Issuu on Google+

cultura | pág. 14

entrevista | pág. 9

Madrinha do samba

Valmir Silva, o lavador de carros que aprendeu a pintar com um artista que lhe deu aulas de graça, se transformou no pintor cujas obras estão expostas em BH

Beth Carvalho: “O carnaval é uma festa popular, importante no Brasil inteiro, musical e poeticamente”

Uma visão popular do Brasil e do mundo

Edição

Arte que vem da rua

Belo Horizonte, de 31 de janeiro a 06 de fevereiro de 2014| ano 1 | edição 23 | distribuição gratuita | www.brasildefato.com.br | facebook.com/brasildefatomg

cidades | pág. 4

Construtoras do BRT financiaram Marcio Lacerda e PSB

Mais de R$ 6 milhões foram doados pelas empresas construtoras do BRT para as campanhas eleitorais do prefeito Marcio Lacerda e seu partido, o PSB. O financiamento privado das campanhas é um dos principais motivos de corrupção, apontam especialistas. “Ninguém dá dinheiro de graça pra ninguém” afirma Anivaldo Matias, coordenador do Movimento de Combate à Corrupão Eleitoral. O financiamento público é a alternativa, dizem movimentos

minas | pág. 5

minas | pág. 6

brasil | pág. 11

Defensor da Teologia da Libertação, padre jesuíta morre aos 81 anos. Autor de quase 100 livros, João Batista Libanio nunca deixou de defender a atuação da Igreja junto aos pobres

Semana Nacional de Combate ao Trabalho Escravo joga luz sobre a realidade do trabalho degradante e lembra os 10 anos de impunidade da Chacina de Unaí

Votação internacional elege as três piores empresas do mundo. Fifa foi a mais votada entre os brasileiros e ficou em terceiro lugar no ranking mundial

02 | opinião

Belo Horizonte, de 31 de janeiro a 06 de fevereiro de 2014

editorial | Brasil

editorial | Minas Gerais

A redução de R$0,05 nas passagens de ônibus Em 2014 completaremos 12 anos de gestão do PSDB à frente do governo de Minas. É mais de uma década de política neoliberal. A crença no livre mercado, a prevalência do público sobre o privado, mesmo com sua falência demonstrada com a crise capitalista internacional, é a prática corrente em Minas. Muita propaganda e nada de políticas sociais. Priorização de ajuste fiscal às custas do abandono dos serviços públicos e do corte de investimentos sociais. A reforma administrativa, também chamada de choque de gestão, é uma concepção empresarial nefasta à lógica pública. Esse período exigiu forte atuação dos movimentos sociais (sindical, popular, cultural, estudantil, asso-

A reforma administrativa, também chamada de choque de gestão, é uma concepção empresarial nefasta à lógica pública ciações, pastorais). O estado vive retirada de direitos e arrocho salarial imposto ao funcionalismo público. Pratica a maior alíquota de ICMS sobre energia elétrica do país. Proliferam novas Parcerias Público-Privadas (PPP). Falta um milhão de vagas no ensino médio e só 35% da demanda por educação infantil é suprida. São 1,6 milhões de analfabetos em todo o estado, superando a média nacional. Em 75% dos municípios mineiros não há esgoto tratado. Não se cumpre a obrigação de investimento de 12% do orçamento em saúde. Toda ação gera reação. Nascem novas organizações populares e novas lideranças do movimento sindical, popular e estudantil, cujo aprendizado se dá no enfrentamento. É o que percebemos ao analisarmos os sindicatos da base do funcionalismo estadual. As ocupações urbanas se multiplicaram e, com

elas, novos movimentos e lideranças. A postura autoritária do prefeito Marcio Lacerda levou à constituição do Movimento Fora Lacerda. As manifestações de junho de 2013 engrossaram o caldo para enfrentar o neoliberalismo em Minas. Nasceu das manifestações do ano passado a luta pela Tarifa Zero, movimento que na última quinta-feira (30) realizou manifestação no centro da capital exigindo redução de R$ 0,05 nas passagens de ônibus. Também pudera, o prefeito cancelou para as empresas de transporte a taxa de Custo de Gerenciamento Operacional (CGO), o equivalente a R$ 22 milhões por ano (que uma vez repassados aos valores das passagens permitiria a redução dos cinco centavos). Mais lucro para empresários. Entende-se. Afinal, são eles que irão financiar as campanhas eleitorais deste ano, e Lacerda precisa agradar aos amigos, que se dane o povo.

Novos dilemas para a redemocratização Estamos vivendo as consequências políticas e sociais da redemocratização conservadora. No geral, a crise da ditadura militar no final dos anos de 1970 e a transição para o regime político civil teve como marca a conciliação pelo alto. Esta constatação não nega o fato de que esse processo histórico foi marcado por diversas lutas sociais. A mobilização popular dos anos de 1980 encurralou a classe dominante brasileira. Diversas batalhas foram travadas: a luta pela anistia, o movimento pelas Diretas Já e o processo constituinte de 1987-1988 foram momentos fundamentais. A principal conquista desse período foi a retomada da organização dos trabalhadores. Entretanto, o pacto conservador orquestrado impediu as reformas estruturais, como a reforma agrária, a reforma tributária e a reforma urbana. O famoso “centrão” representava os interesses dos setores conservadores. Diante do ascenso da luta de massas dos anos de 1980, teve força e habilidade suficiente para barrar as reformas estruturais e fazer indica-

Latuff

tivos genéricos sobre as mesmas na Constituição de 1988. A ofensiva neoliberal sob FHC do início dos anos de 1990 reforçou o pacto conservador. No entanto, as políticas neodesenvolvimentistas sob Lula/Dilma favoreceram a recomposição da classe trabalhadora. Milhares de jovens têm novos anseios e não estão dispostos a projetar seu futuro somente com a comparação comum com o período neoliberal liderado pelo PSDB. São esses brasileiros e brasileiras que têm o potencial de prestar contas com a redemocratização conservadora. O número de greves é crescente nos últimos anos. A convergência da mobilização da classe com um projeto político de natureza popular é incompatível com a política de

Crise urbana e manifestações de junho precipitaram a movimentação de uma parcela da juventude com reivindicações difusas conciliação de classes do neodesenvolvimentismo. Seria, sem dúvida, a possibilidade de romper com as bases do pacto conservador da redemocratização. A crise urbana e as manifestações de junho precipitaram a movimentação de uma parcela da juventude que apresentou um conjunto de reivindicações difusas. A principal herança e o elo frágil do pacto conservador é o atrasado sistema político atual. O ponto de partida para resolver a crise brasileira em curso é uma Constituinte exclusiva e soberana para mudar o sistema político. O momento é favorável. O neoliberalismo está internacionalmente desmoralizado a convergência das contradições da luta política com a disposição das forças populares podem massificar no seio do povo a bandeira da Assembleia Constituinte.

O jornal Brasil de Fato circula semanalmente em todo o país e agora também com edições regionais, em SP, no Rio e em MG. Queremos contribuir no debate de ideias e na análise dos fatos do ponto de vista da necessidade de mudanças sociais em nosso país e no nosso estado. conselho editorial minas gerais: Adília Sozzi, Adriano Pereira Santos, Beatriz Cerqueira, Bernadete Esperança, Bruno Abreu Gomes, Carlos Dayrel, César Augusto Silva, Cida Falabella, Cristiano Carvalho, Cristina Bezerra, Daniel Moura, Dom Hugo, Durval Ângelo Andrade, Eliane Novato, Ênio Bohnenberger, Frederico Santana Rick, Frei Gilvander, Gilson Reis, Gustavo Bones, Jairo Nogueira Filho, Joana Tavares, João Paulo Cunha, Joceli Andrioli, José Guilherme Castro, Juarez Guimarães, Lindolfo Fernandes de Castro, Luís Carlos da Silva, Marcelo Oliveira Almeida, Maria Brigida Barbosa, Michelly Montero, Milton Bicalho, Neemias Souza Rodrigues, Nilmário Miranda, Padre Henrique Moura, Padre João, Pereira da Viola, Renan Santos, Rilke Novato Públio, Rogério Correia, Samuel da Silva, Sérgio Miranda (in memoriam), Temístocles Marcelos, Wagner Xavier. Administração: Valdinei Siqueira e Vinicius Moreno. Distribuição: Larissa Costa. Diagramação: Luiz Lagares. Revisão: Luciana Santos Gonçalves Editor-chefe: Nilton Viana (Mtb 28.466). Editora regional: Joana Tavares (Mtb 10140/MG). Repórteres: Maíra Gomes e Rafaella Dotta. Estagiária: Raíssa Lopes. Endereço: Rua da Bahia, 573 – sala 306 – Centro – Belo Horizonte – MG. CEP: 30160-010. Contato: redacaomg@brasildefato.com.br/ (31) 3309-3314

Belo Horizonte, de 31 de janeiro a 06 de fevereiro de 2014

Um ano depois, Conferência de Políticas Urbanas será realizada CRÍTICAS Movimentos apontam falta de participação popular e desigualdade em Conselho Maíra Gomes De Belo Horizonte

A Conferência Municipal de Política Urbana de BH foi finalmente marcada, com um ano de atraso, já que sua realização é obrigatória a cada primeiro ano de uma nova gestão municipal. A definição foi tomada pelo Conselho Municipal de Políticas Urbanas (Compur) na quinta-feira (23), quando foi aprovado o regimento da Conferência, que deve acontecer entre 3 de fevereiro e 24 de maio. “A prefeitura queria discutir apenas os planos diretores regionais, mas conseguimos pautar a discussão de outros instrumentos previstos no Estatuto da Cidade, além do plano de mobilidade”, destaca Claudia Pires, que representa a sociedade civil no Conselho. A inserção do tema foi importante, pois é ali que está configurada a aplicação de Operações Urbanas Consorciadas (OUC), como a Nova BH. Outra vitória dos movimentos foi a mudança no calendário da Conferência, que estava prevista para terminar apenas no final do ano. Composição Os manifestantes criticam a composição do conselho e defendem que ele deve ser paritário. Atualmente são oito representantes do poder público e oito da sociedade civil. No entanto, o voto de minerva, aquele que dá a palavra final, é do presidente do conselho, Custódio Mattos (PSDB). Para Gladstone Otoni dos Anjos,

cidades | 03

Pergunta da semana A novela das 21h da Rede Globo, “Amor à Vida”. chega ao fim este semana. O grande personagem da novela, o Félix, interpretado por Mateus Solano, passou toda a trama sendo o mais malvado, mas se redimiu e está ajudando a resolver os mal entendidos da novela. E, agora, encontrou um grande amor. O romance toma as cenas em que os dois aparecem, com muito diálogo, honestidade e carinho, mas ainda não rolou o tal beijo gay.

Você acha que Félix e Niko devem se beijar na novela?

Entenda o caso O projeto Nova BH está em discussão desde o segundo semestre de 2013. A proposta da Prefeitura é aumentar o adensamento do município e promover a “requalificação urbanística” dos corredores Norte e Leste-Oeste, por meio de mudanças em legislações municipais. Entidades denunciam que as mudanças vão gerar desapropriações e venda de áreas públicas para o empresariado, além de falta de participação popular na elaboração do projeto.

da Pastoral Metropolitana dos Sem Casa e conselheiro do Compur, o presidente fazer parte do processo de votação e também ter o voto de minerva é absurdo. “A composição do conselho hoje é totalmente arbitrária. Não deixam nenhuma brecha para a sociedade civil”, declara. Os grupos e movimento propuseram que a estrutura e composi-

ção do Compur fossem debatidas na Conferência de Políticas Urbanas, conforme definido pelo próprio estatuto. O pedido foi recusado, após desempate do presidente da mesa. Entidades afirmam que pretendem levar o tema para a Conferência, mesmo que de forma não oficial.

Acho sim! Primeiro porque adorei o caso romântico do Félix e do Nico, e gostaria de ver um beijo dos dois marcando o amor. Segundo que achei super interessante o modo como a novela tratou o romance deles, como um romance hetero, uma coisa comum, o que de fato é. Mostrando pra sociedade que amar alguém do mesmo sexo não é um bicho de sete cabeças. José Roberto Augusto, 20

PBH aumenta lucro de empresas, mas não abaixa tarifa de ônibus Maíra Gomes De Belo Horizonte Marcio Lacerda aprovou na quarta-feira (22) um aumento de R$ 22 milhões no lucro anual das empresas de ônibus que prestam serviço em BH. Foi protocolado o decreto n° 15.456, que determina a suspensão do Custo de Gerenciamento Operacional (CGO), taxa cobrada diretamente da receita bruta das empresas. De acordo com o membro do movimento Tarifa Zero André Veloso, o valor representa cinco centavos nas passagens. Ele explica que o cance-

lamento da taxa gera um aumento no lucro das empresas, uma vez que o valor não será abatido das passagens. “Qualquer redução nos custos deve

O cancelamento da taxa gera um aumento no lucro das empresas, uma vez que o valor não será abatido das passagens ser repassada para a tarifa. Transporte é um direito e tem que custar o mínimo possível”, declara. Ele acredita que a redução tenha se configura-

do como uma compensação pelo não aumento da tarifa no início do ano. O movimento denuncia que há enriquecimento ilícito das empresas prestadoras do serviço em BH, que poderia ser provado por meio de uma auditoria das contas.

Manifestação

Na quinta-feira (30), foi protocolado um documento com as reivindicações do movimento, que inclui a exigência de repasse do cancelamento da taxa para a tarifa de ônibus, com redução de cinco centavos, e a implantação da tarifa zero durante o carnaval.

Não. Acho que a homossexualidade nasce com a pessoa, mas tem gente que acha que tá tudo liberado, vai lá e faz. Acho que não devia ficar passando na televisão não. Patrícia Polazi, 39

04 | cidades

Belo Horizonte, de 31 de janeiro a 06 de fevereiro de 2014

Uma mão lava a outra Campanha Lacerda e seu partido receberam mais de R$ 6 milhões de empresa que hoje é responsável pelo BRT Maíra Gomes De Belo Horizonte Atualmente, qualquer empresa pode doar recursos para qualquer candidato a qualquer cargo público. A consequência do financiamento de empresas aparece depois das eleições. “As empresas que doam grandes quantias acabam abocanhando os contratos de prestação de serviços públicos”, aponta Edson Castro, integrante do Movimento de Combate à Corrupção Eleitoral (MCCE). Belo Horizonte vive uma situação como essa. O consórcio responsável pela construção do BRT (também conhecido como Move) Cristiano Machado é a Constran, doadora de R$ 500 mil pa-

“Quem está no poder vai defender o poder econômico, que o colocou lá, e não o interesse da maioria da população” ra a candidatura do atual prefeito Marcio Lacerda (PSB), em outubro de 2012, e mais R$ 400 mil para a direção nacional do Partido Socialista Brasileiro (PSB). Os dados foram retirados do site Política Aberta e confirmados no Tribunal Superior Eleitoral. O consórcio é composto por cinco empresas, dentre elas as construtoras Camargo Corrêa e Queiroz Galvão. Juntas, fizeram doações de R$ 5.350 milhões entre agosto e outubro de 2012 para a direção nacional do PSB.

“Ninguém dá dinheiro de graça pra ninguém. O valor sempre volta, e dobrado”, afirma Anivaldo Matias, coordenador do MCCE. O consórcio Constran fez o total de R$ 2,5 milhões em doações de campanha em 2012. No mesmo ano, apenas em contratos com o Ministério dos Transportes, recebeu R$ 8.131.235,77, ou seja, três vezes mais. Na opinião de Edson, o financiamento de campanha funciona como um investimento. “Encontramos uma mesma empresa doando para dois ou três candidatos de partidos diferentes, para que consigam garantir os contratos posteriores”, afirma. O total de doações do consórcio Constran abarcou oito diferentes partidos, além da já citada doação à candidatura de Lacerda. Financiamento de campanha O Superior Tribunal Federal (STF) discute a proibição do financiamento privado de campanhas eleitorais. Quatro ministros votaram pelo fim de doações de empresas, mas a votação foi suspensa e está sem data para ser retomada. A legislação atual permite financiamento privado ao lado do público, o que forma um modelo misto de financiamento. O recurso público se dá por espaços gratuitos em rádios e televisão, além do fundo partidário. Já o privado vem de pessoas físicas e jurídicas, com um percentual máximo em relação ao faturamento. Para pessoas físicas seria de até 10% e, pa-

Doações de Constran

Para Candidatura Lacerda (PSB)

Quanto (R$) Marcio

500 mil

Constran

Direção Nacional PSB

400 mil

Camargo Correa *

Direção Nacional PSB

2 milhões

Queiroz Galvão *

Direção Nacional PSB

3, 35 milhões

*as empresas compõem o consócio Constran Fonte: Política Aberta

ra jurídicas, até 2%. Edson de Rezende Castro, do MCCE, explica que esse modelo proporciona uma grande desigualdade. “Aqueles que têm acesso a grandes empresas conseguem doações milionárias e têm mais chances de vencer “, diz. Os números confirmam. Segundo o

coordenador do MCCE em Minas Gerais, Anivaldo Matias, dos 503 deputados federais eleitos no Brasil, 389 estão entre os que mais gastaram em campanha. “Quem está no poder vai defender o poder econômico, que o colocou lá, e não o interesse da maioria da população”, declara.

Reforma Política é solução O caso acima é apenas um exemplo de como funciona o financiamento privado de campanha, de acordo com o professor Anivaldo. Ele aponta que quando um político eleito contrata uma empresa que financiou sua campanha, não há garantias de que o serviço será bem feito, pois parte do valor do contrato será para cobrir o valor investido. “Isso mostra como o sistema político hoje é corrompido”, denuncia. Para ele, mudar essa realidade só é possível com a realização de uma Reforma Política no Brasil, com o fim do financiamento privado.

A socióloga Liliam Daniela explica que Reforma Política é a alteração no conjunto de leis que se relacionam com o sistema político, que inclui mudanças nas re-

“Proibir o financiamento privado é um dos pontos da Reforma, já que é um dos fatores que mais se associam à corrupção” gras eleitorais, na formação dos partidos, na participação do povo nas decisões políticas, na de-

mocratização do poder judiciário e dos meios de comunicação. “Proibir o financiamento privado das campanhas eleitorais é um dos pontos da Reforma Política, já que é um dos fatores que mais se associam à corrupção no Brasil”, declara. Para ela, uma forma de excluir esse tipo de prática seria a adoção do financiamento público exclusivo das campanhas, com a mesma quantidade de recurso financeiro para os partidos, tornando a disputa pelo voto mais ideológica e menos financeira. Para a realização desta reforma, dezenas de entidades orga-

nizam a realização do Plebiscito Popular pela Constituinte exclusiva para a Reforma Política, a fim de debater o tema com a população e levantar votos para pressionar pela criação da Constituinte. Outra iniciativa em andamento é a implantação de um Projeto de Lei de Iniciativa Popular tocado pelo Movimento de Combate à Corrupção Eleitoral (MCCE), protocolado em setembro de 2013, que deve coletar um milhão e meio de assinaturas para que possa ser colocada em votação, mas que já está discussão na Câmara dos Deputados.

Belo Horizonte, de 31 de janeiro a 06 de fevereiro de 2014

Pistoleiros são condenados por assassinato de sem-terra

minas | 05

João Batista Libanio, um libertador

JUSTIÇA Apesar da sentença, jagunços respondem em liberdade Ricardo Bastos

Da Redação Nove anos depois do Massacre de Felisburgo, mais dois réus foram julgados e condenados. Na madrugada de sexta-feira (24), o juiz Glauco Eduardo Soares Fernandes anunciou a pena de 102 anos e seis meses de prisão para os dois pistoleiros, Francisco de Assis Rodrigues de Oliveira e Milton Francisco de Souza pelos crimes de homicídio, tentativa de homicídio e incêndio durante a invasão do acampamento Terra Prometida, em Felisburgo, no Vale do Jequitinhonha. Para o Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST), a condenação de mais dois réus traz um sentimento de justiça aos semterra da região, pois os dois pistoleiros são os únicos que residem em Felisburgo. Porém, como todos os réus do crime continuam em liberdade, a ameaça é constante contra os trabalhadores acampados, que temem uma reação por parte da oligarquia local. Segundo o dirigente estadual Samuel Costa, o MST exige do Poder Judiciário a prisão imediata de todos os réus condenados. “A liberdade dos réus até o momento representa todo o poder da oligarquia rural da região do Vale do Jequitinhonha, que se empenha até o último momento para tentar absolver os culpados”, denuncia. O promotor Christiano Leonardo Gonzaga Gomes apontou que vários depoimentos confirmam a presença dos dois réus entre os in-

Dois pistoleiros foram condenados a 102 anos de cadeia, mas aguardam recurso em liberdade

divíduos que invadiram o acampamento, que resultou no incêndio e no ataque contra as famílias acampadas, culminando no assassinato de cinco trabalhadores e 12 feridos. Em outubro de 2013, o mandante do massacre e réu confesso, o fazendeiro Adriano Chafik Luedy, foi condenado a 115 anos de prisão. No júri, o capataz Washington Agostinho da Silva também foi condenado a 97 anos e seis meses de prisão. Apesar da condenação, até o momento, os dois não foram presos e seguem aguardando o julgamento dos recursos em liberdade. Massacre de Felisburgo O Massacre de Felisburgo

aconteceu em 20 de novembro de 2004 no acampamento Terra Prometida, no município de Felisburgo. Na ocasião, cinco trabalhadores rurais foram assassinados e outras 12 pessoas, entre elas uma criança de 12 anos, ficaram feridas. Além disso, 27 casas e uma escola foram incendiadas. As famílias vítimas do massacre montaram acampamento na fazenda em 2002 e já haviam denunciado à Polícia Civil várias ameaças realizadas pelo fazendeiro. No mesmo ano, 567 dos 1.700 hectares da fazenda foram decretados como devolutos, ou seja, área do Estado que deveria ser transformada em assentamento de Reforma Agrária.

Fiscalização encontra trabalho escravo na Cemig Mariângela Castro A Cemig é a empresa pública mais rica de Minas Gerais, garantindo ao governo e acionistas bilhões de reais em dividendos. Mas, por trás do grande sucesso financeiro, há uma tragédia: a terceirização que impõe aos eletricitários condições precaríssimas de trabalho e recordes de mortes e mutilações por acidentes. A terceirização na Cemig agora avança rumo ao trabalho análogo à escravidão. A Superintendência Regional do Trabalho e Emprego (SRTE) elaborou um relatório de fiscalização com 2.039 páginas, apontando irregularidades cometidas pelas empreiteiras, com a

anuência da Cemig Distribuição. O relatório é resultado da fiscalização da SRTE junto com a Polícia Federal e Ministério Público do Trabalho (MPT) no ambiente de trabalho e nos alojamentos da CET Engenharia, em julho de 2013. A CET recebeu 44 autos de infrações por ter imposto trabalho e moradia em condições semelhantes à escravidão. Chocante A SRTE constatou que os trabalhadores são expostos a doenças e acidentes graves e fatais e não recebem vários direitos. As irregularidades vão além: jornadas de trabalho excessivas e não cumprimento do interva-

lo de 11 horas entre jornadas. A empreiteira também impede que os funcionários tirem férias e não garante treinamento para atividades em rede elétrica. O relatório diz que a CET deixou de fornecer água potável e em quantidade suficiente para 82 eletricitários que faziam o trabalho de campo, além de privá-los de banheiro químico. Nos alojamentos, cenas degradantes, como a falta de limpeza, ambiente insalubre, alimentos armazenados em locais sujos, banheiros imundos e mobiliário inadequado. O relatório foi enviado para o Ministério do Trabalho e Ministério Público Federal, para providências.

O padre e teólogo mineiro João Batista Libanio morreu vítima de infarto, na manhã de quinta-feira (30), aos 81 anos, em Curitiba (PR). Jesuíta como o papa Francisco, Libanio era um dos mais preparados pensadores da Igreja. Autor de quase 100 livros, sua obra sempre se preocupou com o diálogo e a formação teológica, moral e política. Nunca foi um erudito afastado dos problemas sociais. Era professor da Faculdade Jesuíta de Filosofia e Teologia, em Belo Horizonte. Esteve ligado ao grupo que a partir dos anos 1970 formulou a Teologia da Libertação, que marcou a inclinação da Igreja em direção aos pobres. Além fortalecer a mensagem libertadora do Evangelho, a nova teologia conclamava as pessoas a se reunirem em comunidades de base, locais de reflexão e ação comunitária. Em sua trajetória pastoral, Libanio esteve presente em várias frentes: em universidades do Brasil e do exterior; junto às comunidades eclesiais de base, nas tarefas pastorais da luta diária; na assessoria a entidades como a Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB); e como autor de obra teológica e filosófica. Mesmo com a perseguição incessante à Teologia da Libertação, Libanio nunca deixou sua trincheira, combatendo o bom combate com sabedoria e constância. “A Teologia da Libertação está a sofrer mais do silêncio do que das pressões eclesiásticas e ideológicas do mundo neoliberal. Prefere-se não falar dela. No entanto, os problemas que ela enfrentou desde o nascimento conservam a gravidade e até se tornaram piores. Sua missão continua ainda importante como esperança dos pobres e como vertente libertadora da fé cristã”, escreveu. Um homem que honrou a fé em Cristo e na humanidade, que acreditava na correlação transcendental entre Deus e pobres e que fez da vida o serviço da libertação de seus irmãos. (João Paulo)

06 | minas

Belo Horizonte, de 31 de janeiro a 06 de fevereiro de 2014

Trabalho desumano é crime ESCRAVIDÃO Índices melhoraram, mas o trabalho escravo ainda é problema no país Repórter Brasil

Rafaella Dotta De Belo Horizonte Em pleno século 21, ainda existem escravos no Brasil. Para relembrar essa situação, de 27 de janeiro a 3 de fevereiro, acontece a Semana Nacional do Combate ao Trabalho Escravo. As atividades lembrarão a Chacina de Unaí, em que quatro fiscais do governo foram assassinados quando investigavam existência de trabalho degradante, e denunciam políticos que tentam tornar o trabalho escravo coisa comum no Brasil. Atualizada em 30 de dezembro de 2013, aumentou a “lista suja”, composta por empresas que utilizam trabalho com condições parecidas com a escravidão. Foram incluídas 110 empresas, totalizando 576 em todo o Brasil. Em contrapartida, o Brasil aumentou o número de fiscalizações, passando de 149, em 2007, para 255, em 2012. Na opinião de Carlos Calazans, delegado Regional do Trabalho e um dos idealistas da “lista suja”, o número de trabalhadores escravizados ainda é grande e precisa servir de alerta. Segundo o delegado, a escravidão pode acontecer em todo lugar. “No ano passado, foi encontrado trabalho escravo onde a gente menos esperava, em Belo Hori-

zonte. A construção civil e a indústria de roupa são as que mais fazem isso”, exemplifica. Parlamentares tentam “afrouxar” a lei Em nome do interesse dos donos de empresas e fazendas, alguns políticos brasileiros estão tentando modificar o que entendemos por “trabalho escravo”. Eles defendem que, na Constituição Brasileira, a servidão por dívida e as condições degradantes de trabalho não devem ser caracterizadas como escravidão, para amenizar as penas e multas para os patrões.

Em Minas Gerais, 24 dos 53 deputados são ruralistas, sendo o estado com o maior número de parlamentares nessa bancada Dentre os parlamentares que apoiam tal medida estão o deputado Moreira Mendes, do PSD de Rondônia, e Romero Jucá, do PMDB de Roraima, que propuseram o afrouxamento da lei. Em Minas Gerais, 24 dos 53 deputados são ruralistas, sendo o estado com o maior número de parlamentares nessa bancada.

Depoimentos de trabalhadores escravizados “De primeiro [a escravidão] era quando trabalhava apanhando. Hoje é quando trabalha humilhado” “A escravidão não é só ficar preso numa fazenda, é humilhar a pessoa no serviço e não pagar, ter o de comer ruim, trabalhar demais” “Ser humilhado: receber grito direto, ser tratado que nem cachorro” “É quando a gente não se sente como humano”

Fonte: Organização Internacional do Trabalho

O que é trabalho escravo? É quando o trabalhador não consegue se desligar do patrão, coagido por fraude ou violência. Quando é forçado a trabalhar contra sua vontade. Quando é sujeito a condições desumanas de trabalho. Quando é obrigado a trabalhar muito e por tantas horas que seu corpo não aguenta. Você conhece alguém nessa situação? Não deixe de denunciar: 0800702-3838

Assassinatos em Unaí: mandante ainda está solto Agência Brasil

Em 28 de janeiro de 2004, três fiscais do governo e um motorista foram até a cidade de Unaí, no nordeste de Minas Gerais, verificar ocorrência de trabalho escravo na fazenda da família de Norberto Mânica, que era prefeito da cidade. Cinco pistoleiros armaram uma emboscada e atiraram contra os servidores públicos, matando os quatro. Desde então, as famílias dos homens assassinados, os auditores fiscais e os movimentos que combatem o trabalho escravo pedem por justiça. Dos pistoleiros, quatro foram condenados e três estão na cadeia. Mas os mandan-

tes do crime permanecem em liberdade. Norberto Mânica, Hugo Pimenta, José Alberto de Castro e Humberto Ribeiro dos Santos são os quatro réus acusados pelo crime, sendo que Norberto Mânica, que irá se candidatar a deputado na próxima eleição, é apontado como o “cabeça”. Para José Augusto de Paula, presidente da Associação dos Auditores Fiscais do Trabalho de Minas Gerais, o sentimento das famílias e dos auditores é de injustiça. Ele acredita que só os pobres, neste caso os pistoleiros, é que vão ser presos. Os ricos, que

Ato público em Brasília lembra os 10 anos da Chacina

são a família Mânica, vão continuar em liberdade. Segundo José Augusto, isso causa um problema para a fiscalização do trabalho escravo. Os auditores ficam com medo de de-

nunciar a ocorrência, pois sabem que não têm segurança adequada. Enquanto isso, fazendeiros e grandes empresários assassinam funcionários do governo e continuam livres.

Belo Horizonte, de 31 de janeiro a 06 de fevereiro de 2014

Desvendando Minas

fatos em foco Aumento no salário dos professores

RESENHA Livro reúne artigos sobre a gestão neoliberal no estado Mídia Ninja

Débora Junqueira, Gil Soreto e Saulo Martins “Uma gestão desastrosa”, assim define o presidente do Sindicato dos Professores de Minas e vereador do PCdoB de Belo Horizonte, Gilson Reis, sobre o modo de governar do PSDB. Ele é um dos organizadores, junto com o cientista político Pedro Otoni, do livro Desvendando Minas – Descaminhos do projeto neoliberal. Na obra, os autores buscam revelar o que há por trás de expressões como “Choque de gestão” e “Déficit zero”, amplamente difundidos e pouco explicados. A publicação reúne artigos que compõem uma leitura crítica da gestão tucana em Minas Gerais, sob a batuta do senador Aécio Neves (PSDB), tido como um dos mais fortes candidatos da direita à presidência. O livro também revela facetas contraditórias de um governo que se sustenta com lançamentos espetaculares e “blindagem” da imprensa e mídia locais, ao mesmo

A realidade é o verdadeiro choque: um governo orientado para o mercado tempo em que os dados reais desagradam a “gregos e troianos”, transformando o cenário econômico em Minas Gerais numa tragédia. Cada autor esmiúça os números e ações a respeito da falácia administrativa do governo tucano. Uma gestão a serviço da reprodução do capital, enquanto o estado está ca-

Estudo da Agência de Drogas e Alimentos dos Estados Unidos indicou que, dentre alimentos industrializados, sete contém índices abusivos de gordura trans. São: biscoitos salgados e doces, pipoca de microondas, pizzas e tortas congeladas, manteiga vegetal, margarina em barra, creme para café e glacê pronto para uso. Além de aumentar o LDL, chamado de colesterol “ruim”, a gordura trans diminui o HDL, o colesterol “bom”, aumentando as chances de doenças cardíacas, principalmente em crianças. Informações da Secretaria de Vigilância em Saúde, do Ministério da Saúde, confirmam que as

Na quarta-feira (29), o Ministério da Educação (MEC) anunciou o reajuste de 8,32% no piso salarial do magistério. O piso passará de R$1.567 para R$1.697, para professores de nível médio com jornada de 40 horas por semana. Em Minas Gerais, os professores continuam recebendo salários menores que o piso e reivindicam que o governo estadual cumpra a legislação.

Fiéis não aceitam afastamento de frei Cláudio

da vez mais entregue a interesses de uma hegemonia econômica que não garante o bem estar da população e só faz aumentar a dívida pública, uma maldita herança para as próximas gerações. A realidade é o verdadeiro choque: um governo orientado para o mercado. Entre os artigos, uma denúncia embasada pelo Ministério Público Estadual que, em dezembro de 2010, ajuizou uma ação contra o então governador Aécio Neves, acusando-o de descumprimento da Emenda Constitucional 29 em relação aos gastos com a saúde. A prestação de contas do governo destinou R$ 3,5 bilhões para a Copasa, mas o montante jamais chegou à empresa.

O prefácio é do presidente do Barão de Itararé, Altamiro Borges, que resume a experiência de ler a publicação: “O livro apresenta um rico apanhado do modo tucano de governar; o que o torna uma obra indispensável para o debate de ideias na sociedade com vistas à campanha presidencial em 2014”. Para o professor Virgílio Matos, um dos autores, “a única coisa que avança em Minas é a propaganda. Aqui, a repressão vem antes da Educação”. De acordo com Gilson Reis, serão realizados debates em universidades, escolas, sindicatos e entidades da sociedade civil, para agregar pessoas e pensamentos que contribuam para a transformação social e política no estado.

Sete alimentos prejudiciais à saúde Da Redação

minas | 07

doenças cardiovasculares foram a principal causa de mortes no Brasil em 2007, totalizando 30% dos óbitos declarados. Como saída para o problema, a Secretaria indica o aumento da educação alimentar no país. O nutricionista Gustavo Haertel Grehs, que é da equipe do site FechandoZiper.com, alerta para a leitura dos rótulos. É importante ler todos os ingredientes, pois eles podem ser colocados com outros nomes ou desmembrados em vários tipos de gordura ou açúcar, para chamar menos atenção. “Parece brincadeira, mas muita gente não sabe disso, e a indústria, obviamente, não faz questão de informar”, concluiu o nutricionista.

Nutricionistas afirmam: É recomendado que os alimentos com gordura trans sejam consumidos o mínimo possível. Alimentos que oferecem perigo à saúde Biscoitos salgados, doces, tortas congeladas Pipoca de microondas Pizzas e salgados congelados Manteiga vegetal e margarina em barra Creme para café Glacê pronto para uso

A Igreja de Nossa Senhora do Carmo, da região Centro-Sul de Belo Horizonte, vivenciou uma manifestação durante a missa das 11h do último domingo (26). O frei Cláudio van Balen, pároco naquela igreja há 46 anos e adepto da Teologia da Libertação, foi substituído sem aviso prévio e sem seu consentimento. As 900 pessoas presentes na missa não concordaram e chamaram o nome de Cláudio, impedindo a realização da cerimônia. Os fiéis temem que o frei, que já tem 81 anos, seja afastado definitivamente, pois tem ideias conflitantes com seus superiores.

Todas as semanas nas ruas de

BH

Anuncie publicidademg @brasildefato.com.br

(31) 3309-3304

08 | opinião

Belo Horizonte, de 31 de janeiro a 06 de fevereiro de 2014

Acompanhando

Foto da semana

Mídia NInja

Participe Viu alguma coisa legal? Algum absurdo? Quer divulgar? Mande sua foto para redacaomg@brasildefato.com.br. Lembre-se de mandar o endereço onde foi registrado o fato e seu contato

Na edição 22 ... Prisão de jornalista: cortina de fumaça para encobrir mensalão tucano ...E AGORA

Milho Verde é um dos paraísos naturais de Minas Gerais. O distrito de Serro está situado nas vertentes da Serra do Espinhaço, bem próximo à nascente do Jequitinhonha. Local de povo tranquilo e acolhedor, é ponto turístico para os amantes das cachoeiras e de quem busca tranquilidade.

Rilke Novato Públio

Leonardo Nogueira e Tibério Oliveira

Saúde à venda

Dia da Visibilidade Trans

O crescimento das vendas de medicamentos em nosso país é cada vez maior. De acordo com pesquisa da Associação Brasileira de Redes de Farmácias e Drogarias (Abrafarma), somente no primeiro semestre de 2013 as vendas subiram 16,8% em comparação com o mesmo período do ano anterior. Em 2012, o setor varejista atingiu o faturamento de R$ 25 bilhões. Entre 2003 e 2011, o Brasil passou da 10ª para a 6ª posição no mercado farmacêutico mundial. Para 2016, a previsão é que o país ocupe a 4ª colocação, atrás apenas de Estados Unidos, China e Japão. Será que o nosso povo está adoecendo mais ou o aumento do faturamento é por conta de maior acesso aos medicamentos? A resposta, meu caro amigo, provavelmente inclui uma terceira possibilidade: o consumo indiscriminado é influenciado pela propaganda maciça nos grandes meios de comunicação, notadamente nos meios televisivos. Somado aos interesses mercantis nas vendas, que querem dar a impressão de que os medicamentos são só mais um produto qualquer, esse alto consumo faz do Brasil o campeão mundial de automedicação. Segundo estudos da Fiocruz, batemos tristes recordes, a cada ano, no número de intoxicações humanas causadas por medicamentos. O medicamento é definido como um produto de saúde elaborado para fins de prevenção, profilaxia ou tratamento das doenças e, portanto, deve ter o seu uso restrito a situações específicas, caso contrário, os riscos causados pelo uso indevido podem ser fatais. A utilização de forma indiscriminada só interessa àqueles que querem transformá-lo em mais um produto a ser consumido em larga escala, possibilitando lucros exorbitantes em prejuízo da saúde das pessoas.

Dia 29 de janeiro é o dia pelo direito à identidade de travestis e transexuais, conhecido como Dia Nacional de Visibilidade Trans. A sociedade em que vivemos caracteriza-se pela permanente produção e reprodução de desigualdades de classe, orientação sexual, identidade de gênero, raça/etnia, etc. Reproduzir o preconceito e a discriminação é uma necessidade da dominação do sistema capitalista para que seja ofuscada a possibilidade histórica de vivenciarmos uma sociedade efetivamente livre e emancipada. O sistema capitalista-patriarcal é responsável por, diariamente, repor as condições necessárias para o preconceito e a discriminação. A Secretaria de Direitos Humanos recebeu, em 2011, uma média de 18,65 denúncias de homofobia por dia. Do conjunto de denunciantes, 67,5% são homens e 10% se identificaram como travestis; 14,1% relataram discriminação por causa da identidade de gênero. Jovens de até 29 anos são as principais vítimas, totalizando 50,3% das denúncias. Esse conjunto de violações também tem cor, sendo 52,1% cometidas contra pessoas que se autodeclararam pretas e/ ou pardas. Por isso, no dia 29 de janeiro devemos lutar para que se torne crime a discriminação em função da orientação sexual e da identidade de gênero. É preciso também defender o direito do uso do “nome social” à escolha das travestis e transexuais. É preciso romper com a dominação/exploração contra essa população e, para isso, é necessário lutar por uma sociedade livre das amarras do capitalismo-patriarcal, em busca de um mundo onde “nada nos sujeite, nada nos defina... que a liberdade seja nossa própria substância”, como afirmou Simone de Beauvoir.

Rilke Novato Públio é Vice-Presidente da Federação Nacional dos Farmacêuticos e Diretor do Sindicato dos Farmacêuticos de Minas Gerais

Leonardo Nogueira e Tibério Oliveira são militantes do Coletivo de Diversidade Sexual do Levante Popular da Juventude

O jornalista mineiro Marco Aurélio Carone, do site Novojornal, preso no dia 20 de janeiro sem nenhuma condenação prévia, encontra-se internado no Instituto Biocor. Ele sofreu um infarto no final de semana e relatórios médicos indicam que precisará ficar sob observação. Em conversa com os deputados Rogério Correa e Durval Ângelo na tarde de quarta-feira (29), o jornalista declarou que o promotor do caso o coagiu a assinar documentos que incriminam políticos de oposição a Anastasia, em troca de benefícios penais. O jornalista afirma não ter assinado, mas denunciou que continua a receber ameaças. O advogado de Carone espera conseguir reverter a prisão preventiva em prisão domiciliar, mas o julgamento do caso ainda não tem data para acontecer.

Na edição 21... Prefeito tenta matar liderança quilombola no Norte de Minas

... e agora

O prefeito de Varzelândia, Felisberto Rodrigues Neto, esteve na última quinta-feira (30) em Belo Horizonte. Ele convocou uma reunião com William Santos, advogado da OAB que acompanha o caso e Ministério Público. O prefeito entregou um documento com a sua versão, negando a acusação de tentativa de homicídio. O advogado do líder quilombola informou que, até o momento, o prefeito não justificou porque ele e seus capangas estavam usando armas quando encurralaram o quilombola. José Carlos permanece em Belo Horizonte e conta com o apoio do Ministério Público e do programa de proteção à vítima.

Belo Horizonte, de 31 de janeiro a 06 de fevereiro de 2014

entrevista | 09

“O Carnaval é a festa do povo, mas não está sendo mais” FESTA POPULAR Madrinha do samba, Beth Carvalho critica preços dos sambódromos Washington Possato

Mariana Desidério De São Paulo Quase recuperada de um problema de saúde, Beth Carvalho quer voltar para o sambódromo. Ela, que diz adorar os desfiles, critica os altos preços, mas se alegra com a festa na rua. A cantora, que sempre escolheu ficar junto do povo, conta que é socialista porque quer “muito para muitos”. Ela está animada com a Copa no Brasil e defende que temos o melhor futebol porque “os jogadores têm a malemolência e aquela ginga que nenhum jogador do mundo tem”. Confira abaixo a entrevista. Brasil de Fato - Seu último CD foi lançado em 2011. Tem algum projeto novo? Beth Carvalho - Tem! Vou gravar agora um DVD em março. Vai ser uma mistura de músicas novas, com músicas de sucesso e talvez alguma participação. O Carnaval está chegando. Você vai desfilar? Tive os problemas de saúde, na coluna, então é melhor não abusar. Vou ficar em casa ou vou lá no sambódromo, no camarote. Assim, se eu sentir qualquer dor ou incômodo, eu posso me retirar.

“Desfile de escola é a coisa mais linda. Sou Mangueira, mas adoro todas as escolas” No ano passado você também não desfilou. Sente falta? Sinto. Eu adoro. Acho desfile de escola a coisa mais linda do mundo. Eu sou Mangueira, mas adoro ver todas as escolas. O Carnaval é a festa do povo, mas não está sendo mais. Eu fico indignada com isso. Com os preços e os valores que estão sendo cobrados, não tem mais condição do povo assistir os desfiles. Por que é importante ter um Carnaval de rua forte? O Carnaval é uma festa popular, importante no Brasil inteiro, musical e poeticamente. As crianças podem brincar, senhores de idade podem participar. Todo mundo está na mesma festa. É muito alegre e agradável para todo mundo. Por

isso, acho muito bom ter essa manifestação popular. Eu fiz parte do primeiro bloco que fez essa manifestação, o Bloco do Barbas, no Botafogo. Barbas é por causa do Nelsinho, filho do Nelson Rodrigues, que tinha um bar. Depois se resolveu fazer um bloco. Acabou sendo o primeiro bloco.

“É maravilhoso ter a Copa no Brasil. Aqui é o país do futebol, sim. Temos o melhor futebol por causa do samba” O Carnaval é uma festa machista? É a mídia que mais utiliza a nudez das mulheres. E isso acaba ofuscando o que é mais importante no Carnaval, que são as culturas da comunidade, a porta-bandeira, mestre-sala... As madrinhas de bateria, por exemplo, estão deixando de ser pessoas da escola de samba. São cada vez mais pessoas de fora. Mas é claro que não tenho nada contra gente de fora desfilar. Quando eu comecei, eu era uma menina nova, da zona sul, e praticamente de fora também. Comecei a desfilar no início da década de 1970. O que você acha de sediarmos a Copa? É maravilhoso. Aqui é o país do futebol, sim. Eu coloco o samba de novo na história. É o melhor futebol do mundo? É! Sabe por quê? Por causa do samba. Os jogadores têm a malemolência e aquela ginga que nenhum jogador do mundo tem. Nem o Messi tem. Eles não têm esse jogo de cintura, que tem o Neymar, que têm os jogadores brasileiros. Essa ginga vem do samba. E as críticas em relação aos gastos para a Copa? Tem as críticas. Mas tem mentiras em relação a isso. Não é bem assim. A gente vai lucrar muito, para começo de conversa. Tem coisa que foi empréstimo e que vai ser pago depois. Já era pra ser sede da Copa há muito tempo. Tem gente que quer falar mal da Dilma e fica com essa conversa fiada. O brasileiro adora futebol, está feliz da vida. Não tem discussão. Se fizerem uma enquete, vão ver que o povo está a favor.

Você sempre esteve próxima da política. Por quê? Sempre tive posições políticas próprias. Antes de ser cantora, eu sou cidadã. Eu tenho que participar da política do meu país. Eu voto, participo e tenho que dar minhas opiniões.

“Antes de ser cantora, eu sou cidadã. Eu tenho que participar da política do meu país” O samba também tem um elemento revolucionário? Na minha visão e de outros compositores, tem. Por exemplo, quando teve o Plano Cruzado, o Almir Guineto e o Adalta Magalha fizeram o samba “Corda no Pescoço”, que eu gravei. “E o povo como está?/ Tá com a corda no pescoço / É o dito popular / Deixa a carne e rói o osso.” Essa música é um protesto. Mas de uma maneira jocosa, brincalhona. Às vezes o público não percebe totalmente. Você sempre defendeu o socialismo, não? Sim. Eu não sou alienada. Tem gente que pensa que é socialista, mas não é. Se vem com essa conversa de criticar demais a Copa e aquilo outro, eu já desconfio. Eu

converso com o povo. Mas por que defende o socialismo? Tem gente que diz que é ultrapassado. Ultrapassado é quem diz isso. Na verdade, assusta demais a muita gente que acha que comunista come criancinha, coisa que eu escuto desde criança. O que é capitalismo? É muito para poucos e pouco para muitos. O socialismo é o contrário: é muito para muitos. Eu tinha um pai maravilhoso que me ensinou o caminho das pedras. Meu pai sempre foi socialista. A vida inteira ensinou a minha irmã e a mim o caminho certo. Quando veio a ditadura, começaram a dedurar as ideias do meu pai. Foi ameaçado de prisão e teve de se esconder. Aí nós bolamos o seguinte: colocamos ele na casa de um parente extremamente reacionário, aí ninguém iria procurar ele lá. É a tal história. Parente é fogo. Parente é parente. O que seu pai fazia exatamente? Ele era conferente da alfândega, alto funcionário do Ministério da Fazenda, ganhava bem. Não éramos ricos, mas vivíamos bem. As coisas ficaram difíceis em casa [depois da ameaça de prisão]. Mas só por um tempo, porque meu pai sempre muito engraçado, espirituoso e tranquilo com suas ideias.

10 | brasil

Belo Horizonte, de 31 de janeiro a 06 de fevereiro de 2014

Juristas criticam pagamento de diárias a Barbosa PRIVILÉGIO Presidente do STF sofre críticas por receber diárias de R$ 14 mil para as férias na Europa Fábio Rodrigues Pozzebom/ABr

Pedro Rafael Ferreira De São Paulo O ministro Joaquim Barbosa, presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), de férias na Europa, recebeu 11 diárias para proferir dois dias de palestra na França e na Inglaterra neste mês. Segundo sua assessoria, o descanso seria interrompido para que ele cumprisse as agendas, além de outros encontros, o que justificaria o recebimento dos R$ 14 mil em auxílio-viagem. Somente após denúncia do fato nos meios de comunicação, a agenda oficial foi divulgada. Especialistas do direito ouvidos

Você sabia?

pelo Brasil de Fato condenam esse tipo de privilégio. “O grande problema desses episódios é que isso tem passado como se fosse normal do Poder Judiciário. Usar o status público de um juiz ou ministro para fins privados é um absurdo”, condena Carlos Marés, jurista e procurador do Estado do Paraná. Ele explica que a Constituição Federal, ao reafirmar a liberdade e a soberania do Poder Judiciário, se refere às condições para exercer a Justiça, ou seja, o poder de julgar e ter as decisões cumpridas. “O juiz que julga jamais pode sofrer punição ou restrição por isso. Mas essa prerrogativa não se aplica ao ato

Que 80% dos municípios mineiros não cumprem lei de 2006 e mantêm trabalho precário de centenas de agentes de saúde? Agentes de Combate à Endemias (ACE) e Agentes Comunitários de Saúde (ACS) são fundamentais para estruturar a saúde pública no país. Mesmo as prefeituras recebendo repasses do governo federal, insistem em precarizar o trabalho de agentes em Minas.

Regime Jurídico único e carreira já!

Ministros do STF são acusados de usar “status público” para fins privados

administrativo que ofenda o interesse público”, completa. José Henrique Rodrigues Torres, juiz titular do 1º Tribunal do Júri em Campinas (SP) e ex-presidente do conselho executivo da Associação dos Juízes para a Democracia (AJD), pondera que autonomia administrativa é um fator de independência do Judiciário, o que deve ser levado em conta para avaliar supostos privilégios. “Tem que analisar caso a caso para saber até que ponto se trata de vantagem pessoal, para que as pessoas não achem que todo ato administrativo do Judiciário é um privilégio”, explica. No entanto, para o magistrado, é preciso ir além dessa constatação. “Temos que analisar como é que situações como essas de privilégios podem acontecer, quais são as lacunas institucionais e estruturais do Poder Judiciário”, opina.

Antidemocrático

O aspecto mais controverso da organização da Justiça no Brasil diz respeito à sua estrutura extremamente hierarquizada e com praticamente nenhum processo efetivamente democrático de escolha dos principais postos. Não existe propriamente um controle externo, apenas o Conselho Nacional de Justiça (CNJ), que é vinculado ao Judiciário. Para o jurista Carlos Marés, o Poder Judiciário é, de longe, o menos democrático da República. “Um magistrado só é punido se for pego com a boca na botija. É um poder muito grande para um único indivíduo. Os juízes que chegam numa comarca são autoridades máximas. No mínimo, teria que existir a possibilidade de um tipo de impeachment popular ou controle democrático- popular da comunidade sobre o juiz”, avalia.

“Não há controle das instâncias superiores”, afirma jurista O juiz Henrique Torres acredita que o problema maior são as cúpulas do Poder Judiciário. “O juiz de primeira instância, na comarca, já é bastante controlado, porque toda a sua sentença tem que ser bem fundamentada, toda a audiência é pública e submetida ao controle do Ministério Público e advogados, tem o controle de cúpula das corregedorias. Mas o grande problema é a falta de controle das instâncias superiores”, denuncia.

Nos Tribunais de Justiça dos estados, por exemplo, só podem ser eleitos os três desembargadores mais velhos e somente vo-

tam os próprios desembargadores. Juízes de primeira instância e mesmo servidores do Judiciário ficam excluídos do processo.

Para o juiz José Henrique Torres, isso implica ausência total de debate político sobre os próprios rumos da Justiça. Um processo eleitoral interno amplo de um Tribunal de Justiça, acredita Torres, já permitiria que esses temas fossem objeto de ampla discussão na sociedade. “A eleição propicia debate de projetos de governo, de aplicação da verba, o controle político, a pluralidade de ideias”, argumenta.

Belo Horizonte, de 31 de janeiro a 06 de fevereiro de 2014

brasil | 11

Fifa fica em 3° lugar como pior empresa do mundo INIMIGOS Empresa foi a mais votada entre os brasileiros Brasil de Fato No último dia 22 de janeiro, a eleição organizada pelo Public Eye Awards, organização que apresenta o hall das piores empresas do mundo, foi encerrada. O público elegeu a Gazprom, empresa de gás russa, como a pior do planeta. Em seguida aparecem Syngenta, Bayer, Basf - empresas de agrotóxicos europeias. Já em terceiro lugar está a Fifa, com mais de 54 mil votos, dos quais cerca de 33 mil foram de brasileiros. Todas as empresas apresentam um histórico de irregularidades. A vencedora, por exemplo, é acusada de violar regulamentações federais de segurança e ambientais no Ártico. Sua principal atividade na região é perfurar o mar para extração de petróleo. Já a Fifa, às vésperas da Copa do Mundo de 2014, tem sido acusada de incentivar violações de direitos e mau uso de dinheiro público nos países que recebem o megaevento, em favorecimento de empresas parceiras e com anuência de governos locais.

A campanha no Brasil A grande participação dos brasileiros na votação foi incentivada pela Articulação Nacional dos Comitês Populares da Copa (ANCOP), que reúne movimentos e organizações sociais em todas as cidadessede da Copa de 2014, que promoveram uma campanha digital para denunciar as características machistas, homofóbicas e as violações aos direitos cometidas por esta instituição. “Apesar de a Fifa não ter ficado em primeiro lugar, foi muito importante o fato de ter sido eleita como a pior, se considerarmos só o votos dos brasileiros. Demonstra-se que, como expresso nas manifestações de junho do ano passado e em diversas manifestações ocorridas este ano, essa “instituição” sofre repúdio em nosso país, que carece de melhorias profundas nas áreas sociais, como transporte, saúde, educação e moradia”, afirma o membro da Secretaria Executiva da CSPConlutas, Atnágoras Lopes, responsável pela campanha na Central.

Joana Tavares

Public Eye Awards Criado em 2000, o Public Eye Awards é concedido anualmente no Fórum Econômico Mundial, na cidade suíça de Davos, sempre em janeiro. A corporação ‘vencedora’ é escolhida por voto popular em fun-

ção de denúncias de problemas sociais, ambientais e trabalhistas. Em 2012, a mineradora brasileira Vale foi eleita pelo público por violações de direitos humanos e impactos ambientais causados por suas operações.

Conferência sobre educação é cancelada e coloca setor em risco Reprodução

Da Redação Poucos sabem, mas a política da educação brasileira para os próximos 10 anos estava sendo construída com a sociedade. Através da Portaria 1410, de 2012, os representantes da população se reuniriam entre os dias 17 e 21 de fevereiro para realizar a Conferência Nacional de Educação (Conae), que foi cancelada a menos de um mês do evento. A Conae-2014 é o espaço que os representantes da população estavam esperando para construir, junto ao governo, o Plano Nacional de Educação (PNE). Para Thiago Wender Ferreira, diretor de Políticas Educacionais da União Nacional dos Estudantes (UNE) que ia acompanhar a Conae-2014, o cancelamento aconteceu porque o governo não quer

ELEIÇÃO DO SINDIPETRO/MG

Em 2014 teremos eleição para a nova diretoria do Sindipetro/MG. O processo começou em janeiro com a constituição da Comissão Eleitoral. Em assembleia foi aprovado o seguinte calendário:

ser pressionado a aprovar um PNE mais avançado. “Com a realização da Conferência agora, a pressão exercida no Congresso para barrar retrocessos seriam enormes”, diz. Em nota, a Campanha Nacional do Direito à Educação lamentou a atitude do MEC, considerando o cancelamento uma medida autoritária por parte do Ministério.

4 de fevereiro: publicação do edital de convocação; 5 de fevereiro a 7 de março: inscrição de chapa; 10 de abril a 4 de maio: campanha eleitoral; 5 a 9 de maio: realização do primeiro turno da eleição; 26 a 30 de maio: realização do segundo turno da eleição.

A participação dos companheiros é essencial para fazermos uma eleição pautada na democracia.

ELEIÇÃO NO C.A. DA PETROBRÁS

Crédito: Reprodução

12 | mundo

Belo Horizonte, de 31 de janeiro a 06 de fevereiro de 2014

Primeiro ministro da Ucrânia renuncia em meio a protestos PRESSÃO Saída é tentativa de solução pacífica para crise Após mais de dois meses de tensão política na Ucrânia, o primeiro-ministro do país, Nikolai Azarov, apresentou nesta terça-feira (28) sua renúncia ao cargo enquanto o parlamento ucraniano se reunia em sessão extraordinária para revogar o pacote de leis que restringiam direitos fundamentais de manifestação. O conjunto de normas antimanifestações havia sido posto para tentar frear o levante contra o governo. Entretanto, as medidas tiveram efeito inverso e incendiaram ainda mais a parcela da população contrária a Azarov e pró-União Europeia. Polêmica e controversa, a legislação restringia direitos civis como liberdade de expressão e de reunião. Em sua carta de renúncia, Azarov afirmou que deixava o cargo “para criar possibilidades adicionais de se conseguir um acordo político e

AZAROV – Gov. Ucraniano

social e em prol de um ajuste pacífico”. O primeiro presidente da Ucrânia após a independência, Leonid Kravchuk (1991-1994), afirmou que “o país está à beira da guerra civil”. Ele pediu que o parlamento aprovasse a anistia aos manifestantes detidos durante os confrontos. Crise Desde novembro, a Ucrânia tem vivido uma onda de protestos depois que o governo Yanukovich se recusou a assinar um acordo com a União Europeia. Desde então, milhares de pessoas saem às ruas diariamente para criticar — e também apoiar, no começo dos protestos — a decisão do presidente. Yanukovich argumenta que o acordo proposto pelo bloco europeu criaria dificuldades para a parcela mais pobre da população de seu país. (Opera Mundi)

Premiê ucraniano, Azarov, deixa cargo em meio a confrontos

Meninas fora da escola Albert G. Farran/ONU

As meninas representam 54% da população mundial fora da escola. A situação é mais grave nos Estados árabes, onde essa proporção é 60% e não sofreu alterações desde 2000. O desequilíbrio que prejudica as matrículas de meninas nas escolas é maior nos países de baixa renda. Os dados estão no 11° Relatório de Monitoramento Global de Educação para Todos, divulgado pela Unesco (Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura).

Sala de aula em Darfur; países árabes tem pior proporção entre gêneros Ismael Francisco – Cubadebate

Raul Castro, presidente de Cuba, país que sedia a reunião

Cúpula da Comunidade de Estados Latino-americanos e Caribenhos, bloco político que contempla 33 americanos e exclui Estados Unidos e Canadá, se encontra pela segunda vez. Grupo foi idealizado por Chávez para colocar-se como uma alternativa aos atuais foros diplomáticos e consolidar uma agenda genuinamente latino-americana.

Belo Horizonte, de 31 de janeiro a 06 de fevereiro de 2014

variedades | 13

A novela Como ela é

Preencha os espaços vazios com algarismos de 1 a 9. Os algarismos não podem se repetir nas linhas verticais e Preencha os espaços vazios com algarismos de 1 a 9. horizontais, nem nos menores (3x3). Os algarismos não podem se repetir nasquadrados linhas verticais e

os espaços vazios com algarismos de 1 a 9. horizontais, nem nos quadrados menoresPreencha (3x3). www.coquetel.com.br Os algarismos não podem se repetir nas linhas verticais e horizontais, nem nos quadrados menores (3x3).

© Revistas COQUETEL

www.coquetel.com.br

© Revistas COQUETEL

3 8

2

3

5

7 5

1

79

2

8 6

1 8

3 4

Mais beijo, menos violência Ufa! Amor à Vida chega ao fim. É fato que a novela teve mais baixos que altos, mas tudo se redime no final. O folhetim opera um corte moral muito direto: quem é do mal, mas do mal mesmo, morre sozinho. Temos o exemplo da Glauce, que só tinha a justificativa da paixão e da Leila, carbonizada para pagar o pecado da ambição . Os médio vilões – os que foram influenciados, os fracos ou bobos – têm a chance de começar de novo. É o caso do Thales, da Neide, do Ninho, do Eron e de outros. A lição é mais simples que conto de fadas: quem faz sofrer, sofre no final. E, claro, o amor salva. Mas temos ainda o verdadeiro protagonista, o cara: o Félix. Depois de passar pela via crúcis de assumir os pecados – oh, que virada do destino, até vender cachorro quente na rua – ele está virando gente e ajudando todo mundo a seu redor. Sua trama é a seguinte: rejeitado pelo pai, oprimido em sua sexualidade, se tornou uma pessoa amarga, egoísta e acumulativa. Opressão leva a maldade. Agora que ele está se redimindo, encontrou um homem lindo e bom (sim, o maniqueísmo rasteiro faz parte da linha divisória dos roteiristas de hoje em dia). De todos os dramas que a novela tentou tratar – amor na terceira idade, câncer, lúpus, barriga solidária, Aids, alcoolismo, e até – pasmem! – conflito entre árabes e judeus – talvez esse seja o único que tenha tido sucesso: assistimos em horário nobre, com a família, um romance gay. Depois de abusar dos trejeitos e clichês, acompanhamos uma paquera, vimos as sutilizas do encontro entre duas pessoas. Incrível que sejam dois homens. Fazer todo mundo torcer por um beijo deles é algum mérito da novela. Agora, cá entre nós, que mundo é esse que acha tranquilo ver cenas como a facada de Aline em Ninho e se enche de pudores para um lindo beijo na boca?

5 6

6 3

3 1

7

2 8 91 3 6 7 1

3 8

7

1

3 6 4 9 7 8 2 5 1

7 8 1 3 5 2 4 6 9

6 2 5 4 9 1 8 7 3

1 7 8 5 2 3 9 4 6

4 3 9 6 8 7 1 2 5

9 1 7 2 3 6 5 8 4

2 4 6 8 1 5 3 9 7

8 5 3 7 4 9 6 1 2

Solução

5 9 2 1 6 4 7 3 8

8 5 3 7 4 9 6 1 2

6000588

1 7 8 5 2 3 9 4 6

4 3 9 6 8 7 1 2 5

9 1 7 2 3 6 5 8 4

2 4 6 8 1 5 3 9 7

8 5 3 7 4 9 6 1 2

Solução

6000588

6 2 5 4 9 1 8 7 3

1

6 7 8 1 3 5 2 4 6 9

3 Solução

81 3 6 4 9 7 8 2 5 1

1

6

5

5 9 2 1 6 4 7 3 8

3

9

2 4 6 8 1 5 3 9 7

2

64

1

www.coquetel.com.br

6000588

7

9 1 7 2 3 6 5 8 4

1

34

5

3

89

4 3 9 6 8 7 1 2 5

6

6

1 7 8 5 2 3 9 4 6

44

5

6 2 5 4 9 1 8 7 3

8

1

7 8 1 3 5 2 4 6 9

4

89

2

© Revistas COQUETEL

3 6 4 9 7 8 2 5 1

9

2

5 9 2 1 6 4 7 3 8

3

?

Por Janete Oliveira AMIGA DA saúde

Mande sua dúvida: amigadasaude@brasildefato.com.br Aqui você pode perguntar o que quiser para a nossa Amiga da Saúde

Amiga da Saúde, fui diagnosticada com gastrite, estou na fase de exames adicionais, e terei que tomar uma medicação de 12 em 12 horas. Quais podem ser as causas dessa doença? Ela tem cura Viviane Ferreira, 30 anos Cara Viviane, a candidíase é um dessa flora, seja por ação de me- ou terei que conviver com ela durante toda a viproblema causado pela prolife- dicamentos como, por exemplo, da? Gostaria de saber o que pode causar a candidíase e o que devemos fazer para evitá-la. Obrigada!

ração do fungo Cândida sp, em qualquer lugar do corpo. As mais comuns são a candidíase vaginal e a oral (sapinho), pois esse fungo gosta de regiões úmidas e quentes. O sapinho é mais comum em crianças e pessoas com imunidade baixa, já a candidíase vaginal é mais frequente, afetando grande parte de nós mulheres. A cândida já faz parte da flora vaginal, entretanto vive em equilíbrio com outros microrganismos, sem nos causar problemas. Ocorre que o desequilíbrio

alguns antibióticos, seja por fatores locais, como uso de roupas muito justas e sintéticas, provoca um crescimento exagerado do fungo, causando sintomas como vermelhidão, coceira e corrimento branco, tipo leite talhado. Alimentação equilibrada com pouco açúcar, uso de roupas leves e de algodão, evitar ficar com biquíni molhado por muito tempo, evitar uso de sabonetes íntimos, são formas de evitar o problema. Caso continue com sintomas, procure tratamento médico.

Raíssa Lopes, 21, estudante Querida Raíssa, a principal causa da gastrite nos dias de hoje é o estresse. Excesso de atividades, correria, pressão no trabalho ou escola. Mas ela também pode ser causada por uso excessivo de medicamentos, como alguns anti-inflamatórios ou mesmo pela infecção pela bactéria H. Pylori, presente em alimentos crus. Por isso, é preciso concluir o diagnóstico para saber qual é o tipo de gastrite que você tem,

e assim acionar o tratamento adequado. Na maioria das vezes, a gastrite tem cura, mas é preciso cuidar da saúde no cotidiano para evitar que ela retorne. Mastigar bem os alimentos, não ficar muito tempo sem comer, evitar líquidos e comidas pesadas antes de dormir, fazer exercícios físicos e manter o peso sob controle são só algumas das muitas coisas que podemos fazer pela saúde do estômago.

Olá Amiga da Saúde, adoro tomar refrigerantes, mas sempre ouço dizer que faz muito mal à saúde. É verdade? Sandra Aparecida, 46 anos, taxista. É verdade sim, Sandra. O consumo adequado de refrigerantes é de, no máximo, uma vez por semana. Mais que isso é considerado excesso e pode fazer mal à saúde. Os refrigerantes contêm muito açúcar. Quem toma um copo por dia tem 83% mais de chances de desenvolver diabetes. Além disso, a acidez pode causar desgaste nos dentes, o excesso de gases poder provocar gastrite, desconforto e dores abdominais. Os refrigerantes também contêm muito sódio, o que causa retenção de líquidos e aumento de peso, barriga inchada e até celuli-

tes. Ou seja, não faltam motivos para reduzir o consumo de refrigerantes. Substitua por água e suco natural sem açúcar, você fará um bem enorme à sua saúde!

14 | cultura

Belo Horizonte, de 31 de janeiro a 06 de fevereiro de 2014

Talento das ruas: lavador de carros e pintor TINTA Valmir Silva aprendeu a pintar entre a lavagem de um carro e outro e está com suas obras em exposição Débora Junqueira De Belo Horizonte Com um talento nato para as artes plásticas, o lavador de carros Valmir Silva, 49 anos, se transformou num artista reconhecido, expondo em várias galerias no país. Quem o vê nas ruas entre baldes e telas, não imagina que alguns de seus quadros são vendidos por mais de R$ 1.500 e agradam pela autenticidade e ineditismo da pintura desse artista autodidata. Em suas obras, Valmir usa tinta acrílica com técnicas diferenciadas que fogem dos padrões acadêmicos. Ele consegue retratar de forma alegre lugares turísticos da capital mineira e de outras localidades que sempre admirou e gostaria de conhecer. Valmir estudou até a 4ª série do ensino fundamental e desde pequeno lava carros para ajudar no sustento da família. Admirador de belas paisagens, ele conta que quando uma loja próxima de onde trabalhava jogava fora molduras de quadros usadas, ele as pegava para emoldurar gravuras, pedaços de madeiras ou tecidos improvisados que começou a pintar. Em 2008, ele viu um artista pintando uma tela diante de um prédio

na Praça da Liberdade e perguntou como ele poderia fazer para aprender também. O artista ofereceu-lhe algumas aulas de graça. E lá foi ele com suas telas e as tintas no intervalo entre um carro e outro, na região da Savassi, em Belo Horizonte. “No início, o que pintei ficou muito feio, mas com as orientações que recebi, aos poucos foi melhorando e as pessoas começaram a falar que estava bonito, assim eu me entusiasmei”, diz, com simplicidade. Estimulado pelo artista plástico José Alberto Nemer e o empresário Eduardo Simões, ele fez a sua primeira exposição na Galeria da Cemig em 2011, onde a qualidade das obras do artista, que não possui qualquer formação, foi ressaltada por especialistas. Ele já expôs em galerias de São Paulo e do Rio de Janeiro, mas o dinheiro que ganha com a venda dos quadros ainda não é suficiente para deixar a atividade de lavador de carros. Atualmente, entre a lavagem de um carro e outro, é comum vê-lo sentado na calçada pintando ou estudando “O dinheiro que ganhei com os quadros já me ajudou bastante, fiz até uma cirurgia para tentar corrigir um problema no ombro, comprei computador e outras coisas”, conta.

Débora Junqueira

Vlamir Silva tem suas obras expostas na concessionária Recreio

Até o dia 8 de fevereiro, as obras do pintor Valmir Silva estarão em exposição no espaço cultural da concessionária Recreio (Avenida Barão Homem de Melo, 3535 – Estoril). A visitação é gratuita e acontece de segunda a sexta-feira, de 8h às 19h, sábados, de 8h às 15h e, aos domingos, de 9h às 12h.

Tiradentes é palco para o cinema Silvia Cristina dos Reis da Vertentes Agência de Notícias A 17ª Mostra de Cinema de Tiradentes começou na sexta-feira (24), com o tema “Processos Audiovisuais de Criação”. A edição deste ano homenageia o ator Marat Descartes, protagonista do filme Quando Eu Era Vivo, exibido na abertura da Mostra, de Marco Dutra. Conhecida em todo país, a Mostra de Cinema de Tiradentes faz parte do calendário de cinema brasileiro, sendo o primeiro evento cinematográfico do ano. Durante esta edição, que acontece entre os dias 24 de janeiro e 1º de fevereiro, será exibido ao público um panorama da produção independente do

cinema brasileiro. Ao todo, serão exibidos 134 filmes, sendo 29 longas, 4 médias e 101 curtas-metragens, vindos de 16 estados do país. As exibições são no Cine-Tenda, no Cine BNDS e no Cine-Teatro (Centro Cultural Yves Alves). Além das exibições cinematográficas, durante a semana acontecem debates, seminários e oficinas para o público adulto e infanto-juvenil. A 17ª Mostra de Cinema de Tiradentes traz também espetáculos de circo, teatro, performances audiovisuais, exposições, lançamentos de livros e DVDs, além de shows, que ocorrem todas as noites após a última sessão de cinema, com destaque para os músicos mineiros. Nos seus últimos dias, a Mostra traz a

Universo Produção

banda Graveola e Lixo Polifônico, na noite de 31 de janeiro, e o cantor Túlio Mourão, no dia 1º. Toda a programação é gratuita e aberta ao público e pode ser acessada através do site oficial do evento www.mostratiradentes.com.br. Cidade de Deus, 10 anos depois No sábado aconteceu a estreia do filme Cidade de Deus – 10 anos depois, documentário de Cavi Borges e Luciana Vidigal, que concorre ao prêmio do júri popular da Mostra. O documentário mostra como estão os atores de Cidades de Deus, dez anos após o lançamento do filme, que ainda hoje é sucesso nacional e internacional.

cultura | 15

Belo Horizonte, de 31 de janeiro a 06 de fevereiro de 2014

AGENDA DO FIM DE SEMANA PASSEIO

é tudo de graça! MÁGICA

Em homenagem ao Dia Internacional do Mágico, grupo de reconhecidos ilusionistas apresentam espetáculo com diferentes estilos da Arte MágiO Massa Crítica BH é um movimento em prol ca como cartomagia do respeito a quem usa veículos não motorizae mentalismo. Sexta dos como transporte e pelo compartilhamento (31) às 20h, e sábado em paz das vias públicas da cidade. Pessoas em (1), às 19h, no Centro qualquer tipo de transporte sem motor (bicicle- de Cultura Belo Horita, patins, skate etc.) são convidadas passear pe- zonte – CCBH (Rua da las ruas da capital. Sexta (31), às 19h, na Praça da Bahia, 1149, Centro). Estação. EXPOSIÇÃO

INFANTIL

A mostra Um olhar sobre o Brasil retrata 170 anos da história do país. Sábado (1), das 9h às 21h, no CCBB (Praça da Liberdade).

Segunda a quinta-feira CARTOGRAFIA

CINEMA

Whorkshop de produção de cartografias críticas que explorem alternativas aos modos tradicionais de habitar a cidade. Quinta (6), de 14h às 19h, na Casa UNA de Cultura (Rua Aimorés, 1.451, Lourdes). CINEMA

Exibição do documentário Daquele instante em diante, que percorre a trajetória musical de Itamar Assumpção. Sábado (1), às 20h, no Sesc Palladium (Av. Augusto de Lima, 420, Centro). MÚSICA

INFANTIL

MÚSICA

Oficina de Modelagem em Argila para crianças. Sexta (31), às 15h, no Centro Cultural Venda Nova (Rua José Ferreira Santos, 184, Venda Nova).

O evento Noite no Sertão traz apresentação de músicas sertanejas de raiz com artistas da região e convidados. Sexta (31), às 19h, no Centro Cultural Lindéia Regina (Rua Aristolino Basílio de Oliveira, 445, Lindéia).

Mostra Internacional Itambé de Cinema Infantil. Até 23/02, sexV Mostra de Cinetas às 18h e 20h, e sábama: Cultura, Arte e dos e domingos das 10h Poder. De 02/02 a 09/02, no Cine Hum- às 18h nas praças JK, Duque de Caxias, Floriaberto Mauro (Avenida Afonso Pena, 1537, no Peixoto e Liberdade. Centro).

Roda de Djembês e grupo de estudos sobre a prática do instrumento. Segunda (3), das 20 às 22h, na Casinha (Rua Juiz de Fora, 114, Barro Preto).

esporte |

na geral Cruzeiro campeão do Vôlei Masculino Ivan Amorim/CBV

O Cruzeiro confirmou sua hegemonia no Vôlei brasileiro ao conquistar a Copa do Brasil, competição cuja fase final foi disputada no último final de semana, em Maringá. A equipe mineira derrotou na final o SESI-SP, num jogo muito disputado, por 3 sets a 2 (21/17, 15/21, 16/21, 21/15 e 23/21). Com esta conquista, o Cruzeiro chegou à incrível marca de 10 títulos em 13 competições disputadas desde 2010.

Time indígena no “Parazão”

Brasileirão 2014 sob ameaça

A melhor do mundo

O campeonato paraense, conhecido como Parazão, conta neste ano com a participação do primeiro clube profissional de origem indígena do Brasil. É o Gavião Kyikatejê Futebol Clube, originário da tribo Kyikatejê-gavião de Bom Jesus do Tocantins, a 480 Km de Belém, cujo nome significa “povo do rio acima”. O time, antes conhecido como Castanheira EC, deixou o futebol amador em 2009, quando adotou o nome atual. Em 2013, o Gavião foi vice da segunda divisão, o que garantiu seu acesso à elite do futebol no Pará. Na estreia do time, antes de a bola rolar, os índios fizeram cerimônia com danças e cantaram o Hino Nacional na língua indígena Jê. Desde a estreia, foram cinco partidas e o Gavião ocupa o sexto lugar na tabela com quatro pontos ganhos. O futebol é o canal condutor para o sonho dessa tribo de 320 índios que, junto com o time, ganhou a missão de mostrar um pouco da cultura indígena através de um esporte tão popular no Brasil.

O advogado da CBF, Carlos Miguel Aidar, admitiu na última terça-feira (28) que o Campeonato Brasileiro de 2014 pode ser realizado com mais de 20 clubes ou até mesmo não acontecer devido ao imbróglio sobre o caso da perda de pontos da Portuguesa. De acordo com o Estatuto do Torcedor, a data limite para que a CBF publique a tabela do campeonato é 20 de fevereiro. Segundo Aidar, a palavra final será do Poder Judiciário, já que cada uma das partes que se sente lesada está procurando defender seus direitos. A atuação do advogado se resume à cassação das liminares contra o rebaixamento. Se todo esse problema por um lado é ruim, por se tratar de um ano de Copa em que os olhos do mundo estarão no Brasil - por outro, com todos os podres da CBF vindo à tona, somados com a atuação do Bom Senso F.C., começa a aparecer uma luz no fim do túnel para uma grande mudança no futebol brasileiro, deixando-o mais atrativo e acessível para o povo.

Uma goleira venceu pela primeira vez na história a disputa do prêmio Bola de Ouro Fifa. A alemã Nadine Angerer, de 35 anos, foi eleita a melhor jogadora do mundo por sua temporada brilhante em 2013, quando conquistou a Eurocopa Feminina, sendo eleita a melhor goleira e jogadora da competição. A premiação ocorreu no último dia 13 de janeiro em Zurique, na Alemanha.

?

?? ?

Você Sabia

A atacante Marta é a recordista de prêmios da Bola de Ouro Fifa. A brasileira já foi eleita cinco vezes consecutivas a melhor do mundo (2006 a 2010). Depois dela está Lionel Messi com quatro prêmios (2009 a 2012).

16 | esporte

Belo Horizonte, de 31 de janeiro a 06 de fevereiro de 2014

OPINIÃO Atlético

Quem viver, verá Reprodução

Esta é uma homenagem ao chargista Duke, que foi condenado a pagar uma indenização ao árbitro Ricardo Marques por uma charge feita em 2010.

OPINIÃO Cruzeiro Rogério Hilário Não se iludam os rivais e concorrentes, eufóricos precipitadamente e os comentaristas alarmistas. Muito menos, se preocupem os atleticanos. O resultado de quarta-feira, em Sete Lagoas, diz pouco. Empatar, sem gols, com o Minas, por certo nada vai significar no restante da disputa pelo tricampeonato mineiro e, menos ainda, na luta pelo bi na Copa Libertadores. Sem ritmo e fora de forma, era improvável um espetáculo. Haja visto o que aconteceu em todos os jogos da primeira rodada. Diego Tardelli perdeu três chances, Jô, outra. O time, ao que parece, vai demorar um tempo para se adaptar ao estilo de Paulo Autuori. Embora o treinador estreante tenha enfatizado que manteria o esquema vitorioso de Cuca, ficou claro que ta-

ticamente a equipe mudou. A ligação direta, feita pelo goleiro Victor, pouco foi usada. Jô atuou isolado na frente, sempre entre muitos defensores. A estratégia, bem-sucedida, principalmente, na competição sul-americana, quase desapareceu. Valorizou-se mais o toque de bola e as arrancadas pelas laterais. Victor, mais uma vez, foi o salvador da pátria nos momentos mais críticos. Fernandinho, evidentemente, precisa pensar na mesma velocidade que conduz a bola. Deve-se ressaltar que faltou também o talento de Ronaldinho Gaúcho, suspenso, mas agradecido pelo descanso, Luan, contundido e como de resto, lateral-esquerdo é uma incógnita contínua. Quem sabe Pedro Botelho dê conta do recado? É ver para crer. Reprodução

OPINIÃO América Para brigar por título Bráulio Siffert A impressão que o América deixa nesse começo de temporada é de que o time tem potencial para evoluir e brigar pelo título do Mineiro e da Série B. A mistura de muitos jogadores novos (sendo inclusive boa parte da base do América) com alguns mais rodados, como Obina e Leandro Guerreiro, pode dar liga. A propósito, após a estreia do América no Mineiro - contra o Tupi no Independência - vi algo que não me lembro de ter visto antes: apesar do empate, a torcida foi embora sem reclamar do time. Falta ao América, como aliás falta a todo o futebol brasileiro, traba-

A torcida compareceu em bom número à estreia

lhar a bola, fazer jogadas, ensaiar bolas paradas, usar a técnica - e não jogar apenas com o acaso ou com a habilidade. Pelo menos o América, nesses tempos de futebol desorganizado, tem o carisma, a vontade e os gols do bom baiano Obina - que certamente dará muitas alegrias ao torcedor do Coelhão.

Existem muitos Douglas na cidade Elmo Alves

Wallace Oliveira Desde que nasceu, em 1994, Douglas vive no bairro Primeiro de Maio. Seu nome é uma homenagem ao volante William Douglas, ídolo da Supercopa de 92. Seu pai o levou pela primeira vez a uma partida de futebol para ver Sorín jogar. Aos sete anos, já era um cruzeirense apaixonado. A semana de Douglas é uma longa preparação para o jogo de domingo. Com apenas um ano, ele passou a frequentar o Mineirão com garotos da mesma idade. Com apenas quinze reais, ele podia pagar as passagens de ônibus, a meia entrada e o tropeiro do próprio bolso, pois já trabalhava num supermercado. No Mineirão, Douglas conheceu a torcida organizada da qual se tornou parte e com a qual aprendeu uma variedade de cânticos que, entoados a uma só voz por milhares, convertem a multidão numa gigantesca entidade que joga nas arqui-

bancadas enquanto os atletas jogam nos gramados. Quando o Cruzeiro perdeu a Libertadores, Douglas não desanimou. Quando o Cruzeiro foi para a distante Arena do Jacaré, Douglas não se ausentou. Quando o Cruzeiro quase foi rebaixado, Douglas não renegou. Quando alguns poucos torcedores praticaram a violência, Douglas não aprovou. Agora, porém, Douglas está sendo expulso de sua segunda casa. Primeiro, porque nossos estádios foram transformados em recintos do lucro abusivo, onde os pobres não têm lugar. Segundo, porque dizem que Douglas, pelos simples fato de pertencer a uma torcida organizada, é um criminoso, um intruso, um inimigo, a causa final da desordem e da violência. Existem muitos Douglas na cidade. Afastados do Mineirão, eles seguem amando o Cruzeiro em seus bons e maus momentos.


Edição 23 do Brasil de Fato MG