e pelo cinema (Brichos, acima, fará a alegria da criançada).

Victor Ruuiz Caballero/The New York Times

Pichilemu: tesouro chileno.

HORA DE BRINDAR

ISSN 1679-2688

23779

Arquivo DC

9 771679 268008

DIÁRIO DO COMÉRCIO

2

o

sexta-feira, 28 de dezembro de 2012

Como dizia com bom humor o ex-ministro da Fazenda, Pedro Malan, até o passado no Brasil é incerto. José Márcio Mendonça

pinião

FANTASMAS DO ANO VELHO

EYMAR MASCARO

FHC FAZ CHOVER NA HORTA DO PT

P

residente de honra do partido, Fernando Henrique Cardoso mexeu com os brios da grande imprensa ao cobrar o julgamento do Mensalão do PSDB, que é anterior ao Mensalão do PT, mas que continua engavetado em algum órgão da Justiça. O ex-presidente deve ter ficado incomodado com o silêncio absoluto de jornais, revistas, rádio e televisão, que para o PT parece blindar o partido dos tucanos já de olho nas eleições de 2014. O único órgão de imprensa que cobrou o julgamento do Mensalão do PSDB foi a Carta Capital, revista editada por Mino Carta. O resto ficou na moita. Além do Mensalão tucano não ser agendado para julgamento, o PT lembra que o STF decidiu julgar o Mensalão petista no mesmo período em que os partidos estavam em plena campanha eleitoral. A ideia que se formou no partido é que o objetivo era prejudicar os candidatos petistas, beneficiando assim os candidatos adversários.

JOSÉ MÁRCIO MENDONÇA

A

O SXC

praxe nessa época é saudar o ano que chega – no caso, 2013. Mas quando há certo pessimismo em relação ao futuro imediato, alguns costumam pular os vindouros 365 dias e passar para o ano imediatamente seguinte – 2014. Nas circunstâncias, o mais aconselhável é ficarmos mesmo onde estamos, pois este 2012, para ficarmos na feliz imagem do jornalista Zuenir Ventura em seu extraordinário livro sobre o conturbado 1968; nosso 2012 também é um ano que "ainda não terminou". O calendário da política e da economia não costuma seguir as tradições de contagem gregoriana; têm seu próprio calendário e não derrubam a folhinha velha para inaugurar uma nova antes que todos o passivos sejam resolvidos. E 2012 ainda deixou muitas contas a ajustar para vir a se tornar, como o calendário normal indicaria, um rito de passagem para 2014 e a sucessão presidencial. Como lembrava com bom humor o ex-ministro da Fazenda, Pedro Malan, até o passado no Brasil é incerto. E algum passado ainda assombra as forças governistas, antes que a presidente Dilma Rousseff possa começar a navegar em águas tranquilas, com as quais pretende deixar a oposição (oficial e conhecida) mais quatro anos longe do Palácio do Planalto. O primeiro fantasma é o econômico propriamente dito, o qual tem sido analisado com visão acurada nestas páginas pelo economista Roberto Fendt. É dado como fava contada que 2013 será melhor do que 2012, o que em princípio não chega a ser nenhuma vantagem. A questão é saber o quanto melhor será, para não deixar que não comecem a se deteriorar os principais trunfos do governo – a boa renda dos assalariados e o nível de quase pleno emprego.

vestimento privado não salta, fica só no trampolim. Ainda mais quando o governo, por cima, ainda assusta com seu ativismo.

E

ste fantasma que teima em não se apagar somase outro – no qual o governo não precisaria ter se metido até onde se meteu – mas por seus compromissos anteriores foi forçado a mergulhar. Por muitas ironias da sorte, entre elas o desejo de postergá-las até que ficassem impunes – as estripulias mensaleiras protagonizadas pelos parceiros de Dilma, sob a égide do PT – não só não ficaram definitivamente soterradas, como invadirão o ano que começa na próxima terça-feira e

N

esse ponto Dilma precisa jogar fora os "restos a pagar" transferidos de 2012 (e 2011): a incrível incapacidade executiva, de fazer, de seus ministérios e órgãos correlatos. Sem investimento público adequado, o in-

foi imaginado para que Dilma pudesse mostrar suas credenciais reeleitorais. Pior: o fantasma passa carregado com novas nuvens sobre o Mensalão por meio das revelações (meio chantagem, meio desespero) de Marcos Valério e, agora, com a história da secretária presidencial. A inquietação no território petista e em especial lulista é grande – aliás, nem é mais disfarçada. E isso tende a azedar os dias de Dilma, pois quanto mais o assunto estiver à vista e mais apertar, mais a solidariedade dela e de seu governo será cobrada. É claro que isso mina as forças presidenciais, que deveriam estar concentradas no passivo econômico. E dá uma

O calendário da política e da economia não costuma seguir as tradições de contagem gregoriana. Têm seu próprio calendário e 2012 deixou muitos fantasmas a nos assombrar.

boa arma para a cobrança de outros aliados. Haja vista a fatura que o PMDB anda agitando nos bastidores. Enquanto não soterrar esses ectoplasmas, o ano político de 2013 da presidente Dilma não começará. Principalmente se as ameaças de manifestações públicas e de caravanas política contra o STF e o Ministério Público permanecerem.

Q

uanto à oposição, seu único caminho está definido numa simples e manjada expressão – reiventar-se. O velho discurso com novas tinturas esmaecerá rapidamente. A lição, diga-se, vale também para o situacionismo. A sociedade já disse – na eleição municipal foi o que ficou mais claro – que seu desejo agora, além de transparência e limpeza no trato da coisa pública, é ser melhor atendida, que quer melhores serviços. Coisas nas quais o governo deixa muito a desejar e a oposição não sabe mostrar como fará para atender. Assim, portanto, 2013 já nasce com cheiro de velho. JOSÉ MÁRCIO MENONÇA É JORNALISTA E ANALISTA POLÍTICO

Presidente Rogério Amato Vice-Presidentes Alfredo Cotait Neto Antonio Carlos Pela Carlos Roberto Pinto Monteiro Claudio Vaz Edy Luiz Kogut Érico Sodré Quirino Ferreira Francisco Mesquita Neto João de Almeida Sampaio Filho João de Favari Lincoln da Cunha Pereira Filho Luciano Afif Domingos Luís Eduardo Schoueri Luiz Gonzaga Bertelli Luiz Roberto Gonçalves Nelson Felipe Kheirallah Nilton Molina Paulo Roberto Pisauro Renato Abucham Roberto Faldini Roberto Mateus Ordine

candidato do PSDB à Prefeitura de São Paulo, José Serra, por exemplo, explorou ao máximo o envolvimento dos mensaleiros petistas, mas o eleitor não deu a resposta que os tucanos esperavam nas urnas, talvez por ter lembrado que também o PSDB tinha de dar explicações sobre o seu Mensalão. Se o Mensalão dos tucanos vier a ser julgado, os petistas esperam que o procurador Roberto Gurgel e o ministro Joaquim Barbosa mantenham a mesma desenvoltura e defendam penas duras para os envolvidos, inclusive a de prisão. Entre os principais mensaleiros tucanos aparece o senador Eduardo Azeredo, que foi governador de Minas. Apesar do arrojo de FHC em cobrar o julgamento do Mensalão do seu partido, petistas desconfiam que o expresidente pretenda evitar que a Justiça comece a julgar o caso em data próxima às eleições de 2014. Os tucanos não desejam que os candidatos do PT façam o que eles fizeram, isto é, aproveitar o desgaste que o partido também sofrerá para engrossar

A esperança do PSDB é que o principal operador do Mensalão, Marcos Valério, consiga atingir Lula e, por tabela, Dilma.

Daniel Marenco/Folhapress

FHC: e o Mensalão do PSDB? suas campanhas ao Planalto e aos governos estaduais. A cúpula do PSDB se assustou com o resultado da recente pesquisa Datafolha, apontando que tanto Dilma como Lula venceriam já no 1º turno se a eleição presidencial fosse hoje. Segundo a pesquisa, o virtual candidato do PSDB ao Planalto, Aécio Neves, não teria 20% dos votos, contra mais de 50% dos dois petistas. A esperança do PSDB é que o Ministério Público apure, a fundo, o último depoimento que o principal operador do Mensalão, publicitário Marcos Valério, concedeu, acusando Lula de custear despesas pessoais com dinheiro do próprio Mensalão.

O

s tucanos confiam que Marcos Valério apresentará provas de suas acusações, já que alguns entendem que elas teriam sido feitas pelo publicitário num ato de desespero, na tentativa de diminuir a pena imposta a ele pelo STF de 40 anos de cadeia. Para o PT, Marcos Valério está usando da delação premiada ao envolver Lula no escândalo, mas por ora sua iniciativa não sensibilizou os ministros do STF. O objetivo do PSDB é que Marcos Valério consiga atingir Lula e, por tabela, arranhe também a imagem de Dilma. EYMAR MASCARO É JORNALISTA E COMENTARISTA POLÍTICO MASCARO@BIGHOST.COM.BR

Fundado em 1º de julho de 1924 CONSELHO EDITORIAL Rogério Amato, Guilherme Afif Domingos, João Carlos Maradei, João de Scantimburgo, Marcel Solimeo Diretor-Responsável João de Scantimburgo (jscantimburgo@acsp.com.br) Diretor de Redação Moisés Rabinovici (rabino@acsp.com.br) Edito r-Ch efe : José Guilherme Rodrigues Ferreira (gferreira@dcomercio.com.br) Editor de Reportagem: José Maria dos Santos (josemaria@dcomercio.com.br) Editores Seniores: Bob Jungmann (bob@dcomercio.com.br), Carlos de Oliveira (coliveira@dcomercio.com.br), chicolelis (chicolelis@dcomercio.com.br), José Roberto Nassar (jnassar@dcomercio.com.br), Luciano de Carvalho Paço (luciano@dcomercio.com.br), Luiz Octavio Lima (luiz.octavio@dcomercio.com.br), Luiz Antonio Maciel (maciel@dcomercio.com.br) e Marino Maradei Jr. (marino@dcomercio.com.br) Editor de Fotografia: Alex Ribeiro Editores: Cintia Shimokomaki (cintia@dcomercio.com.br), Fernando Porto (fporto@dcomercio.com.br), Ricardo Ribas (rribas @dcomercio.com.br) e Vilma Pavani (pavani@dcomercio.com.br) Subeditores: Marcus Lopes e Rejane Aguiar Redatores: Adriana David, Eliana Haberli e Evelyn Schulke, Ricardo Osman, Tsuli Narimatsu Repórter Especial: Kleber Gutierrez (kgutierrez@dcomercio.com.br), .Repórteres: André de Almeida, Fátima Lourenço, Guilherme Calderazzo, Ivan Ventura, Karina Lignelli, Kelly Ferreira, Kety Shapazian, Lúcia Helena de Camargo, Mariana Missiaggia, Mário Tonocchi, Paula Cunha, , Rejane Tamoto, Renato Carbonari Ibelli, Rita Alves, Sandra Manfredini, Sílvia Pimentel, Vera Gomes e Wladimir Miranda. Gerente Executiva e de Publicidade Sonia Oliveira (soliveira@acsp.com.br) Gerente de Operações Valter Pereira de Souza (valter.pereira@dcomercio.com.br) Serviços Editoriais Material noticioso fornecido pelas agências Estadão Conteúdo, Folhapress, Efe e Reuters Impressão S.A. O Estado de S. Paulo. Assinaturas Anual - R$ 118,00 Semestral - R$ 59,00 Exemplar atrasado - R$ 1,60

FALE CONOSCO E-mail para Cartas: cartas@dcomercio.com.br E-mail para Pautas: editor@dcomercio.com.br E-mail para Imagens : dcomercio@acsp.com.br E-mail para Assinantes: circulacao@acsp.com.br Publicidade Legal: 3180-3175. Fax 3180-3123 E-mail: legaldc@dcomercio.com.br Publicidade Comercial: 3180-3197, 3180-3983, Fax 3180-3894 Central de Relacionamento e Assinaturas: 3180-3544, 3180-3176 Esta publicação é impressa em papel certificado FSC®, garantia de manejo florestal responsável, pela S.A. O Estado de S. Paulo.

REDAÇÃO, ADMINISTRAÇÃO E PUBLICIDADE Rua Boa Vista, 51, 6º andar CEP 01014-911, São Paulo PABX (011) 3180-3737 REDAÇÃO (011) 3180-3449 FAX (011) 3180-3046, (011) 3180-3983 HOME PAGE http://www.acsp.com.br E-MAIL acsp@acsp.com.br

DIÁRIO DO COMÉRCIO

sexta-feira, 28 de dezembro de 2012

o

pinião

3

LÓGICA REVOLUCIONÁRIA OPERA SEMPRE COM DOIS OBJETIVOS SIMULTÂNEOS E ANTAGÔNICOS.

A

E

ntre o problema apontado e a solução proposta há sempre um "non sequitur", um hiato lógico, camuflado sob forte apelo emocional. Mas entre os meios adotados e o objetivo verdadeiro a conexão é sempre de uma lógica perfeita, inexorável. O problema sai intacto ou agravado. O movimento revolucionário sai fortalecido. Em seu já clássico The Vision of the Annointed (New York, Basic Books, 1995), Thomas Sowell fornece, entre outros exemplos, o da educação sexual, proposta nos anos 60 como remédio infalível contra a proliferação dos casos de gravidez e de doenças venéreas entre meninas de escola. Contra a advertência óbvia de que quanto mais ouvissem falar de sexo mais as garotas se interessariam em praticá-

impondo quase que automaticamente a maior intervenção do Estado na economia. O resultado foi atingido em 2008, favorecendo a eleição de Barack Hussein Obama, o qual, não por coincidência, tivera como seu único emprego na vida o de "organizador comunitário" incumbido de por em ação… a estratégia Cloward-Piven.

M

SXC

técnica da “solução agravante”, que já mencionei em artigo anterior, é uma das constantes históricas mais salientes do movimento revolucionário. Os casos são tantos e tão evidentes que chega a ser espantosa a ingenuidade com que liberais e conservadores continuam discutindo (e não raro aceitando) as propostas sociais esquerdistas pelo sentido literal dos seus objetivos proclamados, sem atinar com o astuto mecanismo gerador de crises que elas sempre trazem embutido. A dificuldade, nesse caso, vem do descompasso entre a mentalidade científico-positivista dominante na prática do capitalismo e a visão histórico-dialética que orienta o movimento revolucionário. Aquela segue uma lógica linear em que, definido um objetivo, os meios se encadeiam racionalmente para produzir um efeito que, uma vez alcançado, pode ser medido e avaliado objetivamente em termos de sucesso ou fracasso. A lógica revolucionária opera sempre com dois objetivos simultâneos e antagônicos, um declarado e provisório, o outro implícito e constante. O primeiro é a solução de algum problema social ou de alguma crise. O segundo é a desorganização sistemática da sociedade e o aumento do poder do grupo revolucionário.

Pensando como os revolucionários lo, a medida foi adotada em metade das escolas americanas. Resultado: a incidência de doenças venéreas entre as estudantes aumentou em 350% em quinze anos, e os casos de gravidez passaram de 68 por mil em 1970 para 96 por mil em 1985, enquanto o número de abortos ultrapassava o de nascimentos. Diante do fato consumado, os promotores da ideia genial passaram à etapa seguinte: promover o livre acesso às clínicas de aborto para as menores de idade. Outro exemplo, mais claro ainda – que não está no livro –, é a conhecida estratégia Cloward-Piven . Concebida

OLAVO DE CARVALHO por dois discípulos do revolucionário profissional Saul Alinsky, Richard A. Cloward e Frances Fox Piven, seu objetivo nominal era "acabar com a pobreza". O verdadeiro objetivo só transparecia obscuramente na exposição dos meios. "Se esta estratégia for implementada – prometiam os autores –, o resultado será

uma crise política que poderá levar a uma legislação que garanta uma renda anual e portanto acabe com a pobreza." O plano não explicava como extrair da tal crise a legislação pretendida, nem de onde proviriam os recursos para garantir a cada cidadão americano uma renda anual; detalhava apenas os meios de produzir a

crise (subentendendo, sem a mais mínima razão, que esta geraria por si o fim da pobreza). Esses meios consistiam em recrutar o maior número de pessoas e convencê-las a exigir da Previdência Social todos os benefícios a que legalmente tinham direito, quer precisassem deles ou não. É evidente que nenhum sistema de previdência social do mundo tem meios de fornecer todos os benefícios a todo mundo ao mesmo tempo. Em suma: não se tratava de eliminar a pobreza, mas de quebrar a Previdência e, junto com ela, os bancos, espalhando a pobreza em vez de eliminá-la e

as o exemplo mais lindo de todos é a política do mesmo Barack Hussein Obama no Oriente Médio. Objetivo nominal: implantar a democracia moderna nos países islâmicos. Meio adotado: espalhar dinheiro e armas entre os movimentos de resistência às ditaduras locais, fingindo ignorar que esses movimentos são orientados principalmente pela Fraternidade Muçulmana e estão repletos de agentes da AlQaeda. Resultado obtido: elevar ao poder a Fraternidade Muçulmana, trocando ditaduras pró-americanas ou neutras por ditaduras fundamentalistas islâmicas ferozmente anti-americanas. Passagem à etapa seguinte: campanhas de propaganda destinadas a intimidar os americanos para que não digam uma palavra contra o Islã. Nesses casos e numa infinidade de outros, os críticos liberais e conservadores falam de "fracasso" das políticas adotadas, fazendo de conta que os objetivos dos revolucionários são os mesmos deles próprios e recusando-se a enxergar o cálculo subjacente planejado para fazer de cada um desses fracassos da nação ou da sociedade um sucesso espetacular do movimento revolucionário. Se o leitor entendeu como a coisa funciona, sugiro-lhe agora um exercício: a esquerda americana, aproveitandose do impacto da tragédia de Sandy Hook, está clamando por maior controle governamental das armas em poder dos civis. Objetivo nominal: prevenir novas matanças de inocentes. De quanto tempo você precisa para descobrir qual será o resultado efetivo? OLAVO DE CARVALHO É ENSAÍSTA, JORNALISTA E PROFESSOR DE FILOSOFIA

FELIZ PIBÃO NOVO (RSRSRS) Wilson Dias/ABr

A

Mãe de Todos os Postes falou grosso: "Quero um Pibão Grandão" e fez com as mãos separadas a boa distância uma da outra, um gesto de imediata compreensão, que ganhou as manchetes com a representação visual do "Pibão Grandão". Mentes sujas estão a parlare sottovoce que existem uns Pibs bem dotados, enormes, mas "Pibão Grandão" como o sinalizado na foto, não é registrado nem entre povos africanos, objetos de lendas urbanas a respeito do tema, que nem te conto. Marshall McLuhan disse que: "O meio é a mensagem". A foto era a mensagem e nem cabia no meio. "Uma imagem vale por mil palavras", afirma-se; interpretações malignas valem por um milhão, acrescento. Ao ouvir a Voz da Patroa e sua exigência exigentíssima da dimensão na aparência inalcançável, o Manteigo Rançoso, detto o Margarino, pavloviamente puxou o cordão dos puxa. Poxa, puxa o que, sendo a Patroa supostamente desprovida de equipamento puxativo ? O Rançoso puxa o que quer que encontre pela frente: o Pibão Grandalhão será alcançado pra satisfazer a realização do sonho da

Patroa, cujo nem 150 tons de cinza conseguiriam. O que é de gosto regala a vida. Pediu auxílio a Allah U Akbar, Elohim Gadol (Deus é grande, em árabe e hebraico, pois não se pode imprimir o nome de Jeová na língua santa), e Dio Santo, mas não o atenderam; sábios, desconfiaram das intenções. Os brimos Allah U Akbar e Elohim Gadol têm as agendas lotadas de inadiáveis compromissos em Gaza ; Dio Santo não tem tempo nem pra se coçar, com esses Maias (o Marcos principalmente) lotando as igrejas de fiéis com orações, promessas e velas. Até São Google e os Orixás e Edir Macedo foram invocados. A Patroa, na ausência do poderoso Patrão, deixa-se tomar pela ambicionada figura de Poderosa Chefona Dona Vita Corleona. Apropria-se da cadeirona e da faixa que finge serem suas e recebe o beija-mão dos devedores do il vero Padrone. Qual o que, o Poderoso Patrão nunca deixa de reaparecer, rescendendo a L´Aqua de Rose by Versace; pra mim Versace é da famiglia. A Patroa acorda do sonho de Cinderela e recolhe-se de volta ao seu lugar de fato, o de Mãe de Todos os Postes e Patroa dos Margarinos e

A presidente Dilma Roussef, no discurso em que pediu "um Pibão" terceirizados. Não dos mensaleiros – não tem cacife nem pra confortá-los da iminência da cana. O Manteigo Rançoso, de pouca ou nenhuma utilidade, sempre deixa preso um rabo nas coisas que diz que faz mas não faz. No começo de 2012, na certeza de que o mundo acabaria e não haveria ninguém para cobrálo, nem à Patroa, ocupada a treinar pra dizer "Feliz Pibão Novo brasileiras e brasileiros”, sem errar três das seis complicadas palavras, chutou um inesperaddo Pib de 4%. Para surpresa apenas dele e da Patroa , todo mundo, a torcida do Flamengo e até o Patrão, sabiam o que aconteceria –2012 acabou de acabar, mas o mundo continua

aí, com seus mais de 7 bilhões de predadores perigosíssimos em ação. Manteigo Rançoso ateou fogo às vestes quando viu o Pibinho de 1% lá no fundão do poço, ao lado do Kassab. Seus dois neurônios tentaram margarinar a tratantada: "Ninguém pode me vaiar por ser otimista", desculpou-se. Se chutar o pênalti no pau da bandeirinha de escanteio, leva vaia. Como levou.

A

Patroa solta o tiro de canhão: "Estamos no caminho certo, em 2013 o Pibão vai ser deeeste tamanhão". (Pum !) O gráfico do Pibinho de 1% parece o eletrocardiograma de um coração a ponto de estourar, nem epinefrina dá jeito.( Aprendi "epinefrina"

na série House). Se o Pibinho de 1% subir para 2%, o aumento será de 100%, um ano antes da eleição de 2014. Pode não ser o Pibão apetecido pela Patroa, mas é maior do que o do Haiti, embora a população afradescendenta seja supostamente dotada por DNA de um Pibão daqueles. Em novo setor da economia, registra-se um Pibão nunca antes visto neste país, de tamanhão próximo dos sonhos mais extravagantes da Patroa. Somos Primeiro Lugar, Medalha de Ouro, como ponto de passagem das drogas consumidas no mundo e Segundo, Medalha de Prata, como Ponto de Consumo de Crack e Cocaína. Os mercadejadores dão aulas de prática comercial à cumpanherada enquistada no Ministério da Fazenda, BNDES, Banco do Brasil, Caixa Econômica Federal, Petrobrás e Fundos de Pensões das Estatais, para citar uns poucos valhacoutos. O Patrão da Patroa não entende, como declarou, "porque o Pibinho foi lá pra baixo". Talvez porque as obras do Rosegate tenham sido superfaturadas, estouraram o orçamento e exijam do Patrão mais tempo do que o programado. Teremos o "Pibão deeeeste

NEIL pibinho FERREIRA tamanhão", como invocado ao Gênio da Lâmpada Mágica pela Patroa (reveja mentalmente a foto) ? Acho que vai dar apagão nessa lâmpada aí. PS 1: A Pensão da Mãe Joana paga uma fortuna aos pensionistas ex-Ministros e Deputados Federais, como prêmio pelos (des)serviços prestados ao País. Os aposentados, que trabalharam a vida inteira, continuam pedindo esmolas. PS 2: Que o povo unido proteja o Ministro Fux das armadilhas lulopetistas. Gilberto Carvalho já abriu o “fogo amigo”.(NF). Pibão Grandão? Tá me gozando ? NEIL FERREIRA É PUBLICITÁRIO

DIÁRIO DO COMÉRCIO

4

GibaUm

3 Dona

Canô, mãe de Caetano e Bethânia, sem papel na vida pública, era conhecida e amada em todo o país.

gibaum@gibaum.com.br

k “Casamento é coisa do passado. Casar é amar, viver a vida, mas cada um na sua casa.”

NARCIZA TAMBORINDEGUY // que volta em Mulheres Ricas, que já foi casada e namora o jornalista Guilherme Fiúza.

Fotos: Enrique Badulescu

Perdeu a chance A decisão de Joaquim Barbosa, presidente do Supremo, de só cuidar da prisão dos mensaleiros , depois do transito em julgado, tirou de Marco Maia (PT-SP), ainda presidente da Câmara Federal, a chance de abrigar os condenados na Casa, conforme chegou a anunciar. Aos amigos, Maia chegou a confessar que já imaginava a cena: ele, de peito estufado, na porta da Câmara, impedindo que qualquer força entrasse lá para buscar os condenados. Achava que seria noticia em todos os jornais do mundo – certamente, pelo inusitado. Ficou só na vontade. 333

ADOTADA 333 Há cinco anos, Daniela Mercury anima o réveillon da Avenida Paulista, para o qual estão sendo esperadas mais de dois milhões de pessoas. Ela é a principal atração da festa da virada: o palco tem mil metros quadrados, mais telão de LED no formato de coração e iluminação com 700 mil watts de potencia. Além de Daniela (ela repete que se sente “orgulhosa por ter sido adotada por São Paulo”), também participam da animação Fernando e Sorocaba, Tiê, Blitz, Titãs e os DJs Mau Mau e Zé Pedro.

A top brasileira Izabel Goulart, 28 anos, orgulho da cidade de São Carlos, interior paulista, onde nasceu, está dividindo com a russa Irina Shayk, o novo catálogo da grife colombiana Água Bendita (coleção primavera/verão 2013 swimwear). Cores vivas, cortes sensuais e até babados nas fotos feitas por Enrique Badulescu numa praia perto de Puerto Escondido, no México. A Men´s Fitness acaba de dar a Izabel o décimo lugar na lista das mais insinuantes angels da Victoria’s Secret de todos os tempos. Agora, depois de coordenar o concurso Garota Fantástico, Izabel – quem diria – quer tentar carreira na televisão. 333

Na água bendita

Rosemary Noronha, já medicada, não exibe mais o ar de desespero, dos primeiros dias depois da Operação Porto Seguro e Paulo Okamoto, do Instituto Lula e amigo pessoal do ex-presidente, trata de monitorá-la. Rose, agora, está preocupada com a delação premiada que seu amigo Paulo Vieira está disposto a fazer. Seu Natal não foi tão magro: foi afastada do cargo do Gabinete da Presidência em São Paulo, mas recebeu o salário de R$ 11 mil, mais gratificação de R$ 15 mil e demais vantagens. Rose não pode sair de São Paulo sem permissão da Polícia Federal e é capaz de ir espiar os fogos na Avenida Paulista. 333

Rose na Paulista

Fim de linha Chega ao fim o casamento de quatro anos (eles se conhecem há quinze anos) de Cléo Pires, 30 anos, com o publicitário João Vicente de Castro, 29 anos. Há pouco tempo, eles tiveram uma discussão publica por causa de um vestido generoso dela, que culminou com a atriz dando meia volta e retornando à sua casa.

333

Sob proteção Embora o procurador-geral da República, Roberto Gurgel, só pedirá nova investigação baseada no depoimento de Marcos Valério, ele tem dito que, determinada a prisão dos envolvidos no mensalão , poderá pedir inclusão do publicitário no programa de proteção a testemunhas, mesmo na cadeia. Ele teme ser assassinado. Por outro lado, advogados dos outros condenados, esgotados os recursos, igualmente estão se preparando para pedir providencias especiais para seus clientes quando cumprindo pena. Temem que eles sejam chantageados e intimidados por outros detentos, especialmente integrantes de organizadas facções.

sexta-feira, 28 de dezembro de 2012

3 MAIS: e deu aos filhos e aos brasileiros preciosos e simples ensinamentos. Um deles: "Viver é bom, mas saber viver é bem melhor."

E-mails fantasmas 333 Até mesmo colegas do delegado Roberto Troncon não entendem como a Operação Porto Seguro não encontrou nem mesmo um e-mail entre Lula e Rosemary Noronha. Na busca e apreensão, a Polícia Federal teria localizado mais de dez mil e-mails trocados por Rose com integrantes do PT, inclusive o ex-presidente, a partir de 2003, quando Lula acabara de assumir a Presidência. No relatório final, nem na denúncia do Ministério Público, não consta nenhum email entre ele e ela.

CONVOCANDO 333 Aproveitando o descanso de Dilma Rousseff na Base Naval de Aratu, também o secretário-geral da Presidência, Gilberto Carvalho, resolveu descansar, nesses dias, com a família, em Paraty. Quando encontrava algum petista entusiasmadoporlá,contudo, não se continha e avisava que, em fevereiro, o PT planeja fazer uma super-manifestação (quer reunir 150 mil pessoas) para defender os mensaleiros condenados.

MISTURA FINA VIDA de filho de bilionário é assim mesmo: Olin, filho caçula de Eike Batista, também anda atacando de DJ, foi convidado a não freqüentar mais seu colégio, esnoba bailes de debutantes e, aos 17 anos, circula pela noite com a panicat Babi Rossi, 22 anos. Já sabe muito e o que não sabe, ela ensina. No almoço de Natal, Olin levou Babi para conhecer seus pais. 333

EM FÉRIAS no Supremo, o ministro Joaquim Barbosa foi ao cinema, no último fim de semana, em Brasília (sozinho e sem seguranças), assistir o filme A Negociação, com Richard Gere e Susan Sarandon. É a história de um magnata que protege sua imagem escondendo sua responsabilidade em um crime. Detalhe: Susan é uma das atrizes favoritas de Barbosa, ao lado de Meryl Streep.

333

333

333 Não há nenhuma possibilidade de Graça Foster, presidente da Petrobras, assumir o Ministério de Minas e Energia, hoje comandado por Edison Lobão. Essa era uma alternativa pensada pela presidente Dilma Rousseff, caso Lobão enfrentasse novos problemas de saúde ou decidisse começar cedo sua campanha ao governo do Maranhão em 2014. Graça alega que “ainda tem muita coisa para acertar na Petrobras”, onde quer todo mundo trabalhando: tanto que marcou uma reunião com diretores da estatal e presidentes de subsidiarias para o dia 2 de janeiro, às 9 horas.

333 A revista Playboy está avisando que Catarina Migliorini (esquerda), capa de janeiro, que leiloou sua virgindade por R$ 1,6 milhão (ainda não foi consumado o ato, num avião) não é a primeira virgem a aparecer na publicação. Em 1987, quando tinha 17 anos (era emancipada), paquita e virgem, Luciana Vendramini, hoje com 42 anos, também debutou na revista (voltou depois em 2003). Luciana, agora, gravou um piloto sobre sexo que está oferecendo a TV fechada e lançou um site chamado Pau pra qualquer obra, que tem de tudo um pouco do que o nome sugere.

Uma e outra

Dedos cruzados 333 Nos últimos dias do ano, depois que a presidente Dilma Rousseff vaticinou um pibão grandão para 2013, o ministro Guido Mantega mantinha a aposta de 4% de expansão para o próximo ano. Numa roda com poucos empresários, quando fazia sua nova profecia para o ano que vem, dois que estavam lá juram que viram Mantega cruzar o dedo indicador com o médio.

h

NO CARGO

333 NESTE VERÃO, o Rio espera receber cerca de 3,2 milhões de turistas, que deverão injetar na cidade US$ 2,6 bilhões. No verão passado, movimentaram US$ 2,2 bilhões.

h IN

Short de alfaiataria.

OUT

Bermuda estampadona.

Panela de pressão As criticas ao Judiciário, feitas em artigo no Consultor Jurídico , pelo advogado e exministro da Justiça, Márcio Thomaz Bastos, serviu para que defensores de alguns condenados o apoiassem e manifestassem posições semelhantes. Outros juristas, reservadamente, têm dito coisas parecidas, mas só falarão quando o julgamento do mensalão tiver rolado na poeira do tempo. Não querem ter suas palavras confundidas com a defesa dos condenados. E outros tantos acham que Márcio exagerou, ainda mais quando citou “o clamor da opinião publica como efeito perverso para a defesa da liberdade”. 333

333 EM NOVEMBRO do ano que vem, a ex-secretária americana de Estado Condoleezza Rice, estará tocando piano em São Paulo na peça Concerto para Piano e Orquestra, de Schumann, numa apresentação especial agendada pelo maestro João Carlos Martins. Em dezembro de 2013, João Carlos dirigirá o concerto Back to Bach, no Metropoliitam de Nova York, tendo como solista o flautista inglês William Bennett.

333 NA COLUNA de ontem, erro de edição saiu grafado de maneira incorreta o nome de Stevie Wonder, pelo qual nos desculpamos.

A SENADORA Kátia Abreu (PSD-TOC), que mantém excelentes relações com a presidente Dilma Rousseff, na mensagem de final de ano, na condição de presidente da Confederação Nacional da Agricultura, mandou transcrever trecho do Salmo 65: “Por onde passas, há fartura...Tudo grita e canta de alegria”. Refere-se ao Senhor – e não a Chefe do Governo, como insinuaram os mais irônicos.

333

Colaboração: Paula Rodrigues / A.Favero

CHARGE DO DIA

p

DIÁRIO DO COMÉRCIO

sexta-feira, 28 de dezembro de 2012

5 DIPLOMACIA Dilma evita confronto com Congresso por não votar orçamento

olítica

TRENÓ E diz que preferia ser uma anã ou uma elfa do que rena de Papai Noel

Governo 'concordou' com orçamento Em entrevista de fim de ano, Dilma prefere não entrar em colisão com o Congresso pelo atraso na votação e diz que investimentos estarão assegurados em 2013. Uéslei Marcelino/Reuters

A

Fim de ano: com jornalistas, Dilma fala sobre orçamento, gestão, PT, eleição...

presidente Dilma Rousseff evitou criticar o Congresso pelo atraso na votação do orçamento de 2013 e avisou que uma Medida Provisória irá garantir os investimentos no início do ano. Dilma disse que o governo "concordou" que a aprovação ocorresse somente em fevereiro, após a eleição das presidências da Câmara e do Senado. Ela acrescentou que isso não representa crise com o Legislativo em encontro com jornalistas. Para Dilma, "o objetivo do governo é iniciar o ano de 2013 mantendo um elevado nível de investimento". E completou: "Por isso, estou anunciando a edição de uma Medida Provisória estabelecendo um terço do orçamento já aprovado em investimento". A presidente classificou como "muito grave" a possibilidade de derrubada de vetos que remontam ao governo

O objetivo do governo é iniciar 2013 mantendo um elevado nível de investimento. Por isso estou anunciando uma MP. PRESIDENTE DILMA.

Se o Congresso discorda de mim é crise? Isso é da vida, é da regra do jogo. Afinal, estamos em uma democracia. IDEM

Crescimento fraco é entrave para reeleição Essa é a avaliação de especialistas, considerando que hoje o cenário é bem diferente do que havia em 2010, quando Dilma foi eleita.

A

presidente Dilma Rousseff terá dificuldade de tirar proveito eleitoral do desempenho da economia caso tente a reeleição em 2014. Na avaliação de analistas políticos e econômicos, ela enfrentará um cenário de crescimento do País bem diferente ao de 2010, quando foi eleita. Após alta de mais de 5% no Produto Interno Bruto (PIB) em três dos quatro anos do segundo mandato do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, com pico de 7,5% no ano da eleição de Dilma, o indicador avançou 2,7% em 2011, no primeiro ano do seu governo. O PIB deve crescer menos de 1,5% em 2012 e, dificilmente, atingirá a meta do governo em 2013, de alta de 4% a 4,5%. O mercado já estima um crescimento em torno de 3%. "O cenário econômico não vai ajudar a eleição de 2014, como ajudou em 2010, ano que foi muito forte em renda e trabalho. O crescimento ficará menor que o projetado e a presidente será refém da própria estratégia de gestão ancorada no PIB", acredita Rafael Cortez, cientista político da Tendências Consultoria Integrada. "Mas a expectativa é que Dilma ainda chegue competitiva na disputa, pois não

deverá ter uma popularidade baixa e o mercado de trabalho e o crescimento da renda certamente darão fôlego a ela". Analistas engrossam a avaliação de Cortez e apostam que o trunfo eleitoral da presidente para 2014 deve ser a manutenção do cenário de

pleno emprego, de aumento na renda do trabalhador, bem como de uma inflação controlada – desde que os indicadores não sejam contaminados pelo baixo crescimento do PIB. "Mas a economia dá sinais de fraqueza, de falta de vigor, com problemas sérios. Se co-

meçar a gerar desemprego e atingir a renda, em 2014 a oposição vai ser forte", alerta Humberto Dantas, cientista política e professor do Insper . A oposição já se movimenta e, "animada" com o crescimento econômico menor, deve incorporar as críticas à eco-

'Rena do nariz vermelho' reage à sátira com humor

A

presidente Dilma Rousseff reagiu com bom humor à sátira do jornal britânico Financial Times, que fez piada com a situação econômica do Brasil e comparou a brasileira à rena do nariz vermelho. Estrelando o bate-boca com o próprio Papai Noel, Dilma é caracterizada no conto como a rena do nariz vermelho, e o ministro Guido Mantega (Fazenda), como "Guido, o Elfo vidente". Ontem, no final do café da manhã com jornalistas, Dilma disse que achou estranho ela ser a rena porque não existe esse animal no Brasil. Segundo a presiden-

te, ela preferia ser um "anão" ou uma "elfa" que ajuda o Papai Noel. Minutos depois, retomou o tema. "A rena é bem engraçadinha, não se incomodem com isso", disse. No conto, o Papai Noel afirma que os personagens deste Natal são os mesmos de 2011, exceto pela mudança do representante da América Latina – sai Dilma e entra Enrique Peña Nieto, novo presidente do México – e pelo novo líder chinês Xi Jinping. "Você não pode me rebaixar!", protestou Dilma, na sátira britânica. Questionada se é o México quem vai puxar o trenó do

crescimento, a presidente responde: "Vai querendo". Mantega – A demissão do ministro Guido Mantega (Fazenda), que já havia sugerida pela revista britânica The Economist é novamente tratada no conto. Na sátira, Dilma pergunta: "Por que meus chifres não crescem mais rapidamente?". Nesse momento, entra Mantega, garantindo que eles crescerão um metro em 2013. Depois de ouvir a explicação, a rena diz: "Oh, Guido, por que será que eu não te demito?". Ontem, Dilma reafirmou que não vai demitir o ministro. (Folhapress)

nomia na campanha de 2014. Durante seminário para prefeitos tucanos em Brasília, no início de dezembro, o senador Tasso Jereissati (PSDB-CE) defendeu o termo "PIBmeu", uma junção de PIB com pigmeu, para definir a economia. Na avaliação de Dantas, que fez palestra no evento tucano, "ficou claro que o PSDB compreendeu que o discurso econômico tem impacto e, por isso, vai usá-lo para tentar derrotar o PT em 2014. É a mesma fórmula usada pelo PT para derrotar o PSDB em 2002", disse. Mas, segundo ele, se o emprego continuar forte e o cidadão mantiver a renda, Dilma segue com vantagem. Cortez, da Tendências, cita ainda o surgimento de précandidatos a presidente dentro da base aliada, como o governador de Pernambuco, Eduardo Campos (PSB). "A base aliada dá sinais de desgaste e o destaque maior é o Eduardo Campos", avaliou. Para o ex-ministro da Fazenda e sócio da Tendências, Mailson da Nóbrega, porém, o tripé emprego-renda-inflação ainda deve sustentar o favoritismo de Dilma em 2014. "A presidente é candidata e séria favorita à reeleição", opina. (Estadão Conteúdo)

Fernando Henrique Cardoso. "Nos cabe preservar o erário público", desabafou, avisando que a derrubada desses vetos pode ter grande impacto nas contas públicas. A presidente disse que grande parte dos 3 mil vetos é sobre gastos e por isso é necessário que a análise seja feita com cuidado. "Peço atitude ponderada, porque é muito grave derrubar vetos de 12 anos", ressaltou. "A posição é de cautela, mas não nos cabe definir". Ao tentar minimizar a possibilidade de estar enfrentando problemas de relacionamento com o Legislativo, a presidente Dilma questionou: "Por quê? Se o Congresso discorda de mim é crise? Isso é da vida, é da regra do jogo. Afinal, estamos em uma democracia", afirmou. A presidente comentou ainda que "seria estranho" dizer que os parlamentares teriam de aprovar tudo o que é enviado. E argumentou que não tem visto grande problemas, "perdendo ou ganhando". "Se conseguir persuadir, ótimo. Se não conseguir, não é crise. É inexorável para um presidente perder votações, é natural", declarou. Sem querer criticar os demais poderes – que querem reajustes para seu funcionalismo maiores do que os 15% em três anos, conforme concedido ao Executivo –, a presidente condenou diferenciações alegando que "todos são iguais perante a lei". Para ela, todos têm direitos a aumentos, mas desconversou sobre a polêmica, dizendo que não analisou a peça orçamentária. Sobre a derrubada dos vetos ao projeto sobre os royalties do petróleo, ela lembrou que a posição dela "é muito clara". Avisou que é contra a revisão de termos sobre contratos já assinados, justificando os motivos que a levaram a vetar o texto. "PT não é perfeito" – Apesar de não comentar sobre o julgamento no Supremo Tribunal Federal que condenou petistas por envolvimento no esquema do Mensalão, a presidente Dilma disse que o PT "não é perfeito". "Acho que o PT é um dos grandes produtos da democratização do Brasil e, como qualquer obra humana, não é perfeito". Filiada desde 2001, Dilma ressaltou que o Brasil "deve muito a tudo o que o PT fez". Mas ao perceber que poderia provocar ciúme na base aliada, logo se corrigiu. "Isso não é uma avaliação de que só o PT existe. Ele não vive sem os demais partidos", observou. Quando os repórteres insistiram para que ela comentasse o veredicto do Supremo sobre os réus petistas do mensalão, Dilma novamente se esquivou. "Eu posso concordar ou discordar, mas não me manifesto. Isso não contribui para a governabilidade", respondeu, lembrando que o respeito aos três poderes da é a "pedra basilar" da democracia. Reeleição – A presidente evitou dar qualquer sinalização em relação ao seu futuro político em 2014, sob a alegação de que o momento atual é de se concentrar nas ações da sua administração, mantendo o vigor do primeiro dia de governo. "Não respondo isso nem amarrada", disse, rindo, ao ser questionada se será candidata à reeleição. (E st adão Conteúdo) Mais sobre orçamento na página 6.

p

DIÁRIO DO COMÉRCIO

6

sexta-feira, 28 de dezembro de 2012

Sou engenheira, não advogada, não tenho condições aqui de fazer uma tese jurídica. Ministra Miriam Belchior (Planejamento)

olítica

Marcello Casal Jr/ABr

Após adiamento, governo vai injetar R$ 42,5 bi. Ministra anuncia MP que garante continuidade de projetos no orçamento deste ano

C Miriam Belchior: "Pegamos um 1/3 dos investimento de todos os Poderes e isso dá R$ 41,8 bilhões".

'Se disserem que é raio, gargalhem', diz Dilma. Presidente afirma que apagões não são falhas da natureza, e sim humanas.

N

em raios nem falta de investimento. Para a presidente Dilma Rousseff, os apagões que têm deixado diferentes estados às escuras por horas são resultado de "falha humana". Ela admite ainda que, apesar dos investimentos em produção e transmissão, houve uma redução nos gastos com manutenção. "O dia em que falarem para vocês que é raio, gargalhem. Cai raio todo dia nesse País. Raio não pode desligar o sistema. Se desligou, é falha humana", disse a presidente na manhã de ontem durante café da manhã com jornalistas no Palácio do Planalto. Ao criticar os raios como desculpas para apagões, Dilma rebate as afirmações de Hermes Chipp, diretor-geral do ONS (Operador Nacional do Sistema), e do próprio secretário de Energia Elétrica do Ministério de Minas e Energia, Ildo Grüdtner. Ambos disseram que raios podem ter causados apagões recentes. Em tom quase professoral, ela mostrou mapas com distribuição de raios nos últimos dias. "Não é sério dizer que a culpa é do raio. Teve falha humana", disse a presidente, lembrando que "raio é derivado de chuva, que é crucial para o sistema funcionar". Ridículo – Para Dilma é "ridículo dizer que haverá racionamento de energia" no Brasil. Mas afirmou que há cerca de 3.000 quedas de energia por ano que as pessoas nem ficam sabendo e admitiu que, com o tempo, o sistema fica cada vez mais sujeito a estresse.

Sobre o apagão que deixou o aeroporto do Galeão, no Rio, às escuras 10 minutos, Dilma disse que a falha é "humana" porque todo o sistema elétrico precisa ser trocado. Quanto à pane no ar condicionado do aeroporto Santos Dumont, a presidente afirmou que houve uma sobrecarga: "Tem que antecipar e planejar". Ela admitiu que nos últimos anos houve redução dos investimentos manutenção, apesar do crescimento em transmissão e produção. Ale-

O dia em que falarem que é raio, gargalhem. Cai raio todo dia. Raio não pode desligar o sistema. Se desligou, é falha humana. DILMA ROUSSEFF gou que a questão não é política, mas de regulamentação do setor. Segundo a presidente, no País, aeroporto regional "só é viável" com "subsídio". Juros e câmbio – A presidente não quis falar sobre tendência de juros e câmbio. Segundo ela, sobre esses dois temas quem fala é o Banco Central. Disse, porém, que na macroeconomia é preciso ter "muita cautela, muito cuidado" e evitar "aventureirismos". Reforma tributária – "Não vou chamar de reforma, porque sempre que tentamos uma reforma não conseguimos um consenso", disse a

presidente sobre a decisão de fazer mudanças pontuais no sistema tributário, que ela disse continuará fazendo. "É mais fácil caminhar gradualmente do que fazê-la abruptamente", acrescentou. Segundo ela, o Brasil precisa de uma estrutura tributária mais racional. Destacou as desonerações da folha de pagamento que seu governo começou a implementar neste ano. "Era um fator estranho no Brasil, tributávamos quem mais emprega, não é sustentável". E disse que o processo de desoneração da folha, no início, foi lento. Motivo: "Por dependermos das opções dos empresários, mas está sendo crescente e, agora, quase todos setores querem". Educa ção– Dilma voltou a por como prioridade o investimento na educação. Segundo ela, o País só vai ter crescimento sustentável se aumentar investimento no setor, o que também ajuda a combater a pobreza extrema. "Criança só sai da extrema pobreza se tiver acesso à educação". Foi por isso, disse, que determinou – na MP sobre royalties enviada ao Congresso logo depois do veto na distribuição destes recursos – que essa receita vá para a educação. Interferência – Questionada sobre reclamações de investidores sobre o intervencionismo do governo na economia, defendeu-se: "Eu interferi sim, briguei para financiamentos de 20, 30 anos". Segundo ela, sem investimentos de longo prazo, não há como ter retorno. (Folhapress)

Deputado renuncia, Genoino assume.

O

deputado Carlinhos Almeida (PT-SP) apresentou ontem carta de renúncia ao mandato, abrindo caminho para a posse, na próxima semana, do suplente José Genoino. Ex-presidente do PT e exdeputado federal, Genoino (PT-SP) foi condenado pelo Supremo Tribunal Federal (STF) no julgamento do Mensalão por corrupção ativa e formação de quadrilha com pena de 6 anos e 11 meses, em regime semiaberto. Ele engrossará o grupo dos deputados condenados no julgamento: Valdemar Costa Neto (PR-SP), João Paulo Cunha (PT-SP) e Pedro Henry (PP-MT). Carlinhos Almeida assumirá no dia 1º de janeiro de 2013, data a partir da qual valerá a sua renúncia conforme explicitou no documento enviado à Câmara, o mandato de prefeito de São José dos Campos. Assim como Almeida, outros 25 deputados que foram eleitos prefeitos nas eleições de outubro passado entregaram

carta de renúncia na secretaria da Câmara. Alguns parlamentares anteciparam a data, mas 15 deles consideraram o dia 1º para o afastamento definitivo. Genoino ocupará a vaga de suplente na coligação do PT. A renúncia de Almeida efetivará como titular o deputado

Vanderlei Siraque (PT-SP), que exerce o mandato como suplente, e assim libera uma vaga para a coligação. Genoino terá de deixar a vaga se o ministro do Esporte, Aldo Rebelo (PCdoB-SP), um dos titulares da bancada de SP retomar o mandato. (Estadão Conteúdo)

om o adiamento da v o t a ç ã o d o O r ç amento de 2013, por parte do Congresso, a ministra Miriam Belchior (Planejamento) anunciou ontem a publicação de uma MP (Medida Provisória) que prevê a liberação de crédito extraordinário de R$ 42,5 bilhões. Segundo Belchior, a MP deve ser publicada com cerca de 800 páginas, em sessão extraordinária hoje. A proposta será dividida em duas partes. A primeira prevê o crédito extraordinário de R$ 700 milhões destinados aos 18 projetos de lei com créditos suplementares que deixaram de ser votados pelos parlamentares referentes ao ano de 2012. A segunda parte trata dos investimentos do governo federal. "Pegamos um terço de toda dotação de investimento de todos os Poderes e isso corresponde a R$ 41,8 bilhões", afirmou a ministra. "Uma parte do resto a pagar teria condição para dar conta desse período. No entanto, para um conjunto grande de dotações não existe restos a pagar suficientes". Segundo cálculos da ministra, os créditos extras têm como objetivo assegurar a execução de investimentos em obras de infraestrutura como rodovias, aeroportos e portos. Quanto às rodovias o objetivo

é concluir a construção e readequação de trechos da BR101, no Espírito Santo, a BR156 no Amapá, além da BR285 e BR-386, no RS. No campo econômico e social, a MP deve assegurar recursos para obras de drenagem e pavimentação, subvenção econômica a 10 mil produtores, construção de

700 milhões serão destinados aos 18 projetos de lei com créditos suplementares que deixaram de ser votados em 2012. barragens subterrâneas e disseminação de tecnologias para armazenamento de água. Questionada se as medidas poderiam ser contestadas na Justiça, a ministra respondeu: "Sou engenheira, não advogada, não tenho condições aqui de fazer uma tese jurídica. No entanto, a avaliação do Advogado Geral da União, da consultoria desse ministério (Pla-

nejamento) e da Casa Civil julgou que não temos nenhum problema de editar essa medida provisória. O governo está confortável em editar essa medida provisória". A ministra não escondeu que a expectativa do governo era de que o Orçamento de 2013 fosse aprovado na semana passada pela comissão provisória do Congresso, formada por menos de 5% dos parlamentares. Após ameaça de integrantes da oposição de recorrer ao Supremo Tribunal Federal, a cúpula do governo abandonou a ideia. O governo agora trabalha com a data do início de fevereiro de 2013 para a aprovação do Orçamento, quando as atividades no Congresso serão retomadas. Concursos – Segundo a ministra, as previsões de contratações de servidores previstos para 2013 não devem ser alteradas: "Se de fato a votação do Orçamento ocorrer no início de fevereiro, acho que não há problema porque em geral são contratações de concursos já realizados. Não haveria problema de espera". Adiamento – O relator do Orçamento, senador Romero Jucá (PMDB-RR), anunciou que o projeto de lei do Orçamento só será votado na volta do recesso, 5 de fevereiro. (Folhapress) Wilson Dias/ABr

Paulo Sérgio Passos sobre possibilidade de participação de fundos no capital das futuras concessionárias: "Será como uma noiva disposta a casar depois do leilão".

Mais financiamento para rodovias federais Caixa e Banco do Brasil podem oferecer crédito, juntamente com o BNDES.

A

Caixa Econômica Federal e o Banco do Brasil vão poder financiar os projetos de investimentos em rodovias federais que serão concedidas à iniciativa privada. Anteriormente, o governo havia anunciado o financiamento apenas pelo Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES). As condições de financiamento pelos bancos públicos serão as mesmas anunciadas para o BNDES em agosto, no lançamento do Programa de

Investimentos em Logística. Os juros serão definidos pela Taxa de Juros de Longo Prazo (TJLP) mais até 1,5%, com carência de até 3 anos e amortização de até 20 anos, com grau de alavancagem entre 65% e 80%. Em entrevista coletiva, ontem, o ministro dos Transportes, Paulo Sérgio Passos, disse que a entrada de novos agentes financiadores vai agilizar as negociações com os grupos interessados em participar dos leilões das rodovias.

Outra novidade no programa de concessões de rodovias é a possibilidade de participação de fundos no capital das futuras concessionárias. Esses fundos, que poderão ser de pensão, investidores institucionais, private equity (investimento em participação) ou de previdência, entrarão como um sócio estratégico depois do anúncio do vencedor do leilão. "Será como uma noiva disposta a casar depois do leilão", comparou o ministro. (ABr)

AGU: Ilha de Cabras é problema paulista

José Genoino: deputado petista sai e abre espaço para que o ex-presidente do PT cassado pelo STF seja empossado na Câmara.

A

Nilton Fukuda/Estadão Conteúdo - 10.10.12

Advocacia-Geral da União (AGU) atacou ontem uma decisão que beneficiava empresa do exsenador Gilberto Miranda, denunciado por integrar um esquema de compra de pareceres de órgãos públicos. Um mês depois da deflagração da Operação Porto Seguro, o advogado-geral da União, Luís Inácio Adams, barrou manobra da quadrilha que permitiria a construção de um condomínio de luxo na Ilha de Cabras, em Ilhabela (SP).

A AGU protocolou no Supremo Tribunal Federal pedido de retirada da União de um processo em que a Bougainville Participações e Representações, de Miranda, é acusada de devastar parte da ilha. Na prática, a medida dificulta ofensiva do ex-senador para suspender decisão da Justiça de São Paulo que determinou uma indenização pela derrubada da vegetação. A desistência da AGU agora poderá levar o Supremo Tribunal Federal (STF) a decidir que

a competência sobre a ilha continuará sendo da Justiça paulista. Miranda teria articulado a entrada da União na ação para levar o processo ao STF, o que anularia a decisão da Justiça paulista. Para isso, obteve a ajuda da então gerente regional do Patrimônio da União em São Paulo, Evangelina de Almeida Pinho, suposto elo do ex-senador com o grupo. Ela alegou, no caso, que a União era parte interessada. ( Es tadão Conteúdo)

p

DIÁRIO DO COMÉRCIO

sexta-feira, 28 de dezembro de 2012

7 Eu não me arrependo de nada. A gente só se arrepende quando é nova. Presidente Dilma, que completou 65 anos no último dia 14.

olítica

Supremo vive período de maior efervescência Valter Campanato/ABr - 20.12.12

edição, em 2010. Quase dois meses depois, a corte entendeu que o aborto de fetos anencéfalos não é crime. Já sob a presidência de Carlos Ayres Britto, em abril, o Supremo confirmou a validade das cotas raciais em universi-

Além do Mensalão, ministros julgaram questões como a Lei Maria da Penha, Lei da Ficha Limpa, cotas raciais, entre outras. dades públicas. A educação voltou à pauta em maio, quando o STF garantiu a legalidade do Programa Universidade para Todos (ProUni). O STF também anulou vários títulos de propriedades na Bahia, que estavam localizadas dentro da Reserva Indígena Caramuru-Catarina Paraguassu. A defesa dos direitos individuais também orientou a decisão, que permitiu a liberdade provisória para presos por tráfico de drogas que ainda respondem a processo, anulando trecho da Lei Antidrogas, de 2006. A política foi o tema das últimas sessões antes do Mensalão, em junho. Os ministros entenderam, por maioria, que os novos partidos têm direito a tempo maior de propaganda em rádio e TV, desde que tenham deputados federais em seus quadros. O caso envolvia a criação do PSD e influenciou decisão posterior do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), que reconheceu que a mesma regra do tempo de propaganda deve ser aplicada na distribuição de cotas do Fundo Partidário. Troca – Ayres Britto presidiu o STF até novembro deste ano, quando foi aposentado compulsoriamente ao completar 70 anos. No dia 22 de novembro, tomou posse Joaquim Barbosa, primeiro presidente negro do Supremo, que deve-

Arrependida por Fux? Presidente diz que não.

A

presidente Dilma Rousseff disse ontem, durante café da manhã com jornalistas no Palácio do Planalto, que não se arrependeu de ter nomeado o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Luiz Fux, que condenou os réus petistas do Mensalão. "Eu não me arrependo de nada. Estou muito velha para isso", afirmou a presidente, ao lembrar que completou 65 anos no último dia 14. "A gente só se arrepende quando é nova", filosofou. Dirigentes do PT e até o ministro da Secretaria-Geral da Presidência, Gilberto Carvalho, contaram que, antes de ser nomeado, Fux disse a eles não haver provas no processo para condenar os petistas acusados de comprar apoio no Congresso, no primeiro man-

rá permanecer no cargo pelos próximos dois anos. Relator do Mensalão, Barbosa se dividiu entre as duas funções até 17 de dezembro, quando o julgamento terminou. No dia 29 de novembro, o então integrante do Superior Tribunal de Justiça (STJ), ministro Teori Zavascki, assumiu a vaga deixada por Peluso. O substituto de Ayres Britto ainda não foi indicado pela presidente Dilma Rousseff. Barbosa já adiantou que, no ano que vem, dará prioridade aos casos de "repercussão geral". Quando há essa identificação, as decisões devem ser aplicadas aos processos semelhantes que tramitam em instâncias inferiores, desafogando a Justiça. (Folhapress)

dato do então presidente Luiz Inácio Lula da Silva. "Eu mato no peito", teria dito Fux na ocasião. Após chegar ao Supremo, porém, Fux condenou o ex-ministro da Casa Civil José Dirceu, o ex-presidente do PT José Genoino, o ex-tesoureiro Delúbio Soares e o deputado João Paulo Cunha (PT-SP), que presidiu a Câmara entre 2003 a 2005. Dilma alegou que o Supremo tem autonomia e se recusou a comentar o resultado do julgamento do mensalão. "Depois que são indicados, os ministros (do STF) têm distância integral da minha pessoa, têm a autonomia pregada por Montesquieu", disse ela, numa referência ao francês Charles de Montesquieu, importante filósofo do iluminismo. (Estadão Conteúdo)

Carlos Humberto/SCO/STF - 17.12.12

Luiz Fux: "Eu mato no peito", teria garantido, sobre réus petistas.

Movimento: Joaquim Barbosa (à dir.) assume no lugar de Carlos Ayres Britto (abaixo, à dir.) e entra também Teori Zavascki. Fabrio Rodriques Pozzebom/ABr - 30.08.12

Nelson Jr./SCO/STF

O

ano de 2012 ficará marcado no STF (Supremo Tribunal Federal) como tempo de grande movimentação jurídica e administrativa. Foram três presidentes, duas aposentadorias e o maior julgamento já ocorrido na corte, o do mensalão. As informações são da Agência Brasil. Em 53 sessões divididas entre quatro meses e meio, o Supremo julgou os 37 acusados de envolvimento no esquema e condenou 25 deles. O julgamento da ação foi o assunto jurídico de maior repercussão em 2012, mas o STF pautou temas de impacto desde o início do ano. Foram questões que influenciaram a condução do próprio Judiciário e as áreas de política, proteção à mulher, saúde, educação e direitos individuais ou coletivos. Logo no início do ano entrou em pauta a ação sobre os poderes de investigação do Conselho Nacional de Justiça (CNJ). A questão causou polêmica ainda em 2011, quando o então presidente Cezar Peluso defendeu limites para o órgão, enquanto a corregedoranacional de Justiça, Eliana Calmon, era favorável à liberdade do conselho na apuração de desvios cometidos por juízes. O STF garantiu poderes mais amplos ao CNJ. Uma semana depois, a corte voltou a atrair atenções no julgamento de processo envolvendo a Lei Maria da Penha. Sancionada em 2006 para combater a violência doméstica, a norma não era efetiva porque muitas vítimas não denunciavam as agressões. O STF decidiu que o Ministério Público pode prosseguir com a denúncia, mesmo contra a vontade da agredida. Ficha Limpa – Ainda em fevereiro, o STF voltou a discutir a Lei da Ficha Limpa, garantindo a sua validade nas eleições municipais deste ano. A decisão também confirmou a aplicação da norma em situações que ocorreram antes de sua

Corte teve três presidentes neste ano e, em 53 sessões divididas entre quatro meses e meio, julgou os 37 acusados de envolvimento no esquema do Mensalão e condenou 25 deles, no maior julgamento de sua história.

DIÁRIO DO COMÉRCIO

8

sexta-feira, 28 de dezembro de 2012

ÁFRICA DO SUL Presidente Zuma é criticado por dizer que cachorro é coisa de branco

nternacional

IRÃ Ahmadinejad destitui ministra da Saúde, a única mulher do gabinete.

A NEVE CHEGOU NOS EUA Uma forte tempestade de inverno castiga Estados como Nova York e Pensilvânia, provocando transtornos às vésperas do feriado de Ano Novo. Eduardo Munoz/Reuters - 26/12/12

U

ma forte tempestade de inverno que castiga as regiões central e nordeste dos Estados Unidos já causou pelo menos 16 mortes e provocou o cancelamento de mais de 457 voos, informaram as autoridades norte-americanas ontem. Alguns Estados, como Pensilvânia e Nova York, registraram 50 centímetros de neve acumulada, levando o Serviço Nacional de Meteorologia a manter as localidades da região em alerta. As maiores cidades da Costa Leste do EUA – Nova York, Filadélfia e Boston – enfrentavam fortes ventos ontem. A tempestade foi acompanhada por chuva congelante e granizo, criando perigos nas estradas e nos aeroportos. Devido à nevasca, o governador de Nova York, Andrew Cuomo, ativou o Centro de Operações de Emergência e pediu às concessionárias de energia que mantenham seu desempenho. Ele ainda advertiu os chefes de sete concessionárias que eles seriam responsabilizados por qualquer falha. As empresas de energia elétrica foram criticadas pela omissão depois que a tempes-

tade Sandy devastou a região, em outubro passado. A nevasca atingiu ainda Estados do sul e da região central, como Texas, Indiana e Illinois. Os Estados do Alabama e do Mississippi também enfrentaram cerca de 40 tornados, que destelharam casas e derrubaram postes e linhas de transmissão. As 16 mortes registradas no país até o momento ocorreram nos Estados de Kentuc k y , O k l a h oma, Arkansas, Ohio, Indiana, Pensilvânia e Virgínia. Segundo a polícia, cinco pessoas morreram devido a acidentes de trânsito relacionados com o mau tempo. Os outros mortos foram atingidos especialmente por quedas de árvores e destruição de casas. Nos Estados do Alabama e do Arkansas, mais de 200 mil residências ficaram sem energia. Aeroportos - A tempestade de neve e os tornados também atrapalharam o tráfego aéreo em toda a região. De acordo com o site FlightAware, que monitora a situação dos aeroportos norte-americanos, 457 voos foram cancelados ontem. Na quarta-feira, o mau tempo provocou o cancelamento de mais de 1.500 voos.

16 mor tes 457 voos

cancelados

Preparada para enfrentar a tempestade, menina brinca na Times Square, em Nova York. A nevasca foi acompanhada por chuva e granizo. A companhia aérea com o maior número de cancelamentos ontem foi a American Airlines, com 55 voos. Nenhum dos voos cancelados devido à tempestade procedia ou seguia para o Brasil. No aeroporto Long Island MacArthur, a 80 quilômetros de Nova York, um avião da Southwest Airlines que se des-

tinava a Tampa, na Flórida, derrapou na pista enquanto taxiava para decolar. Nenhum dos 134 passageiros e tripulantes a bordo ficou ferido. Mais neve - O Serviço Meteorológico dos EUA prevê que a região continuará a ser atingida por nevascas até o fim de semana, quando a tempestade seguirá para os Grandes Lagos,

em direção ao Canadá. A agência prevê de 30,5 a 46 centímetros de neve para os Estados da Nova Inglaterra após a tempestade se mover para o nordeste, saindo da região mais baixa dos Grandes Lagos, onde deixou mais de 30,5 centímetros de neve em áreas do Estado de Michigan. De acordo com as autorida-

des, a neve deveria cair em Nova York, Vermont e New Hampshire a até cinco centímetros por hora. Em território canadense, onde a tempestade chegará neste fim de semana, pelo menos 170 voos foram cancelados ontem por causa do mau tempo, a maioria em Toronto e Montreal. (Agências)

EFE - 21/12/12

Dinheiro escondido no banheiro dá cadeia

A

Justiça da Argentina condenou, ontem, a ex-ministra de Economia do governo de Néstor Kirchner, Felisa Miceli, a quatro anos de prisão por corrupção. Ela havia renunciado em 2007, quando uma bolsa com US$ 31 mil e 100 mil pesos (US$ 32,5 mil) foi encontrada no banheiro de seu gabinete. Em declarações à Justiça, ela caiu em contradição sobre a origem do dinheiro. Ela alegou inocência e afirmou que o dinheiro encontrado era um empréstimo para comprar uma casa. No entanto, ela não conseguiu provar a transação imobiliária. Além da prisão, a exministra, de 60 anos, também fica proibida de exercer um cargo público

pelos próximos oito anos. O dinheiro foi descoberto em uma inspeção da brigada antiexplosivos em junho de 2007. Na época, Felisa teve de deixar o cargo de ministra. Logo depois, ela foi contratada como assessora da Fundação Mães da Praça de Maio, organização de direitos humanos que também está envolvida em suspeitas de corrupção. Clarín - A Suprema Corte argentina rejeitou o recurso apresentado pelo governo de Cristina Kirchner para que interfira na causa que disputa com o Grupo Clarín para aplicar a Lei de Mídia. O tribunal ainda manteve a liminar que protege o grupo e impede o Executivo de cassar suas licenças de radiodifusão. (Agências)

Javier Brusco/EFE

Enquanto ministros, parlamentares e juízes renunciam em protesto ao governo, líderes opositores são investigados por tentar derrubar Morsi.

Debandada no Egito. Morsi se isola.

U

m dia após ter sido sancionada pelo presidente do Egito, Mohamed Morsi, a nova Constituição gerou reações políticas ontem. Membros do Parlamento e da cúpula do governo renunciaram a seus cargos em protesto, agravando a crise política que assola o país. A parlamentar Nadia Henry, que representaria a Igreja Anglicana na Câmara Alta do Parlamento (Shura), abriu mão de seu mandato por considerar que a nova configuração da casa não representa as minorias. Ela tinha sido indicada ao cargo por Morsi na semana passada. Com a nova Constituição, o Poder Legislativo foi atribuído à Shura e 90 nomes escolhidos pelo presidente foram acrescentados aos 180

parlamentares que haviam sido eleitos pelo voto popular. "Eu concordei em fazer parte da Shura sob o consenso de que todas as forças civis seriam indicadas. Como isso não aconteceu, não aceitarei o cargo", disse ela. A Câmara Alta deverá convocar novas eleições para a Câmara Baixa (Assembleia Nacional) em dois meses. Ministros- O ministro para Assuntos Legais e Parlamentares do Egito, o islamita Mohammed Mahsoub, também renunciou sob a justificativa de desacordo com o "ritmo lento" das reformas do governo. Ele ainda criticou o fracasso do governo em recuperar os recursos supostamente desviados por membros do regime de Hosni Mubarak. Sua renúncia

ocorre dois dias depois de o ministro de Comunicação de Morsi, Hany Mahmud, ter deixado o governo em razão da "atual situação do país". Justiça - Além disso, houve baixas na Suprema Corte Constitucional em decorrência da nova Carta, que determina que o tribunal deve ter apenas 11 integrantes (e não 20, como ocorria). Assim, juízes com menos tempo de casa saíram, incluindo Tahani al Gebali, juíza crítica aos islamitas. Apesar de ter sido sancionada por referendo popular, a Constituição é reprovada, entre outras razões, por ter um artigo dizendo que a legislação egípcia deve se basear na lei islâmica (sharia). Oposição - O promotor-chefe do Egito ordenou ontem a reali-

zação de uma investigação sobre os líderes da oposição, depois que um advogado os acusou de incitar a queda do governo de Morsi, informou um funcionário do Judiciário, em condição de anonimato. A ordem deve agravar as tensões políticas, que resultaram em episódios de violência nas ruas do país. A acusação, aberta no mês passado, diz que Mohammed ElBaradei – ganhador do prêmio Nobel da Paz e ex-diretor da Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA), ligada à Organização das Nações Unidas (ONU) –, juntamente com Amr Moussa, ex-ministro de Relações Exteriores, e Hamdeen Sabahi, que foi candidato a presidente, fizeram campanha para derrubar Morsi. (Agências)

A ex-ministra argentina foi condenada a quatro anos de prisão

DIÁRIO DO COMÉRCIO

sexta-feira, 28 de dezembro de 2012

c

9 ATENÇÃO NAS ESTRADAS A Polícia Rodoviária recomenda atenção redobrada nas rodovias estaduais e federais durante o feriadão. Um dos grandes problemas enfrentados pelos motoristas é a chuva que cai nesta época do ano.

idades

Réveillon na praia é teste de paciência Viagem a Santos pelo Sistema Anchieta-Imigrantes demorou o triplo do tempo normal, ontem à tarde. Motorista deve estar atento aos piores horários para viajar.

O

motorista que conseguiu adiantar o início das festas de Réveillon enfrentou lentidão na descida ao litoral durante todo o dia de ontem. Mesmo sem acidentes graves, o Sistema AnchietaImigrantes registrava congestionamentos já pela manhã, com pico de 32 quilômetros às 17 horas. A viagem a Santos, que costuma levar 40 minutos, durava quase três horas. Hoje o tráfego nas estradas deve continuar intenso durante todo o dia. A partir das 6h, são esperados pelo menos 7 mil veículos por hora no Sistema Anchieta-Imigrantes, mais do que o triplo do registrado em dias normais (2 mil veículos/hora). A única maneira de evitar a lentidão, segundo a concessionária Ecovias, é começar a viagem de madrugada, antes das 6h. A previsão é que o trânsito melhore apenas a partir das 17h do domingo. Ontem, o pior congestionamento era registrado na Imigrantes, no sentido litoral, entre a saída da Capital (km 12) e a região dos túneis (km 44). Também havia lentidão e congestionamentos na Anchieta, sentido litoral, ao longo de 16 quilômetros. Ainda assim, segundo a Ecovias, a Anchieta é a melhor opção para quem for viajar hoje. Tamoios – Quem escolheu a Rodovia dos Tamoios também encontrou lentidão, de 29 quilômetros, até a chegada a Caraguatatuba, no litoral norte.

Lalo de Almeida/Folhapress

Fila de carros na Rodovia dos Imigrantes, que liga São Paulo a Santos, ontem à tarde: tempo de viagem para o litoral, por volta das 17 horas, era de quase três horas, o triplo do normal. O horário previsto de maior movimento nessa estrada, hoje, é a partir das 14 horas. O motorista que encerrava as festas natalinas e seguia no sentido Capital pelo Sistema Anchieta-Imigrantes enfren-

tou congestionamentos de até oito quilômetros na Imigrantes e de quatro quilômetros na Anchieta. Interior – Quem decidiu viajar para o interior encontrou tráfego mais tranquilo nas Ro-

dovias dos Bandeirantes e Anhanguera - embora houvesse dois quilômetros de lentidão na região de Jundiaí, e quatro quilômetros de lentidão na chegada a Campinas. Na Via Dutra, que liga São

Paulo ao Rio, foram registrados congestionamentos na região de Taubaté. Na Régis Bittencourt, sentido Curitiba, o motorista encontrava filas do km 342 ao 359, na região da Serra do Cafezal. No sentido Capital, o

tráfego fluía normalmente. Balanço parcial divulgado pela Polícia Rodoviária registrou aumento de 38% no número de mortes nas estradas durante o feriado prolongado de Natal. (Agências)

Clayton de Souza/Estadão Conteúdo

Previsão é de tempo chuvoso até a virada do ano.

Q

uem tinha planejado passar o Réveillon a céu aberto provavelmente vai enfrentar chuva, tanto na Capital como no litoral paulista. De acordo com o Climatempo, uma frente fria se aproxima do Estado e deve permanecer estacionada até o dia 31, o que aumenta a probabilidade de precipitação. Em todo o Estado de São Pau-

lo, os dias serão menos quentes e devem ocorrer pancadas de chuvas à tarde e à noite. Segundo a meteorologista Josélia Pegorim, a previsão é de dias com muito mormaço. "As temperaturas vão ficar menos altas, mas esfriar é um exagero. O céu deve ficar carregado de nuvens e chuvas torrenciais devem acontecer no fim da tarde", afirma. (Estadão Conteúdo)

ACSP: festa dos balões será hoje.

CNPJ no 61.529.343/0001-32 - NIRE 35.300.053.800 Assembleia Geral Extraordinária Edital de Convocação Convidamos os senhores acionistas desta Sociedade a se reunirem em Assembleia Geral Extraordinária a ser realizada no próximo dia 7 de janeiro de 2013, às 11h, na sede social, Cidade de Deus, Vila Yara, Osasco, SP, Salão Nobre do 5o andar, Prédio Vermelho, a fim de examinar proposta do Conselho de Administração para aumentar o Capital Social no valor de R$616.300.000,00, elevando-o de R$9.700.000.000,00 para R$10.316.300.000,00, mediante a emissão de 185.632.530 novas ações ordinárias, nominativas-escriturais, sem valor nominal, ao preço de R$3.320,00 por lote de mil ações, para subscrição particular pelos acionistas no período de 9.1 a 13.2.2013, na proporção de 2,726634657% sobre a posição acionária que cada um possuir na data da Assembleia (7.1.2013), com integralização à vista, de 100% do valor das ações subscritas, em 7.3.2013. Documentos à Disposição dos Acionistas: este Edital de Convocação e a proposta do Conselho de Administração encontram-se à disposição dos acionistas na sede da Sociedade e no Departamento de Ações e Custódia do Banco Bradesco S.A., Instituição Financeira Depositária das Ações da Sociedade, Cidade de Deus, Prédio Amarelo, Vila Yara, Osasco, SP. Cidade de Deus, Osasco, SP, 21 de dezembro de 2012. Lázaro de Mello Brandão - Presidente do Conselho de Administração. 27, 28 e 29.12.2012

Paulistano aproveitou calor nas piscinas, ontem: tempo deve mudar.

MORTE COM CEROL

U Ó RBITA

A

Associação Comercial de São Paulo (ACSP) vai enfeitar hoje o céu da cidade com 50 mil balões biodegradáveis. Os balões serão soltos às 12h30, no Pátio do Colégio, no Centro. O presidente da Associação Comercial de São Paulo (ACSP) e da Federação das Associações Comerciais de São Paulo (Facesp), Rogério Amato, acredita na importância de uma entidade como a ACSP manter as tradições colorindo o céu da metrópole e respeitando o meio ambiente. “São 20 anos de tradição que não podemos deixar morrer no coração dos paulistanos, que esperam pela soltura dos milhares de balões todos os anos desde 1992. E motivos não faltam para comemorarmos e esperarmos um 2013 ainda melhor”, disse Amato. A ideia surgiu com os officeboys da ACSP, em 1992, quando resolveram soltar 100 balões ao invés de jogarem papéis picados pelas janelas do prédio, como de costume. No ano seguinte, alguns funcionários também aderiram à comemoração. Em 1994, quando a ACSP assumiu o evento, foram soltos cinco mil balões. Uma grande queima de fogos encerrará a festa. (DC)

Cidade de Deus - Companhia Comercial de Participações

METRÔ

O

Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) e o governo de São Paulo assinaram ontem um contrato de financiamento de R$ 1,9 bilhão. A maior parte dos recursos é destinada à construção da Linha 5 do Metrô, que liga as estações Largo Treze e Chácara Klabin, ampliando a inserção da região sul à rede metroviária. "Esse financiamento é importante porque São Paulo é a terceira metrópole do mundo, com 21 milhões de habitantes. Estamos atrás apenas de Tóquio e Nova Déli", afirmou o governador de São Paulo, Geraldo Alckmin. A linha 5 do Metrô terá 11,5 quilômetros de extensão e passará por 11 estações. Segundo Alckmin, a ideia do governo é ampliar o transporte metroviário no Estado para dar conta do grande fluxo de passageiros urbanos. Hoje, o Metrô de São Paulo transporta quase 8 milhões de passageiros por dia. (Estadão Conteúdo)

m homem morreu na noite de anteontem após se cortar com uma linha com cerol enquanto andava de bicicleta, em Americanópolis, zona sul. De acordo com a polícia, Antonio Ednaldo Macedo Gomes, 45 anos, retornava para casa quando uma linha com cerol enroscou em sua perna na rua Delfino Facchina, por volta das 18h50. Na tentativa de se desvencilhar na linha, o homem perdeu o controle da bicicleta e caiu. Segundo o delegado Fernando Gonçalves, a linha com cerol atingiu a veia femoral da vítima, localizada na perna. (Folhapress)

BALEADOS

D

ois moradores de rua foram baleados na manhã de anteontem próximo ao viaduto 25 de Março. Nenhum deles corre risco de morte. Segundo a polícia, guardas civis ouviram disparos de arma de fogo por volta das 8h30. Ao chegarem no acesso da avenida Rangel Pestana, viram vários moradores de rua correndo. Dois deles, um adolescente de 14 anos e uma mulher de cerca de 35 anos, estavam caídos no chão. Testemunhas afirmaram que o responsável pelos disparos passou no local de bicicleta. Ninguém foi preso. (Folhapress)

Danilo Verpa/Folhapress

NOVOS PONTOS – A propaganda começou a voltar às ruas de São Paulo. Foi instalado, ao lado do Theatro Municipal, no Centro, o primeiro dos 7.500 novos abrigos em pontos de ônibus, nos quais a publicidade será permitida. O contrato prevê que os primeiros 6.500 abrigos serão instalados em um período de três anos.

DIÁRIO DO COMÉRCIO

10

sexta-feira, 28 de dezembro de 2012 Navesh Chitrakar/Reuters

M UNDO ANIMAL

Concurso de beleza pra lá de inusitado Esta competição realizada no Nepal conta com modelos de peso. Durante três dias, elefantes participam de provas e jogos para que seja escolhido o animal mais bonito. O evento visa promover a conservação dos paquidermes e atrair visitantes ao país. Os bichos são treinados para os jogos, tirando folga de seus trabalhos comuns – carregar turistas pelas selvas próximas de Chitwan. S ÁTIRA

Logo Logo O www.dcomercio.com.br

J. Duran. Machfee/Estadão Conteúdo

Corrida de 'São Pilantra'

Sindicato dos Bancários de São Paulo, Osasco e Região promoveu ontem, na capital paulista, a 15ª edição da Corrida de São Pilantra, para escolher os que, segundo a entidade, mais prejudicaram os bancários e a sociedade. Inspirada na Corrida de São Silvestre, a prova é realizada desde 1998. A corrida, que ultimamente era realizada no Centro Velho de São Paulo e passava pelas ruas São Bento, Rua da Quitanda, XV de Novembro e Boa Vista, voltou a ocorrer na Avenida Paulista, como acontecia nas primeiras edições. Atores representando banqueiros, políticos e os

R ONALDO Julian Marques/Folhapress

"fantasmas do assédio moral" fizeram parte da performance que começou às 11h. A corrida terminou em frente ao Banco Safra (Avenida Paulista, com rua Augusta). Este ano, a edição lançou como candidatos ao prêmio de pilantragem do ano – na visão do sindicato que organiza o evento – os "três maiores responsáveis pelas recentes demissões do setor financeiro": o "Satã-der", o inglês "Lord Exploration" e os presidentes de outro grande banco brasileiro: "Roberto Entuba" e "Moreira Males". Concorre ainda outro banco, o "BBzão", pelo "exemplo de prática antissindical ao perseguir funcionários pela reposição das horas de greve".

Lucas Lacaz Ruiz/Folhapress

Fim do casamento do Fenômeno Ronaldo e Bia Antony anunciaram o fim da união de sete anos. "Essa decisão foi resultado de um consenso cuidadoso, fruto da nossa história e principalmente das nossas filhas. Nosso amor, amizade e admiração mútua não mudarão. Contamos com o respeito da imprensa e do público", dizia uma nota divulgada ontem.

O casal tem duas filhas: Maria Sophia, 4, e Maria Alice, 3. O ex-jogador também é pai de Ronald, 12, do relacionamento com Milene Domingues, e Alex, 7, com Michelle Umezu. A separação de Bia é a terceira enfrentada pelo Fenômeno, que protagonizou um casamento relâmpago com a atriz Daniella Cicarelli, em 2005.

V ALE CULTURA

Benefício só sai no segundo semestre O governo federal tem 180 dias para regulamentar o Vale Cultura. Somente receberão o benefício os empregados das empresas que aderirem ao projeto e o trabalhador terá um desconto de até 10% (R$ 5) do valor do vale. O funcionário pode optar por não receber o valor.

L

Apesar de ter sido sancionado ontem, o benefício de R$ 50 mensais para os trabalhadores que recebem até cinco salários mínimos (R$ 3,39 mil, considerando salário a partir de 2013) gastarem com cultura deve ser pago somente no segundo semestre de 2013.

ASAS - A Prefeitura de São José dos Campos (SP) inaugurou ontem o Borboletário Asas de Vidro – referência às diversas espécies de borboletas com asas transparentes que existem no Parque da Cidade. A previsão para abertura do borboletário à visitação, no entanto, é fevereiro de 2013.

C ELEBRIDADE

G ALEÃO

Dilma: apagão foi falha humana.

Kate Winslet casa de novo A atriz britânica Kate Winslet, 37, se casou pela terceira vez. Mais conhecida por seu papel no sucesso de 1997 Titanic, Kate casouse com Ned RocknRoll, sobrinho do magnata da música e aviação Richard Branson. Ela já foi indicada seis vezes ao Oscar e levou o prêmio de melhor atriz por seu papel em O Leitor. Tyrone Siu/Reuters

O Halloween já passou, mas isso não quer dizer que o seu cão não mereça uma roupinha, digamos, divertida. Veja mais modelos curiosos no site http://designyou trust.com/2012/12/ funny-petcostumes

Reprodução

A presidente Dilma Rousseff disse que o apagão que atingiu na quarta o Aeroporto Internacional Tom Jobim (Galeão), no Rio, foi "falha humana". Segundo ela, o sistema elétrico do aeroporto precisa ser trocado e houve falhas na manutenção do ar condicionado. O fornecimento de luz ficou prejudicado por cerca de duas horas em razão de um defeito no equipamento da subestação que pertence ao aeroporto, que ficou totalmente às escuras por 10 minutos. Sem ar condicionado, usuários e comerciantes sofreram com o forte calor, no dia mais quente do Rio de Janeiro desde 1915.

DIÁRIO DO COMÉRCIO

sexta-feira, 28 de dezembro de 2012

e

11 JAPÃO País registra queda de 0,1% no núcleo do índice de preços em novembro

conomia

BANCO CENTRAL Reduz compulsório à vista para financiar bens de capital

EUA em contagem regressiva para o abismo fiscal Governo corre contra o tempo para evitar o desastre fiscal que pode ocorrer na virada do ano. Parlamentares vão se reunir no domingo.

O

presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, interrompeu ontem prematuramente seu feriado prolongado e foi recebido em Washington pela previsão sombria do líder da maioria democrata no Senado, Harry Reid, de que os EUA realmente se dirigirão ao chamado abismo fiscal, uma série de cortes de gastos públicos e de aumentos de impostos automáticos que entrará em vigor na virada do ano caso não haja acordo no Congresso. "Parece que estamos nos dirigindo para o abismo fiscal", afirmou Reid em um pronunciamento, acrescentando que o presidente da Câmara dos Representantes dos EUA, o republicano John Boehner, deveria chamar os deputados de volta a Washington para a retomada das negociações. Numa crítica direta à oposição, Reid declarou que a Câmara está sendo governada "por uma ditadura" e observou que o povo norte-americano não concorda com as posições assumidas pelos republicanos do Congresso. Ele frisou que Boehner deve colocar o interesse da economia do país na frente do interesse do partido republicano. Reid não apresentou nenhum plano fiscal para vota-

Jonathan Ernst/Reuters

O presidente Barack Obama desembarcou ontem em Washington para conduzir pessoalmente as negociações

ção, como alguns analistas especulavam, e insistiu para que Boehner coloque em votação na Câmara um projeto já aprovado pelo Senado que prorroga cortes de impostos para contribuintes que ganham até US$ 250 mil por ano. Segundo ele, o voto do partido Republi-

cano poderia evitar aumentos de impostos. Pr o po s t a – Na tentativa de dar fim ao impasse fiscal nos Estados Unidos, Obama pretende enviar ao Congresso norte-americano uma proposta que evitaria os efeitos mais fortes do abismo fiscal, segun-

Problemas com o teto da dívida

lamentares diante da ameaça do abismo fiscal e pediu aos colegas republicanos que retornem a Washington. D o m i ng o – Na noite de ontem, fontes informaram que a Câmara dos Representantes fará uma sessão extraordinária no domingo às 21h30 (ho-

Mercado de ações está de olho nos parlamentares

O

mercado norte-americano de ações fechou em queda pelo quarto dia consecutivo, mas os principais índices chegaram ao fim do dia bastante acima das mínimas. O mercado reagiu às declarações do líder da maioria no Senado, Harry Reid (Partido Democrata), de que pode não haver tempo suficiente para que se chegue a um acordo sobre a questão fiscal. Ele acusou o Partido Republicano, que controla a Câmara, de intransigência. O índice de confiança do consumidor de dezembro, que caiu ao nível mais baixo

O

Tesouro dos Estad o s U n i d o s a n u nciou ontem a primeira de uma série de medidas que deve adiar em cerca de dois meses o dia em que o governo irá superar sua autoridade legal de empréstimo como definido pelo Congresso. Sem qualquer ação, o Tesouro disse que o governo vai alcançar seu teto da dívida de US$ 16,4 trilhões em 31 de dezembro. O governo está enfrentando um momento decisivo sobre o teto da dívida porque a questão se tornou um entrave nas negociações para evitar os US$ 600 bilhões em aumentos tributários e cortes de gastos que entrarão em vigor no início de janeiro. Uma falha em elevar o teto da dívida pode fazer com que o governo dê default em sua dívida. Gastos públicos – Para reduzir o gasto do governo, o Tesouro irá suspender a emissão de títulos do Estado e de governos locais – conhecidos como "slugs" – a partir de 28 de dezembro. Os slugs são títulos especiais de juros baixos do Tesouro norte-americano oferecidos aos governos locais para investir temporariamente em vendas de títulos municipais. Eles foram suspensos várias vezes nos últimos 20 anos para evitar o desrespeito ao teto da dívida. Os investimentos em um fundo de pensão de empregados do governo também serão suspensos, junto com outras medidas, embora o Tesouro não tenha apresentado datas para o início dessas outras medidas anunciadas. (Reuters)

do informou ontem a rede de televisão CNN. Os democratas pediram ontem que os republicanos voltem à Câmara dos Representantes para a retomada das negociações. A líder da minoria democrata na Câmara, a deputada Nancy Pelosi, criticou a paralisia dos par-

rário de Brasília), um dia antes do prazo final de 31 de dezembro, para chegar a um acordo para evitar o abismo fiscal. Um assistente sênior republicano da Casa confirmou que parlamentares estavam sendo convocados para voltar a Washington. A Câmara entrou em recesso há uma semana em meio ao entrave de como achar maneiras para evitar o abismo fiscal, que envolve valores de US$ 600 bilhões. Mas do lado do partido Republicano foram divulgadas outras informações. Os deputados do partido realizarão no início da noite da próxima segunda-feira uma reunião de "encaminhamento de voto", afirmou ontem um assessor parlamentar da legenda opositora. Segundo um dos participantes de reunião à tarde, Boehner disse aos deputados que a Câmara já agiu para evitar "todo o abismo fiscal", numa aparente referência ao chamado "Plano B" que o presidente da Câmara havia apresentado, e depois retirado, na semana passada, e a uma medida aprovada pela Casa que o governo do presidente Obama já havia rejeitado por restaurar despesas militares às custas de gastos sociais e por manter os cortes de impostos para os mais ricos. (Agências)

desde agosto, contribuiu para o sentimento negativo do mercado; o índice Dow Jones chegou a cair 150 pontos e o Nasdaq chegou a perder 1,3%. Na última hora da sessão, porém, o mercado recuperou terreno e os principais índices chegaram a operar momentaneamente em alta, depois do anúncio de que a Câmara vai se reunir no domingo. O anúncio gerou especulações de que é possível que o Congresso chegue a um acordo que evite o chamado abismo fiscal – o aumento de impostos simultâneo a cortes automáticos de gastos públicos previsto pa-

ra o começo de 2013. "Se eles chegarem a um acordo, acho que nós seremos como uma mola que ficou comprimida. O mercado vai explodir", disse Seth Setrakian, da First New York Securities. O índice Dow Jones fechou ontem em queda de 18,28 pontos (0,14%), em 13.096,31 pontos. A mínima foi em 12.964,08 pontos e a máxima em 13.141,74 pontos. O Nasdaq fechou em baixa de 4,25 pontos (0,14%), em 2.985,91 pontos. O S&P-500 fechou em queda de 1,74 ponto (0,12%), em 1.418,09 pontos. (Estadão Conteúdo)

Leão abocanha hoje R$ 1,5 trilhão

A

arrecadação acumulada de todos os impostos pagos pelos brasileiros desde o primeiro dia de 2012 chega, no início da noite desta sexta-feira, ao patamar de R$ 1,5 trilhão. A expectativa é a de que o Impostômetro, painel eletrônico instalado na sede da Associação Comercial de São Paulo (ACSP), no Centro, registre a marca por volta das 19 horas – com um dia de antecedência em relação a 2011. No ano passado, o Leão abocanhou R$ 1,5 trilhão em impostos no dia 29 de dezembro. Isso quer dizer que o Fisco está com maior apetite em 2012. O Impostômetro, desenvolvido pelo Instituto Brasileiro de Planejamento Tributário (IBPT), a pedido da ACSP, está em operação desde o dia 20 de abril de 2005. O painel eletrônico registra a arrecadação dos impostos federais, estaduais

e municipais em tempo real e foi criado com o objetivo de contribuir para o esclarecimento das pessoas sobre os tributos pagos por elas no País. Resultados – "Estamos satisfeitos com os resultados obtidos com as nossas ações, que conscientizam a população sobre os tributos que pagamos", disse o presidente da ACSP e da

Federação das Associações Comerciais do Estado de São Paulo (Facesp), Rogério Amato. O presidente da ACSP e da Facesp acrescentou que muitos painéis foram instalados no Estado de São Paulo, por meio das associações comerciais, "para que todos os brasileiros se habituem ainda mais a cobrar o retorno desse

dinheiro em serviços públicos de qualidade", afirmou. "A recente aprovação do Projeto de Lei 1.472, de 2007, para discriminar impostos nas notas fiscais, é a demonstração de que a nossa força pode mais", completou Amato. Em 2012, o Impostômetro ganhou uma versão móvel, sobre uma caminhonete, e percorreu cidades do interior.

Nossas ações conscientizam a população sobre os tributos que pagamos. ROGÉRIO AMATO, PRESIDENTE DA ACSP E DA FACESP

12 -.ECONOMIA

DIÁRIO DO COMÉRCIO

sexta-feira, 28 de dezembro de 2012

DIÁRIO DO COMÉRCIO

sexta-feira, 28 de dezembro de 2012

13

e Na bolsa, ações do varejo se destacaram no ano.

Cartão BNDES, voltado para micros, pequenas e médias empresas, registrou crescimento de 33% em 12 meses, encerrados em novembro.

conomia

Epitácio Pessoa/Estadão Conteúdo

Pesquisa indica que o setor de comércio teve valorização de 64,06% na BM&FBovespa em 2012 Yasuyoshi Chiba/AFP Photo

Atacado: alta foi puxada pelos produtos agropecuários.

O

Papéis das redes do varejo superaram os das empresas de petróleo e gás. A Hypermarcas acumula, até agora, a maior alta do ano, de 91,29%, e é seguida por B2W, da Lojas Americanas, com ganhos de 86%. Mônica Zarattini/Estadão Conteúdo

A

s ações ligadas ao setor de comércio do País tiveram o melhor desempenho em 2012, enquanto os papéis de petróleo e gás registraram o pior comportamento, segundo um estudo da Economática, divulgado ontem, sobre as valorizações das empresas na BM&FBovespa. Considerando o retorno médio ponderado pelo volume financeiro das ações na Bovespa, o setor de comércio, representado por 20 papéis, teve valorização de 64,06% neste ano, até a véspera da divulgação do levantamento. O segundo melhor desempenho ficou com a bolsa de valores, setor com apenas uma ação negociada, da própria BM&FBovespa, com alta acumulada de 49,1%. O setor de máquinas industriais do País aparece em seguida, com desempenho positivo de 43,29%, seguido por papel e celulose, com ganhos de 40,55%. Desvalorização – Na outra ponta da avaliação, cinco setores acumulam desvalorização, com destaque para petróleo e gás, com queda de 26,29%, seguido por energia elétrica, com recuo de 17,32%, e por construção, com queda de 4,71%. Entre as ações que fazem parte da carteira teórica do Ibovespa, Hypermarcas acumula a maior alta no período, de 91,29%, seguida por B2W, com ganhos de 86%. Entre as redes do comércio que têm ação na BM&FBovespa estão a Lojas Americanas, o Magazine Luiza, a franquia Arezzo e as Lojas Renner. Por outro lado, longe do varejo, a companhia OGX acumula a maior queda, de 67,84%, seguida pela ordinária da Eletrobras, com recuo de 60,32%, em ano de renovação antecipada de concessões de energia que atingiu fortemente os papéis da estatal. (Reuters)

Simples Nacional facilita pagamento de dívidas

O

parcelamento de dívidas do Simples Nacional poderá ser feito sobre dívidas de no mínimo R$ 300, e não mais de R$ 500, segundo resolução divulgada ontem pela Receita Federal. O Simples Nacional é um tipo diferenciado de pagamento de impostos, destinado a pequenas empresas. De acordo com a Receita Federal, os procedimentos para a opção de parcelamento com a parcela mínima serão detalhados nos próximos dias.

O

IGP-M, índice dos aluguéis, fecha em 7,82%.

Hoje, o parcelamento é solicitado no site da Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional e pode ser feito em até 60 parcelas. Ao valor da parcela, é acrescida taxa básica de juros (Selic) mais 1%. Para os Estados de Goiás, Pernambuco, Santa Catarina, Sergipe, Mato Grosso e Mato Grosso do Sul, além dos municípios incluídos nesta relação, a resolução divulgada ontem não é válida, e as próprias regiões devem divulgar o valor mínimo para o parcelamento.

Incentivo – O preço dos smartphones poderá cair perto de 10% para o consumidor no ano que vem, quando a presidente Dilma Rousseff assinar decreto regulamentando medida aprovada pelo Congresso neste ano, que retira a incidência de tributos federais sobre os aparelhos. A assinatura do documento depende de conclusão no governo sobre quais modelos serão beneficiados: os que custam até R$ 1 mil ou até R$ 2 mil. Medida vale para produtos nacionais.

BNDES desembolsou ao todo R$ 142 bilhões

Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) anunciou ontem que desembolsou R$ 142,7 bilhões no acumulado dos últimos 12 meses, até novembro. A cifra é 7% maior na comparação com o mesmo período anterior. Segundo o banco de fomento, houve ainda o volume recorde de 1 milhão de operações de financiamento no período. O resultado é creditado, principalmente, à participação das micro,

pequenas e médias empresas, que responderam por 96% do total de operações efetuadas pelo BNDES. O Cartão BNDES, voltado para micros, pequenas e médias empresas, registrou crescimento de 33% no número de operações em 12 meses, encerrados em novembro, em relação a igual intervalo anterior. Isso representa pouco mais de 700 mil contratos efetivados, com liberações de R$ 9,6 bilhões. No período entre janeiro e

novembro deste ano os desembolsos somaram R$ 121,8 bilhões, mais 3% sobre as liberações de janeiro a novembro de 2011. De acordo com o BNDES, todos os indicadores cresceram: 41% nas aprovações de novos empréstimos (R$ 211 bilhões) e 58% nas consultas, com R$ 263 bilhões em operações. O banco informou que a quantidade elevada de consultas já contabiliza projetos de construção de sondas para o Pré-Sal. (Estadão Conteúdo)

Índice Geral de Preços-Mercado (IGP-M) subiu 0,68% em dezembro, ante leve queda de 0,03% vista em novembro, acumulando alta de 7,82% em 2012, informou ontem em comunicado a Fundação Getulio Vargas (FGV). O resultado ficou abaixo do esperado pelo mercado, cuja mediana levantada por pesquisa realizada pela agência Re ute rs mostrava alta de 0,78% neste mês. Após mostrarem deflação, os preços no atacado voltaram a subir neste final de ano, segundo ainda a FGV. O Índice de Preços ao Produtor Amplo (IPA), que responde por 60% do índice geral, teve alta de 0,73% em dezembro, ante queda de 0,19% em novembro. Em relação à origem, a alta foi puxada pelos produtos agropecuários, cujos preços subiram 1,40%, enquanto os produtos industriais avançaram 0,46%. Entre os estágios de produção, os preços dos Bens Finais avançaram 0,74%, contra queda de 0,50% anteriormente. Contribuiu para este movimento o subgrupo alimentos in natura, cuja taxa de variação passou de menos 4,20% para 3,62%. No segmento Bens Intermediários, houve aceleração para 0,41%, ante alta de 0,25% em novembro. A principal contribuição dessa aceleração partiu do

subgrupo materiais e componentes para a manufatura, cuja taxa de variação passou de 0,19% para 0,68%. Já o índice de Matérias Primas Brutas apresentou variação de 1,11%, contra queda de 0,41% no mês anterior. Os itens que mais influenciaram foram minério de ferro (menos 3,46% para 0,93%), aves (2,30% para 8,91%) e soja em grão (queda de 3,50% para menos 1,65%). Consumidor – O Índice de Preços ao Consumidor, com peso de 30% no índice geral, acelerou a alta para 0,73% em dezembro, contra 0,33% visto anteriormente, puxado por Alimentação, cujos preços avançaram de uma alta de 0,08% em novembro para 1,29% em dezembro. O Índice Nacional de Custo da Construção (INCC), por sua vez, registrou elevação de 0,29%, acelerando ante avanço de 0,23% apurado em novembro. O avanço do INCC, que responde por 10% do IGP, foi puxada pela mão de obra, com alta de 0,31%. Além de medir a evolução do nível de preços, o IGP-M é utilizado como referência para a correção de valores de contratos, como os de energia elétrica e aluguel em todo o País. O IGP-M é calculado com base nos preços coletados entre os dias 21 do mês anterior e 20 do mês de referência. (Reuters)

DIÁRIO DO COMÉRCIO

14

e

sexta-feira, 28 de dezembro de 2012

O porcentual de pedidos frustrados via comércio eletrônico foi alto. Maria Fernanda Hijjar, diretora de Inteligência de Mercado do Ilos

conomia

BRAZUCA E FULECO Divulgação

ESTILO

O

s nomes da bola, Brazuca, e do tatu-bola, Fuleco, podem não ser os mais felizes, mas é com o mascote e o principal personagem do futebol, a bola, que o Brasil entre em campo em 2013 com a Copa das Confederações e com a que se seguirá, em 2014, a Copa da Fifa. O ano de 2013 promete aquecimento no mercado publicitário para alívio dos meios de comunicação que assistiram em 2012 o fechamento do lendário Jornal da Tarde. O ano que termina, porém, não deixa um saldo de todo negativo para o mercado de comunicação. Dados preliminares do Ibope Monitor apontam crescimento de 10% em relação a 2011, ou seja, a publicidade injetou R$ 32 bilhões nas mais diferentes plataformas de comunicação para conquistar mais consumidores. É um número expressivo principalmente quando se leva em conta a expectativa de um Produto Interno Bruto (PIB) ao redor de 1%. O salto no mercado é reflexo das primeiras medidas adotadas pelo governo Dilma Rousseff para romper com a maré pessimista da Europa, que provocou tsunamis na economia global. Redução de IPI e estímulo a crédito mais barato motivaram diferentes setores da economia. E melhor: o brasileiro, como há

muito faziam as empresas, aprende a duras penas a trocar dívidas caras por outras mais baratas. Ainda falta muito, é verdade, para uma competitividade ainda maior entre os bancos, mas o bom é que o movimento começou. Falta ainda, e isso é cada dia mais grave, a abertura do setor de aviação civil para que o País que vai sediar Copa e Olimpíada não venda mais passagens domésticas a preços tão altos – a ponto de que viajar na classe executiva para Dubai, nos Emirados Árabes, com refeição e bebida alcoólica a bordo, seja mais em conta que uma viagem em classe econômica, de ida e volta, entre São Paulo e Manaus. Caberá a Dilma Rousseff colocar um ponto final nessa distorção, abrindo o mercado e não

atendendo a apelos vãos de quem acha que o governo, no caso o cidadão comum, tem que subsidiar os custos de um país continental. Abre Dilma, que todos serão mais felizes. Desculpas de empregos se desmancham no ar, como demonstrou a Gol ao comprar a Webjet e demitir 800. Competição educa e cria sempre novas e melhores oportunidades. É hora, portanto, de resgatar o belo poema do gaúcho Mario Quinta que diz “bendito quem inventou o belo truque do calendário, pois o bom da segunda-feira, do dia 1º do mês e de cada ano novo é que nos dão a impressão de que a vida não continua, apenas recomeça...” Vamos ao recomeço e que possamos voar e viver mais e melhor sem sermos reféns de preços que embutem ineficiência.

LIDERANÇA

A

Fiat comemora 11 anos em primeiro lugar

Fiat encerra o ano de 2012 em grande estilo. Comemora o 11º ano de liderança em vendas no mercado brasileiro de automóveis e comerciais leves, com destaque para o repaginado Uno. A Agência Fiat, formada por profissionais da Leo Burnett Tailor Made e Agência Click, assina a campanha com direito a muita gente feliz e balões coloridos.

Compra pela internet frustra consumidores U ma pesquisa do Instituto de Logística e Supply Chain (Ilos) revelou que, na média, 20% dos consumidores de São Paulo e Belém que fizeram compras em lojas virtuais no mês de dezembro ficaram sem presente de Natal: ou os produtos não chegaram ou foram entregues quebrados. O objetivo da experiência foi mostrar as diferenças da logística de entrega para as duas cidades. As compras foram realizadas em seis sites: Americanas, Ponto Frio, Ricardo Eletro, Magazine Luiza, Walmart e Compra Fácil. "O porcentual de pedidos frustrados foi alto. Mostra que os sites devem ser mais cautelosos em relação ao tempo de entrega prometido e que a logística tem que evoluir nessa época de maior demanda", diz a diretora de Inteligência de Mercado do Ilos, Maria Fernanda Hijjar. O resultado mostrou que o atendimento aos moradores da Região Norte ainda fica atrás, apesar do frete bem mais caro. Enquanto os consumidores da capital paulista pagam em média R$ 4,6, o frete para Belém custa R$ 9,7. O tempo de entrega prometido de 5,1 dias úteis em São Paulo foi cumprido com folga de quase um dia. Já em Belém a promessa era entregar em 6,7

dias, mas o tempo constatado foi de 7,3 dias. Na capital paraense 57% dos pedidos extrapolaram o prazo prometido, 22% não chegaram até o Natal e 11% chegaram quebrados (o instituto encomendou taças e copos para avaliar a qualidade da logística para produtos frágeis). Assim, 30% dos belenenses ficaram sem presente no dia 25, contra apenas 16% dos paulistanos. O estudo mostrou também que mais da metade (56%) das entregas foram enviadas para Belém pelos Correios. Já em São Paulo o serviço foi realizado por transportadoras em 67% dos casos. A amostra foi composta por 120 pedidos, dos quais 74 tiveram confirmação de entrega até o Natal. Em janeiro, o instituto vai compilar os dados de todas as compras online para avaliar o tempo de entrega e atrasos. A previsão é que o comércio eletrônico encerre 2012 com faturamento de R$ 23 bilhões no Brasil, alta de 25% sobre o ano passado. No primeiro semestre, as vendas online somaram R$ 10,2 bilhões, ante R$ 8,4 bilhões no mesmo período de 2011. Ano passado, foram contabilizados 29,6 milhões de pedidos, alta de 18% sobre os seis primeiros meses de 2010, com tíquete médio de R$ 346. (Estadão Conteúdo)

2ª Vara da Família e Sucessões do Foro Central Cível - SP EDITAL PARA CONHECIMENTO DE TERCEIROS, EXPEDIDO NOS AUTOS DE INTERDIÇÃO DE ALEXANDRE PRIETO, REQUERIDO POR IZABEL CRISTINA DA SILVA ALEIXO - PROCESSO Nº 0134721-70.2006.8.26.0100. O(A) Dr(a). Marco Aurélio Paioletti Martins Costa, MM. Juiz(a) de Direito da 2ª Vara da Família e Sucessões do Foro Central Cível, Comarca de SÃO PAULO do Estado de São Paulo, na forma da lei, etc. FAZ SABER aos que o presente edital virem ou dele conhecimento tiverem que, por sentença proferida em 16/10/2012, foi decretada a INTERDIÇÃO de ALEXANDRE PRIETO, CPF 135.945.078-58, declarando-o(a) absolutamente incapaz de exercer pessoalmente os atos da vida civil e nomeado(a) como CURADOR(A), em caráter DEFINITIVO, o(a) Sr(a). ARIOVALDO PRIETO. O presente edital será publicado por três vezes, com intervalo de dez dias, e afixado na forma da lei. Nada mais. Dado e passado na cidade de SÃO PAULO em 05 de dezembro de 2012.

O

s fãs de Guaraná Antarctica Zero no Facebook votaram e escolheram a nova embalagem do produto que chega às gôndolas do Rio e São Paulo a partir de janeiro. É uma lata fashion, magrela como as modelos, ainda que preenchida com um conteúdo de 269 ml. Leva a assinatura da estilista mineira Patricia Bonaldi e tem preço sugerido de apenas R$ 1,10, mas sempre acaba custando um pouquinho mais no ponto de venda.

Lata escolhida pelo Facebook

COMPRE E ANUNCIE

Skol: moda praia para divulgar a marca.

A

Skol, marca de cerveja da dinamarquesa Carlsberg, no Brasil licenciada pela AmBev, está aproveitando o verão para ampliar a receita vendendo produtos de moda praia, como cadeiras, guarda-sol e toalhas no endereço virtual da marca (www.skol.com.br/e-skol ). Assim, amplia a sua publicidade no verão com a ajuda dos consumidores que compram a mídia e ainda a divulgam. Segue a receita de marketing que há muito a CocaCola adotou com resultados positivos. É comprar e sair anunciando por aí.

INVASÃO CHINESA

A

frota brasileira de motocicletas cresceu 367,78% nos últimos 12 anos, o que colocou o mercado no plano de grandes fabricantes globais, como a chinesa Shineray. A fabricante promete lançamentos por aqui em janeiro, no segmento scooters. O irreverente ator Leandro Hassum é quem anuncia a F35 e F40, ambas de 150 cc, e preço atrativo, abaixo de R$ 5 mil. Competição é bom para todos. E o ator garante: “Com uma Shineray você vai se dar bem no verão”. A criação é da agência paulista Sotaque Propaganda.

Shineray lança scooter abaixo de R$ 5 mil

Envie informações para esta coluna. E-mail: carlosfranco@revistapublicitta. com.br

Empresário do comércio menos confiante em 2012 O ano de 2012 registrou dois momentos distintos: no primeiro semestre parecia quase tudo perdido, mas no segundo o comércio retomou o fôlego. Paulo Pampolim/ Hype - 28.12.10

Dezembro: avaliações mais positivas sobre o futuro do setor comercial e da economia em geral.

O

Índice de Confiança do Empresário do Comércio (Icec), medido pela Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC), fechou o ano com queda de 4,3% em relação a 2011. O dado foi divulgado ontem pela CNC. Segundo o economista da instituição Fábio Bentes, causou impacto no resultado geral de 2012 a baixa confiança do empresário do setor no primeiro semestre do ano. “Quando a gente analisa o dado de 2012, tem dois momentos muito distintos. A gente pode, a grosso modo, estabelecer um primeiro semestre como de queda forte na confiança do empresário. E pode

fazer uma relação com o nível de atividade, com o PIB [Produto Interno Bruto] e até as vendas do comércio, que não foram muito boas no primeiro semestre. Julho foi o fundo do poço. Parece que naquele momento o empresário do comércio caiu na real de que o crescimento econômico do ano de 2012 estava perdido”, disse Bentes. Mudança progressiva – Segundo ele, a confiança do empresário do comércio, no entanto, foi sendo restabelecida, mês a mês, a partir do segundo semestre. Em dezembro deste ano, por exemplo, foi registrado aumento de 0,3% no índice, a quinta alta mensal consecuti-

va. “No segundo semestre, a gente teve uma recuperação das vendas e também alguma recuperação no nível de atividade”, explicou. Além da recuperação da confiança no segundo semestre, o empresário do comércio tem boas expectativas em relação a 2013. Em dezembro deste ano, foram registradas avaliações positivas sobre o futuro do setor comercial e da economia em geral, principalmente pela esperança com relação as desonerações tributárias. Além disso, o empresariado mostrou que pretende contratar mais funcionários com os descontos em folha que o governo promoveu. (Agências)

DIÁRIO DO COMÉRCIO

sexta-feira, 28 de dezembro de 2012

e

15 O empresário percebeu que diversificar os mercados é garantia contra crises Maurício Borges, presidente da Apex--Brasil

conomia

Apex: o apoio que faz a diferença. As exportações das empresas ligadas à agência tiveram um desempenho pelo menos 20% acima da média das outras companhias Renato Carbonari Ibelli

Fábio Rodrigues Pozzebom/ABr

O

s produtos brasileiros, das sandálias aos vinhos espumantes, aos poucos ganham o respeito do mercado mundial. Mérito de empresários que, ao longo dos anos, elevaram a qualidade da produção e ousaram diversificar seus mercados. Muitos desses empresários, para expor o made in Brazil lá fora, tiveram o respaldo da Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex-Brasil). A agência faz as vezes de intermediário entre as empresas brasileiras e compradores estrangeiros. A Apex apoia hoje cerca de 13 mil empresas brasileiras, de 81 setores da economia, em 28 países. Para 2013, uma das metas da agência, nas palavras de Maurício Borges, seu presidente, será incluir o futebol como plataforma para atração de compradores internacionais.

Diário do Comércio – Quais ações da Apex programadas para 2013 o senhor destacaria? Maurício Borges – De maneira geral, para 2013 queremos dar às exportações um maior valor agregado, além de usarmos mais plataformas para exposição dos produtos brasileiros no exterior. Plataformas esportivas costumam dar bons resultados. Em 2012, levamos nossas empresas para uma série de etapas da Fórmula Indy realizada nos Estados Unidos. Estas ações nos renderam US$ 1 bilhão em exportações. Para

Maurício Borges aposta no futebol como uma plataforma atrativa para aumentar as vendas externas de mais produtos brasileiros

2013, teremos uma parceria com a Fifa (Federação Internacional de Futebol) que nos permitirá usar a Copa das Confederações, e posteriormente, em 2014, a Copa do Mundo, como plataformas de atração de potenciais compradores para o Brasil. Empresas brasileiras poderão mostrar seus produtos nesses eventos para compradores previamente identificados pela Apex. Esperamos entre 100 a 150 compradores por jogo, nos diferentes estados. DC – A Copa tem potencial para o turismo de negócio? MB– Sim. A Copa é o maior

evento esportivo. Vai mostrar o Brasil para o restante do mundo. O futebol é o chamariz, como é o Carnaval. Mas os jogos não precisam visar unicamente o público final, que vai somente assistir as partidas. Interessa ainda a um público intermediário, que também quer fazer negócio. DC – Outra meta para 2013 comentada pelo senhor é agregar valor às exportações. Como? MB – Queremos aumentar as exportações, mas também dar mais valor agregado a elas. Essa é uma ação que exigirá o esforço da área de designer da Apex.

DC – A crise na Europa e a desaceleração dos Estado Unidos têm criado dificuldades para as ações da Apex? MB – Prefiro ver a crise como oportunidade. Enquanto Europa e Estados Unidos têm problemas, o Brasil segue firme. O Brasil está na moda, o que é bom para os produtos brasileiros. Nossos produtos têm boa qualidade e bons preços. Nossa cerâmica, por exemplo, não deve nada à cerâmica italiana, com a vantagem de ter preços mais competitivos por não ter a marca italiana. Por isso, a crise é a oportunidade para o produto brasileiro ganhar espaço.

PREFEITURA MUNICIPAL DE BIRIGUI

POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO

OBJETO:- Ficam excluídos os subitens 7.16.1 e 7.16.2 da cláusula VII do edital do Pregão Presencial nº 195/2.012, do registro de preços para aquisição de materiais de escritório, informática e expediente, destinados à Secretaria de Saúde, pelo período de 12 (doze) meses, permanecendo as demais informações, data, horário e local da realização da sessão pública. Melhores informações poderão ser obtidas junto a Seção de Licitações na Rua Santos Dumont nº 28, Centro, ou pelos telefones (018) 3643-6126. O Edital e sua retificação poderão ser lidos naquela Seção e retirado gratuitamente no site www.birigui.sp.gov.br., Wilson Carlos Rodrigues Borini, Prefeito Municipal, Birigui, 27/12/2.012.

Centro de Suprimento e Manutenção de Material de Telecomunicações Aviso de Licitação Encontra-se aberto no Centro de Suprimento e Manutenção de Material de Telecomunicações CSM/MTel, o PREGÃO ELETRÔNICO nº CSMMTEL-011/163/12, do tipo menor preço, PROCESSO nº CSMMTEL- 090/163/12, para a contratação, por item, de Serviços de Telefonia Fixa Comutada STFC tudo de acordo com o Projeto Básico constante do anexo I do edital. A sessão será realizada às 10h00 do dia 14/01/2013, no site www.bec.sp.gov.br.O edital e seus anexos encontram-se à disposição dos interessados, sem custo, nos sites: www.bec.sp.gov.br ou e www.imprensaoficial.com.br, opção: negócios públicos ou www.e-negociospublicos.com.br; e-mail: csmmteluge@policiamilitar.sp.gov.br; Telefone: 0xx11-2997-7097, ramal 1265.

RETI-RATI DO EDITAL Nº 199/2.012 PREGÃO PRESENCIAL Nº 195/2.012.

Junior Alimentos Indústria e Comércio S.A. CNPJ/MF nº 03.598.934/0001-65 - NIRE 35.300.436.792 Extrato da Ata da Assembleia Geral Ordinária e Extraordinária Aos 30/04/2012, às 10h00, na sede social. Convocação e Presença: Totalidade do capital social. Mesa: Presidida: Marco Nicola D’Ippolito e secretariada: Fernanda Garrelhas. Ordem do Dia: Deliberações: Por unanimidade de votos e sem quaisquer restrições resolveram: Aprovar as contas dos administradores, o Relatório da Administração e as Demonstrações Financeiras da Cia. referentes ao exercício social findo em 31/12/2011. Consignar que, pelo fato de a Cia. não ter apurado lucro no exercício social encerrado em 31/12/2011, não houve qualquer deliberação acerca da destinação do lucro líquido e da distribuição de dividendos. Aprovar a utilização do “Jornal da Tarde”, com circulação em Cotia, no qual, juntamente com o Diário Oficial do Estado de São Paulo, serão realizadas as publicações legais da Cia. Retificar a ata da AGE da Cia. realizada em 30/03/2012 e registrada na JUCESP nº 186.150/12-0, em 02/05/2012, uma que vez constou, erroneamente, no caput do artigo 17 do Estatuto Social consolidado da Cia., o cargo de Diretor de Operações quando, na verdade, deveria ter constado o cargo de Diretor Industrial. Sendo assim, o caput do Artigo 17 do Estatuto Social da Cia. deve ser lido conforme redação a seguir: “Artigo 17. A Diretoria será composta por, no mínimo, 2 e, no máximo, 5 diretores, acionistas ou não, residentes no país, eleitos e destituíveis pelo Conselho de Administração, com mandato de 1 ano, permitida a reeleição, sendo 1 Diretor Presidente, 1 Diretor Financeiro, 1 Diretor Comercial, 1 Diretor Industrial e os demais Diretores sem designação específica.” Os acionistas expressamente ratificam as demais deliberações constantes da ata da AGE realizada em 30/03/2012, as quais permanecem inalteradas. Encerramento: Nada mais, lavrou-se a presente ata, a qual lida e achada conforme, foi por todos aprovada e assinada. Cotia, 30/04/2012. Marco Nicola D’Ippolito - Presidente, Fernanda Garrelhas - Secretária. JUCESP nº 284.264/12-0 em 29/06/2012. Gisela Simiema Ceschin - Secretária Geral.

Geosonda S.A CNPJ/MF nº 60.681.749/0001-73 – NIRE 35.300.036.964 Ata da Assembléia Geral Ordinária realizada em 30 de abril de 2012 Local e Hora: Sede na Av. Auro de Soares de Moura Andrade, 252, conj. 21, São Paulo-SP, às 15 hs.. Presença: Acionistas representando a totalidade do capital social com direito a voto, conforme assinaturas lançadas no livro de “Presença dos Acionistas”. Convocação: Dispensada conforme faculta o § 4º do Art. 124 da Lei 6.404/76. Mesa: Presidente: Clóvis Salioni; Secretária: Rossana Braga Comité. Ordem do Dia: Aprovação do Relatório da Diretoria e Demonstrações Financeiras relativas ao exercício findo em 31/12/2011 e Aprovação e deliberação do Resultado do exercício. Deliberações tomadas na AGO: a) Foram aprovados, ainda, por unanimidade de votos, o relatório da Diretoria, Balanço Patrimonial e demais Demonstrações Financeiras, relativas ao exercício findo em 31/12/2011, cujas matérias foram publicadas no DOE-SP, pág. 303, 28/04/2012, e no periódico Valor Econômico, pág. E20, de 30/04/2012. b) Foi aprovado, também por unanimidade de votos, que o Resultado do Exercício, no valor de R$ 2.704.933,00, deverá ser distribuído da seguinte forma: R$ 135.247,00 constituirá a reserva legal, conforme determina o Art. 23º do Estatuto Social e Art. 193 da Lei 6.404/76; e saldo restante de R$ 2.569.686,00, juntamente com parte do saldo da conta de Lucros retidos de exercícios anteriores, no valor de R$ 14.934.422,00, totalizando o valor de R$ 17.504.108,00, que serão mantidos na conta Lucros Retidos e poderá ser distribuído nos exercícios subsequentes, de acordo com a disponibilidade do caixa da empresa, a critério da Diretoria. Nada mais havendo a deliberar, o Sr. Presidente deu por encerrados e concluídos os trabalhos. Em seguida, suspendeu a sessão pelo tempo necessário à lavratura da presente ata sob a forma de sumário. Reaberta a sessão, a presente ata foi lida, aprovada e por todos os presentes assinada. Acionistas: Clovis Salioni e Clovis Salioni Junior. São Paulo, 30/04/2012. (ass.) Clovis Salioni – Presidente; Rossana Braga Comité – Secretária. JUCESP – Certifico o registro sob o nº 190.126/12-7 em 09/05/2012. Gisela Simiema Ceschin – Secretária Geral.

Junior Alimentos Indústria e Comércio S.A. CNPJ/MF nº 03.598.934/0001-65 - NIRE 35.300.436.792 Extrato da Ata da Assembleia Geral Extraordinária 1. Data, Hora e Local: 30/09/2012, às 15h, na sede social. 2. Convocação e Presença: Dispensada conforme disposto no artigo 124, §4º da Lei nº 6.404/76. 3. Mesa: Presidida: Marco Nicola D’Ippolito e secretariada: Francisco Saraiva da Silva Torres Junior. 4. e 5. Ordem do Dia: Deliberações: Por unanimidade de votos e sem quaisquer restrições: 5.1 Aprovar, por unanimidade de votos dos presentes e sem quaisquer ressalvas ou restrições, a aplicação de parcela dos recursos registrados na conta de reserva de capital da Cia., no valor de R$ 316.099,39, para a recompra de 1.106.818 ações ON e sem valor nominal de emissão da Cia., representativas de 5,18% do capital social da Cia. (“Ações Adquiridas”), conforme indicado abaixo: (i) 890.543 ações ON e sem valor nominal de titularidade da Pátria - Brazilian Private Equity Fund III - Fundo de Investimento em Participações; (ii) 76.333 ações ON e sem valor nominal de titularidade da Pátria Economia Real - Fundo de Investimento em Participações; (iii) 50.888 ações ON e sem valor nominal de titularidade da Brasil Private Equity III - Fundo de Investimento em Participações; e (iv) 89.054 ações ON e sem valor nominal de titularidade da Pátria Private Equity Fund III Co-Investimento - Fundo de Investimento em Participações. 5.1.1 As Ações Adquiridas são transferidas, nesta data, pelos acionistas acima indicados à Cia., mediante assinatura pelas partes no Livro de Registro de Transferência de Ações Nominativas da Cia. (“Data de Transferência”). 5.1.2 Consignar que o valor de R$ 316.099,39 a ser pago como preço na recompra das Ações Adquiridas foi calculado de acordo com o valor patrimonial das ações da sociedade com base no balanço da Cia. levantado em 31/08/2012 (“Preço”). 5.1.3 Consignar que o pagamento do Preço será efetuado aos acionistas acima indicados na proporção das Ações Adquiridas por eles alienadas, em uma única parcela, em até 30 dias contados da Data de Transferência. 5.1.4 Consignar que as Ações Adquiridas serão canceladas imediatamente após a transferência de sua titularidade para a Cia. 5.2 Por força da recompra e posterior cancelamento das Ações Adquiridas, conforme aprovado no item 5.1 acima, com a consequente extinção das Ações Adquiridas, o capital social da Cia., totalmente subscrito e integralizado, passa a se dividir em 20.265.955 ações ON e sem valor nominal. 5.2.1 Em virtude do disposto no item 5.2 acima, por unanimidade de votos dos presentes e sem quaisquer ressalvas ou restrições, aprovam a alteração do Artigo 5º do Estatuto Social da Cia., para prever o novo número de ações em que se divide o capital social da Cia. após o cancelamento das Ações Adquiridas, que passará a vigorar com a seguinte redação: “Artigo 5º. O capital social da Cia. totalmente subscrito e parcialmente integralizado, em moeda corrente nacional, é de R$ 35.748.745,00, dividido em 20.265.955 ações ordinárias, nominativas e sem valor nominal. § 1º. A propriedade de ações presumir-se-á pela inscrição do nome do acionista no livro de “Registro das Ações Nominativas” da Cia. Qualquer transferência de ações será feita por meio da assinatura do respectivo termo no livro de “Transferência de Ações Nominativas” da Cia. § 2º. Cada ação ordinária confere ao seu titular o direito a um voto nas Assembleias Gerais da Cia., cujas deliberações serão tomadas na forma deste Estatuto Social e da legislação aplicável. § 3º É vedada a emissão pela Cia. de partes beneficiárias.” 5.3 Autorizar os administradores da Cia. a tomarem todas as medidas necessárias para efetivar e cumprir as deliberações ora tomadas, inclusive, mas sem limitação, assinar todos e quaisquer documentos e proceder a todos os registros junto aos órgãos públicos e particulares que se façam necessários para tal fim. 6. Encerramento: Nada mais, lavrou-se a presente ata que, lida e achada, foi aprovada e assinada. Cotia, 30/09/2012. Marco Nicola D’Ippolito - Presidente; Francisco Saraiva da Silva Torres Junior - Secretário. JUCESP nº 497.147/12-9 em 09/11/2012. Gisela Simiema Ceschin Secretária Geral.

PREFEITURA MUNICIPAL DE CASTILHO/SP TERMO DE HOMOLOGAÇÃO PROCESSO LICITATÓRIO 81/12 – PREGÃO 36/12 Objeto: Aquisição de combustível óleo diesel S50. Considerando a adjudicação constante da ata dos trabalhos da sessão pública de julgamento, lavrada pelo Sr. Pregoeiro, designada pela Portaria nº 02, de 03/01/2012; e a regularidade do procedimento, hei por bem, com base na Lei Federal nº 10520, de 17 de julho de 2002, Homologar, o item do objeto licitado, à empresa abaixo delineada e determinar que sejam tomadas as providências ulteriores. Auto Posto Check Up Ltda., Avenida Adnaldo Rodrigues Medeiros, 651 - Centro - Castilho/SP, CNPJ (MF): 01.700.156/0001-48. Valor: R$ 33.152,00 (Trinta e três mil, cento e cinquenta e dois reais). Castilho/SP, 05 de dezembro de 2012. Antônio Carlos Ribeiro - Prefeito. A Debitar dia (28.12.12)

SEVERO VILLARES PROJETOS E CONSTRUÇÕES S/A CNPJ Nº 61.432.472/0001-08 / NIRE Nº 35.300.359.968 Certidão da Ata de Assembleia Geral Ordinária Data, Hora e Local: 30/04/2012, às 13:00h., na sede social situada na Rua Iguatemi, 448, 2º andar, conj. 202, Itaim Bibi, SP., CEP: 01451-010. Quorum de Instalação: Presentes os acionistas detentores da totalidade das ações representativas do Capital Social, conforme assinaturas apostas no Livro de Presença de Acionistas. Composição da Mesa Diretora dos Trabalhos: Rebeca da Silva Rodrigues dos Santos, Presidente da Assembleia e Grazzieli Maria Romeira Portella Silva Gomes Rocha, Secretária. Edital de Convocação com Aviso aos Acionistas: Dispensada a convocação pela imprensa, na forma do artigo 124, §4º da Lei 6.404/76. Ordem do Dia: a) Exame, discussão e votação do relatório da administração, balanço patrimonial e demonstrações financeiras referentes ao exercício findo em 31/12/2011; b) Eleição dos membros da Diretoria; c) Outros assuntos de interesse da Sociedade. Deliberações: a) Foram aprovados, sem restrições, o relatório da diretoria, as demonstrações financeiras e o balanço patrimonial referente ao exercício findo em 31/12/2011, publicado no “Diário Oficial do Estado de São Paulo” e no “Diário do Comércio” na edição do dia 17/04/2012. b) Eleita a Diretoria da Sociedade, com mandato de 2 (dois) anos, contados desta data, para o período de 2012 a 2014, como Diretora: Rebeca da Silva Rodrigues dos Santos, brasileira, solteira, maior, empresária, portadora do RG 29.247.901-3 SSP/SP, CPF/MF 221.431.138-62, e como Diretor Técnico Mozes Agamenon Mellado de Queiroz, brasileiro, casado, contador, portador do RG 28.725.735-6 SSP/SP, CPF/MF 015.301. 897-64, ambos com domicilio comercial situado na Rua Iguatemi, 448, conj. 204, Itaim Bibi, SP/SP, CEP: 01451-010. Declaração de Desimpedimento e Posse: Os Diretores ora eleitos declaram que não estão em curso em nenhum dos crimes previstos em lei que os impeçam de exercerem atividade mercantil. Ato contínuo, assinam o Termo de Posse lavrado no Livro de Registro de Atas da Sociedade, conforme art. 149 da Lei 6.404/76. c) Dispensada a instalação do Conselho Fiscal conforme faculta o art. 161 da Lei 6.404/76. Observações Finais: 1) Quorum das deliberações: Aprovado por unanimidade de votos dos Acionistas presentes; 2) Ficam arquivados na sede da sociedade os documentos citados; 3) Encerramento: Esgotada a ordem do dia e nada mais havendo a tratar, a Sra. Presidente declara encerrada a sessão, da qual lavrou-se a presente ata em duplicata como dispõe o art. 87, §4º da Lei 6.404/76, a qual foi lida, conferida e achada conforme pelos presentes, dela se extraindo 3 (três) vias para arquivamento no registro de comércio. Na qualidade de Secretária da Assembleia, declaro que a presente é cópia fiel da original lavrada em livro próprio. Rebeca da Silva Rodrigues dos Santos - Presidente da Assembleia - Grazzieli Maria Romeira Portella Silva Gomes Rocha - Secretária. JUCESP nº 292.549/12-0 em 10/07/2012. Gisela Simiema Ceschin - Secretária Geral.

Freire Participações e Empreendimentos Ltda CNPJ/MF nº 44.237.212/0001-62 – NIRE 35.217.532.542 Ata de Reunião dos Sócios Cotistas realizada em 14 de dezembro de 2012 Data e hora: 14/12/2012, às 11 hrs. Local: sede social, na Rua Tucumã, nº 401, cj. 131, 13º and., São Paulo-SP. Presença: Presente a totalidade dos sócios. Mesa: Presidente: Christiano da Cunha Freire; Secretária:Andrea Occhialini C. May Zaidan. Convocação: Dispensadas as formalidades de convocação e publicação, de acordo com o que faculta o disposto no Art. 1.072, § 2º, da Lei nº 10.406/02 – Código Civil. Ordem do dia: Alcançado o quorum legal para se efetivar esta reunião extraordinária com o objetivo de discutir e deliberar sobre a ordem do dia prevista, a saber: (1) Analisar e aprovar a redução do capital social da sociedade de R$ 2.010.000,00 para R$ 1.710.000,00, por excesso de disponibilidade financeira no valor de R$ 300.000,00. (2) Estabelecer a reorganização das cotas sociais entre os sócios e como ficará a redação da Cláusula 5ª, no contrato social da sociedade. Deliberações: Os presentes, por unanimidade, aprovaram: (1) A redução do capital social da sociedade de R$ 2.010.000,00 para R$ 1.710.000,00, por excesso de disponibilidade financeira no valor de R$ 300.000,00, que serão distribuídos aos sócios, da seguinte maneira: ao sócio Christiano da C. Freire o valor de R$ 210.000,00, correspondente a 70%, a sócia Andrea Occhialini C. May Zaidan o valor de R$ 45.000,00, correspondente a 15% e a sócia Ana Paula O. Guimarães o valor de R$ 45.000,00, correspondente a 15%. (2) Em função dessa redução, o Capital Social da sociedade será reduzido de R$ 2.010.000,00 para R$ 1.710.000,00, dividido em 57.000 cotas sociais, no valor nominal de R$ 30,00 cada uma, totalmente integralizado, em moeda corrente nacional, assim distribuídos entre os sócios: Sócios/Cotistas Nº de Cotas/Part.% Valor Em R$ Christiano da Cunha Freire 39.899 = 69,999% R$ 1.196.970,00 Andrea Occhialini Capobianco May Zaidan 8.550 = 15,000% R$ 256.500,00 Ana Paula Occhialini Guimarães 8.550 = 15,000% R$ 256.500,00 Maria Angela Occhialini da Cunha Freire 1 = 0,001% R$ 30,00 Total 57.000 = 100% R$ 1.710.000,00 e a redação da Cláusula 5ª, no Contrato Social, passará a ter a seguinte forma: Cláusula 5ª – O capital social subscrito e integralizado é de R$ 1.710.000,00, totalmente integralizado pelos sócios, em moeda corrente nacional, dividido em 57.000 cotas sociais, no valor nominal de R$ 30,00 cada uma, distribuído entre os sócios, na forma abaixo: Sócios/Cotistas Nº de Cotas/Part.% Valor Em R$ Christiano da Cunha Freire 39.899 = 69,999% R$ 1.196.970,00 Andrea Occhialini Capobianco May Zaidan 8.550 = 15,000% R$ 256.500,00 Ana Paula Occhialini Guimarães 8.550 = 15,000% R$ 256.500,00 Maria Angela Occhialini da Cunha Freire 1 = 0,001% R$ 30,00 Total 57.000 = 100% R$ 1.710.000,00 § 1º: A responsabilidade dos sócios é restrita ao valor de suas cotas, respondendo solidariamente pela integralização do capital social, conforme Art. 1052 da Lei nº 10.406/2002. § 2º: A totalidade das cotas pertencentes às sócias Andrea Occhialini C. May Zaidan e Ana Paula O. Guimarães, são oneradas com usufruto vitalício em favor de Maria Angela O. da Cunha Freire, recaindo sobre as mesmas cotas as cláusulas de incomunicabilidade, inalienabilidade e impenhorabilidade. Lavratura da Ata: Oferecida a palavra a quem dela quisesse fazer uso. Ninguém se manifestando, foi suspensa a reunião pelo tempo necessário à lavratura desta ata. Reaberta a sessão, foi a ata lida, achada conforme, aprovada e assinada por todos os presentes. A presente ata confere com a original lavrada em livro próprio. (ass.) Presidente: Christiano da Cunha Freire; Secretária: Andrea Occhialini Capobianco May Zaidan. Sócios: Christiano da Cunha Freire; Andrea Occhialini Capobianco May Zaidan; Ana Paula Occhialini Guimarães; Maria Angela Occhialini da Cunha Freire.

Além disso, nosso trabalho principal é mostrar o produto brasileiro no exterior. Mesmo com crise, mantivemos a participação em 900 eventos anuais pelo mundo. DC – E quanto ao mercado chinês, há algo específico para ele em 2013? MB – Alimentos sempre serão importantes para a China. Estamos levando bolachas, guaraná, energéticos, entre outros produtos do tipo. O que se passa na China é que por lá existe uma crescente classe média, do tamanho da população brasileira, disposta a comprar. É um mercado duro de se

entrar, mas todos os mercados têm suas particularidades. O que fazemos para ajudar as empresas brasileiras a entrar na China é um enorme trabalho de inteligência, para determinar potenciais compradores e produtos mais adequados ao perfil do consumidor chinês. Aprovamos recentemente um programa grande de estímulo à cachaça brasileira e a China é um potencial mercado. DC – O varejo está nos planos da Apex para o ano que vem? MB – Temos visto muitas franquias brasileiras crescendo nos Estados Unidos e na Europa, muito disso como resultado de uma parceria que firmamos com a ABF (Associação Brasileira de Franchising). O empresário brasileiro percebeu que diversificar os mercados é importante, é uma garantia contra crises. Com a crise de 2008, Angola segurou nossas vendas de moda praia. A Colômbia comprou muitos produtos de beleza. DC – Mais um exemplo da crise como oportunidade? MB – Claro. O empresário brasileiro amadureceu muito nos últimos anos, principalmente com a crise de 2008. Hoje, ele é mais moderno e assertivo do que nunca. DC – O ano de 2012 foi bom para a Apex? MB – Foi um ano de grandes oportunidades. As exportações das empresas ligadas à Apex-Brasil tiveram um desempenho pelo menos 20% acima da média das outras empresas.

Viação Santa Brígida Ltda. Torna público que requereu na CETESB a Renovação de Licença de Operação para garagem de ônibus com armazenamento e abastecimento de combustíveis automotivos. À Av. Domingos de Souza Marques, 450 – São Paulo/SP.

Junior Alimentos Indústria e Comércio S.A. CNPJ/MF nº 03.598.934/0001-65 - NIRE 35.300.436.792 Extrato da Ata da Assembleia Geral Extraordinária Data, Hora e Local: 20/08/2012, às 10h, na sede social. Conforme disposto no artigo 124, §4º da Lei nº 6.404/1976. Mesa: Presidida: Marco Nicola D’Ippolito e secretariada: Francisco Saraiva da Silva Torres Junior. Ordem do Dia/Deliberações: Por unanimidade de votos e sem quaisquer restrições: Retificar a Ata da AGOE da Cia., tendo em vista as retificações propostas pela empresa de auditoria Deloitte Touche Tohmatsu Auditores Independentes nas Demonstrações Financeiras da Cia., de forma que as Demonstrações Financeiras aprovadas pela AGOE devem ser entendidas como sendo aquelas constantes do Anexo I à presente ata. Encerramento: Nada mais, lavrou-se a presente ata que, lida e achada conforme, foi por todos aprovada e assinada. Cotia, 20/08/2012. Marco Nicola D’Ippolito - Presidente; Francisco Saraiva da Silva Torres Junior Secretário. JUCESP nº 497.144/12-8 em 09/11/2012. Gisela Simiema Ceschin - Secretária Geral.

SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO

FDE AVISA: COMUNICADO A Comissão Julgadora de Licitação comunica que, devido aos pedidos de Esclarecimentos, feitas as revisões, republicam-se os editais abaixo com novas datas e horários de abertura: PROCESSO NOVA DATA DE ABERTURA NOVO HORÁRIO 46/01346/12/02 29/01/2013 10:30 46/01347/12/02 29/01/2013 11:00 46/01356/12/02 29/01/2013 11:30 46/01357/12/02 29/01/2013 14:00 46/01366/12/02 29/01/2013 14:30 46/01367/12/02 29/01/2013 15:00 46/01369/12/02 29/01/2013 15:30 46/01409/12/02 29/01/2013 16:00 46/01413/12/02 29/01/2013 16:30 46/01415/12/02 30/01/2013 09:30 46/01416/12/02 30/01/2013 10:00 46/01151/12/02 30/01/2013 10:30 46/01218/12/02 30/01/2013 11:00 46/01223/12/02 30/01/2013 11:30 46/01438/12/02 30/01/2013 14:00

Junior Alimentos Indústria e Comércio S.A. CNPJ/MF nº 03.598.934/0001-65 - NIRE 35.300.436.792 Extrato da Ata da Assembleia Geral Extraordinária 1. Data, Hora e Local: Realizada no dia 30/09/2012, às 09h00, na sede social. 2. Convocação e Presença: Totalidade do capital social. 3. Mesa: Presidida pelo Sr. Marco Nicola D’Ippolito e secretariada pelo Sr. Francisco Saraiva da Silva Torres Junior. 4. e 5. Ordem do Dia - Deliberações: Deliberaram, por unanimidade de votos e sem quaisquer restrições: 5.1 Aprovar, sem reservas, os termos e condições do Protocolo, o qual estabelece os termos e condições da incorporação do acervo líquido da Private Equity AA pela Cia., que, rubricado por todos os presentes, passa a fazer parte integrante desta ata como seu Anexo I. 5.2 Ratificar a indicação, feita no Protocolo, para avaliação do acervo líquido da Private Equity AA, da empresa especializada de avaliação independente Apsis Consultoria e Avaliações Ltda., empresa especializada com registro no CRC/RJ RF/2.052-4, CNPJ/MF 08.681.365/0001-30, RJ/RJ, na R. da Assembleia, 35, 12º andar (“Avaliadora”), a qual, previamente consultada, aceitou o encargo e apresentou o Laudo de Avaliação elaborado com base no balanço patrimonial da Private Equity AA levantado em 31/08/2012 e em estrita observância do que estabelecem os critérios contábeis e a legislação societária atualmente em vigor. 5.3 Aprovar o Laudo de Avaliação da Private Equity AA, para efeito de incorporação de seu acervo líquido pela Cia., preparado com base em balanço patrimonial da Private Equity AA levantado em 31/08/2012, que, rubricado por todos os presentes, passa a fazer parte integrante desta ata como seu Anexo II. 5.4 Aprovar a Incorporação, nos termos do Protocolo, com a consequente versão da totalidade do patrimônio da Private Equity AA à Cia. e a consequente extinção da Private Equity AA. A Cia. sucederá a Private Equity AA em todos os seus direitos e obrigações, a título universal e para todos os fins de direito, sem qualquer solução de continuidade. 5.4.1 Consignar que, como no momento da Incorporação o patrimônio líquido da Private Equity AA será composto exclusivamente (i) pelo investimento na Cia.; (ii) pelo ágio registrado na aquisição desse investimento; e (iii) por um caixa no valor total de R$ 316.100,39 (“Caixa”), a Incorporação acarretará aumento do capital social da Cia., conforme estabelecido no Protocolo, com emissão de 1.106.818 novas ações ON e sem valor nominal, com valor de emissão total igual ao valor do Caixa, a serem totalmente subscritas pelos acionistas da Private Equity AA, na proporção de suas respectivas participações no capital social da Cia. 5.4.2 As eventuais variações patrimoniais do acervo líquido da Private Equity AA, ora incorporado pela Cia., ocorridas entre 31/08/2012 e a presente data serão absorvidas pela Cia., e a Cia. assumirá as responsabilidades ativas e passivas relativas ao patrimônio da Private Equity AA que lhe será transferido em decorrência da Incorporação ora aprovada. 5.4.3 Tendo em vista a aprovação da Incorporação, as 15.199.470 ações ON e sem valor nominal de emissão da Cia., atualmente detidas pela Private Equity AA, serão extintas e substituídas, em igual número, por novas ações ON e sem valor nominal de emissão da Cia., com os mesmos direitos e obrigações atribuídos às ações a serem canceladas. As novas ações da Cia. a serem emitidas nos termos indicados neste item 5.4.3 serão totalmente atribuídas aos acionistas da Private Equity AA, na proporção de suas respectivas participações no capital social da Private Equity AA. 5.5 Tendo em vista o quanto disposto na Cláusula 5.4.1 acima, aprovar a emissão de 1.106.818 novas ações ON e sem valor nominal, com preço de emissão total de R$ 316.100,39, fixado conforme inciso II do §1º do Artigo 170 da Lei das S.A., sendo que R$ 1,00 será destinado a aumento do capital social da Cia., que passará dos atuais R$ 35.748.744,00 para R$ 35.748.745,00; e (ii) R$ 316.099,39 será destinado à conta de reserva de capital da Cia., conforme estabelecido no Protocolo. 5.5.1 As 1.106.818 novas ações ON e sem valor nominal de emissão da Cia. são, neste ato, totalmente subscritas pelos atuais acionistas da Private Equity AA, na proporção de suas respectivas participações no capital social da Private Equity AA, de acordo com os termos do boletim de subscrição anexo à presente ata na forma do Anexo III. 5.5.2 O atual acionista da Cia., Sr. Francisco Saraiva da Silva Torres Junior, brasileiro, casado, administrador de empresas, RG 10.237.392-9 SSP/SP e CPF/MF 042.340.888-70, residente e domiciliado na cidade de São Paulo/SP, (“Sr. Francisco Junior”), neste ato, de maneira irretratável e irrevogável, consente com a subscrição e integralização pelos acionistas da Private Equity AA da totalidade das novas ações ON e sem valor nominal ora emitidas pela Cia., conforme previsto no item 5.5.1 acima, e renuncia expressamente ao seu direito de preferência na subscrição de referidas ações. 5.6 Tendo em vista a deliberação aprovada no item 5.5 acima, aprovar a alteração do Artigo 5º do Estatuto Social da Cia., o qual passa a vigorar com a seguinte nova redação: “Artigo 5º - O capital social da Cia. totalmente subscrito e parcialmente integralizado, em moeda corrente nacional, é de R$ 35.748.745,00, dividido em 21.372.773 ações ordinárias, nominativas e sem valor nominal. § 1º. A propriedade de ações presumir-se-á pela inscrição do nome do acionista no livro de “Registro das Ações Nominativas” da Cia. Qualquer transferência de ações será feita por meio da assinatura do respectivo termo no livro de “Transferência de Ações Nominativas” da Cia. § 2º. Cada ação ordinária confere ao seu titular o direito a um voto nas Assembleias Gerais da Cia., cujas deliberações serão tomadas na forma deste Estatuto Social e da legislação aplicável. § 3º. É vedada a emissão pela Cia. de partes beneficiárias.” 5.7 Os acionistas autorizam, neste ato, a administração da Cia. a praticar todos os atos necessários para a implementação da Incorporação ora aprovada, podendo, para tanto, praticar todos os atos, assinar todos os documentos e cumprir todas as formalidades necessárias, nos termos e condições do Protocolo. 6. Encerramento: Nada mais havendo lavrou-se a presente ata que, lida e achada conforme, foi por todos aprovada e assinada. Cotia, 30/09/2012. Marco Nicola D’Ippolito - Presidente; Francisco Saraiva da Silva Torres Junior - Secretário. JUCESP nº 457.145/12-1 em 09/11/2012. Gisela Simiema Ceschin - Secretária Geral.

DIÁRIO DO COMÉRCIO

16

sexta-feira, 28 de dezembro de 2012

e Pacotes tributários precisam de lastro O maior desafio que o País tem é renovar sua infraestrutura. Adolfho Bergamini, do escritório Bergamini Advogados

conomia

Especialistas em tributação e finanças públicas comemoram a boa vontade do governo, mas apontam o que será preciso para desonerar mais, investir e crescer. Sílvia Pimentel

Rafael Andrade/ Folha Imagem - 02.08.07

A

sinalização da presidente Dilma Rousseff de que a redução de impostos será uma das prioridades do governo no próximo ano indica que novos pacotes tributários deverão ser lançados, seguindo a política adotada em 2012. A dúvida é saber se o governo terá fôlego para promover novas desonerações em meio a um cenário econômico internacional ainda sombrio e de um crescimento pífio do Produto Interno Bruto (PIB), projetado em 1% na última estimativa do Banco Central. Além disso, por conta do baixo crescimento econômico, o governo já não conta com a robusta receita tributária do passado. Em novembro, por exemplo, a arrecadação de impostos interrompeu um ciclo de cinco quedas consecutivas, com um crescimento modesto de 0,45% na comparação com igual mês do ano passado. "Ainda há espaço fiscal para a concessão de mais incentivos tributários, mas, obviamente, o cenário desfavorável acaba por estreitar as margens desses benefícios", analisa o advogado do escritório Bergamini Advogados, Adolfho Bergamini. Ele é favorável à política de redução de tributos como forma de incentivar o consumo, mas acredita que a medida por si só não viabilizará a retomada do crescimento no nível que se espera. "O maior desafio que o País tem é renovar sua infraestrutura, o que inclui portos, aeroportos, energéticos, estradas e ferrovias. Sendo assim, acho que a desoneração tributária ao setor de infraestrutura deve ser o grande objetivo a ser perseguido pelo governo, pois gerará crescimento", afirma. Mudança significativa – Para 2013, o advogado elenca como grande alteração tributária a unificação da alíquota interestadual do Imposto sobre

Desoneração tributária em infraestrutura (ferrovias, portos, aeroportos e energia) pode alavancar o crescimento no País.

Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) em 4%, saída encontrada para pôr fim à chamada guerra dos portos. Ele explica que, com a redução da alíquota, a tendência é que os incentivos fiscais percam atratividade, pois não haverá mais sentido para uma empresa se instalar em um Estado sem infraestrutura, mercado consumidor se, do ponto de vista financeiro, a contrapartida tributária não compensa os gastos operacionais inerentes à mudança de endereço da empresa. Para a advogada Fabiana Chagas, do escritório Glézio Rocha Advogados, a unificação da alíquota a partir do próximo ano, embora haja um período de transição até chegar a esse patamar, deve gerar uma movimentação da indústria. "As empresas mais arrojadas modificaram seus negócios e

foram para os Estados que concediam tais benefícios. Nem sempre o mercado consumidor está nessas localidades. Com uma carga tributária mais igualitária, trazida com a mudança, é preciso avaliar se realmente vale a pena permanecer no mesmo local ou se voltar para os Estados mais desenvolvidos, com mercador consumidor", analisa. Sobre as medidas adotadas pelo governo em 2012, ela considera a desoneração da folha de salários como uma das mais importantes e que trouxe economia significativa para alguns setores. Hoje, são 43 segmentos que trocaram a tributação de 20% da folha de salários (contribuição ao INSS) pela incidência de alíquota entre 1% e 2% do faturamento. "É um mecanismo interessante com resultados impactantes e a principal in-

tenção é a manutenção do emprego. Se a economia continuar retraída, acho que as desonerações vão prosseguir", arrisca. A advogada Vanessa Miranda de Mello Pereira, gerente de conteúdo sobre impostos diretos da Thomson Reuters Fiscosoft, Vanessa Miranda de Mello Pereira, lembra que a partir de 2013 as empresas que fabricam carnes, tintas e vernizes, produtos de beleza, tijolos, vidros, ferros e parafusos, aparelhos elétricos, entre outros, deixarão de recolher o INSS com base na folha de pagamento, passando o recolhimento com base na receita bruta. "Para que a União não perca tanto na arrecadação, a medida vai implicar na majoração da alíquota da Cofins Importação para os mesmos setores, que passarão a recolher alíquota de 8,6% a partir de

2013", ressalva. Na opinião dela, 2013 promete ser um ano bastante agitado. Limitação – Para o economista Amir Khair, o governo deve prosseguir com a política das desonerações, mas de forma bem mais limitada do que ocorreu em 2012. "Existe uma limitação fiscal que deve ser analisada com cuidado. A arrecadação de impostos cresce menos e sabemos que, em épocas de crescimento modesto da economia, é comum os empresários deixarem o pagamento de impostos por último no rol de compromissos financeiros", analisa o especialista em finanças públicas. Juros – Embora favorável às medidas de estímulo ao consumo e oferta (como a redução do Imposto sobre Produtos Industrializados, o IPI, e a desoneração da folha), o economista destaca que o freio

real da economia é a taxa juros de mercado. "O governo iniciou uma queda de braço com os bancos, mas se acomodou e não houve redução dos juros para o tomador", disse. Na opinião de Amir Khair, sem novas reduções na taxa básica de juros (Selic), o Brasil vai continuar com o freio de mão puxado em 2013. Além da queda da Selic, que levaria o governo a economizar ainda mais com juros da dívida pública, o economista defende a redução das alíquotas do ICMS como forma de estimular o consumo. "A carga tributária sobre o consumo é muito alta. E, infelizmente, não há pressão sobre os Estados para reduzir esse imposto. Todas as discussões sobre reforma tributária neste ano se concentraram na guerra fiscal", conclui.

Monalisa Lins/ e-SIM

www.agenda-empresario.com.br

ANO XXV

APOIO:

CENOFISCO

www.orcose.com.br

SEXTA-FEIRA, 28 DE DEZEMBRO DE 2012

MERCADORIA A TÍTULO DE DEMONSTRAÇÃO A remessa de mercadoria a título de demonstração usufrui de benefício fiscal? Saiba mais acessando:[www.empresario.com.br/legislacao]. TENHO UM FUNCIONÁRIO AFASTADO POR ACIDENTE DETRABALHO, ESTE MÊSTIVEMOS UM REAJUSTE DE 10% EMVIRTUDE DO DISSÍDIO COLETIVO,MINHA DÚVIDA E SE DEVO REAJUSTAR O SALÁRIO DESSE FUNCIONÁRIO COMO OS DEMAIS? Informamos que o salário do empregado afastado por acidente do trabalho deverá ter seu salário reajustado como os demais empregados, tendo em vista que sobre o novo valor haverá a incidência fundiária.

www.contabil.com.br

REAJUSTE DE SALÁRIO NA GRAVIDEZ Temos uma funcionária que está gestante de quatro meses,entretanto pretendemos aumentar o seu salário a partir do próximo mês, gostaria de saber se ela já vai receber o salário-maternidade com o salário reajustado, existe alguma carência neste sentido? Saiba mais acessando: [www.empresario.com.br/legislacao]. NO RECIBO DE FÉRIAS, PODEM SER DESCONTADOS OS SEGUINTES EVENTOS: PENSÃO ALIMENTÍCIA, EMPRÉSTIMO CONSIGNADO, SEGURO DE VIDA? Informamos que tendo em vista que a remuneração de férias é salário, sobre este valor poderá ocorrer desconto de pensão alimentícia, empréstimo consignado e seguro de vida. PARA A ATIVIDADE RURAL DE PESSOA FÍSICA, O QUE SE CONSIDERA INVESTIMENTO NO CASO DA EXPLORAÇÃO DA PISCICULTURA? Considera-se investimento a efetiva aplicação de recursos financeiros, durante o ano-calendário, que vise ao desenvolvimento da atividade rural para a expansão e melhoria da produtividade do cultivo do pescado,tais como:aquisição de matrizes e alevinos,reparo,construção e limpeza de diques,comportas e canais. GASTOS COM DESMATAMENTO DE TERRAS Para a atividade rural de pessoa física,os gastos com desmatamento de terras,para implantação de culturas permanentes,podem ser considerados investimentos? Saiba mais:[www.empresario.com.br/legislacao]. IMPORTÂNCIAS RECEBIDAS POR PARLAMENTARES São tributáveis as importâncias recebidas por parlamentares a título de remuneração,inclusive por motivo de convocação extraordinária da casa legislativa? Saiba mais:[www.empresario.com.br/legislacao]. BOAS FESTAS E PRÓSPERO ANO NOVO! • GESTÃO FISCAL • ADMINISTRAÇÃO DO RH

CONTABILIDADE E ASSESSORIA

• CONTABILIDADE • LEGALIZAÇÃO • MEDIAÇÃO E ARBITRAGEM

"A carga tributária sobre o consumo é muito alta. Todas as discussões sobre reforma tributária neste ano se concentraram na guerra fiscal", diz o especialista em finanças públicas Amir Khair.

Desonerar custa caro

N

o final do ano de 2012, o governo anunciou a ampliação do benefício da desoneração da folha de pagamento para o comércio varejista. Com isso, a desoneração tributária alcança 41 setores econômicos, que passam a recolher entre 1% e 1,5% sobre o faturamento em vez de 20% de contribuição previdenciária sobre a folha de salários. No caso do comércio, a alíquota será de 1% e a medida começa a valer a partir de abril de 2013. Pelas contas do governo, a redução de tributos no ano que vem será de R$ 1,91 bilhão. Em 2014, o impacto será de R$ 2,1 bilhão. Essa política

teve início em 2011, com o segmento de Tecnologia da Informação (TI). E em 2012, o governo ampliou as medidas. Também no final do ano, pela terceira vez, o governo prorrogou o Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) reduzido para automóveis e produtos da linha branca para o primeiro semestre de 2013. O governo estima que, com essas medidas, incluindo a desoneração da folha de salários e as demais reduções, deixarão de entrar nos cofres públicos nada menos que R$ 40 bilhões em 2013, valor equivalente à receita gerada pela extinta Contribuição Provisória sobre Movimentação Financeira (CPMF). (SP)

DIÁRIO DO COMÉRCIO

sexta-feira, 28 de dezembro de 2012

17

Nº 446

DCARR MÚSICA SOBRE 4 RODAS

Camaro Amarelo, Fiorino e Gol 1.000. O pop-sertanejo trouxe de volta a "musicalidade" do carro. Compositores exploram a bem-humorada comparação entre carrões potentes e carrinhos modestos. ANDRÉ DOMINGUES Fotos: Divulgação

E

m agosto deste ano, aqui no DCarro, comentávamos o sumiço dos automóveis no repertório da música brasileira. Quem imaginaria que, pouco depois, começasse a se formar uma nova onda de canções sobre carros na música pop-sertaneja, puxada pelo hit Camaro Amarelo, de Munhoz e Mariano, que, àquela altura, já dava suas primeiras aceleradas? Logo atrás do Camaro, veio o Fiorino, da canção homônima de Gabriel Gava, e, agora, o Gol 1000, cantado por Edson e Hudson em Meu Amor é 10. Foi a redescoberta do óbvio. Afinal, como a reportagem já argumentava, "a paixão por carros não esfriou", só o mercado não favorecia a inspiração "com modelos demais e personalidade de menos". Era questão dos compositores acharem o mote certo. Acertou quem o buscou no meio do movimento atual de autoafirmação da chamada classe C emergente, explorando a comparação bem-humorada entre carrões potentes de longa fama e carrinhos modestos do dia-a-dia. Não foi por acaso que o Camaro amarelo puxou a fila. Além de ser um item de consumo de elite, custando acima de R$ 200 mil, o carrão cara-de-mau da GM é um daqueles que não deixa ninguém indiferente, com sua versão modernizada do

clássico modelo dos anos de 1960. Não fosse por essa aura sedutora que o envolve, dificilmente alcançaria a atual liderança de vendas entre os esportivos importados. Afinal, embora seu motor tenha uma potência realmente incrível, sobretudo na versão ZL1 2013, equipada com o 6.2 V8 supercharger, de 580 cavalos e 76,9 mkgf de torque, a largura excessiva e a pouca visibilidade causam certo desconforto na hora de dirigir. A mística do Camaro é, mesmo, um dos seus itens principais, transpirando poder e sex apeal. Na música de Munhoz e Mariano, um rapaz esnoba a menina que não lhe dava bola nos tempos de pobreza, quando a cortejava numa popularíssima moto CG 125, mas que passou a desejá-lo ardentemente depois dele ter recebido uma herança e arranjado um Camaro amarelo. A virada de mesa fez o moço encher a boca para retribuir o desprezo da interesseira: "E agora você vem, né?/ Agora você quer/ Só que agora vou escolher/ Tá sobrando mulher!/ Agora eu fiquei doce, doce, doce...". Quem ouve com pressa Camaro Amarelo pode pensar que se trata de apenas uma louvação ao consumo dos mais abastados, mas seu fundo é justamente um pedido de valorização de quem não tem uma joia como essa. Aí está o elo de

identificação da imensa massa que consagrou o hit, evidentemente mais próxima dos que têm uma CG 125 do que dos donos, ou aspirantes a donos, de um Camaro. A mesma questão, digamos, de classe, está por trás de Fiorino, de Gabriel Gava, com seu refrão escrachado: "De Land Rover é fácil/ É mole, é lindo/ Quero ver jogar a gata/ No fundo da Fiorino". Aí o jipão inglês mundialmente celebrado aparece como uma muleta para os inábeis. Maestria, mesmo, tem esse sujeito que canta, capaz de convencer a moça a namorar no compartimento traseiro do polivalente Fiorino. Faz sentido. Os empecilhos desse namoro vão muito além de acabamento duro e a medida de 1,7m por 1,1m do baú, com 1,2m de altura. Acontece que, devido ao furgão da Fiat ter virado uma referência entre os carros de trabalho – em linha desde o início dos anos de 1980, já tende a alcançar a eternidade da Kombi –, é bem provável que, antes de se aventurar nas conquistas amorosas, o rapaz tenha usado esse baú para carregar produtos diversos a semana toda. Era um padeiro? Um tintureiro? Um tratador de cachorros? Na melhor das hipóteses, era um florista. De toda forma, com o risco de aparecer algum espinho na hora do bem-bom, deve ser considerado um mestre na arte do amor. Na esteira do Camaro e do

Fiorino, o Gol 1000 de O Meu Amor é 10, de Edson e Hudson, fica como o melhor reflexo da reivindicação de respeito aos que vivem – e dirigem – sem grandes luxos. Logo de cara, o modesto protagonista desfia um longo protesto contra uma menina aficionada pelo mundo das revistas e programas de TV da moda: "Para de dizer/ Que eu não presto/ Que eu sou traste/ Que eu sou resto/ Que eu não sirvo pra você...". O rapaz, que mora de aluguel e paga suas contas à prestação, faz questão de maior reconhecimento. A rima esdrúxula do refrão traz um humor que suaviza, mas não esconde a dureza da situação: "Eu sei que o meu amor é 10/ E o meu carro é um Gol 1000/ A placa é 29-30/ Isso faz com que eu me sinta/ O mais amado do Brasil!". Musicalmente, essa nova leva de canções sobre automóveis talvez não valha mais do que o Gol 1000, modelo quadradinho, que Edson e Hudson usaram no clipe oficial (o mais recente

Fiorino tem resposta no YouTube

disponível no mercado de usados é de 1996 e custa em torno de R$ 7.900). O que elas mostram, sim, é que é valioso: o carro ainda mobiliza um rico imaginário e persiste como um importante elemento de desejo e identificação social. O fato dos modelos cantados serem todos relativamente antigos

(Camaro, Fiorino, Land Rover, Gol e, mesmo, a balzaquiana CG 125) só reforça a ideia de que qualquer falta de canções sobre carros deve ser creditada mais à pouca inspiração da indústria do que dos artistas. Carros e canções, apenas por si, ainda dividem muito bem a mesma pista.

PEQUENAS E MÉDIAS

Uma proposta francesa para pensar Programa de aluguel direto com montadora é inédito no Brasil Zilberman

S

e você pretende abrir ou já tem um pequeno ou médio negócio e vai precisar de um veículo para viabilizar seu projeto ou aumentar a frota, a Renault está lançando o programa Solução Pro+ (leia-se promais), que vai alugar qualquer modelo da sua linha diretamente para a sua empresa, sem intermediação, com seguro total, documentação, manutenção e gerenciamento de frota. Para a escolha de um Kangoo Express, por exemplo, com todos os itens mencionados, o custo mensal, por um contrato de 48 meses, fica em R$ 1.579. Mas você tem a opção de abrir mão do plano de manutenção, ou do seguro, por exemplo, e baratear este custo. Mais um modelo de negócio mostra que o preço do aluguel de um Logan Authentique 1.0,

sedã pequeno/médio, fica por R$ 1.110 nas mesmas condições do veículo comercial. O programa atende apenas pessoas jurídicas de pequeno e médio porte, como padarias, floriculturas e profissionais autônomos, entre outros. Também é possível locações por um período de 24 meses. Uma das regras do programa obriga o cliente a atender a todas as necessidades do veículo na rede Renault. Levá-lo a uma oficina particular significará a perda da garantia no item reparado ou trocado. Com o aluguel o programa oferece, opcionalmente, manutenção garantida com revisão programada. Nas coberturas de seguro, pode ser incluído o carro reserva por até 15 dias para sinistro parcial, chegando até 30 dias corridos

para casos de em que ocorrer a indenização integral. Toda a linha – O "Solução" não oferece apenas veículos comerciais ou populares. O pequeno ou médio empresário pode escolher qualquer modelo da linha Renault à venda no mercado – incluindo, por exemplo, Fluence, Duster, Clio (passio) e Master (comercial leve). A questão das multas de trânsito poderão fazer parte do programa, com a gestão que informa e orienta sobre notificações de infração recebidas visando a tomada de providências de identificação do condutor junto às autoridades. A marca dispõe de 215 concessionárias no Brasil. Mais informações pelo 0800 55 56 1 5 o u n o r e n a u l t . e m p r esas@renault.com.

DIÁRIO DO COMÉRCIO

18

t

sexta-feira, 28 de dezembro de 2012

urismo

Fotos: Victor Ruiz Caballero/The New York Times

A costa do surfe no Chile Uma descoberta a duas horas e meia de Santiago: Pichilemu é uma pequena e charmosa cidade de praia diante de enseadas e costões rochosos. Para visitar em 2013.

Divulgação

Novo Hotel 8 Al Mar, erguido com vidro e madeira, tem só oito quartos e vista para o Pacífico. Casal de Santiago recebe os hóspedes.

Ondine Cohane*

A

dica de um amigo chileno me levou a Pichilemu. Ao planejar o itinerário que começaria em Santiago e terminaria na região das vinícolas, algumas horas ao sul, procurávamos um local próximo, onde pudéssemos parar por alguns dias e passar um fim de semana tranquilo com a família. "Ah, há algumas semanas abriram um hotel novo em Pichilemu", afirmou nosso novo amigo, que nasceu no Chile e sempre viaja pelo país. Se existe alguém que entende disso, esse é o cara. Dei uma olhada no site e fiz a reserva. Cerca de uma hora a oeste de Santa Cruz, a região que é considerada o epicentro da produção de vinhos do Chile, Pichilemu é uma pequena cidade de praia com vista para uma série aparentemente interminável de enseadas e costões rochosos, tudo isso em frente a quilômetros de florestas de pinheiros. Além disso, a região era um imã para surfistas. Com ondas enormes e longas quebrando na praia, surfistas de todo o país vêm para a região. A cidade de Punta de Lobos, a cerca de oito quilômetros ao sul, se tornou palco de uma competição internacional de surfe todos os anos no mês de junho. Durante a maior parte do ano, Pichilemu é uma comunidade calma, com cerca de 10

mil habitantes, mas visitamos o local em fevereiro, durante um feriado no Chile. Por isso, a principal praia da cidade estava lotada de famílias, que andavam a cavalo, faziam piqueniques em frente ao mar ou caminhavam ao longo da costa. O circo, os carrosséis e os cafés davam a impressão de que participávamos de uma festa à beira-mar, uma festa sem turistas estrangeiros. Contudo, nosso destino final estava do outro lado da cidade. A pousada-butique 8 Al Mar fica em frente a sua praia

çadeiras com lugar para dois, esculturas e grades elaboradas feitas de restos de madeira, uma estátua asiática em frente a uma fonte zen e conchinhas decorando as mesas. Rajcevich, Martinez (que é surfista) e os quatro filhos do casal costumavam vir de Santiago nos fins de semana. Quando sua casa na cidade começou a ficar cheia de convidados, a família decidiu abrir a pousada e deixar a capital. O local parecia saído de uma revista de design, nada que eu esperasse ver em uma pequena cidade de surfistas.

Fazendeiro conduz cavalos em uma rua local de Pichilemu.

particular. Claudia Rajcevich e o marido, Renato Martinez, abriram o lugar em janeiro: a construção de oito quartos com fachada de vidro e madeira foi projetada pelo arquiteto chileno Igor Moragathat e conta com uma linda vista para o Pacífico, com rochas enormes e esculturais saindo do mar. O ensolarado terraço de madeira é recoberto por espregui-

Depois da viagem, estávamos prontos para o jantar. Rajcevich e Martinez nos mandaram para o Costa Luna, um restaurante a poucos passos do hotel. Havia jovens urbanos sentados com surfistas descolados em torno de uma fogueira no terraço, bebendo doses de pisco sour de frente para a arrebentação do Pacífico. Dentro do restaurante, uma lareira aque-

cia um casal que se deliciava com uma porção de ceviche. O bar simples oferecia uma carta com alguns dos melhores vinhos do Chile. Jantamos com vista para o pôr-do-sol sobre o mar e vimos a lua surgir no horizonte, como se assistíssemos a um filme em três dimensões. Festival – No sábado de manhã, a enseada em frente ao hotel ainda estava calma, mas, à medida que nos aproximávamos do Água Bendita, um café que abriu as portas no começo deste ano, víamos turistas comendo doces e colocando o mate para aquecer em bicos de Bunsen, enquanto os intrépidos surfistas já tomavam conta das ondas. Bebendo meu ristretto feito com um blend de cafés colombianos, brasileiros e africanos (o suco de laranja sanguínea com camomila, que prometia "limpar o sangue e as artérias", também parecia tentador), notei alguns panfletos que divulgavam um rodeio programado para aquela tarde. Quando voltamos para o hotel, Rajcevich nos explicou que era um festival gaúcho da região, que celebrava o fim do período da debulha dos grãos. Ela disse que levaria a sogra ao local e poderia nos indicar a direção. Algumas horas mais tarde, depois de passarmos por sinuosas estradas de terra vermelha ao lado de salinas brancas e pastos dourados, meu marido e eu tentávamos imaginar como poderíamos descrever essas paisagens. O longo litoral pacífico se parecia com o norte da

Califórnia; as estruturas quadradas de madeira e vidro, com a Escandinávia; os campos verdejantes repletos de gado pareciam o interior da Nicarágua. Entretanto, nenhum desses lugares seria capaz de reunir a extraordinária mistura que estávamos vendo. Quando chegamos, os jogos já tinham começado. Os gaúchos vestiam diferentes camisas listradas (cada padrão indicava seu tipo de plantação) e estavam montados como guardas sobre cavalos reluzentes. Casais com botas e chapéus de caubói seguravam lenços brancos e dançavam as coreografias tradicionais, enquanto a banda tocava no palco. Para o deleite da multidão, um jovem que poderia ser confundido com Butch Cassidy subiu até o alto de um mastro para hastear a bandeira do Chile. A principal atração do dia era a corrida de cavalos dentro de uma arena fechada, recoberta com trigo fresco: enquanto corriam, a força dos cascos parecia separar o joio do trigo. No dia seguinte, fomos à região das vinícolas. Mas antes, eu queria conhecer a cidade de Matanzas, um centro de surfe e windsurfe a cerca de uma hora ao norte, onde há o Surazo, um hotel, restaurante e escola de surfe aberto por

RAIO X COMO CHEGAR Alugue um carro no aeroporto de Santiago. De lá são 250 km (duas horas e meia) até Pichilemu pela Ruta 5 Sur. ONDE DORMIR E COMER 8 Al Mar: (569) 743-4881, 8almar.cl/. Diárias a partir de

100.000 CLP (em torno de US$ 200) por casal, com café da manhã. Costa Luna:Av. Costanera, 879. O lugar para ir a qualquer refeição. Ceviche fresco e pisco sours no pôr-do-sol. Água Bendita: Avenida Ortuzar

255. Novo café serve delicioso café da manhã. Surazo: tel. (569) 927-78706; surazo.cl. Em Matanzas, a uma hora ao norte. Tem 12 quartos, pequeno spa e restaurante excelente. Diárias a partir de 60.000 CLP (US$ 125) por casal.

QUANDO IR O ano inteiro. A alta temporada vai de dezembro a abril (o verão chileno). No início de fevereiro, há festival em Ciruelos e competição de surfe em junho.

um arquiteto, um chef e um ortopedista de Santiago. A praia foi reaberta recentemente, após ser devastada pelo tsunami que se seguiu ao terremoto chileno de 2010. Escondidas atrás de algumas árvores no começo da praia, estruturas elevadas de madeira levavam até um restaurante, onde o cardápio do dia incluía badejo fresco com molho de cogumelos e garoupa com tomate cereja e risoto ao pesto. Belíssima arquitetura, comida de primeira, praias para praticar surfe e windsurfe, uma iluminação cinematográfica, um rodeio de cidade do interior, e quase nenhum estrangeiro à vista. Às vezes vale a pena repetir alguns lugares comuns: se não souber aonde ir, pergunte para alguém do local. *New York Times News Service

DIÁRIO DO COMÉRCIO

sexta-feira, 28 de dezembro de 2012

19

Fotos: Divulgação

d

cultura

A

ssim como o Natal é comemoração em família, o Réveillon costuma ser mais festivo e menos solene. Quem for festejar a chegada de 2013 entre amigos pode contar com bufês e restaurantes que ainda aceitam encomendas para o final de ano. No Copo D'Água, pode ser encomendada a ceia completa. Com preços por quilo, prepara salada de sete cereais e cogumelos (R$ 51), bacalhau com natas (R$ 120), rosbife de mignon com crosta de castanha do Pará (R$ 120), pernil suíno fatiado (R$ 67), purê de castanhas portuguesas (R$ 65), abacaxi ou maçã ao caramelo de vinagre balsâmico (R$ 47), rabanada de brioche com limão siciliano (R$ 30) e grand gateau de chocolate belga, a R$ 180 por unidade, entre outras opções. As encomendas para o Réveillon se encerram nesta sexta (28). Rua Victorino Carmilo, 928, Barra Funda. Tel.: 3668-5232. www.copodaguagastronomia.com.br

Última hora - Na rede de supermercados Pão de Açúcar é possível encomendar a ceia completa até hoje, sexta (28). Mas também, na última hora, ir até um supermercado e comprar pratos que estiverem disponíveis. Há 25 sugestões de pratos, molhos e sobremesas, com receitas criadas pelo chef e consultor da rede, Alain Poletto. Para servir oito pessoas, custa de R$ 249 a R$ 529. Entre as novidades criadas por Poletto este ano estão o arroz ao champanhe com castanhas e o filé mignon em crosta. Algumas opções de entradas são cuscuz de camarão ao vinagrete e strudel de salmão. Para prato principal, chester ao alecrim, bacalhau em lascas, pernil, lombo e tender. Para acompanhamento, purê de maçã, arroz de quinua, batatas ao funghi. E sobremesas: bolo baba de moça com nozes, pavê moça com amêndoas, bolo de chocolate com amêndoas, bolo de abacaxi com nozes e chessecake de frutas vermelhas. www.grupopaodeacucar.com.br

França - No tradicional francês Freddy, o menu do Ano Novo inclui uma entrada, um prato principal e uma sobremesa. Servido a partir das 19h, pelo

Mesa com doces da ceia do Pão de Açúcar: encomenda até hoje, sexta (28) ou compra dos itens disponíveis em cima da hora, no supermercado.

Réveillon! Ceia tranquila em casa ou festa para comemorar. Afinal, o mundo não acabou. Lúcia Helena de Camargo preço fechado de R$ 219 por pessoa. Para entrada, peça escargots, coquetel de camarões ou salada. No prato principal, linguado à Belle Meunière, magret de canard (peito de pato) com purê de maçã, cavaquinha à Newburgh, steak de cordeiro com pimenta verde ou haddock à la creme. Para sobremesa, morangos flambados, crepe Suzette ou mil folhas com pistache e framboesa. A casa fecha nos dias 1° e 2 de janeiro. Rua Pedroso Alvarenga, 1170, Itaim Bibi. Tel.: 3167-0977. www.restaurantefreddy.com.br Som dos anos 70 - Já no Bourbon Street, a ideia é comemorar que o mundo não acabou no último dia 21. A chamada para a festa é "Já que o mundo não acabou, venha se acabar de dançar na chegada de 2013!" A festa de Réveillon será inspirada nos anos de 1970. No repertório da banda, sucessos de James Brown, Kool and the Gang, Earth, Wind & Fire, Village People, Marvin Gaye, Barry White, Tim Maia e Claudio Zoli, entre outros. Haverá ainda música no piano-bar antes do show principal, que entrará no palco às 23h. A ceia contará com drinque de boas vindas, coquetel de camarão, espetinhos de abacaxi, salada de frango, lentilha, estrogonofe de carne, Romeu e Julieta (catupiry com goiabada quente), pudim, manjar e sopa de frutas vermelhas com sorvete de creme. À meia-noite, será servido espumante para brindar o Ano Novo. Preços: na mesa com até três lugares, custará R$ 700 por pessoa; com quatro ou mais lugares, R$ 650. Bar (lugar em pé): R$ 450; e lugar em pé no bar após 1h: R$ 295. www.bourbonstreet.com.br À beira-mar - Para passar para 2013 como se estivesse na praia, mas sem sair de São Paulo, o Coco Bambu pode ser uma opção. Na casa, decorada para lembrar o clima de beira-mar, acontece o jantar seguido de festa, na noite do dia 31. Das 22h às 4h, haverá pista de dança aberta ao som da banda Action. O valor por pessoa é de R$ 380. Entre as entradas e pratos servidos, carne de caranguejo refogada com verduras, pastel de camarão, camarão Iracema (arroz de leite coberto com camarões refogados em

temperos verdes, gratinado e acompanhado de macaxeira frita), além de preparos com bacalhau. Entre as sobremesas, a boa pedida é a tapioquinha, feita com tradicional massa cearense recheada com cocada cremosa. Av. Antonio Joaquim de Moura Andrade, 737. Vila Nova Conceição. Tel.: 3051-5255. www.restaurantecocobambu.com.br Árabe em casa - Quem estiver no espírito low profile e apreciar comida árabe, pode pedir entrega de comida em casa,

para uma passagem de ano tranquila. O restaurante árabe Imi Raia vai funcionar e garante as entregas nos arredores da zona sul. No cardápio, o carrochefe da casa é a esfiha de carne (R$ 2,90), preparada com receita da matriarca da família. O kibe é feito com massa de batata e recheios como ricota temperada ou queijo e cebola (duas unidades, R$ 15,90). Para petiscar, trio de pastas: homus, babaganuch e coalhada fresca (R$ 22). Entre os pratos quentes, as sugestões são Mjdara – arroz

A churrascaria Prazeres da Carne, além do rodízio (R$ 79) com 20 cortes carne, oferece ceia de Réveillon com peru, pernil, tender, lombo, chester, leitão, paella, mesa com frutas da época, saladas, massas e 15 opções de sobremesas. À meia-noite, haverá queima de fogos. R$ 305 adulto e R$ 200 criança de sete a 12 anos. A cada dois adultos, grátis um espumante. Outras bebidas e serviço à parte. Rua Pedro de Toledo, 1361. Vila Mariana. Tel.: 5572-0018. www.prazeresdacarne.com.br

com lentilha, carne moída e cebola queimada (R$ 18,90); o Butfin – arroz com grão de bico, frango desfiado e cebola queimada (R$ 22,90). O restaurante faz também sanduíches, saladas e os doces árabes tradicionais. Rua Professor Vahia de Abreu, 72, Vila Olímpia. Tel.: 3044-5859. www.imiraia.com.br Sem festa - A cantina italiana Lellis serve o jantar no dia 31, mas cancelou a festa de Réveillon, pois seu proprietário, João Lellis, está hospitalizado. Entre as sugestões do cardápio, massas como raviolloni à moda da casa recheado com mussarela de búfala, com molho de tomates frescos, rúcula, manjericão, filé mignon e tomates secos (R$ 98); filé de linguado grelhado à la Fiorentina, com alho, brócolis e batata corada (R$ 112); ou ainda a famosa perna de cabrito assada, com batatas coradas e brócolis ao alho e óleo (R$ 145), entre outros. Rua Bela Cintra, 1849. Jardins. Tel: 3064-2727. www.lellis.com.br

Os espumantes e champanhes são as bebidas favoritas para a festa de Réveillon. Pegue a sua taça e embarque na comemoração! Algumas opções de borbulhas na página 21.

Moqueca cearense do Coco Bambu: em SP, mas no clima de praia.

Abóbora com sálvia e flor de sal, entrada do bufê Copo D'Água.

Nesta edição: a programação da Virada na TV, que traz Tulipa Ruiz na Cultura e maratona Friends na Warner; estreia da animação Brichos no cinema; lançamentos de filmes em DVD e blu-ray. Sugestões de espumantes para o Réveillon. E programas para passear na Cidade.

DIÁRIO DO COMÉRCIO

20

d

sexta-feira, 28 de dezembro de 2012

cultura

Presente de Réveillon Carlos Celso Orcesi da Costa Arquivo DC

A

origem do presente de Natal vem da fábula dos Reis Magos, que seguiram o cometa na direção do presépio ou manjedoura aonde havia nascido Jesus Cristo. Para os que questionam o aparecimento de um cometa naquele ano zero de nossa era, também vale o caminho simbólico da estrela da consciência de cada um de nós. Tudo pode ser explicado. O calendário romano e, mais à frente, o gregoriano começaram a contagem dos milênios a partir do nascimento de Cristo, embora a datação tenha sido retroativa, ocorrida no século VIII. Surpreendentemente, em seu recente livro A Infância de Jesus, o Papa Bento XVI sustenta que Jesus teria nascido no ano 15 e não no ano um (não há ano zero)! Se verdadeira a tese de Joseph Ratzinger, a datação retroativa teria errado quinze anos, ou seja, o ano comum ou anno domini (a homenagear o Cristo) aconteceria 15 anos depois. A verdade é que o antigo calendário romano com dez meses, continha razoáveis equívocos de precisão científica. A maioria dos erros foi corrigida, a começar pelo nome dos meses, o sétimo de sete-mbro que passou para nono, o oitavo de oitu-bro que passou para décimo, o nove-mbro que passou para 11º e o décimo de dez-embro que pas-

Cassio na ponta dos dedos sou para 12º. Os dois imperadores aproveitaram para perpetuar seus nomes no calendário, Julio Cesar de julho e Augusto de agosto. Mais tarde, em 1582, o Papa Gregório XIII convocou cientistas,

resultando na supressão de 10 dias em 582 anos, fazendo o equinócio de primavera coincidir com o 21 de março (nosso outono). A celebração de mudança de ano, ou Réveillon, vem acompa-

nhada de fogos de artifício e champagne. Todos brindam o Ano Novo com champagne francesa ou espumante brasileiro. Há quem prefira o Prosecco italiano, tão insosso que você conti-

nua bebendo, procurando algum sabor que, apesar das tentativas, nunca irá encontrar. Melhor é procurar o Franciacorta da região de Brescia, no extremo leste da Lombardia.

O melhor presente veio do Japão. E não é saquê, nem vinho, mas a conquista do Campeonato Mundial de futebol. Convenhamos (apenas nós, corintianos) que a taça de 2000 foi pífia, uma fórmula frustada de parte da Fifa. Fui assistir Corinthians x Real Madrid (2 x 2). Havia 15 mil pessoas no Morumbi vazio. O divertimento da torcida era vaiar Roberto Carlos (que jogara pelo Palmeiras antes de Madri). Atualmente o site do Corinthians declara que "foi um dos jogos mais importantes da história do clube", mas quem viu sabe que parecia amistoso. Revisionismo da história não é privilégio dos Césares, dos Papas ou dos... Kirchners! O Papa Bento XVI adota a tese de que a estrela de Belém pode ter sido a explosão de uma supernova, hipótese inicialmente defendida por Johannes Kepler no século XVII, e que na semana do nascimento de Jesus houve a explosão dessa supernova não distante da Terra. Não sou astrônomo para ingressar nessa discussão. Posso assegurar que guardarei para sempre em minha memória a explosão do gol do Corinthians, a precisa cabeçada de Guerrero, a explosão de Cassio na defesa na ponta dos dedos, e a fiel supernova que invadiu pacificamente o Japão. Isto sim é força, isto é, retrogosto permanente, presente eterno.

Fotos: Divulgação

Brichos - A Floresta é Nossa: dirigido por Paulo Munhoz. Animais vão lutar para preservar a mata, que está ameaçada por terroristas.

Comédias, documentários, animações. Aproveite os dias de folga para assistir às novidades na tela grande ou pequena. Lúcia Helena de Camargo

N

a Cidade que fica mais vazia nestes dias entre o Natal e o Réveillon, ir ao cinema com as crianças pode ser uma boa pedida, já que as filas tendem a ser menores. A estreia infantil é Brichos – A Floresta é Nossa (Brasil, 2012, 83 minutos). A animação brasileira traz de volta os personagens do filme Brichos (2007), novamente com direção de Paulo Munhoz. Agora, os habitantes da Vila dos Brichos precisam lutar pelo futuro da cidade, pois existe a ameaça de que a floresta seja perdida para "investidores" e terroristas internacionais. A turminha corajosa e bem-humorada encara o desafio nas areias de Noforest, na gelada Iceforest e na exuberante Brainforest. Marcelo Tas e Antonio Abujamra fazem algumas

vozes de personagens. A classificação etária é livre. Quem prefere ficar em casa pode curtir a boa leva de lançamentos em DVD e blu-ray de dezembro. Meninas adolescentes vão adorar rever Katy Perry O Filme – Part of Me, documentário no qual a cantora mostra fraquezas, chora em frente às câmeras e, claro, canta em shows. Traz entre os extras a apresentação completa de Last Friday Night. Paramount. Em DVD, R$ 29,90; blu-ray, R$ 59,90. Os meninos talvez prefiram MIB – Homens de Preto III (Men in Black III), com as aventuras dos divertidos caçadores de alienígenas. Nos dois formatos, além da coleção com a trilogia. Sony. Preços entre R$ 39,90 (DVD) e R$ 139,90 (trilogia em blu-ray).

A Estranha Vida de Timothy Green: a chegada de um menino bizarro. Batman - o Cavaleiro Das Trevas Ressurge e o terceiro Homens de Preto. Todos em DVD e blu-ray.

Programe-se! Na semana que vem estreia Detona Ralph, animação que nasceu de um videogame. Outra história que pode reunir a família na sala é A Estranha Vida de Timothy Green (The Odd Life of Timothy Green). Talvez os menores de 10 anos (essa é a classificação etária) não apreciem tanto, mas a história é original. Cindy (Jennifer Garner) e Jim Green (Joel Edgerton) formam um casal feliz à espera do primeiro filho. Quando o jovem Timothy (Cameron '"CJ" Adams) aparece na porta da casa deles, em uma noite de tempestade, eles têm de aprender a lidar com o inesperado. O DVD custa R$ 39,90. O bluray, R$ 59,90.

Chega às prateleiras também Batman – o Cavaleiro Das Trevas Ressurge. O filme fecha a trilogia dirigida por Christopher Nolan. Com Christian Bale no papel principal. O vilão Bane (Tom Hardy) planeja nada menos do que destruir Gotham City. DVD a R$ 39,90 e blu-ray a R$ 59,90.

SHOW CORAL PALAVRA CANTADA NO SESC PINHEIROS Sob regência de Eduardo Boletti, 50 crianças interpretam canções de Paulo Tatit e Sandra Peres. Rua Paes Leme, 195. Tel.: 3095-9400. Sábado (29), 11h e 15h. R$ 6 a R$ 24.

DIÁRIO DO COMÉRCIO

sexta-feira, 28 de dezembro de 2012

21

Fotos: Divulgação

BORBULHAS

d

cultura

Brindar é obrigatório!

Alcione durante o Show da Virada, que será transmitido pela Rede Globo na segunda (31).

E

Contagem regressiva Ana Barella

U

ma das opções de festa de Réveillon acontece na frente do sofá. Isso mesmo, a programação de fim de ano da televisão, paga e aberta, está recheada de todo tipo de shows e maratonas de séries. Aqui, uma seleção do melhor da TV na hora da contagem regressiva. Shows – A festa da TV Cultura começa às 23h no Cultura Livre Especial, com apresentação de Roberta Martinelli e participação de 20 artistas. Entre eles, Filipe Catto, Karina Buhr, Pélico e Tulipa Ruiz, sob a condução dos garotos da banda O Terno. Na Rede Globo é o já tradicional Show da Virada que embala o fim do ano. O especial conta com um time de artistas que fizeram sucesso em 2012: Ivete Sangalo, Luan Santa-

na, Alcione, Gaby Amarantos, Capital Inicial, entre outros. A exibição começa logo após a novela das nove, Salve Jorge. Quem gosta de música sertaneja é só sintonizar na Band. A virada será ao som do especial Chitãozinho & Xororó – Sinfônico 40 anos. Apresentado na Sala São Paulo, sob a regência do maestro João Carlos Martins, o show traz convidados inusitados, como Caetano Veloso e Jair Rodrigues. Para os roqueiros, a HBO transmite o documentário The Love We Make, sobre o show do ex-Beatle Paul McCartney em prol das vítimas do atentado de 11 de setembro. Maratonas de Révellion – Quem não gosta de especiais de ano novo ou shows pode aproveitar os canais da televisão paga que exi-

bem maratonas de séries. Na Warner Channel, Friends das 12h de segunda (31), até à 1h da manhã de terça (1). Na Fox, a partir das 22h15, quatro capítulos da série Walking Dead, que se passa em um futuro pós-apocalíptico dominado por zumbis – perfeito para encerrar 2012.

Cultura Livre Especial. TV Cultura. Segunda (31). 23h. Show da Virada Globo. Segunda (31). Após Salve Jorge. Chitãozinho & Xororó. Segunda (31). 22h10. The Love We Make. HBO. Segunda (31). 22h. Friends. Warner. 12h de segunda (31) até à 1h de terça (1º de janeiro). Walking Dead. Fox. 22h15. Segunda (31).

stourar uma garrafa de champanhe ou espumante na virada do ano é obrigatório para simbolizar a renovação. E bebê-la depois da meia-noite é puro deleite. Reunimos aqui algumas sugestões de diferentes categorias. Escolha as borbulhas que combinam com seu estilo e prepare as taças. Para quem faz questão de ter à mesa uma champanhe legítima, mas quer fugir das marcas mais conhecidas, pode ser uma escolha a Pommery, que chega por meio da Cantu Importadora (www.cantuimportadora.com.br). O preço médio é R$ 225. E aqueles que costumam passar o Réveillon no calor do litoral poderão gostar da novidade estilosa: a Moët Ice Impérial. Essa champanhe francesa foi concebida para ser consumida com gelo, folhas de hortelã e lascas de casca de limão. Vendida a R$ 350. Entre as garrafas que chegam ao mercado para este final de ano estão também espumantes da brasileira Casa Valduga

(ww w. ca sa v al du ga . co m. br ), como a Maria Valduga e Brut Casa Valduga (R$ 66,07). Este último possui o que os especialistas em vinhos costumam chamar de uma ótima relação entre qualidade e preço. Feito com uvas chardonnay e pinot noir, é recomendado para ser bebido com carnes brancas, como peru, chester e peixes, além dos pratos frios da ceia. Já Maria Valduga(R$ 137,28) é mais sofisticado. O rótulo em metal dourado presta uma homenagem à matriarca da família proprietária da vinícola. A maturação do espumante é feita, segundo a Valduga, em "quatro anos no silêncio e na penumbra das caves subterrâneas." Outra novidade é o vinho espumante italiano Nuà. Produzido pela Casa Caldirola, da região do Vêneto, é importado no Brasil pela Allfood (ww w.a llf oo d.c om. br). Vendido ao preço de R$ 66. É indicado especialmente para ser bebido com aperitivos, sushi e sashimi e outras entradas leves. (LHC)

Caves da Valduga: espumante Maria passa quatro anos no silêncio e na penumbra.

Cantor Otto apresenta repertório de seu último CD, The Moon 1111, no Sesc Belenzinho, nesta sexta (28). Abaixo, o trio Almanaque Jazz: show no sábado (29).

O

Celebração à vida Aquiles Rique Reis

O

Ritmos de fim de ano

ano termina com chave de ouro no quesito shows. Os últimos quatro dias serão ao ritmo dos artistas mais diversos, como o pernambucano Otto, o trio Almanaque Jazz e os convidados da festa de Réveillon da Paulista deste ano. As apresentações começam hoje, sexta (28), com o cantor Otto no Sesc Belenzinho. O show traz o repertório de seu quinto CD, The Moon 1111, no qual explora influências como o rock do Pink Floyd e o afrobeat do músico Fela Kuti. As entradas cabem no bolso: até R$ 20. No sábado (29), é o trio Almanaque Jazz que se apresenta de graça no Sesc Vila Mariana. O grupo é um projeto paralelo dos músicos Marcos Canduta (guitarra), Márcio Rampin

(contrabaixo acústico) e Roberto Brendas (saxofone), integrantes da Jazz Big Band. No show, apresentam canções natalinas do folclore brasileiro. Réveillon - No dia da virada do ano, segunda (31), é a festa de Réveillon da Paulista que faz barulho. Com o tema Eu amo São Paulo, a festa conta com a participação dos Titãs, Blitz, Tiê, Fernando e Sorocaba e Daniela Mercury. Além da discotecagem comandada pelos DJs Zé Pedro e Mau Mau. Os organizadores esperam 2 milhões de pessoas. Um show a parte são os fogos – com duração estimada em 15 minutos. (AB)

Otto. Sesc Belenzinho. Rua Padre Adelino, 1000. Sexta (28). 21h30. R$ 20. Almanaque Jazz . Sesc Vila Mariana. Rua Pelotas, 141. Sábado (29). 13h30. Grátis. Réveillon da Paulista 2013. Avenida Paulista. Das 20h de segunda (31) até às 2h30 de terça (1). Grátis.

violonista Fernando Melo nasceu em Arapiraca, no agreste alagoano. Ouvindo o som da sanfona, zabumba e triângulo, o moço fez dele a referência musical que o acompanharia vida afora. Carregando-o na alma, anos depois desembarcou em São Paulo, onde, com o paulistano Luiz Bueno, criou o Duofel, em 1978. A força da dupla vem da mescla das águas das Alagoas misturadas às gotas da garoa paulistana, do resfolego da sanfona e dos riffs da guitarra elétrica, do chão de terra batida de Arapiraca e dos arranha-céus da Avenida Paulista. A criatividade com que inventam e misturam sons lhes dá o ar libertário que os faz inconfundíveis: onde quer que se escute alguns acordes de violões, pelo vigor da pegada com que as cordas são tangidas, logo se tem certeza de que ali estão tocando Fernando e Luiz. A música que fazem é a expressão máxima de instrumentistas e compositores sem amarras nem fronteiras. Tudo posto no liquidificador musical, que é a cachola de Fernando Melo, gerou a gravação de um álbum triplo, Alagoas em Trilogia, lançado há 12 anos com o apoio do Sesc e do governo de Alagoas. Passado o tempo, Forró de Violão, um dos três discos da trilogia (os outros são Tocador e Da Lagoa Pro Mar), é relançado pela Fine Music (gravadora do Duofel). O encarte traz um rico detalhe: ao lado do título das músicas e dos nomes dos instrumentistas, está estampada uma obra de arte, a maioria naif, selecionada no acervo do Sesc-AL. Juntas, formam uma bela exposição da arte alagoana. Invólucro especial para um disco especial.

São doze forrós, todos compostos por Fernando. Neles, ele alterna o uso do violão de seis cordas de aço com o violão de doze cordas e o zig-zum (pequena vareta de jacarandá meio abaulada, que, passada por entre as cordas do violão, tira um som similar ao da rabeca, cujo arco é usado também no violão e na viola). Fernando Melo não teme o novo, busca-o e toca-o ousadamente. Ao experimentar o gosto saboroso de remexer em seu baú de sensações sonoras, faz com que tenhamos vontade de remexer... o esqueleto, entusiasmados que ficamos pelos contagiantes forrós movidos pelas cordas dos violões. O exemplo mais marcante está em De Mundaú à Manguaba. Fernando toca violão de doze cordas, enquanto Xameguinho está na sanfona, Pardal na zabumba e Ronalso no triângulo e no pandeiro. Meu amigo, o coro come! Só falta a poeira subir ao rodopiar dos casais no bate-chinela. Na sequência, Festa de Santo Amaro começa lentamente com o violão de doze de Fernando soando bonito. O ritmo chega com a zabumba de Pardal e o pandeiro e triângulo de Ronalso. Não tem sanfona, mas o violão resfolega e não deixa que dela sintamos falta. Fechando a tampa, Maxixe em Piaçabuçu. O pífano de Xau se soma ao zig-zum de Fernando. O ritmo revigora a alegria... O forrobodó já deixa saudade. Em suma, Forró de Violão reforça a certeza de que Fernando Melo é um grande músico que criou uma tremenda festança para celebrar uma vida inteira.

Aquiles Rique Reis, músico e vocalista do MPB4.

DIÁRIO DO COMÉRCIO

22

d

sexta-feira, 28 de dezembro de 2012

cultura

Salman Rushdie conta sua vida como Joseph Anton Renato Pompeu

E

m lançamento praticamente simultâneo com a edição original em inglês, a Companhia das Letras publicou o significativo livro autobiográfico Joseph Anton – Memórias, de autoria do escritor inglês nascido na Índia Salman Rushdie, que ficou famoso internacionalmente em 1989, por ter sido condenado à morte pelo aiatolá Ruhollah Khomeini, líder islâmico do Irã. Cumpre notar que os clérigos muçulmanos não são a rigor sacerdotes, sim juízes encarregados de fazer observar as leis e os regulamentos a que devem obedecer todos os fiéis. Rushdie foi condenado à pena capital por ter lançado em 1988 o romance Versos Satânicos. O romance tratava de uma tradição islâmica, segundo a qual alguns poucos versículos do Alcorão, ao invés de terem sido ditados pelo arcanjo Gabriel ao profeta Maomé, teriam sido ditados por três deusas pagãs. Maomé teria querido eliminar esses versículos, mas Satã deu um jeito de os manter no livro sagrado. Rushdie, no entanto,

em seu romance, conta que esses versículos foram na verdade ditados pelo arcanjo Gabriel. Por isso, Khomeini sentenciou que o livro era blasfemo e ofendia o profeta. Ameaçado assim de ser assassinado por qualquer muçulmano ou grupo de muçulmanos dispostos a cumprir a pena imposta pelo aiatolá, Rushdie passou a ser protegido por agentes de segurança britânicos, longe das vistas do público, tendo mudado o nome para "Joseph Anton". Escolheu esse nome em homenagem ao escritor inglês nascido na Polônia Joseph Conrad e ao escritor russo Anton Tchekhov. O livro agora publicado cobre a vida de Rushdie durante o tempo em que usou o novo nome, de 1989 a 1998. Na verdade, o nome inteiro de Rushdie é Ahmed Salman Rushdie, ou, mais exatamente, Sir Ahmed Salman Rushdie, já que foi sagrado cavaleiro em 2007 pela rainha Elizabeth. Ele nasceu em 1947 em Mumbai (antigamente chamada em

português Bombaim), na Índia, filho único de um advogado e empresário formado na Universidade de Cambridge, Inglaterra, e de uma professor, ambos muçulmanos oriundos da Cachemira, região dividida entre a Índia e o Paquistão. O sobrenome Rushdie não era o sobrenome original do pai de Salman, que o adotou em homenagem ao filósofo medieval árabe Averrois, em árabe chamado de Ibn Rushd. Cumpre notar que Averrois foi um dos maiores filósofos muçulmanos de todos os tempos e influenciou por exemplo Santo Tomás de Aquino, particularmente na tese de que a razão deve ter um estatuto praticamente igual ao da fé. Isso, posteriormente, deixou de ser aceito na tradição islâmica, para a qual a fé tem uma predominância absoluta.

Formado em História em Cambridge, o jovem Ahmed Salman Rushdie se tornou um redator de publicidade em Londres, tendo trabalho na agência Ogilvy & Mather e feito anúncios para a American Express. Em 1975, aos 28 anos, lançou seu primeiro romance, Grimus, uma ficção científica que não teve maior repercussão. Mas, seis anos depois, alcançou o sucesso imediato com Crianças da Meia-Noite, romance várias vezes premiado em que ficcionaliza o nascimento da Índia independente. O sucesso continuou com Vergonha, de 1983, e chegou ao auge a partir de setembro de 1988, com o lançamento de Versos Satânicos. Mas aí veio a sua condenação à morte, em fevereiro de 1989. Menos de um mês depois, a Grã-Bretanha rompeu relações com o Irã (só as restabeleceu

em 1998, depois de o governo iraniano se ter comprometido a não se envolver em ações para matar Rushdie, mas para os clérigos muçulmanos a sentença continua válida). Foi nesse período entre 1989 e 1998 que Rushdie usou o nome de Joseph Anton, cujas "memórias" o novo livro relata (durante todo esse tempo e desde então ele continuou publicando novos livros, de ficção, não-ficção e infantis, além de ter editado uma coletânea de contos de autores americanos). Nessa autobiografia parcial – que se lê com a emoção e o envolvimento de um fã que lê um grande livro policial ou de espionagem – Rushdie, suas sucessivas mulheres, os agentes que o protegiam, ficam vagando como almas penadas, incógnitos e despercebidos, por numerosos domicílios secretos. Rushdie buscou escrever suas memórias desse tempo com o máximo de honestidade possível, chegando mesmo em largos trechos da obra a se apresentar como um beberrão obeso que

passava o tempo brigando com a esposa do momento. Assim ficamos sabendo como se pode viver uma vida assim, anos a fios levantando de manhã sem saber se estará vivo para dormir à noite, tendo toda a sua vida tumultuada pelas constantes interferências dos agentes de segurança determinando o que ele e sua família podiam ou não podiam fazer, ou deviam ou não deviam fazer. A ameaça de morte já se tornou palpável em agosto de 1989, quando um terrorista libanês morreu em Londres ao explodirem acidentalmente artefatos que ele estava preparando para matar Rushdie. Em suma, um livro de memórias ao mesmo tempo empolgante e comovente. Empolgante porque relata cenas de ação tanto mais admiráveis quanto são rigorosamente verdadeiras e não produto da imaginação de um escritor. Comovente porque narra mais um grande drama da condição humana, uma vida como que em suspenso, com a morte presente a cada segundo.

Programas da Cidade Diversão em ritmo de contagem regressiva nos museus de Sampa Rita Alves Geraldo Cruz/Divulgacão

Fotos: Divulgacão

Miro/Divulgacão

Pérolas Negras: fotografias feitas pelo artista Miro em cartaz no Museu Afro Brasil.

A

inda dá tempo de desfrutar o que a Cidade oferece de bom antes da chegada de 2013. E quem decidiu ficar na Capital pode aproveitar o movimento menos intenso para visitar os locais que vão funcionar normalmente neste sábado e domingo, como o Sesc Santana (Av. Luiz Dumont Villares, 579, Jardim São Paulo, tel.: 2971-8700. Grátis). Lá o visitante pode explorar o espaço contemplando as serigrafias expostas na mostra Beatriz Milhazes - Um Itinerário Gráfico (acima). A exposição apresenta trabalhos da artista criados entre 1996 e 2003 com diversos motivos retratados: arabescos, flores, rendas, círculos e listras. Se o destino for o Museu da Língua Portuguesa (Praça da Luz, s/n, Luz, tel.: 3326-0775. R$ 6) a dica é a exposição Esta Sala é uma Piada. A mostra, com curadoria de Raphael Ramos da Costa Fioranelli Vieira, reúne obras exibidas na edição deste ano do Salão Internacional de Humor de Piracicaba. O público poderá ver no local uma série de charges, cartuns, tiras, caricaturas e microcontos, criados a partir do tema intolerância. Na Caixa Cultural (Praça da Sé, 111, Centro, tel.: 3321-4400.

Grátis) a atração é o artista Paulo Sayeg. Ele apresenta cerca de 200 desenhos de pequeno formato e três telas em grande dimensão, abrigados na mostra Paulo Sayeg – Mikron. O visitante ainda pode admirar uma parede da galeria pintada pelo artista no último dia 15, data da abertura da exposição. Entre as alternativas de mostras fotográficas está Pérolas Negras, do artista Miro, sediada no Museu Afro Brasil (Avenida Pedro Álvares Cabral, s/n, Parque do Ibirapuera, portão 10, tel.: 3320-8900, ramal 8921. Grátis). A exposição é a primeira do fotógrafo exibida em um museu e mostra imagens de personalidades negras como Zezé Motta, Haroldo Costa, Zózimo Bulbul, Luiz Melodia e Milton Gonçalves, além de fotografias de angolanos que vivem em São Paulo. Miro conta que levou cerca de um ano para finalizar o trabalho, feito com retratos de modelos negros sob fundos e tecidos pretos. O Museu de Arte Brasileira da Fundação Álvares Penteado (Rua Alagoas, 903, Higienópolis, tel.: 3662-7198. Grátis) também funcionará neste sábado e domingo, exibindo a mostra

Connecting Concepts – Design Holandês e Processos de Criação. Nela o visitante tem a chance de conhecer o processo de criação e desenvolvimento do design holandês retratado nas áreas de arquitetura, engenharia, moda e design gráfico. Ainda será possível observar como o design holandês dialoga com o design de outros países, entre eles o Brasil, a Índia e a Alemanha. Quem preferir passear no Museu da Imagem e do Som (Avenida Europa, 158, Jardim

Europa, tel.: 2117 4777. R$ 4) vai ter a oportunidade de participar do Music Video Festival (m-v-f). Entre as atrações do festival merece destaque a exposição Spectacle: The Music Vídeo, distribuída pelo primeiro e pelo segundo andar do museu. A mostra apresenta a história do videoclipe por meio de instalações interativas, fotografias, vídeos e objetos. Videoclipes emblemáticos de artistas como Madonna, Devo, Beastie Boys e Lady Gaga também fazem parte da atração.

Guarda-chuva Senz: uma das peças da mostra Connecting Concepts, no Museu de Arte Brasileira da FAAP.

Acima, desenho de Paulo Sayeg exposto na mostra Mikron na Caixa Cultural. À dir., obra de Ricardo Clement, integrante da exposição Esta Sala é Uma Piada, no Museu da Língua Portuguesa.

QUADRO INÉDITO DE JOHANNES VERMEER NO MASP Museu expõe Mulher de Azul Lendo uma Carta, obra-prima recém-restaurada do artista holandês. Av. Paulista, 1578, 1º andar, tel.: 3251-5644. R$ 15. Até 10 de fevereiro.


Diário do Comércio